101 dinâmicas de grupo

Click here to load reader

  • date post

    06-Jun-2015
  • Category

    Education

  • view

    27.113
  • download

    31

Embed Size (px)

description

101 dinâmicas de grupo para aplicações diversas. Autor desconhecido.

Transcript of 101 dinâmicas de grupo

  • 1. DINMICAS DE GRUPO1. Dois crculosObjetivo: motivar um conhecimento inicial, para que as pessoas aprendam ao menos o nomeumas das outras antes de se iniciar uma atividade em comum.Para quantas pessoas: importante que seja um nmero par de pessoas. Se no for o caso, ocoordenador da dinmica pode requisitar um auxiliar.Material necessrio: uma msica animada, tocada ao violo ou com gravador.Descrio da dinmica: formam-se dois crculos, um dentro do outro, ambos com o mesmonmero de pessoas. Quando comear a tocar a msica, cada crculo gira para um lado. Quando amsica pra de tocar, as pessoas devem se apresentar para quem parar sua frente, dizendo onome e alguma outra informao que o coordenador da dinmica achar interessante para omomento.Repete-se at que todos tenham se apresentado. A certa altura pode-se, tambm, misturar aspessoas dos dois crculos para que mais pessoas possam se conhecer.2. Dinmica do "O que voc parece pra mim..."Esta dinmica pode ser empregada de duas maneiras, como interao do grupo com objetivos deapontar falhas, exaltar qualidades, melhorando a socializao de um determinado grupo.Material: papel carto, canetas hidrocor e fita crepe.Desenvolvimento: Cola-se um carto nas costas de cada participante com uma fita crepe. Cadaparticipante deve ficar com uma caneta hidrocor. Ao sinal, os participantes devem escrever nocarto de cada integrante o que for determinado pelo coordenador da dinmica (em forma de umapalavra apenas), exemplos:1) Qualidade que voc destaca nesta pessoa;2) Defeito ou sentimento que deve ser trabalhado pela pessoa;3) Nota que cada um daria para determinada caracterstica ou objetivo necessrio a atingir nestadinmica.3. Dinmica do DesafioMaterial: Caixa de bombom enrolada para presenteProcedimento: colocar uma msica animada para tocar e vai passando no crculo uma caixa (notamanho de uma caixa de sapato, explica-se para os participas antes que apenas umabrincadeira e que dentro da caixa tem uma ordem a ser feita por quem ficar com ela quando amsica parar. A pessoa que vai dar o comando deve estar de costas para no ver quem est acaixa ao parar a msica, da o coordenador faz um pequeno suspense, com perguntas do tipo: tpreparado? voc vai ter que pagar o mico viu, seja l qual for a ordem voc vai ter que obedecer,quer abrir? ou vamos continuar? Inicia a msica novamente e passa novamente a caixa se aqueletopar em no abrir, podendo-se fazer isso por algumas vezes e pela ltima vez avisa que agora para valer quem pegar agora vai ter que abrir, Ok? Esta a ltima vez, e quando o felizardo ofizer ter a feliz surpresa e encontrar um chocolate sonho de valsa com a ordem coma ochocolate.Objetivos:essa dinmica serve para ns percebermos o quanto temos medo de desafios, poisobservamos como as pessoas tm pressa de passar a caixa para o outro, mas que devemos tercoragem e enfrentar os desafios da vida, pois por mais difcil que seja o desafio, no final podemoster uma feliz surpresa/vitria.4. Dinmica "Tiro pela Culatra"Essa dinmica, desenvolvida exatamente como a nmero 3 acima. A nica diferena que aoinvs de se dizer uma parte do corpo do colega da direita, deve dizer uma tarefa para que essecolega execute.Quando todos tiverem escolhido a tarefa, Coordenador d um novo comando:Cada pessoa dever praticar a tarefa, exatamente como foi escolhida para o colega da direita. uma dinmica bem engraada e muito utilizada como "quebra gelo".

2. 5. Dinmica do SociogramaEsta dinmica , geralmente, desenvolvida a fim de se descobrir os lderes positivos e negativosde um determinado grupo, pessoas afins, pessoas em que cada um confia. muito utilizada porequipes esportivas e outros grupos.Material: papel, lpis ou caneta.Desenvolvimento: Distribui-se um pedao de papel e caneta para cada componente do grupo.Cada um deve responder as seguintes perguntas com um tempo de no mximo 20-60 segundos,cronometrados pelo Coordenador da dinmica. Exemplo de Perguntas:1) Se voc fosse para uma ilha deserta e tivesse que estar l por muito tempo, quem voc levariadentro desse grupo?2) Se voc fosse montar uma festa e tivesse que escolher uma (ou quantas desejarem) pessoadesse grupo quem voc escolheria?3) Se voc fosse sorteado em um concurso para uma grande viagem e s pudesse levar 3pessoas dentro desse grupo, quem voc levaria?4) Se voc fosse montar um time e tivesse que eliminar (tantas pessoas) quem voc eliminariadeste grupo?Obs: As perguntas podem ser elaboradas com o fim especfico, mas lembrando que as perguntasno devem ser diretas para o fim proposto, mas em situaes comparativas.De posse dos resultados, conta-se os pontos de cada participante e interpreta-se os dados parautilizao de estratgias dentro de empresas e equipes esportivas.6. Dinmica do EmboladoEsta dinmica prope uma maior interao entre os participantes e proporciona observar-se acapacidade de improviso e socializao, dinamismo, pacincia e liderana dos integrantes dogrupo.Faz-se um crculo de mos dadas com todos os participantes da dinmica.O Coordenador deve pedir que cada um grave exatamente a pessoa em que vai dar a mo direitae a mo esquerda.Em seguida pede que todos larguem as mos e caminhem aleatoriamente, passando uns pelosoutros olhando nos olhos (para que se despreocupem com a posio original em que seencontravam). Ao sinal, o Coordenador pede que todos se abracem no centro do crculo" bemapertadinhos". Ento, pede que todos se mantenham nesta posio como esttuas, e em seguidadem as mos para as respectivas pessoas que estavam de mos dadas anteriormente (sem sairdo lugar).Ento pedem para que todos, juntos, tentem abrir a roda, de maneira que valha como regras:Pular, passar por baixo, girar e saltar.O efeito que todos, juntos, vo tentar fazer o melhor para que esta roda fique totalmente aberta.Ao final, pode ser que algum fique de costas, o que no uma contra-regra. O Coordenadorparabeniza a todos se conseguirem abrir a roda totalmente! Obs: Pode ser feito tambm na gua.7. Dinmica do Sentar-se no ColoEsta dinmica prope um "quebra gelo" entre os participantes:O coordenador prope que o grupo fique de p, de ombro-a-ombro, em crculo. Em seguida pedeque todos faam 1/4 de giro para um determinado lado ficando em uma fila indiana (assim:xxxxxxxxxxxx), embora em crculo. Ao sinal o Coordenador pede que todos se assentem no coloum do outro e depois repitam para o outro lado. bem divertido, causando muitos risos!8. Dinmica do "Joo Bobo"Esta dinmica prope um "quebra gelo" entre os participantes e tambm pode ser observado onvel de confiana que os participantes tm um no outro:Formam-se pequenos grupos de 8-10 pessoas. Todos devem estar bem prximos, de ombro-a-ombro, em um crculo. Escolhem uma pessoa para ir ao centro. Esta pessoa deve fechar os olhos(com uma venda ou simplesmente fechar), deve ficar com o corpo totalmente rgido, como se 3. tivesse hipnotizada. As mos ao longo do corpo tocando as coxas lateralmente, ps pra frente,tronco reto. Todo o corpo fazendo uma linha reta com a cabea.Ao sinal, o participante do centro deve soltar seu corpo completamente, de maneira que confienos outros participantes. Estes, porm devem com as palmas das mos empurrar o "Joo bobo"de volta para o centro. Como o corpo vai estar reto e tenso sempre perder o equilbrio e penderpara um lado. O movimento repetido por alguns segundos e todos devem participar ao centro.Obs: Pode ser feito tambm na gua.9. Dinmica do NomeEsta dinmica prope um "quebra gelo" entre os participantes. Ela pode ser proposta no primeirodia em que um grupo se encontra. tima para gravao dos nomes de cada um.Em crculo, assentados ou de p, os participantes vo um a um ao centro da roda (ou no prpriolugar) falam seu nome completo, juntamente com um gesto qualquer. Em seguida todos devemdizer o nome da pessoa e repetir o gesto feito por ela.Variao: Essa dinmica pode ser feita apenas com o primeiro nome e o gesto da pessoa, sendoque todos devem repetir em somatria, ou seja, o primeiro diz seu nome, com seu gesto e osegundo diz o nome do anterior e gesto dele e seu nome e seu gesto... e assim por diante.Geralmente feito com grupos pequenos, para facilitar a memorizao. Mas poder ser estipuladoum nmero mximo acumulativo, por exemplo aps o 8 deve comear um outro ciclo de 1-8pessoas.10. Dinmica do "Escravos de J"Esta dinmica vem de uma brincadeira popular do mesmo nome, mas que nessa atividade tem oobjetivo de "quebra gelo" podendo ser observado a ateno e concentrao dos participantes.Em crculo, cada participante fica com um toquinho (ou qualquer objeto rgido).Primeiro o Coordenador deve ter certeza de que todos sabem a letra da msica que deve ser:Os escravos de J jogavam cachang;os escravos de J jogavam cachang;Tira, pe, deixa o Z pereira ficar;Guerreiros com guerreiros fazem zigue, zigue z (Refro que repete duas vezes)1 MODO NORMAL:Os escravos de j jogavam cachang (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DADIREITA);os escravos de j jogavam cachang (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DADIREITA);Tira (LEVANTA O TOQUINHO), pe (PE NA SUA FRENTE NA MESA), deixa o Z Pereira ficar(APONTA PARA O TOQUINHO NA FRENTE E BALANA O DEDO);Guerreiros com guerreiros fazem zigue (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DADIREITA), zigue (VOLTA SEU TOQUINHO DA DIREITA PARA O COLEGA DA ESQUERDA), z(VOLTA SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA) (Refro que repete duas vezes).2 MODO:Faz a mesma seqencia acima s para a esquerda3 MODO:Faz a mesma seqencia acima sem cantar em voz alta, mas canta-se em memria.4 MODO: Faz a mesma seqencia acima em p executando com um p.5 MODO:Faz a mesma seqencia acima com 2 toquinhos, um para cada lado.11. Dinmica da "Escultura"Esta dinmica estimula a expresso corporal e criatividade.2 x 2 ou 3 x 3, os grupos devem fazer a seguinte tarefa:Um participante trabalha com escultor enquanto os outro (s) ficam esttua (parados). O escultordeve usar a criatividade de acordo com o objetivo esperado pelo Coordenador, ou seja, podebuscar:-esttua mais engraada 4. -esttua mais criativa- esttua mais assustadora-esttua mais bonita, etc.Quando o escultor acabar (estipulado o prazo para que todos finalizem), seu trabalho vai serjulgado juntamente com os outros grupos. Pode haver premiao ou apenas palmas.12. Dinmica da "Sensibilidade"Dois crculos com nmeros iguais de participantes, um dentro e outro fora. O grupo de dentro virapara fora e o de fora vira para dentro. Todos devem dar as mos, senti-las, toc-las bem, estud-las. Depois, todos do grupo interno devem fechar os olhos e caminhar dentro do crculo externo.Ao sinal, o Coordenador pede que faam novo crculo voltado para fora, dentro do respectivocrculo. Ainda com os olhos fechados, proibido abri-los, vo tocando de mo em mo paradescobrir quem lhe deu a mo anteriormente. O Grupo de fora quem deve movimentar-se. Casoele encontre sua mo correta deve dizer Esta! Se for verdade, a dupla sai e se for mentira, volta afechar os olhos e tenta novamente.Obs: Essa dinmica pode ser feita com outras partes do corpo, ex: