A Espada D.Verao

Click here to load reader

  • date post

    05-Jan-2016
  • Category

    Documents

  • view

    358
  • download

    11

Embed Size (px)

Transcript of A Espada D.Verao

  • DADOS DE COPYRIGHT

    Sobre a obra:

    A presente obra disponibilizada pela equipe Le Livros e seus diversos parceiros,com o objetivo de oferecer contedo para uso parcial em pesquisas e estudosacadmicos, bem como o simples teste da qualidade da obra, com o fimexclusivo de compra futura.

    expressamente proibida e totalmente repudivel a venda, aluguel, ou quaisqueruso comercial do presente contedo

    Sobre ns:

    O Le Livros e seus parceiros disponibilizam contedo de dominio publico epropriedade intelectual de forma totalmente gratuita, por acreditar que oconhecimento e a educao devem ser acessveis e livres a toda e qualquerpessoa. Voc pode encontrar mais obras em nosso site: LeLivros.site ou emqualquer um dos sites parceiros apresentados neste link.

    "Quando o mundo estiver unido na busca do conhecimento, e no mais lutandopor dinheiro e poder, ento nossa sociedade poder enfim evoluir a um novo

    nvel."

  • RICK RIORDAN

    A ESPADA DO VERO

    Traduo de Regiane Winarski

  • Copyright 2015 by Rick RiordanEdio em portugus negociada por intermdio de Nancy Gallt LiteraryAgency e Sandra Bruna Agencia Literaria, SL.

    TTULO ORIGINALThe Sword of Summer

    PREPARAOMarcela de Oliveira

    REVISOJuliana WerneckViviane Maurey

    ILUSTRAES DAS RUNASMichelle Gengaro-Kokmen

    ADAPTAO DE CAPAJulio Moreira

    ARTE DE CAPASJI Associates, Inc.

    ILUSTRAO DE CAPA 2015 John Rocco

    GERAO DE EPUBIntrnseca

    REVISO DE EPUBVanessa Goldmacher

    E-ISBN978-85-8057-796-9

    Edio digital: 2015

    1 edio

    TIPOGRAFIAAdobe Caslon Pro

    Todos os direitos desta edio reservados EDITORA INTRNSECA LTDA.Rua Marqus de So Vicente, 99, 3 andar22451-041 GveaRio de Janeiro RJ

  • Tel./Fax: (21) 3206-7400www.intrinseca.com.br

  • Para Cassandra ClareObrigado por me deixar compartilhar o excelente nome Magnus

  • SUMRIO

    CapaFolha de rostoCrditosMdias sociaisDedicatria1. Bom dia! Voc vai morrer2. O homem com suti de metal3. No aceite carona de parentes estranhos4. Srio, o cara no sabe dirigir5. Eu sempre quis destruir uma ponte6. Abra caminho para os patos, seno vai levar um pescotapa7. Voc fica timo sem nariz, srio mesmo8. Cuidado com o abismo, e tambm com o cara barbudo com o machado9. Voc vai querer a chave do frigobar10. Meu quarto no uma droga11. Prazer em conhec-lo. Agora, vou esmagar sua traqueia12. Pelo menos no sou eu quem precisa perseguir a cabra13. Phil, a batata, enfrenta seu destino14. Quatro milhes de canais e no tem nada passando alm da Viso dasValqurias15. Meu vdeo pagando mico se torna viral16. Nornas. Por que tinham que ser as Nornas?17. Eu no pedi bceps18. Eu compro uma briga contra o caf da manh19. No me chame de Z-Ningum. Tipo, nunca20. Venha para o lado negro. Temos jujubas21. Gunilla queima o nariz e isso no tem graa. Talvez s um pouquinho22. Meus amigos caem de uma rvore23. Eu me reciclo24. Vocs s tinham um trabalho25. Meu agente funerrio me veste de um jeito engraado

