apostila

Click here to load reader

  • date post

    31-Oct-2014
  • Category

    Documents

  • view

    432
  • download

    0

Embed Size (px)

description

apostila

Transcript of apostila

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPO

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicosprimeiro contato com o novo texto. Desta leitura, extraem-se informaes sobre o contedo abordado e prepara-se o prximo nvel de leitura. Durante a interpretao propriamente dita, cabe destacar palavras-chave, passagens importantes, bem como usar uma palavra para resumir a ideia central de cada pargrafo. Este tipo de procedimento agua a memria visual, favorecendo o entendimento. No se pode desconsiderar que, embora a interpretao seja subjetiva, h limites. A preocupao deve ser a captao da essncia do texto, a fim de responder s interpretaes que a banca considerou como pertinentes. No caso de textos literrios, preciso conhecer a ligao daquele texto com outras formas de cultura, outros textos e manifestaes de arte da poca em que o autor viveu. Se no houver esta viso global dos momentos literrios e dos escritores, a interpretao pode ficar comprometida. Aqui no se podem dispensar as dicas que aparecem na referncia bibliogrfica da fonte e na identificao do autor. A ltima fase da interpretao concentra-se nas perguntas e opes de resposta. Aqui so fundamentais marcaes de palavras como no, exceto, errada, respectivamente etc. que fazem diferena na escolha adequada. Muitas vezes, em interpretao, trabalha-se com o conceito do "mais adequado", isto , o que responde melhor ao questionamento proposto. Por isso, uma resposta pode estar certa para responder pergunta, mas no ser a adotada como gabarito pela banca examinadora por haver uma outra alternativa mais completa. Ainda cabe ressaltar que algumas questes apresentam um fragmento do texto transcrito para ser a base de anlise. Nunca deixe de retornar ao texto, mesmo que aparentemente parea ser perda de tempo. A descontextualizao de palavras ou frases, certas vezes, so tambm um recurso para instaurar a dvida no candidato. Leia a frase anterior e a posterior para ter ideia do sentido global proposto pelo autor, desta maneira a resposta ser mais consciente e segura. Podemos, tranquilamente, ser bem-sucedidos numa interpretao de texto. Para isso, devemos observar o seguinte: 01. Ler todo o texto, procurando ter uma viso geral do assunto; 02. Se encontrar palavras desconhecidas, no interrompa a leitura, v at o fim, ininterruptamente; 03. Ler, ler bem, ler profundamente, ou seja, ler o texto pelo monos umas trs vezes ou mais; 04. Ler com perspiccia, sutileza, malcia nas entrelinhas; 05. Voltar ao texto tantas quantas vezes precisar; 06. No permitir que prevaleam suas ideias sobre as do autor; 07. Partir o texto em pedaos (pargrafos, partes) para melhor compreenso; 08. Centralizar cada questo ao pedao (pargrafo, parte) do texto correspondente; 09. Verificar, com ateno e cuidado, o enunciado de cada questo; 10. Cuidado com os vocbulos: destoa (=diferente de ...), no, correta, incorreta, certa, errada, falsa, verdadeira, exceto, e outras; palavras que aparecem nas perguntas e que, s vezes, dificultam a entender o que se perguntou e o que se pediu; 11. Quando duas alternativas lhe parecem corretas, procurar a mais exata ou a mais completa; 12. Quando o autor apenas sugerir ideia, procurar um fundamento de lgica objetiva; 13. Cuidado com as questes voltadas para dados superficiais; 1

Interpretao de texto; ortografia oficial; acentuao; crase; pontuao; emprego de verbos e de pronomes; colocao pronominal; concordncia nominal e verbal; regncia nominal e verbal; emprego de preposio e de conjuno; sinonmia; linguagem figurada. INTERPRETAO DE TEXTOOs concursos apresentam questes interpretativas que tm por finalidade a identificao de um leitor autnomo. Portanto, o candidato deve compreender os nveis estruturais da lngua por meio da lgica, alm de necessitar de um bom lxico internalizado. As frases produzem significados diferentes de acordo com o contexto em que esto inseridas. Torna-se, assim, necessrio sempre fazer um confronto entre todas as partes que compem o texto. Alm disso, fundamental apreender as informaes apresentadas por trs do texto e as inferncias a que ele remete. Este procedimento justifica-se por um texto ser sempre produto de uma postura ideolgica do autor diante de uma temtica qualquer. Denotao e Conotao Sabe-se que no h associao necessria entre significante (expresso grfica, palavra) e significado, por esta ligao representar uma conveno. baseado neste conceito de signo lingustico (significante + significado) que se constroem as noes de denotao e conotao. O sentido denotativo das palavras aquele encontrado nos dicionrios, o chamado sentido verdadeiro, real. J o uso conotativo das palavras a atribuio de um sentido figurado, fantasioso e que, para sua compreenso, depende do contexto. Sendo assim, estabelece-se, numa determinada construo frasal, uma nova relao entre significante e significado. Os textos literrios exploram bastante as construes de base conotativa, numa tentativa de extrapolar o espao do texto e provocar reaes diferenciadas em seus leitores. Ainda com base no signo lingustico, encontra-se o conceito de polissemia (que tem muitas significaes). Algumas palavras, dependendo do contexto, assumem mltiplos significados, como, por exemplo, a palavra ponto: ponto de nibus, ponto de vista, ponto final, ponto de cruz ... Neste caso, no se est atribuindo um sentido fantasioso palavra ponto, e sim ampliando sua significao atravs de expresses que lhe completem e esclaream o sentido. Como Ler e Entender Bem um Texto Basicamente, deve-se alcanar a dois nveis de leitura: a informativa e de reconhecimento e a interpretativa. A primeira deve ser feita de maneira cautelosa por ser o

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPO14. No se deve procurar a verdade exata dentro daquela resposta, mas a opo que melhor se enquadre no sentido do texto; 15. s vezes a etimologia ou a semelhana das palavras denuncia a resposta; 16. Procure estabelecer quais foram as opinies expostas pelo autor, definindo o tema e a mensagem; 17. O autor defende ideias e voc deve perceb-las; 18. Os adjuntos adverbiais e os predicativos do sujeito so importantssimos na interpretao do texto. Ex.: Ele morreu de fome. de fome: adjunto adverbial de causa, determina a causa na realizao do fato (= morte de "ele"). Ex.: Ele morreu faminto. faminto: predicativo do sujeito, o estado em que "ele" se encontrava quando morreu.; 19. As oraes coordenadas no tm orao principal, apenas as ideias esto coordenadas entre si; 20. Os adjetivos ligados a um substantivo vo dar a ele maior clareza de expresso, aumentando-lhe ou determinando-lhe o significado. Eraldo Cunegundes

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicoscom a resoluo dos conflitos.

Os fatos: So os acontecimentos de que as personagens participam. Da natureza dos acontecimentos apresentados decorre o gnero do texto. Por exemplo o relato de um acontecimento cotidiano constitui uma crnica, o relato de um drama social um romance social, e assim por diante. Em toda narrativa h um fato central, que estabelece o carter do texto, e h os fatos secundrios, relacionados ao principal. Espao: Os acontecimentos narrados acontecem em diversos lugares, ou mesmo em um s lugar. O texto narrativo precisa conter informaes sobre o espao, onde os fatos acontecem. Muitas vezes, principalmente nos textos literrios, essas informaes so extensas, fazendo aparecer textos descritivos no interior dos textos narrativo. Tempo: Os fatos que compem a narrativa desenvolvem-se num determinado tempo, que consiste na identificao do momento, dia, ms, ano ou poca em que ocorre o fato. A temporalidade salienta as relaes passado/presente/futuro do texto, essas relaes podem ser linear, isto , seguindo a ordem cronolgica dos fatos, ou sofre inverses, quando o narrador nos diz que antes de um fato que aconteceu depois.

ELEMENTOS CONSTITUTIVOS TEXTO NARRATIVO

As personagens: So as pessoas, ou seres, viventes ou no, foras naturais ou fatores ambientais, que desempenham papel no desenrolar dos fatos.Toda narrativa tem um protagonista que a figura central, o heri ou herona, personagem principal da histria. O personagem, pessoa ou objeto, que se ope aos designos do protagonista, chama-se antagonista, e com ele que a personagem principal contracena em primeiro plano. As personagens secundrias, que so chamadas tambm de comparsas, so os figurantes de influencia menor, indireta, no decisiva na narrao. O narrador que est a contar a histria tambm uma personagem, pode ser o protagonista ou uma das outras personagens de menor importncia, ou ainda uma pessoa estranha histria. Podemos ainda, dizer que existem dois tipos fundamentais de personagem: as planas: que so definidas por um trao caracterstico, elas no alteram seu comportamento durante o desenrolar dos acontecimentos e tendem caricatura; as redondas: so mais complexas tendo uma dimenso psicolgica, muitas vezes, o leitor fica surpreso com as suas reaes perante os acontecimentos. Sequncia dos fatos (enredo): Enredo a sequncia dos fatos, a trama dos acontecimentos e das aes dos personagens. No enredo podemos distinguir, com maior ou menor nitidez, trs ou quatro estgios progressivos: a exposio (nem sempre ocorre), a complicao, o climax, o desenlace ou desfecho. Na exposio o narrador situa a histria quanto poca, o ambiente, as personagens e certas circunstncias. Nem sempre esse estgio ocorre, na maioria das vezes, principalmente nos textos literrios mais recentes, a histria comea a ser narrada no meio dos acontecimentos (in mdia), ou seja, no estgio da complicao quando ocorre e conflito, choque de interesses entre as personagens. O clmax o pice da histria, quando ocorre o estgio de maior tenso do conflito entre as personagens centrais, desencadeando o desfecho, ou seja, a concluso da histria

O tempo pode ser cronolgico ou psicolgico. O cronolgico o tempo material em que se desenrola ao, isto , aquele que medido pela natureza ou pelo relgio. O psicolgico no mensurvel pelos padres fixos, porque aquele que ocorre no interior da personagem, depende da sua percepo da realidade, da durao de um dado acontecimento no seu esprito.

Narrador: observador e personagem: O narrador,

-

-

como j dissemos, a personagem que est a contar a histria. A posio em que se coloca o narrador para contar a histria constitui o foco, o aspecto ou o ponto de vista da narrativa, e ele pode ser caracterizado por : viso por detrs : o narrador conhece tudo o que diz respeito s personagens e histria, tendo uma viso panormica dos acontecimentos e a narrao feita em 3a pessoa. viso com: o narrador personagem e ocupa o centro da narrativa que feito em 1a pessoa. viso de fora: o narrador descreve e narra apenas o que v, aquilo que observvel exteriormente no comportamento da personagem, sem ter acesso a sua interioridade, neste caso o narrador um observador e a narrativa feita em 3a pessoa. Foco narrativo: Todo texto narrativo necessariamente tem de apresentar um foco narrativo, isto , o ponto de vista atravs do qual a histria est sendo contada. Como j vimos, a narrao feita em 1a pessoa ou 3a pessoa.

Formas de apresentao da fala das personagens Como j sabemos, nas histrias, as personagens agem e falam. H trs maneiras de comunicar as falas das personagens.

personagens atravs do dilogo. Exemplo: Z Lins continuou: carnaval festa do povo. O povo dono da verdade. Vem a polcia e comea a falar em ordem pblica. No carnaval a cidade do povo e de ningum mais. 2

Discurso Direto: a representao da fala das

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPONo discurso direto frequente o uso dos verbo de locuo ou descendi: dizer, falar, acrescentar, responder, perguntar, mandar, replicar e etc.; e de travesses. Porm, quando as falas das personagens so curtas ou rpidas os verbos de locuo podem ser omitidos.

