Ap fisica modulo 13 exercicios

of 12/12
ENEM Simulado INEP/MEC – Julho/2009 Professor Rodrigo Penna
  • date post

    10-Jul-2015
  • Category

    Education

  • view

    1.554
  • download

    6

Embed Size (px)

Transcript of Ap fisica modulo 13 exercicios

  • ENEM

    Simulado INEP/MEC Julho/2009

    Professor Rodrigo Penna

  • WWW.fisicanovestibular.com.br

    Professor Rodrigo Penna

    1. (INEP-MEC/2009) Um dos modelos usados na caracterizao dos sons ouvidos pelo ser humano baseia-se na hiptese de que ele funciona como um tubo ressonante. Neste caso, os sons externos produzem uma variao de presso do ar no interior do canal auditivo, fazendo a membrana (tmpano) vibrar. Esse modelo pressupe que o sistema funciona de forma equivalente propagao de ondas sonoras em tubos com uma das extremidades fechadas pelo tmpano. As frequncias que apresentam ressonncia com o canal auditivo tm sua intensidade reforada, enquanto outras podem ter sua intensidade atenuada.

    Considere que, no caso de ressonncia, ocorra um n sobre o tmpano e ocorra um ventre da onda na sada do canal auditivo, de comprimento L igual a 3,4 cm. Assumindo que a velocidade do som no ar (v) igual a 340 m/s, a frequncia do primeiro harmnico (frequncia fundamental, n = 1) que se formaria no canal, ou seja, a frequncia mais baixa que seria reforada por uma ressonncia no canal auditivo, usando este modelo (A) 0,025 kHz, valor que considera a frequncia do primeiro harmnico como

    igual a nv/4L e equipara o ouvido a um tubo com ambas as extremidades abertas.

    (B) 2,5 kHz, valor que considera a frequncia do primeiro harmnico como igual a nv/4L e equipara o ouvido a um tubo com uma extremidade fechada.

    (C) 10 kHz, valor que considera a frequncia do primeiro harmnico como igual a nv/L e equipara o ouvido a um tubo com ambas as extremidades fechadas.

    (D) 2.500 kHz, valor que expressa a frequncia do primeiro harmnico como igual a nv/L, aplicvel ao ouvido humano.

    (E) 10.000 kHz, valor que expressa a frequncia do primeiro harmnico como igual a nv/L, aplicvel ao ouvido e a tubo aberto e fechado.

    CORREO

    Primeiramente, fao questo de destacar a fonte que utilizei neste documento. Ela

    tem sido chamada de ecofonte, por ser mais econmica que outras. Observe pelo ttulo na capa, grande, que ela toda vazada, economizando, assim, tinta de impresso. Custa um pouco a acostumar, mas... Pela ecologia, v l. Veja um vdeo do interessante site de tecnologia Olhar Digital:

    http://olhardigital.uol.com.br/central_de_videos/video_wide.php?id_conteudo=8845

    Quem quiser baix-la, pode faz-lo no link abaixo:

    http://www.ecofont.eu/baixar_pt.html

  • WWW.fisicanovestibular.com.br

    Professor Rodrigo Penna

    Voltando questo agora tratada como item , ela me lembra mais uma questo de vestibular, comum mesmo, sobre ONDAS ESTACIONRIAS. Particularmente, tubos sonoros. A habilidade da Matriz do Novo ENEM : ! Reconhecer caractersticas ou propriedades de fenmenos ondulatrios ou oscilatrios, relacionando-os a seus

    usos em diferentes contextos. Antes de mais nada, preciso dizer que h um erro na figura. A parte fechada deve ser um n e a aberta um ventre, como diz inclusive o texto da prova agora dita teste. Corrigindo a ilustrao...

    Agora, sim! Minha experincia diz que poucos alunos notaram tal detalhe... Mas, como bons alunos poderiam alegar tal problema, confuso devido figura, o correto, numa prova, seria anul-la. Seguindo o que a questo diz, queremos a freqncia do primeiro harmnico, ou seja, um n no tmpano e um ventre na extremidade aberta do ouvido. Veja a figura. Isto corresponde freqncia mais baixa e ao maior comprimento de onda, ou seja, ao som mais grave. No vou discorrer muito, agora, sobre as ondas estacionrias em si, pois pressuponho algum conhecimento por parte do aluno. Porm, quem quiser mais teoria, recomendo uma boa postagem do tambm bom blog de Fsica chamado Fsica na veia! : http://fisicamoderna.blog.uol.com.br/arch2007-11-18_2007-11-24.html#2007_11-23_10_54_31-7000670-0 Note que ao fim desta postagem que recomendei h vrios outros links para o contedo de ondas estacionrias. Quem bom de frmula e decoreba, sabe que existe uma para resolver este item. Mas, considerando justamente o fim deste estilo, vamos pensar diferente. Vou comparar o desenho com os dados da questo e uma onda completa, cujo conceito mais bsico de comprimento de onda mais do que obrigao do aluno conhecer. Chegaremos ao resultado utilizando a tambm bsica equao da onda. Observe.