  • 26. Oi, sei que voc est morto, mas, se der, me liga27. Vamos jogar frisbee com armas afiadas!28. Fale com a cabea, porque ele praticamente s tem isso29. Nosso falafel sequestrado por uma guia30. Uma ma por dia vai acabar matando voc31. A mais fedida e no se fala mais nisso32. Meus anos jogando Bassmasters 2000 compensaram33. O irmo de Sam acorda meio mal-humorado34. Minha espada quase vai parar no eBay35. No fars coc na cabea da Arte36. Patos!37. Sou insultado por um esquilo38. Ca em um Volkswagen39. Freya bonita! Ela tem gatos!40. Meu amigo evoluiu de umNo. No posso dizer41. Blitz faz um mau negcio42. Temos uma festinha de pr-decapitao com rolinhos primavera43. Que comece a elaborao de patinhos decorativos de metal44. Jnior ganha um saco de lgrimas45. Tenho a oportunidade de conhecer Jacques46. A bordo do bom e velho navio Unha do P47. Dou uma de terapeuta para um bode48. Hearthstone desmaia ainda mais do que Jason Grace (embora eu no faaideia de quem seja esse cara)49. Ah, j sei qual seu problema. Tem uma espada enfiada no seu nariz50. Nada de spoilers. Thor est muito atrasado nas suas sries preferidas51. Temos a conversa sobre se transformar em mosca52. Estou com o cavalo bem aqui. O nome dele Stanley53. Como matar gigantes delicadamente54. Por que no se deve usar uma faca como trampolim55. Sou levado para a batalha pela Primeira Diviso Area An56. Nunca peam a um ano para correr mais rpido57. Sam aperta o boto de EJETAR58. Quem diabos Hel?

  • 59. O terror que o ensino fundamental60. Um lindo cruzeiro homicida ao pr do sol61. Urze minha nova flor menos preferida62. O lobinho mau63. Odeio assinar minha prpria sentena de morte64. De quem foi a ideia de tornar esse Lobo imortal?65. Odeio essa parte66. Sacrifcios67. Mais uma vez, por um amigo68. No seja um man, cara69. Ah Ento foi esse o cheiro que Fenrir sentiu no captulo sessenta e trs70. Somos sujeitados ao PowerPoint dos infernos71. Queimamos um pedalinho, e tenho certeza de que isso ilegal72. Eu perco uma apostaEplogoGlossrioOs nove mundosRunas (em ordem de apario)No perca a sequncia da nova srie de Rick RiordanSobre o autorSaiba mais sobre as sries do autorOutros ttulos do autor

  • UM

    Bom dia! Voc vai morrer

    , EU SEI. Vocs vo ler sobre minha morte agonizante e vo pensar: Uau! Quemaneiro, Magnus! Posso ter uma morte agonizante tambm?

    No. Tipo, no.No saiam por a pulando de telhados. No corram entre os carros nem

    taquem fogo no prprio corpo. No assim que funciona. Vocs no vo para omesmo lugar que eu.

    Alm do mais, vocs no gostariam de se ver na minha situao. A no ser quetenham o desejo insano de ver guerreiros mortos-vivos fazendo picadinho uns dosoutros, espadas enfiadas na narina de gigantes e elfos negros em roupassofisticadas, nem pensem em procurar os portes com cabeas de lobo.

    Meu nome Magnus Chase. Tenho dezesseis anos. Esta a histria de comominha vida seguiu ladeira abaixo depois que eu morri.

    * * *

    Meu dia at que comeou bem normal. Eu estava dormindo debaixo de umaponte no Public Garden, em Boston, quando um cara me acordou com um chutee disse:

    Tem gente atrs de voc.A propsito, eu moro na rua faz dois anos.Alguns de vocs podem pensar: Puxa, que triste. Outros talvez pensem: Bem-

    feito, vagabundo! Mas, se me vissem na rua, tenho noventa e nove por cento decerteza de que passariam direto por mim como se eu fosse invisvel, torceriampara que eu no me aproximasse pedindo dinheiro e se perguntariam se sou maisvelho do que pareo, porque, obviamente, nenhum adolescente andaria pelasruas de Boston enrolado em um saco de dormir fedido no meio do inverno.Algum ajude aquele pobre garoto!

