5 Simulado - .Simulado 5 Prog. Visual Redação Coor. Ped. C. Qualidade Dep. Arte 30332 - Simulado

download 5 Simulado - .Simulado 5 Prog. Visual Redação Coor. Ped. C. Qualidade Dep. Arte 30332 - Simulado

of 24

  • date post

    23-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    218
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of 5 Simulado - .Simulado 5 Prog. Visual Redação Coor. Ped. C. Qualidade Dep. Arte 30332 - Simulado

  • Simulado 5

    Prog. Visual

    Redao

    Coor. Ped.

    C. Qualidade

    Dep. Arte

    303

    32 -

    Sim

    ulad

    o 2

    Ano

    1 Bi

    m F

    5

    Anderson

    Repr

    odu

    o p

    roib

    ida.

    Art

    . 184

    do

    Cdi

    go P

    enal

    e L

    ei 9

    .610

    de

    19 d

    e fe

    vere

    iro d

    e 19

    98.

    1

    5Simulado

    Nome: No

    Durao do simulado: 5h30min

    Cincias Humanas e suas Tecnologias Cincias da Natureza e suas TecnologiasLinguagens, Cdigos e suas Tecnologias Matemtica e suas Tecnologias Redao

    B

    B

    B C D E

    D EA

    C D EA

    C EA B

    B

    B C D E

    D EA

    C D EA

    C EA

    INSTRUES

    1. Preencha o campo de identificao.

    2. Este simulado contm 90 questes, cada uma com apenas uma alternativa correta.

    3. O simulado individual; se houver qualquer dvida, consulte o(a) professor(a).

    4. No permitido o uso de calculadora.

    5. No quadro de respostas, preencha (a tinta preta ou azul) todo o espao correspondente

    alternativa que julgar correta, cuidando para no ultrapass-lo nem rasurar.

    Ateno! No ser considerada a resposta assinalada com um x.

    No preencha assim: Preencha assim:

    6. No permitido o uso de aparelho celular durante o simulado.

    7. S ser permitido sair aps 1 hora do incio do simulado.

    8. Devolva o caderno de questes ao examinador, juntamente com seu carto-resposta e sua redao.

  • Simulado 5

    Prog. Visual

    Redao

    Coor. Ped.

    C. Qualidade

    Dep. Arte

    303

    32 -

    Sim

    ulad

    o 2

    Ano

    1 Bi

    m F

    5

    Repr

    odu

    o p

    roib

    ida.

    Art

    . 184

    do

    Cdi

    go P

    enal

    e L

    ei 9

    .610

    de

    19 d

    e fe

    vere

    iro d

    e 19

    98.

    Repr

    odu

    o p

    roib

    ida.

    Art

    . 184

    do

    Cdi

    go P

    enal

    e L

    ei 9

    .610

    de

    19 d

    e fe

    vere

    iro d

    e 19

    98.

    Anderson

    Repr

    odu

    o p

    roib

    ida.

    Art

    . 184

    do

    Cdi

    go P

    enal

    e L

    ei 9

    .610

    de

    19 d

    e fe

    vere

    iro d

    e 19

    98.

    Repr

    odu

    o p

    roib

    ida.

    Art

    . 184

    do

    Cdi

    go P

    enal

    e L

    ei 9

    .610

    de

    19 d

    e fe

    vere

    iro d

    e 19

    98.

    2

    CINCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS

    1. (UFPA)

    Pode-se referir conscincia, religio e tudo o que se qui-ser como distino entre os homens e os animais; porm, esta distino s comea quando os homens iniciam a produo dos seus meios de vida [...].

    A forma como os indivduos manifestam a sua vida reflete muito exatamente o que so. O que so coincide portanto com a sua produo, isto , com aquilo que produzem como com a forma como produzem.

    Marx, K. Ideologia Alem, Lisboa: Editora Presena, 1980, p. 19.

    Considerando que, segundo Marx, a maneira de ser do ho-mem depende de alguns fatores, identifique, no conjunto de fatores listados abaixo, os que, na viso do citado filso-fo, distinguem o ser humano:

    I. os respectivos modos de produo.II. a prpria produo de sua vida material.III. a forma de utilidade dos objetos produzidos em sociedade.IV. o estado de desenvolvimento de sua conscincia depen-

    de de sua histria de vida.V. a produo dos meios de subsistncia tendo em vista o

    bem comum da sociedade.

    Os fatores esto corretamente identificados em

    a) I e II e) I, III e V b) II e IV d) II e V c) III e IV

    2. (UEPB) Associe a Coluna 1, em que esto indicadas algu-mas das montanhas mais importantes da Europa, s suas lo-calizaes e algumas caractersticas, descritas na Coluna 2.

    Coluna 1 Coluna 2

    ( 1 ) Pirineus ( ) Montanhas de formao recente, que ficam entre o Mar Negro e o Mar Cs-pio, abrigam climas responsveis pela presena de florestas, mas tambm de estepes e povos tnica e culturalmente muito diversos.

    ( 2 ) Urais ( ) Cordilheira considerada uma frontei-ra natural entre a Pennsula Ibrica e a Frana, na qual se encontra localizado o pequeno principado de Andorra.

    ( 3 ) Alpes ( ) Dobramentos modernos de maior desta-que na Europa, ocupam a regio central deste continente, com grande destaque nos territrios suo e austraco.

    ( 4 ) Cucaso ( ) Relevo de formao recente que se alonga pelos territrios dos pases denominados de leste europeu, tais como Polnia, Eslovquia, Hungria e Romnia.

