ACADEMIA CURVES - fharos.com.br · Com exercícios aeróbicos para perda de peso e treino de força...

of 4/4
Há uma grande diferença entre o individualismo e a individualidade. O individualismo é uma característica doentia da personalidade, ancorada na incapacidade de aprender com os outros na carência de solidariedade, no desejo de atender em primeiro, segundo e terceiro lugar aos próprios interesses. Em ultimo lugar ficam as necessidades dos outros. A individualidade, por sua vez, é ancorada na segurança, na determinação, na capacidade de escolha. É, portanto, uma característica muito saudável da personalidade. Infelizmente, desenvolvemos frequentemente o individualismo, e não a individualidade... A adoção das normas internacionais de contabilidade, conhecidas pela sigla IFRS, não é mais privilégio das empresas de grande porte ou das companhias abertas. Em meados de dezembro, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) aprovou uma resolução convertendo as normas do International Financial Reporting Standards para que sejam usadas pelas pequenas empresas. Ricardo Rodil, conselheiro do Instituto Brasileiro dos Auditores Independentes (Ibracon), lembra que o manual completo do IFRS tem 2,5 mil páginas e o das empresas menores ficou em 239 páginas. “Trata-se de uma simplificação grande, mas os critérios de reconhecimento de ativos, de passivos, de lucros e perdas continuam os mesmos”, afirma. A Norma Brasileira de Contabilidade (NBC) T 19.41, editada dia 17 de dezembro, não obriga as empresas de pequeno porte a adotarem as normas internacionais. “Não há um contexto legal, como uma lei, que obrigue as empresas a adotarem”, afirma Rodil. Mas ele ressalva que há um consenso que tende para a implementação das normas. Hoje, a contabilidade das empresas menores é feita com base na parte contábil da Lei das SA, a 6.404, de 1976. Não há uma obrigatoriedade para isso, mas tornou-se consensual. As regras internacionais são obrigatórias a partir deste ano para as companhias abertas e para as consideradas de grande porte, com ativos de R$ 240 milhões ou mais, ou receita bruta anual total de R$ 300 milhões, segundo a lei 11.638, de 2007. De modo geral, devem adotar as novas regras as pequenas empresas que recorram a empréstimos bancários, aquelas envolvidas em processos de fusões ou aquisições com alguma companhia estrangeira, as que fizerem operações de leasing e as que buscam recursos no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Nesses casos, as exigências serão de terceiros, já que, para conceder crédito ou fechar um contrato de leasing, as instituições financeiras devem exigir balanços em uma linguagem comum. O mesmo pode- se dizer quanto às operações com companhias internacionais. Continua na próxima edição
  • date post

    11-Dec-2018
  • Category

    Documents

  • view

    218
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of ACADEMIA CURVES - fharos.com.br · Com exercícios aeróbicos para perda de peso e treino de força...

H uma grande diferena entre o individualismo e a individualidade. O individualismo uma caracterstica doentia da personalidade, ancorada na incapacidade de aprender com os outros na carncia de solidariedade, no desejo de atender em primeiro, segundo e terceiro lugar aos prprios interesses.Em ultimo lugar ficam as necessidades dos outros.A individualidade, por sua vez, ancorada na segurana, na determinao, na capacidade de escolha. , portanto, uma caracterstica muito saudvel da personalidade.Infelizmente, desenvolvemos frequentemente o individualismo, e no a individualidade...

