A Cidade de Deus Em Santo Agostinho

download A Cidade de Deus Em Santo Agostinho

of 13

Transcript of A Cidade de Deus Em Santo Agostinho

A CIDADE DE DEUS DE SANTO AGOSTINHO

Indice 1.Introduo e Contextualizacao22.A Vida de Santo Agostinho33.A Cidade de Deus de Santo Agostinho53.1 A teoria das duas Cidades de Deus de Santo Agostinho64.A Contribuio da obra Cidade de Deus de Santo Agostinho94.1 Contribuio para a cultura94.2 Contribuio teolgica e filosfica94.3 Estilo literrio de A Cidade de Deus104.4 Contribuio histrica e literria104.5 Contribuies da fenomenologia e da hermenutica115.Conclusao126.Referncias13

1. Introduo e Contextualizacao incontornavel a relevncia histrica da vida e obra de Agostinho. Como afirma Tillich (1968), no existe quase nenhum dogma da Igreja Catlica Romana que no tenha se originado em Agostinho. Praticamente todo o mtodo escolstico desenvolvido e praticado na Idade Mdia foi nele inspirado.Na perspectiva de Chabannes (1962, p. 16), a cidade de Roma, que hoje completa seus 3.000 anos de existncia, sofria, na poca, dos seguintes males: uma poltica fiscal absurda; uma populao ociosa que vivia de proventos gratuitos; centralizao do poder de carter totalitrio; excesso de burocracia por parte do Estado; disputas sociais; degradao do senso cvico dos cidados, entre outros. Dai que para BERTHOLD (2004), a conseqncia de todos estes problemas foi que os romanos j haviam se desiludido da grandeza de Roma. Como muitos cristos, Agostinho lamentava profundamente as conseqncias da influncia do paganismo, em especial no cenrio de Roma, e com a condio desvantajosa dos cristos neste meio, que pouco conseguiam competir com o preparo filosfico dos religiosos pagos da poca, particularmente dos platnicos. Tudo indica que foi esta preocupao de defesa do cristianismo, especialmente contra as acusaes dos pagos de que eles eram responsveis pela queda de Roma, que o motivou a escrever esta obra. No para menos que A Cidade de Deus considerada hoje o maior expoente da cultura crist e a primeira tentativa de desenvolver uma filosofia da histria, (BERTHOLD, 2004).Agostinho no se colocava nem a favor dos cticos, nem dos gnsticos da sua poca, pois para ele o conhecimento necessrio medida que aperfeioa a f (TILLICH, 1968, p. 100). Esta harmonizao entre o saber cientfico, no estgio em que ele se encontrava ento, e a teologia, era precisamente um dos objetivos da sua obra prima, A Cidade de Deus, como veremos a seguir dentro desse contexto que foi realizado este trabalho, cujo objetivo entender as relaes entre histria e literatura na obra de Santo Agostinho, particularmente em A Cidade de Deus. Procuramos tambem entender os pressupostos bsicos da sua filosofia da histria. Estas e outras questes a elas relacionadas so foco do presente trabalho. A partir de uma contextualizao histrica da obra, analisaremos a contribuio que a mesma trouxe para a cultura em geral, para a filosofia e a teologia, mas em particular para asinterfces entre a histria e a literatura. A consecussao desses objectivos foi possivel com uma revisao da literatura, cujas obras foram encontradas na sua maioria, nas Bibliotecas da Universidade Sao Tomas, do Seminario Santo Agostinho, Seminario Maior da Matola e outros.

2. A Vida de Santo AgostinhoAgostinho nasceu em 354, em Tagaste, na Numdia[footnoteRef:1]. Seu pai, Patrcio, era pago e s veio a se converter no leito de morte. Sua me, Mnica, foi crist fervorosa e deu a Agostinho os rudimentos da f. Agostinho fez seus primeiros estudos em Tagaste e Madauro; seu pai o queria rtor. Em 371, transferiu-se para Cartago, onde se entregou a uma vida dissoluta. Quando jovem, ligou-se a uma mulher, mantendo com ela relaes at 384. Em 372, nasceu Adeodato, fruto desta relao. Adeodato veio a falecer em 390. Foi atravs de uma obra de Ccero, Hortensius, hoje perdida, que Agostinho tomou gosto pela sabedoria filosfica. Ao conhecer a seita dos maniqueus, foi seduzido por ela, pois lhe parecia ser uma religio refinada, fundamentada apenas na razo e no em fbulas como pensava ser o caso da religio de sua me, Mnica[footnoteRef:2]. [1: BERTHOLD, Altaner, SUTUIBER, Alfred. Patrologia: Vida e Obra dos Padres da Igreja. 3 ed. Trad. Monjas Beneditinas. Rev. Honrio Dalbosco. So Paulo: Paulus, 2004. p. 412 a 418.] [2: Idem. Op. Cit. ]

