05 Apicultura

Click here to load reader

  • date post

    14-Jun-2015
  • Category

    Documents

  • view

    2.374
  • download

    6

Embed Size (px)

description

tetste

Transcript of 05 Apicultura

MANUAL TCNICO, 05

ISSN 1983-5671

Jean Samel Rocha

05

Niteri-RJ julho de 2008

MANUAL TCNICO, 05

ISSN 1983-5671

Jean Samel Rocha

05

Niteri-RJ julho de 2008

PROGRAMA RIO RURAL Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuria, Pesca e Abastecimento Superintendncia de Desenvolvimento Sustentvel Alameda So Boaventura, 770 - Fonseca - 24120-191 - Niteri - RJ Telefones : (21) 2625-8184 e (21) 2299-9520 E-mail: [email protected]

Governador do Estado do Rio de Janeiro Srgio Cabral

Secretrio de Estado de Agricultura, Pecuria,Pesca e Abastecimento Christino ureo da Silva

Superintendente de Desenvolvimento Sustentvel Nelson Teixeira Alves Filho

Rocha, Jean Samel. Apicultura / Jean Samel Rocha. -- Niteri : Programa Rio Rural, 2008. 27 f. ; 30 cm. -- (Programa Rio Rural. Manual Tcnico ; 5) Programa de Desenvolvimento Rural Sustentvel em Microbacias Hidrogrficas do Estado do Rio de Janeiro. Secretaria de Agricultura, Pecuria, Pesca e Abastecimento. Projeto: Gerenciamento Integrado de Agroecossistemas em Microbacias Hidrogrficas do Norte-Noroeste Fluminense. ISSN 1983-5671 1. Apicultura. I. Ttulo. II. Srie. CDD 638.1

Sumrio

1. Introduo.................................................................................4 2. Apicultura, a natureza e as abelhas...............................................5 3. Quem pode ser apicultor?.............................................................5 4. Um breve histrico da Apicultura...................................................6 5. Histria parcial da cincia apcola no Brasil.....................................7 6. Biologia das abelhas....................................................................8 7. Noes de morfologia e anatomia................................................10 8. Comunicao entre as abelhas....................................................11 9. Materiais apcolas e segurana no trabalho...................................11 10. Preparao da colmia para uso................................................13 11. Equipamentos para a coleta do mel............................................14 12. Vestimenta para manipulao do mel.........................................14 13. Instalao do apirio................................................................14 14. Manejo...................................................................................16 15. Revises das colmias..............................................................16 16. Viso geral para a produo de mel, manuteno de enxames e produo de prpolis.........................17 17. Produo de prpolis................................................................19 18. Inimigos e doenas das abelhas.................................................21 19. Referncias bibliogrficas..........................................................26

ApiculturaJean Samel Rocha1

1. Introduo

A apicultura vem se destacando no meio agropecurio nos ltimos tempos e, entre todas as atividades desenvolvidas com a finalidade de lucro, das mais rentveis. Acrescenta renda, por no requer exclusividade, podendo o apicultor ter outros trabalhos e dedicar s abelhas somente algumas horas semanais. E o apirio poder ser colocado no terreno rural de um amigo, no precisando o apicultor possuir terra exclusiva. A abelha um ser fascinante, que encanta qualquer pessoa e, muitas vezes, imagina-se como pode ser to perfeita e organizada. Se os humanos seguissem seu exemplo, teriam uma sociedade melhor. O objetivo deste documento iniciar o aprendizado dos interessados em conhecer o mundo fascinante da apicultura. resultado da reviso bibliogrfica de muitos livros e trabalhos em apicultura e, ainda, da experincia pessoal de mais de doze anos de convivncia com as abelhas, ficando a certeza de que ainda se tem muito a aprender com a sociedade das abelhas.1

Consultor e Instrutor de Apicultura, Agropecuria e Agronegcios. Membro da Cmara Tcnica de Apicultura do Estado do Rio de Janeiro. Rua Paulo Csar de Mello Garcia, 132 Casa 01 Presidente Costa e Silva 28.300-000 - Itaperuna RJ. [email protected]

4

2. Apicultura, a natureza e as abelhasApicultura a parte da zootecnia que trata das abelhas. a arte ou cincia de criar abelhas de forma racional, de produzir em menor tempo os melhores produtos e com o menor custo para obter o maior lucro. No esquecendo que abelhas so seres vivos e que precisam ser cuidadas com carinho, lembrando que elas so defensivas e no agressivas, ou seja, defendem-se e no agridem. As abelhas so importantes para a natureza por propiciarem a polinizao cruzada entre as plantas da mesma espcie. Na verdade, h perfeita harmonia da natureza entre vegetais e as abelhas: as flores oferecem nctar e plen como recompensa pelo extraordinrio trabalho realizado e a polinizao cruzada executada a garantia de perpetuao de muitas espcies, impedindo a degradao gentica desses vegetais. Isso ocorre quando uma abelha, ao visitar as flores, leva plen, que o gameta masculino, de uma flor para outra, fecundando a parte feminina das flores. Mas as abelhas tambm ganham muito com isso, pois encontram no nctar toda a energia e sais minerais que precisam e, no plen, as vitaminas, protenas e aminocidos essenciais vida. As abelhas so geradoras de conscincia de conservao da natureza pelo apicultor, que ao iniciar na atividade vai ser um ecologista nato, uma vez que as abelhas utilizam principalmente a vegetao natural como fonte de alimento e a sua preservao primordial para o sucesso da atividade. Tambm so os insetos mais importantes para o homem pelo que podem oferecer: o mel, um extraordinrio alimento energtico que tem efeitos teraputicos e o adoante natural; a prpolis, resina retirada das plantas e elaborada pelas abelhas para tapar frestas e soldar partes da colmia, servindo tambm como antibacteriano e antibitico natural na colmia e para os humanos. ainda citada em pesquisas cientficas como preventivo do cncer e para o combate a algumas bactrias e fungos; a gelia real, fonte de energia, vitaminas e aminocidos essenciais vida; e a cera, usada em cremes de beleza, pomadas, desodorantes e na indstria moveleira, entre outras aplicaes.