A adoo das normas internacionais de contabilidade, conhecidas pela sigla IFRS, no mais privilgio das empresas de grande porte ou das companhias abertas. Em meados de dezembro, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) aprovou uma resoluo convertendo as normas do International Financial Reporting Standards para que sejam usadas pelas pequenas empresas. Ricardo Rodil, conselheiro do Instituto Brasileiro dos Auditores Independentes (Ibracon), lembra que o manual completo do IFRS tem 2,5 mil pginas e o das empresas menores ficou em 239 pginas. Trata-se de uma simplificao grande, mas os critrios de reconhecimento de ativos, de passivos, de lucros e perdas continuam os mesmos, afirma. A Norma Brasileira de Contabilidade (NBC) T 19.41, editada dia 17 de dezembro, no obriga as empresas de pequeno porte a adotarem as normas internacionais. No h um contexto legal, como uma lei, que obrigue as empresas a adotarem, afirma Rodil. Mas ele ressalva que h um consenso que tende para a implementao das normas. Hoje, a contabilidade das empresas menores feita com base na parte contbil da Lei das SA, a 6.404, de 1976. No h uma obrigatoriedade para isso, mas tornou-se consensual. As regras internacionais so obrigatrias a partir deste ano para as companhias abertas e para as consideradas de grande porte, com ativos de R$ 240 milhes ou mais, ou receita bruta anual total de R$ 300 milhes, segundo a lei 11.638, de 2007. De modo geral, devem adotar as novas regras as pequenas empresas que recorram a emprstimos bancrios, aquelas envolvidas em processos de fuses ou aquisies com alguma companhia estrangeira, as que fizerem operaes de leasing e as que buscam recursos no Banco Nacional de Desenvolvimento Econmico e Social (BNDES). Nesses casos, as exigncias sero de terceiros, j que, para conceder crdito ou fechar um contrato de leasing, as instituies financeiras devem exigir balanos em uma linguagem comum. O mesmo pode-se dizer quanto s operaes com companhias internacionais.

Continua na prxima edio

edio .05

A Curves foi fundada no Texas, nos Estados Unidos, em 1992, pelo casal Gary e Diane Heavin, que atuavam nas reas de educao fsica e publicidade, respectivamente. O principal objetivo do casal foi criar um espao inclusivo e agregador, onde as mulheres se sentissem em casa, alm de propiciar uma rede de apoio. Os resultados obtidos com a primeira unidade fizeram com que fosse aberta a primeira franquia, em 1995, tambm no Texas. De l pra c, a Curves alcanou a marca de 10 mil unidades abertas, tornando-se a maior franquia de fitness do mundo, com 4 milhes de alunas em 70 pases.

Com sete anos de atuao no Brasil, a Curves Academia para Mulheres consolida-se como a maior rede de academias do Pas, especializada no atendimento ao pblico feminino de todas as idades, chegou ao Pas em 2003, introduzindo um mtodo inovador de condicionamento fsico e de reduo de peso e medidas., oferecendo um programa completo de sade, qualidade de vida e emagrecimento.

Com exerccios aerbicos para perda de peso e treino de fora e musculao para tonificao dos msculos, o circuito de atividade fsica da Curves prov um plano de exerccios que pode queimar at 500 calorias em apenas 30 minutos , com o importante diferencial dos equipamentos utilizados, que por serem hidrulicos , diminuem os riscos de leso e permitindo ainda que dois tipos de grupos musculares sejam trabalhados de uma s vez , potencializando o resultados de cada atividade. E, somando-se ao aconselhamento nutricional que pode ser feito atravs do portal MAIS CURVES as alunas so auxiliadas na sua dieta e controle do peso, assim o MAIS CURVES, torna-se um aliado perfeito para a malhao na Curves. O portal conta ainda com artigos sobre moda, beleza, bem-estar, famlia, finanas e carreira, assuntos que envolvem o cotidiano da mulher atual.

Hoje, a rede de academias est presente em mais de 70 pases, entregando a mais de 4 milhes de mulheres o que elas mais querem: resultados.

Julho 2010Julho 2010

ACADEMIA CURVES: FORTALECENDO4 MILHES DE MULHERES EM TODO O MUNDO Maior rede de academias do Brasil e do mundo.

ACADEMIA CURVES: FORTALECENDO4 MILHES DE MULHERES EM TODO O MUNDO Maior rede de academias do Brasil e do mundo.

SADE E LAZERSADE E LAZER

Fonte.: www.curves.com.brFonte.: www.curves.com.br

O segurado que estiver recebendo auxlio-doena, independente de sua idade e sob pena de suspenso do benefcio, est obrigado a submeter-se percia mdica da Previdncia Social.

Conforme informe na edio anterior , desde 01/01/2010 existe a possibilidade da prorrogao da Licena Maternidade , por mais 60 ( sessenta dias) ; diferente da licena maternidade normal onde o encargo do pagamento do salrio maternidade pode ser abatido no pagamento do valor devido ao INSS , o valor pago durante prorrogao do salrio- maternidade e de responsabilidade integral da empresa ; sendo que empresas tributadas pelo Lucro Real podero deduzir do imposto devido, em cada perodo de apurao, o total da remunerao integral da empregada pago nos 60 (sessenta) dias de prorrogao de sua licena-maternidade, vedada a deduo como despesa operacional. No perodo em que estiver gozando da prorrogao da licena maternidade do qual trata a Lei 11770/08, a empregada no poder exercer qualquer atividade remunerada e a criana no poder ser mantida em creche ou organizao similar.