  • WWW.fisicanovestibular.com.br

    Professor Rodrigo Penna

    Pode-se com clareza que o primeiro harmnico corresponde a um quarto do comprimento de onda . Usando a equao e lembrando que 1 cm = 1.10 2 m, temos o resultado.

    340

    vv f f

    f

    = =

    =100

    25

    4 . 3,4 2312500 2,5.

    .12

    00

    ,5f K

    Hz

    Hz

    = = =

    Escolhendo a opo correta, veja que ela traz a frmula que na decoreba levaria resposta. Cabe a voc, estudando, lembrar por que. E, mais! Por que n=1,3,5,7,...? Somente os harmnicos mpares neste caso! Veja uma simulao no site da UEM, o excelente PET:

    http://www.pet.dfi.uem.br/anim_show.php?id=49

    OPO: B.

    2. (INEP-MEC/2009) A nanotecnologia est ligada manipulao da matria em escala nanomtrica, ou seja, uma escala to pequena quanto a de um bilionsimo do metro. Quando aplicada s cincias da vida, recebe o nome de nanobiotecnologia. No fantstico mundo da nanobiotecnologia, ser possvel a inveno de dispositivos ultrapequenos que, usando conhecimentos da biologia e da engenharia, permitiro examinar, manipular ou imitar os sistemas biolgicos.

    LACAVA, Z.; MORAIS, P. Nanobiotecnologia e sade. Com Cincia. Reportagens. Nanocincia & Nanotecnologia. Disponvel em: . Acesso em: 4 maio 2009.

    Como exemplo da utilizao dessa tecnologia na Medicina, pode-se citar a utilizao de nanopartculas magnticas (nanoims) em terapias contra o cncer.

    l = 3,4 cm = 4 l

  • WWW.fisicanovestibular.com.br

    Professor Rodrigo Penna

    Considerando-se que o campo magntico no age diretamente sobre os tecidos, o uso dessa tecnologia em relao s terapias convencionais (A) de eficcia duvidosa, j que no possvel manipular nanopartculas para

    serem usadas na medicina com a tecnologia atual. (B) vantajoso, uma vez que o campo magntico gerado por essas partculas

    apresenta propriedades teraputicas associadas ao desaparecimento do cncer.

    (C) desvantajoso, devido radioatividade gerada pela movimentao de partculas magnticas, o que, em organismos vivos, poderia causar o aparecimento de tumores.

    (D) desvantajoso, porque o magnetismo est associado ao aparecimento de alguns tipos de cncer no organismo feminino como, por exemplo, o cncer de mama e o de colo de tero.

    (E) vantajoso, pois se os nanoims forem ligados a drogas quimioterpicas, permitem que estas sejam fixadas diretamente em um tumor por meio de um campo magntico externo, diminuindo-se a chance de que reas saudveis sejam afetadas.

    CORREO

    Eis uma questo que considerei melhor do que a primeira, no quesito fora decoreba! Engloba conhecimento, sim, sobre Magnetismo. Porm, raros alunos tero ouvido falar deste novo tipo de terapia. Portanto, extrapolar ser fundamental. Habilidade na Matriz do Novo ENEM http://www.fisicanovestibular.xpg.com.br/noticias/matriz_novoenem.pdf?option=com_docman&task=doc_download&gid=841&Itemid= : ! Reconhecer benefcios, limitaes e aspectos ticos da biotecnologia, considerando estruturas e processos