Ps, orelha, olhos, joelhos,etc. Tem o objetivo de melhorar a sensibilidade, concentrao e socializao do grupo.13. Dinmica do "Mestre"Em crculo os participantes devem escolher uma pessoa para ser o adivinhador. Este deve sair dolocal. Em seguida os outros devem escolher um mestre para encabear os movimentos/ mmicas.Tudo que o mestre fizer ou disser, todos devem imitar. O adivinhador tem 2 chances para saberquem o mestre. Se errar volta e se acertar o mestre vai em seu lugar.Esta dinmica busca a criatividade, socializao, desinibio e a coordenao.14. Dinmica do "Rolo de Barbante"Em crculo os participantes devem se assentar. O Coordenador deve adquirir anteriormente umrolo grande de barbante. E o primeiro participante deve, segurando a ponta do barbante, jogar orolo para algum (o coordenador estipula antes ex: que gosta mais, que gostaria de conhecermais, que admira, que gostaria de lhe dizer algo, que tem determinada qualidade, etc.) que elequeira e justificar o porque! A pessoa agarra o rolo, segura o barbante e joga para a prxima. Aofinal torna-se uma "teia" grande.Essa dinmica pode ser feita com diversos objetivos e pode ser utilizada tambm em festas eeventos como o Natal e festas de fim de ano. Ex: cada pessoa que enviar o barbante falar umagradecimento e desejar feliz festa. Pode ser utilizado tambm o mesmo formato da Dinmica doPresente .15. Dinmica do "Substantivo"Em crculo os participantes devem estar de posse de um pedao de papel e caneta. Cada umdeve escrever um substantivo ou adjetivo ou qualquer estipulado pelo Coordenador, sem permitirque os outros vejam. Em seguida deve-se passar o papel para a pessoa da direita para que esterepresente em forma de mmicas. Podendo representar uma palavra mais fcil, dividi-la e ajuntarcom outra para explicar a real palavra escrita pelo participante, mas proibido soltar qualquer tipode som.16. Dinmica da "Verdade ou Conseqncia? "Em crculo os participantes devem estar de posse de uma garrafa que deve ficar ao centro. Aosinal do Coordenador, algum gira a garrafa e para quem o bico da garrafa apontar perguntado:_Verdade ou Conseqncia? Caso ele escolha verdade, a pessoa onde o fundo da garrafaapontou deve perguntar algo e ele obrigatoriamente deve responder a verdade. Se ele responderconseqncia deve pagar uma prenda (executar uma tarefa) estipulada pela pessoa que o fundoda garrafa apontou. A que respondeu gira a garrafa.17. Dinmica da "Qualidade"Cada um anota em um pequeno pedao de papel a qualidade que acha importante em umapessoa. Em seguida todos colocam os papis no cho, virados para baixo, ao centro da roda. Ao 5. sinal, todos devem pegar um papel e em ordem devem apontar rapidamente a pessoa que temesta qualidade, justificando.18. Dinmica da "Pegadinha do Animal"Entrega-se a cada participante um papel com o nome de um animal, sem ver o do outro. Emseguida todos ficam em crculo de mos dadas. Quando o animal for chamado pelo coordenador,a pessoa correspondente ao animal, deve se agachar tentando abaixar os colegas da direita e daesquerda. E os outros devem tentar impedir que ele se abaixe.Obs: todos os animais so iguais, e quando o coordenador chama o nome do animal todos vocair de "bumbum" no cho, causando uma grande risada geralObjetivo: "quebra gelo" descontrao geral.19. Dinmica - A Histria da Mquina RegistradaExerccio de Deciso GrupalObjetivos:1. Demonstrar como a busca do consenso melhora a deciso.2. Explorar o impacto que as suposies tm sobre a deciso.Tamanho do grupo: Subgrupos formados com cinco a sete membros; sendo possvel, orientarvrios subgrupos, simultaneamente.Tempo exigido: quarenta minutos, aproximadamente.Material utilizado:- Uma cpia da histria da Mquina Registradora, para cada membro participante e para cadagrupo.- Lpis ou caneta.Procedimento:1. O animador distribui uma cpia da histria da Mquina Registradora para cada membroparticipante que durante sete a dez minutos, dever ler e assinar as declaraes consideradasverdadeiras, falsas ou desconhecidas.2. A seguir, sero formados subgrupos de cinco a sete membros, recebendo cada subgrupo umacpia da histria da Mquina Registradora, para um trabalho de consenso de grupo, durantedoze a quinze minutos, registrando novamente as declaraes consideradas verdadeiras, falsasou desconhecidas.3. O animador, a seguir, anuncia as respostas corretas. (a declarao nmero 3 falsa, e a donmero 6 verdadeira, e todas as demais so desconhecidas).4. Em continuao, haver um breve comentrio acerca da experincia vivida, focalizando-sesobretudo o impacto que as suposies causam sobre a deciso e os valores do grupo.Exerccio da Mquina Registradora A HISTRIA: Um negociante acaba de acender as luzes deuma loja de calados, quando surge um homem pedindo dinheiro. O proprietrio abre umamquina registradora. O contedo da mquina registradora retirado e o homem corre. Ummembro da polcia imediatamente avisado.Declarao acerca da histria: Verdadeiro Falso - Desconhecido1. Um homem apareceu assim que o proprietrio acendeu as luzes de sua loja de calados........... V F ?2. O ladro foi um homem......... V F ?3. O homem no pediu dinheiro.......... V F ?4. O homem que abriu a mquina registradora era o proprietrio.................V F ?5. O proprietrio da loja de calados retirou o contedo da mquina registradora e fugiu .......V F ?6. Algum abriu uma mquina registradora......... V F ?7. Depois que o homem que pediu o dinheiro apanhou o contedo da mquina registradora,fugiu....... V F ?8. Embora houvesse dinheiro na mquina registradora, a histria no diz aquantidade............ V F ?9. O ladro pediu dinheiro ao proprietrio .................. V F ?10. A histria registra uma srie de acontecimentos que envolveu trs pessoas: o proprietrio, umhomem que pediu dinheiro um membro da polcia ............ V F ?11. Os seguintes acontecimentos da histria so verdadeiros: algum pediu dinheiro uma 6. mquina registradora foi aberta seu dinheiro foi retirado ...... V F ?20. Dinmica: Medo de DesafiosMaterial: caixa, chocolate e aparelho de som (rdio ou CD).Procedimento:Encha a caixa com jornal para que no se perceba o que tem dentro. Coloque no fundo ochocolate e um bilhete: COMA O CHOCOLATE! Pede-se a turma que faa um crculo. Ocoordenador segura a caixa e explica o seguinte pra turma: _Esto vendo esta caixa? Dentro delaexiste uma ordem a ser cumprida, vamos brincar de batata quente com ela, e aquele que ficarcom a caixa ter que cumprir a tarefa sem reclamar. Independente do que seja... ningum vaipoder ajudar, o desafio deve ser cumprido apenas por quem ficar com a caixa ( importanteassustar a turma para que eles sintam medo da caixa, dizendo que pode ser uma tarefaextremamente difcil ou vergonhosa).Comea a brincadeira, com a msica ligada, devem ir passando a caixa de um para o outro.Quando a msica for interrompida (o coordenador deve estar de costas para o grupo para no vercom quem est a caixa) aquele que ficou com a caixa ter que cumprir a tarefa... importante queo coordenador faa comentrios do tipo: Voc est preparado? Se no tiver coragem... Depois demuito suspense quando finalmente o jovem abre a caixa encontra a gostosa surpresa. (O jovemno pode repartir o presente com ningum).Objetivos:O objetivo desta brincadeira mostrar como somos covardes diante de situaes que possamrepresentar perigo ou vergonha. Devemos aprender que em Deus podemos superar todos osdesafios que so colocados a nossa frente, por mais que parea tudo to desesperador, o finalpode ser uma feliz notcia.21. Dinmica: Sorriso MilionrioMaterial: bolinhas de papel amassadoProcedimento:Essa dinmica usada para descontrair e integrar o grupo de uma forma divertida. Cada bolinhavale R$1.000,00. O professor distribuir para cada pessoa do grupo 5 bolinhas de papel, essasdevero estar dispersas no local onde ser realizada a brincadeira. Dado o sinal os alunosdevero sair e procurar um companheiro, em seguida devem parar em sua frente, olhar fixamentenos olhos desse companheiro que por sua vez no pode sorrir. Quem sorrir primeiro paga umabolinha para a pessoa a quem sorriu. Vence quem terminar a brincadeira com mais "dinheiro",que ser o milionrio.22. Dinmica: Verificao se aprendeu o contedo explicado na sala de aula ou dentro deum mduloMaterial: Quadro Negro, Giz, Perguntas da matria elaboradas pelo facilitador, uma fita cassete,uma bola ou um objeto.Procedimento:A tcnica busca verificar se a turma aprendeu o contedo explicado na sala de aula ou dentro deum mdulo.O facilitador comea fazendo um joguinho da velha, dois membros sero escolhidos com amsica e passando a bola de mo em mo nos dois grupos. Cada grupo eleger um nome dentrodo tema. Ao terminar a msica, os dois membros vo ao centro e tiram par ou mpar, o vencedorescolhe X ou O (bolinha) e inicia a brincadeira. O facilitador passa a pergunta ao grupo queperdeu. O Grupo escolhe um dos membros para falar, esta escolha por sorteio dentro do grupo.Cada membro do grupo vem para frente e vai responder a pergunta. Se um deles no souberresponder, ele pode pedir ajuda a um dos membros do seu grupo mas agora quem escolhe omembro que vai dar a resposta o membro opositor. No tem sorteios. Se o grupo empatar, cadaum pode arriscar pontos em um jogo da forca onde ser dado uma nica vez a dica da palavra.Cada um grupo pode escolher o membro e definir os pontos que arrisca. Se acertar, ocampeo. Se errar, um risco. claro que o tema definido anteriormente em sala de aula masno dito a razo de ser lido o tema. Se ambos ainda empatarem, escolhem dois membros de 7. cada grupo que vo fazer a dana das cadeiras somente ficar na cadeira aquele que respondera pergunta que agora ser falso ou verdadeiro. Mesmo que sobre um, ele ter que arriscar pontosou passar para outro membro ento o outro grupo opositor vai escolher o membro que vairesponder.Na verdade, esta dinmica mostra que nada na vida fcil e tudo decorre de decises e riscostanto dos lderes quanto da liderana e que toda deciso vai agir sobre toda a ao do grupo. uma reflexo sobre o que fazemos individualmente mas que age sobre o grupo que vivemos efazemos parte. A reunio de pessoas para um mesmo objetivo deve ser direcionada para umavitria do todo. Ento temos uma mensagem QUE SEJA UM! Assim nossa misso na Terra agente trabalha pela felicidade do Mundo porque somos parte desta humanidade.O facilitador comea a fazer perguntas para os grupos sobre os momentos em que as perguntasforam feitas e sobre as tomadas de deciso, depois coloca a mensagem que o Grupo devetrabalhar como um todo e que nesta dinmica todos venceram porque aprenderam sobre o valorda tomada de decises e que puderam traar metas para atingir um objetivo. Isto que se devefazer em sala de aula, todos em conjunto, uns ajudando aos outros.23. Dinmica: do 1, 2, 3Objetivo: Quebra-geloProcedimento:1 momento: Formam-se duplas e ento solicite para que os dois comecem a contar de um a trs,ora um comea, ora o outro. Fica Fcil.2 momento: Solicite que ao invs de falar o nmero 1, batam palma, os outros nmeros devemser pronunciados normalmente.3 momento: Solicite que ao invs de falar o nmero 2, que batam com as duas mos na barriga,o nmero 3 deve ser pronunciado normalmente. Comea a complicar.4 momento: Solicite que ao invs de falar o nmero 3, que dem uma "reboladinha".A situao fica bem divertida.24. Dinmica: Dinmica do AmorObjetivo: Moral: Devemos desejar aos