A ponte japonesa” de Claude Monet Linguagens e Códigos - Arte · foi um movimento artístico que...

of 33/33
Linguagens e Códigos - Arte Ensino Médio, 1ª SÉRIE IMPRESSIONISMO “ A ponte japonesa” de Claude Monet
  • date post

    09-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    213
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of A ponte japonesa” de Claude Monet Linguagens e Códigos - Arte · foi um movimento artístico que...

  • Linguagens e Cdigos - Arte Ensino Mdio, 1 SRIE

    IMPRESSIONISMO

    A ponte japonesa de Claude Monet

  • O Ocidente, entre final

    do sculo XVIII e incio

    do sculo XIX, varrido

    por uma onda de

    revolues liberais,

    polticas, e por outro

    lado, de revolues

    industriais.

    Toda essa situao vem

    provocou mudanas,

    principalmente ao nvel

    poltico, o que causou

    uma maior estabilidade,

    devido ao triunfo das

    democracias liberais e

    consolidao da

    burguesia.

    Im

    agem

    : Le M

    annequin

    ' page: 51 /

    United S

    tate

    s P

    ublic

    Dom

    ain

    .

    Imagem

    : A

    Vie

    w in W

    hitechapel R

    oad

    , 1831 /

    H. T

    . A

    lken / P

    ublic

    Dom

    ain

    .

  • Outras caractersticas

    desse perodo so o

    Capitalismo e a

    industrializao em

    ascenso, bem como o

    avano das cincias e

    tcnicas. So criaes

    dessa poca o telefone, a

    eletricidade, o cinema e a

    fotografia (grandes

    smbolos de Modernidade).

    Nessa poca, comearam a

    organizar-se exposies

    universais para apresentar

    as inovaes e Paris tornou-

    se o centro da vida artstica e

    cultural ocidental.

    Imagem

    : A

    dolp

    he B

    itard

    / U

    nited S

    tate

    s p

    ublic

    dom

    ain

    .

    Imagem

    : P

    opula

    r S

    cie

    nce M

    onth

    ly V

    olu

    me 1

    3 /

    United S

    tate

    s p

    ublic

    dom

    ain

    .

  • O Impressionismo

    um movimento

    artstico surgido na

    Frana, no sculo

    XIX. Esse fenmeno

    artstico criou uma

    nova viso conceitual

    da natureza,

    utilizando pinceladas

    soltas, dando nfase

    na luz e no

    movimento.

    Geralmente as telas

    eram pintadas ao ar

    livre para que o

    pintor pudesse

    capturar melhor as

    nuances da luz e da

    natureza.

    Imagem: Van Gogh / A Vinha Vermelha , 1888 / Public Domain.

  • A primeira vez que o

    pblico teve contato

    com a obra dos

    impressionistas foi

    numa exposio

    coletiva realizada em

    Paris, em abril de

    1874.

    O pblico e a crtica

    reagiram muito mal

    ao novo movimento,

    pois ainda se

    mantinham fiis aos

    princpios

    acadmicos da

    pintura.

    Imagem: Claude Monet retratado por Edouard Manet, 1874 / Neue Pinakothek / Public Domain.

  • A arte alegre e vibrante dos

    impressionistas enche os olhos

    de cor e luz.

    A presena dos contrastes, da

    natureza, transparncias

    luminosas, claridade das

    cores, sugesto de felicidade e

    de vida harmoniosa

    transparecem nas imagens

    criadas pelos impressionistas. Im

    agem

    : E

    dgar

    Degas / A

    prim

    eira b

    aila

    rina,

    1878 / P

    ublic

    Dom

    ain

    .

  • Imagem

    : B

    ert

    he M

    arisot

    / C

    aa d

    e B

    orb

    bule

    tas / M

    use d

    'Ors

    ay

    / P

    ublic

    Dom

    ain

    .

  • O

    Impressionismo

    foi um

    movimento

    artstico que

    revolucionou

    profundamente

    a pintura e deu

    incio s

    grandes

    tendncias da

    arte do sculo

    XX.

    Imagem: Claude Monet / Impresso: nascer do sol, 1872 / Public Domain.

  • Havia algumas

    consideraes

    gerais, muito

    mais prticas do

    que tericas, que

    os artistas

    seguiam em

    seus

    procedimentos

    tcnicos para

    obter os

    resultados que

    caracterizaram a

    pintura

    impressionista.

    Imagem: Camille Pissarro / Avenue de l'Opra, Soleil, Matine d'hiver, 1898 / Public Domain.

