ANTÓNIO PEREIRA JOAQUIM - uve.pt .Bimestral TIRAGEM 7000 emxeplares DEPÓSITO LEGAL 178 390/02...

download ANTÓNIO PEREIRA JOAQUIM - uve.pt .Bimestral TIRAGEM 7000 emxeplares DEPÓSITO LEGAL 178 390/02 Registo

of 32

  • date post

    29-Sep-2018
  • Category

    Documents

  • view

    212
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of ANTÓNIO PEREIRA JOAQUIM - uve.pt .Bimestral TIRAGEM 7000 emxeplares DEPÓSITO LEGAL 178 390/02...

  • 3ABRIL|MAIO 201506

    DIRETOR Jos Monteiro Limo

    SECRETARIADOPUBLICIDADEASSINATURASMar garida Nascimentomargarida.nascimento@veiculos-eletricos.com

    REDAOCarlos Moura Pedro (carlos.moura@veiculos-eletricos.com)Pedro Costa PereiraAndreia Amaral

    DESIGN EDITORIALTeresa Matias

    FOTOGRAFIAAugusto C. Silva

    IMPRESSOA Persistente Quinta do Nicho 2140-120 Chamusca

    PERIODICIDADEBimestral

    TIRAGEM7000 exem plares

    DEPSITO LEGAL178 390/02 Registo do ICS n. 124418

    ANTNIO PEREIRA JOAQUIMDIRETOR DE COMUNICAO DA NISSAN PORTUGAL

    Numa altura em que o interesse pblico pela Mobilidade Eltrica volta a ganhar mpeto em Portugal pertinente questionar-mo-nos quais as razes deste renascimento e refletir um pouco sobre alguns dos mitos dos Veculos Eltricos. Se verdade que o lanamento da Fiscalidade Verde veio despertar de novo as conscincias para as vantagens da mobilidade eltrica, tambm no deixa de ser interessante perceber que o maior crescimento dentro deste segmento o registado pelo Nissan LEAF - que repre-senta por si s quase metade (47 por cento) do segmento crescimento esse suporta-do por uma forte estratgia da marca que permite desde o incio do ano um preo de entrada de cerca de 16 mil euros. Se recor-darmos que h cerca de dois anos aceder a este veculo implicava um esforo prximo dos 35 mil euros, a concluso simples: sim, o preo era, at agora, um bice arriscara-mos mesmo, o bice - disseminao dos Veculos Eltricos. A par do preo, a reduzi-da autonomia dos veculos eltricos tornou--se desde logo um chavo. Mesmo para quem no se deslocava mais de meia dzia de quilmetros por dia, os contra eram o tal preo e a reduzida autonomia do veculo eltrico!... Graas ao sistema de telemtica Carwings, a Nissan revelou recentemen-te que os proprietrios europeus do LEAF viajam mais 40 por cento por ano do que a mdia europeia para veculos com motores tradicionais de combusto. Estes dados lan-am uma nova luz sobre aquilo que desde o incio do lanamento da Mobilidade Eltrica era uma convico, mas faltava provar: a autonomia no um entrave a este tipo de soluo de mobilidade.