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicosparticularidades, de seus traos distintivos e tpicos.

Descrio da Cena: Trata-se de uma descrio

Discurso Indireto: Consiste em o narrador transmitir,com suas prprias palavras, o pensamento ou a fala das personagens. Exemplo: Z Lins levantou um brinde: lembrou os dias triste e passados, os meus primeiros passos em liberdade, a fraternidade que nos reunia naquele momento, a minha literatura e os menos sombrios por vir.

movimentada, que se desenvolve progressivamente no tempo. a descrio de um incndio, de uma briga, de um naufrgio. Descrio Tcnica: Ela apresenta muitas das caractersticas gerais da literatura, com a distino de que nela se utiliza um vocabulrio mais preciso, salientando-se com exatido os pormenores. predominantemente denotativa tendo como objetivo esclarecer convencendo. Pode aplicar-se a objetos, a aparelhos ou mecanismos, a fenmenos, a fatos, a lugares, a eventos e etc.

TEXTO DISSERTATIVODissertar significa discutir, expor, interpretar ideias. A dissertao consta de uma srie de juzos a respeito de um determinado assunto ou questo, e pressupe um exame critico do assunto sobre o qual se vai escrever com clareza, coerncia e objetividade. A dissertao pode ser argumentativa - na qual o autor tenta persuadir o leitor a respeito dos seus pontos de vista ou simplesmente, ter como finalidade dar a conhecer ou explicar certo modo de ver qualquer questo. A linguagem usada a referencial, centrada na mensagem, enfatizando o contexto. Quanto forma, ela pode ser tripartida em : Introduo: Em poucas linhas coloca ao leitor os dados fundamentais do assunto que est tratando. a enunciao direta e objetiva da definio do ponto de vista do autor. Desenvolvimento: Constitui o corpo do texto, onde as ideias colocadas na introduo sero definidas com os dados mais relevantes. Todo desenvolvimento deve estruturar-se em blocos de ideias articuladas entre si, de forma que a sucesso deles resulte num conjunto coerente e unitrio que se encaixa na introduo e desencadeia a concluso. Concluso: o fenmeno do texto, marcado pela sntese da ideia central. Na concluso o autor refora sua opinio, retomando a introduo e os fatos resumidos do desenvolvimento do texto. Para haver maior entendimento dos procedimentos que podem ocorrer em um dissertao, cabe fazermos a distino entre fatos, hiptese e opinio. - Fato: o acontecimento ou coisa cuja veracidade e reconhecida; a obra ou ao que realmente se praticou. - Hiptese: a suposio feita acerca de uma coisa possvel ou no, e de que se tiram diversas concluses; uma afirmao sobre o desconhecido, feita com base no que j conhecido. - Opinio: Opinar julgar ou inserir expresses de aprovao ou desaprovao pessoal diante de acontecimentos, pessoas e objetos descritos, um parecer particular, um sentimento que se tem a respeito de algo.

Discurso Indireto Livre: Ocorre quando a fala dapersonagem se mistura fala do narrador, ou seja, ao fluxo normal da narrao. Exemplo: Os trabalhadores passavam para os partidos, conversando alto. Quando me viram, sem chapu, de pijama, por aqueles lugares, deram-me bonsdias desconfiados. Talvez pensassem que estivesse doido. Como poderia andar um homem quela hora , sem fazer nada de cabea no tempo, um branco de ps no cho como eles? S sendo doido mesmo. (Jos Lins do Rego)

TEXTO DESCRITIVODescrever fazer uma representao verbal dos aspectos mais caractersticos de um objeto, de uma pessoa, paisagem, ser e etc. As perspectivas que o observador tem do objeto so muito importantes, tanto na descrio literria quanto na descrio tcnica. esta atitude que vai determinar a ordem na enumerao dos traos caractersticos para que o leitor possa combinar suas impresses isoladas formando uma imagem unificada. Uma boa descrio vai apresentando o objeto progressivamente, variando as partes focalizadas e associando-as ou interligando-as pouco a pouco. Podemos encontrar distines entre uma descrio literria e outra tcnica. Passaremos a falar um pouco sobre cada uma delas: Descrio Literria: A finalidade maior da descrio literria transmitir a impresso que a coisa vista desperta em nossa mente atravs do sentidos. Da decorrem dois tipos de descrio: a subjetiva, que reflete o estado de esprito do observador, suas preferncias, assim ele descreve o que quer e o que pensa ver e no o que v realmente; j a objetiva traduz a realidade do mundo objetivo, fenomnico, ela exata e dimensional. Descrio de Personagem: utilizada para caracterizao das personagens, pela acumulao de traos fsicos e psicolgicos, pela enumerao de seus hbitos, gestos, aptides e temperamento, com a finalidade de situar personagens no contexto cultural, social e econmico . Descrio de Paisagem: Neste tipo de descrio, geralmente o observador abrange de uma s vez a globalidade do panorama, para depois aos poucos, em ordem de proximidade, abranger as partes mais tpicas desse todo. Descrio do Ambiente: Ela d os detalhes dos interiores, dos ambientes em que ocorrem as aes, tentando dar ao leitor uma visualizao das suas

O TEXTO ARGUMENTATIVOBaseado em Adilson Citelli A linguagem capaz de criar e representar realidades, sendo caracterizada pela identificao de um elemento de constituio de sentidos. Os discursos verbais podem ser formados de vrias maneiras, para dissertar ou argumentar, descrever ou narrar, colocamos em prticas um conjunto de referncias codificadas h muito tempo e dadas como 3

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPOestruturadoras do tipo de texto solicitado. Para se persuadir por meio de muitos recursos da lngua necessrio que um texto possua um carter argumentativo/descritivo. A construo de um ponto de vista de alguma pessoa sobre algo, varia de acordo com a sua anlise e esta dar-se- a partir do momento em que a compreenso do contedo, ou daquilo que fora tratado seja concretado. A formao discursiva responsvel pelo emassamento do contedo que se deseja transmitir, ou persuadir, e nele teremos a formao do ponto de vista do sujeito, suas anlises das coisas e suas opinies. Nelas, as opinies o que fazemos soltar concepes que tendem a ser orientadas no meio em que o indivduo viva. Vemos que o sujeito lana suas opinies com o simples e decisivo intuito de persuadir e fazer suas explanaes renderem o convencimento do ponto de vista de algo/algum. Na escrita, o que fazemos buscar intenes de sermos entendidos e desejamos estabelecer um contato verbal com os ouvintes e leitores, e todas as frases ou palavras articuladas produzem significaes dotadas de intencionalidade, criando assim unidades textuais ou discursivas. Dentro deste contexto da escrita, temos que levar em conta que a coerncia de relevada importncia para a produo textual, pois nela se dar uma sequncia das ideias e da progresso de argumentos a serem explanadas. Sendo a argumentao o procedimento que tornar a tese aceitvel, a apresentao de argumentos atingir os seus interlocutores em seus objetivos; isto se dar atravs do convencimento da persuaso. Os mecanismos da coeso e da coerncia sero ento responsveis pela unidade da formao textual. Dentro dos mecanismos coesivos, podem realizar-se em contextos verbais mais amplos, como por jogos de elipses, por fora semntica, por recorrncias lexicais, por estratgias de substituio de enunciados. Um mecanismo mais fcil de fazer a comunicao entre as pessoas a linguagem, quando ela em forma da escrita e aps a leitura, (o que ocorre agora), podemos dizer que h de ter algum que transmita algo, e outro que o receba. Nesta brincadeira que entra a formao de argumentos com o intuito de persuadir para se qualificar a comunicao; nisto, estes argumentos explanados sero o germe de futuras tentativas da comunicao ser objetiva e dotada de intencionalidade, (ver Linguagem e Persuaso). Sabe-se que a leitura e escrita, ou seja, ler e escrever; no tem em sua unidade a mono caracterstica da dominao do idioma/lngua, e sim o propsito de executar a interao do meio e cultura de cada indivduo. As relaes intertextuais so de grande valia para fazer de um texto uma aluso outros textos, isto proporciona que a imerso que os argumentos do tornem esta produo altamente evocativa. A parfrase tambm outro recurso bastante utilizado para trazer a um texto um aspecto dinmico e com intento. Juntamente com a pardia, a parfrase utiliza-se de textos j escritos, por algum, e que tornam-se algo espetacularmente incrvel. A diferena que muitas vezes a parfrase no possui a necessidade de persuadir as pessoas com a repetio de argumentos, e sim de esquematizar novas formas de textos, sendo estes diferentes. A criao de um texto requer bem mais do que simplesmente a juno de palavras a uma frase, requer algo mais que isto. necessrio ter na escolha das palavras e do vocabulrio o cuidado de se requisit-las, bem como para se adot-las. Um texto no totalmente auto-explicativo, da vem a necessidade de que o leitor tenha um emassado em

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicosseu histrico uma relao interdiscursiva e intertextual. As metforas, metomnias, onomatopeias ou figuras de linguagem, entram em ao inseridos num texto como um conjunto de estratgias capazes de contribuir para os efeitos persuasivos dele. A ironia tambm muito utilizada para causar este efeito, umas de suas caractersticas salientes, que a ironia d nfase gozao, alm de desvalorizar ideias, valores da oposio, tudo isto em forma de piada. Uma das ltimas, porm no menos importantes, formas de persuadir atravs de argumentos, a Aluso ("Ler no apenas reconhecer o dito, mais tambm o no-dito"). Nela, o escritor trabalha com valores, ideias ou conceitos pr estabelecidos, sem porm com objetivos de forma clara e concisa. O que acontece a formao de um ambiente potico e sugervel, capaz de evocar nos leitores algo, digamos, uma sensao... Texto Base: CITELLI, Adilson; O Texto Argumentativo So Paulo SP, Editora ..Scipione, 1994 - 6 edio.

EXERCCIOS INTERPRETAO DE TEXTOSAteno: As questes de nmeros 1 a 10 referem-se ao texto que segue. No corao do progresso H sculos a civilizao ocidental vem correndo atrs de tudo o que classifica como progresso. Essa palavra mgica aplica-se tanto inveno do aeroplano ou descoberta do DNA como promoo do papai no novo emprego. Estou fazendo progressos, diz a titia, quando enfim acerta a mo numa velha receita. Mas quero chegar logo ao ponto, e convidar o leitor a refletir sobre o sentido dessa palavra, que sempre pareceu abrir todas as portas para uma vida melhor. Quando, muitos anos atrs, num daqueles documentrios de cinema, via-se uma floresta sendo derrubada para dar lugar a algum empreendimento, ningum tinha dvida em dizer ou pensar: o progresso. Uma represa monumental era progresso. Cada novo produto qumico era um progresso. As coisas no mudaram tanto: continuamos a usar indiscriminadamente a palavrinha mgica. Mas no deixaram de mudar um pouco: desde que a Ecologia saiu das academias, divulgou-se, popularizou-se e tornou-se, efetivamente, um conjunto de iniciativas em favor da preservao ambiental e da melhoria das condies da vida em nosso pequenino planeta. Para isso, foi preciso determinar muito bem o sentido de progresso. Do ponto de vista material, considera-se ganho humano apenas aquilo que concorre para equilibrar a ao transformadora do homem sobre a natureza e a integridade da vida natural. Desenvolvimento, sim, mas sustentvel: o adjetivo exprime uma condio, para cercear as iniciativas predatrias. Cada novidade tecnolgica h de ser investigada quanto a seus efeitos sobre o homem e o meio em que vive. Cada interveno na natureza h de adequarse a um planejamento que considere a qualidade e a extenso dos efeitos. Em suma: j est ocorrendo, h algum tempo, uma avaliao tica e poltica de todas as formas de progresso que afetam nossa relao com o mundo e, portanto, a qualidade da nossa vida. No pouco, mas ainda no suficiente. Aos cientistas, aos administradores, aos empresrios, aos industriais e a todos ns cidados comuns cabe a tarefa cotidiana de zelarmos por nossas aes que inflectem sobre qualquer aspecto da qualidade de vida. A tarefa comea em nossa casa, em nossa cozinha e banheiro, em nosso quintal e jardim e se estende preocupao com a rua, com o bairro, com a cidade. Meu corao no maior do que o mundo, dizia o poeta. Mas um mundo que merece a ateno do nosso 4