Licena mdica o perodo de afastamento do empregado formal, ou seja aquele que contribui para o INSS do ambiente de trabalho, por motivo de doena, para que o afastamento seja possvel a doena deve ser comprovada por profissional da rea mdica, normalmente esta comprovao se d atravs de atestado ou laudo mdico , com a informao de que o empregado esta impossibilitado de exercer suas funes .Durante este perodo o empregado/ contribuinte receber como remunerao o beneficio chamado de auxilio - doena, que ser pago pelo INSS.Para ter direito a receber o auxilio o contribuinte dever ter cumprido as carncias exigida em lei , quando for o caso ; tambm necessrio que o perodo de afastamento seja superior a 15 (quinze ) dias. At o dcimo quinto dia de afastamento, a responsabilidade pelo pagamento do salrio integral ser da empresa, a partir do dcimo sexto dia, ocorre a suspenso do contrato de trabalho, nesse momento o empregado fica sob responsabilidade do estado, inicia-se ai o pagamento do auxilio - doena.Durante o perodo de afastamento por motivo de auxlio-doena , o contrato de trabalho considerado como suspenso, e o empregado no pode ser demitido ,e caso isso ocorra , o ato ser considerado como nulo, acarretando para empresa obrigaes legais e financeiras.O segurado que estiver recebendo auxlio-doena, independente de sua idade e sob pena de suspenso do benefcio, est obrigado a submeter-se percia mdica da Previdncia Social. O termino do afastamento por auxilio doena ser dar mediante a apresentao na empresa de atestado mdico emitido por profissional da rea mdica, neste momento o contrato de trabalho ser re-estabelecido de forma plena . importante ressaltar que o afastamento ocorrido por motivo de doena adquirida pelas funes exercidas pelo empregado no sua rotina de trabalho, ou seja, reflexo de algum acidente sofrido no desenvolvimento das suas funes, o empregador no pode demitir o empregado, pois o mesmo tem direito a estabilidade de 01 ano, a contar da data do seu retorno, de acordo com a lei 8213/91 art 118.

DEPARTAMENTO PESSOALDEPARTAMENTO PESSOAL

Licena MaternidadeLicena Maternidade Direitos e Deveres

pag. 02

Licena MedicaLicena Medica Direitos e Deveres

edio .05

pag. 03

"Acredito que o mais importante manter a possibilidade de obter o crdito quando ele realmente for necessrio, num momento de real necessidade. Uma atitude precipitada no passado pode prejudicar a obteno do crdito quando ele realmente for necessrio" Na hora da crise

"Sem dvida, a poupana uma sada. Mas, para que seja uma sada eficiente, preciso pensar, prever quais seriam as despesas imprevistas"

"uma poupana aleatria pode no ser suficiente, uma poupana consciente e segura s ser possvel atravs de planejamento, at para que se possa decidir qual o tipo de poupana deve ser feita". Famlia unida

"Se os familiares no sabem a situao financeira e porque esto guardando dinheiro, eles vo querer comprar tudo que tm vontade",

"a tomada de deciso em conjunto far com que as privaes sejam aceitas e que os objetivos sejam os de todos, e no apenas de uma pessoa".

"uma famlia que consegue fazer planejamento financeiro, atua de forma mais consciente"

" praticamente impossvel um planejamento financeiro familiar que no envolva ou afete todos os membros da famlia. Enfim, pode ser o princpio de atitudes mais conscientes como cidados"

