A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO...

download A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EXÉRCITO BRASILEIRO

of 120

Embed Size (px)

Transcript of A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO...

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    1/120

    0

    FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS

    ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS

    CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA

    CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

    A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA:UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO

    EXÉRCITO BRASILEIRO

    DISSERTAÇÃO APRESENTADA À ESCOLA BRASILEIRA DEADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS PARA OBTENÇÃO DO GRAUDE MESTRE

    MÁRCIO ALEXANDRE DE LIMA BRAZ

    Rio de Janeiro - 2004

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    2/120

    1

    FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS

    ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS

    CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA

    CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

    A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA:UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO

    EXÉRCITO BRASILEIRO 

    DISSERTAÇÃO DE MESTRADO APRESENTADA PORMÁRCIO ALEXANDRE DE LIMA BRAZ

    E APROVADA EM

    PELA COMISSÃO EXAMINADORA

    ______________________________________________________PAULO EMÍLIO MATOS MARTINS

    Doutor em Administração 

    ______________________________________________________ALEXANDRE LINHARESDoutor em Pesquisa Operacional

    ______________________________________________________ALAELSON VIEIRA GOMES

    Doutor em Engenharia de Materiais 

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    3/120

    2

    Ao querido amigo e brilhante alunoValdeir, que muito me orgulho de terconhecido e que tão precocementenos deixou.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    4/120

    3

    AGRADECIMENTOS

    Ao Professor Paulo Emílio Matos Martins, pela inestimável orientação na elaboração

    deste trabalho.

    À Professora Deborah Moraes Zouain, pelo apoio e incentivo demonstrados nacoordenação do Centro de Formação Acadêmica e Pesquisa.

    A Nilsa e Francisco, por terem se preocupado, antes de tudo, com minha saúde e minha

    felicidade.

    A Sandra Lopes de Lima, pela companhia e ajuda espontânea na formatação e revisão

    do texto.

    A Marcelo, Michelle, Alessandra, Taís, Breno, Marlon e Caio, pela alegria motivadora

    que provaram só o ambiente familiar poder proporcionar.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    5/120

    4

    RESUMO

    Este estudo tem como objetivo analisar alguns dos programas e medidas

    adotados pelo Exército Brasileiro, bem como suas eventuais contribuições, para a

    modernização da sua Logística. Para isso, enfoca um dos principais instrumentos de

    apoio logístico da Força, o Serviço de Intendência, abordando algumas das funções

    exercidas por este Serviço que configuram a atual concepção da Logística Militar

    Terrestre. Esse processo de modernização se desenvolve principalmente por meio de um

     programa de excelência estabelecido para todo o Exército que visa, dentre outros

    fatores, a adoção de práticas gerenciais que conduzam a um melhor desempenhooperacional e à melhoria da qualidade dos produtos e serviços da Instituição: o

    Programa Excelência Gerencial do Exército Brasileiro (PEG-EB). Neste ensaio, a

    Logística é considerada peça-chave do sucesso organizacional e um dos principais

    fatores de diferencial competitivo das empresas, relacionado diretamente à redução de

    custos e ao aumento do nível de serviço prestado aos clientes. Para a Força Terrestre, o

    aperfeiçoamento e atualização da doutrina logística despontam como prioridade para a

    consecução dos seus objetivos, enfatizando principalmente a necessidade da integraçãode suas atividades logísticas, a fim de otimizar os recursos disponíveis, reduzir custos e

     priorizar suas ações. Na busca de uma abordagem integrada para sua logística, o

    Exército criou um órgão central com a incumbência de coordenar toda a cadeia de

    suprimento de suas Unidades: o Departamento Logístico (D Log). Este órgão coordena,

    de forma centralizada, grande parte das funções logísticas de emprego da Força. Conclui

    afirmando que o desenvolvimento dessa mentalidade de integração interna das

    atividades vai permitir uma racionalização nos processos de gestão, um acréscimo nos

    índices de disponibilidade de material das organizações militares e, conseqüentemente,

    um ganho de operacionalidade para o Exército Brasileiro.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    6/120

    5

    ABSTRACT

    This study has the purpose to analyze some of the programs and measures

    adopted by the Brazilian Army, as well as eventual contributions, for the modernization

    of its Logistics. Thus, focus one of the main devices of logistic support of the Forces,

    the Quartermaster, approaching some roles performed by this Service that comprises the

    current conception of the Army Logistics. This modernization process is mainly

    developed through a excellence program implemented for the whole Army aiming,

    amongst other factors, the adoption of managerial practices leading to a betteroperational performance and to the improvement of the Institution' services and

     products quality: the Managerial Excellence Program of the Brazilian Army (PEG-EB).

    Here, the Logistics is deemed as key part for the organizational success and one of the

    main factors of competitive differential of companies, directly related to costs reduction

    and increase in the level of services provided for the customers. For the Army, the

    improvement and update of logistic doctrine emerge as priority for achieving the goals,

    especially focusing the need to integrated the logistics activities, in order to optimize theresources available, reduce costs and prioritize its actions. While searching for an

    integrated approach for its logistics, the Army created a central body with the

    responsibility to coordinate all the supply chain of its Units: the Logistic Department (D

    Log). This body centrally coordinates a major segment of logistics functions in the

    Forces. The conclusion states that the development of this mentality about the internal

    integration of activities will allow a rationalization of the management process,

    increasing the indexes of availability of material from military organizations, and

    consequently a serviceability gain for the Brazilian Army.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    7/120

    6

    LISTA DE QUADRO

    Quadro 5.1 – Instalações do 1º D Sup por classe de suprimento................................... 75 

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    8/120

    7

    LISTA DE GRÁFICO

    Gráfico 5.1 - Gráfico Estatístico de viaturas do ECT..................................................... 78 

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    9/120

    8

    LISTA DE FIGURAS

    Figura 3.1 – Evolução do Pensamento Logístico........................................................... 37 

    Figura 3.2 – A integração logística ................................................................................ 42 

    Figura 3.3 – A integração da cadeia de suprimentos...................................................... 43 

    Figura 4.1 – Concepção Sistêmica do Exército.............................................................. 47 

    Figura 5.1 – Subsistemas do Sistema Logístico ............................................................. 66 

    Figura 6.1 – Fluxo de ações do modelo de implantação do PEG-EB............................. 84 

    Figura 6.2 – As Bases do SIMATEx............................................................................... 93 

    Figura 7.1 – Organograma do D Log............................................................................. 101 

    Figura 7.2 – Organograma da Diretoria de Subsistência............................................... 103 

    Figura 7.3 – Organograma da D T Mob........................................................................ 104 

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    10/120

    9

    SUMÁRIO

    CAPÍTULO 1

    INTRODUÇÃO............................................................................................................. 11

    CAPÍTULO 2

    O PROBLEMA E A METODOLOGIA...................................................................... 18

    2.1 O PROBLEMA....................................................................................................... 182.1.1 Objetivos................................................................................................... 19 2.1.2 Delimitação do Estudo............................................................................. 19 2.1.3 Relevância do estudo................................................................................. 20 

    2.2 A METODOLOGIA................................................................................................. 222.2.1 Tipo de Pesquisa...................................................................................... 22 2.2.2 Coleta de Dados........................................................................................ 22 2.2.3 Tratamento dos Dados............................................................................ 23 2.2.4 Limitações do Método............................................................................. 24 

    CAPÍTULO 3

    LOGÍSTICA: O ESTADO DA ARTE.........................................................................26

    3.1 ORIGEM DA LOGÍSTICA........................................................................................ 263.1.1 Impacto dos fenômenos econômicos e tecnológicos na logística.......... 30

    3.2 A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO LOGÍSTICO........................................................ 36

    3.3 LOGÍSTICA I NTEGRADA........................................................................................ 403.3.1 Porque a logística precisa ser integrada................................................. 44

    CAPÍTULO 4

    BREVE HISTÓRICO DO SERVIÇO DE INTENDÊNCIA DO EXÉRCITOBRASILEIRO............................................................................................................... 46

    4.1 O EXÉRCITO BRASILEIRO.................................................................................... 464.2 A LOGÍSTICA MILITAR TERRESTRE..................................................................... 494.3 O SERVIÇO DE I NTENDÊNCIA DO EXÉRCITO BRASILEIRO..................................... 53

    4.3.1 A origem da Intendência......................................................................... 53 4.3.2 Evolução histórica do Serviço de Intendência....................................... 56 

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    11/120

    10

    CAPÍTULO 5

    CONCEPÇÃO DA LOGÍSITCA MILITAR TERRESTRE E AS FUNÇÕESLOGÍSTICAS DO SERVIÇO DE INTENDÊNCIA................................................... 64

    5.1 CONCEPÇÃO DA LOGÍSTICA MILITAR TERRESTRE: LOGÍSTICA ORGANIZACIONAL E LOGÍSTICA OPERACIONAL.................................................................................. 65

    5.2 FUNÇÕES LOGÍSTICAS...........................................................................................  695.2.1 A Função Logística Suprimento.............................................................. 71