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPOcorao e da nossa inteligncia , certamente, melhor do que este em que estamos vivendo. No custa interrogar, a cada vez que algum diz progresso, o sentido preciso talvez oculto - da palavra mgica empregada. (Alaor Adauto de Mello) 1. Centraliza-se, no texto, uma concepo de progresso, segundo a qual este deve ser (A)) equacionado como uma forma de equilbrio entre as atividades humanas e o respeito ao mundo natural. (B) identificado como aprimoramento tecnolgico que resulte em atividade economicamente vivel. (C) caracterizado como uma atividade que redunde em maiores lucros para todos os indivduos de uma comunidade. (D) definido como um atributo da natureza que induz os homens a aproveitarem apenas o que oferecido em sua forma natural. (E) aceito como um processo civilizatrio que implique melhor distribuio de renda entre todos os agentes dos setores produtivos. 2. I. Considere as seguintes afirmaes: A banalizao do uso da palavra progresso uma consequncia do fato de que a Ecologia deixou de ser um assunto acadmico. II. A expresso desenvolvimento sustentvel pressupe que haja formas de desenvolvimento nocivas e predatrias. III. Entende o autor do texto que a magia da palavra progresso advm do uso consciente e responsvel que a maioria das pessoas vem fazendo dela. Em relao ao texto est correto APENAS que se afirma em (A) I. (B)) II. (C) III. (D) I e II. (E) II e III. 3. Considerando-se o contexto, traduz-se corretamente uma frase do texto em: (A) Mas quero chegar logo ao ponto = devo me antecipar a qualquer concluso. (B) continuamos a usar indiscriminadamente a palavrinha mgica = seguimos chamando de mgico tudo o que julgamos sem preconceito. (C) para cercear as iniciativas predatrias = para ir ao encontro das aes voluntariosas. (D) aes que inflectem sobre qualquer aspecto da qualidade da vida = prticas alheias ao que diz respeito s condies de vida. (E)) h de adequar-se a um planejamento = deve ir ao encontro do que est planificado. 4. Cada interveno na natureza h de adequar-se a um planejamento pelo qual se garanta que a qualidade da vida seja preservada. Os tempos e os modos verbais da frase acima continuaro corretamente articulados caso se substituam as formas sublinhadas, na ordem em que surgem, por (A) houve - garantiria - (B) haveria - garantiu - teria sido (C) haveria - garantisse - fosse (D) haver - garantisse - e (E) havia - garantiu - 5. As normas de concordncia verbal esto plenamente respeitadas na frase: (A)) J faz muitos sculos que se vm atribuindo palavra progresso algumas conotaes mgicas.

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicos(B) Deve-se ao fato de usamos muitas palavras sem conhecer seu sentido real muitos equvocos ideolgicos. (C) Muitas coisas a que associamos o sentido de progresso no chega a representarem, de fato, qualquer avano significativo. (D) Se muitas novidades tecnolgicas houvesse de ser investigadas a fundo, veramos que so irrelevantes para a melhoria da vida. (E) Comeam pelas preocupaes com nossa casa, com nossa rua, com nossa cidade a tarefa de zelarmos por uma boa qualidade da vida. 6. (A) (B) (C) (D) (E)) Est correto o emprego de ambas as expresses sublinhadas na frase: De tudo aquilo que classificamos como progresso costumamos atribuir o sentido de um tipo de ganho ao qual no queremos abrir mo. prefervel deixar intacta a mata selvagem do que destru-la em nome de um benefcio em que quase ningum desfrutar. A titia, cuja a mo enfim acertou numa velha receita, no hesitou em ver como progresso a operao qual foi bem sucedida. A preciso da qual se pretende identificar o sentido de uma palavra depende muito do valor de contexto a que lhe atribumos. As inovaes tecnolgicas de cujo benefcio todos se aproveitam representam, efetivamente, o avano a que se costuma chamar progresso.

7.

Considere as seguintes afirmaes, relativas a aspectos da construo ou da expressividade do texto: I. No contexto do segundo pargrafo, a forma plural no mudaram tanto atende concordncia com academias. II. No contexto do terceiro pargrafo, a expresso h de adequar-se exprime um dever imperioso, uma necessidade premente. III. A expresso Em suma, tal como empregada no quarto pargrafo, anuncia a abertura de uma linha de argumentao ainda inexplorada no texto. Est correto APENAS o que se afirma em (A) I. (B)) II. (C) III. (D) I e II. (E) II e III. 8. A palavra progresso frequenta todas as bocas, todas pronunciam a palavra progresso, todas atribuem a essa palavra sentidos mgicos que elevam essa palavra ao patamar dos nomes miraculosos. Evitam-se as repeties viciosas da frase acima substituindo-se os elementos sublinhados, na ordem dada, por: (A)) a pronunciam - lhe atribuem - a elevam (B) a pronunciam - atribuem-na - elevam-na (C) lhe pronunciam - lhe atribuem - elevam-lhe (D) a ela pronunciam - a ela atribuem - lhe elevam (E) pronunciam-na - atribuem-na - a elevam 9. (A) Est clara e correta a redao da seguinte frase: Caso no se determine bem o sentido da palavra progresso, pois que usada indiscriminadamente, ainda assim se faria necessrio que reflitamos sobre seu verdadeiro sentido. (B) Ao dizer o poeta que seu corao no maior do que o mundo, devemos nos inspirar para que se estabelea entre este e o nosso corao os compromissos que se reflitam numa vida melhor. (C) Nada desprezvel no espao do mundo, que no merea nossa ateno quanto ao fato de que sejamos 5

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPOresponsveis por sua melhoria, seja o nosso quintal, nossa rua, enfim, onde se esteja. (D)) Todo desenvolvimento definido como sustentvel exige, para fazer jus a esse adjetivo, cuidados especiais com o meio ambiente, para que no venham a ser nocivos seus efeitos imediatos ou futuros. (E) Tem muita cincia que, se sasse das limitaes acadmicas, acabariam por se revelarem mais teis e mais populares, em vista da Ecologia, cujas consequncias se sente mesmo no mbito da vida prtica. 10. Est inteiramente correta a pontuao do seguinte perodo: (A) Toda vez que pronunciada, a palavra progresso, parece abrir a porta para um mundo, mgico de prosperidade garantida. (B)) Por mnimas que paream, h providncias inadiveis, aes aparentemente irrisrias, cuja execuo cotidiana , no entanto, importantssima. (C) O prestgio da palavra progresso, deve-se em grande parte ao modo irrefletido, com que usamos e abusamos, dessa palavrinha mgica. (D) Ainda que traga muitos benefcios, a construo de enormes represas, costuma trazer tambm uma srie de consequncias ambientais que, nem sempre, foram avaliadas. (E) No h dvida, de que o autor do texto aderiu a teses ambientalistas segundo as quais, o conceito de progresso est sujeito a uma permanente avaliao. Leia o texto a seguir para responder s questes de nmeros 11 a 24. De um lado esto os prejuzos e a restrio de direitos causados pelos protestos que param as ruas de So Paulo. De outro est o direito livre manifestao, assegurado pela Carta de 1988. Como no h frmula perfeita de arbitrar esse choque entre garantias democrticas fundamentais, cabe lanar mo de medidas pontuais e sobretudo de bom senso. A Companhia de Engenharia de Trfego (CET) estima em R$ 3 milhes o custo para a populao dos protestos ocorridos nos ltimos trs anos na capital paulista. O clculo leva em conta o combustvel consumido e as horas perdidas de trabalho durante os engarrafamentos causados por protestos. Os carros enfileirados por conta de manifestaes nesses trs anos praticamente cobririam os 231 km que separam So Paulo de So Carlos. A Justia o meio mais promissor, em longo prazo, para desestimular os protestos abusivos que param o trnsito nos horrios mais inconvenientes e acarretam variados transtornos a milhes de pessoas. adequada a atitude da CET de enviar sistematicamente ao Ministrio Pblico relatrios com os prejuzos causados em cada manifestao feita fora de horrios e locais sugeridos pela agncia ou sem comunicao prvia. Com base num documento da CET, por exemplo, a Procuradoria acionou um lder de sindicato, o qual foi condenado em primeira instncia a pagar R$ 3,3 milhes aos cofres pblicos, a ttulo de reparao. O direito livre manifestao est previsto na Constituio. No entanto, tal direito no anula a responsabilizao civil e criminal em caso de danos provocados pelos protestos. O poder pblico deveria definir, de preferncia em negociao com as categorias que costumam realizar protestos na capital, horrios e locais vedados s passeatas. Prticas corriqueiras, como a paralisia de avenidas essenciais para o trfego na capital nos horrios de maior fluxo, deveriam ser abolidas. (Folha de S.Paulo, 29.09.07. Adaptado)

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicos11. De acordo com o texto, correto afirmar que (A) a Companhia de Engenharia de Trfego no sabe mensurar o custo dos protestos ocorridos nos ltimos anos. (B) os prejuzos da ordem de R$ 3 milhes em razo dos engarrafamentos j foram pagos pelos manifestantes. (C) os protestos de rua fazem parte de uma sociedade democrtica e so permitidos pela Carta de 1988. (D) aps a multa, os lderes de sindicato resolveram organizar protestos de rua em horrios e locais predeterminados. (E) o Ministrio Pblico envia com frequncia estudos sobre os custos das manifestaes feitas de forma abusiva. 12. No primeiro pargrafo, afirma-se que no h frmula perfeita para solucionar o conflito entre manifestantes e os prejuzos causados ao restante da populao. A sada estaria principalmente na (A) sensatez. (B) Carta de 1998. (C) Justia. (D) Companhia de Engenharia de Trfego. (E) na adoo de medidas amplas e profundas. 13. De acordo com o segundo pargrafo do texto, os protestos que param as ruas de So Paulo representam um custo para a populao da cidade. O clculo desses custos feito a partir (A) das multas aplicadas pela Companhia de Engenharia de Trfego (CET). (B) dos gastos de combustvel e das horas de trabalho desperdiadas em engarrafamentos. (C) da distncia a ser percorrida entre as cidades de So Paulo e So Carlos. (D) da quantidade de carros existentes entre a capital de So Paulo e So Carlos. (E) do nmero de usurios de automveis particulares da cidade de So Paulo. 14. A quantidade de carros parados nos engarrafamentos, em razo das manifestaes na cidade de So Paulo nos ltimos trs anos, equiparada, no texto, (A) a R$ 3,3 milhes. (B) ao total de usurios da cidade de So Carlos. (C) ao total de usurios da cidade de So Paulo. (D) ao total de combustvel economizado. (E) a uma distncia de 231 km. 15. No terceiro pargrafo, a respeito do poder da Justia em coibir os protestos abusivos, o texto assume um posicionamento de (A) indiferena, porque diz que a deciso no cabe Justia. (B) entusiasmo, porque acredita que o rgo j tem poder para impedir protestos abusivos. (C) decepo, porque no v nenhum exemplo concreto do rgo para impedir protestos em horrios de pico. (D) confiana, porque acredita que, no futuro, ser uma forma bem-sucedida de desestimular protestos abusivos. (E) satisfao, porque cita casos em que a Justia j teve xito em impedir protestos em horrios inconvenientes e em avenidas movimentadas. 16. De acordo com o texto, a atitude da Companhia de Engenharia de Trfego de enviar periodicamente relatrios sobre os prejuzos causados em cada manifestao (A) pertinente. (B) indiferente. (C) irrelevante. 6

