ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE Da produção no ACRE

Click here to load reader

  • date post

    17-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    7
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE Da produção no ACRE

  • 5/14/2018 ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE Da produo no ACRE

    1/5

    ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE DA PRODU

  • 5/14/2018 ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE Da produo no ACRE

    2/5

    8

    Estudos de adaptabilidade e estabilidade ternsido realizados em varias especies: arroz (Soares e Ra-malho, 1993; Silva, Anunciacao Fi lho e Tabosa, 1995),feijao (Miranda, 1993), algodao (Carvalho et aI. , 1995;Farias et aI., 1997) e milho (Torres, 1988; Souza, 1989;Silva, 1991; Veronesi, 1995; Arias, Ramalho e Ferrei-ra, 1996; Muniz et aI., 1996). As informacoes obtidasnestes estudos, independentemente da metodologia em-pregada, classificaram as cultivares quanta a adaptabi-lidade e estabilidade, identificando as mais apropriadaspara determinada condicao ambiental ou regiao,

    Existem varies metodos de est imacao da adapta-bilidade e estabilidade; porern, Miranda (1993) e Vero-nesi (1995) verif icaram que 0 de Eberhart e Russel(1966), entre os que se baseiam em regressao linear, sedestaca pela simplicidade dos calculos e inforrnacoesfornecidas. Apesar de os metodos baseados na regressaoserem muito utilizados, os mesmos apresentam algumaslimitacoes, entre as quais se destaca 0 uso da media detodas as cultivares em cada condicao como medida doIndice ambiental; com tal procedimento, pode nao ocor-rer a independencia entre as variaveis, especialmentequando 0 mimero de cultivares e pequeno. Entretanto,Arias et al.,1996; Farias et al.,1997, quando compara-ram 0 metodo de Eberhart e Russel (1966) com outrometodo alternativo (Lin e Binns, 1988), que considera 0desvio da media de urn genotipo em relacao a produti-vidade maxima obtida em cada ambiente, concluiram

    que as duas metodologias apresentaram informacoessemelhantes.o presente estudo tern como objetivo comparar aadaptabilidade de cu1tivares de milho recomendadas paraplantio no Estado do Acre, pelo metodo de Eberhart e Rus-sel (1966).

    MATERIAL E METOD08Foram utilizados os dados de rendimento de

    graos das var iedades de polinizacao livre BR 5102, BR5103 e BR 5109 e do hibrido duplo BR 201, em ensaiosinstalados no municipio de Rio Branco, Acre, no perio-do de 1988 a 1993. A cidade de Rio Branco apresentaas seguintes coordenadas geograficas: latitude958'22"8, longitude 6748'40" e altitude de 160 me-tros acima do nivel do mar. 0 delineamento utilizadoem todos os ensaios foi 0 de blocos ao acaso. Solos comdiferentes niveis de ferti lidade e diferencas climaticas,inerentes ao proprio ano, resultaram em seis ambientesdistintos (Tabela 1).

    Realizou-se analise de variancia por ambiente econjunta com a final idade de detectar a interacao geno-t ipos x ambientes. Os ensaios apresentaram varianciasresiduais homogeneas, as quais foram utilizadas para aestimacao dos parametres de estabilidade, segundo ametodologia de Eberhart e Russell (1966), conforme 0seguinte modelo:

    TABELA 1 - Caracteristicas edafoclimaticas dos ambientes (anos) estudados.

    Caracteristicas\Ambientes 1988 1989 1990 1991 1992 1993pH (H2O) 5,6 6,4 5,2 4,9 4,8 5,3P (cmol.zdm') 9 19 4 2 2 8K (cmolg/dm") 126 115 111 28 55 99Ca + Mg (cmolydm") 1,4 1,6 1,0 1,3 1,1 1,4Al (cmol.zdm") 0,1 0,1 1,4 1,6 1,9 0,6Precipitacao (mm) 1848,1 1615,2 1427,4 1248,0 1642,0 1818,4Umidade Relativa (%) 85 88 88 87 87 87Temperatura diaria (0C) 25,4 24,7 25,0 25,2 24,8 25,0Insolacao (horas ) 945,4 895,9 840,3 819,6 959,2 1008,6Evaporacao (mm) 543,5 546,0 615,1 477,2 445,6 524,7

    Cienc, e Agrotec. , Lavras, v.23, n.l , p.7-11, jan./mar. , 1999

  • 5/14/2018 ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE Da produo no ACRE

    3/5

    9

    Yij = f.1i +~)j +Oij + Eij. em que Yij e amedia do genotipo i no ambiente j; f.1i e a media geraldo gcnotipo i; ~ i e 0 coeficiente de regressao linear,que mede a resposta do i-es imo genotipo IIvariacao doambiente; I j e 0 Indice ambiental; 0 ij e 0 desvio da re-gressao e Eij e 0 erro experimental medic,

    Para cada genotipo foi feita urna analise de re-gressao, utilizando-se 0 indice ambiental como variavelindependente e a produtividade dos genot ipos como va-riavel dependente. Assim, de acordo com 0 metodoproposto por Eberhart e Russell (1966), 0 efeito do am-biente pode ser desmembrado em dois componentes,urn linear e outro nao-Iinear. 0 coeficiente de regressao( 1 3 ) esta associado ao componente linear, indicando aadaptabilidade do genotipo, ou seja, sua capacidade deresponder II melhoria do ambiente. Os desvios da re-gressao (0 ~) estao associados ao componente nao-linear e indicam a estabilidade de comportamento. Urngenotipo com O'~= 0 teria comportamento previsivel,de acordo com a grandeza do indice ambiental.