    No incio, o consumidor tipo de um veculo eltrico era uma pessoa em permanente busca de novas tecnologias, preocupada com questes ambientais e adequando a sua atuao a esses ideais. Hoje, assistimos a uma generalizao dos consumidores, transversal em idades e localizaes geo-grficas, e com uma distribuio equitativa entre empresas e particulares. Em comum tm, agora, o facto de escolherem um ve-culo eltrico e aps uma anlise racional concluem que se adapta ao seu padro de mobilidade, com vantagens de custos. E aqui se desfaz mais um mito: o de que os VEs eram adequados quase exclusivamen-te a empresas e seriam vendidos maiorita-riamente em verses comerciais. Pois bem, em Portugal nos primeiros quatro meses deste ano venderam-se apenas sete ve-culos comerciais eltricos contra os 137 de passageiros!Pioneira nos veculos 100% eltricos, a Nis-san hoje lder mundial, com mais de 170 mil VEs na estrada, os quais percorreram j mais de mil milhes de quilmetros com uma taxa de fiabilidade das baterias de 99,99% e um grau de satisfao/recomendao dos seus condutores de 95%, a mais alta taxa de satisfao de clientes da marca. E, desde o incio do ano, qualquer cliente de um Nissan eltrico pode trocar de bateria por cinco mil euros Afinal, onde est o mito de que as baterias eram metade do custo do autom-vel e no eram fiveis?... Sete anos depois da Nissan ter colocado a Mobilidade Elctrica no panorama da industria automvel, tem-po de fim dos mitos at para aqueles que no acreditavam neste futuro e agora se apressam a mudar de estratgia!...

    2

    16

    10

    27

    PropriedadeEditor e sede de Redao:

    N.I.C.P. 504 565 060

    Rua Manuel Marques, 14 - Lj H 1750 - 171 Lisboa

    Tel. +351 213 559 015Fax. +351 213 559 020

    info@dicasepistas.ptwww.dicasepistas.pt

    O TEMPO DO FIM DOS MITOS? CONVERSA COMRICARDO SILVA LEASEPLAN

    CONVERSA COMJOS MANUEL VIEGAS INTERNATIONAL TRANSPORT FORUM

    CARREGAMENTONISSAN E-NV200 7 LUGARES

    SABIA QUEPRO-E-BIKE EM LISBOA

  • 4 ABRIL|MAIO 201506

    A Leaseplan foi pioneira no nosso pas na rea da mobilidade eltrica, tendo sido responsvel pela introduo dos primeiros veculos eltricos de nova ge-rao fabricados por grandes construtores automveis. As primeiras unidades vieram

    VECULOS ELTRICOS E HBRIDOS PLUG-IN J SO UMA SOLUO PARA AS EMPRESASRICARDO SILVA LEASEPLAN PORTUGAL

    Com a entrada em vigor da Lei da Fiscalidade Verde, os veculos eltricos e hbridos plug-in passaram a ser uma soluo do ponto de vista econmico para as empresas, refere o diretor comercial adjunto de suporte venda da Leaseplan Portugal, a gestora de frotas que atualmente tem maior nmero de veculos eltricos sob contrato no nosso pas.

    CONVERSA COMRICARDO SILVA LEASEPLAN

    para Portugal na sequncia de uma gran-de encomenda efetuada pelo Grupo Lea-seplan a nvel internacional, que decidiu fa-zer um investimento nesse tipo de viaturas. Em 2010, todas as filiais da gestora de fro-tas comprometeram-se a comprar um de-terminado nmero de unidades. Para Por-tugal vieram trs Nissan LEAF. Juntamente com o consrcio MOBI.E, a Leaseplan foi a primeira entidade a receber automveis eltricos em Portugal. Estando a Leaseplan ligada mobilida-de, qualquer conceito de mobilidade fundamental para a empresa, incluindo os veculos eltricos e hbridos plug-in, comenta Ricardo Silva, diretor comercial adjunto de suporte venda da Lease-plan Portugal. A aquisio dos primeiros veculos eltricos teve como objetivo dar a conhecer esta soluo aos clientes da gestora de frotas, mas tambm ganhar experincia com este tipo de viaturas, de-signadamente ao nvel dos perfis de utili-zao e da prpria gesto de um veculo

    eltrico, que diferente da de um veculo de combusto.Quando comprmos os primeiros vecu-los eltricos decidimos criar uma equipa multidisciplinar de projeto e inovao, que inclua a rea da informtica, vendas, pri-cing e manuteno. A empresa preten-deu estudar a realidade dos veculos el-tricos, porque tambm era uma novidade para ns, salienta o entrevistado. Em se-guida, a Leaseplan comeou a fazer ses-ses de demonstrao e esclarecimento junto dos clientes, e, distribuiu automveis para que estes pudessem experiment--los. Apesar de haver muito interesse, o custo para as empresas era elevado e os veculos eltricos no eram uma soluo do ponto de vista econmico, comenta o quadro da gestora de frotas. Com o incio da crise soberana, em 2011, e com a mudana de Governo, o interesse pelos veculos eltricos por parte das empreas arrefeceu, voltando a aumentar, este ano, com a entrada em vigor das medidas da