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPO(D) onerosa. (E) inofensiva. 17. No quarto pargrafo, o fato de a Procuradoria condenar um lder sindical (A) ilegal e fere os preceitos da Carta de 1998. (B) deve ser comemorada, ainda que viole a Constituio. (C) legal, porque o direito livre manifestao no isenta o manifestante da responsabilidade pelos danos causados. (D) nula, porque, segundo o direito livre manifestao, o acusado poder entrar com recurso. (E) indita, porque, pela primeira vez, apesar dos direitos assegurados, um manifestante ser punido. 18. Dentre as solues apontadas, no ltimo pargrafo, para resolver o conflito, destaca-se (A) multa a lderes sindicais. (B) fiscalizao mais rgida por parte da Companhia de Engenharia de Trfego. (C) o fim dos protestos em qualquer via pblica. (D) fixar horrios e locais proibidos para os protestos de rua. (E) negociar com diferentes categorias para que no faam mais manifestaes. 19. No trecho adequada a atitude da CET de enviar relatrios , substituindo-se o termo atitude por comportamentos, obtm-se, de acordo com as regras gramaticais, a seguinte frase: (A) adequada comportamentos da CET de enviar relatrios. (B) adequado comportamentos da CET de enviar relatrios. (C) So adequado os comportamentos da CET de enviar relatrios. (D) So adequadas os comportamentos da CET de enviar relatrios. (E) So adequados os comportamentos da CET de enviar relatrios. 20. No trecho No entanto, tal direito no anula a responsabilizao civil e criminal em caso de danos provocados pelos protestos , a locuo conjuntiva no entanto indica uma relao de (A) causa e efeito. (B) oposio. (C) comparao. (D) condio. (E) explicao. 21. No h frmula perfeita de arbitrar esse choque. Nessa frase, a palavra arbitrar um sinnimo de (A) julgar. (B) almejar. (C) condenar. (D) corroborar. (E) descriminar. 22. No trecho A Justia o meio mais promissor para desestimular os protestos abusivos a preposio para estabelece entre os termos uma relao de (A) tempo. (B) posse. (C) causa. (D) origem. (E) finalidade. 23. Na frase O poder pblico deveria definir horrios e locais , substituindo-se o verbo definir por obedecer, obtm-se, segundo as regras de regncia verbal, a seguinte frase:

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicos(A) O poder pblico deveria obedecer para horrios e locais. (B) O poder pblico deveria obedecer a horrios e locais. (C) O poder pblico deveria obedecer horrios e locais. (D) O poder pblico deveria obedecer com horrios e locais. (E) O poder pblico deveria obedecer os horrios e locais. 24. Transpondo para a voz passiva a frase A Procuradoria acionou um lder de sindicato obtm-se: (A) Um lder de sindicato foi acionado pela Procuradoria. (B) Acionaram um lder de sindicato pela Procuradoria. (C) Acionaram-se um lder de sindicato pela Procuradoria. (D) Um lder de sindicato ser acionado pela Procuradoria. (E) A Procuradoria foi acionada por um lder de sindicato. Leia o texto para responder s questes de nmeros 25 a 34.

DIPLOMA E MONOPLIOFaz quase dois sculos que foram fundadas escolas de direito e medicina no Brasil. embaraoso verificar que ainda no foram resolvidos os enguios entre diplomas e carreiras. Falta-nos descobrir que a concorrncia (sob um bom marco regulatrio) promove o interesse da sociedade e que o monoplio s bom para quem o detm. No fora essa ignorncia, como explicar a avalanche de leis que protegem monoplios esprios para o exerccio profissional? Desde a criao dos primeiros cursos de direito, os graduados apenas ocasionalmente exercem a profisso. Em sua maioria, sempre ocuparam postos de destaque na poltica e no mundo dos negcios. Nos dias de hoje, nem 20% advogam. Mas continua havendo boas razes para estudar direito, pois esse um curso no qual se exercita lgica rigorosa, se l e se escreve bastante. Torna os graduados mais cultos e socialmente mais produtivos do que se no houvessem feito o curso. Se aprendem pouco, pacincia, a culpa mais da fragilidade do ensino bsico do que das faculdades. Diante dessa polivalncia do curso de direito, os exames da OAB so uma soluo brilhante. Aqueles que defendero clientes nos tribunais devem demonstrar nessa prova um mnimo de conhecimento. Mas, como os cursos so tambm teis para quem no fez o exame da Ordem ou no foi bem sucedido na prova, abrir ou fechar cursos de formao geral assunto do MEC, no da OAB. A interferncia das corporaes no passa de uma prtica monopolista e ilegal em outros ramos da economia. Questionamos tambm se uma corporao profissional deve ter carta-branca para determinar a dificuldade das provas, pois essa tambm uma forma de limitar a concorrncia mas trata-se a de uma questo secundria. (...) (Veja, 07.03.2007. Adaptado) 25. Assinale a alternativa que reescreve, com correo gramatical, as frases: Faz quase dois sculos que foram fundadas escolas de direito e medicina no Brasil. / embaraoso verificar que ainda no foram resolvidos os enguios entre diplomas e carreiras. (A) Faz quase dois sculos que se fundou escolas de direito e medicina no Brasil. / embaraoso verificar que ainda no se resolveu os enguios entre diplomas e carreiras. (B) Faz quase dois sculos que se fundava escolas de direito e medicina no Brasil. / embaraoso verificar que ainda no se resolveram os enguios entre diplomas e carreiras. (C) Faz quase dois sculos que se fundaria escolas de direito e medicina no Brasil. / embaraoso verificar que ainda no se resolveu os enguios entre diplomas 7

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPOe carreiras. (D) Faz quase dois sculos que se fundara escolas de direito e medicina no Brasil. / embaraoso verificar que ainda no se resolvera os enguios entre diplomas e carreiras. (E) Faz quase dois sculos que se fundaram escolas de direito e medicina no Brasil. / embaraoso verificar que ainda no se resolveram os enguios entre diplomas e carreiras. 26. Assinale a alternativa que completa, correta e respectivamente, de acordo com a norma culta, as frases: O monoplio s bom para aqueles que ____________. / Nos dias de hoje, nem 20% advogam, e apenas 1% ____________. / Em sua maioria, os advogados sempre ____________. (A) o retem / obtem sucesso / se apropriaram os postos de destaque na poltica e no mundo dos negcios (B) o retm / obtm sucesso / se apropriaram aos postos de destaque na poltica e no mundo dos negcios (C) o retm / obtem sucesso / se apropriaram os postos de destaque na poltica e no mundo dos negcios (D) o retm / obtm sucesso / sempre se apropriaram de postos de destaque na poltica e no mundo dos negcios (E) o retem / obtem sucesso / se apropriaram de postos de destaque na poltica e no mundo dos negcios 27. Assinale a alternativa em que se repete o tipo de orao introduzida pela conjuno se, empregado na frase Questionamos tambm se uma corporao profissional deve ter carta-branca para determinar a dificuldade das provas, ... (A) A sociedade no chega a saber se os advogados so muito corporativos. (B) Se os advogados aprendem pouco, a culpa da fragilidade do ensino bsico. (C) O advogado afirma que se trata de uma questo secundria. (D) um curso no qual se exercita lgica rigorosa. (E) No curso de direito, l-se bastante. 28. Assinale a alternativa em que se admite a concordncia verbal tanto no singular como no plural como em: A maioria dos advogados ocupam postos de destaque na poltica e no mundo dos negcios. (A) Como o direito, a medicina uma carreira estritamente profissional. (B) Os Estados Unidos e a Alemanha no oferecem cursos de administrao em nvel de bacharelado. (C) Metade dos cursos superiores carecem de boa qualificao. (D) As melhores universidades do pas abastecem o mercado de trabalho com bons profissionais. (E) A abertura de novos cursos tem de ser controlada por rgos oficiais. 29. Assinale a alternativa que apresenta correta correlao de tempo verbal entre as oraes. (A) Se os advogados demonstrarem um mnimo de conhecimento, poderiam defender bem seus clientes. (B) Embora tivessem cursado uma faculdade, no se desenvolveram intelectualmente. (C) possvel que os novos cursos passam a ter fiscalizao mais severa. (D) Se no fosse tanto desconhecimento, o desempenho poder ser melhor. (E) Seria desejvel que os enguios entre diplomas e carreiras se resolvem brevemente. 30. A substituio das expresses em destaque por um pronome pessoal est correta, nas duas frases, de

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicosacordo com a norma culta, em: I. A concorrncia promove o interesse da sociedade. / A concorrncia promove-o. II. Aqueles que defendero clientes. / Aqueles que lhes defendero. (B) I. O governo fundou escolas de direito e de medicina. / O governo fundou elas. II. Os graduados apenas ocasionalmente exercem a profisso. / Os graduados apenas ocasionalmente exercem-la. (C) I. Torna os graduados mais cultos. / Torna-os mais cultos. II. preciso mencionar os cursos de administrao. / preciso mencionar-lhes. (D) I. Os advogados devem demonstrar muitos conhecimentos. Os advogados devem demonstr-los. II. As associaes mostram sociedade o seu papel. / As associaes mostram-lhe o seu papel. (E) I. As leis protegem os monoplios esprios. / As leis protegem-os. II. As corporaes deviam fiscalizar a prtica profissional. / As corporaes deviam fiscalizla. (A) 31. Assinale a alternativa em que as palavras em destaque exercem, respectivamente, a mesma funo sinttica das expresses assinaladas em: Os graduados apenas ocasionalmente exercem a profisso. Se aprendem pouco, a culpa da fragilidade do ensino bsico. A interferncia das corporaes no passa de uma prtica monopolista. Abrir e fechar cursos de formao geral assunto do MEC. O estudante de direito exercita preferencialmente uma lgica rigorosa. Boas razes existiro sempre para o advogado buscar conhecimento.

(A) (B) (C) (D) (E)

32. Assinale a alternativa que reescreve a frase de acordo com a norma culta. (A) Os graduados apenas ocasionalmente exercem a profisso. / Os graduados apenas ocasionalmente se dedicam a profisso. (B) Os advogados devem demonstrar nessa prova um mnimo de conhecimento. / Os advogados devem primar nessa prova por um mnimo de conhecimento. (C) Ele no fez o exame da OAB. / Ele no procedeu o exame da OAB. (D) As corporaes deviam promover o interesse da sociedade. / As corporaes deviam almejar do interesse da sociedade. (E) Essa uma forma de limitar a concorrncia. / Essa uma forma de restringir concorrncia. 33. Assinale a alternativa em que o perodo formado com as frases I, II e III estabelece as relaes de condio entre I e II e de adio entre I e III. I. O advogado aprovado na OAB. II. O advogado raciocina com lgica. III. O advogado defende o cliente no tribunal. (A) Se o advogado raciocinar com lgica, ele ser aprovado na OAB e defender o cliente no tribunal com sucesso. (B) O advogado defender o cliente no tribunal com sucesso, mas ter de raciocinar com lgica e ser aprovado na OAB. (C) Como raciocinou com lgica, o advogado ser aprovado na OAB e defender o cliente no tribunal com sucesso. (D) O advogado defender o cliente no tribunal com sucesso porque raciocinou com lgica e foi aprovado na OAB. (E) Uma vez que o advogado raciocinou com lgica e foi aprovado na OAB, ele poder defender o cliente no tribunal com sucesso. 8

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPO34. Na frase Se aprendem pouco, pacincia, a culpa mais da fragilidade do ensino bsico do que das faculdades. a palavra pacincia vem entre vrgulas para, no contexto, (A) garantir a ateno do leitor. (B) separar o sujeito do predicado. (C) intercalar uma reflexo do autor. (D) corrigir uma afirmao indevida. (E) retificar a ordem dos termos. Ateno: As questes de nmeros 35 a 42 referem-se ao texto abaixo.

