Apostila contabil

Click here to load reader

  • date post

    02-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    874
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Apostila contabil

Contabilidade Introdutria II Material didtico

1

UNIVERSIDADE CATLICA DE GOIS PR-REITORIA DE GRADUAO DEPARTAMENTO DE CINCIAS CONTBEIS

Material Didtico

Contabilidade Introdutria II1 8 0 1 6 0 1 4 0 1 2 0 N o r t e 1 0 0 8 0 6 0 O e s t e Le s te

1

0 8 6 4 2

0 0 0 L e s s r t e t e t e

T r i m .

T r i m .

T r i m .

T r i m .

0 0 0

O N

e o

T r i m .

T r i m .

T r i m .

4 0 2 0 0

T r i m .

1

2

3

1

2

3

4

4

Elaborao

Prof. Paulo Henrique Alves ParreiraGoinia,Fevereiro de 2008.

Universidade Catlica de Gois

Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

2

NDICE

01. Apresentao ............................................................................................................................................. 3 02. Introduo ................................................................................................................................................... 4 03. Patrimnio .................................................................................................................................................. 5 04. Exerccios de Fixao (Patrimnio)........................................................................................................5 e 6 05. Plano de Contas.......................................................................................................................................... 6 06. Exerccios de Fixao (Plano de Contas) ................................................................................................ 09 07. Variaes do Patrimnio Lquido .............................................................................................................. 11 08. Exerccios de Fixao (Variaes do Patrimnio Lquido)........................................................................ 12 09. Atos e Fatos Administrativos....................................................................................................................... 13 10. Exerccios de Fixao ( Atos e Fatos Administrativos ) ............................................................................. 14 11. Tcnicas Contbeis.................................................................................................................................... 15 12. Escriturao ............................................................................................................................................... 16 13. Operaes com Mercadorias ..................................................................................................................... 19 14. Exerccios de Fixao (CMV E RCM) ........................................................................................................ 22 15. Depreciao.................................................................................................................................................25 16. Amortizao.................................................................................................................................................26 17. Exausto......................................................................................................................................................27 18. Exerccios de Fixao (Depreciao, Amortizao e Exausto)................................................................27 19. Relatrios Contbeis.................................................................................................................................. 28 20. Balano Patrimonial ................................................................................................................................... 29 21. Demonstrao do Resultado do Exerccio................................................................................................. 37 22. Exerccios de Fixao (BP e DRE) ............................................................................................................ 42 23. Resoluo CFC n. 686/90.......................................................................................................................... 50 24. Bibliografia...................................................................................................................................................58

Universidade Catlica de Gois

Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

3

APRESENTAO

Acreditando que o material possa se constituir em relevante recurso didtico no desenvolvimento do contedo programtico da disciplina de contabilidade introdutria II, procurou-se contemplar os principais tpicos, tais como: conceituaes, importncia, objetivos, finalidades, funes etc., para o fortalecimento e crescimento cientfico e intelectual de todos que buscam uma evoluo continua no processo de aprendizagem.

