A Espada e a Espatula Nº4

Click here to load reader

  • date post

    19-Jan-2016
  • Category

    Documents

  • view

    20
  • download

    9

Embed Size (px)

Transcript of A Espada e a Espatula Nº4

  • A Espada e a Esptula uma publicao mensal de Projeto Spurgeon Proclamando a CRISTO Crucificado & Projeto Ryle Anun-ciando a Verdade Evanglica, inspirada na original The Sword and the Trowel, lanada por C.H.Spurgeon em 1865.

    Editor:Armando Marcos

    Colaboradores:Marcelo LemosSara de CerqueiraJosep RosselloCarlos Antnio da Rocha

    Reviso e prova:Atila Calumby

    Capa e diagramao:Victor Silva

    Fotos:Pesquisa de imagens, Wikipdia e arquivo de Projeto Spurgeon e associados.

    TODOS OS DIREITOS RESERVADOS permitida a livre distribuio desse material, e a livre impresso para distribuio e uso pes-soal, somente vedado o lucro e a venda sem autorizao.

    Contato:Email: [email protected]

    Twitter:@ProjetoSpurgeon

    Facebook:https://www.facebook.com/projetospurgeonhttps://www.facebook.com/BispoJCRyle

    Site:www.projetospurgeon.com.brwww.bisporyle.blogspot.com

  • Nesta nova edio da revista A Espada e a Esptula, temos algumas novidades, na nossa meta de sempre melhorar ela para nossos leitores; nesse ms, apresentamos uma nova dia-gramao, espero que gostem, tentamos agora manter um n-vel bem mais profissional do que as edies anteriores, agora novamente com duas colunas, porem muito melhor diagramada do que era anteriormente, proporcionando assim uma leitura muito mais agradvel.

    Nessa edio, temos tambm a honra de veicular uma entrevista que fize-mos com o Bispo Primaz da Aliana das Igrejas Crists Nova Vida, Walter McAlister; certamente uma excelente entrevista, que esperamos ser de edi-ficao para muitos.

    Neste ms de maio, tentei comear a escrever algo para a revista alem do editorial, espero que apreciem minha resenha desse ms; pretendo escrever todo ms de algum livro que eu tenha lido: sugestes e criticas so bem vindas sempre.

    Nesse ms de maio, tivemos o privilgio de participar da 1 Feira de Lite-ratura Crist (FLIC) e alem de muitos livros, tivemos a alegria de conhecer muitas pessoas, e dentre elas, o autor do livro da minha resenha, Mauricio Zagari, e o Bispo Josep Rossello, presidente da Igreja Anglicana Reformada e colunista dessa revista; e tambm conhecemos vrios irmos que conhe-cemos dos grupos de discusso teolgica no Facebook; sempre bom ter comunho com os irmos que o Senhor nos d a oportunidade de conhecer pela Internet.

    Nosso sincero desejo que essa revista seja um instrumento nas mos de Deus para sua edificao e sua reflexo nas verdades de Deus e na situao de Sua igreja; que o Senhor os abenoe, em Cristo.

    Armando Marcos Pinto

    EDITORIAL

  • Projeto Spurgeon | 5

    ndice

    Perdo: privilgio dos Filhinhos do SenhorC.H.Spurgeon ................................................................................................................................................ 6

    O Espirito Santo e as Escrituras na vida do cristoJosep Rossello ............................................................................................................................................... 10

    Resenha: A Verdadeira Vitria do Cristo de Maurcio ZgariArmando Marcos ........................................................................................................................................ 14

    O meu novo e bblico homem ideal Sara de Cerqueira ........................................................................................................................................ 18

    Cristo, o Edificador da Sua IgrejaJ.C.Ryle ......................................................................................................................................................... 20

    Entrevista com o Bispo Walter McalisterArmando Marcos e tila Calumby ............................................................................................................ 24

    O Papel de Luz dos Ministros do EvangelhoJonathan Edwards ....................................................................................................................................... 29

    A Ceia do SenhorJohn Knox .................................................................................................................................................... 32

    Histria: O martrio de Perptua e FelicidadeCarlos Antnio da Rocha ............................................................................................................................ 34

    Manjares perigososArthur W. Pink ............................................................................................................................................ 38

    Homiltica: Elaborando uma boa introduo de sermoMarcelo Lemos ............................................................................................................................................ 42

