A Blindagem Azul poesia evangélica

Click here to load reader

  • date post

    19-Jun-2015
  • Category

    Documents

  • view

    233
  • download

    0

Embed Size (px)

description

Segundo livro de poemas de Sammis Reachers

Transcript of A Blindagem Azul poesia evangélica

1

DEDICATRIA

dedico estas humildes linhas ao nico Fiel e Verdadeiro

2

NDICEIntroduo ..................................................... 4 A LIBERTAR ................................................7 Pois os cus so os cus do Senhor ................8 Cantiga de ninar .............................................9 A Blindagem Azul ........................................10 Aguilho quebrado .......................................19 Madrugada ....................................................20 3 Girassis ...................................................24 Big Riders .....................................................27 Diretrizes ......................................................29 Sobre o Homem que uma Ponte e uma Porta..............................................................31 Semi-Parbola dos com-Deus e dos sem-Deus ......................................................................34 Atmica .......................................................36 Antropo-Cristocntrico................................38 Paz Verde ....................................................40 Brado ...........................................................41 No dia do arrebatamento .............................42 Bairro do Areal ............................................44 O Arsenal .....................................................45 Entropia .......................................................47 ndios ...........................................................49 A Cincia ltima .........................................52 O primeiro, o ltimo louco ..........................53 Fugir de Cristo buscar a Cristo .................54 [email protected] ......................................................57 Composio em Ah menor ..........................58 Sobre o autor ...............................................59

3

INTRODUOAZUL: Cor maravilhosa, escolhida por Deus para pigmentar asmaiores extenses dadas ao nosso humano vislumbre: Os cus e mares. Se fosse feita uma pesquisa (e com toda certeza j o foi, eu que no lhe conheo os nmeros), verificar-se-ia que o azul a cor preferida pela grande maioria das pessoas. Antes de minha converso ao Evangelho de Cristo, quando eu ainda era um poeta anarquista e meio ateu, cheguei mesmo a escrever o pequenino poema Divino Pigmento: As mirades que abarcas, filho, eu no sei Mas vai e domina: Pois Azul o nome que eu lhe dei Hoje sei que das mirades que o azul abarca, Aquele que o criou as conhece, cada milmetro. Mas enfim: escrevo esta introduo pois o leitor perceber que o signo do azul perpassa boa parte deste livro (como uma leve onda), e no apenas o poema que d ttulo a esta obra. Mas de que falam estes versos? De um futuro onde tudo azul? Sim, e ao mesmo tempo no. Pois no o caso de eu crer literalmente que o futuro Universo ser todo azul. Vou tecendo versos e imagens poticas usando o signo (do) Azul como smbolo do magnfico, e mesmo como uma super-metfora (pan-metfora?) para a ampla maravilha do que est por vir, quando dos novos cus e nova terra, que sero livres de toda forma de corrupo, e os quais Deus de antemo planejou, preparou e prometeu aos que o servem. E tambm como a cor simblica do amor maior (no o eros ou o philos, mas), o gape, o amor de Deus.

4

Se uso aqui desta licena potica, fao apenas consideraes parateolgicas, no querendonunca e de forma alguma ultrapassar o texto bblico. Afinal, como a Bblia mesma afirma, homem algum sabe como realmente sero tais grandezas (As coisas que o olho no viu, e o ouvido no ouviu, e no subiram ao corao do homem, so as que Deus preparou para os que o amam. - 1Corntios 2.9). E creio ento que imaginar tal futuro (tarefa impossvel? talvez) fica a cargo de cada corao em particular. Uma coisa me parece certa: pelo texto bblico, conclumos que a maravilha estar sempre acima (seja por um centmetro, ou um ou mil anos-luz) de qualquer imaginao e/ou verbalizao (colorizao?) que possamos alcanar, do lado de c. Pois faamos ento poesia com o possvel, da forma possvel, perseverando na f a chave que possibilita abrir o impossvel sempre sonhado - e ardentemente aguardando a Poesia Maior, a exploso azul do amor gape, que do Senhor nos vir. O Grande dia da Completa Restituio de tudo aquilo que Ado - to barato - vendeu.

5

VERSCULOS

E vi um novo cu e uma nova terra. Porque j o primeiro cu e a primeira terra passaram, e o mar j no existe. Apocalipse 21.1 As coisas que o olho no viu, e o ouvido no ouviu, e no subiram ao corao do homem, so as que Deus preparou para os que o amam. 1Corntios 2.96

A LIBERTARFoi para isso que o Filho do homem se manifestou, Para destruir as obras do diabo. 1Jo 3:8 H homens que vivem Em cima do muro

H homens que vivem De um dos lados do muro

H homens que sobem E descem do muro E mudam de lado

H homens que destroem o muro.

Venham para Jesus, amigos meus! Vamos viver a derrubar os muros!

7

Pois os cus so os cus do Senhordeito-me do alto da serpente, qual quem tange a ctara do sol dedilho as sensaes da queda ento salmos, em alumbramento finco minhas mos Mo da Rocha caio clere olhos destros centrados nos sinistros e furibundos olhos da sErpeNtE que os atm ao alto, amaldioando em lngua bfida o milagre que me permite morte em seu dorso debandar olha o cu que a esmigalha por dentro odiosa desta sutil estranha maravilha que me faz cair para cima ao longe vejo O Calcanhar ainda pisar-lhe a cabea, eu municiado com o sorriso em lminas de luzes que Cristo plantou em meu rosto, rosa voltaica que a horroriza.