    5.2.2 A Função Logística Transporte.............................................................. 76 

    CAPÍTULO 6

    MODERNIZAÇÃO DA LOGÍSTICA MILITAR TERRESTRE............................ 79

    6.1 O PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EXÉRCITO BRASILEIRO.................... 816.1.1 O Modelo de Gestão do PEG-EB..............................................................83

    6.2  NOVA SISTEMÁTICA DE CATALOGAÇÃO DO EXÉRCITO......................................... 916.2.1 Concepção do Sistema de Material do Exército (SIMATEx)............... 926.2.2 O Desenvolvimento do SIMATEX........................................................... 95 

    CAPÍTULO 7

    LOGÍSTICA INTEGRADA NO EXÉRCITO BRAILEIRO: A CRIAÇÃO DODEPARTAMENTO LOGÍSTICO.............................................................................. 96

    7.1 O DEPARTAMENTO LOGÍSTICO............................................................................ 987.1.1 O Processo de Implantação do DLog...................................,................... 98 7.1.2 Organização e Atribuições do DLog...................................................... 100 7.1.3 A Diretoria de Suprimento e a Diretoria de Transporte e

    Mobilização do D Log............................................................................ 1027.2 IMPACTOS DA IMPLANTAÇÃO DO D LOG NO EXÉRCITO E NO SERVIÇO DE

    I NTENDÊNCIA..................................................................................................... 105

    CAPÍTULO 8

    CONCLUSÃO..............................................................................................................107

    BIBLIOGRAFIA.......................................................................................................... 113

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    12/120

    11

    CAPÍTULO 1

    INTRODUÇÃO

    Este trabalho trata da Logística Militar, uma área da Administração que, a

    semelhança do que ocorre nas organizações empresariais, atualmente absorve grande

     parte das atividades de diversas Unidades do Exército Brasileiro. Uma área que é

    essencial no atendimento aos clientes e se tornou decisiva para a estratégia

    organizacional. Ela tem recebido ao longo dos anos várias denominações, tais como

    distribuição física, administração de materiais e serviços, gerenciamento dos transportes

    e da cadeia de suprimentos, dentre muitas outras. As atividades a serem gerenciadas na

    Logística podem incluir todas ou parte das seguintes funções: transportes, controle e

    manutenção de estoques, suprimento, processamento de pedidos, aquisição,

    armazenagem, manuseio de materiais e padrões de serviços ao cliente.

    Em uma organização como um todo e em todas as suas áreas específicas, o

    meio de alcance dos seus objetivos é o processo administrativo de planejamento,

    organização, direção, coordenação e controle, desenvolvido por quase todos os autores

    clássicos (FAYOL, 1950; GULICK e URWICK, 1937). Dentre as áreas específicas, nos

    últimos tempos, a área de logística vem ganhando destaque pela movimentação de

     produtos tangíveis e intangíveis dentro e entre organizações. É pauta atualmente das

     principais discussões empresariais e acadêmicas, visto que é peça-chave do sucesso

    organizacional. Não se trata apenas de uma fase do processo administrativo, mas de

    diferencial competitivo, relacionado diretamente à redução de custos e ao aumento do

    nível de serviço prestado aos clientes (CHRISTOPHER, 1997; NOVAES, 2001;

    RIBEIRO, 2003).

    Inúmeros foram os conceitos referentes ao termo “logística” ao longo da

    história e muitas são as definições do vocábulo, certamente todas elas sujeitas à crítica.

    E é normal que seja assim, pois a logística abrange um grande número de atividades,

    com características bem diferentes umas das outras, de maneira que tentar colocá-las

    numa só chave e daí estabelecer uma definição para o termo, não é tarefa fácil.

    Uma das definições, segundo Ferreira (2004, p. 1225), é a seguinte: “parte da

    arte da guerra que trata do planejamento e da realização de projeto e desenvolvimento,

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    13/120

    12

    obtenção, armazenamento, transporte, distribuição, reparação, manutenção e evacuação

    de material para fins operativos e administrativos (...)”. Esta definição de dicionário põe

    a logística no contexto militar. No entanto, tratá-la de forma mais ampla, nos mais

    diversos ramos de atividades, além dos militares, seria fundamental para o entendimento

    daquilo que Martins (2004) denominou de  pensamento logístico1. A evolução deste

     pensamento será abordada e analisada no capítulo 3, descrevendo o termo desde sua

    origem, até os mais modernos conceitos existentes na literatura pesquisada.

    Seria muito provável que, caso houvesse a conveniência das pessoas viverem

     próximas dos lugares em que estivessem as matérias-primas e a produção de bens e

    serviços, a logística seria esvaziada de sua importância. Todavia, o fenômeno da

    globalização gerou, e gera cada vez mais, o rompimento das fronteiras entre países,

    fazendo com que fornecedores e consumidores estejam em lugares muito distantes.

    Assim, uma região especializa-se na produção daquilo que tiver maior

    vantagem econômica, fato que cria uma significativa distância de tempo e espaço entre

    matérias-primas/produção e entre produção/consumo.

    A importância da logística, portanto, está na sua missão de aproximar as

    mercadorias e os serviços onde se encontram os consumidores, no instante em que são buscados e nas condições que satisfaçam ao adquirente, construindo uma relação custo/

     benefício satisfatória.

    Atualmente, as intensas e rápidas mudanças que atuam no ambiente das

    organizações já são rotinas. A busca por novas informações, em tempo real, é o objetivo

    de todas as corporações, que não desejam ser surpreendidas por inovações de seus

    concorrentes.

    Algo parecido acontece nas organizações militares. A principal diferença seria

    o fato de que estas, em princípio, não possuem concorrentes e não estão sujeitas a fechar

     por falência administrativa, como ocorre com as organizações empresariais. Por outro

    lado, a conjuntura nacional de escassez de recursos sugere a necessidade de uma

    atualização ou de adaptação dos meios de administração de material com a finalidade de

    continuar cumprindo suas missões com cada vez menos recursos disponíveis.

    1 O professor Paulo Emílio Matos Martins, orientador deste trabalho, ressaltou, em depoimento a este

    autor, a importância do estado da evolução do pensamento logístico para melhor compreensão da arte. 

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    14/120

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    15/120

    14

    Estratégia e a Tática, o fator determinante das vitórias e

    derrotas, evidenciando que o resultado final das operações

    será claramente influenciado por ela e pela capacidade de

    melhor executá-la”. (BRASIL, 2002, p.1-1)

     Neiva Filho (2001, p. 6) destaca também a importância da logística no curso

    das ações militares.

    “... a logística poderá tornar-se uma séria limitação às

    operações se não tiver capacidade de atender às necessidades

    dos sistemas operacionais. Por outro lado, será um

    multiplicador do poder de combate e da mobilidade dos

    exércitos, se gerida de forma eficaz. O gerenciamento da

    logística deverá ser encarado como um dos grandes fatores de

    eficiência da Força Terrestre tanto em tempo de paz, quanto

    na guerra”.

    Com base nesse pensamento, a partir do início dos anos 90, a doutrina de

    logística foi assunto de estudos continuados no Estado-Maior do Exército (EME) e nos

    estabelecimentos de ensino do Exército, particularmente na Escola de Aperfeiçoamentode Oficiais (EsAO) e na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME), que

    freqüentemente sugerem atualizações nos manuais que tratam de logística. Da mesma

    forma, notou-se a necessidade de estruturar a logística da Força Terrestre em tempo de

     paz, o mais próximo do exigido em tempo de guerra. A partir daí, o Exército Brasileiro

    deu um novo enfoque sistêmico à sua logística após a aprovação do Manual de

    Campanha Logística Militar Terrestre, em 1993.

    Para a Força, a Logística Militar Terrestre passou a ser assim definida:“conjunto de atividades relativas à previsão e à provisão de meios necessários ao

    funcionamento organizacional do Exército e às operações da Força Terrestre”.

    (BRASIL, 2002, p.2-1).

    A Logística Militar Terrestre e o seu principal instrumento operacional - o

    Serviço de Intendência - serão abordadas no capítulo 4, que apresenta algumas

    informações relevantes sobre a “Rainha da Logística” – nome pelo qual é conhecida a

    Intendência - existentes na literatura em geral, destacando a posição deste Serviço noâmbito da Logística e descrevendo sobre sua organização e o emprego nas atividades

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    16/120

    15

    logísticas do Exército.

    Ainda no início deste século, a Logística Militar Terrestre continua sofrendo

    transformações expressivas, identificadas por mudanças na estrutura organizacional em

    diferentes níveis, pela adoção de concepções doutrinárias de emprego e pela preparação

    adequada do homem, tudo isso para se ajustar às exigências do mundo moderno,

    caracterizado pelo dinamismo, rapidez e flexibilidade.

    Uma alteração doutrinária de forte impacto na atual concepção da logística

    militar diz respeito às atividades de emprego do Exército. Estas, que antes eram regidas

     por serviços técnicos, como os de Material Bélico e Intendência, passaram a ser

    organizadas por funções logísticas, tais como: Recursos Humanos, Saúde, Manutenção,

    Suprimento e Transporte. O capítulo 5 aborda principalmente as funções Suprimento e

    Transporte, por serem entendidas como aquelas de maior relevância para o Serviço de

    Intendência, desenvolvidas a partir do novo enfoque sistêmico dado pelo Exército à sua

    logística. Apresenta também comentários de visitas realizadas em duas das mais

    importantes Unidades do Exército Brasileiro, o 1º Depósito de Suprimento e o

    Estabelecimento Central de Transportes, específicas das respectivas funções logísticas

    em destaque.

