Alameda alt

Click here to load reader

  • date post

    17-May-2015
  • Category

    Documents

  • view

    102
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of Alameda alt

  • 1. 04

2. 05 3. A exposio Peste Urbana reuniu trabalhos em estilos variados, como grafti, stencil, sticker e lambe-lambe, numa amostra da produo que vem se disseminando pelas paredes da cidade, retirando o tom montono e cinza de So Paulo.06 4. Artistas: Celso Gitahy, Ch, Ciro, Eymard Ribeiro, Lucas D, Mor, Rui Amaral, Snif, Tikka e Zeila Coordenao Geral: Luciana Guimares Coordenador de Programao: Renato Musa Gesto: Karen Cunha Curadoria: Rodrigo Ch, Eymard Ribeiro, Lucas D, Zeila Trevisan, Tikka, Produo: Ana Carolina Tikka Meszaros Iluminao: Bernardo Saraiva, Glucia Maria Coordenao de montagem: Julio Csar da Silva Montadores: Alexandre Ricardo, Denis Edmundo, Mauricio Gubbini e Israel Celestinopeste urbana 07 5. 08 | snif 6. eymayd | 09 7. 10 | tikkaeymard 8. rui amaral | 11 9. 12 | ciro 10. celso gitahy | 13 11. 14 | lucasd. 12. ch | 15 13. 16 | mor 14. celso gitahy | 17 15. 18 | ruiamaral | tikka | zeila trevizan 16. tikka | zeila trevizan | 19 17. A exposio Ver.a.cidade props aos visitantes uma outra forma de ver a cidade: do lado de fora da rua. Apresentando artistas com estilos bem variados, a exposio abriu espao a nomes at ento ignorados pelo circuito das galerias. Com originalidade e qualidade, os artistas convidados estabeleceram, por meio de suas obras, um amplo dilogo com o ambiente urbano, apresentando propostas inteligentes e preocupao verdadeira com a realidade das ruas paulistanas. O desao de transportar estas questes s paredes do Centro Cultural da Juventude resultou em uma mostra rica em harmonia e alto nvel artstico, provocando nos visitantes sensaes diversas, numa clara demonstrao de que a linguagem popular do grafti estimula muita gente a pensar.20 18. Artistas: Armaint, Akeni, Bruno Siqueira, Bugre, Desp, Diniz, Felipe Rudo, Musta, Muxi-Muxi, Nast, Past, Rajada Crew e Retos. Coordenao Geral: Luciana Guimares Coordenador de Programao: Renato Musa Gesto: Karen Cunha Curadoria: Celso Gitahy, Ch , Eymard Ribeiro, Lucas D., Rui Amaral, Tikka , Zeila Produo: Ana Carolina Tikka Meszaros Iluminao: Bernardo Saraiva, Glucia Maria Coordenao de montagem: Julio Csar da Silva Montadores: Alexandre Ricardo, Denis Edmundo, Mauricio Gubbini e Israel Celestinover.a.cidade 21 19. 22 | desp 20. nast | 23 21. 24 | desp 22. bugre | 25 23. 26 24. musta | retos | 27 25. 28 | diniz 26. past | 29 27. 30 | rajadacrew 28. muxi-muxi | 31 29. 32 | funto 30. akeni | 33 31. 34 | rudo 32. bruno s. | 35 33. Os diferentes estilos tipogrcos esto na origem do grafti. No entanto, mesmo fazendo muito sentido para os artistas do mundo todo, boa parte das vezes eles so ignoradas pelo chamado circuito das artes, que as tratam apenas como um ato de vandalismo. O objetivo desta exposio foi, portanto, apresentar os vrios estilos tipogrcos encontrados nas ruas da cidade, reforando o conceito de que eles tambm devem ser tratados como arte. Wild Style: Estilo selvagem, caracterizado pelo trao agressivo, que diculta a identicao das letras. Piece: Mundialmente conhecido, tem como caracterstica o formato bem legvel das letras, com um trao mais grosso que compe o agrupamento da obra. Grapixo: Estilo genuinamente brasileiro, caracterizada como uma mistura de formatos: letras espaadas em estilo pixos, agrupando preenchimento e contorno. 