3. Quem pode ser apicultor?Qualquer pessoa pode ser apicultor: crianas, idosos, homens e mulheres. O principal requisito gostar das abelhas, ter amor e admirao por elas. Mas s isso no basta. No pode ser alrgico s picadas das abelhas, que muitas vezes so inevitveis. Se j foi picado alguma vez e no houve reao alrgica sria, no h problema. O inchao em algumas regies do corpo normal, mas se tem mais de dois anos ou ainda no foi picado e no sabe se alrgico, necessrio fazer um teste. Mas lembre-se: somente um mdico pode executar o teste, pois apenas uma picada em uma pessoa alrgica pode levar morte em poucos minutos. Por isso, no arrisque, a segurana em qualquer atividade essencial. Condies para ser Apicultor: gostar muito de abelhas; gostar de aprender; buscar conhecimento constantemente; partilhar experincias.5

4. Um breve histrico da ApiculturaPelas pesquisas arqueolgicas, sabe-se que as abelhas existem h pelo menos 100 milhes de anos. Antes mesmo do surgimento do homem na Terra, as abelhas j existiam. Elas exerceram importante papel entre os egpcios, gregos e romanos. No Egito, existe at hoje a dana tpica chamada "Passo da Abelha". Na Grcia, eram valorizadas no comrcio e na literatura. As antigas moedas gregas estampavam, numa das faces, uma abelha como smbolo de riqueza. Os romanos as veneravam como smbolo de admirao e de defesa de seu territrio. Quanto apicultura, de acordo com documentos de vrios historiadores, remonta ao ano 2.400 a.C., no antigo Egito. Entretanto, arquelogos italianos localizaram colmias de barro na ilha de Creta datadas, aproximadamente, de 3.400 a.C. De qualquer forma, at onde se registra, o mel j era utilizado desde 5.000 a.C. pelos sumrios. Por muito tempo, na Frana, constitua grande honra receber uma medalha de ouro estampando uma colmia povoada de abelhas. Lus XII, muitas vezes, usava seu pomposo manto real todo bordado de abelhas douradas como sinal de mansido e bondade. Como as abelhas foram importantes desde os primrdios da humanidade, como smbolo de defesa, riqueza e tema de escritos do sbio Aristteles, tambm hoje as abelhas continuam sendo produtoras de alimentos naturais riqussimos, essenciais para a humanidade que a cada dia sofre de fome crescente. Alm de produtora de alimentos e de ser o principal agente polinizador das flores, aumentando a produo de frutos e sementes, a abelha uma educadora. Todas as pessoas, de ambos os sexos, de crianas a idosos, devem aprender a lidar com abelhas. Nesse manejo, as pessoas aprendem a se organizar e a trabalhar em cooperativismo, como as abelhas fazem. As maiores descobertas para o desenvolvimento da apicultura surgiram a partir de Aristteles, mas s a partir do sculo XVII que houve considervel avano no desenvolvimento e aperfeioamento das tcnicas de manejo. Foi com o surgimento do microscpio que Swammerdam (1637-1680) desvendou o sexo da rainha pela dissecao (at ento se supunha ser um rei). Janscha descobriu, em 1771, que a fecundao da rainha ocorre ao ar livre. Schirach, tambm em 1771, provou que a rainha se originava do mesmo ovo que pode originar uma abelha operria. Francisco Huber demonstrou que as rainhas acasalam-se mais de uma vez. Johanes Dzierzon confirmou, em 1845, a partenognese em abelhas cruzando rainhas italianas com zanges crnicos. Johanes Mehring produziu a primeira cera alveolada, em 1857. Franz Von Hruschska inventou a mquina centrfuga para tirar mel sem danificar os favos, em 1865. Lorenzo Lorain Langstroth descobriu o "espao abelha", que nada mais do que o vo entre um favo e outro. Esse espao deve variar entre 6 e 9mm. A partir da, criou o quadro mvel, que fica suspenso dentro da colmia pelas duas extremidades. Todas essas descobertas levaram criao da colmia Langstroth, em 1851, considerada padro e at hoje a mais usada em todo o mundo. A partir dela, deu-se o maior avano na apicultura devido facilidade de manejo que proporciona.6

5. Histria parcial da cincia apcola no BrasilWarwick Estevam Kerr, no prefcio do livro "Manual de Apicultura" (CAMARGO, 1972), diz:informei que a cultura das abelhas no Brasil tem cinco fases distintas: A primeira, anterior a 1840, em que s se cultivavam Meliponneos; no sul as mandaaias, mandaguaris, tuiuvas, jatais, manduris e guarupus; no nordeste a uru, a jandara e a canudo; no norte a uru, a jandara, a uru-boca-de-renda e algumas outras. A segunda fase comea em 1840, com a introduo no Brasil de Apis mellifera mellifera, que tornou na nossa abelha "europa", ou "abelha-do-reino" e que, devido transferncia de tecnologia, impasse como a abelha produtora de mel. De 1845 a 1880, com a migrao dos alemes, vrias colnias de Apis mellifera mellifera foram trazidas da Alemanha e teve incio a apicultura nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paran e So Paulo (Limeira, Piracicaba, So Carlos). Uma terceira fase tem incio mais ou menos em 1940, com os primeiros movimentos associativos: a comercializao comea a se fazer sentir, porm, s recentemente que ela est sendo bem organizada. A quarta fase vai de 1950 at 1970. Nestes 20 anos, um grupo de pesquisadores de So Paulo, Curitiba, Piracicaba, Rio Claro, Ribeiro Preto, Araraquara, Florianpolis, Taquari e Pindamonhangaba, pe o Brasil no mapa mundial das investigaes cientficas apcolas, constituindo-se atualmente num dos maiores grupos de cientistas especializados neste campo no mundo todo. Nesta fase introduzida a abelha africana para fins de cruzamentos, segregaes de linhagens que aliem suas boas propriedades s boas propriedades das melhores linhagens italianas. Um acidente em sua manipulao provocou a enxameao de 26 colmias, que iniciaram a africanizao da apicultura brasileira. Seu efeito foi drstico entre 1963 a 1967. Todavia, o grupo de pesquisas, com a colaborao dos apicultores, conseguiu entre 1965 e 1970 resolver o problema, pelo menos do ponto de vista do retorno produo. At 1970 foram realizadas as Semanas de Apicultura e Gentica de Abelhas de nmeros 1, 2 e 3.

