A Espada e a Espátula nº6

Click here to load reader

  • date post

    19-Mar-2016
  • Category

    Documents

  • view

    237
  • download

    6

Embed Size (px)

description

Revista bimenstral do sites Projeto Spurgeon - Proclamando Cristo Crucificado & Projeto Ryle - Anunciando a Verdade Evangélica, edição de Outubro-Novembro de 2012

Transcript of A Espada e a Espátula nº6

  • 2 | Projeto Spurgeon

    A Espada e a Espatula

    Acesse nosso site e confira textos inditosde J. C. Ryle em portugus.

    Sermes Tratados Artigos

    www.projetoryle .com.br

  • A Espada e a Esptula uma publicao BIbi-mestral de Projeto Spurgeon Proclamando a CRISTO Crucificado & Projeto Ryle Anuncian-do a Verdade Evanglica, inspirada na origi-nal The Sword and the Trowel, lanada por C.H.Spurgeon em 1865.

    Editor:Armando Marcos

    Colaboradores:Andreia FerreiraMauricio ZagariFrancine VrissimoCarlos Antnio da RochaJosemar BessaWalter McAlisterSara de CerqueiraJosep Rossello

    Reviso e prova:Armando Marcos

    Capa e diagramao:Victor Silva

    Fotos:Pesquisa de imagens, Wikipdia e arquivo de Projeto Spurgeon e associados.

    TODOS OS DIREITOS RESERVADOS permitida a livre distribuio desse material, e a livre impresso para distribuio e uso pes-soal, somente vedado o lucro e a venda sem autorizao.

    Contato:Email: [email protected]

    Twitter:@[email protected]

    Facebook:https://www.facebook.com/projetospurgeonhttps://www.facebook.com/BispoJCRyle

    Site:www.projetospurgeon.com.brwww.projetoryle.com.br

  • Outubro considerado pela maioria da cristandade protestante o tempo oportuno para se relembrar a Reforma Protestante. De fato, sempre bom estudar e recordar como Deus levantou vrios homens durante sculos para restaurar a Igreja s suas antigas doutrinas e prticas, en-terradas por supersties e sufocadas pelo erro e pelo esquecimento, e que tomou um rumo mais definitivo a partir da ao do Senhor pela vida de Lutero depois de 1517 mais significantemente.

    Porm a Igreja, que sempre deve estar se reformando, no necessita hoje da mes-ma atitude dos reformadores? Creio que sim, mas no somente da mesma ati-tude, ou coragem e desprendimento, mas tambm de estar firmada na verdade evanglica e no fundamento apostlico, que a base da Igreja em Cristo. Para isso, importante saber onde estamos, e se estamos bem sedimentados na Ver-dade para, assim, evitar cair nos erros de outrora e, com valentia, corrigir nosso caminho e seguir adiante na fora do Senhor Jesus Cristo.

    Nesse ms tivemos aqui no Brasil a 28 Conferncia da Editora Fiel, que teve como tema e meta explanar sobre os alicerces da f crist. E a partir deles, louvar e glorificar ao Senhor com nossa vida nova em Cristo, obedecendo e amando Sua lei, e sendo beno na vida de outras pessoas. Podemos, e devemos, combinar o destemor de Reforma da Igreja com a firme confiana e base para estarmos fir-mados na verdade. Clamamos ao Senhor que essa edio da E&E seja tambm de ajuda para que relembremos quais so os nossos alicerces, onde est a base da nossa f.

    A partir disso, como os reformadores, os Pais da Igreja e os Apstolos do Senhor, tenhamos nimo e destemor de anunciar a Verdade Evanglica, confiados na ben-o do Alto: ns do Projeto Spurgeon, com esse propsito de ser de ajuda nessa meta em Cristo, relanamos o Projeto Ryle nesse ms, com o lema de anunciar a verdade do Evangelho, em um novo layout que esperamos seja de agrado e ajuda Igreja e s Ovelhas de Cristo que ainda esto sendo chamadas pelo Senhor.

    Que o corao da Reforma Protestante esteja em nosso ntimo, e que a lembrana histrica nos ajude a evitar seus erros, a imitar seus acertos, levando o Evangelho em pleno acordo ao ide do Senhor. Mas que no seja somente um saudosismo que no tenha efeito real em nossa vida crist.

    Ainda que saibamos que as portas do inferno no prevalecero sobre a Igreja do Senhor, ns devemos com f sempre estar alertas e vigilantes para que, no futuro, se necessrio, sejamos pelo ensino e conduta crist, relembrados como pedras preciosas de uma reforma, e no algo a ser reformado.