Universidade Catlica de Gois

Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

4

Introduo

Para o exerccio de funes relevantes, o contador necessita de uma preparao educacional bastante slida, que envolva no somente uma formao tcnica aprimorada como tambm uma razovel formao cultural e humanstica. Alm do completo domnio das normas e princpios contbeis, o contador deve tambm possuir slidos conhecimentos de matemtica e estatstica, de contabilidade aplicada, de direito, bem como de princpios de economia empresarial, de organizao de empresas, administrao, alm das normas de tica profissional. Na sua importncia e versatilidade, o curso de Cincias contbeis expande seus raios de ao s pessoas de direito pblico, colocando-se a servio da Unio, Estados, Municpios, Autarquias, Fundaes etc. O campo de atuao dos profissionais da rea vasto e promissor, garantindo o sucesso de todos aqueles que se graduarem no mundo fascinante da CONTABILIDADE. A PROFISSO Mais do que nas atividades industriais, comerciais, financeiras, agropecurias, de entretenimento, lazer, sade, transportes, enfim toda a gama das aes empresariais existentes no mundo, a CONTABILIDADE , por ser indispensvel em todas elas, deve estar atenta s exigncias dos tempos modernos e do futuro prximo. Linguagem universal dos negcios, a importncia da contabilidade indiscutvel, e , por isso mesmo, mister se faz que o Departamento de Cincias Contbeis da Universidade Catlica de Gois busque o aprimoramento permanente de seus mtodos de ensino. O CURRCULO O currculo do curso de Cincias Contbeis est centrado basicamente em trs grandes linhas de ensino terico-prtico: conhecimento de formao geral de natureza humanstica e social; conhecimento de formao profissional; conhecimento ou atividades de formao complementar. Cabe destacar que este currculo exige uma postura gerencial inovadora, uma perfeita integrao entre os diversos departamentos, sob a orientao do Departamento de Cincias Contbeis - CON. Exigir uma reciclagem permanente do corpo docente, com a assimilao da nova filosofia do curso, a contnua modernizao do Escritrio/Modelo, dos equipamentos e das instalaes para atendimento ao aluno (Prtica Contbil). O OBJETO E AS FUNES DA CONTABILIDADE Nos ltimos 150 anos de doutrina contbil, muitas foram as teorias que procuraram identificar o objeto de estudo e as finalidades da Contabilidade. Destas teorias, a que hoje universal e quase unanimemente aceita, a do patrimonialismo, exposta por Vicenzo Mazi, que elegeu como objeto da contabilidade o PATRIMNIO, com enfoque para os fenmenos nele ocorridos. Esta teoria possui princpios identificados e normas estabelecidas que constituem um conjunto estruturado de conhecimentos certos e universais, capazes de prever futuros fenmenos patrimoniais. 1. Conceito de Patrimnio Em contabilidade, a palavra patrimnio tem sentido amplo: por um lado significa o conjunto de bens e direitos pertencentes a uma pessoa ou empresa; por outro lado inclui as obrigaes a serem pagas.

PATRIMNIO DE UMA PESSOA OU DE UMA EMPRESA Bens e Direitos (a receber) Obrigaes ( a serem pagas)

Bens: Coisas teis, capazes de satisfazer s necessidades das pessoas e das empresas e se subdividem em: Bens materiais, corpreos ou tangveis: Tm forma fsica, so palpveis. Ex: Veculos, imveis, estoques de mercadorias, dinheiro, moveis e utenslios etc. Bens imateriais incorpreos ou intangveis: So os no palpveis, no constitudos de matria. Ex: Marcas e patentes. Bens imveis: so aqueles vinculados ao solo, que no podem ser retirados sem destruio ou danos: Edifcios, construes etc. Bens mveis: so aqueles que podem ser removidos por si prprios ou por outras pessoas: mquinas, equipamentos, estoques de mercadorias etc. Em Contabilidade entende-se por Direito ou Direitos.Universidade Catlica de Gois Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

5

Obrigaes: So dividas com outras pessoas ou instituies. Em Contabilidade tais dvidas so denominadas obrigaes exigveis, isto , compromissos que sero reclamados, exigidos: pagamento na data do vencimento. ATIVO : o conjunto de bens e direitos da propriedade da empresa. So os itens positivos do patrimnio; trazem benefcios, proporcionam ganho para a empresa. Passivo: Significa as obrigaes exigveis da empresa, ou seja, as dvidas que sero cobradas, reclamadas a partir da data de seu vencimento. Patrimnio Lquido: Parte do patrimnio que efetivamente sobra para seu proprietrio aps somar bens e direitos e subtrair do total das obrigaes; situao lquida, riqueza lquida; medida de riqueza da empresa. Equao Patrimonial: PL(Patrimnio Liq.)=Ativo Passivo Situao Lquida Negativa: Ativo < Passivo Situao Lquida Positiva: Ativo > Passivo Situao Liquida Nula Ativo = passivo Exerccios 1) Segundo a Resoluo CFC 750/93 qual e o objeto da contabilidade? 2) Defina o que Patrimnio? 3) O que so Bens, e quais as suas subdivises? 4) Defina o que ativo? 5) Defina o que Passivo? 6) Qual a formula da Equao Patrimonial? 7) Para que voc possa familiarizar-se bem com a escriturao dos fatos no livro Dirio e razo, conveniente que procure solucionar os fatos propostos nesta Prtica realizando os lanamentos de acordo com o Dirio e razo. 1. Compra de mercadorias, vista, conforme Nota fiscal n 761, da Comercial Souza Ltda., no valor de R$ 8.000. 2. Compra de trs armrios de ao, vista, conforme Nota fiscal n 213 da Comercial Mendes Ltda., no valor de R$ 3.000. 3. Venda de mercadorias, vista, conforme nossa Nota fiscal n 100, no valor de R$ R$ 8.000 (no considerar o valor do custo de aquisio). 4. Venda de trs armrios de ao, vista, conforme nossa Nota fiscal n 11, por R$ 3000. 5. Compra de mercadorias, a prazo, conforme Nota Fiscal n 384 da Casa Theodoro S/A, no valor de R$ 5.000. Houve, no ato, aceite de cinco duplicatas no valor de R$ 1.000, cada uma para vencimento de 30 em 30 dias. 6. Venda de mercadorias, a prazo, ao Sr. Cludio de Biasi, conforme nossa Nota fiscal n 18, no valor de R$ 1.500. Houve aceite, no ato, de trs duplicatas no valor de R$ 500 cada uma, com vencimento para 30, 60 e 90 dias. 7. Abertura de conta bancria, com depsito inicial em dinheiro, no Banco Urups S/A, no valor de R$ 10.000. 8. Saque efetuado para reforo de Caixa, conforme nosso cheque n 1 do Banco Urups S/A, no valor de R$ 2.000. 9. Compra de uma casa situada na Rua X, s/n, conforme escritura lavrada no Terceiro Tabelio, no valor de R$ 100.000. Foram pagos, vista, como sinal, R$10.000, atravs do nosso cheque n 2 do Banco Urups S/A, e o restante ser pago em 60 dias, conforme Nota Promissria.Universidade Catlica de Gois Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