Lecionou retrica em Cartago, de 374 a 383; no fim deste perodo que comeou a se desencantar com a seita dos maniqueus; sua doutrina, outrora consistente, agora se lhe afigurava com muitas lacunas, sobretudo na cosmologia. Ao discutir com Fausto o maior mestre maniqueu da poca completou-se a sua decepo; Fausto, constatou Agostinho, era um homem de muito pouca cultura. No obstante o desencanto, Agostinho tinha ainda muitos amigos na seita e, em sua estada em Roma [383], continuou a manter contato com os maniqueus. No entanto, pouco depois veio a romper em definitivo com eles. E, uma vez tendo-se desvencilhado definitivamente do maniquesmo, desorientado, Agostinho aderiu ao ceticismo filosfico e, em 384, por recomendao de Smaco prefeito de Roma tornou-se mestre de Retrica em Milo[footnoteRef:3]. [3: Idem. Op. Cit. ]

Foi em Milo que o Doutor africano conheceu Ambrsio, que, poca, era Arcebispo dessa cidade. Comeou a frequentar os sermes deste Bispo mais por curiosidade e por um encanto despertado pela eloquncia de Ambrsio, que por qualquer motivo religioso. Embora sendo Ambrsio um exegeta bblico, ele lanava mo de certos conceitos oriundos do neoplatonismo. Desta feita, Agostinho comeou a notar que o neoplatonismo era superior ao maniquesmo, alm de se adequar, em muitos pontos, prpria doutrina crist. Na verdade, foi Mnlio Teodoro neoplatnico e cristo quem, em 386, introduziu Agostinho nos tratados de Plotino. Simpliciano, sucessor de Ambrsio na ctedra de Milo, despertou-o para a similitude entre as concepes neoplatnicas e a doutrina do Logos exposta no Prlogo do Evangelho de So Joo. Exortado inmeras vezes por Simpliciano a aderir f, Agostinho, certa feita, no jardim da sua casa, tendo a Bblia em mos, ouviu uma voz de criana que lhe dizia: toma e l. Ao abrir a Bblia, caiu-lhe o texto de Romanos 13, 13s. A partir de ento, se existiam ainda dvidas no seu esprito com respeito probidade da religio crist, estas se dissiparam completamente. No ano de 386, renunciou a ctedra e retirou-se para Cassiciacum. Na noite de Pscoa de 387, ao lado de seu amigo Alpio, recebeu o Batismo, ministrado pelo prprio Ambrsio[footnoteRef:4]. [4: BERTHOLD, Altaner, SUTUIBER, Alfred. Patrologia: Vida e Obra dos Padres da Igreja. 3 ed. Trad. Monjas Beneditinas. Rev. Honrio Dalbosco. So Paulo: Paulus, 2004. p. 412 a 418.]

Aps estes acontecimentos, decide regressar frica. Na viagem de volta, sua me que o havia acompanhado desde o incio, falece em stia. Agostinho retorna ento a Roma, onde ainda se ocupa com alguns trabalhos literrios; contudo, em 388, regressa a Tagaste para, com alguns amigos, recolher-se numa espcie de retiro monstico. Sua cincia e piedade, bem como a sua converso radical, fizeram com que Valrio, que era Bispo de Hipona consoante a vontade de todos os fiis o fizesse sacerdote por ocasio de uma visita de Agostinho sua Igreja. Desta feita, Agostinho, que at ento se dedicava preferencialmente filosofia, pe-se, doravante, a compor obras literrias voltadas para temas teolgicos e para a catequese do povo de Deus. Com a morte de Valrio, em 395, Agostinho foi aclamado pelo povo como seu sucessor no bispado de Hipona. Sua participao nas controvrsias donatista e pelagiana foi fundamental para supresso destas heresias[footnoteRef:5]. [5: Idem. Op. Cit.]