    E continuariam andando.

  • Tudo bem. No preciso da solidariedade de vocs. Estou acostumado azombarias. E estou acostumado a ser ignorado. Vamos em frente.

    O mendigo que me acordou foi um cara chamado Blitz. Como sempre,parecia ter acabado de atravessar correndo um furaco de imundcie. Seu cabelopreto e crespo vivia cheio de pedaos de papel e fragmentos de galhos. Seu rostoera tostado como couro curtido, todo salpicado de gelo. Sua barba spera se abriaem todas as direes. A barra de seu sobretudo surrado estava coberta de neve,pois se arrastava no cho (Blitz tinha mais ou menos um metro e sessenta dealtura), e suas pupilas estavam to dilatadas que mal se via a ris. Graas aosolhos esbugalhados, ele parecia prestes a gritar a qualquer segundo.

    Pisquei repetidas vezes, tentando afastar o sono. Eu sentia gosto de hambrguervelho na boca. Meu saco de dormir estava quentinho, e eu realmente no queriasair dali.

    Quem est atrs de mim? Sei l. Blitz esfregou o nariz, que, depois de tantas vezes quebrado,

    formava um zigue-zague que nem um raio. Tem um pessoal a distribuindopanfletos com o seu nome e uma foto sua.

    Soltei um palavro. Se fosse um policial ou um segurana, tudo bem.Assistentes sociais, voluntrios de servio comunitrio, universitrios bbados,viciados a fim de espancar algum pequeno e fraco: encarar qualquer um desseslogo cedo seria mole como acordar com caf da manh na cama.

    Mas algum que sabia meu nome e conhecia meu rosto isso era mau sinal.Significava que estavam procurando especificamente por mim. Talvez a galerado abrigo estivesse com raiva por eu ter quebrado o aparelho de som deles.(Aquelas cantigas de Natal eram de enlouquecer.) Talvez uma cmera desegurana pblica tivesse flagrado o ltimo furto que eu cometera na rea doTheater District. (Ei, eu precisava de dinheiro para uma pizza.) Ou talvez, pormais improvvel que parecesse, a polcia ainda estivesse na minha cola,querendo fazer perguntas sobre o assassinato da minha me

    Recolhi minhas coisas, o que levou uns trs segundos. Enrolei o saco de dormirbem apertado para caber na mochila, junto com a escova de dentes e algumasmeias e cuecas. Alm da roupa do corpo, isso era tudo o que eu tinha. Com amochila no ombro e o capuz do casaco cobrindo a cabea, eu conseguia

  • facilmente me misturar multido de pedestres. Boston cheia de universitrios.Alguns ainda mais desgrenhados e aparentando ser ainda mais jovens que eu.

    Eu me virei para Blitz. Onde voc viu essas pessoas com panfletos? Na rua Beacon. Esto vindo para c. Um coroa branquelo e uma garota.

    Deve ser filha dele.Franzi a testa. Isso no faz sentido. Quem? No sei, garoto, mas eu tenho que ir.Blitz observou com olhos semicerrados o nascer do sol, que tingia de laranja as

    janelas dos arranha-cus. Por motivos que nunca entendi direito, ele detestava aluz do dia. Talvez fosse o vampiro sem-teto mais baixo e corpulento do mundo.

    Voc devia ir encontrar o Hearth. Ele est na praa Copley.Tentei conter a irritao. O pessoal da rua brincava dizendo que Hearth e Blitz

    eram minha me e meu pai, porque eu tinha sempre um ou outro perto de mim. Agradeo falei. Mas vou ficar bem.Blitz co