    biolgicos envolvidos em produtos biotecnolgicos. Observe que a questo fala, claramente, que ser possvel manipular nanopartculas magnticas e que o magnetismo no age sobre os tecidos, no caso os cancerosos. Dos conhecimentos bsicos de Fsica, magnetismo no gera radioatividade e, da Biologia, magnetismo no est associado ao aparecimento de cncer! Ou teramos que tirar todos os ms fora tecnologia! da nossa casa. Isto elimina as 4 primeiras opes e leva resposta... Como uma terapia inovadora, ainda est em pesquisa. Mas, quem no ouviu falar, at hoje, em Radioterapia, tem muito pouco conhecimento geral. A questo descreve uma espcie de nano-magneto-frmaco, mas radiofrmacos j existem e so muito utilizados, com sucesso, em terapias e diagnsticos. Para aprender mais, sugiro a leitura da postagem em meu blog, o Quantizado: A Fsica na Medicina: http://quantizado.blogspot.com/2009/08/fisica-na-medicina.html . Ou, mais especificamente, algumas aulas que preparei: Radioterapia http://www.slideshare.net/capitao_rodrigo/radioterapia , Cintilografia http://www.slideshare.net/capitao_rodrigo/cintilografia-medicina-nuclear e PET http://www.slideshare.net/capitao_rodrigo/p-e-t-positron-emission-tomography .

    OPO: E.

    3. (INEP-MEC/2009) No sculo XXI, racionalizar o uso da energia uma necessidade imposta ao homem devido ao crescimento populacional e aos problemas climticos que o uso da energia, nos moldes em que vem sendo feito, tem criado para o planeta. Assim, melhorar a eficincia no consumo global de energia torna-se imperativo. O grfico, a seguir, mostra a participao de vrios setores da

  • WWW.fisicanovestibular.com.br

    Professor Rodrigo Penna

    atividade econmica na composio do PIB e sua participao no consumo final de energia no Brasil.

    PATUSCO, J. A. M. Energia e economia no Brasil 1970-2000. Economia & Energia, n. 35, nov./dez., 2002. Disponvel em:. Acesso em: 20 mar. 2009. (com adaptaes).

    Considerando os dados apresentados, a fonte de energia primria para a qual uma melhoria de 10% na eficincia de seu uso resultaria em maior reduo no consumo global de energia seria (A) o carvo.(B) o petrleo.(C) a biomassa.(D) o gs natural.(E) a hidroeletricidade.

    CORREO

    Outra questo que achei muito interessante, sobre ENERGIA. Alis, o principal assunto relacionado Fsica no velho ENEM. D uma olhada na apostila que preparei com todas as questes de Fsica, corrigidas e comentadas desde 1998, o lanamento desta prova ou melhor, teste. http://www.fisicanovestibular.xpg.com.br/provascorrigidas/apost_enem.pdf Habilidade na Matriz do Novo ENEM http://www.fisicanovestibular.xpg.com.br/noticias/matriz_novoenem.pdf?option=com_docman&task=doc_download&gid=841&Itemid= :

  • WWW.fisicanovestibular.com.br

    Professor Rodrigo Penna

    ! Relacionar informaes apresentadas em diferentes formas de linguagem e representao usadas nas cincias fsicas, qumicas ou biolgicas, como texto discursivo, grficos, tabelas, relaes matemticas ou linguagem simblica.

    Veja no grfico como o setor de servios tem o maior percentual de participao no

    PIB, enquanto o de transportes tem o maior percentual de consumo de energia, claramente.

    Cabe discutir o conceito de fonte primria ou secundria. Veja atravs de um exemplo. Podemos utilizar o petrleo ou a biomassa para gerar calor e com este, numa usina termeltrica, gerar eletricidade. So transformaes de energia. Na base, primria, est o petrleo.

    A questo pede: a fonte de energia primria para a qual uma melhoria de 10% na eficincia de seu uso resultaria em maior reduo no consumo global de energia. Ora, para obtermos uma maior reduo, precisamos reduzir na que gasta mais. E, quem gasta mais, pelo grfico, so os transportes! Carros, avies, navios, locomotivas, caminhes, nibus... Do que dependem? Apesar do lcool e do biodiesel, petrleo!

    Quanto se fala em rendimento, um bom aluno tambm poderia associar aos motores combusto cujo rendimento bem baixo , mquinas trmicas, ciclo de Carnot http://www.pet.dfi.uem.br/anim_show.php?id=24 , etc... Sempre bom saber!

    OPO: B.