outros o que queremos para ns mesmos.Procedimento:Para incio de ano Ler o texto ou contar a histria do "Corao partido" - Certo homem estavapara ganhar o concurso do corao mais bonito. Seu corao era lindo, sem nenhuma ruga, semnenhum estrago. At que apareceu um velho e disse que seu corao era o mais bonito pois nelehavia. Houve vrios comentrios do tipo: "Como seu corao o mais bonito, com tantasmarcas?" O bom velhinho, ento explicou que por isso mesmo seu corao era lindo. Aquelasmarcas representavam sua vivncia, as pessoas que ele amou e que o amaram. Finalmentetodos concordaram, o corao do moo, apesar de lisinho, no tinha a experincia do velho."Aps contar o texto distribuir um recorte de corao (sulfite dobrado ao meio e cortado em formade corao), revistas, cola e tesoura. Os participantes devero procurar figuras que poderiamestar dentro do corao de cada um. Fazer a colagem e apresentar ao grupo. Depois cada um vaireceber um corao menor e ser instrudo que dentro dele dever escrever o que quer para oseu corao. Ou o que quer que seu corao esteja cheio.. O meu corao est cheio de... Nofinal o instrutor dever conduzir o grupo a trocar os coraes, entregar o seu corao a outro.Fazer a troca de cartes com uma msica apropriada, tipo: Corao de Estudante, Cano daAmrica ou outra.25. Dinmica: Convivendo com MscarasObjetivo: Proporcionar o exerccio da auto e heteropercepo.Material: Cartolina colorida, tintas, colas, tesouras, papis diversos e coloridos, palitos dechurrasco, CD com a msica quem voc (Chico Buarque)Procedimento:1. Com a msica de fundo cada participante convidado a construir uma mscara com osmateriais disponveis na sala, que fale dele no momento atual.2. A partir da sua mscara confeccionada, afix-la no palito de churrasco para que cada um se 8. apresente falando de si atravs da mascara.3. Organizar em subgrupos para que cada participante escolha: A mscara com que mais seidentifica; A mscara com que no se identifica; A mscara que gostaria de usar.4. Aps concluir a atividade em subgrupo, todos devero colocar suas mscaras e fazer um miniteatro improvisado.5. Formar um crculo para que cada participante escolha um dos integrantes do grupo para lhedizer o que v atrs de sua mscara...6. Abrir para discusses no grupo.7. Fechamento da vivncia.Esta dinmica foi baseada na teoria de Vygotsky, visando o processo criativo, atravs darepresentao, para a formao da subjetividade e intersubjetividade do indivduo. Aplicada aopblico a partir de 9 anos26. Dinmica: dos problemasMaterial: Bexiga, tira de papelProcedimento:Formao em crculo, uma bexiga vazia para cada participante, com um tira de papel dentro (queter uma palavra para o final da dinmica)O facilitador dir para o grupo que aquelas bexigas so os problemas que enfrentamos no nossodia-a-dia(de acordo com a vivncia de cada um), desinteresse, intrigas, fofocas, competies,inimizade, etc.Cada um dever encher a sua bexiga e brincar com ela jogando-a para cima com as diversaspartes do corpo, depois com os outros participantes sem deixar a mesma cair.Aos poucos o facilitador pedir para alguns dos participantes deixarem sua bexiga no ar esentarem, os restantes continuam no jogo. Quando o facilitador perceber que quem ficou nocentro no est dando conta de segurar todos os problemas pea para que todos voltem aocrculo e ento ele pergunta:1) a quem ficou no centro, o que sentiu quando percebeu que estava ficando sobrecarregado;2) a quem saiu, o que ele sentiu.Depois destas colocaes, o facilitador dar os ingredientes para todos os problemas, paramostrar que no to difcil resolvermos problemas quando estamos juntos.Ele pedir aos participantes que estourem as bexigas e peguem o seu papel com o seuingrediente, um a um devero ler e fazer um comentrio para o grupo, o que aquela palavrasignifica para ele.Dicas de palavras ou melhores ingredientes:- amizade, solidariedade, confiana, cooperao,apoio, aprendizado, humildade, tolerncia, pacincia, dilogo, alegria, prazer, tranqilidade, troca,crtica, motivao, aceitao, etc...(as palavras devem ser feitas de acordo com o seu objetivo.Eu trabalhei esta dinmica com dois grupos bem diferentes, um foi um grupo de funcionrios deuma empresa de culos de Franca, e a outro de professoras do ensino infantil pr-escolar. Oresultado foi maravilhoso !Espero que gostem. Abraos.27. Dinmica: "Cabra cega no curral"Objetivo: Proposta da atividade: e fazer com que o grupo se conhea de modo divertido,principalmente os alunos vindos de outras escolas.Material: Pedao de papel em branco, caneta, saco plastico, pano preto para cobrir os olhos ecadeiras.Procedimento:ORGANIZAO: Escreva tarefas para serem realizadas pelos alunos; recorte-s e as coloquedentro de um saco plstico para serem sorteadas; faa um crculo com as cadeiras e coloque osalunos nas mesmas; escolha o primeiro participante e coloque o pano sobre os seus olhos;coloque-o dentro do crculo e movimente-o de modo que perca a direo inicial; o aluno dever irpara qualquer direo de modo que encoste em outra que estar sentada, esta no dever sairdo lugar. O participante que for tocado, dever se apresentar e sortear uma tarefa a ser realizada 9. por ele mesmo; o participante que j foi tocado no poder repetir, de modo o que todosparticipem.28. Dinmica: "das diferenas"Material: Pedao de papel em branco, canetaProcedimento:O condutor da dinmica distribui folhas de papel sulfite em branco e canetas para o grupo. Ocondutor da dinmica pede que ao dar um sinal todos desenhem o que ele pedir sem tirar acaneta do papel. Ele pede que iniciem, dando o sinal. Pede que desenhem um rosto com olhos enariz. Em seguida, pede que desenhem uma boca cheia de dentes. continuem o desenhofazendo um pescoo e um tronco. importante ressaltar sempre que no se pode tirar o lpis oucaneta do papel. Pede que todos parem de desenhar. Todos mostram seus desenhos. Ocondutor da dinmica ressalta que no h nenhum desenho igual ao outro, portanto, todospercebem a mesma situao de diversas maneiras, que somos multifacetados, porm com visesde mundo diferentes, por este motivo devemos respeitar o ponto de vista do outro.29. Dinmica: "Auxlio mtuo"Objetivo: Para reflexo da importncia do prximo em nossa vidaMaterial: Pirulito para cada participante.Procedimento:Todos em crculo, de p. dado um pirulito para cada participante, e os seguintes comandos:todos devem segurar o pirulito com a mo direita, com o brao estendido. No pode ser dobrado,apenas levado para a direita ou esquerda, mas sem dobr-lo. A mo esquerda fica livre. Primeirosolicita-se que desembrulhem o pirulito, j na posio correta (brao estendido, segurando opirulito e de p, em crculo). Para isso, pode-se utilizar a mo esquerda. O mediador da dinmica,recolhe os papis e em seguida, d a seguinte orientao: sem sair do lugar em que esto, todosdevem chupar o pirulito! Aguardar at que algum tenha a iniciativa de imaginar como executaresta tarefa, que s h uma: oferecer o pirulito para a pessoa ao lado!!! Assim, automaticamente,os demais iro oferecer e todos podero chupar o pirulito. Encerra-se a dinmica, cada um podesentar e continuar chupando, se quiser, o pirulito que lhe foi oferecido. Abre-se a discusso quetem como fundamento maior dar abertura sobre a reflexo de quanto precisamos do outro parachegar a algum objetivo e de ajudando ao outro que seremos ajudados.30. Dinmica: "Urso de pelcia"Objetivo: mostrar que o outro importante pra nossa vidaMaterial: um urso de pelciaProcedimento:Forme um crculo com todos e passe o urso de mo em mo, quem estiver com o urso deverfalar o que tem vontade de fazer com ele. No final que todos falarem deve-se pedir para quefaam o mesmo que fizeram com o urso com a pessoa do lado.31. Dinmica: "DNA/Herana Gentica"Objetivo: Descobrir os traos de personalidade herdados da famliaMaterial: 1 Folha A4 para cada participante, Canetas hidrocor, lpis de cor ou giz de cera, Msicaambiente.Procedimento: Deve ser acima de 15 participantes . Tempo: 25 min.O coordenador reflete com o grupo as caractersticas genticas que herdamos de nossosparentes mais prximos. s vezes um comportamento ou atitude revela uma caracterstica doav, do pai, da tia... Este exerccio ir promover no grupo uma apresentao grupal a partir dasqualidades da rvore genealgica de cada um.Entregue uma folha A4 para cada participante. Dobre-a em 4 partes e nomeie as partes comsendo A, B, C e D. Coloque msica ambiente.Na parte A o participante dever desenhar livremente como ele enxerga os avs maternos(colorindo bem o desenho) e ao lado de cada um vai anotar uma qualidade e uma falha quepercebe em cada um dos avs maternos. 10. Na parte B o participante dever desenhar livremente como ele enxerga os avs paternos(colorindo bem o desenho) e ao lado de cada um tambm vai anotar uma qualidade e uma falhaque percebe em cada um deles.Na parte C o participante dever desenhar Pai e Me e seguir o exerccio anotando a principalqualidade que nota nos pais e tambm a principal falha.Na parte D ele dever desenhar um auto-retrato (como ele se v)e observando as qualidades efalhas da famlia, dever anotar que caractersticas herdou e de quem herdou. Escrever tambmna folha o nome e a idade.Aps o trmino dos desenhos, o coordenador orienta o grupo a sentarem-se em trio e comentarsobre suas heranas.AnliseA anlise deste jogo se d pela valorizao que damos gentica, nossa histria de vidapessoal baseada nos valores e comportamentos familiares. Da percepo que temos do espaosocial chamado Famlia.Que personagem da famlia foi mais fcil desenhar?Dentre as qualidades que voc herdou, qual foi mais confortvel anotar? Por que?Que caracterstica voc nota em seus familiares e voc ainda no possui? Deseja possuir?Que sentimentos este exerccio trouxe tona?Que herana mais fcil herdar? Caractersticas ou valores financeiros?32. Dinmica: "O feitio virou contra o feiticeiro"Objetivo: no faa ou deseje aos outros o que no gostaria para siMaterial: papel e canetaProcedimento: forma-se um crculo, todos sentados, cada um escreve uma tarefa que gostariaque seu companheiro da direita realizasse, sem deix-lo ver. Aps todos terem escrito, o feitiovira contra o feiticeiro, que ir realizar a tarefa a prpria pessoa que escreveu. "no faa oudeseje aos outros o que no gostaria para si"Respeito ao prximo.33. Dinmica: "da Historinha"Objetivo: Treinar a memorizao e ateno.Procedimento: Todos devem estar posicionados em crculo de forma que todos possam se ver.O organizador da dinmica deve ter em mos um objeto pequeno e direcionando a todos devecomear a histria dizendo: Isto um ... (Ex. cavalo). Em seguida deve passar o objeto pessoaao seu lado que dever acrescentar mais uma palavra a histria sempre repetindo tudo o que jfoi dito. (Ex. Isto um cavalo de vestido...), e assim sucessivamente at que algum erre a ordemda histria pagando assim uma prenda a escolha do grupo.Cria-se cada histria engraada... bem divertido, aproveitem.34. Dinmica: "Recital das Almas Gmeas"Objetivo: uma atividade muito divertida, que tem como objetivo a descontrao e a aproximaoentre os membros do grupo.Material: papel e canetaProcedimento: Divide-se a turma em duas equipes. Em papeis sero escritas mensagens que secompletam (perguntas e respostas ou parte 1 e parte 2). Cada participante dever pegar umpapel, ou mais conforme a quantidade de papeis e participantes, sem deixar que seus colegasvejam o que est escrito. A mensagem ser ex: 1 - eu sou um jardim sem flor, 2-eu sou a flordo teu jardim. A segunda parte complementa a primeira. importante que as mensagem sejamcriativas e engraadas. preciso demarcar quais so as primeiras partes, para que sejamrecitadas primeiramente, sendo completadas pela sua respectiva segunda parte.35. Dinmica: "Para quem voc tira o chapu"Objetivo: Estimular a auto-estimaMateriais: um chapu e um espelhoO espelho deve estar colado no fundo do chapu. 