    Certamente, a Logística está direta ou indiretamente presente entre as

     prioridades do Exército para a consecução dos seus objetivos. Em meio a crises

    econômicas regionais e mundiais, os recursos materiais mostram-se cada vez mais

    escassos e a compatibilidade entre necessidade e disponibilidade pende por vezes para o

    lado das necessidades. Por isso, a aplicação de estratégias de melhoria de gestão se faz

    cada vez mais necessária.

    Buscando manter-se atualizado em suas práticas de gestão, o Exércitoestabeleceu como prioridade a implementação de um novo programa, denominado

    Programa Excelência Gerencial do Exército Brasileiro (PEG-EB), visando alinhar e

    coordenar as diversas iniciativas de melhoria da gestão já vigentes em algumas

    organizações militares, bem como conciliar suas práticas de gestão com as empregadas

     por várias organizações empresariais e públicas do país.

    Um atendimento de excelência mostra-se fundamental para o fiel cumprimento

    da missão de uma unidade logística, já que o contato com o elemento apoiado éconstante. A excelência gerencial irá se caracterizar, principalmente, pela melhoria da

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    17/120

    16

    gestão que decorra na otimização de resultados, seja do emprego de recursos, ou dos

     processos, produtos e serviços a cargo da Instituição.

    Além do Programa Excelência Gerencial, será apresentado no capítulo 6 outro

    fator preponderante para o avanço da logística militar terrestre nos últimos anos: a

    implantação do Sistema de Material do Exército (SIMATEx), um moderno sistema de

    controle de material responsável por obter dados a respeito de qualquer tipo de material

    existente na Força. O SIMATEx é uma importante ferramenta na Logística da Força

     para a busca da excelência gerencial e, principalmente, dos seus principais objetivos: a

    melhoria do desempenho organizacional e a satisfação dos seus clientes.

    Vale destacar, ainda, que a operacionalização da logística por atividades

    funcionais em detrimento dos serviços técnicos representa apenas um dos aspectos da

    logística militar moderna. Seu novo papel, mais amplo, é o da integração e coordenação.

    Certamente, o emprego dos serviços técnicos de forma isolada, sem levar em conta o

     processo no qual estão inseridos e a interdependência que há entre eles, aumentava

    custos e restringia o apoio logístico às tropas. Somente uma abordagem integrada para a

    logística viria a minimizar estas falhas, permitindo que o processo logístico seja visto

    como um canal de atividades interrelacionadas.

    O capítulo 7 apresenta como a abordagem da Logística Integrada, utilizada por

    muitas organizações empresariais, está sendo aplicada no Exército. No entendimento

    deste autor, o Departamento Logístico (D Log), criado em janeiro de 2001, é o mais

    importante vetor do Exército Brasileiro na busca de uma abordagem integrada para sua

    logística. Ele é o órgão de direção setorial responsável pela logística do material de

    todas as organizações militares, cuja principal finalidade é coordenar, de forma

    centralizada, grande parte das funções logísticas relativas ao emprego da Força

    Terrestre.

    Com a criação do D Log, as diretorias dos extintos Departamento Geral de

    Serviços (DGS) e Departamento de Material Bélico (DMB), que antes eram organizadas

     por serviços técnicos, passaram também a ser organizadas por funções logísticas, dando

    origem a diretorias como as de Manutenção, Suprimento e Transporte/Mobilização,

    dentre outras. Esta mudança estrutural gerou significativas mudanças nas ligações das

    organizações militares com os diversos níveis de apoio logístico do Exército.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    18/120

    17

    A questão principal da abordagem integrada é fazer com que cada unidade

    técnica, seja a Intendência, o Material Bélico, ou a própria organização militar, de

    qualquer Arma, não seja vista como uma peça isolada, mas como um elo crítico para o

    sucesso de toda a cadeia. O desempenho de cada unidade técnica continua importante,

    mas jamais deve se sobrepor ao trabalho em equipe e à integração. Esse é um dos

     pensamentos que encerra o presente estudo, no capítulo 8, onde se apresentam as

    conclusões.

    Ao final deste capítulo introdutório, oportuno se faz o pensamento de José

    Antonio Valle Antunes Júnior, gerente da Produttare Consultores Associados  e

     professor de Ciências Econômicas da Unisinos (apud  Ballou, 2001, p.7):

    A aplicação de conceitos sem que estejam disponíveis as

    ferramentas específicas ou o uso de ferramentas sem o

    entendimento conceitual das questões da logística tende a

    conduzir, respectivamente, ao conhecimento estéril ou a

    tentativas infrutíferas de resolver problemas dessa área.

    Daí a importância dos profissionais de logística, sejam do governo, de

    universidades e de empresas, apresentarem suas experiências, a fim de contribuir para oenriquecimento da arte e para o desenvolvimento integrado das organizações que atuam

    no Brasil. É bem verdade que os conceitos de logística já são divulgados a mais de uma

    década no país, entretanto, sua aplicação pode ser ainda considerada extremamente

    limitada.

    Como tudo em logística, os assuntos abordados neste trabalho não são

    exaustivos, nem definitivos. Tudo muda muito rapidamente nessa área. Fica assim

    lançado, desde já, o incentivo para que outros colegas consolidem novas idéias e seusavanços.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    19/120

    18

    CAPÍTULO 2

    O PROBLEMA E A METODOLOGIA

    “Conhecimento é construção e construção é

     processo que admite múltiplos conteúdos e

    variados enfoques”.

    Sylvia Vergara

    O objetivo deste capítulo é apresentar ao leitor o problema a ser pesquisado, osobjetivos a serem alcançados para respondê-lo, a delimitação e a relevância do estudo.

    Apresenta também a metodologia utilizada para buscar atingir os objetivos propostos.

    2.1 O PROBLEMA

    A Logística Militar Terrestre, integrante do sistema Exército, está sofrendo

    transformações significativas, identificadas por mudanças na estrutura organizacional

    em diferentes níveis, pela adoção de concepções doutrinárias de emprego e pela

     preparação adequada do homem. A nova concepção do apoio logístico da Força

    Terrestre traz, em sua essência, os aspectos genéricos de uma estrutura logística bastante

    realista, voltada para a utilização das organizações militares já existentes, para a

    compatibilização com os possíveis cenários de emprego do Exército e para a

    mobilização.

    O Programa Excelência Gerencial do Exército Brasileiro (PEG-EB) foi

    estabelecido com o intuito promover práticas gerenciais que conduzam a um melhor

    desempenho operacional e à melhoria da qualidade dos produtos e serviços da

    Instituição, tendo por base a capacitação de seus recursos humanos, o gerenciamento de

     projetos e o permanente estímulo para motivação de todos os integrantes do Exército.

    O Serviço de Intendência - instrumento da logística militar voltado

     principalmente para as atividades de suprimento e transporte - participa ativamente do

     processo de modernização do Exército Brasileiro, quer com ações desenvolvidas no

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    20/120

    19

    sistema econômico-financeiro, quer executando atividades inerentes ao sistema

    logístico.

     Nesse sentido, formula-se a seguinte questão: A partir da análise do Programa

    Excelência Gerencial do Exército Brasileiro e dos modelos de gerenciamento logístico

     praticado pelas organizações, quais os principais vetores que contribuem para a

    modernização da Logística Militar Terrestre, notadamente aqueles relativos ao Serviço

    de Intendência?

    2.1.1 Objetivos

    O objetivo final deste estudo é analisar, tendo por base o Programa Excelência

    Gerencial do Exército Brasileiro, algumas das medidas adotadas pela Força, bem como

    suas eventuais contribuições, para o processo de modernização do seu sistema logístico,

     principalmente aquelas relativas ao Serviço de Intendência.

    Objetivos Intermediários foram levantados como passos para atingir o objetivo

    final, os quais são:

    !

      Descrever a origem da Logística e analisar a evolução do pensamento teóricosobre logística militar;

    !  Descrever a origem do Serviço de Intendência do Exército Brasileiro, bem como

    levantar aspectos de importância histórica que determinaram a posição e o valor

    da Intendência no âmbito da Logística;

    !  Analisar como está estruturado o Programa Excelência Gerencial - EB,

    implementado a partir de 2003, bem como suas implicações para a atual

    concepção da Logística Militar Terrestre e sua eficácia.

    2.1.2 Delimitação do estudo

    Diante da extensão do assunto a ser pesquisado, bem como das inúmeras

    variáveis que apresenta, este estudo ficará restrito à análise da logística militar no

    Exército Brasileiro. Tendo em vista as peculiaridades e as características de cada Força

    Armada, existem diferenças entre a logística da Força Aérea, Naval e Terrestre, no que

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    21/120

    20

    diz respeito à identificação das funções e atividades logísticas. Assim, não serão objeto

    deste estudo as logísticas militares dessas Forças.