Agostinho morreu em 28 de agosto de 430, quando a cidade estava sendo sitiada pelos vndalos[footnoteRef:6]. [6: Idem. Op. Cit.]

3. A Cidade de Deus de Santo Agostinho Conforme Leao (2002. p. 17), a Cidade de Deus composta de vinte e dois livros e foi escrita num espao de dez anos (416-427). O contexto imediato desta obra o da invaso de Roma por Alarico, rei dos Visigodos, em 410. Todo o orbe conhecido foi abalado pela queda de Roma, e todos, mesmo alguns cristos, culparam o cristianismo por esta ocorrncia. Segundo eles, o Deus de amor dos cristos tinha-se mostrado incapaz de proteger o imprio. Destarte, a destruio de Roma se lhes apresentava como sendo um castigo pelo fato de os romanos terem abandonado os deuses da sua religio por causa do Deus dos cristos[footnoteRef:7]. [7: LEO, Emanuel Carneiro. F Crist e Histria. In: AGOSTINHO. A Cidade de Deus. 7 ed. Trad. Oscar Paes Lemes. Rio de Janeiro: Vozes, 2002. p. 17.]

A tarefa de Agostinho, que neste tempo j era Bispo de Hipona, ser precisamente contrapor-se a esta ideia, a saber, de que o Deus dos cristos seria o responsvel pela queda de Roma. F-lo- compondo uma obra que ser um panegrico em defesa da religio crist. Foi assim que nasceu o De Civitate Dei. prprio Agostinho quem no-lo afirma no prlogo da monumental obra, quando a dedica ao seu dileto Marcelino: Nesta obra, que estou escrevendo, conforme promessa minha, e te dedico, carssimo filho Marcelino, empreendo defend-la (a Cidade de Deus) contra estes homens que a seu divino fundador preferem as divindades. Trata-se de um trabalho imenso e rduo, mas conto com o auxlio de Deus[footnoteRef:8]. [8: AGOSTINHO. A Cidade de Deus. 7 ed. Trad. Oscar Paes Lemes. Rio de Janeiro: Vozes, 2002. Prlogo. p.27.]

A obra se divide em vinte e dois livros, conforme j dissemos. Nos dez primeiros, Agostinho tenta mostrar como o culto aos deuses no proporciona nem a felicidade temporal, nem, tampouco, a felicidade eterna. Nos cinco primeiros livros acentua a inutilidade do culto aos dolos para alcanar a felicidade terrena. A partir do livro sexto e at o dcimo, ressalta o quanto frvolo cultuar os deuses esperando obter deles a felicidade eterna. Esta ordem, o prprio Agostinho a atesta no primeiro captulo do livro VI: Agora, posto que a seguir, como o exige a ordem prescrita, temos de refutar e ensinar os que sustentam que os deuses dos gentios, desvirtuados pela religio crist, no devem ser adorados pela presente vida, mas por amor vida que h de seguir morte, apraz-me dar princpio a minhas palavras pelo verdico orculo do Salmo sagrado: Bem-aventurado aquele cuja esperana o senhor e no deteve seus olhos em vaidades e loucuras mentirosas[footnoteRef:9]. [9: Idem. Op. Cit. VI, I, 1. p. 234.]

3.1 A teoria das duas Cidades de Deus de Santo Agostinho A segunda parte da obra compreende todos os livros restantes (XI- XXII) e ser nela que Agostinho desenvolve a sua chamada teoria das duas cidades. Nela trata tanto da origem (XI-XIV) e desenvolvimento (XV-XVIII) das duas cidades, quanto de seus respectivos fins (XIX- XXII)[footnoteRef:10]. [10: AGOSTINHO. A Cidade de Deus Contra os Pagos. 4 ed. Trad. Oscar Paes Lemes. Rio de Janeiro: Vozes, 2001. XI, I. p. 19.]