8

Cantiga de ninarH uma ciranda de crianas e luz; E a luz dessas crianas, E as crianas so dessa luz. Tudo em derredor tudo canta E um Rei que uma Rocha rege O coro de todas as coisas. H proviso De sorriso e perdo. No h preciso Do sol ou das estrelas, Dos planetas ou do luar: Um que a Rocha Ilumina o lugar, E o lugar que ilumina Tem o nome de TUDO. E o amor de Deus aqui Um to grande estrondo Que ensurdeceu para sempre Tudo que era vazio.

9

A Blindagem AzulVs tambm, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdcio santo, para oferecer sacrifcios espirituais, agradveis a Deus, por Jesus Cristo. 1Pe 2.5

IMeu toque recambiado o da pedra viva Que ensina o Caminho ao errante, Pega o ladro pela mo, D-lhe perdo e mapa Amor e direo. Meu toque, o toque vulcanicorrosivo De rochas igneovertidas e pulsantes, Que rompem muros e fronteiras, E cria ilhas de Amor, onde antes havia o nada. Rocha de vida lanada Vida Ululante em seu vo Ofereo-me Como preceptor para o que tropea Como Azul Blindagem Ao que perseguido de morte, Como estalagem sempre azul Para todo aquele do azul desabrigado.

10

IINosso olhar percebe o cu, mas incapaz Deixa passar o principal, que Tudo o que voa azul. E a cor, o fato, o evento do azul em tudo um poema gigantesco e universal, Um documento... O azul como uma profecia Que firme, mas ternamente, Fala do que h de vir, do adVento que varrer O Universo, e far algo Novo, maior, pacfico, Eterno E livre de todo o mal. O azul grita (aos meus olhos de poeta, sequer) Do melhor de Deus Que est por vir.

11

III(de) Um dia (em que) No haver mais escurido: Dia e noite sero Azuis Como e mais que o mar das Carabas, Os olhos da melhor princesa

12

IVE eu quero ir praia do mar mais azul E encontrar um surfista local e ouvi-lo Falar das grandes ondas que j bateram Naquela costa e me aproximar dele E com alegria citar-lhe os versculos 3 e 4 do 93 Salmo, Os rios levantam, Senhor, os rios levantam O seu rudo, os rios levantam as suas ondas. Mas o Senhor nas alturas mais poderoso Do que o rudo das grandes guas e do que As grandes ondas do mar., E com eufrico amor contar-lhe a maior Boa-nova, a histria da Grande Onda Que um dia bateu neste planeta Jesus A Tsunami Reversa, pois de guas vivas, Que veio afogar a morte e o inferno... O Ondulante Poder de Vida e Liberdade! E dir-lhe-ei ainda que o azul que amamos Ser amplificado, pois este mesmo Jesus Subiu ao cu e est a nos preparar Um melhor azul onde habitar, Um inaudito e indiviso novo tom, Cor jamais vista ou surfada: O Azul-mais-que-perfeito. E escreverei na maior das pedras Daquela praia, para todos aqueles Que a buscam (a ela, a onda, mas sem saber O buscam), Para que o sbio e o smplice entendam:13

No bata cabea noutras praias: Jesus a Onda Perfeita!

14

VNo, do mar no haver saudade: A plenitude do amor gape (como a tudo o mais que ficar para trs) Com incalculvel vantagem O substituir.

15

VIFoi isso o que a f fez, A f me levou a dar Um passo ao centro do azul de Deus. O mundo nigrocrmico deixado para trs Desembainhou garras & lminas & lembranas E, claro, argumentos Para me impedir, prenhe de morte E (oh mundo perigoso, oh mundo otrio) no o pde Pois o azul proftico, este o outro, profundo e lindo O azul de Deus Ele me deu um beijo

16

VII(Voc j surfou alguma vez? Mesmo numa prancha De bodyboard? Eu venho tentando verbalizar A sensao que se experimenta, mas parece sempre Que sequer me aproximo, qual nufrago a morrer na areia da praia. algo maravilhoso. A sensao de descer e ao mesmo tempo Avanar numa onda, mar frente & Onda abaixo, os respingos de frescor do mar Em choque, gotculas duma azul energia, Biolgica?, Telrica?, as duas coisas, + a velocidade (sim, e o fim desta equao = Felicidade), Caleidoscpio incandescente de matizes do anil, Uma energia simbionte que celebra a vida Unida adrenalina que o crebro libera E que tambm (porque no?) vida celebra. O toque do corpo na matria lquida, Ah... Perceba: o mais perfeito e macio dos abraos. algo esplendorosamente doce. Ento Imagine o Deus que criou o mar azul E seus parasos Tuvalu, Maldivas, Nauru, Samoa e aquela praia que voc um dia viu numa foto Um Deus que criou a lua e estabeleceu a lei da gravidade, Que manipula o mover das mars, a engendrar ondas ininterruptas em seu pulsar, segundo a segundo, sculo sobre sculo, Ciente j que o homem (ser animoso) inventaria de Surf-las...17

Imagine os atis praias recifes bancos de corais bernardos-eremitas: e a Nas novas terras no haver mais mares. Se o mar, que pode ser terrvel (sim, tambm j o sofri) Mas que em muito Deus o fez maravilhoso E maravilhosamente habitado No mais existir Imagine ento Tente imaginar Alm das miloutras coisas, o que ento Em lugar do mar, sim, O QUE DE AINDA MAIS MARAVILHOSO HAVER? Tente tal concepo, mas saiba estar sob o signo Duma sutil impossibilidade, pois nem os olhos viram, nem o corao .... Sim, Nas novas terras no haver mais mares. Mas para qu afinal?