3D: Imagens de duas dimenses elaboradas de forma a proporcionarem a iluso de terem trs dimenses. Geralmente sem contorno, o contraste passa a impresso de que a gura apresenta profundidade. Pixo: Escrita mais vista na cidade de So Paulo. Visualmente pesada para os olhos do cotidiano, muito apreciado no mundo todo. Bomb: A caracterstica mais marcante deste estilo rapidez de preenchimento, sendo ele de ltex ou spray. 36 34. tipograa urbana 37 35. 38 | kovardes 36. iconekill | 39 37. 40 | bravos 38. milgrau | 41 39. 42 | does 40. gafi | 43 41. 44 | snif 42. nem | 45 43. Muitos dos artistas de rua so envolvidos direta ou indiretamente na cena musical underground. Assim como o grafti um meio utilizado para protestar e propagar os conceitos do D.I.Y (Faa Voc Mesmo) a msica tambm utilizada para divulgar a cultura independente, questionar ordens, regras, leis e incentivar as pessoas a buscarem fontes diversas de informaes. Com ilustraes que remetem aos gneros REGGAE, RAP e HARD CORE e s msicas criadas por De Leve, Sabotage entre outros, esta exposio teve como objetivo reverenciar os artistas que, mesmo sem nenhum nanciamento, apoio da mdia ou de grandes gravadoras, conseguem propagar sua ideologia, utilizando meios alternativos de divulgao.46 44. de baixo para cima:a voz do underground47 45. 48 | mao| not | wend 46. mao | not | wend | 49 47. 50 | mao| not | wend 48. mao | not | wend | 51 49. 52 | mao| not | wend 50. mao | not | wend | 53 51. 54 | mao| not | wend 52. mao | not | wend | 55 53. 56 | mao| not | wend 54. mao | not | wend | 57 55. Peste Urbana Celso Gitahy (Curador) Celso Gitahy - Artista plstico formado pela faculdade Belas Artes de So Paulo. Especialista em estncil arte e contemporneo dos primeiros grateiros de So Paulo iniciou sua produo artstica de rua no comeo dos anos oitenta desenhando e escrevendo com canetas piloto em banheiros pblicos, logo passou a se dedicar ao grafti, atividade que desenvolve at hoje. autor do livro "O que Grafti" da Coleo Primeiros Passos da editora Brasiliense alm de assinar um dos captulos do livro: "O Grafti Na Cidade de So Paulo e Sua Vertente no Brasil: Estticas e Estilos" editado pelo Instituto de Psicologia da Universidade de So Paulo e o artigo Grateiros Gratistas Rumo a Virada do Milnio inserido na Revista do Patrimnio Histrico ano III da Secretaria Municipal de Cultura de So Paulo. www.stencilbrasil.com.br/celsogitahy/ Ciro Ciro Schu desenvolve uma arte abstrata e gurativa. Procura mesclar smbolos e graas diversas, mas a sua maior inspirao est nos traos e signos dos povos originrios das Amricas. Seus signos, muito particulares, misturam a arte milenar e tradicional com expresses da vida contempornea. Sua arte remete para situaes da vida cotidiana e para objetos dos mais diversos. Seus traos realam o que antes parecia invisvel ou bvio na cena cotidiana. www.myspace.com/ciroschu MOR -Militante Operante Resiste Comeou pintando paredes no Centro de So Paulo em 1997 e continuou movido pelo bem estar concebido pelo grafti vandal, o que serviu como alavanca para uma trilha ferroviria underground, ainda movida pelo anonimato perante aos demais writers, o que contribuiu para uma certa diferena na cena. Em 2002, comeou a tatuar e os trabalhos comerciais com grafti tambm sempre o acompanharam, com trens e tatuagens at os dias atuais....viva na linha mas, cuidado com o trem. Lucas D. (Curador) Desenhista e ilustrador, para mdias das mais diversas. Publicou HQs em vrios fanzines, ministrou ocinas, exps em coletivas, participou de palestras e debates em diversos espaos e localidades do Capo Redondo a Pirituba, do MIS a Cohab de Taipas, do SESC a Favela do Moinho. Participou da Nona Bienal de Havana, com a Mostra Territrio S.P, realizada simultaneamente