  • Os autores impressionistas

    no mais se preocupavam

    com os preceitos do

    Realismo ou da

    academia. A busca pelos

    elementos fundamentais de

    cada arte levou os pintores

    impressionistas a pesquisar

    a produo pictrica no

    mais interessados em

    temticas nobres ou no

    retrato fiel da realidade,

    mas em ver o quadro como

    obra em si mesma.

    Imagem:Monet - Tulip Fields With The Rijnsburg Windmill. http://www.cultura.rj.gov.br/materias/obras-

    impressionistas-em-rio-das-ostras.

  • Principais caractersticas

    da pintura:

    - A pintura deve registrar

    as tonalidades que os

    objetos adquirem ao refletir

    a luz solar num

    determinado momento,

    pois as cores da natureza

    se modificam

    constantemente,

    dependendo da incidncia

    da luz do sol;

    Imagem: Nature Morte la Soupire, 1877, Paul Czanne. http://casavogue.globo.com/MostrasExpos/noticia/2012/08/brasil-ve-obras-primas-do-impressionismo.html.

  • - As figuras no devem ter contornos ntidos, pois a linha uma abstrao do ser

    humano para representar imagens;

    .

    Imagem: Madame Darras, 1868, Auguste Renoir.

    http://casavogue.globo.com/MostrasExpos/noticia/2012/08/brasil-

    ve-obras-primas-do-impressionismo.html.

  • - As sombras devem ser

    luminosas e coloridas, tal

    como a impresso visual

    que nos causam, e no

    escuras ou pretas, como os

    pintores costumavam

    represent-las no passado;

    Imagem:Paysannes Bretonnes, 1894, Paul Gauguin

    http://casavogue.globo.com/MostrasExpos/noticia/2012/08/brasil-ve-obras-primas-do-impressionismo.html.

  • - Os contrastes de luz e

    sombra devem ser

    obtidos de acordo com a

    lei das cores

    complementares. Assim,

    um amarelo prximo a um

    violeta produz uma

    impresso de luz e de

    sombra muito mais real do

    que o claro-escuro to

    valorizado pelos pintores

    barrocos;

    Imagem: Les Alyscamps, 1888, Paul Gauguin. http://casavogue.globo.com/MostrasExpos/noticia/2012/08/brasil-ve-obras-primas-do-impressionismo.html.

  • - As cores e tonalidades

    no devem ser obtidas

    pela mistura das tintas

    na paleta do pintor. Pelo

    contrrio, devem ser

    puras e dissociadas nos

    quadros em pequenas

    pinceladas;

    - o observador que, ao

    admirar a pintura,

    combina as vrias cores,

    obtendo o resultado

    final. A mistura deixa,

    portanto, de ser tcnica

    para se ptica.

    Imagem: Georges Seurat / As Modelos, 1887-88 / Public Domain.

  • - Romper completamente com o

    passado.

    - Fazer pesquisas sobre a

    ptica(iluses).

    - Ser contra a cultura tradicional.

    - Pertencer a um grupo individualizado.

    - Falar de arte, sociedade etc., no

    concordar com as mesmas coisas,

    porm discordar do mesmo.

    - Pintar para o exterior, que com a

    evoluo da indstria

    proporciona telas com mais formatos,

    tubos com as tintas, entre outras

    coisas.

    Imagem: Pierre-Auguste Renoir / O Almoo dos Remadores, 1881 /

    United States Public Domain.

    Aes que caracterizam o impressionista:

  • Principais artistas:

    Claude Monet -

    Incessante pesquisador

    da luz e seus efeitos.

    Pintou vrios motivos

    em diversas horas do

    dia, a fim de estudar as

    mutaes coloridas do

    ambiente com sua

    luminosidade.

    Imagem: Claude Monet / Estao de St-Lazare, 1877 / United States Public Domain.

    Imagem

    : C

    laude M

    onet /

    Auto

    rretr

    ato

    em

    Bere

    t /

    United S

    tate

    s P

    ublic

    Dom

    ain

    .

  • Auguste Renoir - Foi o pintor

    impressionista que ganhou maior

    popularidade, chegando a ter o

    reconhecimento da crtica, ainda em vida.

    Seus quadros manifestam otimismo,

    alegria e a intensa movimentao da vida

    parisiense do fim do sculo XIX.

    Imagem: Pierre-Auguste Renoir / Retrato de Madame Henriot, 1876 1877 / United States Public Domain.

    Imagem

    : P

    ierr

    e-A

    uguste

    Renoir /

    Auto

    rretr

    ato

    , 1899 /

    United S

    tate

    s P

    ublic

    Dom

    ain

    .