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicosentendida como aquela em que se sobretudo, (A) o valor desejvel da ao humana. (B) o fundamento filosfico da moral. (C) o rigor do mtodo de anlise. (D) a lucidez de quem investiga o fato moral. (E) o rigoroso legado da jurisprudncia. considera,

SOBRE TICAA palavra tica empregada nos meios acadmicos em trs acepes. Numa, faz-se referncia a teorias que tm como objeto de estudo o comportamento moral, ou seja, como entende Adolfo Sanchez Vasquez, a teoria que pretende explicar a natureza, fundamentos e condies da moral, relacionando-a com necessidades sociais humanas. Teramos, assim, nessa acepo, o entendimento de que o fenmeno moral pode ser estudado racional e cientificamente por uma disciplina que se prope a descrever as normas morais ou mesmo, com o auxlio de outras cincias, ser capaz de explicar valoraes comportamentais. Um segundo emprego dessa palavra consider-la uma categoria filosfica e mesmo parte da Filosofia, da qual se constituiria em ncleo especulativo e reflexivo sobre a complexa fenomenologia da moral na convivncia humana. A tica, como parte da Filosofia, teria por objeto refletir sobre os fundamentos da moral na busca de explicao dos fatos morais. Numa terceira acepo, a tica j no entendida como objeto descritvel de uma Cincia, tampouco como fenmeno especulativo. Trata-se agora da conduta esperada pela aplicao de regras morais no comportamento social, o que se pode resumir como qualificao do comportamento do homem como ser em situao. esse carter normativo de tica que a colocar em ntima conexo com o Direito. Nesta viso, os valores morais dariam o balizamento do agir e a tica seria assim a moral em realizao, pelo reconhecimento do outro como ser de direito, especialmente de dignidade. Como se v, a compreenso do fenmeno tica no mais surgiria metodologicamente dos resultados de uma descrio ou reflexo, mas sim, objetivamente, de um agir, de um comportamento consequencial, capaz de tornar possvel e correta a convivncia. (Adaptado do site Doutrina Jus Navigandi) 35. As diferentes acepes de tica devem-se, conforme se depreende da leitura do texto, (A) aos usos informais que o senso comum faz desse termo. (B) s consideraes sobre a etimologia dessa palavra. (C) aos mtodos com que as cincias sociais a analisam. (D) s ntimas conexes que ela mantm com o Direito. (E) s perspectivas em que considerada pelos acadmicos. 36. A concepo de tica atribuda a Adolfo Sanchez Vasquez retomada na seguinte expresso do texto: (A) ncleo especulativo e reflexivo. (B) objeto descritvel de uma Cincia. (C) explicao dos fatos morais. (D) parte da Filosofia. (E) comportamento consequencial. 37. No texto, a terceira acepo da palavra tica deve ser

38. D-se uma ntima conexo entre a tica e o Direito quando ambos revelam, em relao aos valores morais da conduta, uma preocupao (A) filosfica. (B) descritiva. (C) prescritiva. (D) contestatria. (E) tradicionalista. 39. Considerando-se o contexto do ltimo pargrafo, o elemento sublinhado pode ser corretamente substitudo pelo que est entre parnteses, sem prejuzo para o sentido, no seguinte caso: (A) (...) a colocar em ntima conexo com o Direito. (incluso) (B) (...) os valores morais dariam o balizamento do agir (...) (arremate) (C) (...) qualificao do comportamento do homem como ser em situao. (provisrio) (D) (...) nem tampouco como fenmeno especulativo. (nem, ainda) (E) (...) de um agir, de um comportamento consequencial... (concessivo) 40. As normas de concordncia esto plenamente observadas na frase: (A) Costumam-se especular, nos meios acadmicos, em torno de trs acepes de tica. (B) As referncias que se faz natureza da tica consideram-na, com muita frequncia, associada aos valores morais. (C) No coubessem aos juristas aproximar-se da tica, as leis deixariam de ter a dignidade humana como balizamento. (D) No derivam das teorias, mas das prticas humanas, o efetivo valor de que se impregna a conduta dos indivduos. (E) Convm aos filsofos e juristas, quaisquer que sejam as circunstncias, atentar para a observncia dos valores ticos. 41. Est clara, correta e coerente a redao do seguinte comentrio sobre o texto: (A) Dentre as trs acepes de tica que se menciona no texto, uma apenas diz respeito uma rea em que conflui com o Direito. (B) O balizamento da conduta humana uma atividade em que, cada um em seu campo, se empenham o jurista e o filsofo. (C) Costuma ocorrer muitas vezes no ser fcil distinguir tica ou Moral, haja vista que tanto uma quanto outra pretendem ajuizar situao do homem. (D) Ainda que se torne por consenso um valor do comportamento humano, a tica varia conforme a perspectiva de atribuio do mesmo. (E) Os saberes humanos aplicados, do conhecimento da tica, costumam apresentar divergncias de enfoques, em que pese a metodologia usada. 42. Transpondo-se para a voz passiva a frase Nesta viso, os valores morais dariam o balizamento do agir, a forma verbal resultante dever ser: (A) seria dado. (B) teriam dado. 9

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPO(C) seriam dados. (D) teriam sido dados. (E) fora dado. Ateno: As questes de nmeros 43 a 48 referem-se ao texto abaixo.

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicos(B) (C) (D) (E) hipcritas exercem rigoroso controle sobre a conduta de todos. a f religiosa decisiva para o respeito aos valores de uma moral comum. a situao de barbrie impede a formulao de qualquer regra moral. eventuais falhas de conduta so atribudas fraqueza das leis. Na frase A distino entre ambos tem alguns corolrios relevantes, o sentido da expresso sublinhada est corretamente traduzido em: significativos desdobramentos dela. determinados antecedentes dela. reconhecidos fatores que a causam. consequentes aspectos que a relativizam. valores comuns que ela propicia.

O HOMEM MORAL E O MORALIZADORDepois de um bom sculo de psicologia e psiquiatria dinmicas, estamos certos disto: o moralizador e o homem moral so figuras diferentes, se no opostas. O homem moral se impe padres de conduta e tenta respeit-los; o moralizador quer impor ferozmente aos outros os padres que ele no consegue respeitar. A distino entre ambos tem alguns corolrios relevantes. Primeiro, o moralizador um homem moral falido: se soubesse respeitar o padro moral que ele impe, ele no precisaria punir suas imperfeies nos outros. Segundo, possvel e compreensvel que um homem moral tenha um esprito missionrio: ele pode agir para levar os outros a adotar um padro parecido com o seu. Mas a imposio forada de um padro moral no nunca o ato de um homem moral, sempre o ato de um moralizador. Em geral, as sociedades em que as normas morais ganham fora de lei (os Estados confessionais, por exemplo) no so regradas por uma moral comum, nem pelas aspiraes de poucos e escolhidos homens exemplares,mas por moralizadores que tentam remir suas prprias falhas morais pela brutalidade do controle que eles exercem sobre os outros. A pior barbrie do mundo isto: um mundo em que todos pagam pelos pecados de hipcritas que no se aguentam. (Contardo Calligaris, Folha de S. Paulo, 20/03/2008) 43. Atente para as afirmaes abaixo. I. Diferentemente do homem moral, o homem moralizador no se preocupa com os padres morais de conduta. II. Pelo fato de impor a si mesmo um rgido padro de conduta, o homem moral acaba por imp-lo conduta alheia. III. O moralizador, hipocritamente, age como se de fato respeitasse os padres de conduta que ele cobra dos outros. Em relao ao texto, correto o que se afirma APENAS em (A) I. (B) II. (C) III. (D) I e II. (E) II e III. 44. No contexto do primeiro pargrafo, a afirmao de que j decorreu um bom sculo de psicologia e psiquiatria dinmicas indica um fator determinante para que (A) concluamos que o homem moderno j no dispe de rigorosos padres morais para avaliar sua conduta. (B) consideremos cada vez mais difcil a discriminao entre o homem moral e o homem moralizador. (C) reconheamos como bastante remota a possibilidade de se caracterizar um homem moralizador. (D) identifiquemos divergncias profundas entre o comportamento de um homem moral e o de um moralizador. (E) divisemos as contradies internas que costumam ocorrer nas atitudes tomadas pelo homem moral. 45. O autor do texto refere-se aos Estados confessionais para exemplificar uma sociedade na qual (A) normas morais no tm qualquer peso na conduta dos cidados.

46. (A) (B) (C) (D) (E)

47. Est correta a articulao entre os tempos e os modos verbais na frase: (A) Se o moralizador vier a respeitar o padro moral que ele impusera, j no podia ser considerado um hipcrita. (B) Os moralizadores sempre haveriam de desrespeitar os valores morais que eles imporo aos outros. (C) A pior barbrie ter sido aquela em que o rigor dos hipcritas servisse de controle dos demais cidados. (D) Desde que haja a imposio forada de um padro moral, caracterizava-se um ato tpico do moralizador. (E) No justo que os hipcritas sempre venham a impor padres morais que eles prprios no respeitam. 48. Est correto o emprego de ambos os elementos sublinhados na frase: (A) O moralizador est carregado de imperfeies de que ele no costuma acusar em si mesmo. (B) Um homem moral empenha-se numa conduta cujo o padro moral ele no costuma impingir na dos outros. (C) Os pecados aos quais insiste reincidir o moralizador so os mesmos em que ele acusa seus semelhantes. (D) Respeitar um padro moral das aes uma qualidade da qual no abrem mo os homens a quem no se pode acusar de hipcritas. (E) Quando um moralizador julga os outros segundo um padro moral de cujo ele prprio no respeita, demonstra toda a hipocrisia em que capaz. Ateno: As questes de nmeros 49 a 54 referem-se ao texto abaixo.