    ( 5 ) Crpatos ( ) Macio antigo, localizado na Rssia, considerado como a fronteira fsica en-tre a Europa e a sia.

    Assinale a sequncia correta da enumerao.

    a) 1 5 2 4 3 d) 2 3 4 5 1 b) 5 1 3 4 2 e) 4 1 3 5 2 c) 4 2 3 1 5

    3. (EsPCEx-SP) O sculo XVIII registrou profundas transforma-es na maneira de governar de diversos dirigentes:

    Frederico II, da Prssia, aboliu as torturas aplicadas aos presos em seu pas [...] incentivou as letras, as artes e as cincias [...] e dirigiu pessoalmente a reforma de Berlim, capital da Prssia na poca.

    O Marqus de Pombal, principal ministro do rei D. Jos I [...] valendo-se de seu enorme poder, decretou a emancipao dos indgenas na Amrica portuguesa, a abolio da escravido africana e a fundao da Imprensa Rgia, em Portugal.

    Jos II, da ustria, adotou a tolerncia religiosa, mas man-teve intocados o militarismo e a servido.

    Catarina II, da Rssia, mandou construir escolas, fundou hospitais, dirigiu a reforma da capital (So Petersburgo) e com-bateu a corrupo nos meios civis e religiosos.

    BOULOS JR, 2011.

    Sobre os dirigentes acima mencionados e seus governos, pode-se afirmar que

    a) todos foram provavelmente inspirados por ideias iluminis-tas, e o tipo de governo adotado por eles foi chamado pe-los historiadores do sculo XIX de despotismo esclarecido.

    b) somente Frederico II e Catarina II foram inspirados por ideias iluministas, e o tipo de governo adotado por eles foi chamado de socialismo.

    c) todos foram provavelmente inspirados pelo filsofo Jean-Jacques Rousseau, e o tipo de governo adotado por eles foi chamado de democracia.

    d) Frederico II e o Marqus de Pombal militarizaram seus pases e adotaram governos comunistas.

    e) fundamentaram-se em correntes filosficas diferentes, mas todos adotaram governos liberais.

    4. (FGV-RJ)

    Dom Pedro Miguel de Almeida Portugal conde de Assu-mar se casou em 1715 com D. Maria Jos de Lencastre. Da a dois anos partiria para o Brasil como governador da capitania de So Paulo e Minas Gerais. Nas Minas, no teria sossego, dividido entre o cuidado ante virtuais levantes escravos e efetivos levan-tes de poderosos; o mais srio destes o celebrizaria como algoz: foi o conde de Assumar que, em 1720, mandou executar Felipe dos Santos sem julgamento, sendo a seguir chamado a Lisboa e amargurado um longo ostracismo.

    Laura de Mello e Souza, Norma e conflito:

    aspectos da histria de Minas no sculo XVIII.

    A morte de Felipe dos Santos esteve vinculada a

    a) uma sublevao em Vila Rica, que envolveu vrios gru-pos sociais, descontentes com a deciso de levar todo ouro extrado para ser quintado nas Casas de Fundio.

    b) um movimento popular que exigia a autonomia das Mi-nas Gerais da capitania do Rio de Janeiro e o imediato cancelamento das atividades da Companhia de Comr-cio do Brasil.

    c) uma revolta denominada Guerra do Serto, comandada por potentados locais, que no aceitavam as imposies colonialistas portuguesas, como a proibio do comr-cio com a Bahia.

    d) uma insurreio comandada pela elite colonial, inspira-da no sebastianismo, que defendia a emancipao da re-gio das Minas do restante da Amrica portuguesa, com a criao de uma nova monarquia.

    e) uma rebelio, que contraps os paulistas descobrido-res das minas e primeiros exploradores e os chamados emboabas ou forasteiros pessoas de outras regies do Brasil, que vieram atrs das riquezas de Minas.

    5. (Cefet-MG adaptada) Sobre o Mercosul, afirma-se que:

    I. A adoo de uma moeda comum est prevista para 2013.II. A Venezuela teve sua adeso ao grupo confirmada recen-

    temente.III. O avano na integrao regional permitiu sua transfor-

    mao na Unasul.IV. O Paraguai foi suspenso desse grupo devido destitui-

    o de seu presidente.V. O bloco pode ascender-se como potncia energtica,

    geopoliticamente.

    Esto corretas apenas as afirmativas

    a) I e IV. d) II, IV e V. b) II e III. e) I, III e IV.c) I, III e V.

    6. (UTFPR) Voltaire, Rousseau, Montesquieu, entre outros fi-lsofos, marcaram o Movimento Iluminista, do sculo XVIII, conhecido como o Sculo das Luzes, principalmente na Frana.

    Uma de suas marcas foi defender

    a) os dogmas da Igreja Catlica. b) o liberalismo econmico e combater o absolutismo. c) a manuteno do sistema escravista. d) o voto apenas para aqueles que dispusessem de certa

    renda. e) a educao como forma de prevenir futuros castigos,

    como a priso.

    7. (Vunesp-SP) No final do sculo XVIII, a Inglaterra mantinha relaes comerciais regulares com vrias regies do conti-nente africano. O interesse de ingleses nesse comrcio deri-vava, entre outras coisas, da necessidade de

    a) mercado consumidor para os tecidos, produzidos em es-cala industrial nas fbricas inglesas e francesas.

    b) especiarias e sal, utilizados na conservao de alimentos consumidos nas grandes cidades e