    Armando Marcos PintoEditor

    So Paulo, outubro de 2012

    EDITORIAL

  • INDICE

    Sentados mesa no Cu Por C. H. Spurgeon .................................................................................................................. 6

    Como saber se o que cremos verdade? Por Walter McAlister ............................................................................................................. 11

    Beleza: Uma obra Divina Por Francine Vrissimo .......................................................................................................... 18

    A santificao sacrificada no altar da misso Por Josemar Bessa ................................................................................................................... 22

    Fugindo da Grande Comisso Por Sara de Cerqueira ............................................................................................................. 27

    O que a Orao? Por Bispo Josep Rossello ......................................................................................................... 32

    Nem Tudo que reluz ouro Por Andreia Ferreira .............................................................................................................. 37

    Histria: Bach cantou o seu Cristianismo em msica Por Carlos Antnio da Rocha ................................................................................................. 42

    Bendita Desgraa Por Maurcio Zgari .............................................................................................................. 46

    Perguntando pelas Veredas Antigas Por J. C. Ryle .......................................................................................................................... 52

  • 6 | Projeto Spurgeon

    A Espada e a Espatula

    Mas eu vos digo que muitos viro do oriente e do ocidente, e assentar-se-o mesa com Abrao, e Isaque, e Jac, no reino dos cus. Mt 8:11

    Por C. H. Spurgeon

    Gosto muito desse texto, porque me revela o que o cu, e me apresenta um belo quadro dele. dito que um lugar onde me sentarei com Abrao, Isaque e Jac. Oh, que pensamento mais doce esse para o trabalhador. Muitas vezes ele limpa seu suor de sua fronte, e se pergunta se acaso existe uma terra onde no ter que afanar--se nunca mais. Muito raramente come uma casca de po que no esteja mida com seu suor. Diversas vezes vai para casa esgota-do e se deixa cair numa cadeira, talvez des-maiado e cansado para poder dormir. Ele se pergunta: Ah, no existe um a terra onde eu possa descansar? No existe um lugar onde eu possa ficar quieto? Sim, voc que filho do trabalho rduo e estafante:

    Existe uma terra feliz

    Longe, longe, muito longe

    Onde esse trabalho rduo e estafante desconhecido. Alem do firmamento azul, existe uma formosa cidade luminosa, cujos muros so de jaspe, e cuja luz brilha mais que o sol. Ali os mpios deixam de pertur-bar, e ali os de esgotadas foras descansam. Ali esto os espritos imortais que no preci-sam se limpar do suor de suas frontes, pois no semeiam nem segam, nem esto sub-metidos a um trabalho rduo e cansativo.

    Ali em um monte verde e floridoSuas cansadas almas se sentaro:E com gozos grandiosos faroUm conta das fadigas de seus ps

    Para minha mente, uma das melhores vises do cu que ele uma terra de re-

  • Projeto Spurgeon | 7

    Outubro 2012

    pouso; especialmente para o trabalhador. Os que no tm que trabalhar duro, pensam que amaro o cu como um lugar de servio. Isso muito certo. Porm, para o trabalhador, para o homem que labora arduamente com seu crebro ou com suas mos, sempre ser um doce pensamento que exista uma terra onde iremos descansar finalmente. Pronto, essa voz no ser forada mais: logo, esses pulmes no tero que se exer-citar alm de seu poder; logo, esse crebro no ser atormentado pelo pensamento; mas eu me sentarei mesa do banquete de Deus; sim, estarei reclinado no peito de Abrao, e estarei tranquilo para sempre; oh filhos e fi-lhas de Ado que esto cansados, no tero que empurrar o arado em um ingrato solo no cu, no tero que se levantar para de-sempenhar rduos trabalhos antes que o sol nasa, e trabalhar ainda quando o sol tenha se posto j a um bom tempo; mas sim esta-ro tranquilos, estaro quietos, descansaro, pois todos so ricos no cu, todos so felizes l, todos esto em paz. Trabalho duro, pro-blemas, cansaos, esforos, so palavras que no podem ser soletradas no cu; no exis-tem tais coisas ali, pois ali todos sempre re-pousam. E notem com que boa companhia com-parte. Eles sentaro com Abrao, Isaque e Jac. Algumas pessoas pensam que no reconhecero ningum no cu. Mas nosso texto declara que ns nos sentaremos com Abrao, Isaque e Jac. Ento, tenho certe-za que estaremos conscientes que eles so Abrao, Isaque e Jac. Eu escutei a histria de uma mulher que perguntou a seu marido, quando estava prestes a morrer: meu queri-do, voc cr que me conhecer quando voc e eu cheguemos ao cu? Ele respondeu: Se eu a reconhecerei? Vamos, sempre a conhe-ci enquanto esteve aqui, e pensa que irei ser mais insensato quando chegue ao cu? Pen-so eu que foi uma excelente resposta. Se ns nos conhecemos aqui na terra, nos reconheceremos depois. Eu tenho que-ridos amigos que partiram para o alm, e sempre um pensamento doce para mim que, quando pise meu p, como espero faz--lo, no umbral no cu, ver minhas irms e ir-

    mo me tomarem pela mo, dizendo: Sim, amado, j est aqui. Parentes queridos que foram separados, se encontraro novamente no cu. Alguns de vocs perderam uma me que se foi ao cu; e se voc segue as pisadas de Jesus, voc se encontrar com ela l.

    Em outro caso, parece-me que vejo a al-gum que vem lhe receber porta do para-so; e ainda os laos de afeto natural possam ter sido esquecidos em certa medida se me permitem usar uma figura que aben-oada ela seria quando ela se voltasse para Deus e lhe dissera: Aqui estou eu, e os fi-lhos que me tens dado. Reconheceremos a nossos amigos: esposo, voc reconhecer sua esposa. Me, voc reconhecer a seus ama-dos filhinhos; voc via suas figuras quando jaziam brancas, ficando sem alento. Voc s