11. Procedimento: O animador escolhe uma pessoa do grupo e pergunta se ela tira o chapu para apessoa que ver e o porqu, sem dizer o nome da pessoa. Pode ser feito em qualquer tamanho degrupo e o animador deve fingir que trocou a foto do chapu antes de chamar o prximoparticipante. Fizemos com um grupo de idosos e alguns chegaram a se emocionar depois dedizer suas qualidades. Espero que gostem!35. 1. Outra Verso: Dinmica "Caixinha de Surpresas"Objetivo: Dinmica do autoconhecimento; Falar sobre siMateriais: caixinha com tampa, e espelhoProcedimento: Em uma caixinha com tampa deve ser fixado um espelho na tampa pelo lado dedentro. As pessoas do grupo devem se sentar em crculo. O animador deve explicar que dentroda caixa tem a foto de uma pessoa muito importante (enfatizar), depois deve passar para umapessoa e pedir que fale sobre a pessoa da foto, e no devem deixar claro que a pessoaimportante ela prpria. Ao final, o animador deve provocar para que as pessoas digam como sesentiram falando da pessoa importante que estava na foto.36. Dinmica: "Chupa ai"Objetivo: Estimular o Trabalho em Equipe.Materiais: Uma bandeja e balas de acordo com o n de participantes. As balas devem sercolocadas dentro da bandeja.Procedimento: forma-se um circulo, diga ento aos participantes: vocs tero que chupar umabala, s que no podero usar suas mos para desembrulhar a bala e colocar em sua prpriaboca.Os participantes ficam loucos pensando como fazer isso, interessante colocar a bandeja nocho. Alguns participantes at pegam a bala com a boca e tenta desembrulhar na boca.Espera-se que eles se ajudem, um participante pegue a bala com as mos, a desembrulhe ecoloque na boca do outro. Muito divertida esta dinmica!37. Dinmica: "do papel"Objetivo: DescontraoMateriais: pedao de papel, canetaProcedimento: Forma-se um crculo e em seguida ser distribudo um pedao de papel para cadaum, e uma caneta. Logo aps a pessoa ir escrever qualquer pergunta que ela quiser, ex: Porquehoje fez sol? entendeu?! qualquer pergunta, o que vier na cabea. Ai logo aps o instrutor irpegar os papis de todos os participantes, embaralhar e entregar um para cada (s que voc nopoder pegar o seu), ai depois de feito isso a pessoa vai responder o que estiver naquele papelque ela pegou. Depois que todos responderem sem um ver o do outro, voc vai dobrar seu papele vai passar 2 vezes para seu lado direito todos juntos. Ai comea a brincadeira. Uma pessoacomea lendo o que est em seu papel, em seguida a pessoa do lado direito ou esquerdo(depende do monitor escolher), digamos que foi pela direita, ai a pessoa vai ler o que est escritona RESPOSTA dela, e assim sucessivamente, a mesma que respondeu a resposta vai ler a suapergunta e o vizinho ao lado responder a sua resposta muito legal e divertindo causandomuitos risos!!!!38. Dinmica: "dana da cadeira cooperativa"Objetivo: essa dinmica serve para quebrar o gelo e fazer com que os participantes pensemsobre cooperao entre o grupo.Materiais: 1 cadeiraProcedimento: consiste na brincadeira da dana da cadeira(mesmo procedimento), s que em aoinvs dos que ficarem sem se sentar sarem, tero que se sentar no colo do amigo, de modo queningum fique em p. muito engraado! Ao final, com apenas uma cadeira todo o grupo terque se sentar um no colo do outro.39. Dinmica: "da rosa" (infantil)Objetivo: despertar a atitude em preservar o que temos. 12. Materiais: uma flor (rosa) naturalProcedimento: fazer um crculo, e cada integrante retira um pedacinho da flor, ao final sobrarapenas o talo da flor. O monitor da dinmica questiona o que aconteceu? Ser que podemosconsertar o que fizemos? Essa dinmica pode ser trabalhada com os pequeninos, a fim depreservar os materiais dentro da sala de aula, ou preservar o prprio meio ambiente.40. Dinmica: "O feitio virou contra o feiticeiro"Objetivo: Mostrar para a turma que antes de pedir para algum fazer alguma coisa que secoloque no lugar do outro, pois provavelmente ele no faria o que escolheu para o outro grupofazer.Materiais: -Procedimento: Divide-se a turma em dois grupos e pede-se para que cada grupo escolha doismicos para o outro grupo. Aps a escolha do mico nomeia-se um lder de cada grupo que fala emvoz alta para todos os micos escolhidos.Aps a divulgao o professor diz que o nome da brincadeira o feitio virou contra o feiticeiro eque os grupos faro os micos escolhidos por eles mesmos.41. Dinmica: "do deficiente visual"Objetivo: Essa dinmica tem como objetivo motivar a confiana em equipe.Materiais: espao abertoProcedimento: Formam-se duplas e um fecha os olhos e se deixa ser guiado pelo o outro, quedeve estar com os olhos abertos, depois o papel se inverte. Pode ser colocado uma msica defundo.42. Dinmica: "sonhos"Objetivo: Aprender a respeitar o sonhos dos outrosMateriais: bales coloridos, caneta, papel sulfite e palitos de dente.Procedimento: O participante dever escrever em um pedao de papel seu sonho, dobrar ecoloc-lo dentro do balo, que deve ser inflado. Cada um fica com um balo e um palito de dentena mo. O orientador d a seguinte ordem: defendam seu sonho! Todos devem estar juntos emum lugar espaoso. A tendncia todos estourarem os bales uns dos outros. Quando fizeremisto o orientador pergunta: - Por que destruram os sonhos dos outros? Deixe eles pensarem umpouco e responda para defender o seu sonho voc no precisa destruir os sonhos dos outros,basta que cada um fique parado e nenhum sonho ser destrudo!43. Dinmica: "Sombra"Objetivo: essa dinmica est relacionada a percepo psicomotora e a interao interpessoal einterdisciplinar.Procedimento: Essa dinmica muito descontrada, o grupo desenvolve uma sincronia, escolheum companheiro (centro)e comeam a imitar todos os gestos que ele faa, o que ele fala, comose fossem o sombra dele, deixando um elemento do grupo ao centro.44. Dinmica: "Patinho Feio"Objetivo: ReflexoMateriais: Tiras de papel colante, canetaProcedimento: Colar tiras de papel colante ou escrever em fitas para serem colocadas na cabeade modo que apaream palavras as quais devero ser seguidas pelos colegas que a lerem.Exemplo: beije-me, aperte minha mo, abrace-me, deixe-me, pisque para mim, etc., etc.,....sendoque apenas um elemento, dever ficar com a palavra deixe-me. sendo que esse ser o nicoque no ser procurado, ser o patinho feio (deixe-me). No final, essa pessoa dever contarcomo se sentiu, sendo discriminado e deixada de lado.45. Dinmica: "Salada de Frutas"Objetivo: memria e concentraoProcedimento: O grupo senta em crculo e o facilitador diz uma fruta qualquer e aponta para um 13. dos participantes. O participante escolhido dever dizer a fruta falada pelo facilitador e uma desua escolha. A comea a brincadeira. A pessoa que estiver ao lado direito da escolhida pelofacilitador dever dizer a fruta do facilitador, da pessoa e a sua.Exemplo: Facilitador - Ma; Pessoa 1 - Ma e Banana; Pessoa 2 - Ma, Banana e Manga;Pessoa 3 - Ma, Banana, Manga e Uva e assim sucessivamente at que algum erre aseqncia. Para a pessoa que errar pode ser solicitado um castigo ou um mico.Obs: 1 Em vez de frutas a brincadeira pode ser feita com carros, pases, estados, objetos (praia,casa, sala, etc.); 2 Eu fao essa brincadeira com as minhas turmas do grupo de Reciclagem daLngua Portuguesa (in company) e garante timos resultados. Como castigo pessoa que erra,eu fao alguma pergunta sobre o contedo j estudado (como reviso), do contedo a serestudado (como hiptese e suposio, para ver o conhecimento da pessoa sobre o assunto) e docontedo que est sendo estudado (como reforo). uma brincadeira simples, mas que garanteboas risadas e resultados maravilhosos deixando o ambiente e os participantes superdescontrados.46. Dinmica: "das partes do corpo"Objetivo: estimular a ateno e interao com os colegasProcedimento: Numa grande roda a pessoa comea a brincadeira dizendo o nome de uma partedo corpo. passando a vez. A pessoa que estiver ao lado determinado ir colocar a mo na partedo corpo que a primeira pessoa falou, e dizer outra parte do corpo passando a vez. A pessoa aoseu lado, j determinado de modo que a vez corra apenas em um sentido, colocar a mo naparte corporal dita pela segunda pessoa e dir outra parte e assim sucessivamente.47. Dinmica: "Descobrindo as qualidades"Objetivo: InteraoMateriais: quebra-cabea, pedaos de papel e canetaProcedimento: Dois grupos formam um crculo, com os componentes intercalados ( ex. um doamarelo, outro do azul e assim em diante at terminar o crculo). Cada componente deveescrever em um pedao de papel uma qualidade prpria (usando apenas uma palavra) e entregarpara o participante do lado direito, sendo este o componente do grupo oposto, que dever fazermmica para que o seu grupo descubra a qualidade do participante ao lado (grupo oposto),quando o grupo acerta a qualidade logo o outro componente do mesmo grupo anterior que estavafazendo a mmica comea a fazer tambm a sua e assim sucessivamente. Enquanto isso o lderdo grupo oposto est dentro do crculo montando um quebra cabea, quando ele terminar otempo acaba e ganha o grupo que descobriu mais qualidades do grupo oposto.48. Dinmica: "do Estetoscpio" (para trilhas ao ar livre)Objetivo: Esta dinmica serve pra se perceber que o meio ambiente vivo.Materiais: estetoscpioProcedimento: Ao realizar uma caminhada numa trilha, onde houver em locais midos, rvorescom caule fino, pegar o estetoscpio e pedir pra que a pessoa oua seu corao, logo apsescutar no caule e perceber o som do movimento de gua (xilema) e de nutrientes(floema).49. Dinmica: "qualidades e defeitos"Objetivo: falar das qualidades e defeitos.Materiais: pedao de papel, canetaProcedimento: gostaria de sugerir uma dinmica que fiz com meus alunos para falarmos dasqualidades e defeitos. Entrega-se um pedao de papel para cada participante e pede quedesenhe a mo direita e a mo esquerda. Em cada dedo primeiro da mo direita escreve-se umaqualidade e na esquerda um defeito. O coordenador da dinmica d cerca de 20 minutos paraescreverem. Ao final discute-se de acordo com o que cada um escreveu, finalizando que maisfcil falar de caractersticas dos outros do que de ns mesmos e encerra dizendo que todospossumos qualidades e defeitos, porm temos que nos respeitarmos e priorizarmos nossasqualidades. 14. 50. Dinmica: "Conheo meu filho"Objetivo: para reunio de paisMateriais: Papel e canetaProcedimento: Pedir que os alunos escreva em um papel pequeno a seguinte frase: eu amo aminha famlia. No pode ser assinado. Todos pedaos de papel dever ter um nmero quecorresponda o nmero que a coordenadora da reunio manter em segredo. No dia da reuniotodos os papeis sero colocados espalhados em uma mesa e os pais devero reconhecer a letrado filho e pegar um papel. Depois a coordenadora ir verificar se os pais acertaram e conhece aletra de seus filhos.51. Dinmica: "do General"Objetivo: descontrao... causa muitos risos e simpatia entre os participantesProcedimento: Uma dinmica para entreter... como uma brincadeira...H vrias posies nesse jogo, como: lixo, soldado, cabo, sargento, coronel, general etc.,...O general comea falando Passei a revistar minha tropa e senti falta do...