6

10. Venda de mercadorias, ao Sr. Olavo, conforme nossa Nota Fiscal n 653, no valor de R$ 6.500, sendo que R$ 500 foram recebidos no ato, em dinheiro, e o restante ser recebido em trs parcelas de R$ 2.000, conforme aceite de duplicatas. 11. Venda de mercadorias, vista, ao Sr. Joo Csar, conforme nossa Nota Fiscal n 32, no valor de R$ 500. O cliente efetuou pagamento atravs do cheque n 300 do banco do Estado. 12. Pagamento de uma duplicata ao fornecedor JX Ltda. No valor de R$ 300, com 5% de desconto. 13. Venda de mercadorias vista, no valor de R$, com desconto destacado na NF de R$ 50. Total da NF: R$ 300. 14. Recebimento de aluguel do Sr. Paulo, em dinheiro, no valor de R$ 1.200, com 10% de desconto. 15. Compra de mercadorias, vista, do fornecedor JL Ltda., no valor de R$ 9.000. na NF, houve desconto incondicional de R$ 1.000. Total da NF: R$ 8.000. 16. Recebimento, em dinheiro, de uma duplicata da Sra. Celeste, no valor de R$ 100, com 30% de juros. 17. Compra de 5 computadores no valor de R$ 15.000, onde R$ 5.000 foram pagos vista, e o restando a prazo conforme Nota Promissria. 3) De acordo com os fatos abaixo: 1) Constituio de uma sociedade com o capital de R$ 80.000,00 integralizado no ato 90% em moeda corrente do pais, conforme contrato social arquivado na JUCEG. 2) Compras de mercadorias R$ 9.000,00 sendo 30% vista e o restante mediante aceite de duplicatas. 3) Compra de mquinas e equipamentos para uso da entidade a prazo R$ 2.000,00 com aceite de Notas Promissrias. 4) Venda de mercadoria por R$ 2.000,00 sendo 50 % vista, com emisso de duplicatas. 5) Pagamento de energia R$ 300,00. 6) Pagamento de R$ 200,00 Ref. Manuteno. 7) Pagamento de 20% do item 2, com 30 de juros. 8) Recebimento de 30% do item 04 com 20 de desconto. 9) Compras de mercadorias R$ 3.000,00 a prazo com aceite de duplicatas. 10) Vendas de mercadorias R$ 1.500,00 a prazo. 11) Compra de um veculo para uso da entidade por R$ 5.000,00 sendo 40% vista e o restante mediante aceite de nota promissria. 12) Pagamento de 50% do item 9 com 20% de desconto. 13) Recebimento de R$ 500,00 Ref. O item 10 com 20% de juros. 14) Pagamento de Aluguel do M~es R$ 1.000,00 15) Compra de mercadorias R$ 2.000,00 vista. 16) Abertura de C/C no Banco do Brasil R$ 6.000,00. 17) Pagamento de 40% do item 11 com 15% de juros Cheque n 001. 18) A empresa obteve um emprstimo bancrio no valor de R$ 9.000,00. 19) Pagamento de combustvel R$ 200,00. 20) Pagamento de salrio do ms de R$ 500,00. 21) Vendas de mercadorias R$ 25.000,00 vista. 22) Pagamento do restante da dvida ref. O item 11. 23) Venda do veculo a prazo por R$ 8.000,00. PEDE-SE A) Lanamentos no razonete; 2. Plano de Contas Para que se possa ter perfeita noo do que seja um Plano de Contas e bem conhecer sua tcnica ou forma e elaborao, preciso que primeiramente se tenha um slido conceito de conta. Conceitos de Conta Expresso qualitativa e quantitativa, esttica e dinmica, de fatos patrimoniais da mesma natureza, ocorridos ou por ocorrer, em uma empresa ou em uma entidade.(S) Conta um conjunto de levantamentos, refletindo um elemento ou componente formado ou em formao, efetivo ou potencial, de um patrimnio aziendal ou de terceiros, do qual exprime, geralmente, a varivel grandeza em uma dada medida, quase sempre monetria. (Vencenzo Mais. Rilevazione patrimoniale. 2 ed. Padova: Cedam 1942. p.359) Conta o nome tcnico que identifica um componente patrimonial ( Bem, Direito, Obrigao ou Patrimnio Lquido) ou um componente de Resultado (Despesa ou Receita) . (Ribeiro, Osni Moura.3. ed., So Paulo: Saraiva, 2002. p. 61).Universidade Catlica de Gois Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