A origem das duas cidades, conforme ressalta Agostinho, remonta queda dos anjos. Contudo, o que as funda, de facto, so dois amores: a) o amor de si levado ao desprezo de Deus, a cidade terrena; b) o amor a Deus que leva ao desprezo de si, a cidade celestial.[footnoteRef:11] [11: Idem. Op. Cit. XIV, XXVIII, 2. p. 169]

Conforme Gilson (1995. p.156.), Para compreendermos o desenvolvimento das duas cidades, precisamos, antes de tudo, entender como se estruturam. No vigsimo livro, Agostinho d a seguinte definio de povo: O povo o conjunto de seres racionais associados pela concorde comunidade de objetos amados[footnoteRef:12]. Portanto, existem: [12: Idem. Op. Cit. XIX, XXIV, 5. p. 419.]

a) Povos temporais, que buscam bens temporais, dos quais o maior, por comportar todos os outros, a paz[footnoteRef:13]. Os cristos, que so homens como os pagos, vivem nestas cidades temporais e esforam-se para promoverem a paz temporal: comum a bons e maus[footnoteRef:14].9 [13: GILSON, Etienne. A Filosofia Na Idade Mdia. Trad. Eduardo Brando. So Paulo: Martins Fontes, 1995. p.156.] [14: AGOSTINHO. Op. Cit. XIX, XXVI, 5. p. 420 e 421]

b) Todavia, alm do povo da cidade dos homens e da prpria paz temporal, h um outro povo que constitui tambm uma outra cidade e que busca uma paz de outra ordem. H, pois, uma paz privativa daqueles que, pela f, esperam desfrutar e de alguma forma j desfrutam do prprio Deus[footnoteRef:15]. Como esta cidade espiritual, ela no se encontra no espao-temporal de nenhuma cidade terrestre; antes, podemos recrutar seus cidados de todas as cidades terrenas existentes[footnoteRef:16]. [15: Idem. Op. Cit. XIX, XXVII, 5. p. 421] [16: GILSON. Op. Cit. p. 157]

Em contraposio a esta cidade espiritual, existe uma terrena no aquela da qual falvamos fazerem parte tambm os cristos mas aquela cidade que v, nesta vida, o seu fim ltimo. Para no haver confuso, que poderia ser chmada de Cidade do Demnio. Hoje, estas duas cidades a de Deus e a do Demnio encontram-se misturadas nas cidades terrenas, pois elas s sero separadas, e seus habitantes distinguidos, no juzo final[footnoteRef:17]. [17: GILSON. Op. Cit. p. 157]

Desta sorte, enquanto o cristo estiver nesta terra, a sua paz consistir em, pela graa e atravs da razo, dominar as paixes infames; quando, porm, estiver na paz final, ou seja, na viso clara de Deus: (...) no ser necessrio a razo mandar nas paixes, pois no existiro[footnoteRef:18]. [18: AGOSTINHO. Op. Cit. XIX, XXVII, 5. p. 422.]

Entretanto, para os que no pertencem Cidade de Deus, ao Juzo Final suceder a guerra final, isto , uma batalha eterna entre as paixes que se opem vontade e a vontade que se ope s paixes. Por conseguinte, a teologia da histria agostiniana, desenvolvida na De Civitate Dei, no seno a tentativa de compreender, luz da f crist a partir do seu movimento escatolgico todos os momentos da histria humana[footnoteRef:19]. [19: GILSON. Op. Cit. p. 167]

Os cristos, pela prpria exigncia da sua religio, devem buscar tal como os pagos a paz temporal. No entanto, poder-se-ia arguir se existe realmente uma distino entre cristos e pagos no que toca cidade temporal, j que ambos buscam a mesma paz temporal. tienne Gilson, agudo intrprete da teoria poltica agostiniana, sublinha a seguinte distino: embora os cristos, como os pagos, busquem a paz da cidade terrena, aqueles se distinguem destes pela inteno. De fato, enquanto os pagos buscam a paz terrena como fim, os cristos a buscam como meio, e, por conseguinte (...) aquilo que os membros apenas da cidade terrena fazem, quando fazem, por devoo a seu pas, os cristos fazem-no por devoo a Deus17. Pelo que acentua ainda Gilson quanto prxis das virtudes sociais, no h oposio entre cristos e pagos18, posto que eles se distinguem quanto ao fim que buscam.Por fim GILSON, sublina que estas duas cidades se distinguem tambm pela doutrina. a) Enquanto na cidade terrena se permite que a verdade conviva com o erro,b) Na Cidade de Deus e neste ponto Agostinho parece identific-la com a prpria instituio Igreja aqueles que pregam o erro devem ser corrigidos, e, caso persistam em suas perversidades, tornam-se hereges e devem ser excludos da comunho eclesial, passando a serem vistos como inimigos.