    4. (INEP-MEC/2009) Quatro, trs, dois, um... V! O relgio marcava 9h32min (4h32min em Braslia) na sala de comando da Organizao Europia de Pesquisa Nuclear (CERN), na fronteira da Sua com a Frana, quando o narrador anunciou o surgimento de um flash branco nos dois teles. Era sinal de que o experimento cientfico mais caro e mais complexo da humanidade tinha dado seus primeiros passos rumo simulao do Big Bang, a grande exploso que originou o universo. A platia, formada por jornalistas e cientistas, comemorou com aplausos assim que o primeiro feixe de prtons foi injetado no interior do Grande Colisor de Hadrons (LHC Large Hadrons Collider), um tnel de 27 km de circunferncia construdo a 100 m de profundidade. Duas horas depois, o segundo feixe foi lanado, em sentido contrrio. Os feixes vo atingir velocidade prxima da luz e, ento, colidiro um com o outro. Essa coliso poder ajudar a decifrar mistrios do universo.

    CRAVEIRO, R. "Mquina do Big Bang" ligada. Correio Braziliense, Braslia, 11 set. 2008, p. 34. (com adaptaes).

    Segundo o texto, o experimento no LHC fornecer dados que possibilitaro decifrar os mistrios do universo. Para analisar esses dados provenientes das colises no LHC, os pesquisadores utilizaro os princpios de transformao da energia. Sabendo desses princpios, pode-se afirmar que

    (A) as colises podem ser elsticas ou inelsticas e, em ambos os casos, a energia cintica total se dissipa na coliso.

    (B) a energia dos aceleradores proveniente da energia liberada nas reaes qumicas no feixe injetado no interior do Grande Colisor.

    (C) o feixe de partculas adquire energia cintica proveniente das transformaes de energia ocorridas na interao do feixe com os aceleradores.

    (D) os aceleradores produzem campos magnticos que no interagem com o feixe, j que a energia preponderante das partculas no feixe a energia potencial.

    (E) a velocidade das partculas do feixe irrelevante nos processos de transferncia de energia nas colises, sendo a massa das partculas o fator preponderante.

  • WWW.fisicanovestibular.com.br

    Professor Rodrigo Penna

    CORREO Este item envolve os conceitos de Conservao da Energia e da Quantidade de Movimento. Espera-se que o aluno j tenha, pelo menos, ouvido falar, durante as aulas, de experimentos em Fsica de Partculas. Onde estes dois conceitos so fundamentais!

    Na Matriz do Novo ENEM http://www.fisicanovestibular.xpg.com.br/noticias/matriz_novoenem.pdf?option=com_docman&task=doc_download&gid=841&Itemid= : ! Caracterizar causas ou efeitos dos movimentos de partculas, substncias, objetos ou corpos celestes.

    Para comear, o LHC - http://idgnow.uol.com.br/mercado/2008/09/10/maquina-que-vai-recriar-o-big-bang-e-testada-com-sucesso/ - deu a

    maior audincia quando foi inaugurado! Inmeras notcias de jornal, programas inteiros na tv, etc... Se no fosse o vazamento de hlio... Se voc no viu, pacincia!

    Nesta questo, vou comentar cada opo. a) Poderia analisar a coliso entre partculas, mas h um erro conceitual que

    facilita descartar esta opo. Numa coliso elstica, a energia cintica se conserva, logo no se dissipa.

    b) Um acelerador no movido energia qumica. A pilha http://pt.wikipedia.org/wiki/Pilha que !

    c) CORRETA! Alis, para mim, bastante clara! De onde as partculas tiram energia para atingirem 99,9% da velocidade da luz? Interagindo com o acelerador, claro!

    d) Pode at ser que um bom aluno confunda, sabendo que a fora exclusivamente magntica provoca aceleraes centrpetas curvas no contribuindo portanto para o ganho de velocidade. Logo, de energia cintica. Mas, qualquer um que tenha noo sabe que o acelerador um crculo! Como diz o enunciado! evidente que estas foras precisam interagir com as partculas! E, mais, quase na velocidade da luz, sua energia no potencial, mas cintica!

    e) Se a velocidade fosse irrelevante, para qu construir a maior mquina do mundo?