FIM DE FEIRAQuando os feirantes j se dispem a desarmar as barracas, comeam a chegar os que querem pagar pouco pelo que restou nas bancadas, ou mesmo nada, pelo que ameaa estragar. Chegam com suas sacolas cheias de esperana. Alguns no perdem tempo e passam a recolher o que est pelo cho: um mamozinho amolecido, umas folhas de couve amarelas, a metade de um abacaxi, que serviu de chamariz para os fregueses compradores. H uns que se aventuram at mesmo nas cercanias da barraca de pescados, onde pode haver alguma suspeita sardinha oculta entre jornais, ou uma ponta de cao obviamente desprezada. H feirantes que facilitam o trabalho dessas pessoas: oferecem-lhes o que, de qualquer modo, eles iriam jogar fora. Mas outros parecem ciumentos do teimoso aproveitamento dos refugos, e chegam a recolh-los para no os verem coletados. Agem para salvaguardar no o lucro possvel, mas o princpio mesmo do comrcio. Parecem temer que a fome seja debelada sem que algum pague por isso. E no admitem ser acusados de egostas: somos comerciantes, no assistentes sociais, alegam. 10

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPOFinda a feira, esvaziada a rua, chega o caminho da limpeza e os funcionrios da prefeitura varrem e lavam tudo, entre risos e gritos. O trnsito liberado, os carros atravancam a rua e, no fosse o persistente cheiro de peixe, a ningum ocorreria que ali houve uma feira, frequentada por to diversas espcies de seres humanos. (Joel Rubinato, indito) 49. Nas frases parecem ciumentos do teimoso aproveitamento dos refugos e no admitem ser acusados de egostas, o narrador do texto (A) mostra-se imparcial diante de atitudes opostas dos feirantes. (B) revela uma perspectiva crtica diante da atitude de certos feirantes. (C) demonstra no reconhecer qualquer proveito nesse tipo de coleta. (D) assume-se como um cronista a quem no cabe emitir julgamentos. (E) insinua sua indignao contra o lucro excessivo dos feirantes. 50. Considerando-se o contexto, traduz-se corretamente o sentido de um segmento do texto em: (A) serviu de chamariz respondeu ao chamado. (B) alguma suspeita sardinha possivelmente uma sardinha. (C) teimoso aproveitamento = persistente utilizao. (D) o princpio mesmo do comrcio = prembulo da operao comercial. (E) Agem para salvaguardar = relutam em admitir. 51. Atente para as afirmaes abaixo. I. Os riscos do consumo de uma sardinha suspeita ou da ponta de um cao que foi desprezada justificam o emprego de se aventuram, no primeiro pargrafo. II. O emprego de alegam, no segundo pargrafo, deixa entrever que o autor no compactua com a justificativa dos feirantes. III. No ltimo pargrafo, o autor faz ver que o fim da feira traz a superao de tudo o que determina a existncia de diversas espcies de seres humanos. Em relao ao texto, correto o que se afirma APENAS em (A) I. (B) II. (C) III. (D) I e II. (E) II e III. 52. Est INCORRETA a seguinte afirmao sobre um recurso de construo do texto: no contexto do (A) primeiro pargrafo, a forma ou mesmo nada faz subentender a expresso verbal querem pagar. (B) primeiro pargrafo, a expresso fregueses compradores faz subentender a existncia de fregueses que no compram nada. (C) segundo pargrafo, a expresso de qualquer modo est empregada com o sentido de de toda maneira. (D) segundo pargrafo, a expresso para salvaguardar est empregada com o sentido de a fim de resguardar. (E) terceiro pargrafo, a expresso no fosse tem sentido equivalente ao de mesmo no sendo. 53. O verbo indicado entre parnteses dever flexionar-se no plural para preencher de modo correto a lacuna da frase: (A) Frutas e verduras, mesmo quando desprezadas, no ...... (deixar) de as recolher quem no pode pagar pelas boas e bonitas. (B) ......-se (dever) aos ruidosos funcionrios da limpeza

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicospblica a providncia que far esquecer que ali funcionou uma feira. (C) No ...... (aludir) aos feirantes mais generosos, que oferecem as sobras de seus produtos, a observao do autor sobre o egosmo humano. (D) A pouca gente ...... (deixar) de sensibilizar os penosos detalhes da coleta, a que o narrador deu nfase em seu texto. (E) No ...... (caber) aos leitores, por fora do texto, criticar o lucro razovel de alguns feirantes, mas sim, a inaceitvel impiedade de outros. 54. A supresso da vrgula altera o sentido da seguinte frase: (A) Fica-se indignado com os feirantes, que no compreendem a carncia dos mais pobres. (B) No texto, ocorre uma descrio o mais fiel possvel da tradicional coleta de um fim de feira. (C) A todo momento, d-se o triste espetculo de pobreza centralizado nessa narrativa. (D) Certamente, o leitor no deixar de observar a preocupao do autor em distinguir os diferentes caracteres humanos. (E) Em qualquer lugar onde ocorra uma feira, ocorrer tambm a humilde coleta de que trata a crnica. RESPOSTAS 1. 11 A . 2. C B 12 3. . E A 4. 13 C . 5. B A 14 6. . E E 7. 15 B . 8. D A 16 9. . D A 1 17 0. . B C 18 . D 19 . E 20 . B 2 1 . A 2 2 . E 2 3 . B 2 4 . A 2 5 . E 2 6 . D 2 7 . A 2 8 . C 2 9 . B 3 0 . D E B A C E B A C D E B A C D B A E D B C D E D A

FONTICA E FONOLOGIAEm sentido mais elementar, a Fontica o estudo dos 11

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPOsons ou dos fonemas, entendendo-se por fonemas os sons emitidos pela voz humana, os quais caracterizam a oposio entre os vocbulos. Ex.: em pato e bato o som inicial das consoantes p- e bque ope entre si as duas palavras. Tal som recebe a denominao de FONEMA. Quando proferimos a palavra aflito, por exemplo, emitimos trs slabas e seis fonemas: a-fli-to. Percebemos que numa slaba pode haver um ou mais fonemas. No sistema fontica do portugus do Brasil h, aproximadamente, 33 fonemas. importante no confundir letra com fonema. Fonema som, letra o sinal grfico que representa o som. Vejamos alguns exemplos: Manh 5 letras e quatro fonemas: m / a / nh / Txi 4 letras e 5 fonemas: t / a / k / s / i Corre letras: 5: fonemas: 4 Hora letras: 4: fonemas: 3 Aquela letras: 6: fonemas: 5 Guerra letras: 6: fonemas: 4 Fixo letras: 4: fonemas: 5 Hoje 4 letras e 3 fonemas Canto 5 letras e 4 fonemas Tempo 5 letras e 4 fonemas Campo 5 letras e 4 fonemas Chuva 5 letras e 4 fonemas LETRA - a representao grfica, a representao escrita, de um determinado som.

A Sua Melhor Opo em Concursos PblicosEx.: fa-s-ca, sa--de, do-er, a-or-ta, po-di-a, ci--me, poei-ra, cru-el, ju--zo SLABA D-se o nome de slaba ao fonema ou grupo de fonemas pronunciados numa s emisso de voz. Quanto ao nmero de slabas, o vocbulo classifica-se em: Monosslabo - possui uma s slaba: p, mel, f, sol. Disslabo - possui duas slabas: ca-sa, me-sa, pombo. Trisslabo - possui trs slabas: Cam-pi-nas, ci-da-de, a-tle-ta. Polisslabo - possui mais de trs slabas: es-co-la-rida-de, hos-pi-ta-li-da-de. TONICIDADE Nas palavras com mais de uma slaba, sempre existe uma slaba que se pronuncia com mais fora do que as outras: a slaba tnica. Exs.: em l-gri-ma, a slaba tnica l; em ca-der-no, der; em A-ma-p, p. Considerando-se a posio da slaba tnica, classificamse as palavras em: Oxtonas - quando a tnica a ltima slaba: Pa-ra-n, sa-bor, do-mi-n. Paroxtonas - quando a tnica a penltima slaba: mr-tir, ca-r-ter, a-m-vel, qua-dro. Proparoxtonas - quando a tnica a antepenltima slaba: -mi-do, c-li-ce, ' s-fre-go, ps-se-go, l-grima. ENCONTROS CONSONANTAIS a sequncia de dois ou mais fonemas consonnticos num vocbulo. Ex.: atleta, brado, creme, digno etc. DGRAFOS So duas letras que representam um s fonema, sendo uma grafia composta para um som simples. H os seguintes dgrafos: 1) Os terminados em h, representados pelos grupos ch, lh, nh. Exs.: chave, malha, ninho. 2) Os constitudos de letras dobradas, representados pelos grupos rr e ss. Exs. : carro, pssaro. 3) Os grupos gu, qu, sc, s, xc, xs. Exs.: guerra, quilo, nascer, cresa, exceto, exsurgir. 4) As vogais nasais em que a nasalidade indicada por m ou n, encerrando a slaba em uma palavra. Exs.: pom-ba, cam-po, on-de, can-to, man-to. NOTAES LXICAS So certos sinais grficos que se juntam s letras, geralmente para lhes dar um valor fontico especial e permitir a correta pronncia das palavras. So os seguintes:

CLASSIFICAO DOS FONEMASVOGAIS

a, e, i, o, uSEMIVOGAIS S h duas semivogais: i e u, quando se incorporam vogal numa mesma slaba da palavra, formando um ditongo ou tritongo. Exs.: cai-a-ra, te-sou-ro, Pa-ra-guai. CONSOANTES

b, c, d, f, g, h, j, l, m, n, p, q, r, s, t, v, x, zENCONTROS VOCLICOS A seqncia de duas ou trs vogais em uma palavra, damos o nome de encontro voclico. Ex.: cooperativa Trs so os encontros voclicos: ditongo, tritongo, hiato DITONGO a combinao de uma vogal + uma semivogal ou viceversa. Dividem-se em: - orais: pai, fui - nasais: me, bem, po - decrescentes: (vogal + semivogal) meu, riu, di - crescentes: (semivogal + vogal) ptria, vcuo TRITONGO (semivogal + vogal + semivogal) Ex.: Pa-ra-guai, U-ru-guai, Ja-ce-guai, sa-guo, quo, iguais, mnguam HIATO o encontro de duas vogais que se pronunciam separadamente, em duas diferentes emisses de voz.

1) o acento agudo indica vogal tnica aberta: p, av,lgrimas;

2) o acento circunflexo indica vogal tnica fechada: 3) 4) 5) 6)12 av, ms, ncora; o acento grave sinal indicador de crase: ir cidade; o til indica vogal nasal: l, m; a cedilha d ao c o som de ss: moa, lao, aude; o trema indica que o u soa: lingeta, freqente, tranqilo;

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPO7) o apstrofo indica supresso de vogal: me-dgua,pau-dalho; o hfen une palavras, prefixos, etc.: arcos-ris, peo-lhe, ex-aluno.

A Sua Melhor Opo em Concursos PblicosDISTINO ENTRE X E CH:1. Escrevem-se com X a) Os vocbulos em que o X o precedido de ditongo: faixa, caixote, feixe, etc. c) Maioria das palavras iniciadas por ME: mexerico, mexer, mexerica, etc. d) EXCEO: recauchutar (mais seus derivados) e caucho (espcie de rvore que produz o ltex). e) Observao: palavras como "enchente, encharcar, enchiqueirar, enchapelar, enchumaar", embora se iniciem pela slaba "en", so grafadas com "ch", porque so palavras formadas por prefixao, ou seja, pelo prefixo en + o radical de palavras que tenham o ch (enchente, encher e seus derivados: prefixo en + radical de cheio; encharcar: en + radical de charco; enchiqueirar: en + radical de chiqueiro; enchapelar: en + radical de chapu; enchumaar: en + radical de chumao). 2. Escrevem-se com CH: a) charque, chiste, chicria, chimarro, ficha, cochicho, cochichar, estrebuchar, fantoche, flecha, inchar, pechincha, pechinchar, penacho, salsicha, broche, arrocho, apetrecho, bochecha, brecha, chuchu, cachimbo, comicho, chope, chute, debochar, fachada, fechar, linchar, mochila, piche, pichar, tchau. b) Existem vrios casos de palavras homfonas, isto , palavras que possuem a mesma pronncia, mas a grafia diferente. Nelas, a grafia se distingue pelo contraste entre o x e o ch. Exemplos: brocha (pequeno prego) broxa (pincel para caiao de paredes) ch (planta para preparo de bebida) x (ttulo do antigo soberano do Ir) chal (casa campestre de estilo suo) xale (cobertura para os ombros) chcara (propriedade rural) xcara (narrativa popular em versos) cheque (ordem de pagamento) xeque (jogada do xadrez) cocho (vasilha para alimentar animais) coxo (capenga, imperfeito)

ORTOGRAFIA OFICIALAs dificuldades para a ortografia devem-se ao fato de que h fonemas que podem ser representados por mais de uma letra, o que no feito de modo arbitrrio, mas fundamentado na histria da lngua. Eis algumas observaes teis:

DISTINO ENTRE J E G1. Escrevem-se com J: a) As palavras de origem rabe, africana ou amerndia: canjica. cafajeste, canjer, paj, etc. b) As palavras derivadas de outras que j tm j: laranjal (laranja), enrijecer, (rijo), anjinho (anjo), granjear (granja), etc. c) As formas dos verbos que tm o infinitivo em JAR. despejar: despejei, despeje; arranjar: arranjei, arranje; viajar: viajei, viajeis. d) O final AJE: laje, traje, ultraje, etc. e) Algumas formas dos verbos terminados em GER e GIR, os quais mudam o G em J antes de A e O: reger: rejo, reja; dirigir: dirijo, dirija. 2. Escrevem-se com G: a) O final dos substantivos AGEM, IGEM, UGEM: coragem, vertigem, ferrugem, etc. b) Excees: pajem, lambujem. Os finais: GIO, GIO, GIO e GIO: estgio, egrgio, relgio refgio, prodgio, etc. c) Os verbos em GER e GIR: fugir, mugir, fingir.