no espao expositivo da Bienal Havana e na ocupao Prestes Maia, So Paulo. Integrou o Frum de Artes de Rua, que tentou estabelecer um dilogo entre artistas de rua e administrao municipal em So Paulo. Como artista de rua, trabalha principalmente com stencil e lambe-lambe, agindo em diversas localidades do espao urbano, desde postes e muros at favelas e ocupaes. Com um olhar inquieto, explora a vasta metrpole em busca de novas cores e possibilidades. [email protected] | http://www.ickr.com/photos/lucasdruasecores/ Rui Amaral (Curador) Rui Amaral artista plstico multimdia, ativista cultural e um dos pioneiros do movimento do grafti brasileiro tendo um dos maiores murais na cidade de So Paulo atualmente incorporado ao Patrimnio Histrico. Trabalha com desenho animado, pintura, webart e instalaes. J exps na Pinacoteca do Estado, MAC, MIS , Funarte, MAP, Pao das Artes e possui trabalhos no acervo do MASP. Formado pela FAAP em artes plsticas, fez parte de uma poca denominada gerao 80, considerada um dos maiores expoentes do grafti brasileiro, que comeava a invadir Bienais, museus importantes e galerias. Formou um dos grupos que mais agitou o circuito artstico paulista:o Tupynod, cujos integrantes foram os primeiros a gratar luz do dia. [email protected] | www.artbr.com.br | www.grafti.org.br Tikka Meszaros (Curadora) Faz grafti desde 2002 e foi atravs desta arte que desenvolveu seu estilo inspirando principalmente em temas ldicos. Principais exposies e trabalhos: Copa Grate (nas estaes de trem da CPTM), Centro Cultural CPFL, Casa da Xiclet, Galeria Central , Arte na Vila , Carmichael Gallery(LA) , Toy Lounge, Ellus, Credicard, Casa dos Criadores, Fashion Week (RJ e SP),TV Cultura, Spezzato e 775. Trabalhou como curadora do Dia do Grafti (Ao Educativa) e Centenrio da Imigrao Japonesa (Tnel da Paulista) alm de ter participado do Frum de Arte de Rua. www.ickr.com/tikka_noturnas | [email protected] Snif www.fotolog.com/snifsnifsnif58 56. Ch (Curador) Rodrigo nasceu em 1981, designer grco formado pela Universidade Belas Artes em So Paulo. Criou o Projeto Ch em 2003 junto com Camila Santos, com a proposta de atuar nas ruas de So Paulo atravs de intervenes grcas, onde buscam despertar o olhar do cidado de uma grande cidade cinza, fazendo-o questionar-se sobre o meio que o cerca, estabelecendo uma melhor relao entre cidade e cidado e direcionando seu olhar para o meio em que vive. CH carne de segunda. Mas consumida por todo mundo, seja por falta de condies, pela receita, ou por opo. Quer dizer que de um jeito ou de outro, todos tem acesso. A pomba representa a praga urbana presente em todo canto da cidade. Alm de utilizar a cidade e seu vasto mobilirio urbano como suporte de seus psteres, adesivos, cartazes, stencils e graftis, tambm expe seu trabalho em galerias de arte alm de realizar trabalhos comerciais para empresas como: Sbt, Sony e Long Island. [email protected] gmail.com | www.guerrilhaurbana .net Eymard (Curador) Artista plstico formado pela UNISANTA (Santos, 1991) , com licenciatura em educao artstica. Em 1987, fez parte de um grupo de estudantes que, atravs de uma parceria entre a Secretaria de Cultura de Santos e a Faculdade, realizou um conjunto de murais em locais pblicos da cidade de Santos. Junto a esse processo de realizao e experincias tcnicas teve a oportunidade de fazer contato com outros artistas que visitavam a cidade num programa de troca de informaes. Em 1999, mudou-se para So Paulo em busca de ps- graduar e ampliar sua pesquisa sobre intervenes em espaos urbanos. Matriculou-se em um curso de Arte Pblica na ECA-USP, durante o