4. A Contribuio da obra Cidade de Deus de Santo Agostinho 4.1 Contribuio para a culturaUm dos estudiosos que destaca a complexidade da influncia do cristianismo na histria e mesmo na cultura revelada por A Cidade de Deus Mommsen (1951). O estudioso observa ainda que, embora o esforo apologtico fosse um dos objetivos da obra, Agostinho dedica somente uma seo da primeira parte a isto. Para ele, a histria no se d em ciclos, como no pensamento mitolgico, mas linearmente.Para outro comentador que destaca igualmente o aspecto cultural da obra, Chabannes (1962, p. 108), A Cidade de Deus representa um dos maiores passos rumo ao desenvolvimento de uma cultura civilizada e razovel: havia a o aspecto intelectual: o caminho da razo deveria ser seguido para o propsito de alcanar a posse de Deus e elevar-se contemplao dEle. Toda a cultura deveria ser subordinada a este fim.4.2 Contribuio teolgica e filosficaEmbora concordasse com esta avaliao, Lipgens (1951) ressalta que A Cidade de Deus no teria sido escrita se no tivesse sido precedida pelas Confisses, outro grande exemplar do patrimnio cultural da literatura crist, principalmente a segunda parte, que vai do captulo nove at o final. Alis, esta parte, que menos confessional, autobiogrfica, e mais dedicada a glorificar Deus, , segundo Lipgens, freqentemente esquecida pelos estudiosos. Mas esta precisamente que lana as bases de uma filosofa da histria, voltada para um Deus que intervm nos acontecimentos terrenos.TILLICH (1968, p. 175), concorda com a importncia fundamental dada criao, como origem do sentido da histria, e ao conhecimento de Deus, na concepo agostiniana da histria. Entretanto ele destaca ainda o seu carter escatolgico, que de fato mais evidente em A Cidade de Deus. Naquela obra destacado que a perfeio e santificao plenas do homem no podem ser atingidas na Terra, mas somente noCu. Para melhor elucidar este conceito, Agostinho lana mo de outro importante recurso lingstico e literrio, o da metfora, partindo da complexa realidade vivida na poca em Roma. 4.3 Estilo literrio de A Cidade de DeusDe acordo com outro especialista, Bentley-Taylor (1980), o estilo de Agostinho em A Cidade de Deus destaca-se pelo seu cuidado em agradar ao gosto do leitor, usando metforas, ilustraes, recursos retricos e at humor. Ele tambm procura tornar-se mais claro, lanando mo de recorrncias, pelas quais acaba dizendo asmesmas coisas de formas diferentes, e usando diversas figuras de linguagem. Com isto suas obras tornam-se quase que populares. E de facto, seu uso de imagens concretas uma marca caracterstica de toda a sua obra.Chabannes (1962, p. 154) destaca igualmente que nos seus dilogos com os cticos e hereges Agostinho procurava construir a filosofia crist, usando analogias e evitando abstraes, pois acreditava que o orador cristo tinha a obrigao de no mnimo saber entender, expor e persuadir o seu pblico. Ele no devia buscar o sucesso pessoal ou o mero entretenimento, mas ensinar o que bom, desviar-se do mal, converter os oponentes, dar foras aos fracos e luz aos ignorantes, buscando o acordo e a paz. Devia antes de qualquer coisa esforar-se por conquistar o pblico, buscando a sua simpatia desde comeo. Para tanto, o orador devia ter conhecimentos de mecnica, matemtica, aritmtica, geometria e msica. Desta forma, o estilo de Agostinho pauta-se pela familiaridade e busca sincera da verdade, que ao mesmo tempo o fim essencial da histria. 4.4 Contribuio histrica e literriaOutro especialista importante a se mencionar neste contexto o eminente historiador francs Henri Marrou ( 1989, p. 40). Ele destaca ainda a importncia da literatura para o desenvolvimento desta filosofia no dualista e complexa da histria. A convivncia complexa entre o avano e a decadncia to evidente que se confunde com a sabedoria visceral da velha humanidade tal como se exprime nos mitos mais universais das suas literaturas [...] [ela] manifesta a explicitao das conseqncias do pecado: h como que uma sinistra e sombria fecundidade do mal [...] No chegarei a falar em simetria pois, como vimos, uma leitura atenta da Cidade de Deus nos mostrou que repugna teologia da histria tal simetria, que seria dualismo. (MARROU, 1989, p. 46)4.5 Contribuies da fenomenologia e da hermenuticaUm dos maiores expoentes da hermenutica, Paul Ricoeur (1991), defendia que a histria e a fico tm em comum o elemento do tempo. Como ele lembra bem, este tema tambm um dos mais destacados em Agostinho. O tempo algo empiricamente presente, ainda que esquivo e de difcil explicao. Da que merecesse tratamento dialtico.Uma filosofia hermenutica uma filosofia que aceita todas as demandas deste longo caminho de volta e que abre mo do sonho de mediao total, ao final do qual a reflexo seria mais uma vez resultado da intuio intelectual na transparncia de si mesmo de um sujeito absoluta. Como acabamos de notar, a tarefa da hermenutica dupla: reconstruir a dinmica interior do texto, e restaurar o funcionamento da sua habilidade de projetar-se a si para fora de si, numa representao de um mundo habitvel. (RICOEUR, 1991, p. 18)