O problema da abelha africana e a aliana entre apicultores e cientistas indicam que se inaugurou uma quinta fase na Apicultura Brasileira, de 1970 para c: a fase em que juntos, cientistas, apicultores e governo, de mos dadas, passam a resolver vrios problemas da apicultura. Aqui, alm dos grupos mencionados, incorporam-se, tambm, Viosa, Curitiba, Recife, Manaus, Londrina, Barretos e Jabuticabal. Hoje, vivendo plenamente essa quinta fase, apicultores e cientistas tm em mos alguns problemas muito grandes: a extrema agressividade que ainda caracteriza a abelha do Norte e Nordeste brasileiros e a nova invaso da cana-de-acar e a conseqente produo de mel escuro. O melhor histrico da Apicultura Brasileira o feito por Nogueira Neto (1972). Examinando documentos cientficos, conclui ele que quem introduziu a Apis mellifera no Brasil foi o Padre Antnio Carneiro Aureliano, com a colaborao secundria de Paulo Barbosa e Sebastio Clodovil de Siqueira e Mello, em maro de 1839, proveniente do Porto, Portugal. Em 1845, afirma Paulo Nogueira Neto, os colonizadores alemes trouxeram raas de Apis mellifera mellifera da Alemanha, introduzindo-as no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e7

Paran. De 1870 a 1880, Hanemann & Shenck, Hanemann & Brunet trouxeram as primeiras abelhas italianas para o Sul do Brasil. Ainda segundo Nogueira Neto, Brunet recebeu duas colnias de abelhas francesas e duas colnias de abelhas italianas e as introduziu em So Bento das Lages - BA.

6. Biologia das abelhasAs abelhas pertencem ao reino animal, classe dos insetos e ordem hymenptera, espcie mellifera. Aqui vamos tratar das abelhas do gnero apis, em especial as encontradas no Brasil, hbridas e resultado do cruzamento de raas europias com raas africanas, vulgarmente chamadas de africanizadas. Existem muitas raas de abelhas do gnero apis, mas no o objetivo deste material descrever uma a uma, pois isso pode ser obtido em livros de apicultura. As abelhas africanizadas se organizam em colnias ou sociedades, formando os enxames, onde se encontram castas que, em mdia, tm de 10.000 a 80.000 abelhas operrias; de 100 a 400 zanges e 1 rainha. As castas so distintas; a rainha me de todas e pe ovos (fecundados) que do origem s operrias e vulos (no fecundados) que do origem ao zango. A rainha nasce de um ovo fecundado que superalimentado e tem preparado um bero especial (realeira). Os ovos da rainha precisam de temperatura entre 30 e 36C para se desenvolverem e eclodirem, o que necessita de uma populao de abelhas para aquecer o ninho e manter a temperatura. A seguir, so apresentadas as diferenas entre as castas: Casta Operria Zango Rainha ovo 3 dias 3 dias 3 dias larva 6 dias 6,5 dias 5,5 dias pupa 12 dias 14,5 dias 7,5 dias total 21 dias 24 dias 16 dias Tempo de vida 38 a 42 dias 80 dias 5 anos

A operria - a abelha que nasce do ovo que fecundado e aps a ecloso alimentado nos trs primeiros dias com gelia real (diferenciada) e, posteriormente, com a mistura de mel com plen, at o incio do perodo de pupa. No perodo de pupa, ela no se alimenta e sofre metamorfose, mudando de cutcula vrias vezes at se tornar um inseto adulto. Quando deixa o alvolo, no primeiro dia de nascida ela se alimenta e, j no segundo dia, comea as tarefas de limpeza e aquecimento do ninho. Do 4 ao 12 dia, as operrias alimentam as larvas, preparando os alimentos e gelia real, e recebem o nome de nutrizes. Fazem a mistura engolindo mel retirado dos favos, principalmente os no operculados, gua e plen e, no trato digestivo, ocorrem importantes transformaes qumicas naturais. O alimento ento regurgitado no fundo do alvolo, onde esto as larvas carentes de alimento, e alguns alimentos so misturas das secrees das glndulas hipofarngea e mandibular das operrias.