O mergulho ento ser infinito, pois Sobre GUAS VIVAS. Um surf sem pranchas sobre guas dum azul inconcebvel, que a ningum afogam, guas que s sabem fazer ressuscitar.)18

Aguilho quebradoNietzsche disse que Quando voc olha dentro do abismo, O abismo olha dentro de voc. Ontem aqui no quintal eu olhei l dentro do abismo e ele me mostrou um enorme girassol: Onde est, morte, o teu aguilho? Onde est, inferno, a tua vitria? * * I Corntios 15:55

19

MadrugadaA placidez est a um passo dos teus gritos: Basta dar este passo.

Pode crer, amigo: Os filmes da madrugada no foram mesmo feitos Para remediar angstias. Nesta noite (e em todas as noites?) voc nem se d conta, Mas a tua dor e sua variada programao tm um interruptor: Acionando o controle remoto, voc viaja... E em um dos canais, Algum fala de Cristo, E seu poder trans-formador. Hoje voc est meio louco, pra um pouco, Resolve ouvi-lo. E o cara de fala firme Que de Cristo fala Fala-lhe de algo: Cristo te oferece uma mo Mas uma MO Que formou todas as mos estrelas hipoptamos riachos anjos paisagens elementos peridicos pessoas e veio aqui Nesta terra que gira Morrer por voc. Isso, se admitido, muda muita coisa, Muda o termo de tudo: o mximo fez-se mnimo (manjedoura andanas cruz) Por ns, que satans quer fazer crer Que viemos do nada. Voc repara no homem que de Cristo fala, Desconfia de seu terno, mais um papa-dinheiros.20

Pena que (e no conheo esse que agora lhe fala) o homem Que de Cristo fala no prioriza relatar A sua (dele) vida: Ser sempre a histria de um herico resgate. Pois as aes de Deus principiam por uma salvao. E o pregador, loquaz, lhe fala de Paz, paz paz paz paz paz paz paz Mas no a paz das passeatas, no a paz dos acordos, Paz de homindeos: Mas da Paz de Deus, Alm da tua imaginao. E Voc quer ver mas algo como que lhe manda mudar mas tu (ainda assim e exaustivamente) sabes, Quanto aos outros canais, seus filmes da madrugada so reprises de velhos filmes Reprisados exausto no diurno planto, No diuturno mundo. Mas uma voz de amargura diz a madrugada Tem sempre histrias mal contadas (Como a querer dizer que voc talvez no esteja entendendo o que est comeando a entender), e voc acaba adormecendo, Em meio a ela, Em meio aos filmes que Hollywood ou os monsieurs No fizeram mesmo para calar angstias, Em meio prpria insnia. Mas contra este sono incipiente a tua angstia velha e rabugenta discursa hoje como um De Gaule, Um Fidel, um qualquer que a razo humana Cegou. Ela discursa, ela relembra detalhes De dor. Tua dor.21

Detalhes que te cansam, e permanecem. O homem da TV chama um vdeo-clip, Uma mulher que voc acha cabeluda, mas de voz arrasadora Canta, canta como voc nunca ouviu (Palavras doces, que cortam) e chega num verso assim: Ajoelhe-se e clame... E de repente, Entre tudo isso que a madrugada amontoa, Entre gritos por dentro e barulhos desertos, Entre filmes mudos sobre vaidades, Algo improvvel para quem est do lado De fora da tua casa ocorre, Algo vulcnico, inadivel, algo que fala, Que grita em voz tenrica sobre rupturas e resgates... Lgrimas, lgrimas hiper-retro-retidas explodem, Voc derrete do sof ao cho, E abre a tua boca e asas e corao... E sabe entre teus soluos Que agora pertences ao Cristo. E agora (e este o AGORA por quem todos os outros agoras existiram) Tu ests nEle, e Ele em voc. E voc no v Mas as trevas da noite l fora Como que se incendeiam, E a filmografia holiudiana passa a ser Apenas filmografia, E as vaidades passam a ser S vaidades, E a angstia passa a ser s mais um Dos palcios do inferno,22

Que s teus vizinhos o sabem, s o mundo Sem Cristo... E a dor enterrada nos morros de Hollywood, Nas literaturas da Frana, No peito de satans: E voc est livre. E a vida - olha que coisa mais inesperada, mais inespervel Passa a fazer SENTIDO. E voc v que teus avs erraram, Cristo muito mais que catedrais esttuas Rezas decoradas: Cristo Vida, Cura e Liberdade.