DISTINO ENTRE S E Z1. Escrevem-se com S: a) O sufixo OSO: cremoso (creme + oso), leitoso, vaidoso, etc. b) O sufixo S e a forma feminina ESA, formadores dos adjetivos ptrios ou que indicam profisso, ttulo honorfico, posio social, etc.: portugus portuguesa, campons camponesa, marqus marquesa, burgus burguesa, monts, pedrs, princesa, etc. c) O sufixo ISA. sacerdotisa, poetisa, diaconisa, etc. d) Os finais ASE, ESE, ISE e OSE, na grande maioria se o vocbulo for erudito ou de aplicao cientfica, no haver dvida, hiptese, exegese anlise, trombose, etc. e) As palavras nas quais o S aparece depois de ditongos: coisa, Neusa, causa. f) O sufixo ISAR dos verbos referentes a substantivos cujo radical termina em S: pesquisar (pesquisa), analisar (anlise), avisar (aviso), etc. g) Quando for possvel a correlao ND - NS: escandir: escanso; pretender: pretenso; repreender: repreenso, etc. 2. Escrevem-se em Z. a) O sufixo IZAR, de origem grega, nos verbos e nas palavras que tm o mesmo radical. Civilizar: civilizao, civilizado; organizar: organizao, organizado; realizar: realizao, realizado, etc. b) Os sufixos EZ e EZA formadores de substantivos abstratos derivados de adjetivos limpidez (limpo), pobreza (pobre), rigidez (rijo), etc. c) Os derivados em -ZAL, -ZEIRO, -ZINHO e ZITO: cafezal, cinzeiro, chapeuzinho, cozito, etc.

DISTINO ENTRE S, SS, E CObserve o quadro das correlaes:Correlae s t-c ter-teno Exemplos ato - ao; infrator - infrao; Marte - marcial abster - absteno; ater - ateno; conter - conteno, deter - deteno; reter - reteno aspergir - asperso; imergir - imerso; submergir rg - rs submerso; rt - rs inverter - inverso; divertir - diverso pel - puls impelir - impulso; expelir - expulso; repelir - repulso corr - curs correr - curso - cursivo - discurso; excurso - incurso sent - sens sentir - senso, sensvel, consenso ced - cess ceder - cesso - conceder - concesso; interceder intercesso. gred - exceder - excessivo (exceto exceo) gress agredir - agresso - agressivo; progredir - progresso progresso - progressivo prim - imprimir - impresso; oprimir - opresso; reprimir press represso. tir - sso admitir - admisso; discutir - discusso, permitir permisso. (re)percutir - (re)percusso

PALAVRAS COM CERTAS DIFICULDADES ONDE-AONDE Emprega-se AONDE com os verbos que do ideia de movimento. Equivale sempre a PARA ONDE. AONDE voc vai? AONDE nos leva com tal rapidez?

Lngua Portuguesa

13

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPONaturalmente, com os verbos que no do ideia de movimento emprega-se ONDE ONDE esto os livros? No sei ONDE te encontrar. MAU - MAL MAU adjetivo (seu antnimo bom). Escolheu um MAU momento. Era um MAU aluno. MAL pode ser: a) advrbio de modo (antnimo de bem). Ele se comportou MAL. Seu argumento est MAL estruturado b) conjuno temporal (equivale a assim que). MAL chegou, saiu c) substantivo: O MAL no tem remdio, Ela foi atacada por um MAL incurvel. CESO/SESSO/SECO/SEO CESSO significa o ato de ceder. Ele fez a CESSO dos seus direitos autorais. A CESSO do terreno para a construo do estdio agradou a todos os torcedores. SESSO o intervalo de tempo que dura uma reunio: Assistimos a uma SESSO de cinema. Reuniram-se em SESSO extraordinria. SECO (ou SEO) significa parte de um todo, subdiviso: Lemos a noticia na SECO (ou SEO) de esportes. Compramos os presentes na SECO (ou SEO) de brinquedos. H / A Na indicao de tempo, emprega-se: H para indicar tempo passado (equivale a faz): H dois meses que ele no aparece. Ele chegou da Europa H um ano. A para indicar tempo futuro: Daqui A dois meses ele aparecer. Ela voltar daqui A um ano. FORMAS VARIANTES Existem palavras que apresentam duas grafias. Nesse caso, qualquer uma delas considerada correta. Eis alguns exemplos. aluguel ou aluguer hem? ou hein? alpartaca, alpercata ou imundcie ou imundcia alpargata infarto ou enfarte amdala ou amgdala laje ou lajem assobiar ou assoviar lantejoula ou lentejoula assobio ou assovio nen ou nenen azala ou azaleia nhambu, inhambu ou nambu bbado ou bbedo quatorze ou catorze blis ou bile surripiar ou surrupiar cibra ou cimbra taramela ou tramela carroaria ou carroceria relampejar, relampear, chimpanz ou chipanz relampeguear ou relampar debulhar ou desbulhar porcentagem ou percentagem fleugma ou fleuma

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicos2) substantivos prprios (antropnimos, alcunhas, topnimos, nomes sagrados, mitolgicos, astronmicos): Jos, Tiradentes, Brasil, Amaznia, Campinas, Deus, Maria Santssima, Tup, Minerva, Via-Lctea, Marte, Cruzeiro do Sul, etc. O deus pago, os deuses pagos, a deusa Juno. 3) nomes de pocas histricas, datas e fatos importantes, festas religiosas: Idade Mdia, Renascena, Centenrio da Independncia do Brasil, a Pscoa, o Natal, o Dia das Mes, etc. 4) nomes de altos cargos e dignidades: Papa, Presidente da Repblica, etc. 5) nomes de altos conceitos religiosos ou polticos: Igreja, Nao, Estado, Ptria, Unio, Repblica, etc. 6) nomes de ruas, praas, edifcios, estabelecimentos, agremiaes, rgos pblicos, etc.: Rua do 0uvidor, Praa da Paz, Academia Brasileira de Letras, Banco do Brasil, Teatro Municipal, Colgio Santista, etc. 7) nomes de artes, cincias, ttulos de produes artsticas, literrias e cientficas, ttulos de jornais e revistas: Medicina, Arquitetura, Os Lusadas, 0 Guarani, Dicionrio Geogrfico Brasileiro, Correio da Manh, Manchete, etc. 8) expresses de tratamento: Vossa Excelncia, Sr. Presidente, Excelentssimo Senhor Ministro, Senhor Diretor, etc. 9) nomes dos pontos cardeais, quando designam regies: Os povos do Oriente, o falar do Norte. Mas: Corri o pas de norte a sul. O Sol nasce a leste. 10) nomes comuns, quando personificados ou individuados: o Amor, o dio, a Morte, o Jabuti (nas fbulas), etc. Escrevem-se com letra inicial minscula: 1) nomes de meses, de festas pags ou populares, nomes gentlicos, nomes prprios tornados comuns: maia, bacanais, carnaval, ingleses, ave-maria, um havana, etc. 2) os nomes a que se referem os itens 4 e 5 acima, quando empregados em sentido geral: So Pedro foi o primeiro papa. Todos amam sua ptria. 3) nomes comuns antepostos a nomes prprios geogrficos: o rio Amazonas, a baa de Guanabara, o pico da Neblina, etc. 4) palavras, depois de dois pontos, no se tratando de citao direta: "Qual deles: o hortelo ou o advogado?" (Machado de Assis) "Chegam os magos do Oriente, com suas ddivas: ouro, incenso, mirra." (Manuel Bandeira)

USO DO HFENAlgumas regras do uso do hfen foram alteradas pelo novo Acordo. Mas, como se trata ainda de matria controvertida em muitos aspectos, para facilitar a compreenso dos leitores, apresentamos um resumo das regras que orientam o uso do hfen com os prefixos mais comuns, assim como as novas orientaes estabelecidas pelo Acordo. As observaes a seguir referem-se ao uso do hfen em palavras formadas por prefixos ou por elementos que podem funcionar como prefixos, como: aero, agro, alm, ante, anti, aqum, arqui, auto, circum, co, contra, eletro, entre, ex, extra, geo, hidro, hiper, infra, inter, intra, macro, micro, mini, multi, neo, pan, pluri, proto, ps, pr, pr, pseudo, retro, semi, sobre, sub, super, supra, tele, ultra, vice etc. 1. Com prefixos, usa-se sempre o hfen diante de palavra iniciada por h. 14

EMPREGO DE MAISCULAS E MINSCULASEscrevem-se com letra inicial maiscula: 1) a primeira palavra de perodo ou citao. Diz um provrbio rabe: "A agulha veste os outros e vive nua." No incio dos versos que no abrem perodo facultativo o uso da letra maiscula.

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPOExemplos: anti-higinico anti-histrico co-herdeiro macro-histria mini-hotel proto-histria sobre-humano super-homem ultra-humano Exceo: subumano (nesse caso, a palavra humano perde o h). 2. No se usa o hfen quando o prefixo termina em vogal diferente da vogal com que se inicia o segundo elemento. Exemplos: aeroespacial agroindustrial anteontem antiareo antieducativo autoaprendizagem autoescola autoestrada autoinstruo coautor coedio extraescolar infraestrutura plurianual semiaberto semianalfabeto semiesfrico semiopaco Exceo: o prefixo co aglutina-se em geral com o segundo elemento, mesmo quando este se inicia por o: coobrigar, coobrigao, coordenar, cooperar, cooperao, cooptar, coocupante etc. 3. No se usa o hfen quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento comea por consoante diferente de r ou s. Exemplos: anteprojeto antipedaggico autopea autoproteo coproduo geopoltica microcomputador pseudoprofessor semicrculo semideus seminovo ultramoderno Ateno: com o prefixo vice, usa-se sempre o hfen. Exemplos: vice-rei, vice-almirante etc. 4. No se usa o hfen quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento comea por r ou s. Nesse caso, duplicam-se essas letras. Exemplos: antirrbico antirracismo antirreligioso antirrugas antissocial biorritmo contrarregra contrassenso cosseno infrassom microssistema minissaia

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicosmultissecular neorrealismo neossimbolista semirreta ultrarresistente. ultrassom 5. Quando o prefi xo termina por vogal, usa-se o hfen se o segundo elemento comear pela mesma vogal. Exemplos: anti-ibrico anti-imperialista anti-infl acionrio anti-infl amatrio auto-observao contra-almirante contra-atacar contra-ataque micro-ondas micro-nibus semi-internato semi-interno 6. Quando o prefixo termina por consoante, usa-se o hfen se o segundo elemento comear pela mesma consoante. Exemplos: hiper-requintado inter-racial inter-regional sub-bibliotecrio super-racista super-reacionrio super-resistente super-romntico Ateno: Nos demais casos no se usa o hfen. Exemplos: hipermercado, intermunicipal, superinteressante, superproteo. Com o prefixo sub, usa-se o hfen tambm diante de palavra iniciada por r: sub-regio, sub-raa etc. Com os prefixos circum e pan, usa-se o hfen diante de palavra iniciada por m, n e vogal: circumnavegao, pan-americano etc. 7. Quando o prefixo termina por consoante, no se usa o hfen se o segundo elemento comear por vogal. Exemplos: hiperacidez hiperativo interescolar interestadual interestelar interestudantil superamigo superaquecimento supereconmico superexigente superinteressante superotimismo 8. Com os prefixos ex, sem, alm, aqum, recm, ps, pr, pr, usa-se sempre o hfen. Exemplos: alm-mar alm-tmulo aqum-mar ex-aluno ex-diretor ex-hospedeiro ex-prefeito ex-presidente ps-graduao 15

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPOpr-histria pr-vestibular pr-europeu recm-casado recm-nascido sem-terra 9. Deve-se usar o hfen com os sufixos de origem tupiguarani: au, guau e mirim. Exemplos: amor-guau, anajmirim, capim-au. 10. Deve-se usar o hfen para ligar duas ou mais palavras que ocasionalmente se combinam, formando no propriamente vocbulos, mas encadeamentos vocabulares. Exemplos: ponte Rio-Niteri, eixo Rio-So Paulo. 11. No se deve usar o hfen em certas palavras que perderam a noo de composio. Exemplos: girassol madressilva mandachuva paraquedas paraquedista pontap 12. Para clareza grfica, se no final da linha a partio de uma palavra ou combinao de palavras coincidir com o hfen, ele deve ser repetido na linha seguinte. Exemplos: Na cidade, conta-se que ele foi viajar. O diretor recebeu os ex-alunos.