8

Do 14 ao 21 dia de vida, so chamadas de engenheiras por se dedicarem produo de cera, reforma e construo dos favos. As glndulas de cera esto localizadas na parte inferior do abdmen. Aos 21 dias, tambm defendem a famlia, vigiando o alvado da colmia. A partir do 21 dia, so chamadas de campeiras e trabalham buscando alimentos (nctar, plen) at o final de suas vidas, que dura, em mdia, de 38 a 42 dias. Dependendo do perodo do ano (inverno ou vero), buscam tambm resinas para fazer prpolis e gua para resfriar e diluir os alimentos. Esses perodos de atividades em relao idade das abelhas so flexveis e podem variar de acordo com a demanda por determinada atividade. As operrias so do sexo feminino, mas possuem o aparelho reprodutor atrofiado. Na ausncia da rainha por longo perodo, alimentam-se de gelia real e chegam a pr ovos. Porm, por no serem fecundados, s nascem zanges. As operrias morrem logo aps ferroarem porque deixam presos na vtima o ferro, o saco de veneno e parte do intestino. Liberam ainda um cheiro caracterstico, marcando o local que foi ferroado, para que outras operrias ataquem o mesmo local. A rainha - a me de todas as abelhas da colmia e dos zanges. a nica que tem os rgos femininos reprodutores perfeitamente desenvolvidos e nasce em bero especial (realeira), sendo alimentada por gelia real durante toda a vida, desde o perodo larval. Cada enxame possui apenas uma rainha. Em casos excepcionais, pode tolerar sua filha por alguns dias, caso necessrio, at que uma saia com o enxame, resultando na enxameao natural. Normalmente, quem sai a rainha me, deixando a filha em seu lugar. Sua principal funo na colmia pr ovos e manter o enxame unido pelo cheiro caracterstico (feromnio). Ela no possui rgos de trabalho e dos ovos gerar as operrias e zanges, chegando a por 3.000 ovos em um s dia, mais de duas vezes o seu prprio peso. A postura depende do alimento que entra na colmia (nctar e plen), podendo diminuir ou aumentar conforme a quantidade. No inverno, pode parar totalmente a postura por alguns dias se a falta de alimentos for total. Leva 15 dias para nascer; a partir do 4 dia de nascida, faz seu primeiro vo de reconhecimento e localizao da colmia e o vo nupcial ocorre normalmente no 9 dia. Ela pode fazer quantos vos forem necessrios para encher a espermateca (reservatrio de smen), chegando a acasalar com 36 zanges. No segundo dia, aps o vo nupcial, comea a pr ovos e, depois de iniciada a postura, no acasala mais at a sua morte, vivendo em mdia de 2 a 5 anos. Nos alvolos menores, pe ovos fecundados dos quais nascem operrias. Nos maiores, pe ovos no fecundados que geram zanges. Os ovos postos so brancos e ficam em p no fundo do alvolo. Vo deitando com o passar dos dias e eclodem no 3 dia. A rainha usa as patas dianteiras para medir o alvolo e determinar a fecundao ou no. No caso de esgotamento da espermateca, comea a pr ovos no fecundados involuntariamente e s gera zanges. Nesse caso, as operrias podem detectar e eliminar a rainha.9

Para manter as operrias informadas de sua presena, produz feromnios (cheiros caractersticos), que marcam a sua presena na colmia. Quando vai envelhecendo, perde a capacidade produtiva e diminui a produo de feromnios, sendo substituda naturalmente ou pelo apicultor, o que deve ser feito. O zango - o macho das abelhas e possui aspecto que o caracteriza como tal. abrutalhado e possui mais plos. No possui rgo de trabalho e sua nica funo se acasalar com as rainhas. Os zanges so amantes dos favos de mel e da boa vida. Possuem um superolfato, localizando uma rainha virgem (princesa) num raio de at 10km. Os zanges, que tm o prestgio de acasalar, morrem no ato por deixarem preso na rainha o seu rgo externo no momento da ejaculao. Atingem a maturidade sexual aos 12 dias de nascidos e vivem, em mdia, 80 dias, mas so expulsos da colmia no perodo de entressafra. Resultam da reproduo por partenognese e nascem em 24 dias. Sempre tm av, mas nunca pai, pois nascem de um ovo no fecundado.

7. Noes de morfologia e anatomiaA parte externa visvel, que recobre os rgos internos e os msculos o exoesqueleto ou esqueleto externo. Internamente, chamado de endoesqueleto e serve de sustentao aos msculos e rgos. O corpo dividido em cabea, trax e abdmen. Cabea - onde esto localizados os olhos, ocelos, o aparelho bucal e as antenas. Internamente, so encontrados glndulas e gnglios nervosos. O formato da cabea se diferencia nas trs castas (operria, zango e rainha). Possui a maior parte dos rgos sensoriais e, nas antenas, esto o olfato, o tato e a audio. Os olhos compostos so dois, um de cada lado; so fixos e percebem cores como amarelo, verde azulado, azul e o ultravioleta, que no enxergado pelo homem. O comprimento de onda vai de 300 a 650 angstrons. Enxergam a longas distncias; no enxergam o vermelho e enxergam outras cores que so misturas com o ultravioleta. Os olhos simples ou ocelos so trs e esto na parte frontal. Enxergam de perto e servem para ver dentro da colmia e no interior das flores. Os olhos so multifacetados e enxergam o cu em 8 faixas visuais. Se precisar desviar, basta colocar o sol em uma das faixas. Para continuar, s colocar novamente na mesma faixa e, no retorno, basta dar uma volta de 180 e colocar o sol na mesma faixa. Na cabea esto as glndulas hipofaringeanas, salivares, mandibulares, parte da faringe e os sacos areos (parte do sistema respiratrio). Trax - a parte que liga a cabea ao abdmen e onde esto os apndices locomotores, as patas e as asas. Internamente, esto o esfago, espirculos e traquias torcicas (entradas de ar para a respirao). Externamente, as asas e as pernas. As pernas se subdividem em coxa, trocanter, fmur, tbia, tarso e pretarso.10

Abdmen - a parte posterior do corpo das abelhas, formado por anis (segmentos) que so interligados por uma fina membrana, que possibilita a movimentao por ser flexvel. Nele se localizam as glndulas cergenas, papo ou vescula melfera, ventrculo (estmago), intestino delgado, ampola retal, glndula de cheiro (produz cheiro para identificar as famlias), tubos de malpighi (rgos excretores que fazem trabalho de rim), traquias e espirculos, proventrculo e o ferro. No abdmen da rainha encontram-se ainda os ovrios, ovidutos, espermateca e vagina, que fazem parte do sistema reprodutor. Nas operrias, essas estruturas esto atrofiadas ou ausentes. No abdmen do zango, h um par de testculos, um par de glndulas de muco e o pnis, que so prolatados na hora da fecundao, sendo o pnis exposto. A respirao se d atravs dos espirculos, das traquias e dos sacos areos, sendo uma respirao por difuso. A circulao feita pelo corao, que fica na parte superior do abdmen. O sangue incolor e frio, chamado de hemolinfa, e circula por todo o corpo atravs dos vasos sangneos.