23

3 Girassis3 poemas inspirados na obra missionria

SUDOAbrem-se de par em par as portas da Igreja-Casa-Corao: Descalos sobre os seixos, os 12 sudaneses adentram ao porto de Cristo, que seu e aquecido. Contradizente, esttico e clere, o deserto lhes circunda: Morra doravante o deserto, deles (hoje, para S E M P R E) fluem rios de guas vivas. **Joo 7:38

24

JAPONada de espadas. A Tokarev* Sim sim sim ainda atira ela h de atirar As crianas a dvida E ele j a empunhava, alisava SUSPEITO DE ALTA TRAIO cabealho dos jornais as crianas O dedo bicava o gatilho ele j vencia o medo Morrer morrer s me resta morrer a discusso os gritos de Yukio o stress Mas ento uma lembrana (de onde vinda?), os acionistas o ministro todos esperam que eu me mate mas ento uma equao: O bolso + a mo + o toque = um reles(?) papel o folheto que aquele canadense lhe dera: Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreio e a vida. Quem cr em mim, ainda que esteja morto, Viver; e todo aquele que vive e cr em mim Nunca morrer. Crs tu isto? ** (Um insight, uma arma deposta um libertar) Pois ele creu.* Pistola russa **Joo 11:25,26

25

AFEGANISTOO injil* (to raro por aqui, to impossvel) o injil seu pai queimou o injil na sexta seus parentes se reuniram seu irmo lhe denunciou o livro, o livro, ele tinha o livro! O muezim** decidiu pelo castigo a vila o povo o povo cego surdo mudo o muezim decidiu o muezim decide o muezim cego guiando cego O cortejo cego segue, d porta da casa preparam-se para linch-lo. E voc se angustia e eu me angustio mas ele... Com um sorriso de ave e de anjo (to raro por aqui, to impossvel), Mohammad Bem Ali lana-se para fora: Eu venci o mundo. ****O Novo Testamento **Chefe religioso local, no Isl ***Joo 16:33

26

Big RaidersJEOV, o Senhor, minha fora, e far os meus ps como os das cervas, e me far andar sobre as minhas alturas. Hc 3.19

Vivo o hoje, e combato, e basta-nos cada dia com o seu mal. Mas, ainda que o bom combate pelo Evangelho me arroje a mil anos no futuro, estarei preparado. No importa o que o futuro traga: Eu sigo o Amm e o amor de Cristo me salvaguarda a surfar sobre qualquer superfcie... Tanto faz a que altura do Amanh: Com uma prancha de plasma lanar-me-ei do cimo das Cibertorres do Azul rumo a toda escurido onde os homens perecem. E, sob os baluartes do Plantio e da Ceifa, o Evangelho de Cristo ir comigo27

por onde eu for. E ir alm. (E se tal Palavra se propaga to maravilhosamente por meio de ns, reles vasos de barro, porque no de reles barro, amigos vasos, a Mo Invencvel que nos sustm.)

28

DiretrizesImporta que as palavras lgubres fiquem no front, onde feita a morte, do suor rubro das artrias e veias Importa que sejam despedaadas as agruras - os grilhes da timidez e do medo Importa saber que o Deus que pe a rapina no corao da guia o mesmo que pe o Amor no corao do justo Importa ainda Suportar esta verdade: Se h homens mais miserveis que ns, H miserveis mais homens do que ns; Vaidade das vaidades, TUDO VAIDADE. Importa, urge soterrar os precipcios inaugurar a cada dia mil novas pontes, mil novas naves entre Deus e os homens - sempre a estreitar pela nica Porta e morrer por alcanar aquele que ainda morre29

fora de nosso raio de alcance. No mais, de tudo o que se tem ouvido, o fim : Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque este o dever de todo homem. Porque Deus h de trazer a juzo toda obra e at tudo o que est encoberto, quer seja bom, quer seja mau. * * Eclesiastes 12.13-14

30

Sobre o Homem que uma Ponte e uma PortaJ fui poeta libertrio: Arranquei poesia das lamas por onde marchei, Das estrias de meus amigos, Das pauladas que leve(de)i. Buscava na lama sentidos: No conhecia(ceitava) reis ou o Rei. Que Rei?, anarquizava, mesmo cnscio (moleque ainda!) dos mil e um buracos no barco da anarquia. Mas ela me parecia o barco menos furado (e quem contra a liberdade?). Mas a liberdade s boa, s Sentido, se no Houver outro sentido. Mas h Sentido, h um Rei, Um Cara, sim, um Cara com C maisculo, Que um dia ps-se entrada dum sepulcro e disse: Lzaro, saia! Um Homem que com palavras Venceu aquilo que nem voc, nem eu nem Leonardo da Vinci Van Gogh Veermer Stravinsky Rachmaninoff Freud Jung Keynes Marx Mximo Grki Rutherford Einstein seu Antnio da padaria da esquina pudemos, podemos ou poderemos (se ss) vencer: A morte. No amigo, no imagine ainda roupas sacras, votos e Calos nos joelhos, cnticos ou celebraes ou missas Ou cultos: Imagine um Homem que venceu a MORTE e o INFERNO, Armado de AMOR at os dentes! dEsse Rei radical que falo, Dessa interveno total no destino da humanidade, que Rachou o tempo em dois, dessa totalidade salvfica, Dessa fuso de Deus e homem, que andou Por esta terra valendo-se dum corpo de carne como este,31