A Sua Melhor Opo em Concursos PblicosAlfabeto A influncia do ingls no nosso idioma agora oficial. H muito tempo as letras k, w e y faziam parte do nosso idioma, isto no nenhuma novidade. Elas j apareciam em unidades de medidas, nomes prprios e palavras importadas do idioma ingls, como: km quilmetro, kg quilograma Show, Shakespeare, Byron, Newton, dentre outros. Trema No se usa mais o trema em palavras do portugus. Quem digita muito textos cientficos no computador sabe o quanto dava trabalho escrever lingustica, frequncia. Ele s vai permanecer em nomes prprios e seus derivados, de origem estrangeira. Por exemplo, Gisele Bndchen no vai deixar de usar o trema em seu nome, pois de origem alem. (neste caso, o l-se i) QUANTO POSIO DA SLABA TNICA 1. Acentuam-se as oxtonas terminadas em A, E, O, seguidas ou no de S, inclusive as formas verbais quando seguidas de LO(s) ou LA(s). Tambm recebem acento as oxtonas terminadas em ditongos abertos, como I, U, I, seguidos ou no de S Ex. Ch Gs Dar Par vatap Alis d-lo recuper-los guard-la ris (moeda) mis pastis ningum Resumindo: S no acentuamos oxtonas terminadas em I ou U, a no ser que seja um caso de hiato. Por exemplo: as palavras ba, a, Esa e atra-lo so acentuadas porque as semivogais i e u esto tnicas nestas palavras. 2. Acentuamos terminadas em: as palavras paroxtonas quando Ms Sap Caf Vocs pontaps portugus v-lo Conhec-los F Vu cu Chapus parabns ns cip avs comps s rob av p-los comp-los di mi anzis Jerusalm

ACENTUAO GRFICA ORTOGRAFIA OFICIALPor Paula Perin dos Santos O Novo Acordo Ortogrfico visa simplificar as regras ortogrficas da Lngua Portuguesa e aumentar o prestgio social da lngua no cenrio internacional. Sua implementao no Brasil segue os seguintes parmetros: 2009 vigncia ainda no obrigatria, 2010 a 2012 adaptao completa dos livros didticos s novas regras; e a partir de 2013 vigncia obrigatria em todo o territrio nacional. Cabe lembrar que esse Novo Acordo Ortogrfico j se encontrava assinado desde 1990 por oito pases que falam a lngua portuguesa, inclusive pelo Brasil, mas s agora que teve sua implementao. equvoco afirmar que este acordo visa uniformizar a lngua, j que uma lngua no existe apenas em funo de sua ortografia. Vale lembrar que a ortografia apenas um aspecto superficial da escrita da lngua, e que as diferenas entre o Portugus falado nos diversos pases lusfonos subsistiro em questes referentes pronncia, vocabulrio e gramtica. Uma lngua muda em funo de seus falantes e do tempo, no por meio de Leis ou Acordos. A queixa de muitos estudantes e usurios da lngua escrita que, depois de internalizada uma regra, difcil desaprend-la. Ento, cabe aqui uma dica: quando se tiver uma dvida sobre a escrita de alguma palavra, o ideal consultar o Novo Acordo (tenha um sempre em fcil acesso) ou, na melhor das hipteses, use um sinnimo para referirse a tal palavra. Mostraremos nessa srie de artigos o Novo Acordo de uma maneira descomplicada, apontando como que fica estabelecido de hoje em diante a Ortografia Oficial do Portugus falado no Brasil.

L afvel, fcil, cnsul, desejvel, gil, incrvel. N plen, abdmen, smen, abdmen. R cncer, carter, nctar, reprter. X trax, ltex, nix, fnix. PS frceps, Quops, bceps. (S) m, rfs, ms, Blcs. O(S) rgo, bno, sto, rfo. I(S) jri, txi, lpis, grtis, osis, miostis. ON(S) nilon, prton, eltrons, cnon. UM(S) lbum, frum, mdium, lbuns. US nus, bnus, vrus, Vnus.16

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPOTambm acentuamos as paroxtonas terminadas em ditongos crescentes (semivogal+vogal): Nvoa, infncia, tnue, calvcie, srie, polcia, residncia, frias, lrio. 3. Todas as proparoxtonas so acentuadas. Ex. Mxico, msica, mgico, lmpada, plido, plido, sndalo, crisntemo, pblico, proco, proparoxtona. QUANTO CLASSIFICAO DOS ENCONTROS VOCLICOS 4. Acentuamos as vogais I e U dos hiatos, quando:

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicosatleta: prato: a-tle-ta pra-to atraso: a-tra-so

Separam-se as letras dos dgrafos RR, SS, SC, S, XC. 3- correr: cor-rer desam: des-am passar: pas-sar exceto: ex-ce-to fascinar: fas-ci-nar 4No se separam as letras que representam um ditongo. mistrio: mis-t-rio herdeiro: her-dei-ro crie: c-rie

Formarem slabas sozinhos ou com SEx. Ju--zo, Lu-s, ca-fe--na, ra--zes, sa--da, e-go-s-ta. IMPORTANTE Por que no acentuamos ba-i-nha, fei-u-ra, ru-im, ca-ir, Ra-ul, se todos so i e u tnicas, portanto hiatos? Porque o i tnico de bainha vem seguido de NH. O u e o i tnicos de ruim, cair e Raul formam slabas com m, r e l respectivamente. Essas consoantes j soam forte por natureza, tornando naturalmente a slaba tnica, sem precisar de acento que reforce isso. 5. Trema No se usa mais o trema em palavras da lngua portuguesa. Ele s vai permanecer em nomes prprios e seus derivados, de origem estrangeira, como Bndchen, Mller, mlleriano (neste caso, o l-se i) 6. Acento Diferencial O acento diferencial permanece nas palavras: pde (passado), pode (presente) pr (verbo), por (preposio) Nas formas verbais, cuja finalidade determinar se a 3 pessoa do verbo est no singular ou plural: SINGULAR PLURAL Ele tem Ele vem Eles tm Eles vm

Separam-se as letras que representam um hiato. 5- sade: sa--de cruel: cru-el rainha: ra-i-nha enjoo: en-jo-o No se separam as letras que representam um tritongo. 6- Paraguai: Pa-ra-guai saguo: sa-guo Consoante no seguida de vogal, fica na slaba que a antecede. 7- torna: tor-na npcias: tcnica: tc-ni-ca submeter: absoluto: ab-so-lu-to perspicaz: no interior da palavra, np-cias sub-me-ter pers-pi-caz

Consoante no seguida de vogal, no incio da palavra, junta-se slaba que a segue pneumtico: pneu-m-ti-co gnomo: gno-mo psicologia: psi-co-lo-gia No grupo BL, s vezes cada consoante pronunciada separadamente, mantendo sua autonomia fontica. Nesse caso, tais consoantes ficam em slabas separadas. 9- sublingual: sub-lin-gual sublinhar: sub-li-nhar sublocar: sub-lo-car Preste ateno nas seguintes palavras: trei-no so-cie-da-de gai-o-la ba-lei-a des-mai-a-do im-bui-a ra-diou-vin-te ca-o-lho te-a-tro co-e-lho du-e-lo v-a-mos a-mn-sia gno-mo co-lhei-ta quei-jo pneu-mo-ni-a fe--ri-co dig-no e-nig-ma e-clip-se Is-ra-el mag-n-lia

Essa regra se aplica a todos os verbos derivados de ter e vir, como: conter, manter, intervir, deter, sobrevir, reter, etc.

DIVISO SILBICANo se separam as letras que formam os dgrafos CH, NH, LH, QU, GU. 1- chave: cha-ve aquele: a-que-le palha: pa-lha manh: ma-nh guizo: gui-zo No se separam as letras dos encontros consonantais que apresentam a seguinte formao: consoante + L ou consoante + R 2emblema: em-ble-ma abrao: a-bra-o reclamar: re-cla-mar recrutar: re-cru-tar flagelo: fla-ge-lo drama: dra-ma globo: glo-bo fraco: fra-co implicar: im-pli-car agrado: a-gra-do

SINAIS DE PONTUAOPontuao o conjunto de sinais grficos que indica na escrita as pausas da linguagem oral.

PONTOO ponto empregado em geral para indicar o final de uma frase declarativa. Ao trmino de um texto, o ponto conhecido como final. Nos casos comuns ele chamado de simples. Tambm usado nas abreviaturas: Sr. (Senhor), d.C. (depois de Cristo), a.C. (antes de Cristo), E.V. (rico Verssimo).

PONTO DE INTERROGAO usado para indicar pergunta direta. 17

Lngua Portuguesa

A Opo Certa Para a Sua Realizao

PORTUGUS (MPSP Oficial de Promotoria I) 1-6-2011

APOSTILAS OPOOnde est seu irmo? s vezes, pode combinar-se exclamao. A mim ?! Que ideia! com o ponto de

A Sua Melhor Opo em Concursos Pblicos Enumerao aps os apostos: Como trs tipos de alimento: vegetais, carnes e amido.

TRAVESSOMarca, nos dilogos, a mudana de interlocutor, ou serve para isolar palavras ou frases "Quais so os smbolos da ptria? Que ptria? Da nossa ptria, ora bolas!" (P. M Campos). "Mesmo com o tempo revoltoso - chovia, parava, chovia, parava outra vez. a claridade devia ser suficiente p'ra mulher ter avistado mais alguma coisa". (M. Palmrio). Usa-se para separar oraes do tipo: Avante!- Gritou o general. A lua foi alcanada, afinal - cantava o poeta. Usa-se tambm para ligar palavras ou grupo de palavras que formam uma cadeia de frase: A estrada de ferro Santos Jundia. A ponte Rio Niteri. A linha area So Paulo Porto Alegre.

PONTO DE EXCLAMAO usado depois das interjeies, locues ou frases exclamativas. Cus! Que injustia! Oh! Meus amores! Que bela vitria! jovens! Lutemos!

VRGULAA vrgula deve ser empregada toda vez que houv