qual foi convidado para trabalhar no terceiro setor, com uma proposta de investigao na linguagem do grafti. De l pra c teve contato com vrios artistas e propostas de aes diferenciadas envolvendo articulaes entre vrios setores da sociedade. Zeila Trevisan (Curadora) Artista plstica e urbana, designer grca e produtora cultural. Rene em seu trabalho elementos das inscries rupestres e da arte indgena identidade da arte de rua e do universo infantil. Participou de diversas mostras em So Paulo e apresentou tambm seu trabalho na Bahia, Esprito Santo e Paran. Fora do pas, exps em Cologne (Alemanha) e Los Angeles (EUA). Foi curadora do projeto Olhar Nascente, no Tnel da Paulista, e integra o coletivo feminino Noturnas. zeilatrevisan.blogspot.com | www.myspace.com/z_zeila | www.ickr.com/z_zeilaVeracidade Retos http://www.ickr.com/photos/retosone/ Diniz Desenha desde criana por inuncia da me e do tio. Conheceu o grafti nos lmes e desde ento sentiu uma vontade de investir em algo diferente. Espectador assduo das ocinas do Daniel Azulai na TV Cultura, descobriu certa vez que sua arte era esteticamente diferentes das apresentadas no programa e se aproximava muito mais das produes cinematogrcas. Quando seus amigos Zango e Isabela lhe apresentaram uma revista especializada em grafti soube imediatamente o que queria fazer da vida e foi assim que comeou a produzir intensamente. Fez diversos trabalhos para empresas como: NIKE, CASA COR, ADAMS, ecKo unltd entre outras aes. Rajada Crew As irms V. e Marcita e a irm postia Juya sempre tiveram contato com o desenho. O universo feminino predomina na arte deste coletivo atravs de smbolos de fertilidade, coelhos, taas, sereias, portas, janelas. Tambm utilizam palavras, sejam de ordem ou letras de msicas, dependendo da lua. Vivem as incertezas de mulheres do nosso tempo, dando risadas e sofrendo as delcias de estarem vivas. So todas autodidatas. Bruno S. Bruno Siqueira designer grco e comeou a desenvolver o "Projeto des-" no incio de 2006, que consiste basicamente em intervenes na paisagem urbana utilizando como matria a sujeira da cidade. Com o contraste entre o sujo e o limpo, cria desenhos e signos grcos. Ministrou uma palestra sobre o projeto no "Festival Internacional Sobre Nuevas Tendencias en el Arte", em Neuqun, e realizou um mural no TriMarchi DG, maior congresso latino americano de design, ambos na Argentina. Exps em algumas galerias na cidade de So Paulo e na Bienal de Arte do Triangulo Mineiro em 2007. Faz parte do coletivo Dilogo, um estdio de design focado no experimentalismo e na busca por novas estticas e linguagens. www.desprojeto.net59 57. VTR - Arma-int - FSE Iniciou sua caminhada no grafti em 1998, pintando em Americana, interior de So Paulo. Ficou afastado das latas por 2 anos e em 2004 xou-se em um estilo, criando uma identidade prpria: as Karrancas que simbolizam proteo e o uso das cores preto e branco, representando as diferenas e os contrastes vistos pelo artista em seu cotidiano. Outra forte caracterstica do trabalho do artista a procura por espaos deteriorados pelo tempo, lugares abandonados e esquecidos pelas pessoas, onde as energias parecem carregadas, mas acabam transmitindo muita calma e sossego. ickr.com/photos/armaint | fotolog.com/fse | [email protected] Muxi-muxi Alex muxi muxi Costa nasceu em 1974, designer grco e se dedica confeco de psteres e stickers desde 2000. Tomando a cidade de So Paulo como seu suporte, prope um dilogo com a esttica metropolitana. Debate alguns problemas sociais, utilizando uma linguagem bastante ldica, atravs da representao dos excludos da urbe, como