De que voc agora se vale. DEUS num corpo de carne, que veio ensinar O Caminho, E o principal: Sacrificar-se por V O C . Radical, santo, infinito, sem medo. O Homem-Porta, o Homem-Ponte, o Senhor da Histria. No, no imagine elucubraes complicadas, Roupas longas e quentes, quinhentas leis: Imagine e aceite agora este Rei de amor, O Heri que arcou com a dvida que no suportaramos; Atente ao que Ele falou e ainda fala Pelo Seu Esprito Santo, Que Ele envia para consolar e fortalecer todo Aquele que nEle crer. J pensou ouvir a voz dEsse Rei dentro de voc? Ver problemas impossveis solucionados, E uma Paz indizvel aqui, agora e para sempre?! Ver tuas angstias existenciais destrudas, cremadas, Desintegradas! E tudo isso de graa! deste Cristo VIVO que falo, Este o Rei que sobre mim. Voc j ouviu, j leu as palavras de tantos homens, Como eu j li e ouvi: E elas no mximo conferiram novas Dimenses tua angstia, novos nomes... Pois eu, Sammis Reachers, ex-anarquista, ex-leitor e ex-apologista de Nietzsche, Voltaire, Bakunin, e centenas de outros homens que infelizmente foram vencidos pela morte te convido hoje a ouvir as palavras dEste vencedor da morte, dEsta interveno mestra, dEsta Bandeira capaz de apatriar com salvao todo aquele que simplesmente a aceitar. PALAVRAS VIVAS: disso que falo. Oua-as:32

Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vs o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de corao. Porque o meu jugo suave, e o meu fardo leve. Mateus 11.28-30 Eu sou a luz do mundo; quem me segue no andar em trevas, mas ter a luz da vida. Joo 8.12 Na verdade, na verdade vos digo que, quem ouve a minha palavra, e cr naquele que me enviou, tem a vida eterna, e no entrar em condenao, mas passou da morte para a vida. Joo 5.24 E o que vem a mim, de maneira nenhuma o lanarei fora. Joo 6.37 Mas ele foi ferido pelas nossas transgresses, e modo pelas nossas iniqidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Isaas 53.5 Porque o salrio do pecado a morte, mas o dom gratuito de Deus a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor. Romanos 6.23

33

Semi-Parbola dos com-Deus e dos sem-DeusEm guas de Maio Atlntico Sul uma linha rasga o lenol de azul Fragata que langorosamente aderna livre de seus (alb)atrozes Trabalha feliz feliz no seu mar, liberta das palavras prisioneiras Em concretos e asfaltos do mesmo Maio no centro vicinal da cidade de Agnostic City, Bloco L, 18 andar, sala 1820, Guich 12-A do prdio que abriga o Ministrio das Desconstrues Existenciais Humanas, uma Turba Civilizatria de Psico-Estruturas Estatais (TCPEE)* de Homens em Ternos Cinza realiza uma auditoria, averigua o proceder dos seus quase pares, os Homens de Ternos em Amarelo. Cabeas ho de rolar Cabeas (j) todas roladas

34

Quilmetros alm no mar Oceano Maio langorosamente flui e o sol farol a mais aos que navegam com o Cristo. * ??? No me pergunte o que , pois no sei. Os mortos que expliquem seus mortos.

35

Atmica

Afora o

Haja

luz

de Deus

que honra o segundo lugar, a frase mais poderosa, suprema, arrasadora dita em toda a Histria de dor deste Universo que nos contm foi o

Est

consumado

de Cristo.

Palavras, duas delas e a terra escureceu e trepidou e, no inferno, tal trecho caiu como uma pancada de 100.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000 GIGATONS todo esprito imundo em cada quadrante do Universo que estava ilusoriamente em p caiu por terra, treva, vcuo esbofeteado pisado pisado pisado duas palavras racharam a cara36

de quantos anjos suicidados h duas palavras e um ato nico - central - magnfico (oh quo magnfico!) o clmax do Universo a materializao do divino e gape Amor, naquele perfeito

S A C R I F C I O.

(Gnesis 1.3 e Joo 19.30)

37

Antropo-CristocntricoTorrentes de guas derramaram os meus olhos, por causa da destruio da filha do meu povo. Lamentaes 3.48

Minhas lgrimas estaro onde eu (puder) derrib-las, na terceira de tuas esquinas, cidade malina, na curvatura do hall, no porto do presdio no banheiro do colgio (em cada uma de tuas cpsulas, tuas celas-de-solido: onde dor houver, arrombarei & entrarei) Em qualquer lugar onde os homens habitam Onde os homens houverem sido erradicados: Minhas lgrimas sero o (seu) mar. Para que amanh os mares (que so, da Criao, como a Cisterna Geral das Lgrimas) iridescentemente inexistam. (Quando no cria, achava que o homem se auto-aniquilaria. Mas agora que creio em Cristo sei que por intermdio dEle e para glria dEle38

o Homem - que no um mamfero, mas um pssaro-que-pensa -, o homem nunca cessar. S as lgrimas que sim.)