    O sistema logístico militar tem o objetivo de prever, prover e manter os meios

    em recursos humanos, recursos materiais e serviços, desempenhando todas as funções

    logísticas necessárias de acordo com a situação vigente, de paz, crise ou guerra

    (BRASIL, M.D., 2004). A fim de salvaguardar o caráter sigiloso das operações

    militares, serão estudadas apenas atividades logísticas em tempo de paz, de caráter

    ostensivo e inerentes a qualquer organização que emprega atividades logísticas em seu

    funcionamento. As informações contidas neste trabalho foram selecionadas a partir de

    ampla pesquisa documental e bibliográfica, realizada em livros, revistas, sites e outras

    fontes acessíveis ao público em geral.

    Por fim, cabe ressaltar que as atividades logísticas do Exército Brasileiro são

    exercidas, principalmente, pelo Serviço de Intendência, pelo Quadro de Material Bélico

    e pelo Serviço de Saúde. No entanto, será dada ênfase aos assuntos relativos ao

    funcionamento, organização e emprego do Serviço de Intendência, por ser considerado

    este o instrumento principal de execução das principais atividades logísticas da Força

    Terrestre.

    2.1.3 Relevância do estudo

    O mundo assiste atento, ao avançar do novo milênio, às rápidas mudanças

    ambientais que desafiam as organizações, além da tradicional diferenciação dos

     produtos solicitada pelos próprios clientes, das especificações complexas de produto e

    dos volumes reduzidos de produção. Tudo isso, fazendo frente à internacionalização da

    concorrência, a uma sociedade informatizada, à necessidade de respeitar o ambiente eao caráter social das suas próprias atividades. Disso decorrem reestruturações radicais

    nas organizações, novas formas de organização e novos modelos de gerenciamento.

    A logística, em tudo isso, desponta como a atividade que pode criar a diferença

    com os concorrentes e oferecer uma vantagem competitiva para a organização. Para as

    organizações militares, o assunto apresenta significativa relevância, na medida que um

    sistema logístico militar integra duas realidades extremamente complexas: homem e

    instituição. Para essas organizações, isso exige a compreensão de fatores comodesempenho, valorização das pessoas, melhoria e aprendizado contínuos, e satisfação do

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    22/120

    21

     público interno, entendidos aqui como características fundamentais para a modernização

    de sua logística.

    Para as forças militares, a logística adquiriu, pela sua destacada atuação na

    solução de complexos problemas de apoio, posição de destaque nas operações, passando

    a ser considerada como um dos “fundamentos da arte da guerra”. Em várias

    oportunidades, foi a logística, mais do que a estratégia e a tática, o fator determinante de

    vitórias e derrotas, evidenciando que o resultado final das operações é claramente

    influenciado por ela e pela capacidade de melhor executá-la.

    Para a Administração Pública, o presente estudo apresenta significativa

    relevância, na medida que um sistema logístico militar integra duas realidades

    extremamente complexas: homem e instituição. Para essas organizações, isso exige a

    compreensão de fatores como desempenho, valorização das pessoas, melhoria e

    aprendizado contínuos e satisfação do público interno, entendidos aqui como

    características fundamentais para a modernização de sua logística.

    A importância da logística e as lições que ela ensina são milenares e

    contundentes. Perto da totalidade dos grandes chefes militares que não seguiram seus

     princípios foram conduzidos ao fracasso, estando a História, inclusive a brasileira,repleta de exemplos. O país precisa de um Exército preparado e adestrado para cumprir

    sua missão constitucional. Nessa missão, o profissional militar deverá estar qualificado

     para assegurar o correto emprego dos seus meios logísticos num ambiente sistêmico e

    extremamente complexo.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    23/120

    22

    2.2 A METODOLOGIA

    2.2.1 Tipo de PesquisaSegundo Vergara (2003), existem diversas taxionomias de tipos de pesquisa, de

    acordo com os critérios utilizados pelos autores. Dois critérios básicos são propostos:

    quanto aos fins e quanto aos meios.

    Quanto aos fins, esta pesquisa é descritiva e explicativa. Descritiva, porque

    expõe os fundamentos da logística militar e empresarial, bem como define o emprego e

    as características do Serviço de Intendência do Exército Brasileiro, colhidos nos

    manuais, publicações e demais documentos a respeito de assunto. São ainda

     pesquisados procedimentos e estratégias descritos a partir das informações, percepções

    e expectativas dos diferentes profissionais que atuam no ramo. A investigação

    explicativa tem como principal objetivo esclarecer quais os fatores que contribuem para

    o processo de modernização do sistema logístico militar pretendido pelo Exército,

     principalmente aqueles relativos ao seu Serviço de Intendência.

    Quanto aos meios, a pesquisa é bibliográfica e documental. Bibliográfica

     porque recorre a material acessível na literatura, sejam livros, teses ou jornais, para

    compor o cenário da logística nas organizações e destacar a importância desta para as

    mesmas. Documental, no que se refere às publicações técnicas específicas e diretrizes

    de caráter militar e dirigidas ao funcionamento e organização das atividades logísticas

    do Exército.

    2.2.2 Coleta de dadosO critério para a coleta de dados na pesquisa bibliográfica levou em

    consideração textos considerados clássicos a respeito de atividades logísticas

    organizacionais como um todo, textos atuais com novas contribuições, artigos sobre

    experiências de campo na área logística, bem como teses e dissertações associadas ao

    assunto.

    De modo semelhante ao da pesquisa bibliográfica, foram coletados os dados na

     pesquisa documental referentes aos assuntos logísticos da doutrina militar e da prática

    nos acervos do Exército Brasileiro. Foram realizadas análises em documentos tais

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    24/120

    23

    como: manuais, regulamentos, portarias, diretrizes e noticiários expedidos pela Força,

    listados na Bibliografia.

    2.2.3 Tratamento dos dados

    Segundo Gil (1987), o conhecimento científico é simultaneamente provisório e

    confiável. Provisório porque deve submeter-se à contínua revisão, à crítica constante, à

     permanente contestação e à confrontação, por meio do retorno à realidade, uma vez que

    uma construção é sempre parcial. Confiável, porque, obedecendo ao método, será

    sempre a maior aproximação possível com a realidade até o momento presente.

    Apesar da logística poder estar comumente associada a números e métodos

    quantitativos, em função da natureza do problema - ligado essencialmente à logística

    organizacional, uma atividade que envolve a interação de processos e pessoas - o

    tratamento dos dados neste estudo privilegia procedimentos qualitativos de pesquisa.

    De acordo com os objetivos estabelecidos para este ensaio, foram elencadas as

    características atuais da Logística Militar Terrestre e do Serviço de Intendência do

    Exército Brasileiro, identificadas as transformações que vêm sofrendo as organizações

    militares, sobretudo nas atividades logísticas e, em seguida, descritos fatos que visaram

    contribuir para o processo de modernização do sistema logístico da Força Terrestre.

    Um dos grandes entraves ao real desenvolvimento da administração tem sido o

    caráter etnocêntrico das suas abordagens teóricas. De fato, quase que a totalidade das

    teorias administrativas foram elaboradas considerando as condições específicas das

    sociedades ocidentais desenvolvidas, principalmente dos Estados Unidos (Serva, 1992).

     No caso da formação de administradores no Brasil, historicamente aquele país foi a

    grande matriz do conhecimento transmitido pelas escolas, ratificada por meio de

    convênios entre os governos brasileiro e norte-americano.

    Uma nova abordagem científica da administração que se queira mais profunda,

    abrangente e que assuma o desafio de apreender o “fato humano” nas organizações, tem

    necessariamente que prestar contas ao risco do etnocentrismo. Chanlat (1985 apud  

    Jaime Júnior, 1995, p. 68), afirma que “só a etnologia pode dar uma visão exaustiva dos

    diferentes homens nas diferentes sociedades”. O recurso a essa disciplina é considerável

     para compreender a dinâmica interna que anima sua evolução e que as faz se abrir ou

    resistir a determinada mudança com relação a outra.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    25/120

    24

    Segundo Leiner (1997), a antropologia foi a primeira ciência humana a

    introduzir o pesquisador como parte integrante do universo pesquisado. Nos períodos de

    colonização européia nas Américas, pesquisas de antropólogos com nativos eram

    desenvolvidas, quase que inteiramente, a partir de inquéritos com poucos informantes

     bilíngües, ou com questionários aplicados com o auxílio de tradutores. Utilizava-se

    também a observação direta do comportamento dos nativos, ainda que de maneira breve

    e superficial. Com o tempo, passou-se a viver por períodos maiores nas aldeias, com os

     povos primitivos, enquanto se realizava observações, fundando assim o que hoje se

    denomina observação participante.

    A observação participante refere-se, portanto, a uma situação de pesquisa onde

    o observador e observados encontram-se numa relação face a face, e onde o processo de

    coleta de dados se dá no próprio ambiente natural de vida dos observados, que passam a

    ser vistos não mais como objetos de pesquisa, mas como sujeitos que interagem em um

    dado projeto de estudos.