Colocar as contas no papel at que uma atividade comum entre as famlias brasileiras. Mas nem todas seguem risca o que est escrito. gua, luz, telefone, internet, aluguel, escola das crianas, alimentao, passeio no fim de semana, conserto do carro e pronto, o dinheiro foi embora. Para o que falta, cheque especial. No tem? Carto de crdito. E assim comea o calvrio de 54% das famlias brasileiras: o endividamento que parece no ter fim. Com a melhora na economia do pas, ficou mais fcil comprar com prazos a perder de vista. Mas a facilidade pode, logo, logo, se tornar um tormento. Por trs do parcelamento em dezenas de meses se escondem os juros e, pior, o comprometimento das receitas com despesas adicionais por um perodo extenso, o que, na ausncia de planejamento, pode agravar a situao. Uma dica importante para evitar o efeito bola de neve nas contas, de acordo com a contadora Dora Ramos, no ceder tentao do crdito fcil, que, segundo ela, pode se tornar caro demais. De acordo com a contadora, importante, antes de parcelar uma compra ou adquirir um emprstimo, avaliar a real necessidade de fazer isso. "Acredito que o mais importante manter a possibilidade de obter o crdito quando ele realmente for necessrio, num momento de real necessidade. Uma atitude precipitada no passado pode prejudicar a obteno do crdito quando ele realmente for necessrio", afirma Ramos. Na hora da crise Estar preparado para situaes adversas tambm fundamental. Mesmo quem mantm as contas no azul est, diariamente, sob o risco de entrar em crise. O motivo? Imprevistos. Ter receitas para cobrir as despesas no o suficiente. Coisas como problemas de sade ou reparos urgentes na casa ou no carro podem desequilibrar oramentos que vivem no limite. Por isso, a recomendao ter reservas. E reservas com fins bem planejados. "Sem dvida, a poupana uma sada. Mas, para que seja uma sada eficiente, preciso pensar, prever quais seriam as despesas imprevistas", afirma Dora Ramos. Segundo a contadora, "uma poupana aleatria pode no ser suficiente, uma poupana consciente e segura s ser possvel atravs de planejamento, at para que se possa decidir qual o tipo de poupana deve ser feita". Famlia unida Em se tratando da famlia, a concentrao da responsabilidade no pai ou na me, certamente, vai ser um problema em um momento de crise. "Se os familiares no sabem a situao financeira e porque esto guardando dinheiro, eles vo querer comprar tudo que tm vontade", afirma Reinaldo Domingos, autor do livro Terapia Financeira. De acordo com ele, "a tomada de deciso em conjunto far com que as privaes sejam aceitas e que os objetivos sejam os de todos, e no apenas de uma pessoa". Para Dora Ramos, "uma famlia que consegue fazer planejamento financeiro, atua de forma mais consciente" e todos os membros da famlia aprendem a importncia de ter as contas organizadas . " praticamente impossvel um planejamento financeiro familiar que no envolva ou afete todos os membros da famlia. Enfim, pode ser o princpio de atitudes mais conscientes como cidados", afirma a contadora.

O desafio de chegar ao fim do ms com dinheiro no bolso e as contas em diaO desafio de chegar ao fim do ms com dinheiro no bolso e as contas em dia