(ele diz o nome de umadas posies)A pessoa se levanta (a no ser que seja o cargo mais baixo, nesse caso, o General se levanta, eele continua sentado) e diz O ... nunca falta, senhor(o cargo mais baixo no diz senhor aogeneral)General - ento quem falta?... - Quem falta o ..., senhorE assim se procede... at que algum no se levante, ou levante na hora errada, ou esquea dedizer senhor ou diga senhor na hora erradaOBS: Se levanta apenas para um cargo mais elevado, e se diz senhor, tambm apenas para umcargo mais elevado. Nesse caso, a pessoa que errou vai para o cargo mais baixo, e cada pessoasobe um cargo...Ento, comea com o general dizendo Passei a revistar minha tropa(...)OBS2 - O cargo mais baixo nunca diz senhor ou se levanta para o general, mas para todos osoutros participantes, sim...O general nunca se levanta ou diz senhor... apenas para o cargo maisbaixo...OBS3 - se faltarem cargos, pode-se inventar mais alguns, como cco, ou balde, ou algo assim...52. Dinmica: "da inteligncia"Objetivo: melhorar a percepoProcedimento: Voc pega um grupo e divide em 2 a 2, um olhando pro outro. Pea a eles paraque se observem por 2 minutos, depois pea para eles se virarem de costas e mudarem trscoisas em si mesmos e depois desvirarem e fazerem com que o parceiro descubra o que foimudado. O outro tambm repete e assim sucessivamente repita por 3 vezes esta dinmica.53. Dinmica: "da folha de revista"Objetivo:Material: folhas de revista, ptio ou sala, todos sentados em crculoProcedimento: Dar uma folha de revista a cada participante e pede para que amassem bastante afolha, aps todos amassarem pede para que desamassem novamente deixando a folha como eraantes.Ningum ir conseguir, ento explica-se que a folha representa as nossas palavras que uma vezditas no podem mais serem consertadas, por isso devemos ter cuidado ao falar para que novenhamos a machucar o prximo, pois uma vez aberta a ferida ser difcil cicatrizar.54. Dinmica: "do balo"Objetivo: ReflexoMaterial:bales palitos de dentes uma caixa de bombons ou algum outro prmioProcedimento: entrega-se um balo para cada participante e em seguida um palito de dentes,pede-se para todos se espalharem e diz o seguinte: ganha esta caixa de bombons quemconseguir ficar com o balo sem estourar.Sem que o instrutor mande todos os participantes correm para estourar os bales dos adversriospara ganhar a caixa de bombons, mas geralmente no sobra nenhum balo. Depois o instrutor 15. pergunta: em que momento eu mandei vocs estourarem os bales dos colegas ? E fica com acaixa ou distribui.Obs: se gostarem divulguem!55. Dinmica: "da Pergunta Certa"Objetivo: Esta dinmica ir despertar uma ateno maior a concentrao e estratgia.Material: papel e fita crepeProcedimento: Esta dinmica para funcionar independe da quantidade de pessoas participantes.Um exemplo, em um grupo o coordenador dever colar um nome de uma pessoa famosa nascostas dos participantes, sem que eles vejam o que esta escrito, ento ganha a dinmica quemdescobrir primeiro o nome que est escrito em suas costas, para ajud-los eles podero fazerperguntas entre si como por exemplo a pessoa loira?, mas as respostas s podero ser sim ouno.56. Dinmica: "Carta a si prprio"Objetivo: Levantamento de expectativas individuais, compromissos consigo prprio, percepo desi, auto-conhecimento, sensibilizao, reflexo, auto-motivao, absoro terica.Material: Envelope, sulfite, caneta.Procedimento: 20Individualmente, cada treinando escreve uma carta a si prprio, como se estivesse escrevendo aseu (sua) melhor amigo (a). Dentre os assuntos, abordar: como se sente no momento, o queespera do evento (curso, seminrio, etc.), como espera estar pessoal e profissionalmente daqui a30 dias. Destinar o envelope a si prprio (nome e endereo completo para remessa). O Facilitadorrecolhe os envelopes endereados, cola-os perante o grupo e, aps 45 dias aproximadamente,remete ao treinando (via correio ou malote).57. Dinmica: "da Bexiga"Objetivo: Mostrar que nem sempre os caminhos mais fceis so os melhores, alis quase nunca.Se precisarem da ajuda de outro diga, que quando no conseguimos vencer algo sozinho (vcios,frustraes etc.) podemos pedir ajuda a outra pessoa, mais velhas (no caso de adolescentes).Material: bexigas coloridas; fitilho (fita de presente); mini balas; tirinhas de papel com palavrasboas e ruins do tipo sucesso, amor, paz, vida eterna, mentira, drogas.Chegue antes para preparar a sala.Coloque uma tirinha de papel com um dizer ruim encha a bexiga e coloque uma fita longa, coleno teto essa bexiga, de forma que fique fcil de pegar, dessa forma v dificultando as bexigas emelhorando as palavras at a ltima bexiga, no nosso caso foi Vida Eterna, coloque balas juntocom a palavra chave, se ningum alcanar diga que pode pedir ajuda um ao outro.Pblico: pode ser feito com pr-adolescentes, adolescentes, jovens e adultos, mudando aspalavras para cada faixa etria. Boa sorte!58. Dinmica: "Construindo uma fogueira"Objetivo: mostrar a importncia do trabalho em equipeMaterial: palitos de sorvete ou de denteProcedimento: separar os participantes em grupos menores de pelo menos 5 componentes. Dar acada grupo um punhado de palitos e pedir que faam uma fogueira. Cada equipe poder pegarpalitos dos outros grupos, mas dever proteger os seus. O lder da brincadeira dever observar edepois ressaltar quem fez o qu em cada grupo e ressaltar os que tentaram fazer tudo sozinhos,os que ficaram s olhando, os que foram tentar pegar palitos dos outros grupos por iniciativaprpria e os que souberam liderar e delegar tarefas igualmente. A mensagem que todas estasatitudes fazem parte da rotina do trabalho em equipe (feliz ou infelizmente) e cada um deveranalisar-se e pensar no que pode estar melhorando.59. Dinmica: "Toca do coelho"Objetivo: quebrar o gelo fazendo com que o grupo participe da atividade e principalmente quehaja integrao entre o mesmo. 16. Material:Procedimento: formar vrios grupos de trs pessoas, sendo que dois participantes vo dar asmos simulando uma toca e o outro participante o coelho que ficar dentro da toca, numdeterminado momento o professor ou instrutor da um sinal e todos os coelhos devem trocar detoca, e depois todas as tocas trocam de lugar. Aps e num determinado momento o professor ouinstrutor fala em voz alta ventania e todos se dispersam como se estivesse ventando.Aps alguns segundos formam novamente grupos de trs.OBS: pode ser aplicado com pequenos e grandes grupos, e o tempo livre terminando quandotodos trocarem de lugar vrias vezes.60. Dinmica: "do abrao"Objetivo: sugiro uma dinmica que criei, tendo em vista o estreitamento dos laosMaterial: cestinha, papel, canetaProcedimento: Escrever os nomes de todos os participantes que j se conheam mas que aindano possuem laos definidos, como grupo de jovens de evangelizao, colocar todos osenvelopes em uma cestinha e pedir que todos tirem um papel, quando todos tiverem tirado opapelzinho, solicitar que o primeiro que tirou leia o nome em voz alta da pessoa e umacaracterstica do colega, este que foi chamado levanta-se e d um abrao no colega, e l o seupapel e assim por diante.61. Dinmica: "Unio de uma Equipe"Objetivo: Essa dinmica trata de como a unio em grupo importante e como um grande contatofsico entre os participantes faz com que haja um grande interao entre os mesmos!Material: Local amploProcedimento: O coordenador orienta a todos a se pegarem pelos braos bem apertados fazendouma roda, ele sai da roda e tenta entrar, sendo impedido pela unio dos braos, mostra que aunio impede idias contrrias. Em seguida pede que dois do grupo o se unam a ele aos braos,ele deixa cair-se pedindo que seus companheiros o segurem, mostrando como um amigo dogrupo pode sustentar o outro impedindo que caia!62. Dinmica: "do objeto pessoal"Objetivo: ComprometimentoMaterial: Objeto pessoal,Procedimento: Solicitar ao grupo que traga de sua residncia qualquer objeto de muito apego(valor emocional).Fazer um sorteio(como se fosse amigo secreto) e trocar os objetos.O coordenador estabelecer um perodo (1 semana) para que um guarde o objeto do outro commuito carinho e troque bilhetinhos a fim de descobrir segredos sobre o colega e o objeto. Na datamarcada, estes destrocaro seus pertences contando um pouco do que descobriram do outro edo objeto deste, alm do cuidado especial que tiveram com o objeto.Resultados: certa vez uma colaboradora trouxe um pacote de doce e entregou para a colega, aoutra comeu tudo e no dia no tinha nada para falar nem para devolver para a amiga.Sugesto: pode ser feito com plantas63. Dinmica: "da calha"Objetivo: Percepo + trabalho em equipe+disciplinaMaterial: Cortar tiras de cartolina (larga+/- 15cm e 50cm de cumprimento), bolinha pequena ebaldeProcedimento: Levar a bolinha at o balde numa tira de cartolinaDividir a equipe em dois grupos.Marcar um ponto de partida e o tempo (30 seg) para conduzirem a bolinha da partida at o balde(analisar a distncia de acordo com o nmero de participantes) com algumas observaes:-Os participantes no podero deixar a bolinha voltar na cartolina, sempre que isso ocorrer abolinha volta ao incio (largada).-Devero conduzir a bolinha dentro das tiras de cartolina em formato de calha. 17. O grupo dever ter a percepo que ficando um ao lado do outro a bolinha chegar ao balde.Assim que a equipe chegar a essa percepo, dificultar afastando o balde para mais distante,para que estes percebam a necessidade de sair do lugar e ir para o final colocando a calha aolado do amigo e assim sucessivamente at que a bolinha chegue ao balde.64. Dinmica: "da confiana"Objetivo: confiana que temos que ter no amigo do trabalho, esprito de equipe e valorizao depessoas.Material: Espao fsicoProcedimento: Pedir para o grupo de posicionarem um de costas para o outro, mas devemencostar mesmo, ombro a ombro. Em seguida pedir para que cada dupla se abaixe at o chosem colocar as mos no cho. Alguns vo cair, outros vo conseguir, esta dinmica muitoengraada e recomendada a aplicao para um dia em que se espera um maravilhosofaturamento. Fechar falando da confiana que temos que ter no amigo do trabalho, esprito deequipe e valorizao de pessoas.65. Dinmica: "no estamos sozinhos"Objetivo: Melhorar a confiana nos outros.Material: Ambientes diferentes e vendas para todos os participantes.Procedimento: necessrio ajuda para essa dinmica.Vendar os olhos de cada participante, e conduzi-los at seus lugares sem dizer nada. Se possveldescalos. Colocar em seu lugar e tirar as vendas dos olhos.Cada pessoa entra sendo conduzida, sem ver que outros esto vedando. Se possvel, colocarobstculos, algo que pisem sintam a diferena do cho.Depois que todos estiverem em seus lugares o bate-papo confiana, no estamos sozinhos,sempre tem algum a nos ajudar a executar tarefas, basta confiar.66. Dinmica: "de conhecimento e entrosamento de grupo"Objetivo: Conhecimento e entrosamento do grupo.Material: com bales conforme o nmero de participantes.Procedimento:COLOCAR O GRUPO EM CRCULO; DISTRIBUIR UM BALO PARA CADA UM; CADAPARTICIPANTE, INCLUSIVE O COORDENADOR FALAR ALGO BOM QUE LHE ACONTECEUNA VIDA, EX: MEU