    Este estudo buscou, ao máximo, a utilização do método da observação

     participante, procurando colher dados relevantes para a pesquisa no próprio ambiente

    natural de vida dos observados, ou seja, nas organizações militares logísticas do

    Exército, tendo em vista que o pesquisador, além de pertencer a esta Instituição, exerce

    suas atividades profissionais na área de Logística.

    2.2.4 Limitações do método

    O método está limitado pela seleção de um tema referente à atividade militar.

    As organizações militares possuem obviamente peculiaridades que as diferenciam das

    demais organizações, seja, por exemplo, pela natureza pouco conhecida da atividade,

     pelo caráter sigiloso de algumas atividades, ou pelo uso de terminologias específicas,

    dentre outros. Por isso, alguns aspectos que até poderiam ser de interesse para a

     pesquisa, deixaram de ser analisados.

    Apesar de tais limitações, é plenamente possível a realização de um estudo de

    tal natureza, tendo em vista a grande quantidade de informações a serem colhidas e

    apresentadas, seja pela ampla e importante participação das organizações militares na

    formação e desenvolvimento da sociedade nacional, seja especificamente pelas

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    26/120

    25

    atividades que realizam, especialmente a logística, comum a tantas outras formas de

    organização.

    Outro fator limitador diz respeito especificamente à análise da atividade

    logística nas organizações militares e, em particular, no Exército. Para um profissional

    de logística empresarial, ou detentor de relativo conhecimento na área, determinadas

    variáveis ou técnicas abordadas podem gerar uma sensação de anormalidade a respeito

    de outras por ventura existentes em organizações que não serão investigadas pelo

     pesquisador. Acredita-se que tais riscos serão minimizados com a observação e

     posterior análise da atuação dos profissionais que prestam serviços em diferentes

    organizações militares, de caráter eminentemente logístico, cujas atividades venham a

    coincidir ou assemelhar-se às praticadas pelas organizações em geral. Espera-se, ainda,

    que a experiência do pesquisador tanto na área logística como no ambiente militar

    auxilie na fundamentação prática das propostas por ventura apresentadas.

    Certamente as ações de planejamento, execução e controle das funções

    logísticas do Exército Brasileiro, bem como as atividades desempenhadas atualmente

     pelo Serviço de Intendência e as propostas ainda em discussão, já seriam suficientes

     para um entendimento da estrutura básica que fundamenta este trabalho. Entretanto, esta

     pesquisa visa, além da oportunidade de apresentar e ressaltar a importância de um ramo

    específico do Exército Brasileiro, o Serviço de Intendência, a análise crítica e a

    valorização de um assunto que até algum tempo atrás era pouco reconhecido pela

    coletividade civil e militar, mas que hoje é considerado como a pedra angular da

    competitividade entre organizações, tornando-se fator fundamental para a redução de

    desperdícios e para o aumento da eficiência e da eficácia organizacional: a Logística.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    27/120

    26

    CAPÍTULO 3

    LOGÍSTICA: O ESTADO DA ARTE

    “[Na] diversidade de visões da racionalidade que preside

    a ação administrativa, o enfoque etnográfico, vale dizer,

    semiológico e histórico, parece destacar-se comoindissociável de qualquer estudo que se proponha ver

    além do mundo aparente e ilusório dos processos e de

    outras formas de estruturação lógica dos sistemas

    organizacionais”.

    Paulo Emílio M. Martins

    Trata este capítulo de apresentar estudos já realizados por outros autores sobre a

    Logística, destacando sua origem, evolução e atualidades, bem como abordando alguns

    eventos de importância histórica, como a revolução da microeletrônica e a globalização,

    que influenciaram no desenvolvimento da Logística até os dias atuais.

    3.1 A ORIGEM DA LOGÍSTICA

    Em grande parte das obras pesquisadas, seus autores afirmam que o termo em

    discussão provém do antigo substantivo latino logisticus, utilizado para designar os

    técnicos das finanças, controladores, contabilistas, intendentes do Exército romano ou

     bizantino encarregados de efetuar o pagamento às tropas. Outros autores afirmam que,

    na Grécia, ao tempo da dominação romana, o termo designava o membro de uma

    comissão de dez cidadãos, escolhidos à sorte, anualmente, que se encarregavam de

    verificar as contas dos magistrados. Há, ainda, autores que afirmavam que logística

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    28/120

    27

    deriva da palavra grega logistikos, que teve acepção, na era clássica, de “método de

    vida” ou modo de viver (DEL RE, 1955; CAMINHA, 1982; CAMPOS, 1952).

    Segundo Del Re (1955), a primeira utilização do vocábulo “logística”, dentro

    da Ciência da Guerra, foi realizada, em 1836, pelo general suíço Antoine-Henri Jomini

    no seu livro Precis de L’Art de La Guerr e, quando sintetizou os três ramos da arte da

    guerra como sendo a estratégia, a tática e a logística, cabendo ao último a

    responsabilidade pelo fornecimento dos meios, a serem planejados e empregados pelos

    dois primeiros. A logística apresenta-se, então, como sendo a arte prática de mover

    exércitos, de dispor pormenores materiais das marchas e formações, de montar

    acampamentos ou acantonamentos longe do inimigo.

    Tudo indica que Jomini inspirou-se no título de major général des logis –

    atribuído ao oficial francês encarregado de prover alojamento, suprimento, dirigir as

    marchas e colocar as colunas das tropas francesas no terreno - para criar uma primeira

    definição de logística militar como sendo tudo ou quase tudo, no campo das atividades

    militares, exceto o combate (DEL RE, 1955).

    Entretanto, segundo Taguchi (1999), a Logística só passou a ser entendida

    como ciência, após as teorias desenvolvidas pelo Tenente-Coronel Cyrus G. Thorpe, doCorpo de Fuzileiros Navais dos EUA que, no ano de 1917, publicou o livro  Logística

    Pura: a ciência da preparação para a guerra. No decorrer do texto da obra, a logística

    é elevada ao mesmo nível de importância da estratégia e da tática, por proporcionar os

    meios necessários aos dois ramos responsáveis pela condução das operações militares. 

     No início do século XIX, Carl von Clausewitz, general prussiano, escreveu um

    verdadeiro tratado sobre princípios de guerra, sugerindo como administrar os exércitos

    em períodos de guerra. É considerado grande inspirador de muitos teóricos daAdministração que posteriormente se basearam na organização e estratégia militares

     para adaptá-las à organização e estratégia empresariais. Ao terminar as partes referentes

    à estratégia e a tática de sua obra, afirma:

    até agora tratei dos exércitos empregados como força

    militar. Mas existem na guerra muitas outras funções que

    se relacionam com o combate, embora sejamcompletamente diferentes dele. Às vezes, intimamente a

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    29/120

    28

    ele ligadas, outras vezes, menos próximas. Todas essas

    atividades, porém, se relacionam com a manutenção da

    tropa (1832, apud  LANNING, 1999, p.59).

    Entre as atividades citadas por Clausewitz estão as subsistências, a

    administração, o tratamento das doenças, o reparo das armas e do equipamento e a

    construção das fortificações, mas, em nenhum momento, empregou o termo “logística”.

    Del Re (1955) afirma que, após o seu pioneiro emprego em 1836 com o

    sentido militar atual, o termo “logística" caiu no esquecimento. Napoleão Bonaparte,

    assim como os grandes generais que o precederam, nunca usou esse termo, não

    querendo isto dizer que Bonaparte nunca empregou a logística. Afirma ainda este autor

    que Napoleão “empregou-a e o fez genialmente” (p. 51), apenas não designou o

    conjunto das atividades dos serviços, com essa expressão genérica.

    Para as forças militares, a logística adquiriu, pela sua destacada atuação na

    solução de complexos problemas de apoio, posição de destaque nas operações, passando

    a ser considerada como um dos “fundamentos da arte da guerra”.

    A importância da logística e as lições que ela ensina são milenares econtundentes. Segundo Campos (1952), perto da totalidade dos grandes chefes militares

    que não seguiram seus princípios foram conduzidos ao fracasso, estando a história,

    inclusive a brasileira, repleta de exemplos. Um país precisa de um Exército preparado e

    adestrado para cumprir sua missão constitucional. Nessa missão, o profissional militar

    deverá estar qualificado para assegurar o correto emprego dos seus meios logísticos

    num ambiente sistêmico e extremamente complexo.

    Como se pode observar, bem antes dos negócios mostrarem interesse em

    administrar as atividades logísticas de maneira coordenada, os militares estavam

    organizados para executá-las. Embora os problemas militares, com exigências rigorosas

    de “serviço ao cliente”, não se identificassem com os dos negócios, a similaridade foi

    grande o suficiente para fornecer uma base de experiência valiosa durante os anos de

    desenvolvimento da logística empresarial (BALLOU, 2001).

    De acordo com Christopher (1997), Logística é o processo com o qual se

    dirige de maneira estratégica a transferência e a armazenagem de materiais,

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    30/120

    29

    componentes e produtos acabados, começando dos fornecedores, passando através das

    empresas, até chegar aos consumidores.