39

Paz VerdeCriana amiga do sol, sozinha no mato, feita soldado do verde sob as insgnias dos girassis... Corre, vigia, ri, exulta (seu corpo nau anil alada por 7.000 asas) nos campos criados por Cristo. Sua av lhe instruiu em todo o Evangelho e sua imaginao hoje voa, s porque o pastor lhe disse: O melhor de Deus ainda est por vir. Seu sorriso e inocncia so uma afronta, eles bradam ao mundo e seu Sat, num silncio de supereloquncias: Consumam vocs suas ba(le)las e logros. EU NO ESTOU SOB O JUGO DO TEU JOGO. Corre, criana verde de sol.

40

Bradoh uma Cruz que desfere um chamado; brada, apregoa, suscita homens que a ouam, portem personifiquem mas h os que a odeiam, os que a untam com seu desprezo: o que o mal lhes inspira a busca da morte, clere, a sanha do abrupto para carem sem sequer clamar, para que neles no se cumpra o resgate: Todo aquele que invocar o nome do Senhor ser salvo. cabe a ns (ns os ns da Cruz) lanarmos-nos em seu socorro, se preciso ofertarmos-nos ao fogo para dele arrebat-los. pois no nos constrange o olor da fornalha: sabemos e temos ao Quarto homem.

41

No dia do arrebatamentoEu, caminhante, vinha passando. E vi um ajuntamento. E parei. ...e o telogo explanava suas idias e dizia que quando do arrebatamento o Tempo para os arrebatados se quebraria, e uma inimaginvel dimenso seria adentrada. - Por onde comear a transformao de nossos corpos?, um crente indagou-lhe. Ele disse que a exploso que se dar (sim, se dar), ser aqui na glndula pineal em nossos crebros, e aquilo que se pode chamar de momento ou instante cair em frangalhos pelas bordas dos nossos olhos, incalculvel, desvinculado e acima de qualquer morfologia e sintaxe. Ento estaremos prontos, no tempo-sem-tempo de Deus, no tempo-azul-sem-fim dos remidos pelo Cordeiro, os golpeados num relance pelo aderente Som da Trombeta, que far de nossos corpos de morte e p, corpos de glria e imortalidade, puro amor e poder. O telogo o dizia, quando l passei. E (como falei) passei. Mas aquelas palavras no me abandonavam e l na frente pensei: At pode ser e pode no ser mas Oh42

Se houvessem menos telogos mais missionrios no mundo Mas mais pensei: E quem sou eu para assim pensar? E passei.

43

Bairro do ArealDaquele lado j h casas onde havia nada doutroladanada onde havia casas mas e da? Transcendi os paisagismos da matria telrica ocenica ou sidrea: Com Jesus no corao levo meus prados pronde eu for

44

O ArsenalEla um Arsenal numa nica arma, Sagrada & Clica Espada para as duas mos Que em muito excede katanas, floretes, Espadins, claymores, Cimitarras e sabres... Espada Flamejante e Vivificante - A Palavra de Deus Que se renova a cada alvorecer, Tendo a cada dia nova feio, Novas direes de corte... Desembainho, abro hoje a minha Bblia E Ela est suave como o mrmore Azul de Carrara, Um azul-beb-amorvel... o Senhor quem me d Uma Palavra de Paz E perfeita consolao. Avano em seu estudo, Vou a outro livro Desta biblioteca infinita (ah, Borges, se tu realmente a conhecesses!) Onde fala o Amor Vasculho as cromias de seu espectro, E elas so como inflorescncias do ciano Que recendem, e evoluem a um azul-marinho, como num desfile loquaz de turquesas... Ah! Espada de dois (mil) gumes, Mquina Perfeita de Combate, Lmina audaz e lancinante45

Contra toda forma de mal... Seu segredo ser Ao temperado em Amor gape; Arma ofensiva, porm plenamente poderosa Em minha defesa, Pleno e lrico Arsenal... Pois s a um tempo espada e escudo e couraa, E sua a blindagem azul Do amor de Cristo, A quem nada atravessa, Uma malha de kevlar um manto De misericrdias (E que se queimem as invenes e tradies dos homens, Suas espadas de falso ftil ferro e apetrechos e complicaes Que pretendem impor simplicidade E gratuidade do Evangelho de Cristo. Pois sei que a mim e a voc, servo fiel, que ou que almeja ser um guerreiro hbil basta - e sobeja a Espada Invencvel que Deus nos deu.)

46

Entropia (3 textos e um poemeto-parfrase)Entropia: Substantivo feminino 1. FSICA (termodinmica) funo que define o estado de desordem de um sistema; 2. valor que permite avaliar esse estado de desordem e que vai aumentando medida que este evolui para um estado de equilbrio; 3. medida de perda de informao numa mensagem ou sinal transmitido; (Do gr. entrop, mudana; volta, pelo fr. entropie, entropia). De um dicionrio Uma das Leis da Fsica, a Segunda Lei da Termodinmica, observa o fato de que a energia utilizvel no universo est se tornando cada vez menor. No final no haver energia disponvel. A partir deste fato ns achamos que o estado mais provvel para qualquer sistema natural um estado de desordem. Todos os sistemas naturais se degeneram quando deixados por conta prpria. De uma revista O Universo todo espera com muita impacincia o momento em que Deus vai revelar o que os seus filhos realmente so. Pois o Universo se tornou intil, no pela sua prpria vontade, mas porque Deus quis que fosse assim. Porm existe uma esperana: Um dia o prprio Universo ficar livre do poder destruidor que o mantm escravo e tomar parte na gloriosa liberdade dos filhos