7

O objeto de uma conta, seja ela qual for, simples ou complexo, deve, portanto, formar um todo em si, que aparece liquidamente distinto dos objetos de outras contas, que no seja, em suma, inteiramente semelhante a qualquer outra: deve ter por base um todo homogneo que resulte, isto , de partes semelhantes que possam ser observadas sob qualquer aspecto como tal. (Fbio Besta. La ragioneria. 2. ed. Milano: Francesco Vallardi, 1920. v. II, Cap. II p. 336). Todos os acontecimentos que ocorrem diariamente na vida da empresa, responsveis pela gesto do patrimnio como compras, vendas, pagamentos, recebimentos etc. -, so registrados pela Contabilidade em contas prprias. Assim, toda movimentao de dinheiro efetuada dentro da entidade registrada em uma Conta denominada Caixa; os objetivos comercializados pela entidade so registrados em uma Conta denominada Mercadorias, e assim por diante. Ela , portanto, o instrumento que se adota para guardar memria, reunindo acontecimentos patrimoniais, de natureza idntica, possuindo, por esta razo, um objeto certo. A conta tem sempre objeto distinto de outras contas porque rene fatos de caractersticas prprias, iguais por sua natureza e que sucedem no patrimnio. O grande cuidado dever residir sempre no respeito a este bsico princpio de que a conta uma expresso de um objeto certo, que no dever nunca ser confundido com o de outras contas, ou seja, uma evidenciao de fatos ou fenmenos patrimoniais da mesma natureza, sempre sob o aspecto da finalidade da empresa ou da entidade. As contas podem ser classificadas em dois grupos: Contas Patrimoniais e Contas de Resultado ( Teoria Patrimonialista). As contas Patrimoniais so as que representam os elementos componentes de Patrimnio. Dividem-se em Ativas ( Bens e Direitos ) e Passivas ( Obrigaes e Patrimnio Lquido). As contas de Resultado so as que representam as variaes patrimoniais. Dividem-se em Contas de Despesas e Contas de Receitas. Uma conta deve ser apresentada, para efeitos de um Plano de Contas, atravs de Seus: 1. 2. 3. 4. 5. 6. Ttulo; Funo; Funcionamento; Classificao; Grupamentos; Cdigos etc.