  • Pintou o

    corpo

    feminino com

    formas puras

    e isentas de

    erotismo e

    sensualidade.

    Preferia os

    nus ao ar

    livre, as

    composies

    com

    personagens

    do cotidiano,

    os retratos e

    as naturezas

    mortas.

    Imagem: Pierre-Auguste Renoir / Bau du Moulin de la Galette, 1876 / Muse d'Orsay / United States Public Domain.

  • Edgar Degas - Sua formao acadmica

    e sua admirao por Ingres fizeram com

    que valorizasse o desenho e no apenas

    a cor, que era a grande paixo do

    Impressionismo.

    Alm disso, foi pintor de poucas

    paisagens e cenas ao ar livre.

    Os ambientes de seus quadros so

    interiores e a luz artificial. Sua grande

    preocupao era flagrar um instante da

    vida das pessoas, aprender um momento

    do movimento de um corpo ou da

    expresso de um rosto. Adorava o teatro

    de bailados.

    Imagem

    : E

    dgar

    Degas / A

    uto

    rretr

    ato

    , 1863 / P

    ublic

    Dom

    ain

    .

  • Imagem

    : D

    egas / O

    Ensaio

    , 1873

    -78 /F

    ogg A

    rt M

    useum

    /

    Zenodot V

    erlagsgesells

    chaft m

    bH

    / G

    NU

    Fre

    e D

    ocum

    enta

    tion L

    icense.

  • Imagem: Gaspard-Flix Tournachon /

    Foto de douard Manet, 1870 /

    United States Public Domain.

    douard Manet e seus seguidores viram

    que a arte tradicional representava

    homens e/ou objetos sob condies muito

    artificiais. Perceberam que o pblico

    estava to acostumado com aquele estilo

    de pintura, que j no notavam as

    diferenas entre um objeto retratado no

    estdio e outro ao ar livre. Esse grupo de

    pintores observou que se olharmos a

    natureza ao ar livre no vemos objetos

    individuais, cada um com sua cor prpria,

    mas uma brilhante mistura de matizes

    que se combinam em nossos olhos e

    mente.

  • Imagem: douard Manet / As corridas em Longchamp, 1864 - 1865 / Art Institute of Chicago /

    Zenodot Verlagsgesellschaft mbH / GNU Free Documentation License.

  • No incio do sculo XX, Eliseu

    Visconti foi sem dvida o artista

    que melhor representou os

    postulados impressionistas no

    Brasil.

    Sobre o impressionismo de

    Visconti, diz Flvio de Aquino:

    "Visconti , para ns, o precursor

    da arte dos nossos dias, o nosso

    mais legtimo representante de

    uma das mais importantes etapas

    da pintura contempornea: o

    Impressionismo. Trouxe-o da

    Frana ainda quente das

    discusses, vivo; transformou-o,

    ante o motivo brasileiro, perante a

    cor e a atmosfera luminosa do

    nosso Pas.

    Imagem: Eliseu Visconti / Maternidade /

    http://www.eliseuvisconti.com.br/Catalogo/Principal/3/Catalogo.aspx

  • No Brasil, destaca-se o

    pintor Eliseu Visconti, que

    no se preocupa mais em

    imitar modelos clssicos. Ele

    procurou, decididamente,

    registrar os efeitos da luz

    solar nos objetivos e seres

    humanos que retrata em

    suas telas.

    Imagem: EliseuVisconti / Moa no Trigal (po e flores), 1913 /

    http://www.eliseuvisconti.com.br/Catalogo/Descricao/1/Mo%C3%A7a_No_Trigal.aspx

  • Ganhou uma

    viagem Europa,

    onde teve contato

    com a obra dos

    impressionistas.

    A influncia que

    recebeu desses

    artistas foi to

    grande que ele

    considerado o

    maior

    representante

    dessa tendncia na

    pintura brasileira.

    Imagem: Eliseu Visconti / Galinhas / http://www.eliseuvisconti.com.br/img/1/Galinhas%202red.jpg

  • Principais pintores impressionistas brasileiros: Eliseu Visconti, Almeida Jnior,

    Timtheo da Costa, Henrique Cavaleiro e Vicente do Rego Monteiro.

    Imagem: Jos Ferraz de Almeida Jnior / Violeiro, 1899 /

    Pinacoteca do Estado de So Paulo / United States Public Domain.