CASAMENTO.... MEU NAMORADO.... O NASCIMENTO DO MEU FILHO....ONASCIMENTO DA MINHA NETA....MINHA PROMOO NA EMPRESA....COMPRAR MINHACASA PRPRIA....MEU PRIMEIRO CARRO.... MINHA FORMATURA.... ETC., ETC...CADA VEZQUE A PESSOA CONTA UMA COISA BOA VAI ASSOPRANDO O SEU BALO, O CIRCULOVAI SE REPETINDO E CONTANDO COISAS BOAS AT QUE O BALO ENCHA (SEESTOURAR PASSE OUTRO BALO P/ O PARTICIPANTE). DEPOIS DE ENCHEREM TODOSOS BALES.... UNS MAIS OU MENOS CHEIOS CONFORME A PESSOA COMPARTILHARCOISAS BOAS QUE LHE ACONTECEU.... ENTO TODOS DO UM N NO BALO E JOGAMPARA CIMA....APS ALGUNS MINUTOS BATENDO TODOS EXPLODIRO OS BALES....SIMBOLIZANDO O COMPARTILHAR DE COISAS BOAS DE UNS PARA OS OUTROS NOGRUPO, NO AMBIENTE DE SALA DE AULA... AO FUNDO UMA MSICA SUAVE OU BEMCONHECIDA PARA TODOS CANTAREM JUNTOS. ESSA DINMICA TENHO USADO NOSCURSOS DE TCNICO DE ENFERMAGEM NO PRIMEIRO DIA DE AULA OUENCERRAMENTO DE ESTGIO NOS HOSPITAIS E TEM SIDO MUITO GRATIFICANTE ORESULTADO.67. Dinmica: "do desapego"Objetivo: interao do grupoMaterial: caixa de bombom, lpis e papelProcedimento: Selecione nmeros conforme os nmeros de participantes, nesses nmeros vocescolher o nmero que ser sorteado (o critrio ser conforme o seu objetivo).Sorteie um embrulho de presente e nele um dizer: _"passe esse presente a uma pessoa a quem 18. voc ainda no teve a oportunidade de lhe dizer o quanto ele importante para as outraspessoas". O que receber o presente far a mesma coisa, passar a outro e dizer o porque. Altima frase ser o numero sorteado o n. tal.68. Dinmica: "das frases"Objetivo:Material: Caneta e PapelProcedimento: Formular frases sobre o tema a ser discutido, em torno de 10 frases afirmativas;certas ou erradas. Distribuir as folhas e solicitar que as pessoas procurem perguntar as colegasse sim ou se no concordam com a afirmativa; somente uma pergunta para cada participante.Cada pessoa vai ser procurada por dez pessoas para responder. Explique que dever escrever Spara sim N para no e o nome da pessoa que respondeu frente da resposta dada para identificarquem respondeu.Diga que quem acabar primeiro grita BINGO!Presenteie com uma caixa de bombom o vencedor e o convide para ficar na frente e ler as frases;as respostas e sua explicao.Quem respondeu tambm vai explicar a sua resposta ao pblico. O tema ser largamentediscutido por todos e o coordenador far a complementao se for necessrio. Espero quegostem!69. Dinmica: "do chega mais"Objetivo: O objetivo dessa dinmica a aproximao com as pessoas, conquistar confiana eprincipalmente o respeito.Material: Espao fsico amplo, cd, aparelho de som.Procedimento: Os participantes devero andar soltos pela sala ou espao, ouvindo uma msica.Haver uma pessoa comandando, e quando a msica pra, pede para o participante procurar umparceiro que esteja usando uma pea de roupa com a cor parecida com a sua, ou usando algumacessrio parecido com o seu. Pede para os pares se cumprimentarem com o aperto de mo.Depois, volta a msica, andam, pra a musica e sugira outra coisa: quem nasceu em ms parprocure um parceiro que nasceu em ms par, impar com impar, assim vai. As mos devero estarpara trs. Batem bumbum com bumbum. Fazer esta atividade sempre uma parte diferente docorpo sem repetir, e sem repetir parceiros. Quando chegar na ltima rodada, cumprimentar pelonariz.70. Dinmica: "da Bola (balo, bexiga)"Objetivo: Testaremos a atitude de cada participante e sua coragem e se uma pessoa que correatrs de seus objetivos.Material: Bola de festa e Barbante.Procedimento:-Como funciona: todos participantes devem estar com uma bola de festa(balo, bexiga) amarradoem suas pernas, com um barbante.-Objetivo: os participantes tem que proteger a bola para que no estourem. Informar antes decomear a brincadeira.71. Dinmica: "da bexiga (balo) da vitria"Objetivo: Desenvolver o esprito de equipe e lideranaMaterial: bexiga, barbanteProcedimento: Ao fim de alguma apresentao, entrego uma bexiga para cada uma das pessoasem sala, com um barbante preso em seus punhos. Todas as bexigas (bales) estaro escritoVITRIA. Falarei a eles: - Cada um de vocs est segurando uma vitria em mos, no entantotemos apenas um prmio. Logo vocs tm uma tarefa, devem cuidar da vitria que tm em mose estourar a vitria de seus oponentes, a ltima bexiga que resistir ser a nica vitoriosa. S hum detalhe, a vitria que vocs tm em mo no de vocs, em cada uma das bexigas est onome de um companheiro de classe de vocs e o premiado ser ele e no voc. Voc apenas o 19. representar, veremos quem seria o melhor procurador... comecem no apito e no se preocupem,o grupo ficar responsvel pela limpeza da sala.Eles estouraro e antes que estourem a ltima, nos apitamos de novo. Sobrar apenas uma,ento pediremos que a pessoa estoure sua bexiga e l estar seu prprio nome, porque:O BOM PROCURADOR AQUELE QUE CUIDA DA VITRIA DOS OUTROS COMO SE FOSSESUAPRPRIA VITRIA!!!!! PARABEEEEENS!!!72. Dinmica: "Feitio contra o feiticeiro"Objetivo: Moral: No deseje para os outros o que voc no gostaria que fizessem com voc.Material: Folhas sulfite cortadas ao meio, caneta ou lpis.Procedimento: Faz-se um crculo e entrega-se meia folha para cada um e cada qual com suacaneta e pede-se a eles que escrevam algo que gostariam que o colega fizesse (mico mesmo),lembrando que eles devem escrever para eles, nenhum colega poder ver. Aps isto, recolhe-seos papeis e revela-se o que eles escreveram. O que eles escreveram ser o que eles prpriosiro fazer no centro da roda.73. Dinmica: "falando dos outros pelas costas"Objetivo: mostrar as pessoas que muito mais fcil (e errado) falar as coisas pelas costas, doque admitir sua concepo.Material: pedaos de papel, caneta e fita adesiva.Procedimento: o orientador cola um pedao de papel nas costas de cada participante, ento,pede para que eles saiam andando pela sala e escrevam uma palavra nas costas de seuscolegas, para assim, definir cada um.Ao termino, o orientado diz viu como vocs ficam falando dos outros pelas costas?, somentepara a maior descontrao. Ento pede-se para que cada um retire o papel de suas costas, leiasuas qualidades ou defeitos escritos (ver como as pessoas lhe enxergam) e guarde consigo paralembrar de continuar com as caractersticas boa e tente melhorar as ruins.74. Dinmica: "Eu te Amo"Objetivo: interagir o grupo e explorar determinada temtica. (corpo, cores, formas...)Material: cadeiraProcedimento: em crculo pedi para que uma pessoa fique no meio do crculo e retire a cadeira.No crculo escolha um membro e diga: _Eu te amo! O outro pergunta _ Porque voc me ama? eleresponde: _porque voc est de blusa, por exemplo. E todos que estiverem de blusa tem quemudar de lugar. Sempre uma pessoa ficar de p, e assim sucessivamente.75. Dinmica: "Caderno dos sentimentos"Objetivo: auxiliar o aluno no relacionamento com o outro e principalmente a controlar e evadirseus sentimentos.Material: Caderno e lpisProcedimento: um caderno onde os alunos fazem uma espcie de lbum, com a diferena queeles vo anotar o que gostam e o que no gostam de fazer ou viver.76. Dinmica: "Pintura Moderna"Objetivo: explorar a criatividade e oralidade do indivduo.Material: Folha de papel e 3 tintas primriasProcedimento: pegue uma folha e pingue trs gotas de tintas nas cores primrias, aps colocar atinta dobrar a folha ao meio e espalhar a tinta com a folha dobrada. Em seguida abri-la e tentar duma forma ao desenho;77. CrueldadeObjetivos:Ao mesmo tempo em que as pessoas se descontraem, observar a importncia do respeito ao 20. outro.Material:Papel e lpis para todos.Como Fazer:1- O coordenador da dinmica explica que cada um ter que elaborar uma prova ridcula eaborrecida para um dos companheiros do grupo.2- Explica que tipo de coisas podem ser propostas.3- Uma vez escritas as provas, o lder recolher os papis e, muito "cruelmente", anunciar quefoi modificado o regulamento do jogo, sendo que cada um ter que realizar a prpria prova.Observao:O coordenador da dinmica poder substituir a realizao das provas por uma anlise de comocada um se sentiu ao saber que havia sido alterado o regulamento.78. Dinmica do castigoMaterial:Papel e caneta.Como Fazer:1- Distribui-se um pedao de papel para cada pessoa.2- Diz a todos o seguinte: Somos todos irmos no ? Portanto, ningum aqui vai ficar chateadose receber um castigo do irmo. Ento vocs vo escolher uma pessoa, e dar um castigo ela.3- Isso ser feito da seguinte forma: no papel dever ser escrito o nome de quem vai dar ocastigo, o castigo em si e o nome de quem vai realizar o castigo.4- Aps recolher todos os papis o animador fala o desfecho da dinmica:Acontece que o feitio virou contra o feiticeiro, portanto quem deu o castigo que vai realiz-lo.Observao:Caso a pessoa no queira realizar o castigo ela receber um castigo do grupo todo.Concluso:Nesta dinmica a mensagem que passa : O que no queremos para ns, no desejamos paraos outros.79. DINMICA DO TUBAROMaterial:Um local espaoso.Como Fazer:1- O animador explica a dinmica: imaginem que agora estamos dentro de um navio, e nestenavio existem apenas botes salva-vidas para um determinado nmero de pessoas, quando fordita a frase "T afundando", os participantes devem fazer grupos referentes ao nmero quecomporta cada bote, e quem ficar fora do grupo ser "devorado" pelo tubaro (deve ser escolhidauma pessoa com antecedncia).2- O nmero de pessoas no bote deve ser diminudo ou aumentado, dependendo do nmero depessoas.Concluso:Responde-se s seguintes perguntas:1) Quem so os tubares nos dias de hoje?2) Quem o barco?3) Quem so os botes?4) Algum teve a coragem de dar a vida pelo irmo?80. ACENDER E APAGARMaterial:Uma caixa de fsforos e dez velas para cada equipe, latas de conserva cheias de areia para secolocar as velas, um apito ou sino para o animador.Como Fazer:1- O animador divide o grupo em duas equipes, que se organizam em filas paralelas, atrs dalinha de partida. 21. 2- Em frente a cada equipe, colocam-se as velas, cobrindo o percurso que vai desde a linha departida at a meta (15 metros).3- O primeiro integrante de cada fila recebe uma caixa de fsforos. A um sinal do animador,correm a acender as velas.4- Acendida a ltima, cada qual volta para sua fila e toca no ombro do segundo participante. Estecorre a apagar as velas.5- Ao terminar, volta para sua fila e toca no ombro do terceiro. Este corre e faz o mesmo que oprimeiro participante.6- O exerccio continua assim at que a fila inteira participe. Ganha a equipe que terminarprimeiro.Concluso:Para meditar: Para que serviu a experincia?81. CARTA DE DESPEDIDAObjetivos:Avaliar o momento concreto que esta sendo vivido pelo grupo atravs da verbalizao dasemoes.Material:Papel e caneta para cada um.Como Fazer:1- Cada participante escrever numa folha uma carta de despedida do grupo.2- Nessa carta, deve comentar:a) o como est se sentindo em relao ao grupo,b) o que estava sendo o mais importante,c) se estava gostando ou no,d) do que no estava gostando,e) se vai sentir saudade... por qu?3- O que mais quiser acrescentar.4- Depois, as cartas so lidas em voz alta, pela prpria pessoa que escreveu ou ento, trocando-se os leitores.5- Lidas todas as cartas, pode-se conversar sobre o rumo que se deve dar ao grupo para resolvero problema que se est enfrentando.82. TERREMOTOObjetivos:Pensar coletivamente, no ser egosta.Participantes:Devem ser mltiplos de trs e sobrar um. Ex: 22 (7x3 = 21, sobra um)Material:Espao livre para que as pessoas possam se movimentar, mas quanto menor o espao maistrombadas.Como Fazer:1- Dividir em grupos de trs pessoas, lembre-se que dever sobrar um.2- Cada grupo ter 2 paredes e 1 morador.3- As paredes devero ficar de frente uma para a outra e dar as mos (como no tnel daquadrilha da Festa Junina), o morador dever ficar entre as duas paredes.4- A pessoa que sobrar dever gritar uma das trs opes abaixo:a) MORADOR!!! - Todos os moradores trocam de "paredes", devem sair de uma "casa" e ir para aoutra. As paredes devem ficar no mesmo lugar e a pessoa do meio deve tentar entrar em alguma"casa", fazendo sobrar outra pessoa.b) PAREDE!!! - Dessa vez s as paredes trocam de lugar, os moradores ficam parados. Obs: Asparedes devem trocar os pares. Assim como no anterior, a pessoa do meio tenta tomar o lugar dealgum.c) TERREMOTO!!! - Todos trocam de lugar, quem era parede pode virar morador e vice-versa.5- Repetir at cansar. 