TITULO: a palavra ou designao que d nome a ma conta; evidenciando seu objeto, ou seja, a razo para a qual foi aberta e a classe de valores que registra; uma identificao imprescindvel na tcnica dos registros. FUNO DAS CONTAS - CONCEITO: Funo de uma conta sua ao, ou ainda, para que serve qual o papel que desempenha na escriturao; pode ainda ser conceituada como sendo a explicao do objeto da conta, ou ento a expresso descritiva da natureza dos fatos registrveis da conta. Exemplo: FUNO DA CONTA: FORNECEDORES Esta conta destina-se ao registro de todas as transaes realizadas com as firmas ou pessoas que realizem fornecimentos para a empresa. Nela registram-se, normalmente, as faturas ou notas de fornecimento e os seus resgates. Tem ainda por funo o registro das antecipaes sobre fornecimentos quando estes forem feitos a prazo curto e quando no se relacionarem com transaes que se prolonguem, necessitando de acertos especiais. Pela descrio feita acima percebe-se, claro, que pela funo de uma conta se conhece perfeitamente qual o seu objeto, ou ainda, para que foi aberta. FUNCIONAMENTO DAS CONTAS - CONCEITO: O funcionamento das contas estabelece a relao da conta com as demais outras e evidencia como se comporta diante de seu objeto. Demonstra como se debita a conta, como se credita, qual a natureza de seu saldo, quais as outras contas que normalmente com ela estabelecem contado. Exemplo:

Universidade Catlica de Gois

Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

8

FUNCIONAMENTO DA CONTA : CLIENTES Esta conta debitada pelas faturas ou notas de vendas feitas a clientes da empresa: creditada, quando o cliente resgata sua dvida. A natureza do saldo desta conta DEVEDOR, integrando o sistema de aplicaes da empresa. Relaciona-se em seu DBITO com as contas de vendas e similares. Relaciona-se com seu CRDITO com as contas de CAIXA, BANCOS E DEVOLUES. Esta conta de natureza devedora. Pelo seu Dbito surgem os seguintes registros, relativamente a outras contas: CLIENTES A VENDAS Pelo seu crdito surgem os seguintes registros, relativamente a outras contas: CAIXA A CLIENTES liquidao em dinheiro BANCOS A CLIENTES liquidao em banco DEVOLUES DE CLIENTES A CLIENTES pela devoluo de mercadorias. O saldo desta conta, sendo devedor, indica sempre o que a empresa tem a receber de terceiros por vendas a prazo que realizou. CLASSIFICAO DA CONTA: Indica se ela Conta Patrimonial ou de Resultado. GRUPAMENTOS DAS CONTAS: Indica se ela pertence ao grupo de Ativo, Passivo, Despesas ou Receitas. CDIGO E GRAU DA CONTA: composto por um ou mais algarismos utilizados para identificar cada uma das contas que compem o Plano de Contas de uma entidade. A adoo de cdigos agiliza os registros contbeis, principalmente quando efetuados por meio de computador; assim, dbitos e crditos so feitos atravs dos cdigos das contas e no pela intitulao. Os critrios para definir a codificao a ser adotada fica a cargo de cada contabilista, dependendo do porte da empresa e do grau de detalhamento das informaes que pretende obter. A codificao que sugerimos identifica as Contas do Ativo pelo algarismo 1; as contas do Passivo, pelo algarismo 2; as Contas de Despesas, pelo algarismo 3; as Contas de Receitas, pelo algarismo 4; e as contas utilizadas para apurao do Resultado do Exerccio, pelo algarismo 5. Exemplo Completo: TITULO DA CONTA : DESPESAS FINANCEIRAS FUNO: registra a aplicao de valores em despesas feitas para conseguir dinheiro, tais como: juros, comisses pagas a bancos, descontos concedidos a clientes da empresa etc.; FUNCIONAMENTO: abre-*se e encerra-se em cada exerccio. Debita-se pelos gastos e credita-se na apurao do resultado lquido. Relaciona-se com as contas de: Caixa, Bancos, Clientes, Lucros e Perdas, normalmente. CLASSIFICAO: Classe dos RESULTADOS GRUPAMENTO DESPESAS. CODIFICAO 3. O QUE UM PLANO DE CONTAS Plano de contas uma pea na tcnica contbil que estabelece previamente a conduta a ser adotada na escriturao, atravs da exposio das contas em seus ttulos, funes, funcionamento, grupamentos, anlises, derivaes, dilataes e redues. um conjunto de normas e intitulao de contas, previamente estabelecido, destinado a orientar os trabalhos da escriturao contbil. um conjunto de contas, diretrizes e normas que disciplinam as tarefas do setor de Contabilidade, objetivando a uniformizao dos registros contbeis.Universidade Catlica de Gois Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