    Como achei a questo bastante clara, tambm no creio que conhecimento profundo

    dos conceitos de conservao da energia ou da quantidade de movimento fossem necessrios para sua soluo. Porm, corrigir uma prova, uma questo ou um simulado sempre uma oportunidade a mais de se ensinar alguma coisa. Alis, para isto que eu invisto tanto tempo nisto. Caso contrrio, poderia muito bem me limitar a dar a resposta, como uma justificativa mnima e pronto. Sendo assim, recomendo um estudo prvio e, por que no, uma tentativa de soluo dos exerccios sobre este dois temas fundamentais, que esto disponveis no meu site, o Fsica no Vestibular. Sobre a conservao da energia: - http://www.fisicanovestibular.xpg.com.br/questoes/1_trabalho.pdf . Sobre a conservao da quantidade de movimento, ou Momento Linear: - http://www.fisicanovestibular.xpg.com.br/questoes/1_impulso.pdf .

    OPO: C.

  • WWW.fisicanovestibular.com.br

    Professor Rodrigo Penna

    5. (INEP-MEC/2009) A figura a seguir ilustra as principais fontes de emisses mundiais de gs carbnico, relacionando-as a nossas compras domsticas (familiares).

    Compre verde: como nossas compras podem ajudar a salvar o planeta. poca, n. 515, 31 maro 2008.

    Com base nas informaes da figura, observado que as emisses de gs carbnico esto diretamente ligadas s compras domsticas. Deste modo, deduz-se das relaes de produo e consumo apresentadas que (A) crescimento econmico e proteo ambiental so polticas pblicas

    incompatveis. (B) a reduo da atividade industrial teria pouco impacto nas emisses globais

    de gs carbnico. (C) os fluxos de carbono na biosfera no so afetados pela atividade humana,

    pois so processos cclicos. (D) a produo de alimentos, em seu conjunto, diretamente responsvel por

    17% das emisses de gs carbnico. (E) haveria decrscimo das emisses de gs carbnico se o consumo ocorresse

    em reas mais prximas da produo.

  • WWW.fisicanovestibular.com.br

    Professor Rodrigo Penna

    CORREO Haver polmica quanto ao simples fato de esta questo ter ou no relao com a Fsica! Mas, vou discorrer sobre isto nos comentrios finais. Apenas para no ir longe, observe que, segundo a reportagem, os dados vieram da Agncia Internacional de Energia. E, convenhamos, pensar que energia no tem a ver com Fsica o mesmo que pensar que clula no tem a ver com Biologia! Pelo grfico, vemos que praticamente tudo o que existe est relacionado produo de CO2 e, logo, ao chamado Aquecimento Global, http://www.bbc.co.uk/portuguese/especial/clima_ambiente.shtml , talvez o maior problema do sculo XXI. E que tem a ver com nosso padro energtico e de consumo, que a reportagem aborda.

    Na Matriz do Novo ENEM http://www.fisicanovestibular.xpg.com.br/noticias/matriz_novoenem.pdf?option=com_docman&task=doc_download&gid=841&Itemid= : ! Avaliar possibilidades de gerao, uso ou transformao de energia em ambientes especficos, considerando

    implicaes ticas, ambientais, sociais e/ou econmicas.

    Novamente, o caso de se comentar cada intem. a) Caso algum acredite nisto, melhor propor parar o desenvolvimento agora e

    voltarmos a utilizar lamparinas e bacos! b) Sendo a atividade industrial responsvel por cerca de um quarto das emisses,

    claro que haveria impacto! c) justamente isto que o IPCC, com a contribuio de centenas de cientistas do

    mundo todo, concluiu que no! O homem est provocando aquecimento na Terra! d) Esta a melhor opo para diferenciar os alunos. Uma anlise imediata, bateu o

    olho, parece que sim. Volte e olhe a figura. Mas, pense: agricultura depende de adubos, mquinas, insumos que vm da produo industrial; depende de transporte para insumos e dos alimentos; enfim, do jeito que a questo coloca, em seu conjunto, a agricultura responsvel por mais do que os 17 % mostrados!

    e) CORRETA. Sem dvida, produzindo mais perto de onde se consome, implica em menos transporte e menos emisses. Mas, veja o mundo, hoje: compramos quinquilharias chinesas, exportamos sapatos para Europa, comemos bacalhau noruegus e eles bebem nossa cachaa! a tal globalizao!