  • um ambiente melhor. O responsvel da empresa adianta que o objetivo da Lea-seplan conseguir promover o maior n-mero de veculos eltricos possvel, embo-ra a deciso seja sempre do cliente final. Para dar a conhecer os veculos eltricos aos responsveis de frota, a Leaseplan tem, neste momento, duas viaturas para testes pelos clientes um Nissan LEAF e um BMW i3 e dispe de uma equipa de consultadoria que produz estudos de ava-liao do ponto de vista econmico dos automveis eltricos e hbridos plug-in. Partilhamos esses estudos com os clien-tes e fazemos sesses de esclarecimento para dar a conhecer os tipos de propul-so disponveis no mercado, assim como as suas principais vantagens e desvanta-gens, refere o entrevistado, acrescentan-do que para tomarem uma deciso, os nossos clientes devem estar informados e o nosso papel transmitir a informao. A opo por um veculo depende do nmero de quilmetros percorridos entre carrega-mentos, sendo a rede de carregamento um fator em considerao e que pesa na tomada de deciso. Quem no tiver onde carregar o veculo tem dificuldades acres-cidas. Muitas empresas tm essa tarefa facilitada porque dispem de instalaes prprias com locais adequados para a co-locao de pontos de carregamento.Relativamente rede pblica MOBI.E, o entrevistado afirma que uma empresa no dever contar com a rede pblica de car-regamento para tomar a deciso. Apesar de todos os seus mritos, no suficiente para cobrir todas as necessidades, mas o futuro passar pelos veculos eltricos e hbridos plug-in, conclui Ricardo Silva.

    5ABRIL|MAIO 201506

    Lei da Fiscalidade Verde, as quais vieram proporcionar uma competitividade, at ento inexistente, aos veculos eltricos e hbridos plug-in. Atualmente, j so uma soluo do ponto de vista econmico, mantendo-se os incentivos fiscais inalte-rados. O entrevistado adianta que, nos dois ltimos anos (2013 e 2014), se assistiu a um agravamento agressivo das taxas de tributao autnoma sobre os carros das empresas. Caso se mantenham os

    benefcios fiscais a nvel da deduo do IVA para despesas de aquisio, loca-o e transformao de veculos eltri-cos e hbridos plug-in, e da tributao autnoma, estes veculos so propostas bastantes interessantes para as empre-sas face s solues tradicionais diesel, refere Ricardo Silva. Num veculo ligeiro de passageiros que tenha um preo de 25 mil euros, o cliente vai conseguir obter um benefcio fiscal, entre IVA e tributao au-tnoma, de quase 40 por cento, o que significativo. No entanto, se os benefcios fiscais vierem a desaparecer, aquilo que era uma poupana torna-se um custo in-comportvel. Atualmente, a Leaseplan a gestora de frotas com maior nmero de veculos el-tricos sob contrato. O maior cliente a C-mara Municipal de Lisboa, com os seus 42 Peugeot iOn e os 20 Renault Fluence ZE. Os restantes clientes tm entre um a trs veculos eltricos ou hbridos plug-in na sua frota, casos da EMEL, Brisa, EDP, Nes-tl, EFACEC, Critical Software ou Siemens. Esses clientes decidiram introduzir este tipo de veculos nas suas frotas porque se enquadram no seu negcio energia, mo-bilidade, tecnologia ou porque querem ser socialmente responsveis, explica Ricardo Silva. Sobre a experincia com a Cmara Municipal de Lisboa, o entrevis-tado consi