  • A ESPADA e a Esptula

    6 | Projeto Spurgeon

    Perdo: privilgio dosFilhinhos do

    Senhor

    C.H.Spurgeon

    Isto um privilgio muito desejado pe-las criancinhas. Elas recentemente sen-tiram o peso da culpa e permanecem espertas sob as chicotadas da conscin-cia. O Esprito de Deus, recentemente

    as convenceu do pecado, da justia e do ju-zo. E, portanto, acima de tudo, suas oraes so: Pai, perdoa-me. Para elas a remisso dos pecados se destaca como a primeira e mais desejvel de todas as bnos e, real-mente, elas esto certas em sua estima, pois qual posse pode ser chamada bno at que o pecado seja perdoado? No importa o quo saudvel um ho-mem pode ser, se sua conscincia est preo-cupada com seu pecado, seu ntimo corao est doente. um pequeno conforto para ele ter todos os confortos desta vida se o seu co-rao sente o roer de um verme imortal da culpa de conscincia. Deus, tem misericr-dia de mim, que sou pecador (Lucas 18:13), vem muitas vezes em seu corao enquanto ele bate em seu peito na profunda humilha-o de sua alma. No pode haver alegria e descanso para ele, at que ele oua as pala-vras: O Senhor perdoou o teu pecado, voc no morrer (2 Samuel 12:13). Para os re-centemente salvos uma enorme e merecida alegria ter seus pecados perdoados! uma felicidade parecida com o Cu dos anjos e essa alegria pertence por direito a todos os santos, sim, at mesmo para as criancinhas na famlia de Deus! Voc s nasceu de novo no domingo

    passado, mas seus pecados esto perdoados! Talvez foi nesta manh que voc procurou a face do seu Salvador e passou a acreditar nEle e, por Sua Graa, os seus pecados es-to perdoados! Esta garantia to doce para voc como uma cano de Serafins! Eu no poderia ter dito a voc uma notcia melhor. O perdo do pecado como a prola de grande valor para voc em seu atual estgio de vida espiritual, que voc teria vendido tudo o que tinha a fim de obt-la e agora que voc a tem, seu corao est iluminado com gratido! A ferida em sua conscincia, to recentemente em carne viva e sangrante, faz com que voc defina um preo muito alto sobre o blsamo curativo do livre e pleno perdo! Longe de mim de ficar com sua santa alegria, e ainda o Senhor te mostrar coisas maiores do que estas! Na sua fase de experincia, o perdo a bno mais importante da Aliana. Um homem recm-convertido no sabe muito sobre santificao ou a unio com Cristo. Talvez ele no sabe muito sobre a eleio, chamado, ou confirmao. O principal pon-to que ele se deleita no perdo. Est escri-to no Credo Apostlico: Creio na remisso dos pecados, e o homem que recentemente encontrou a paz em Deus por Jesus Cristo re-pete este trecho do Credo com nfase solene. Acredito no perdo dos pecados, diz, pois ele acaba de compreender isso, e para ele um presente to grande, como a lua e as es-trelas que brilham como uma rainha entre as

    Eu vos escrevo, filhinhos, porque os vossos pecados so perdoados por amor do Seu nome (I Joo 2:12)

  • Junho de 2012

    Projeto Spurgeon | 7

    Perdo: privilgio dosFilhinhos do

    Senhor

    bnos da Graa! Vastos favores encontram-se alm para aquele que recentemente atravessou o Jordo, o vale do Escol satisfaz todos os so-nhos da alma e o desejo de qualquer outra bno! O recm-perdoado ainda no v as inmeras outras bnos que vm no pa-cote do perdo. Ele absorvido ao ouvir a seguinte frase: V em paz; porque os seus muitos pecados lhe so perdoados (Lucas 47:7). Bem, filho amado, muitas outras bn-os esperam por voc! O perdo apenas uma bno de entrada, pois existem ale-grias mais raras dentro da casa! Voc se tornou herdeiro de uma herana ilimitada! Tudo vosso! Cu, Cristo e Deus so seus! Que neste momento todo o seu corao seja ocupado por um senso de pecado perdoado! Eu no vou perturb-lo, mas irei me regozijar com voc. Vou at me sentar e cantar com voc, permita que este seja o nosso hino:

    Agora, oh que alegria, os meus pecados esto perdoados!Agora eu posso, e acredito!Tudo o que tenho, tudo que sou, e ser,Ao meu precioso Senhor eu entrego.

    At a criana mais-velha de Deus valoriza muito este presente to caro para as criancinhas e, embora tenha recebido outras misericrdias, ainda assim, uma importan-te parte de sua alegria que ela foi purificada do pecado e vestida com a justia. Ah, e os nossos irmos mais velhos que esto agora na terra do Rei, este um ponto principal, mesmo com eles, os quais lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cor-deiro! E, portanto, esto diante do trono de Deus e O servem de dia e de noite no Seu templo. Sim, queridos filhinhos, vocs obte-ram o mais precioso favor em cada um de vocs, ento se alegrem - escrevo-vos, por-que pelo seu nome vos so perdoados os pe-cados. (I Joo 2:12). Deixe-me observar que o perdo dos pecados certamente a posse do iniciante na Vida Divina. Ele est perdoa-do como ele jamais ser. O perdo dos peca-

    dos no uma questo de graus ou de cres-cimento. feito num instante e permanece para sempre, para nunca mais ser revertido! O filho de Deus que nasceu ontem no est completamente santificado como ele ser um dia. Ele no est completamen-te instrudo como ser um dia