47

de Deus .Pois sabemos que at agora o Universo todo geme e sofre como uma mulher que est em trabalho de parto. Da Carta do Apstolo Paulo aos Romanos, captulo 8, versculos

19 a 22A derrota sombra que cerceia o HOMEM e a vria pluralidade do entorno, fulgurante, pero sutilmente lenta... A REALIDADE, num concorde unssono, entoa a ria da d e s f r a g m e n t a o... TUDO baila num mover entrpico: Tendemos para a auto-multi-aniquilao. Sem Cristo na parada, meu chapa, nada paralisa o vil processo.

- Um Universo, a ReAliDadE inteira envenenada, e um nico Homem, o Antdoto.

Nota: J escrevi um poema explorando o mesmo tema, um Universo inteiro corrompido/contaminado pelo pecado, tendo por causa dele perdido sua perfeio inicial, tendendo ento (lentamente) aniquilao. O poema, sem ttulo, consta do livro anterior, Uma Abertura na Noite, e iniciado pelo texto de Romanos, publicado acima.

48

ndiosQuanto ao homem que estava verde (O Homem [que era] Verde), O Homem Branco o fez pular a boa etapa, O forou a saltar do verdecer ao apodrecer Sem maturar Por isso o homem ndio se mata Hoje ele sabe -Tup no existe e da? Seu passo Est em escombros Selva, corao, selva-corao Em escombros Ah Mo Suprema O poupasse dessa queda Muitos indgenas que no sabem de Cristo S sabem as mazelas e lepras do homem branco Que usa GPS e depende da Gillette - e os ndios se suicidam Pois Tup inexiste e o branco fora maior E violentamente voraz Muitos indgenas que precisam de Cristo Duma migalha sequer O branco ceifa barrancos, com ouro diamante Mangans pulsando nas pupilas Cegas

49

Desbasta & mi rvores centenrias, dum quase milnio O ndio observa da reserva Invadida Grita paralisado pelo no saber O que fazer Aonde ir - e se suicida Todos os dias A morte lhe acena, cena maldita Ah se algum lhe contar Sobre o Senhor da Vida Ah se ele souber da Porta No haver Nero madeireiro garimpeiro Grileiro funaieiro que o demova Expulse desfaa desbaste humilhe - no arregar Se o mau branco lhe quiser apontar Um dos var(i)ados malditos caminhos tortos Dos brancos, Ele apor a tal o Caminho do Cu, ensinado Pelo homem de Nazar Apor Na cara plida morta do branco e o que fazer, aonde ir, se s Ele tem as Palavras de Vida Eterna?* E essa palavra bordoar Qual tacape de slex No peito do apstata-berloque-de-Baal-e-do-capital, E o homem branco arrogante amargar, quem este pago & selvagem50

Que se prope a verdecer meu corao necrosado? E o ndio ainda poder lhe dizer que qualquer que dEle ouve no importa a que tempo Tem num repente a revolucionria opo De suicidar com o leprosrio Que se traz no corao

*Joo 6.68

51

A Cincia ltimaVoc estorva tuas capacidades cognitivas para calcular a pluralidade das estrelas ans da galxia de Andrmeda e a abrangncia do cinturo de rion Se desdobra em centenas de cismares, a efetuar um juzo de valor sobre o mapeamento e a duplicao gentica Fora, funde, ferra tua cuca tentando apreender a Teoria das Supercordas e a do Campo Unificado... Quando o segredo central do Universo (a partcula menor e a maior, a primeira e a ltima, o plano piloto, o Elo, o amor gape*) est no fundo dos olhos de qualquer criana. E tua filinha tem s sete anos.

* 1 Corntios 13:1-3; 1 Joo 4:7-21.

52

O primeiro, o ltimo loucoFoi como se ELE dissesse, O conhecimento do bem e do mal pode vir a ser a P com que tu cavars tua prpria cova e a de tudo o mais que sair de ti. E o pai Ado, com os seus (inclumes & resplendentes & alvacentos &) prprios dentes a empunhou.

53

Fugir de Cristo buscar a CristoH um pas chamado Polnia No, no. Errei. Vamos de novo: H um continente chamado Europa onde h um pas chamado Polnia onde h uma cidade chamada Gdansk que j foi Dantzig e nesta cidade h um Porto Que eu nunca conhecera. E estranho (sempre) fora: Eu nunca vira nenhuma foto ou filmagem, nunca ouvira Sequer falar deste porto e seu nome. Nunca me deparara com ele num mapa, nada lera... E estranho (sempre) era: Todos os dias uma melancolia pontual me assaltava, Como que por eu no conhecer esse porto, Como por eu no sab-lo. Eu pensava nesse porto e esse porto no se abria minha vista, No se entregava... Eu no lhe via a disposio dos barcos, o teor do calamento, O tom de cinza do mar. E nesse porto uma jovem de olhos azuis ou cinzentos (pois como saberia?) Vendia as mais belas tulipas do leste europeu, ou qui rosas, E, sim, um violino nas mos de um artista popular soltava notas perfeitas Sem quem as pegasse, sem que eu as ouvisse... E o langor de um obo, quem sabe?, talvez o acompanhasse. E cogitei argumentaes alheias e minhas, Embrenhei-me em literaturas de duro pensar,54