5. Conclusao Santo Agostinho nos fala sobre as duas cidades: a de Deus e a do homem. Na de Deus fundada sobre o amor a Deus levado ao desprezo de si prprio,e a dos homens, fundada sobre o amor-prprio levado ao desprezo de Deus.Para Santo Agostinho, a primeira cidade est destinada a sofrer a pena eterna com o Diabo e a segunda a reinar eternamente com Deus . Temos ento dois personagens: o cidado do mundo e o peregrino do cu. Encontramos portanto na cidade terrena duas formas: uma que ostenta sua presena, outra que com a sua presena, imagem da cidade celeste.Santo Agostinho faz uma longa defesa da f crist diante dos ataques vindos do paganismo da poca, que culpava o cristianismo pela decadncia do imprio romano. Santo Agostinho descreve a incrvel multido de deuses que os romanos acreditavam e demonstra a irracionalidade de seus cultos.Com isso, a teologia agostiniana, longe de apresentar-se como um caminho para a intolerncia religiosa, abre espao para uma convivncia pacfica e respeitosa entre cristos e no cristos, posto que estes s se distinguem pela inteno que os anima e no pela prxis que os une. De fato, ambos buscam, um como fim e outro como meio, a paz da cidade dos homens.

6. Referncias AGOSTINHO. A Cidade de Deus. 7 ed. Trad. Oscar Paes Lemes. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2002. Parte I. _____. A Cidade de Deus Contra os Pagos. 4 ed. Trad. Oscar Paes Lemes. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2001. Parte II. BERTHOLD, Altaner, SUTUIBER, Alfred. Patrologia: Vida e Obra dos Padres da Igreja. 3 ed. Trad. Monjas Beneditinas. Rev. Honrio Dalbosco. So Paulo: Paulus, 2004. BENTLEY-TAYLOR, D. Augustine: Wayward Genius. Grand Rapids: Baker, 1980. BROWN, P. Augustine of Hippo. Los Angeles: Los Angeles Univ. Press, 1969. CHABANNES, J. St. Augustine. New York: Doubleday, 1962. EVANS, G. R. Agostinho sobre o mal. So Paulo: Paulus, 1995. GILSON, Etienne. A Filosofia Na Idade Mdia. Trad. Eduardo Brando. So Paulo: MARTINS FONTES, 1995. LEO, Emanuel Carneiro. F Crist e Histria. In: AGOSTINHO. A Cidade de Deus. 7 ed. Trad. Oscar Paes Lemes. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2002. MARROU, H. Teologia da Histria. Petrpolis: Vozes, 1989. RAMOS, F. M. T. A idia de Estado na doutrina tico poltica de Santo Agostinho. So Paulo: Loyola, 1984. RICOEUR, P. O conflito das interpretaes. Rio de Janeiro: Imago, 1978. TILLICH, P. A History of Christian Thought. New York: Harper and Row, 1968

margarida

5