    COMENTRIOS Para quem quiser baixar todo o simulado, segue logo o link, antes que me esquea: ! http://www.fisicanovestibular.xpg.com.br/noticias/Enem2009_MEC.zip

    Comeo dizendo que nem sempre a primeira impresso a que fica! Quando bati

    meus olhos na primeira questo pensei, a priori, que o novo ENEM tinha se aproximado do Vestibular tradicional! Ledo engano, pois est mais do que claro que no! Basta observar que dos cinco itens relacionadas de alguma forma Fsica, apenas justamente este, um nico, envolve frmula e conta! Ou seja, apenas 20 %! Mesmo assim, a frmula em questo das mais importantes e bsicas: v = f. Nada de mais para uma prova. E, a conta, em si, tranqila. Cobrou transformao de unidades, porm, convenhamos, cm em m! Se isto no obrigao de um formando no Ensino Mdio,

  • WWW.fisicanovestibular.com.br

    Professor Rodrigo Penna

    tambm, podemos fechar as escolas! Mesmo nesta questo, embora haja o erro comentado da figura, o enunciado trazia informaes que permitiriam soluo sem decoreba. Mas, com contedo, como o simulado se caracterizou. No geral, avalio o nvel do simulado, como um todo, como mdio: nem fcil nem difcil. E fica muito clara a interdisciplinaridade e a contextualizao das questes. Tanto que lendo outros comentrios, de outros professores, vi classificarem as questes diferentemente do que aqui eu fiz. Algumas que relacionei Fsica outros professores acharam que no, que eram de outros contedos. Tudo bem, so opinies. 3 questes destas 5 tm relao com ENERGIA, o grande tema do velho ENEM para a Fsica. So nada menos do que 60%! Justamente por isto, recomendei baixar a apostila com as questes resolvidas e comentadas desde 1998! Est l, no Fsica no Vestibular, para todos que quiserem. At porque muito do estilo do velho ENEM, como interpretao de grficos, transformaes de energia, aquecimento global, esto aqui, neste simulado de agora! 3 questes 60 % - trazem figuras, destas duas so grficos 40 % - que demandam interpretao e conhecimento prvio para sua soluo. Porm, bem na linha do que o Ministro da Educao e o presidente do INEP falaram em entrevistas vrias link para algumas: http://portal.mec.gov.br/centraldemidia/play.php?vid=274 ; http://www.portalms.com.br/noticias/Veja-o-Video-Ministro-da-Educacao-fala-sobre-novo-Enem-e-evasao-escolar/Brasil/Politica/34110.html nada de decoreba, mesmo! E, mais ainda, conforme inclusive anunciado pelo mesmo Ministro, a tendncia do programa diminuir. At parece novidade! Se o famoso e Nobel de Fsica, Richard Feynman - http://pt.wikipedia.org/wiki/Richard_Feynman - , h dcadas atrs, estudando o Ensino de Fsica pelo mundo afora j no tivesse dito algo mais ou menos assim: Os brasileiros esto entre os povos que mais estudam Fsica. E tambm entre os que menos sabem!. Que vergonha para ns! Est evidente para mim que o Novo ENEM no enfoca quantidade, mas qualidade! Objeto de comentrio tambm em meu blog, o Quantizado: http://quantizado.blogspot.com/2009/06/quantidade-versus-qualidade.html . Vejo reclamaes sobre o tempo, devido aos grandes enunciados das questes. Mas, claro, quando ns mesmos, professores, e alguns vestibulares so cheios de questes diretas, sem absolutamente nenhuma interpretao de nada que no seja buscar uma informao na memria! Treinamos nossos alunos assim durante anos! Reclamar de qu? Claro que o aluno, no ENEM, ter que ler e interpretar. E, por isto mesmo, vejo alguns professores perdidos! Mas, ora bolas, enquanto professor de Fsica, cabe a mim discutir em sala assuntos como aquecimento global, o LHC, energias alternativas, transformaes energticas. O ENEM torna claro o que para mim j era bvio, e que sempre critiquei: no existe competncia sem contedo, bem como tambm no existia competncia em um contedo sem contexto, plugado na vida! No dia a dia! O aluno ter dificuldade sim, com o tempo da prova, porque l pouco! Mal e mal o livro didtico ou apostila, e olhe l! Veja a questo da emisso de CO2, a que aqui veio numerada como 5. de qumica, por citar o gs carbnico? Para mim bvio que no! Afinal, no cabe Fsica discutir alternativas energticas como as chamadas energias limpas, elica e solar, por exemplo, ou outras mais polmicas, como a nuclear? Alternativas de transporte, como metrs e trens eltricos, para contribuir para mitigar as emisses de carbono? Pelo que entendi da Matriz do Novo ENEM http://www.slideshare.net/capitao_rodrigo/novo-enem-fisica , ululante que sim! No cabe a ns, professores, brigarmos pela posse de uma questo na prova! Isto ridculo, quando, ao contextualizar estamos imediatamente lidando com a interdisciplinaridade! O conhecimento amplo, e imbricado! Para quem quiser estudar um pouco mais, sobre o tema Energia, especificamente, dentro do contexto do ENEM, recomendo duas aulas minhas: - A primeira sobre Energia Nuclear: http://www.slideshare.net/capitao_rodrigo/energia-nuclear-1442946 ; - A segunda sobre energias alternativas e a questo nuclear: http://www.slideshare.net/capitao_rodrigo/fontes-de-energia-alternativas-e-a-questao-nuclear ;