    Os parametres de estabilidade no modelo deEberhart e Russel (1966) slio 0 coeficiente de regressao~ , obtido pela regressao linear da media das cultivaresem cada ambiente e do componente de variancia dosdesvios da regressao linear c r i . Assim, tem-se que umacultivar e estavel quando 0~= 0; ins t avel, quando

    0~ * 0; de adaptabilidade ampla, se ~ =1; adaptada aambientes favoraveis, se ~ > 1, e adaptada a ambientesdesfavoraveis, se ~ < 1.

    A adaptabilidade e estabilidade da producao degraos dos genotipos foi medida pelos parametres: mediageral, coeficiente de regressao linear e desvios da re-gressao. A hipotese de que qualquer coeficiente de re-gressao nlio difere da unidade foi avaliada pelo teste t, ea hipotese de que os desvios de regressao de cada culti-var nlio diferem de zero foi mensurada pelo teste F.Para realizacao das analises, foi ut ilizado 0 programaGENES (Cruz, 1997).

    RESULTADOS E DISCUSSAOA particao dos quadrados medics da analise deestabil idade esta apresentada na Tabela 2. Observa-se

    que a principal fonte de variacao foi representada pelosambientes, apesar de tambem ter sido obtida significan-cia estatistica quanta a cultivares. A interacao genotiposx ambientes foi al tamente significativa, evidenciandoque as cultivares apresentaram comportamentos dife-renciados diante da variacao ambiental, indicando a ne-cessidade de se realizar urn estudo para identificar osmateriais de maior estabil idade. Verifica-se, ainda, quehouve significancia para 0 componente linear de ambi-ente, mostrando a presenca de variacoes significat ivasno ambiente que proporcionam alteracoes nas mediasdos genotipos,

    TABELA 2 - Analise da variancia da produtividade media de graos (Kg/ha) de 4 cultivares de milho em seis am-bientes, segundo modelo de Eberhart e Russell (1966).Fonte de VariaftiioAmbiente (A)Genotipo (G)Interacao G x AAmbiente/GenotipoAmbiente LinearGxALinearDesvio CombinadoDesvio G-lDesvio G-2Desvio G-3Desvio G-4

    Residuo

    GL QM5 13486048,003 75448501,50**15 1104539,75**20 4199917,00**

    67430368,00**3 2318680,00*16 600749,814 160328,624 1127708,62*4 428923,004 686039,0036 399467,78

    Cienc, e Agrotec., Lavras, v.23, n.l , p.7-11,jan./mar. , 1999

  • 5/14/2018 ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE Da produo no ACRE

    4/5

    10

    A significancia da interacao genotipos x ambi-ente linear evidencia que houve diferencas entre os co-eficientes de regressao dos genotipos estudados.

    Os indices ambientais calculados estao apresen-tados na Tabela 3. A variacao de produtividade verifi-cada a cada ano evidencia a instabilidade nas condi-yoes edafoclimaticas durante 0 periodo estudado, comapenas dois ambientes (os anos de 1988 e 1989), sendoclassificados como favoraveis, Associando-se esses in-dices com as caracteristicas dos ambientes (Tabela I),constata-se que as caracteristicas do solo, principal-mente os teores de fosforo, potass ic e alurninio, foramos fatores importantes para que determinado ambientefosse considerado como favoravel ou desfavoravel,

    Os resultados de rendimentos medics (kgIha), oscoeficientes de regressao ( 1 3 ) , variancias dos desvios da re-gressao (a~)e os coeficientes de determinacao (R2) dascultivares de milho, avaliadas nos anos de 1988 a 1993,estao apresentadas na Tabela 4. Utilizando-se as esti-mativas desses parametres como medida de adaptacaoe estabilidade das cult ivares, pode-se conc1uir que hou-ve comportamento diferenciado frente as mudancasambientais.

    Observa-se que a cultivar BR 5102 foi a menosprodutiva e responsiva, com f f = 0,67 significativo a5% de probabilidade pelo teste t, evidenciando a adap-tacao dessa cultivar a ambientes desfavoraveis. Ja acultivar BR 5103 apresentou producao inferior amedia geral, estimativa do coeficiente de regres-sao significativamente superior a unidade, indi-cando adaptacao especifica a ambientes de altaprodutividade. Os genotipos BR 201 e BR 5109mostraram producao superior a media geral e es-timativas do coeficiente de regressao que nao di-feriram estatisticamente da unidade, a 5% de pro-babilidade pelo teste t, evidenciando ampla adapta-yao.

    Com relacao as estimativas das variancias dosdesvios da regressao (a~), todas as cultivares, a exce-yao da 'BR 5102', apresentaram alta previsibilidade asoscilacoes ambientais. Esse resultado foi confmnadopelas estimativas dos coeficientes de determinacao (R'),que mostraram, de maneira geral, urn adequado ajus-tamento dos dados a reta de regressao, evidenciandoalta previsibilidade de comportamento das cultivares,com excecao da 'BR 5102'.

    TABELA 3 -Indices ambientais e produtividades medias das cult ivares de milbo nos ambientes estudados.Ambiente (Ano) indice ambiental (kglba) Produtividade media (kglba)

    1988 1274,17 5512,001989 1380,08 5617,921990 -460,50 3777,331991 -598,33 3639,501992 -1150,08 3087,751993 -445,33 3792,50

    TABELA 4 - Media de rendimento de cul tivares de milho (Kg/ha), coeficientes de regressao, coeficiente de detenni-nayao e variancias dos desvios da regressao,

    Genetipo Media 1 3 2 RZadBR201 5089 0,70 -79713 92,78BR5102 3698 0,67* 242747* 63,02BR5103 3771 1,41 * 9818 95,17BR 5109 4393 1,21 95524 89,99

    Media Geral 4234* Significativamente diferente de urn, pelo teste "t" , e de