22. Observao:NUNCA dois moradores podero ocupar a mesma casa, assim como uma casa tambm nopode ficar sem morador.Concluso:1- Como se sentiram os que ficaram sem casa?2- Os que tinham casa pensaram em dar o lugar ao que estava no meio?3- Passar isso para a nossa vida: Nos sentimos excludos no grupo? Na Escola? No Trabalho?Na Sociedade?83. ROMANCEObjetivos:Oferecer um momento de descontrao e, ao mesmo tempo, trabalhar a criatividade dosparticipantes.Material:Lpis e papel para cada um e a lista de perguntas para o coordenador da dinmica.Como Fazer:a) Cada participante receber um pedao de papel a lpis.b) A todos se pedir que escrevam, em ordem, o seguinte ( bom que se escreva o nmero decada pergunta):1. um nome2. um lugar diferente3. uma idia4. um espao determinado5. um desejo6. um nmero7. sim ou no8. uma cor qualquer9. uma medida10. um hbito11. uma certa soma de dinheiro12. uma virtude13. uma cano14. nome de uma cidadec) Assim que todos tiverem terminado esta parte, o lder comear a fazer as seguintes perguntasa cada participante.d) pergunta 1, vai equivaler o que estiver escrito na primeira linha da parte do exerccio.e) Perguntas:1. qual o nome do seu noivo(a)2. onde se encontraram pela primeira vez?3. que idade ele(a) tem?4. quanto tempo namoraram?5. quais so os seus propsitos?6. quantas declarao de amor voc recebeu?7. convencido(a)?8. qual a cor dos seus olhos?9. que nmero de sapato cala?10. qual o seu pior defeito?11. quanto dinheiro tem para gastar com ele?12. qual a sua maior virtude?13. que cano voc gostaria de escutar no seu casamento?14. onde vocs vo passar a lua de mel?Observaes:Esta lista pode ser aumentada ou modificada, dependendo do tipo de participantes.84. MEUS SENTIMENTOS 23. Objetivo:Apresentao e entrosamentoMaterial:: Papel e lpis de corComo Fazer:a) Cada um deve retratar num desenho os sentimentos, as perspectivas que tm.b) Dar um tempo para este trabalho individual que deve ser feito em silncio, sem nenhumacomunicao.c) Num segundo momento as pessoas se renem em subgrupos e se apresentam dizendo onome, de onde vem, mostrando o seu desenho explicado-o.d) O grupo escolhe um dos desenhos para ser o seu smbolo apresentando-o e justificando.e) Pode-se tambm fazer um grupo onde cada um apresenta mostrando e comentando o seudesenho.Palavra:Fl. 1,3-11 e Salmos 685. MARCHA OU PONTOObjetivo:Orao, pedido de perdo, preces, reviso de vida...Material:Uma folha branca com um ponto escuro ou mancha, bem no centro da mesa.Como Fazer:a) Mostrar ao grupo a folha com o ponto ou mancha no centro.b) Depois de um minuto de observao silenciosa, pedir que se expressem descrevendo o queviram.c) Provavelmente a maioria se deter no ponto escuro. Pedir, ento, que tirem conclusesprticas.Exemplo:Em geral, nos apresentamos nos aspectos negativos dos acontecimentos, das pessoas,esquecendo-nos do seu lado luminoso que, quase sempre, maior.Palavra:1Cor 3,1-4 e Salmos 5186. IDENTIFICAO PESSOAL COM A NATUREZAObjetivo:Auto conhecimento e preces.Material:Smbolos da natureza, papel e caneta.Como Fazer:a) Contemplao da natureza. Cada um procura um elemento na natureza que mais lhe chama aateno e reflete: Porque o escolhi? O que ele me diz?b) Formao de pequenos grupos para partilha.c) Cada pequeno grupo se junta com o outro e faz uma nova partilha. O grupo escolhe um comosmbolo e formula uma prece.d) Um representante de cada grupo apresenta o smbolo ao grupo, fazendo uma prece.Palavra:Gnese 1,1-2587. QUEM SOU EU? (2)Objetivo:Conhecimento pessoal.Material:Papel e caneta.Como Fazer:a) Refletir individualmente: 24. - A vida merece ser vivida?- Somente a vivem os que lutam, os que querem ser algum?b) Escrever numa folha:- Quem sou eu? (enumerar seus valores, qualidades e defeitos).- O que eu quero ser? (escrever o que quer com a vida, os seus objetivos e iluses).- Como atuo para chegar no que quero?c) Terminada a reflexo pessoal, formar grupos para partilhar.d) Avaliao:- Como cada um se sentiu ao se comunicar?- E depois da dinmica?Palavra:Gnese 1,26-31 e Salmos 13988. O OUTRO LADOObjetivo:Ver o objetivo comum do grupo. Processo de comunho e unio. Anlise da realidade. (No dizero objetivo da dinmica)Como Fazer:a) O coordenador pede a todos que se coloquem no fundo da sala ocupando toda parede.b) Pede silncio absoluto, muita ateno para a ordem que vai ser dada e que sejamrigorosamente fieis a ela. Deve manter silncio durante a dinmica.c) A ordem a seguinte: Vocs devero procurar, como grupo, atingir o outro lado da sala, daforma mais rpida possvel e mais eficiente.Repete-se a ordem vrias vezes.d) O coordenador dir que a ordem no foi cumprida, pede ao grupo que recomece. Repita aordem vrias vezes, pedindo que haja silncio.NOTA: bom que haja obstculos pelo meio da sala (cadeiras...) dificultando a passagem.Ele (o coordenador) considerar a tarefa cumprida quando julgar que o grupo se aproximou doideal alcanando o outro lado unido, obedecendo ao ritmo um dos outros, tendo incluindo todosna travessia.Comentrios:1. Como cada um se sentiu?2. Quem se sentiu esmagado e desrespeitado?3.Quem mais correu ou empurrou?4. De que forma as lideranas foram se manifestando???5. Houve desistncia no meio do caminho?6. Surgiram animadores???Palavra:1Cor 12,12-27 e Salmos 13389. ESPELHOObjetivo:Partilha dos sentimentos.Material: Uma caixa e um espelho.Como Fazer:a) O ambiente deve ser silencioso.b) Cada um deve pensar em algum que lhe seja muito importante, a quem gostaria da atenoem todos os momentos, algum que se ama de verdade, que merece todo cuidado.c) Entrar em contato com essa pessoa e pensar os motivos que os tornam to amada.d) Deixar tempo para interiorizao.e) Agora cada um vai encontrar a pessoa que lhe tem um grande significado.f) Cada um em silncio profundo se dirige at a caixa, olha a tampa e volta em silncio para seulugar.g) Depois se faz a partilha dos prprios sentimentos, das reflexes e concluses de cada um. 25. Palavra: Lc 12.1-3 e Salmos 13190. NMEROSObjetivo:Conhecimentos pessoais.Material:Cartes com nmeros diferentes.Como Fazer:a) Cada participante recebe um nmero que no deve ser mostrado para ningum.b) Dada a ordem, cada um vai procurar o nmero igual e no acha.c) Comentam-se as concluses tiradas. Somos nicos e irrepetveis perante ao outro.Palavra:Lc 15.3-7 e Salmos 891. CONSTRUO DE UMA CIDADEObjetivo:Reflexo sobre a realidade.Material:Fichas com nomes de profisses.Como Fazer:a) Cada participante recebe uma ficha com o nome de uma profisso e deve encarn-la.b) Por um instante analisar a importncia daquela profisso.c) Depois da interiorizao deve dizer: Vamos viajar porque aquela cidade fica distante (atitude dequem viaja no mar).d) Depois dizer: o navio vai afundar s h um bote que pode salvar sete pessoas.e) O grupo dever decidir quais as profisses mais urgentes que devem ser salvas.f) Analisar profundamente e iluminar com um texto bblico.Palavra:Mt 7,26-27 e Salmos 12792. SENSAES DE VIDA OU MORTEObjetivo:Analisar a pratica e reviso de vida.Material:Duas velas uma nova e outra velha.Como Fazer:a) Grupo em crculo e ambiente escuro.b) Eu..., tenho apenas cinco minutos de vida. Poderia ser feita em minha existncia e deixar defazer...(a vela gasta, acesa, vai passando de mo em mo).c) Apaga-se a vela gasta e acenda a nova. Ilumina-se o ambiente.d) A vela passa de mo em mo e cada um completa a frase: Eu..., tenho a vida inteira pelafrente e o que eu posso fazer e desejo ...e) Analisar a dinmica e os sentimentos.Palavra:Mt 6,19-24 e Salmos 193. PERFUME - ROSA E BOMBAObjetivo:Celebrao penitencial e compromisso.Material:No h material, usar a imaginao.Como Fazer:a) O grupo deve estar em crculo.b) Colocados, imaginariamente sobre a mesa, esto o perfume, a rosa e a bomba.c) Um dos participantes pega inicialmente o vidro de perfume, faz o que quiser com ele e passa 26. para o colega do lado.d) Faz-se o mesmo com a rosa e por ltimo com a bomba.Palavra:Mt 7, 7-12 e Salmos 10194. VALORESObjetivo:Reconhecer os valores e qualidades.Material:Cartes com valores escritos.Como Fazer:a) Cada pessoa recebe um carto com um valor que ela possua.b) Deixar um momento para a reflexo pessoal.c) Depois cada um vai dizer se considera ter mesmo este valor ou no. E se reconhece no grupoalgum que tem o mesmo valor.d) S no final da dinmica, alguns guardam para si, outros souberam reconhecer este valor emoutra pessoa, outros at dividem o carto com quem tem o mesmo valor.Palavra:1Cor. 12,4-11 e Lucas 1, 46-5595. VALORES IIObjetivo:Ressaltar o positivo do grupo.Material:Folhas, canetas e alfinetes.Como Fazer:a) Cada participante recebe uma folha em branco.b) Depois de refletirem um momento sobre suas qualidades, anotam na folha colocando o seunome.c) Em seguida prendem a folha com alfinete nas costas e andam pela sala, um lendo os valoresdos outros e acrescentando valores que reconhecem no companheiro.d) S no final todos retiram o papel e vo ler o que os colegas acrescentaram.Palavra:Ef 4, 1-16 e Salmos 11196. A MALETAObjetivo:Conscientizao sobre a estrutura da sociedade que refora a defesa dos interesses particulares,no estimulando o compromisso solidrio.Material:Uma maleta chaveada, chave da maleta, dois lpis sem ponta, duas folhas de papel em branco,dois apontadores iguais.Como Fazer:a) Forma-se duas equipes.b) A uma equipe entrega-se a maleta chaveada, dois lpis sem ponta e duas folhas de papel embranco dentro da maleta.c) A outra equipe entrega-se a chave da maleta e dois apontadores iguais.d) O coordenador pede que as duas equipes negociem entre si o material necessrio paracumprimento da tarefa que a seguinte: Ambas devero escrever: "Eu tenho Po e Trabalho".e) A equipe vencedora ser a que escrever primeiro e entregar a frase para o coordenador.f) A frase deve ser anotada no quadro ou em cartaz em letra grande e legvel.Palavra:2Cor 9, 6-9 e Salmos 14697. VIRAR PELO AVESSO 27. Objetivo:Despertar o grupo para a importncia da organizao.Como Fazer:a) Formar um crculo, todos de mos dadas.b) O coordenador prope o grupo um desafio. O grupo, todos devero ficar voltados para fora, decostas para o centro do crculo, sem soltar as mos. Se algum j conhece a dinmica deve ficarde fora observando ou no dar pistas nenhuma.c) O grupo dever buscar alternativas, at conseguir o objetivo.d) depois de conseguir virar pelo avesso, o grupo dever desvirar, voltando a estar como antes.Comentrios:1. O que viam? Como se sentiram?2. Foi fcil encontrar a sada? Porqu?3. Algum desanimou? Porqu?4. O que isto tem a ver com o nosso dia a dia?5. Nossa sociedade precisa ser transformada?6. O que ns podemos fazer?Palavra:Ex 18, 13-27 e Salmos 11498. APOIOObjetivo:Mostrar-lhes a importncia de se apoiar no irmo.Como Fazer:a) O coordenador deve pedir a todos os participantes que se apoiem em um p s, onde deverodar um pulo para frente sem colocar o outro p no cho, um pulo para a direita outro paraesquerda, dar uma rodadinha, uma abaixada e etc.Mensagem:No podemos viver com o nosso individualismo porque podemos cair e no ter fora paralevantar. Por que ficarmos sozinhos se temos um ombro amigo do nosso lado?99. ARTISTAObjetivo:Mostra a todos que se no tivermos Deus em nossa vida tudo fica fora do lugar.Material:Lpis e papel.Como Fazer:a) O dirigente pede para os participantes fecharem os olhos.b) Pea a cada participante que desenhe com os olhos fechados uma:- Casa- Nessa casa coloque janelas e portas.