  • WWW.fisicanovestibular.com.br

    Professor Rodrigo Penna

    E, aproveitando para indicar outro bom blog de Fsica, o Efeito Joule, segue uma postagem sobre energia solar: http://www.efeitojoule.com/2008/11/energia-solar-e-energia-solar.html . Um livro feito pelo prprio MEC, que indiquei h alguns meses no meu site, trata muito melhor do contedo do ENEM do que muitos dos livros de Fsica por a: s baixar em http://encceja.inep.gov.br/images/pdfs/ciencias_naturais_em_br.pdf . Para o aluno que se animar a ler, acredito que ajudar muito a se preparar para a prova. Como estavam certos Dona Beatriz e seu Antnio Mximo! http://www.livrariadafisica.com.br/detalhe_produto.aspx?id=2729 . Resolvi tambm disponibilizar no site as antigas provas do ENCCEJA, que j eram baseadas em Competncias, tambm: http://www.fisicanovestibular.xpg.com.br/noticias/encceja_provas.rar . Para um aquecimento de CONTEDO ainda recomendo a apostila da UFMG: http://www.fisicanovestibular.xpg.com.br/apostilas/ufmg_1a_97_a_09.pdf . Embora em outro estilo que no o do ENEM, tambm no trazem tantas picuinhas e decorebas. Outras provas que recomendo so da UnB e UNICAMP. A grande crtica ao Ensino atual, e que o ENEM, parece, vai ajudar a mudar justamente esta: simplesmente no ensinamos! Adestramos com um contedo imenso, com poucas aplicaes no dia a dia, e que o aluno esquece assim que passa no vestibular! O estilo do ENEM no este, mesmo! Um aluno cuja fonte de informao apenas o Jornal Nacional nunca vai entender ou saber interpretar uma excelente e hilria montagem como esta: http://www.caochupandomanga.com/2009/08/fujam-para-as-colinas.html . Alis, ta blog bacana o Co chupando maga! O ENEM quer um aluno crtico, e no passivo! E isto muito difcil de se construir! Por exemplo, em BH acabamos de cobrir um pedao de um grande rio, o Arrudas, que corta a cidade, num conjunto de obras chamado Linha Verde. Veja que em Seul, objeto de estudo de inmeros pases, fizeram justamente o contrrio: - http://theurbanearth.wordpress.com/2008/10/21/recuperacao-de-um-rio-em-seul-coreia/ . Do ponto de vista urbano e ecolgico, no estaramos andando para trs? Qual a sua opinio a respeito? O que prioritrio em sua opinio: o metr de BH ou a mudana da sede administrativa para o Serra Verde? Voc seria capaz de compor uma redao sobre este tema? Isto pensar! Para mim, o professor que apostar em filigranas do contedo vai quebrar a cara no ENEM! No cito aqui porque o fao por minha conta e risco, mas conheo muito bem o programa de Fsica para saber, exatamente, o que no cai no ENEM de jeito nenhum! E, como tempo limitado e importante, espero conseguir priorizar o que realmente importa. Farei uma experincia neste sentido lecionando um curso inteiro para o ENEM junto com um professor de... Biologia! http://www.fisicanovestibular.xpg.com.br/apostilas/questoes_interdiscip_bio_fis.pdf Seria bom que o MEC definisse, logo, a diminuio do contedo. Justamente para que no comecemos o ano que vem sem saber. Pois, neste ano, o bonde foi pego andando... E, para pensar, tendo a ver com economia, aquecimento global, crise, sociedade, etc, deixo dois textos grandes e difceis do timo site do professor Ladislau Dowbor. Ambos, como disse, para pensar... Esse o segredo do ENEM: pensar! - http://dowbor.org/crisesemmisterios8.pdf ; - http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=15977 .

    Professor Rodrigo Penna (05/08/2009)