8. Comunicao entre as abelhasAs abelhas se comunicam de duas maneiras: por meios qumicos, atravs de feromnios, e atravs de danas. Um tipo de feromnio marca a vitima aps o ataque. As operrias so capazes de avisar onde a entrada da colmia em caso de mudana de local e a presena da rainha notada pelo seu cheiro caracterstico, que para o homem imperceptvel. Alm dessa forma de se comunicar, as abelhas utilizam as danas. por meio delas que as campeiras recrutam outras para explorar uma determinada fonte de alimento, informando distncia e direo para as abelhas que assistem dana. Depois de danar, elas do uma pequena quantidade do alimento achado para as outras sentirem o sabor e o cheiro que ajudar na localizao da fonte. Existem vrios tipos de danas, mas as duas principais so a dana circular e a dana do requebrado.

9. Materiais apcolas e segurana no trabalhoVestimentas O apicultor de hoje tem que usar roupa apropriada para sua proteo e segurana, mas, no passado, era possvel trabalhar com as abelhas sem a roupa apropriada. Depois da africanizao das abelhas no Brasil, isso no mais possvel. Os componentes da vestimenta so considerados equipamentos de proteo individual (EPI) e no se deve ir ao apirio sem todos os componentes da vestimenta e o fumigador. Macaco - pode ser feito de brim, nylon ou tela de poliamida. Cobre todo o corpo e pode ter a mscara acoplada. Jaleco e cala - o mesmo que o macaco, porm, dividido ao meio. Mscara - feita de tela e tecido, protege o rosto de ferroadas. Dependendo do modelo da mscara, pode ser necessrio o uso de um chapu de aba dupla.11

Luva grossas, borracha barbante

a ideal a de borracha sinttica para proteger as mos; no use luvas se no quiser levar ferroadas na mo. Use por baixo da luva de outra luva de algodo (a luva de algodo parece que feita de fino).

Bota - essencial usar botas brancas de borracha; no use tnis ou botas pretas, pois as abelhas ficam mais agressivas e atacam essa regio. Equipamentos, utenslios e outros Fumigador - o principal equipamento do apicultor e o mais importante. Em nenhuma hiptese o apicultor deve ir ao apirio sem ele, e mesmo que no v abrir colmias, ele deve ser levado e estar preparado para uma emergncia (carregado e aceso). Sua funo produzir fumaa, que deve ser aplicada fria e branca, pois a fumaa diminui a agressividade da abelha. O enxame fica alerta por achar que h fogo se aproximando da colmia e as abelhas tomam mel para uma possvel fuga, o que as impede de ferroar. Serragem - material para combusto no fumigador. A melhor serragem para esse fim a de madeira clara e que no tem cheiro forte. Deve estar seca e deve ser levada para o apirio em um saco para reabastecimento do fumigador se for necessrio. A serragem deve ser grossa, parecida com lasquinhas de madeira. Pode-se usar, ainda, casca de caf, de melhor efeito do que a serragem. Jornal e fsforo - para acender o fumigador, usam-se duas folhas de jornal amassadas e fsforo ou isqueiro. Formo - ferramenta em forma de L com as extremidades afiadas, usada para abrir as colmias, retirar os quadros e raspar a prpolis. Dependendo do trabalho a ser feito, outros acessrios e utenslios podem ser usados, como sacos plsticos, faca, bandeja, elsticos, fita gomada etc. A colmia A colmia padro usada internacionalmente a Langstroth e recomendase comprar as colmias de fornecedor idneo, acostumado a fazer colmias; se possvel, comprar sempre no mesmo local para evitar diferenas de medidas. Lembre-se: um milmetro de erro nas medidas da colmia pode tornar o manejo impossvel. Recomenda-se, em especial, adquirir colmias feitas de madeira de reflorestamento e que sejam parafinadas, para ter longa durao. A colmia formada por fundo, onde est o alvado (parte aberta para entrada das abelhas, campo de pouso); ninho, onde ficam os quadros de cria; melgueira, que tem a metade do tamanho do ninho em altura; tampa; e quadros, que so 10 para o ninho e 10 para cada melgueira. Acessrios Tela excluidora - feita para impedir que a rainha suba para pr ovos nos quadros da melgueira.

12

Apanha abelhas - tela colocada no alvado para impedir que as abelhas saiam, mas que permite a entrada pelo escape invertido. Tela de transporte - que substitui a tampa na hora de transportar a colmia, possibilitando a respirao das abelhas e impedindo o aumento da temperatura interna. Redutor de alvado - sarrafo de madeira colocado no alvado com o objetivo de diminuir a abertura. Ncleo de desenvolvimento, captura e fecundao - pequena colmia formada pela metade de uma colmia normal, ou seja, com cinco quadros. usada para capturar enxames voadores, enxames pequenos ou ainda para fecundar rainhas virgens. Alimentadores - existem vrios tipos de alimentadores individuais de alvado ou internos e coletivos para alimento lquido ou slido. Os mais conhecidos e mais usados so o Bordman e o ABS, para alimentos lquidos. Coletor de plen - tela usada no alvado, substituindo o fundo ou melgueira, para coletar plen. Ao passarem, as abelhas raspam o plen, que cai na bandeja abaixo. Melgueira para produo de prpolis - parecida com a melgueira comum, porm tem janelas laterais de 2 a 3cm de altura, que as abelhas enchem de prpolis. Cera alveolada - folhas de cera feitas da prpria cera das abelhas. Tm o tamanho do quadro. Nunca economize cera alveolada, pois ela propicia aumento de produo de at 50%. Para cada quilo de cera produzida, as abelhas gastam de 5 a 7 quilos de mel. Limpador de ranhuras - serve para limpar a ranhura dos quadros, local onde a cera alveolada encaixa. Incrustador eltrico - uma resistncia que, ao se colocarem os plos no fio de arame, aquece e adere a cera no arame. A cera colocada no quadro j aramado com a ajuda do incrustador eltrico ou carretilha. Caneco soldador - usado para derreter pequena quantidade de cera virgem para fixar a cera alveolada nas ranhuras do quadro.