- Ao lado da casa desenhe uma arvore.- Desenhe um jardim cercando a casa, sol, nuvens, aves voando.- Uma pessoa com olhos, nariz e boca.- Por fim pea para escreverem a seguinte frase: SEM A LUZ DE DEUS PAI, DEUS FILHO,DEUS ESPRITO SANTO, TUDO FICA FORA DO LUGAR.c) Pea para abrirem os olhos e fazer uma exposio dos desenhos passando de um por um.Comentrio:Sem a luz e a presena do Pai, toda obra sai imperfeita. Deus nica luz. Sem ela s h trevas.100. DIFICULDADEObjetivo:Esclarecer valores e conceitos morais. Provocar um exerccio de consenso, a fim de demonstrarsua dificuldade, principalmente quando os valores e conceitos morais esto em jogo.Como Fazer:a) O coordenador explica os objetivos do exerccio. 28. b) A seguir distribuir uma cpia do "abrigo subterrneo" a todos os participantes, para que faamuma deciso individual, escolhendo as seis pessoas de sua preferncia.c) Organizar, a seguir, subgrupos de 5 pessoas, para realizar a deciso grupal, procurando-sealcanar um consenso.d) Forma-se novamente o grupo maior, para que cada subgrupo possa relatar o resultado dadeciso grupal.Segue-se um debate sobre a experincia vivida.101. ABRIGO SUBTERRNEOImaginem que nossa cidade est sob ameaa de um bombardeio.Aproxima-se um homem e lhes solicita uma deciso imediata. Existe um abrigo subterrneo ques pode acomodar seis pessoas.H doze pessoas interessadas a entrar no abrigo.Faa sua escolha, destacando seis somente.Um violinista, com 40 anos de idade, narctico viciado;Um advogado, com 25 anos de idade;A mulher do advogado, com 24 anos de idade, que acaba de sair do manicmio. Ambos preferemou ficar juntos no abrigo, ou fora dele;Um sacerdote, com a idade de setenta e cinco anos;Uma prostituta, com 34 anos de idade;Um ateu, com 20 anos de idade, autor de vrios assassinatos;Uma universitria que fez voto de castidade;Um fsico, com 28 anos de idade, que s aceita entrar no abrigo se puder levar consigo sua arma;Um declamador fantico, com 21 anos de idade;Uma menina com 12 anos e baixo QI;Um homossexual, com 47 anos de idade;Um deficiente mental, com 32 anos de idade, que sofre de ataques epilpticos.102. PESSOAS BALESObjetivo:Reflexo sobre a vivncia comunitria; reflexo sobre as dificuldades em se superar crticas ouofensas recebidas.Material:Um balo cheio e um alfinete.Como Fazer:a) O coordenador deve explicar aos participantes porque certas pessoas em determinadosmomentos de sua vida, se parecem com os bales:- Alguns esto aparentemente cheios de vida, mas por dentro nada mais tm do que ar;- Outros parecem ter opinio prpria, mas se deixam lavar pela mais suave brisa;- Por fim, alguns vivem como se fossem bales cheios, prestes a explodir; basta que algum osprovoque com alguma ofensa para que (neste momento estoura-se um balo com um alfinete)"estourem".b) Pedir que todos dem sua opinio e falem sobre suas dificuldades em superar crticas eofensas.103. SER IGREJAObjetivo:Realar a importncia de cada um de ns na comunidade crist.Material:Uma folha em branco para cada um.Como Fazer:a) Entregar uma folha de papel ofcio para os participantes.b) Pedir para todos ao mesmo tempo, movimentar as folhas e observar; todos unidos formarouma sintonia alegre, onde essa sintonia significa nossa caminhada na catequese, e quandoiniciam alguma atividade estaremos alegres e com isso teremos coragem de enfrentar tudo, 29. quando catequizar nossa salvao.c) Mas no decorrer do tempo, as dificuldades aumentaram, ficamos desmotivados por causa dasfofocas, reclamaes, atritos etc. Com isso surgem as dificuldades, os descontentamentos.d) Juntos vamos amassar a nossa folha para que no rasque, e voltaremos a movimentar a folha,todos juntos, verificando que no existe a sintonia alegre, agora s resta silncio.e) Pegaremos essa folha, colocando-a no centro da mo e fechando a mo, torcendo o centro dafolha, formar uma flor.f) Essa flor ser nossa motivao, nossa alegria daqui pra frente dentro da catequese.Comentrio: um convite para uma esperana, para que assumamos a responsabilidade de realizar a vida.Todos ns apenas uma parcela pessoal e social, nessa construo de uma humanidade nova?Cheia de esperana e realizaes.Palavra:Mc 3, 31 35104. O BARCOObjetivo:Aumentar a f em Jesus; conscientizar o ser missionrio de cada um; vestir a camisa de Cristo.Material:Uma folha em branco para cada um.Como Fazer:a) Somos chamados por Deus vida, e esta nossa vida ns podemos representar como umbarco que navega em alto mar. (fazer o barco de papel).b) H momentos da nossa vida que este mar se mostra calmo, mas em muitos momentos nsnavegamos por entre tempestades que quase nos leva naufragar. Para no corrermos o riscode naufragar precisamos equilibrar bem o peso de nosso barco, e para isso vejamos o que podeestar pesando dentro desse barco.c) O barco pesa do lado direito. So as influncias do mundo. Ex: Ambio, drogas, televiso,inveja, etc.d) Vamos tirar de dentro do nosso barco tudo isso para que ele se equilibre novamente. (Cortar aponta do lado direito do barco)e) Navegamos mais um pouco e de repente percebemos que o outro agora que est pesado,precisamos tirar mais alguma coisa deste barco. Deste lado do barco est pesando: egosmo,infidelidade, impacincia, desamor, falta de orao, etc. (Cortar a ponta do lado esquerdo dobarco)f) Percebemos agora que existe uma parte do barco que aponta para cima: a nossa f emJesus que ns queremos ter sempre dentro do nosso barco, esta nossa f ns vamos guardar ecuidar com carinho para nos sustentar na nossa jornada. (Cortar a ponta de cima do barco ecolocar em algum lugar visvel)g) Vamos abrir este nosso barco e ver como ficou. (Abrindo parece uma camisa)Comentrio:a) Somos chamados por Deus vida, e esta nossa vida ns podemos representar como umbarco que navega em alto mar. (fazer o barco de papel).b) H momentos da nossa vida que este mar se mostra calmo, mas em muitos momentos nsnavegamos por entre tempestades que quase nos leva naufragar. Para no corrermos o riscode naufragar precisamos equilibrar bem o peso de nosso barco, e para isso vejamos o que podeestar pesando dentro desse barco.c) O barco pesa do lado direito. So as influncias do mundo. Ex: Ambio, drogas, televiso,inveja, etc.d) Vamos tirar de dentro do nosso barco tudo isso para que ele se equilibre novamente. (Cortar aponta do lado direito do barco)e) Navegamos mais um pouco e de repente percebemos que o outro agora que est pesado,precisamos tirar mais alguma coisa deste barco. Deste lado do barco est pesando: egosmo,infidelidade, impacincia, desamor, falta de orao, etc. (Cortar a ponta do lado esquerdo dobarco) 30. f) Percebemos agora que existe uma parte do barco que aponta para cima: a nossa f emJesus que ns queremos ter sempre dentro do nosso barco, esta nossa f ns vamos guardar ecuidar com carinho para nos sustentar na nossa jornada. (Cortar a ponta de cima do barco ecolocar em algum lugar visvel)g) Vamos abrir este nosso barco e ver como ficou. (Abrindo parece uma camisa)Palavra:Mt 8, 23 27105. BILHETESObjetivo:Exercitar a comunicao entre os integrantes e identificar seus fatores.Material:Pedaos de papel com mensagens e fita adesiva.Como Fazer:1. Os integrantes devem ser dispostos em um crculo, lado a lado, voltados para o lado de dentrodo mesmo.2. O coordenador deve grudar nas costas de cada integrante um carto com uma frase diferente.3. Terminado o processo inicial, os integrantes devem circular pela sala, ler os bilhetes doscolegas e atend-los, sem dizer o que est escrito no bilhete.4. Todos devem atender ao maior nmero possvel de bilhetes.5. Aps algum tempo, todos devem voltar a posio original, e cada integrante deve tentaradivinhar o que est escrito em seu bilhete.6. Ento cada integrante deve dizer o que est escrito em suas costas e as razes por quechegou a esta concluso.7. Caso no tenha descoberto, os outros integrantes devem auxili-lo com dicas.Avaliao:O que facilitou ou dificultou a descoberta das mensagens? Como esta dinmica se reproduz nocotidiano?Sugestes de Bilhetes:Sugira um filme para eu ver?; Cante uma msica para mim?; Gosto quando me aplaudem.; Soumuito carente. Me d um apoio.; Tenho piolhos. Me ajude!; Dance comigo.; Estou com falta de ar.Me leve janela.; Me descreva um jacar.; Me ensine a pular.; Tem uma barata em minhascostas!; Dobre a minha manga.; Estou dormindo, me acorde!; Me cumprimente.; Quantos anosvoc me d?; Me elogie.; Veja se estou com febre.; Chore no meu ombro.; Sorria para mim.; Mefaa uma careta?106. LUZ DO MUNDOMaterial:Uma vela para cada participante, ambiente escuro (ideal se for feito noite ou em sala que possater as janelas fechadas), fsforo ou isqueiro, pedaos de papel, lpis ou caneta, durex oubarbante.Como Fazer:1. Sentados em crculo, sugerir que fechem os olhos e faam uma orao silenciosa, por algunsminutos; enquanto isso apague as luzes do ambiente.2. Comentar sobre a escurido do ambiente, se confortvel ficar assim sentado no escuro, oque eles fazem quando acaba a luz.3. O coordenador acende uma vela e l o texto de Mateus 5, 14-16.4. Perguntas:- O que quer dizer este texto?Adianta eu acender esta vela e coloc-la atrs de mim? (coloque a vela acesa atrs de voc)- Melhora se eu colocar a vela a minha frente e mais para o alto? (mostre a vela).- E se cada um de ns tivesse uma vela, ficaria mais claro?5. O coordenador levanta e d a cada participante uma vela, mas no acende.6. Perguntas:- Ficou mais claro? No, por que? O que falta? 31. - Cristo disse que ele era a luz do mundo, de que luz ele est falando?- Ele quer iluminar os cantos escuros do mundo, como? Atravs de sua Palavra, de seu amor, desua morte na cruz.7. O coordenador sugere que cada um acenda a vela do seu vizinho dizendo algo sobre Cristo eele comea colocando a chama de sua vela na do vizinho do lado, dizendo algo como: "Cristo teama" ou "Jesus quer que voc seja Luz do Mundo".8. Cada participante deve fazer o mesmo, com o vizinho ao lado, falando uma frase diferente.9. Agora ficou mais claro o nosso ambiente, claro com a luz de Cristo.10. Perguntas:- E o que Cristo diz desta luz, ela deve ficar escondida?- O que ns devemos fazer com esta luz?Concluso:Deixar um momento de reflexo e orao; acender as luzes da sala e apagar as velas.Pedir que falem sobre o que pensaram e sugerir uma atividade para levar a luz de Cristo paraoutros.107. COSTA COM COSTAObjetivo:Desencadear no grupo o processo de descontrao, f