9

COMPOSIO DO PLANO DE CONTAS Um Plano de contas ideal poder compor-se de trs partes: Elenco de Contas; Manual de Contas; Lanamentos explicativos para registro de operaes especiais. ELENCO DAS CONTAS CONCEITO Em um plano de Contas o elenco a relao dos ttulos das contas. Costuma-se denomina-lo tambm Quadro de Contas. Manual das Contas O Manual de contas um quadro explicativo do uso adequado de cada uma das contas constantes do Elenco de Contas. Esse quadro apresenta: a) Funo de cada conta; b) Funcionamento de cada conta; c) Natureza do saldo de cada conta. QUANTIDADE DE CONTAS QUE DEVER TER UM PLANO DE CONTAS Um plano de contas deve ter tantas contas quantas forem necessrias para expressar, com a devida clareza, os fatos ocorridos na vida de um patrimnio. CARACTERISICAS DE UM BOM PLANO DE CONTAS Um bom plano de contas aquele que se elabora rigorosamente dentro das normas tcnicas e em perfeita coadunao com as necessidades da empresa. Para que um plano contbil tenha excelncia imprescindvel que: 1. Seja adaptvel s necessidades da empresa. 2. Tenha unidade tcnica de nomenclatura e de funcionamento. 3. seja claro, acessvel. 4. seja flexvel, permitindo ampliaes e redues sem quebra de unidade. 5. Tenha preciso e exatido dentro dos princpios e preceitos da Contabilidade. 6. Siga a Princpios Gerais Doutrinrios que do uniformidade. 7. Enseje informaes que possam refletir a imagem fiel da riqueza. UTILIDADE O PLANO DE CONTAS A principal utilidade do plano de contas a de servir de meio de orientao na escriturao contbil, possibilitando a unidade de trabalho e protegendo a empresa contra os erros naturais motivados pela ausncia de sistematizao. O plano uma pea bsica de orientao, um roteiro de grande valor, hoje indispensvel e de uso generalizado. O plano de Contas , hoje, uma pea imprescindvel e a sua ausncia nos trabalhos de escriturao contbil denota, efetivamente, conduta deficiente por parte do profissional, na execuo de sua tarefa. Exerccios de Fixao 1. Defina Conta? 2. Em Contabilidade, conta : a) O nome tcnico que identifica um ou mais componentes patrimoniais. b) O nome tcnico que identifica um componente do Patrimnio Lquido, uma Despesa ou Receita. c) O nome tcnico que identifica um componente patrimonial ( Bem, Direito, Obrigaes e Patrimnio Lquido) ou um componente de resultado ( Despesa ou Receita). 3. Todas as contas utilizadas pela contabilidade podem ser classificadas em dois grupos: a) Patrimoniais e de Resultado.Universidade Catlica de Gois Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

10

b) c) d)

Patrimoniais e do Patrimnio Lquido. Patrimoniais e de Despesas. Patrimoniais e de Receitas.

4. Funo da conta : a) A razo da existncia da conta. b) A situao em que ela ser debitada ou creditada. c) O mesmo que cdigo de conta. d) O mesmo que grau de conta. 5. Funcionamento da conta diz respeito: a) O grau da conta. b) Ao papel que ela desempenha na Contabilidade. c) origem da conta. d) situao em que ela ser debitada ou creditada. 6. Elenco de Contas : a) O mesmo que plano de contas. b) Uma das partes em que se divide o Plano de Contas, composta por uma relao de contas contendo intitulao e cdigo de cada conta. c) O mesmo que Manual de Contas. d) N.D.A. 7. Manual de Contas : a) b) c) d) O mesmo que Plano de Contas. O mesmo que Plano de Contas. Parte do Plano de Contas, que constitui um quadro explicativo contendo a funo, o funcionamento e a natureza de cada conta. N.D.A.

8.Cdigo da conta : a) Um ou mais algarismos utilizados para identificar a respectiva conta. b) O mesmo que grau. c) Um nmero secreto de conhecimento somente do contabilista d) A inicial de cada conta. 9. Classifique as contas em: a) Patrimonial ou Resultado; b) Ativo, Passivo, Despesa ou Receita; c) Devedora ou Credora; N 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 CONTAS Caixa Fornecedores Clientes gua e Esgoto Aluguis Ativos Bancos conta Movimento Promissrias a Pagar Capital Social Aluguis Passivos Caf e Lanches Descontos Obtidos Combustveis Descontos ConcedidosUniversidade Catlica de Gois

a

b

c

Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

11

14 15 16 17 18 19 20 21 22 23

Lucros ou Prejuzos Acumulados Contribuies de Previdncia a Recolher FGTS a Recolher Salrios a Pagar Veculos Estoques de Mercadorias Receita de Servios Despesas Bancrias Impostos e Taxas a Recolher Mveis e Utenslios