    Para a Society of Logisitics Engineers  (apud  Kobayashi, 2000) a Logística é

    uma técnica e, ao mesmo tempo, uma ciência que suporta a realização dos objetivos

    organizacionais, a promulgação dos mesmos e a consecução. Serve para o management ,

    o engineering e as atividades técnicas nos termos solicitados, o projeto, o fornecimento

    e a preservação dos recursos.

    Já Figueiredo (1998) afirma que Logística é um termo empregado pela

    indústria e pelo comércio para descrever o vasto espectro de atividades necessárias para

    obter um transporte eficiente dos produtos finais desde a saída da fabricação até ao

    consumidor. Essas atividades incluem o transporte das mercadorias, a armazenagem, o

    controle dos estoques, a escolha dos locais das fábricas e dos estoques intermediários, o

    tratamento das ordens de compra, as previsões de mercado e o serviço oferecido aos

    clientes. 

    Outra definição foi a promulgada pelo Conselho de Administração Logística

    (Council of Logistics Management ), uma organização profissional de gestores de

    logística, professores e práticos, formada em 1962 com a finalidade de oferecereducação continuada e fomentar o intercâmbio de idéias (BALLOU, 2001, P.21):

    Logística é o processo de planejamento, implementação e

    controle do fluxo eficiente e economicamente eficaz de

    matérias-primas, estoque em processo, produtos acabados

    e informações relativas desde o ponto de origem até o

     ponto de consumo, com o propósito de atender àsexigências dos clientes.

    As diversas definições apresentadas anteriormente, em conjunto, capturam

     bem a essência da gestão da logística. No entanto, a logística preocupa-se não só com a

    movimentação física de mercadorias. Na realidade, muitas organizações que produzem

    serviços em vez de produtos físicos têm substanciais problemas logísticos. A missão

     principal da logística pode ser descrita como afirma Ballou (2001, p. 21): “a missão da

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    31/120

    30

    logística é dispor a mercadoria ou o serviço certo, no lugar certo, no tempo certo e nas

    condições desejadas, ao mesmo tempo em que fornece a maior contribuição à empresa”

    Pelo que a logística atualmente representa para as organizações pode-se

    afirmar que esta não é, como se pode pensar, somente a distribuição física de produtos e

    realização de serviços a diversos clientes. Ela envolve um campo mais vasto, cujo

    objetivo soberano é garantir o sucesso organizacional pelo aumento sucessivo do grau

    de satisfação dos seus usuários.

    3.1.1 Impacto dos fenômenos econômicos e tecnológicos na logística

    Para Fleury et al. (2000, p. 27), a “Logística é um verdadeiro paradoxo”.

    Apresenta-se como uma das atividades econômicas mais antigas e um dos conceitos

    gerenciais mais modernos. A partir do momento que o homem abandonou o

    extrativismo e iniciou as atividades produtivas organizadas, com produção especializada

    e troca de excedentes com outros produtores, surgiram três das mais importantes

    funções logísticas: estoque, armazenagem e transporte. A produção em excesso, ainda

    não consumida, vira estoque. Para garantir sua integridade, o estoque necessita de

    armazenagem. E para que a troca possa ser efetivada, seria necessário transportá-la do

    local de produção ao local de consumo.

    Portanto, a função logística é muito antiga, e seu surgimento se confunde com

    a origem da atividade econômica organizada. O que vem fazendo da Logística um dos

    conceitos gerenciais mais modernos são, ainda segundo Fleury et al. (2000), dois

    conjuntos de mudanças, o primeiro de ordem econômica, e o segundo de ordem

    tecnológica. Mudanças econômicas decorrentes da globalização, dos menores ciclos de

    vida de produtos, maiores exigências de serviço e aumento das incertezas ou crises

    regionais - que tendem a espalhar-se numa escala mundial - criam novas exigências

    competitivas.

    Em seu conjunto, todas as mudanças de ordem econômica vêm transformando

    a visão da Logística, que passou a ser vista não mais como uma simples atividade

    operacional, um centro de custos, mais sim como uma atividade estratégica, umaferramenta gerencial.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    32/120

    31

    A exploração da Logística como arma estratégica resulta da combinação de

    sua crescente complexidade com a utilização intensiva de novas tecnologias. Na base

    dessas novas tecnologias está a revolução da Tecnologia de Informações, que vem

    marcando o cenário mundial nas últimas décadas. Combinadas, as aplicações de

    hardware e software  permitem otimizar o sistema logístico de qualquer organização,

    que passariam a gerenciar de forma mais integrada e eficiente seus diversos

    componentes, quer sejam estoques, armazenagem, transporte e outros.

    As mudanças ocorridas com a evolução da tecnologia de informação

     possibilitaram ampla modificação do modus operandi  de diversas organizações,

    trazendo impactos positivos sobre o planejamento, a execução e o controle logístico.

    A humanidade evoluiu em direção à sociedade do conhecimento e da

    informação, baseada na utilização sempre mais difusa dos computadores. A cada dia

    surgem novas descobertas em todos os campos do conhecimento. A concorrência é

    global e não conhece fronteiras; o movimento das populações é contínuo de uma parte à

    outra da Terra e constante é a preocupação para o futuro do planeta.

    A economia mundial é caracterizada nos dias atuais pela troca e fluxo quase

    que instantâneos de informação, capital e comunicação. Esses fluxos regulam oconsumo e a produção. A dependência dos indivíduos em relação aos novos modos de

    fluxo informacional dá um enorme poder de controle sobre a sociedade àqueles que

    estão em posição de controlá-los.

    Castells (1999) afirma que vários acontecimentos de importância histórica têm

    mudado o panorama social da humanidade. Para ele, uma verdadeira revolução

    tecnológica concentrada nas tecnologias da informação está remodelando a base

    material da sociedade em ritmo acelerado. As economias de todo o mundo passaram amanter uma interdependência global, apresentando o que chama de “uma nova forma de

    relação entre a economia, o Estado e a sociedade em um sistema de geometria variável”

    (p.22). O próprio capitalismo passa por um processo de gerenciamento, descentralização

    das organizações e nova disposição em redes, tanto internamente quanto em suas

    relações com outras organizações.

    O sistema tecnológico em que está inserida a sociedade atual surgiu, segundo

    Castells (1999), no início dos anos 70 com a invenção do microprocessador - principaldispositivo de difusão da microeletrônica. As tecnologias desenvolvidas a partir daí,

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    33/120

    32

    embora baseada nos conhecimentos já existentes e desenvolvidos como uma extensão

    das tecnologias mais importantes, representaram um salto qualitativo na difusão maciça

    da tecnologia em aplicações comerciais, civis e militares. O microcomputador, o

    comutador eletrônico, a fibra ótica e diversos sistemas operacionais surgiram e

    desenvolveram-se a partir desse período. Por fim, foi nesse período, mais precisamente

    em 1969, que a ARPA (Agência de Projetos de Pesquisa Avançada), do Departamento

    de Defesa norte-americano, instalou uma nova e revolucionária rede eletrônica de

    comunicação que se desenvolveu durante os anos 70 e veio a se tornar a espinha dorsal

    da comunicação global mediada por computadores, do século passado, e deste que ainda

    se inicia: a Internet.

    A Internet é considerada por Castells (1999) uma rara mistura de estratégia

    militar, grande cooperação científica e inovação cultural. No geral, embora haja grande

    divergência na afirmação sobre o total de usuários conectados atualmente na Internet, há

    convergência, segundo Kobayashi (2000), de que ao fim dos anos 90 mais de 36

    milhões de pessoas tinham acesso a ela e que, no início deste século, estimou-se um

     potencial de centenas de milhões de usuários em todo o mundo. A história do

    desenvolvimento da Internet, apesar de não se constituir objetivo deste trabalho, fornece

    material necessários para o entendimento das características técnicas, organizacionais e

    culturais dessa rede, abrindo caminho assim para a avaliação de inúmeros e

    significativos impactos sociais. 

    Tamanha é a revolução tecnológica defendida por Castells (1999) que este

    sugere a formação de uma Sociedade Informacional, do mesmo modo que estudiosos, à

    época, se referiam à Sociedade Industrial  dos séculos XVIII e XIX, marcada por

    características comuns em seus sistemas sociotécnicos. No entanto, com algumas

    ressalvas: por um lado, as sociedades informacionais, como existem atualmente, são

    capitalistas (diferentemente das sociedades industriais, algumas delas eram estatistas);

     por outro, deve-se acentuar a diversidade cultural e institucional das sociedades

    informacionais. Citando inclusive o Brasil, Castells (1999, p.38) exemplifica a

    existência de sociedades informacionais:

     Nessa nova trajetória para a modernização universal, desta

    vez medida por índices de difusão de computadores, a

    exclusividade japonesa ou as diferenças da Espanha não vão

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    34/120

    33

    desaparecer em um processo de não-diferenciação cultural.