Busquei-o com toda a fora de que o homem se fez forte: Para nada. Mas num belo dia, num belo e duro dia, O porto que a filosofia, a cincia, meus sentidos me negavam Se abriu. A Bblia diz que em Cristo esto escondidos todos os tesouros da cincia e da sabedoria.* Por quantos anos fugi dEle, daquilo que eu mais buscava?!!!!! E voc, h quanto tempo tu foges??? Fugir de Cristo ainda buscar a Cristo. O pecado nos afastou de Deus, e deitou-nos nufragos num oceano sem outras terras, sem outras ilhas. H um nico destino seguro, uma nica forma de voltar para casa, acessvel por um nico Porto ou Porta. A breve histria da minha vida (e a tua o tem sido assim?) Foi a da busca insciente deste algo-porto que eu no sabia o que era, e s sabia de meu querer encontr-lo, da ardncia que pulsava no peito, essa angstia que eu no sabia afinal de onde por que como para que vinha Mas que todo dia vinha, e que (hoje sei) era por estar dEle separado. Rogo licena para repetir: A busca pelo que calar tua angstia s ter fim no nico Porto desse universo sem atracadouros. Em Cristo. No importa como voc nomeie a sua angstia existencial, a sua Busca existencial um porto em Gdansk, uma reencarnao num melhor plano ou corpo, um aniquilar-se para sempre, um tornar-se um deus, ou qualquer das demais & ilusrias etecetttttttttttttttttttttttttttttttttttttttttteras que o mundo oferta s Ele tem e o Sentido, s Ele tem as Palavras de vida eterna.55

Quando buscas o Sentido fora dEle, ainda como se o buscasse, s que na direo errada: Pois s Ele o Alfa e o mega, o Incio e o Fim. Do labirinto, a Porta de escape. E Ele grita na tua face, como gritou na minha, como gritou porta do sepulcro onde Lzaro jazia morto:

Venha para fora.

* Colossences 2.2,3

56

[email protected] Galeo vivo apenas feito de ramos entrelaados de orqudeas areas e azuis, um Sonho-ao-mar... e canhes e espadins lanados ao fundo para somente as Palavras de Vida (t r a n s) p o r t a r...

57

Composio em Ah menorQuem ama a sua vida, perd-la-; e quem neste mundo aborrece a sua vida, guard-la- para a vida eterna. Jo 12.25

H que se morrer para que se viva; se matamos a iluso se nos abrem as portas eternidade. Dou meu peito s flechas, a face aos falsos beijos: o que quer que me mata, mata lentamente. Deus me compe lentamente.

58

Sobre o autorSammis Reachers Cristence Silva tem 29 anos (09/05/1978), e casado com Aline Chayene F. Veiga Silva. Reside no municpio de So Gonalo RJ. autor de Uma Abertura na Noite (poesia evanglica), e organizador das antologias: 3 Irmos (um pouco do melhor da poesia evanglica em lngua portuguesa, com poemas de Giia Jnior, Joanyr de Oliveira e J. T. Parreira); e a Antologia de Poesia Crist em Lngua Portuguesa, reunindo poemas de mais de 80 autores lusfonos (portugueses, brasileiros e africanos), da era camoniana aos dias atuais (todas essas obras encontram-se disponveis para download gratuito, ver links abaixo). tambm mantenedor do blog Poesia Evanglica (www.poesiaevanglica.blogspot.com), onde divulga a poesia evanglica de ontem e de hoje, alm de artigos sobre o tema e ebooks gratuitos; e colabora no portal-blog Letras Santas (www.letrassantas.blogspot.com), que publica literatura evanglica em geral (e-books variados, peas de teatro, textos edificantes, notcias evanglicas e muitos outros recursos). e-mail: [email protected] Endereo postal: Rua Joaquim Salles Lima, 60 So Gonalo RJ CEP 24755-230

Todos os textos deste livro podem ser livremente usados, divulgados e republicados, sem a necessidade de autorizao prvia do autor, desde que no seja com objetivos de lucro financeiro. Da mesma forma,

59

este e-book pode ser igual e livremente republicado ou linkado, se no houver objetivo de lucro financeiro.

Abaixo, os links para download direto dos livros supracitados:Uma Abertura na Noite http://www.4shared.com/file/10576594/8ab22d2f/Uma_Abertura_na_Noite_poesias_Samm is.html

3 Irmos Antologia http://www.4shared.com/file/10576486/7c651775/3Irmos_antologia_poesia_evangelica.ht ml

Antologia de Poesia Crist em Lngua Portuguesa http://www.4shared.com/file/6666818/2d99abb7/Antologia_de_Poesia_Crist_em_Lngua_P ortuguesa.html

Ou nos blogs Poesia Evanglica e Letras Santas.

Olhai para mim, e sereis salvos, vs, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e no h outro. Isaas 45.2260