10. Preparao da colmia para usoSe o material adquirido for parafinado, no ser preciso pintar a colmia. Caso contrrio, necessrio pintar com tinta branca, amarela ou azul. Mas somente a parte externa; no pintar a rea de pouso do alvado. A melhor opo pintar de amarelo, devido facilidade de camuflar com o ambiente e impedir a localizao e o roubo. Os quadros devem ser pregados e amarrados com arame nmero 24 em todos os furos e as pontas do arame devem ser amarradas e no pregadas para facilitar a sua troca no caso de arrebentar.

13

11. Equipamentos para a coleta de mel Bandeja receptora - encaixa na parte de baixo da melgueira para que esta no fique diretamente no cho. Pode ser substituda por uma tampa de colmia. Garfo desoperculador - garfo com 21 dentes pontudos e compridos que serve para desopercular os quadros e para retirar a tampinha que fecha os alvolos de mel, chamada de oprculo. Para a mesma operao, pode ser usada uma faca desoperculadora. Centrfuga - mquina cilndrica que recebe os quadros e opera com rotao. O mel extrado por centrifugao, deixando os favos vazios e sem danific-los. Existem modelos manuais ou motorizados. Devem ser de inox ou material autorizado pelo Ministrio da Agricultura. Balde - de plstico atxico ou inox para receber o mel da centrfuga e despejar no decantador. Peneira ou coador - para filtrar o mel e retirar todo tipo de impureza. A mais eficiente a meia elstica feminina, encaixada em um coador de leite sem a tela. Depois de usada para coar, deve ser descartada. Decantadores - tanques de inox ou plstico utilizados para deixar o mel descansar e as impurezas e as bolhas de ar subirem. Os decantadores possuem torneiras na parte inferior para escoar o mel, que ser transferido para os baldes de transporte ou envazado diretamente para a venda. Derretedor de cera a vapor - panela usada para derreter cera escura que, posteriormente, na forma de blocos, ser trocada por cera alveolada.

12. Vestimenta para manipulao do melTodo o material de manipulao do mel deve respeitar padres rigorosos de limpeza. Com a roupa do manipulador no pode ser diferente. Para manipular o mel essencial que a pessoa esteja com as unhas curtas e de banho tomado. aconselhvel o uso de avental, luvas cirrgicas, touca e mscara para no contaminar o mel.

13. Instalao do apirioO apirio o local onde vo ficar reunidas as colmias. A escolha do local fator primordial para o sucesso da atividade. O apirio deve estar no mnimo a 300 metros de qualquer atividade ou construo a fim de evitar acidentes. A gua deve estar prxima, ter fcil acesso, e o local ideal no pode ter sol nem sombra em excesso. muito difcil reunir todas essas qualidades, porm deve-se analisar o mximo possvel o local e lembrar de alguns detalhes: um enxame grande pode consumir at 5 litros de gua por dia e as melgueiras de mel pesam muito e voc no agentar carregar todo o material. Portanto, o carro deve entrar no apirio ou encostar ao lado.14

As abelhas precisam de alimentos em quantidade e qualidade, e voam at 3km de raio a procura de alimentos. Lembre-se: quanto mais alimentos, mais mel, mais plen e mais prpolis. Coloque o apirio em local que impea o roubo, comum em algumas regies. Se possvel, coloque as colmias com o alvado voltado para o nascente, de maneira que os primeiros raios de sol entrem e as desperte bem cedo. Evite locais com ventos fortes, pois os ventos atrapalham o vo e prejudicam o aquecimento da colmia. A existncia de outro apirio num raio de 3km tambm prejudica a produo. Se a florada no for muito farta, a produo ser dividida entre as colmias. Manter o apirio capinado ou roado e livre de galhos e folhas essencial para evitar o ataque de formigas e outros inimigos das abelhas. No recomendvel cercar o apirio, e se houver gado no local, no h problemas. Coloque as colmias distantes uns 3 metros umas das outras para permitir a passagem entre elas. No incio, algum animal poder levar uma ou duas picadas, mas vo fugir e vo se respeitar. Os animais sabem seus limites, mas se, ao contrrio, o local for cercado, um animal pode conseguir entrar e, se for picado, na hora do desespero poder no encontrar sada e morrer de tanta picada. Pastos de vacas ou outros animais leiteiros devem ser evitados, porque as picadas causam infeces no peito dos animais. Todos os passos iniciais tomados? hora de povoar o apirio. Existem trs maneiras de se iniciar o apirio: a primeira comprar enxames; a segunda montar caixas iscas e aguardar os enxames pousarem; a terceira opo capturar enxames pousados recentemente em algum lugar ou transferir de locais j instalados, podendo estar em cupinzeiros, assoalhos, forros, em rvores, etc. Para usar os enxames recm-pousados, basta sacudi-los dentro da caixa com quadros com fitinha de cera alveolada de uns 4 cm. A fitinha de cera nesta fase importante para os favos ficarem retos no quadro e no pode ser lmina inteira porque os enxames no entram em caixas com pouco espao. Transporte para o local definitivo e, se for possvel, retire pelo menos dois quadros de cria, sendo um quadro de cria aberta e outro de cria fechada e coloque no enxame recm-capturado. Esse procedimento vai aumentar as chances de sucesso. Nos enxames fixos, necessrio transferir os favos construdos para a caixa. Os favos devem ser fixados na mesma posio que estavam na posio original. Basta cortar o favo na parte superior e fixar nos quadros sem arame, com a ajuda de elstico de prender dinheiro. Se necessrio, corte na parte de baixo para ajustar ao tamanho do quadro. Se couberem dois favos, um do lado do outro, pode-se colocar e prender juntos. Depois de retirar todos os quadros, transfira as abelhas que normalmente se aglomeram em algum local prximo. Quando a maioria estiver dentro da caixa, possivelmente a rainha e as outras entraro sozinhas. Entrando todas, feche a caixa com a ajuda de uma fita de espuma e substitua a tampa por uma tela de transporte, levando a caixa para o local definitivo. Os favos devem ser manipulados com cuidado, pois so sensveis e possuem crias em seu interior. Quando for fazer a captura de enxames leve sempre faca, sacolas, elsticos de dinheiro, corda e outros materiais que julgar necessrio. O ideal conhecer o local antes de ir fazer a captura.15