     Nem a China, nem o Brasil serão fundidos no cadinho

    global do capitalismo informacional, ao continuarem seu

    caminho desenvolvimentista na alta velocidade do

    momento. Mas o Japão, tanto quanto a Espanha, a China, o

    Brasil e os EUA são e serão, ainda mais no futuro,

    sociedades informacionais, pois os principais processos de

    geração de conhecimentos, produtividade econômica, poder

     político/militar e a comunicação via mídia já estão

     profundamente transformados pelo paradigma

    informacional e conectados às redes globais de riqueza, poder e símbolos que funcionam sob essa lógica.

    Em função dessa constante preocupação com as inovações tecnológicas do

    mundo atual e suas mudanças ambientais, estratégias de melhoria de gestão são

    implantadas por dirigentes de grandes corporações privadas. Nesse sentido, aumenta de

    importância a adoção de diversas práticas gerenciais que conduzam a um melhor

    desempenho dos processos, projetos, produtos e serviços. Fleury et al. (2000) cita que a

    cadeia de supermercados Pão de Açúcar investiu fortemente em processos de

    automação e comunicações, que lhe permitiram conectar-se eletronicamente com seus

    fornecedores. Da mesma forma, as Lojas Americanas, que até 1995 não possuíam

    nenhuma ligação  Electronic Data Intercharge (EDI) partiram para um agressivo

     programa de interligação com seus principais fornecedores. Essa onda de investimentos

    indica a importância vital da logística para as empresas.

    Para a administração pública não seria diferente. Fez-se necessário educar - ou

    reeducar - as pessoas e o modelo vigente. Para se reconstruir a administração pública foi

    fundamental a implementação de um modelo de gestão menos burocrático, mais

    empreendedor. Essa nova forma de gestão, segundo Pereira (2001), denominada

     Administração Pública Gerencial, buscou condições para as organizações se adaptarem

    à complexidade do momento atual, às grandes incertezas e instabilidades que circundam

    o ambiente organizacional, como citado anteriormente, a globalização e o

    desenvolvimento tecnológico acelerado.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    35/120

    34

     No contexto da Administração Pública enquadram-se as organizações

    militares. Estas também buscam, de acordo com o novo modelo de gestão, acompanhar

    os avanços da ciência e da tecnologia. Novos uniformes, equipamentos mais modernos e

    armas de fogo cada vez mais eficazes desenvolvem-se a todo instante. Por isso, as

    inúmeras necessidades materiais colocam as considerações logísticas no mesmo nível

    das considerações de ordem tática e estratégica.

    Certamente a era da informação criou raízes rapidamente, e sua presença foi

    tão marcante que hoje está consolidada. Mas esta disseminação da informação pelo

    mundo teve diversos efeitos profundos. Um deles, segundo Moura (2003), foi a

    mudança de uma economia nacional e fechada para uma global. Os clientes e

    competidores de uma empresa não estão mais em uma mesma cidade ou algum lugar de

    seu país: eles estão em qualquer parte do globo. Os automóveis, por exemplo, até pouco

    tempo chamados de “importados”, deixaram de sê-los. Os fabricantes de televisores

     japoneses conquistaram o mundo. A internet por si só dá aos consumidores mais

    alternativas e facilidades para a solicitação de pedidos cada vez mais rapidamente.

    Em visita realizada por oficiais intendentes do Curso Intendência da Escola de

    Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO), em outubro de 2004, na qual este pesquisador se

    encontrava presente, a uma empresa especializada em logística de transporte, a

    VarigLog do Rio de Janeiro, foi verificado que, certa vez, esta empresa foi incapaz de

    atender aos compromissos de entrega a seus clientes, resultando em muitos pedidos

    cancelados e determinando uma significante queda no faturamento. Não porque eles

     precisavam de mais informações, mas porque não conseguiram disponibilizar as peças

    certas, na quantidade certa, no momento certo.

    Isto não é um problema de informação, é um problema logístico. Segundo

    informações colhidas de um dos gerentes da empresa, o transporte aéreo leva, em

    média, dois dias. No entanto, a carga gasta 90% deste tempo no solo e apenas 10% no

    ar. Uma carga chega a ser movimentada ou manuseada 36 vezes. Aeronaves mais

    rápidas não conseguiriam solucionar este problema.

    É claro que a informação continuará sendo muito importante, mas apenas

    quando as informações em tempo real preocuparem-se com a cadeia logística as coisas

    acontecerão mais rapidamente. Acredita-se que o novo mestre será a logística –informação servindo a logística – não vice-versa. Se atualmente diz-se que o mundo

    encontra-se na era da informação, é possível que num futuro bem próximo uma nova

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    36/120

    35

    era, advinda de uma revolução silenciosa, mas que está aqui, agora, e está fazendo cada

    vez mais barulho, venha tomar o seu lugar: a Era da Logística.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    37/120

    36

    3.2 A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO LOGÍSTICO

    Em termos históricos, verifica-se que antes da década de 50 a responsabilidadeorganizacional pela logística estava dispersa por toda a empresa e que a estruturação

    logística como organização integrada apareceu pela primeira vez na década de 50

    (BALLOU, 2001; BOWERSOX, 2001; MOURA, 1998). A partir dessa época, iniciou-

    se o desenvolvimento do conceito logístico que hoje se utiliza.

    A cada momento, a prática da logística reflete e alimenta o pensamento

    logístico, em uma criativa interação entre o meio acadêmico e o meio organizacional.

    Mas o que seria o pensamento logístico? Segundo Fleury et al. (2000), são os conceitose teorias que orientam o estudo e a pesquisa em Logística, influenciando o que se

    considera relevante e justificando as soluções propostas para os problemas logísticos.

    Em linhas gerais, o campo da Logística evoluiu de um tratamento mais restrito, voltado

     para a distribuição física de materiais e bens, para um escopo mais abrangente, em que

    se considera a cadeia de suprimentos em sua totalidade e as atividades de aquisição,

    administração de materiais e distribuição. Assim, não se limita a uma única função

    dentre as estudadas em Administração, como Marketing ou as Operações, masrepresenta, de fato, uma área de integração de distintos enfoques.

    Em pesquisas realizadas com autoridades em Logística nas universidades

    americanas, os professores John Kent e Daniel Flint, citados por Fleury et al., 2000,

    estudaram a evolução do pensamento na área e apontaram cinco eras ou etapas

     principais. A figura 3.1 ilustra a evolução do pensamento logístico.

    A primeira era denominada “do campo ao mercado”, teve seu início situado na

    virada para o século XX, sendo a economia agrária sua principal influência teórica. A

     principal preocupação, no caso, era com questões de transporte para escoamento da

     produção agrícola.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    38/120

    37

    Figura 3.1 – Evolução do Pensamento Logístico (Kent e Flint, apud Fleury et al. , 2000)

    Fonte: Fleury et al. , 2000 

    Rotulada de “funções segmentadas”, a segunda era, estendendo-se de 1940 ao

    início da década de 70, sofre grande influência militar. Não é por acaso que o próprio

    termo “logística” tem raízes na movimentação e na garantia de abastecimento das tropas

    nas guerras. O pensamento logístico estava voltado, aqui, para a identificação dos principais aspectos da eficiência no fluxo de materiais, em especial as questões de

    Era do “Campo ao Mercado”

    Economia agrária

    Início do século XX até anos 40

    Era do supply chain

    Logística como diferenciação

    Anos 90 até hoje 

    Era do foco no cliente

    Busca por eficiência

    Anos 80 até meados dos anos 90 

    Era da integração interna

    Funções integradas

    Anos 70 até meados dos anos 80 

    Era da especialização

    Ênfase nos desempenhosfuncionais

    Anos 40 até início dos anos 70 

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    39/120

    38

    armazenamento e transporte, tratadas separadamente no contexto da distribuição de

     bens.

    A terceira era, denominada de “funções integradas”, vai do início da década de

    70 até os primeiros anos da década de 80. Como seu nome indica, trata-se do começo de

    uma visão integrada nas questões logísticas, explorando-se aspectos como custo total e

    abordagem de sistemas. Pela primeira vez, o foco deixa de recair na distribuição física

     para englobar um espectro mais amplo de funções, sob a influência da economia

    industrial. É interessante observar que é neste período que se presencia o aparecimento,

    tanto no ensino quanto na prática da Logística de um gerenciamento consolidado das

    atividades de transporte de suprimentos e distribuição, armazenagem, controle de

    estoques e manuseio de materiais.

    A era seguinte, estendendo-se do início dos anos 80 até meados dos anos 90,

    corresponde ao “foco no cliente”, com ênfase na aplicação de métodos quantitativos e

    qualitativos às questões logísticas, com o objetivo final de atender as necessidades e

    satisfazer as expectativas de seus clientes. Seus principais focos são as questões de

     produtividade e custos de estoque. É exatamente neste período que se irá identificar uma

    intensificação do interesse pelo ensino e pesquisa da Logística nas escolas de

    administração.

    A quinta era, que vai de meados da década de 90 até o presente, tem ênfase

    estratégica, como indica o rótulo que lhe foi atribuído: “A logística como elemento

    diferenciador”. Identificada como a última fronteira empresarial em que se podem

    explorar novas vantagens competitivas, é ai que surge o conceito de Supply Chain

     Management,  cujo pano de fundo é a globalização e o avanço na tecnologia da

    informação. Esse período implica e implicará maior preocupação com as interfaces,

    dentro das organizações, entre as diferentes funções, além de maior destaque das

    considerações logísticas no mais alto nível de planejamento estratégico das corporações.