Departamento Financeiro Dora Ramos

DEPARTAMENTO FIINANCEIRODEPARTAMENTO FIINANCEIRO

Julho 2010

Resistir ao crdito fcil fundamental para evitar efeito bola de neve nas dvidas

Com a necessidade de atender a demanda competitiva e a busca de novas direes no mercado de trabalho , e consequentemente , lidar com as mudanas , torna-se a prioridade nmero 1, na vida de qualquer lder moderno, a capacidade de estar preparado para ensinar, dar exemplos e instrumentalizar a sua equipe, para que a mesma possa compreender e atuar nesses tempos de mudana.E a essa nova habilidade chamamos de conhecimento flexvel, que inclui habilidades, valores e competncias fundamentais, no ensinados, reconhecidos , e na maioria das vezes no recompensados, apesar da mesma tornar possvel as condies de trabalho e o alcance das metas da organizao. Porm , para o desenvolvimento dessa habilidade e incorporao da mesma no nosso dia-a-dia, faz-se necessrio o auto-conhecimento, pois um bom gestor deve enxergar o ser humano que existe por trs do profissional. Mas como gerenciar os outros , se no conhecermos a ns mesmos, nosso estilo de gerncia , nossa interao com os outros?Algumas questes so cabveis neste item, como por exemplo: Como estou?, O que devo fazer para melhor em termos de liderana e gesto?Como gostaria de ser lembrado daqui a alguns anos pelos meus funcionrios, sobre a minha atuao como lder? Para gerenciar com competncia e eficcia, necessrio refletir sobre a impresso que causamos nos outros, principalmente sobre aqueles que lideramos.O que est sendo feito agora para construir uma viso positiva sobre o seu futuro?Como est transformando os talentos em valores agregados ao cliente? Devemos aprender a inspirar, e orientar os talentos da organizao para que movam-se em um direo valorosa para si prprios, para os clientes e para a organizao.O lder eficaz aquele que faz o que tem que precisa feito, criando valores para as diversas partes interessadas da empresa (comunidade,clientes, fornecedores,empregados) , conectando-se as circunstncias da mudana e agregando as oportunidades que ela apresenta. O foco de qualquer lder na atualidade o futuro. Na medida em que ele faz uma previso onde o futuro est e quais as oportunidades de crescimento, pode tomar atitudes especficas para que este futuro acontea. Estar conectado com as mudanas, ter sensibilidade contextual, saber decifrar e se ajustar a condies mutantes deve ser uma das competncias mais importantes para que o lder crie o sucesso sustentado da organizao e de seus talentos. S possvel enfrentar o futuro se os talentos da organizao estiverem conectados com os desafios do novo ambiente. Sua diferenciao estar no modo como se relaciona e cria experincias significativas para seus clientes. Pesquisam demonstram que nos dias atuais 80% dos novos produtos e servios fracassam, provavelmente porque no satisfazem as verdadeiras necessidades sensoriais e emocionais, assim como as expectativas das pessoas.Isso significa que as empresas quebram e os profissionais so demitidos no por causa do mercado que est em baixa, mas porque o conhecimento da empresa e/ou do profissional j no mais relevante para o cliente.O que voc vem fazendo para que o mesmo no ocorra consigo prprio?

Fonte:h ttp://blog.clickgratis.com.br/CONSULT22RHQRRUTK

A Substituio Tributria assunto que vem sendo amplamente discutido por vrios contribuintes e muitas tambm so as dvidas sobre este assunto . Realmente um tema complexo , e para entend-lo melhor se torna necessrio o entendimento de algumas definies e termos legais , e para tratar do assunto de forma ampla dividimos o assunto em trs partes, falaremos agora sobre o ICMS, na sequncia da Substituio Tributria em si e por ultimo da aplicao ou no da mesma.

ICMS ICMS (imposto sobre operaes relativas circulao de mercadorias e sobre prestaes de serv ios de t ransporte interestadual , intermunicipal e de comunicao) de competncia dos Estados e do Distrito Federal. Contribuinte qualquer pessoa, fsica ou jurdica, que realize, com habitualidade ou em volume que caracterize intuito comercial, operaes de circulao de mercadoria ou prestaes de servios de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicao, ainda que as operaes e as prestaes se iniciem no exterior. Incidncia : imposto incide sobre :ooperaes relativas circulao de mercadorias, inclusive o fornecimento de alimentao e b e b i d a s e m b a r e s , r e s t a u r a n t e s e estabelecimentos similares;- prestaes de servios de transporte interestadual e intermunicipal, por qualquer via, de pessoas, bens, mercadorias ou valores;- prestaes onerosas de servios de comunicao, por qualquer meio, inclusive a gerao, a emisso, a recepo, a transmisso, a retransmisso, a repetio e a ampliao de comunicao de qualquer natureza;- fornecimento de mercadorias com prestao de servios no compreendidos na competncia tributria dos Municpios;- fornecimento de mercadorias com prestao de servios sujeitos ao imposto sobre servios, de competncia dos Municpios, quando a lei complementar aplicvel expressamente o sujeitar incidncia do imposto estadual;- a entrada de mercadoria importada do exterior, por pessoa fsica ou jurdica, ainda quando se tratar de bem destinado a consumo ou ativo permanente do estabelecimento;- o servio prestado no exterior ou cuja prestao se tenha iniciado no exterior;- a entrada, no territrio do Estado destinatrio, de petrleo, inclusive lubrificantes e combustveis lquidos e gasosos dele derivados, e de energia e l t r i c a , q u a n d o n o d e s t i n a d o s comercial izao ou industrial izao, decorrentes de operaes interestaduais, cabendo o imposto ao Estado onde estiver localizado o adquirente.

Continua na prxima edio