Na operao de transferncia, tenha calma, use pouca fumaa e d preferncia ao perodo da tarde, logo aps o almoo. Assim ter bastante tempo e, ao entardecer, o trabalho ter acabado. Alm disso, as abelhas acalmam com a chegada da noite, momento ideal para o transporte para o local definitivo se tudo tiver dado certo. Se no, e houver possibilidade, deixe o enxame por alguns dias no local da captura. Lembre-se: normal perder alguns enxames durante ou aps a captura, mas no desanime e tente novamente. Evite abrir o enxame por uns 10 dias e, se for poca de escassez de alimentos, alimente-as.

14. ManejoO manejo correto do apirio requisito importante para o sucesso da atividade apcola. Dele dependero os bons resultados do trabalho, no que se refere quantidade e qualidade do produto final. Parece ser muito fcil manipular uma colmia, mas, na verdade, so necessrios alguns cuidados, porque, no momento em que se abre a colmia, est se intervindo no trabalho de milhares de abelhas e acionando seres vivos com um eficiente sistema de defesa. Por isso, alguns procedimentos bsicos devem ser adotados pelo apicultor, como: Nunca trabalhar na frente da colmia e sim por trs ou de lado; No trabalhar com abelhas quando estiver com excesso de suor ou cheiro forte e, menos ainda, com cheiro de lcool; Preferencialmente, trabalhar com abelhas no perodo em que a maior parte delas estiver no campo, na parte da manh ou tarde; Sempre que trabalhar com as colmias, use a roupa de apicultor; nunca vista roupas escuras, pois irritam as abelhas; No colocar fumaa em excesso; No trabalhar em dia de chuva; No mexer nas colmias continuamente; Nunca passar mais de 5 minutos trabalhando numa colmia, salvo quando da extrao de mel; Nunca usar no fumigador material txico, como leo, querosene, bucha com graxa, fumo etc.

15. Revises das colmiasAs revises devem ser feitas periodicamente, concentrando-se em pocas de floradas. Essas revises tm como objetivos: Avaliar a capacidade de postura da rainha. Substituir os favos velhos e deformados por favos novos (cera alveolada). Diminuir os favos zanganeiros. Controlar as enxameaes, observando os motivos desse fenmeno. Identificar e controlar pragas e doenas.16

Avaliar a reserva de alimentos e a necessidade de alimentao suplementar. Anotar os procedimentos realizados e a realizar.

16. Viso geral para a produo de mel, manuteno de enxames e produo de prpolis Estratgia de aumento de produo: voc deve definir o que vai fazer na prxima safra pelo menos 120 dias antes, adquirir o material e comear a se preparar. Tenha em mente que preciso tempo para fechar a seqncia (regularizao de abelhas das diferentes idades e funes) e que este tempo de 60 dias. Por isso preciso ter conhecimento das floradas. A alimentao artificial deve ser fornecida pelo menos 90 dias antes do inicio das safras. Com alimento lquido (gua e um tero de acar) e rao, deve-se retirar os depsitos de alimento artificial no incio das floradas. Fazer troca de cera - iniciar troca de cera depois de 8 alimentaes, executando o seguinte esquema de troca dos quadros: retirar dois quadros, um de cada lateral e abrir espao no centro do ninho. Colocar dois quadros com cera alveolada inteira no centro e colocar um quadro de cria entre eles. Depois de 10 alimentaes, avaliar a postura da rainha e trocar, se necessrio, depois de 30 dias de alimentao. No se aconselha a introduo de rainhas provenientes de outras regies, mesmo quando de sub-raa apurada, para evitar a importao de pragas e doenas ainda no constatadas no Estado. Na substituio, devem-se aproveitar as abelhas rainhas produzidas na regio, procurando selecionar as matrizes que apresentem caractersticas desejveis, como alta produo, pouca agressividade, resistncia a doenas, pouca tendncia enxameao e migrao etc. Fazer o controle da enxameao tomando as seguintes medidas: - No deixar faltar espao no interior da colmia, principalmente em poca de florada, substituindo os favos do ninho (velhos ou repletos de alimentos e as melgueiras lotadas de mel) por quantos forem necessrios; - Controlar a idade da rainha, substituindo-a de acordo com a avaliao de postura (ovos, larvas e pupas). Tela excluidora - o uso indicado para se ter maior qualidade do mel. Em colmias com rainha recm-substituda, aconselhvel colocar a tela acima da primeira melgueira, logo aps observar boa postura no ninho e se j tiver sido feita a troca dos quadros com cera escura. Diviso de enxames - se voc decidir aumentar o nmero de colmias, hora de dividir os enxames, retirando 5 quadros de um dos lados da colmia e colocando-se em outra caixa. Completa-se com quadros com cera alveolada em ambas as caixas; a que ficar com a rainha ir para o novo local. A outra caixa receber uma rainha j fecundada ou se deixar formar uma nova naturalmente. Para tanto, necessrio que tenha ovo ou cria com menos de 3 dias.17