forma de crtica forma como a sociedade se relaciona com o meio em que vive. Usa tcnicas variadas tanto na confeco de seus psteres como nos stickers e suas principais inuencias na arte de rua foram dave kinsey, shepard fairey, alexandre sesper, stephan doitschinoff, projeto ch, shn e marcelo cidade. www.fotolog.com/muxi_muxi Past Bruno Pastore (Past), conheceu o grafti atravs da cultura Hip-Hop em 2001. Em 2004 comeou a pintar ativamente e tambm se dedicou s colagens, com leituras de eletrogavura (xerox), neste mesmo ano conheceu seu amigo Daniel Scene, onde se agregou ao coletivo "YEAH" onde seu trabalho aparece numa verso mais Yeah groovie funk (a essncia de tudo). A leitura exposta na Expo VerAcidade (Abril/ 2007), um misto de suas colagens com o coletivo Yeah Gang onde expe uma verso mais funk rock de seus personagens, resgatando os quadriculados PB que representam o tabuleiro do jogo da vida, assim como o cho quadriculado clssico das batalhas de break das dcadas de 70 e 80, representando o "racha" dirio que enfrentamos como guerreiros "B-boys", viventes da metrpole, onde s o melhor ca de p. Yeah representa a raiz do que amamos, passamos e enfrentamos no dia-a-dia. www.ickr.com/ photos/past1ore | www.fotolog. net/paaast | [email protected] Rudo (Felipe Heder Machado) Traz em sua arte um remix de simbologias msticas, criando uma mitologia pessoal. O tema da morte muito presente, seja atravs de caveiras ou atravs da or de Ltus, que como a Fnix, tambm simboliza morte e renascimento. Faz arte de rua desde moleque, quando era skate punk no nal dos anos 80. Passou a assinar Rudo em 2000, marcando uma nova fase. Exps em individuais e coletivas tanto no Brasil quanto tambm no exterior. Trabalha tamcomo designer grco, h 10 anos. www.bibope.art.br/ruido Ricardo Akeni Quando garoto Akeni conheceu o mundo dos Quadrinhos e cou fascinado pela ao e desenhos. Nas ruas conhece o grafti e desde ento busca tcnicas, cores, formas entre outras coisas para poder desenvolver suas arte. Autodidata, utiliza um estilo gurativo abstrato com formas geomtricas de cores e temas especco para compor os seus graftis. J em suas ilustraes utiliza tcnicas digitais e colagens. www.fotolog.com/agouro Bugre Artista autodidata comeou a pintar nos anos 90 em Guaianazes, periferia leste de So Paulo. Em 1999, uma depresso fez com que, isolado em sua arte, solucionasse sua dor, jogando-a para fora em trabalhos cheios de fortes imagens expressionistas com espinhos e ossos metfora da proteo e da morte. Como nas peras, a beleza de sua obra vem da exploso do sofrimento, do amargor com as desiluses, as perdas, as diculdades. Sangue e morte, tridentes (aluso a seu medo de espritos) apontam para cima, para o cu, como um apelo justia e a esperana. Os resduos urbanos so utilizados para somar poesia sua obra: o lixo transformado em arte. Sua ateno se volta para o cotidiano estressante e cruel, que tem a misria humana como cenrio. O mundo de Bugre incomoda. Alguns acham que criou o seu prprio universo, mas no. O mundo de Bugre a realidade. www.fotolog.com/bugre57 Horoiwa Musta Seu primeiro contato com a tcnica do grafti foi no ano de 2006. Busca na maioria das vezes ir de encontro a si mesmo, utilizando a pintura como autoconhecimento, a extenso da sua introspeco. Vive intensamente sua criao e no se preocupa em se fechar em rtulos, deixando que sua arte seja elevada juntamente com seus valores espirituais adaptando preceitos do bushido ao ato de pintar e a sua maneira de viver, procura fazer com que cada pintura, cada forma reproduzida, seja um meio de enaltecer sua individualidade e