    Analisando toda a evolução deste pensamento, pode-se afirmar que, se a

    logística era vista no passado como processo de abastecimento de materiais ou mesmo

    atividade de transporte na distribuição física, a partir dos anos 80 ganhou uma maior

    abrangência, quando as organizações perceberam a sua importância na administração

    integrada dos processos de suprimentos, produção e distribuição física, ficandoestabelecido o conceito da logística integrada.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    40/120

    39

    A partir do início deste processo de integração, consolidado pela obtenção de

    significativos resultados relacionados ao aumento de produtividade e à melhoria do

    nível de serviço ao cliente, as empresas elegeram a logística como o instrumento de

    integração de toda a cadeia de negócios, envolvendo clientes, fornecedores e todos

    aqueles relacionados direta ou indiretamente com a mesma.

    Ou seja, a necessidade de integração evoluiu de dentro para fora das

    organizações, constituindo, conforme afirma Moura (2003, p. 38), uma “rede de

    organizações integradas”, desde os fornecedores de matéria-prima até os consumidores

    finais. Esta constituição integrada se traduz na cadeia de abastecimento, que

    naturalmente se transformou na visão da logística moderna.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    41/120

    40

    3.3 A LOGÍSTICA INTEGRADA

    O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nosconceitos gerenciais, especialmente no que toca à função de operações. O momento da

    qualidade total trouxe consigo um conjunto de técnicas e procedimentos como o  Just in

    Time (JIT), Kanban2 e o Controle Estatístico de Processo (CEP).

    Amplamente adotadas em quase todos os países industrializados de economia

    de mercado, essas técnicas e procedimentos contribuíram para um grande avanço da

    qualidade e produtividade. Na trilha desse conjunto de mudanças, dois outros conceitos

    surgiram e vêm empolgando as organizações produtivas: a Logística Integrada e oGerenciamento da Cadeia de Suprimentos.

     Na seção anterior deste ensaio, que abordou a evolução do pensamento

    logístico, verificou-se que a evolução da logística ocorreu de dentro para fora da

    organização (MOURA, 2003), por meio de estágios que se iniciam nas funções

    logísticas dispersas pela organização, passam pela integração interna sob gestão única e

    terminam por extrapolar as fronteiras da organização através da gestão da cadeia de

    suprimentos, onde há outras organizações participantes, e o foco nos elos de interação proporciona objetivos comuns, sempre buscando o maior nível de serviço aos clientes

    ao menor custo possível.

    Dessa forma, verifica-se que a logística ocorre dentro e dentre organizações,

    caracterizando integração interna e externa. Segundo Bowersox (2001, p. 383): “a chave

     para se alcançar uma logística de classe mundial é obter a integração das operações,

    interna e externa”. Fleury et al. (2000, p. 37) também aborda tal questão:

    A integração interna, ou seja, o gerenciamento integrado dos

    diversos componentes do sistema logístico, é uma condição

    necessária para que as empresas consigam atingir excelência

    operacional com baixo custo. Para atingir essa meta, as

    empresas necessitam conhecer muito bem os trade-offs 

    inerentes a sua operação logística, e possuir sistemas e

    organização adequadas para tomar as decisões de forma

    integrada.

    2. Ferramenta conhecida na forma de um cartão utilizado para esclarecer a produção (Fleury et al., 2000).

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    42/120

    41

    A integração externa, outra das dimensões da excelência

    logística, significa desenvolver relacionamentos cooperativos

    com os diversos participantes da cadeia de suprimentos,

     baseados na confiança, capacitação técnica e troca de

    informações. A integração externa pode eliminar duplicidade,

    reduzir custos, acelerar o aprendizado e customizar serviços.

    Essas duas dimensões da logística, interna e externa, são denominadas

    Logística Integrada e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos, respectivamente. O

     primeiro deles, a Logística Integrada, despontou no começo da década de 80 e evoluiu

    rapidamente nos 15 anos que se seguiram, impulsionada principalmente, segundo Fleury

    et al. (2000), pela revolução da tecnologia da informação e pelas exigências crescentes

    de desempenho em serviços de distribuição, conseqüência dos movimentos da produção

    enxuta e do JIT. Embora ainda em evolução, o conceito de Logística Integrada já está

     bastante consolidado nas organizações produtivas dos países mais desenvolvidos, tanto

    em nível conceitual quanto de aplicação.

    O Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos, ou  Supply Chain Management

    (SCM), ou ainda, para Moura (2003), Logística da Cadeia de Abastecimento, começou a

    se desenvolver apenas no início dos anos 90. Mesmo em nível internacional, são poucas

    as empresas que já conseguiram implementá-lo com sucesso, e, em nível acadêmico, o

    conceito ainda pode ser considerado em construção. Existem inclusive alguns autores

    que consideram o SCM como apenas um novo nome, uma simples extensão do conceito

    de logística integrada, ou seja, uma ampliação da atividade logística para além das

    fronteiras organizacionais, na direção de cliente e fornecedores na cadeia de

    suprimentos.

    Já Fleury et al. (2000, p. 49) apresenta outra abordagem:

    O conceito de Supply Chain Management surgiu como uma

    evolução natural do conceito de Logística Integrada.

    Enquanto a Logística Integrada representa uma integração

    interna de atividades, o Supply Chain Management  representa

    sua integração externa, incluindo uma série de processos de

    negócios que interligam os fornecedores aos consumidoresfinais.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    43/120

    42

    O que parece claro é que esses novos conceitos chegaram para ficar. Os

    resultados obtidos pelas empresas que já conseguiram implementá-los com sucesso são

    uma garantia de que estes não são apenas “modismos gerenciais”, mas algo que vem

    crescentemente despertando a atenção da alta cúpula gerencial nas grandes e mais

    modernas organizações internacionais.

     No Brasil, a onda do SCM começou a espalhar-se no final da década de 90,

    impulsionada pelo movimento da logística integrada que vem se acelerando no país.

    Segundo Fleury et al. (2000), maior prova disso é o movimento ECR Brasil ( Efficient

    Consumer Response), iniciado em meados de 1997, e que só em novembro de 1998

    apresentou os primeiros resultados, que apontaram para um grande potencial de redução

    de custos.

    As figuras 3.2 e 3.3 ilustram a Logística Integrada e o SCM, respectivamente,

    segundo Bowersox (2001):

    Figura 3.2 – A integração logística

    Fonte: Bowersox, 2001 (p. 44). 

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    44/120

    43

    Figura 3.3 – A integração da cadeia de suprimentosFonte: Bowersox, 2001 (p. 99)

    Para Silva (2002, p. 29), existem organizações que, devido às suas

    características, estão em diferentes níveis de integração logística:

     Nem todas as organizações podem operar segundo o

    conceito de supply chain; algumas por questões

     puramente formais ou legais (é o caso da administraçãodireta e das empresas públicas ou de economia mista,

    todas vinculadas à legislação que regula as licitações

     públicas), outras por suas características operacionais ou

    de mercado. Assim, a prática da logística pode ser

    exercida em diferentes perspectivas, segundo o foco

    dominante de cada uma delas.

    Devido à natureza das organizações militares e sua principal finalidade, bem

    como, para os objetivos deste estudo, as considerações deste trabalho foram centradas

    na Logística Integrada, já que esta tem a organização como cenário de ocorrência de

    suas atividades, enquanto que o Supply Chain Management  explora tal cenário e inclui

    em seu escopo outras organizações que compõem determinada cadeia de suprimento

    (integração externa), incluindo uma série de processos de negócios que interligam os

    fornecedores aos consumidores finais3

    .

    3. Sobre a integração externa da logística militar pode ser citado Taguchi (1999), que realizou um estudosobre a integração da logística entre as três Forças Armadas brasileiras.

  • 8/18/2019 A LOGÍSTICA MILITAR E O SERVIÇO DE INTENDÊNCIA: UMA ANÁLISE DO PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DO EX…

    45/120

    44

    3.3.1 Porque a Logística precisa ser integrada

    Quando os profissionais de logística evitam disputas e desperdício de energia

    em favor da participação da equipe, todos saem vencedores. Para muitas organizações,

    cada componente da logística trabalha como uma “peça separada” da cadeia total.

    Muitas pessoas acham que é assim que devia ser, elas enxergam a abordagem separada

    como um caminho direto para o sucesso, argumentando que, se cada unidade

    relacionada à logística (como transporte e armazenagem) procurar ser o “número um”, a

    função coletiva será mais eficiente.

    Programas logísticos em ação bem sucedidos podem ser encontrados na

    literatura e observados no cotidiano de algumas empresas. No entanto, muitos erros e

    oportunidades perdidas já foram verificados, em que os fracassos podem ter ocorrido

     pela falta de trabalho em equipe.

    Moura et al  (2003) citam o exemplo de um silo de armazenagem de uma

    determinada organização que reduziu seus estoques transferindo-se para um armazém

    com aluguel mais baixo. No entanto, o novo armazém possuía portas menores para