Disposio do material durante o manejo - a fim de evitar contaminaes, coloque os materiais de forma que no tenham contato com o cho, o lado interno da tampa virado para cima, as melgueiras em cima da tampa quando for revisar o ninho etc. Limpeza de apirios - manter os apirios sempre limpos, a fim de evitar o ataque de inimigos naturais e a diminuio da produo. Durante a colheita, transporte, centrifugao e condicionamento do mel, mantenha a melhor higiene possvel, visando qualidade do mel e preservao da idoneidade do produto. O mel deve ser colhido quando os favos estiverem com um mnimo de 80% de opercuIao, no perodo seco, e de 90% no perodo chuvoso. A operao de extrao do mel deve ser realizada com equipamentos apropriados, como garfo desoperculador, mesa desoperculadora, decantador e centrfuga. Esses equipamentos devero ser de ao inoxidvel e de boa qualidade. O mel, por ser muito higroscpio (absorve gua), poder absorver gua durante a extrao, prejudicando a sua qualidade e facilitando a fermentao. Portanto, evite centrifugar o mel em dias ou locais muito midos. Condies mnimas so necessrias para a implantao de um estabelecimento destinado manipulao e industrializao de mel e produtos apcolas. Considerando a necessidade de se padronizarem os processos de elaborao dos produtos de origem animal, o Ministrio da Agricultura regulamentou as normas tcnicas para fixao de identidade e qualidade do mel. Aproveitamento dos oprculos e melgueiras meladas - nos oprculos e melgueiras depois de centrifugadas esto de 5 a 10% da sua produo. Desta maneira, lave os oprculos com gua limpa e oferea s abelhas em alimentadores. As melgueiras que sero guardadas devem ser colocadas a 100 metros do apirio para serem lambidas e, posteriormente, guardadas em local arejado e com boa luminosidade. Processamento da cera - toda cera deve ser processada em derretedor a vapor, a fim de obter o melhor rendimento com a menor mo-de-obra. Produo por colmia - no ato da colheita, anotar quantos quadros foram retirados de cada colmia e pesar o mel depois de centrifugado. Calcula-se a mdia de peso por quadro e tambm a mdia da produo por colmia. Aplicaes prticas do mtodo de controle - alm da mdia de produo por colmia, outros critrios devem ser controlados, como qualidade da prpolis, resistncia a doenas, agressividade e outros fatores que julgar necessrio. Essas informaes sero usadas para determinar que rainhas sero substitudas. Material necessrio para o manejo em apirios - necessrio ter o material sempre a mo, a fim de evitar vrias idas ao apirio, gastando mais para se produzir. Planeje antes de sair de casa o que vai fazer no apirio e confira o material que vai ser preciso para executar a tarefa. melhor levar material a mais do que voltar vrias vezes ao apirio.

18

17. Produo de prpolisO que prpolis? O Ministrio da Agricultura entende como prpolis,o produto oriundo de substncias resinosas, gomosas e balsmicas, colhidas pelas abelhas, de brotos, flores e exsudados de plantas, nas quais as abelhas acrescentam secrees salivares, cera e plen para elaborao final do produto. Fonte:

Classificao pelo teor de Flavonides A prpolis classificada em: Baixo teor: at 1,0 % (m/m); Mdio teor: >1,0% - 2,0 % (m/m); Alto teor: >2,0 % (m/m). Origem A prpolis tem origem principalmente nas resinas vegetais de diversas espcies. Algumas espcies, porm, do origem prpolis verde, que se caracteriza pelo alto teor de flavonides e outros terpenides, que possuem ao teraputica. H divergncia em relao ao alecrim produzir prpolis verde - em alguns lugares existe muito alecrim e no h produo de prpolis verde. Em outros lugares, no h alecrim e se produz prpolis verde. Importncia Na colmia, a prpolis usada para calafetar frestas, selar a parte de dentro da colmia, imobilizar inimigos em pequenos espaos, prevenir doenas e fechar espaos pequenos. Coleta pelas abelhas As abelhas s coletam a prpolis com temperatura superior a 20C. Com temperaturas quentes, as resinas esto mais maleveis, facilitando a coleta. Ela morde com as mandbulas e, com o auxilio do primeiro par de patas, arranca pequenos pedaos. Amassa, manipula entre as mandbulas e, com uma das patas medianas, transfere para as corbculas do mesmo lado. Em seguida, repete a operao, transferindo para o outro lado nova poro, alternando o lado de armazenamento. Com as pernas medianas, amassa freqentemente a prpolis j alojada na corbcula para que fique na forma desejada. Essas etapas podem ocorrer durante o vo ou quando parada e, para formar uma carga, leva em mdia de 15 a 60 minutos. Ao chegar colmia, o material transportado retirado por outra abelha, que morde o material e comprime no local desejado. Nesse momento adicionada cera e vai sendo moldada com a ajuda da coletora. A liberao da carga pode ser imediata ou levar horas. Em seguida, a coletora retorna ao campo para novas cargas. As coletoras so normalmente fiis coleta de prpolis e poucas abelhas coletam, podendo ser recrutadas para coleta de nctar se necessrio. J se observou a dana das coletoras, porm as outras no foram recrutadas.19

Composio Resinas e substncias balsmicas (50 a 80%) leos essenciais e outros volteis (4,5 a 15%) Cera (12 a 50%) Substncias tnicas (4 a 10,5%) Impurezas mecnicas (