    Imagem: Eliseu Visconti / Copacabana /

    http://www.eliseuvisconti.com.br/img/1/obrasc_rio08.jpg

  • Imagem: Timtheo da Costa / Passeio Pblico, 1919 /

    Pinacoteca do Estado de So Paulo / United States

    Public Domain.

    Imagem: Henrique Cavaleiro / Rio Tarde / Pinacoteca Baro de

    Santo ngelo do Insituto de Artes da UFRGS /

    http://www6.ufrgs.br/acervoartes/modules/xcgal/displayimage.php?

    pid=437&album=search&cat=0&pos=0

  • Imagem: Vicente do Rego Monteiro / Nascimento de Mani,1921 / Museu de

    Arte Contempornea da Universidade de So Paulo /

    http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Aquarela,_O_Nascimento_de_Man%

    C3%AD_%281921%29,_por_Vicente_Rego_Monteiro..jpg Imagem

    : V

    icente

    Rego M

    onte

    iro

    Retr

    ato

    de

    Joaquim

    Rego M

    onte

    iro,

    1920 / M

    useu d

    e A

    rte

    Conte

    mpor

    nea d

    a U

    niv

    ers

    idade d

    e S

    o P

    aulo

    /

    http://w

    ww

    .mac.u

    sp.b

    r/m

    ac/tem

    pla

    tes/e

    xposic

    oe

    s/2

    2id

    eia

    /22id

    eia

    _m

    onte

    iro_re

    trato

    .asp

    Vicente do Rego Monteiro nasceu em Recife, em 1899. um artista

    mltiplo: pintor, desenhista, muralista, escultor e poeta.

    A pintura de Vicente do Rego Monteiro marcada pela sinuosidade e

    sensualidade. Contido nas cores e contrastes, as obras do artista nos

    reportam a um clima mstico e metafsico.

  • Originando-se na Frana, a msica impressionista,

    caracterizada por sugesto e atmosfera, abstem-se

    dos excessos emocionais da Era Romntica.

    Compositores impressionistas preferiam

    composies com formas curtas como o Nocturne,

    Arabesque e o preldio. Um estilo musical do

    perodo da msica impressionista foi o efeito de

    planar sobre uma frase meldica. Essa tendncia

    era considerada distinta e marcante.

    Claude Debussy, especialmente, foi mestre desse

    efeito. "A msica orquestral de Debussy a que

    corresponde melhor sua imagem de

    impressionista". Maurice Ravel tambm utiliza os

    mesmo efeitos que Debussy, e sua Pavane pour

    une infante demonstra isto muito bem.

    Link para ouvir Nocturne,1892: http://www.youtube.com/watch?v=uyZJ3rNb4xM

    Claude Debussy

    Imagem: Die berhmten Musiker Kunstverlag

    Lucien Mazenod, Genf 1946 / Claude Debussy /

    Domnio Pblico.

    http://www.youtube.com/watch?v=uyZJ3rNb4xM

  • Assim como na pintura, a

    msica impressionista no

    possui linhas (meldicas)

    ntidas, suas melodias so

    pouco angulosas, sensuais e

    etreas. O efeito dos sons

    muito importante no contexto

    da obra, muitas vezes mais

    importante que a prpria

    melodia, como se pode

    observar nos floreios e

    dedilhados representados

    em Gaspard de La Nuit,

    obra para piano, de Maurice

    de Ravel . Imagem: Portrait de Maurice Ravel (1875 - 1937) au piano /

    Domnio Pblico..

    Link Para ouvir Gaspard de La Nuit, 1908 Ondine(1 Parte):

    http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Maurice_Ravel_Ondine.ogg?uselang=pt-br

    http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Maurice_Ravel_Ondine.ogg?uselang=pt-brhttp://commons.wikimedia.org/wiki/File:Maurice_Ravel_Ondine.ogg?uselang=pt-brhttp://commons.wikimedia.org/wiki/File:Maurice_Ravel_Ondine.ogg?uselang=pt-br

  • Fontes de pesquisa:

    - CHIPP, H.B. Teorias da Arte Moderna. So Paulo: Martins Fontes, 1993.

    - GOMBRICH, E.H. A Histria da Arte. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1978.

    - PROENA, Graa. Histria da Arte. So Paulo: Editora tica, 1994.

    - ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna; So Paulo: Companhia das Letras, 1992.

    - Link para a msica Nocturne: http://www.youtube.com/watch?v=uyZJ3rNb4xM

    http://www.youtube.com/watch?v=uyZJ3rNb4xM

  • COLGIO SO PAULO IRMS ANGLICAS - 2017

    Arte Nlia Armond Lopes 2 etapa