de justicar sua prpria existncia. www.ickr.com/photos/horoiwa60 58. Nast O designer grco mineiro Gabriel (conhecido como Nast) desenvolve seus trabalhos mesclando tcnicas de colagens e serigraa. Recentemente descobriu a gravura em madeira e metal o que vem aprimorando e enriquecendo seu trabalho. Nos muros da cidade se expe com guras mirabolantes e um colorido engajado e traados que envolvem criatividade e humanismo. Traz a tona personagens com olhares indecisos que chegam a demonstrar superioridade e desprezo na loucura da metrpole que domina e exclui. Seu trabalho com colagens mais intimista, na maioria das vezes envolve fotograas de sua famlia, ou de sua infncia. O artista tambm desenvolve o projeto Madnezz, que divulga sua arte atravs de camisetas, adesivos e lambe-lambe .Participou da exposio na Usina Paulistana de Arte. Realizou trabalhos signicativos para POA Txtil, onde desenvolveu estampas e participou da criao da coleo X-GAMES. www.fotolog.com/vidanast | http://www.ickr.com/photos/nast_vida/ Desp Andr Firmiano nasceu e vive em So Paulo, seu trabalho uma mistura de tcnicas onde desenvolve um estudo em diferentes atmosferas usando pintura, lpis, digital, aquarelas, Spray etc. Utilizando do simbolismo, faz uma anlise da sociedade retratando a gura humana como metfora situao scio-econmica atual, a competio e a introspeco presente em cada indivduo .Tais situaes caticas apresentam o eu interior opondo-se ao coletivo.Tipograa Urbana Ga (Guilherme Augusto Ferrari Melo) Quatro dos seus vinte e um anos foram totalmente dedicados ao grafti. Desenvolve o estilo 3D e participa de diversas mostras e eventos relacionados a arte de rua como: 30 horas da CPTM, e 100 anos da imigrao japonesa no tnel da paulista. Bravos (Dent - Thiago da Cruz Vasconcelos ) Teve seu primeiro contato com arte atravs da pixao em 1995 e 3 anos depois passou a praticar o grafti nas ruas de So Paulo. Comeou fazendo um estilo chamado Bomb (letras rpidas e preenchidas) depois o WILD STYLE (letras coloridas e embaraadas). Atualmente pratica um tipo de arte diferente e bastante rara chamada GRAPIXO (letras de pixao com sombras, efeitos e mais nalizada). Participou de vrios encontros e eventos como o painel do tunel da Av. Paulista - 2007, deu palestras e workshops em escolas e faculdade como a Universidade So Judas Tadeu. O artista resume seu trabalho e sua necessidade de produzir arte da seguinte forma: O VANDALISMO ME ATRAI.... www.ickr.com/photos/bravos_ad/ Kovardes - Mingau (Danilo S. Lucas) Comeou a pixar em 1994 com 14 anos quando fugia de casa na madrugada para pixar. Durante anos fez parte de algumas turmas de pixadores, porm em 1995 inventou sua prpria turma, chamada KOVARDES. At meados de 2004 fez muitos rabiscos pela cidade, quando resolveu comear a fazer Grapixo. De l pra c se dedica exclusivamente a esta forma de interveno, que vem ganhando cada vez mais destaque no cenrio nacional, principalmente na cidade de So Paulo. www.ickr.com/photos/kovardes/ Nem Nemviptk escritor de rua h dez anos fazendo suas letras com latex e spray. Teve como inuncia os artistas: Binho, Os Gmeos, Turma 44, Cobal, Fedos e Turma da Linha. Realizou trabalhos e participou de diversos eventos como: Tneis da Paulista e Rebouas, Beco Escola Aprendiz, Red Bull, sudaka 2004 (chile), Exposio 100 latas pela grafteria. Paralelamente a isso ministrou diversos workshops. www.ickr.com/photos/nemtkvip/ | www.fotolog.com/nemviptk | [email protected] Does Does, artista da cidade de Santo Andr, atualmente com 31 anos, iniciou sua trajetria fazendo stencil-art no ano de 1988. Escritor fantico pelo estilo"wildstyle",suas principais inuncias vem da cultura indgena, da arte islmica e de catedrais gticas. Viajou por diversas capitais brasileiras para divulgar sua arte, alm das cidades de Santiago e Valparaiso no Chile. Realizou trabalhos para grandes empresas como: Nescau, Guaran Antrtica, Rufes, Calvin Klein, Toronto Fashion week entre outras. Teve seus trabalhos divulgados em revistas de diversos paises como: Grcia, Japo, China, Esccia, Polnia, Alemanha, Itlia, Espanha e Inglaterra. www.ickr.com/photos/doeshdv | www.fotolog.net/does | www.myspace.com/doeshdv | www.grafti.org/does61 59. Iconekil (Thiago Rosa Monteiro) Durante seus 8 anos dedicados ao grafti participou de vrias exposies, ocinas, workshops e projetos como: Just writing my name, Painel em homenagem ao 100 anos da imigrao japonesa (Tnel da Av. Paulista), 1 Encontro de Grafti, Criana esperana, Galerias ao Ar Livre, So Paulo Capital Graftie 30 horas de Grafti (CPTM). Faz grafti tradicional composto por letras estilo piece (ou semi wild style). www.ickr.com/photos/iconekill/ Milgrau Desde cedo Milgrau observava o desenvolvimento da arte nas ruas, mas foi s em 1998 que teve a primeira sensao de como fazer grafti e desde ento, no parou de fazer. Teve a inuncia de escritores da velha escola mais sempre buscou adquirir um jeito "seu" de fazer arte. Apesar de ser autodidata contou com a ajuda de seus amigos que foram importantes em sua caminhada. Nesses anos aprendeu a ter iniciativa, no depender nem esperar por algum, isso que faz sua estrada. www.ickr.com/photos/milgrau/ Snif www.fotolog.com/snifsnifsnifDe baixo para cima: A voz do Underground Not Evandro, conhecido no mundo do grafti como Not, intervem nas ruas desde o ano de 1999. Participou de eventos, executou trabalhos de decorao e diversos workshops. grafteiro por considerar esta uma das artes mais esteticamente agressivas, ativista, acessvel ao povo e que participa do cotidiano das pessoas. O objetivo de cada rol do artista apresentar a contra-cultura. [email protected] | WWW.FLICKR.COM/PHOTOS/NOTACEM Mao Robson Luis, 23 anos residente da zona-leste de So Paulo. Artista da rua, vem desenvolvendo seu estilo marcante desde 1999. Hoje com tcnicas digitais estende seu trabalho a buttons, camisetas e adesivos, alm da produo artesanal de telas, customizao e decorao de objetos (inusitadamente decora objetos como caixas de fsforo, discos de vinil, azulejos etc...). Participou muitas vezes como orientador em ocinas e workshops, alm de encontros de grafti em algumas cidades do estado de So Paulo. Efetuou decoraes em escolas, postos de sade, comrcios e residncias, alm de painis e intervenes em espaos pblicos. Teve trabalhos divulgados em revistas e sites. [email protected] | www.ickr.com/photos/maoacem Wend Wesley Fabiano, 21 anos de idade, 5 dedicados ao grafti, residente da zona leste de So Paulo. Artista ativo nas ruas do Estado de So Paulo surpreende com traos simples e criativos de sua tipograa combinados com seu inconfundvel e original estilo de preenchimento na pintura de letras. Experincias como orientador em ocinas e workshops benecentes. Decoraes de postos de sade, escolas, residncias, comrcios e espaos pblicos. Produo de esculturas em madeira e alumnio. Seu trabalho constantemente divulgado em revistas, fanzines e sites. [email protected] | http://www.ickr.com/photos/willy_wend/ Fotos: David Conrado e Miguel de Castro Perez Projeto grco: Michelle Nascimento Centro Cultural da Juventude | Avenida Deputado Emlio Carlos, 3.641 | Vila Nova Cachoeirinha | So Paulo | SP | CEP: 02720-200 | 11 3984 2466 So Paulo | Julho 200862