3. As variaes do Patrimnio Lquido Despesa, Receita e Resultado As causas principais que fazem variar o Patrimnio Lquido so: a) o investimento inicial de capital e seus aumentos posteriores ou desinvestimentos ( devolues de capital) feitos na entidade; b) o resultado obtido do confronto entre contas de receitas e despesas dentro do perodo contbil Receita - Entende-se como Receita a entrada de elementos para o ativo, sob a forma de dinheiro ou direitos a receber, correspondentes, normalmente, venda de mercadorias, de produtos ou prestao de servios. Uma receita tambm pode derivar de juros sobre depsitos bancrios ou ttulos e de outros ganhos eventuais. Gasto todo sacrifcio para aquisio de um bem ou servio com pagamento no ato ou no futuro (cria uma divida). Assim, a empresa tem gasto na compra de Imobilizado, na compra de matria-prima, na produo etc. Custo Quando uma matria-prima adquirida, denominamos este primeiro estagio de Gasto; em seguida, ela foi estocada no Ativo (ativada); no instante em que a matria-prima entra em produo (produo em andamento), associando-se a outros gastos de fabricao, reconhecemos (a matria-prima + outros gastos ) como Custo. Despesa - Entende-se, por Despesa, o consumo de bens ou servios, que, direta ou indiretamente, ajuda a produzir uma receita. Diminuindo o Ativo ou aumentando o Passivo, uma Despesa realizada com a finalidade de se obter uma Receita Resultado - Caso as receitas obtidas superem as despesas incorridas, o Resultado do perodo contbil ser positivo ( lucro), que aumenta o Patrimnio Lquido. Se as despesas forem maiores que as receitas, este fato ocasiona um prejuzo que diminuir o Patrimnio Lquido. Encerramento de Contas de Receita e Despesa Toda empresa necessita fazer a apurao de resultados pelo menos uma vez por ano. O lucro ou prejuzo de um exerccio est na dependncia do confronto das contas de receita e de despesa, e esse resultado lquido apurado na conta denominada Resultado. Para efeito de apurar o Resultado da empresa, as contas de receita e despesa so peridicas, isto , somente devero conter registros para um ano ou perodo menor, conforme a durao do perodo contbil, o que significa que todas as contas de receita e de despesa devem possuir saldo zero no incio dos perodos. Para que isto ocorra, no final de cada perodo deve-se proceder ao encerramento das contas de resultado, por meio dos lanamentos de encerramento. O encerramento das contas de receita realizado pela transferncia (dbito) de seus saldos credores para crdito das contas Resultado. As contas de despesa so encerradas pela transferncia (Crdito) de seus saldos devedores para dbito da conta Resultado. Distribuio de Resultados Pelo exposto no tpico anterior, a conta Resultado recebe, por transferncia a dbito o valor dos saldos das contas de despesa e a crdito os saldos das contas de receita. Se o total dos crditos da conta Resultado for superior ao total dos dbitos, teremos um lucro lquido, se, ao contrrio, o total de dbitos superar o total dos crditos, chegar a um prejuzo.Universidade Catlica de Gois Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

12

Ocorrendo Lucro ou Prejuzo, o resultado apurado ser transferido para a conta Lucros ou Prejuzos Acumulados. Aps sua transferncia para a conta Lucros ou Prejuzos Acumulados, o Resultado do Exerccio poder ser distribudo para outras contas do Patrimnio Lquido e do Passivo. Exerccios 1) Adotando o Regime de Competncia, a empresa dever considerar, na apurao do Resultado do Exerccio: a) todas as Despesas incorridas e as Receitas realizadas (isto , as que tiveram seus fatos gerados ocorridos no exerccio). b) Somente as Despesas pagas e as Receitas recebidas no respectivo exerccio. c) Todas as Despesas pagas e as Receitas ainda no realizadas. d) Somente as Despesas incorridas e as Receitas recebidas. 2) A apurao do Resultado do Exerccio obtida pelo confronto entre: a) b) c) d) as Despesas incorridas e as Receitas recebidas no respectivo perodo as Despesas pagas e as Receitas realizadas no respectivo perodo. As Despesas diferidas e as Receitas ganhas no no respectivo perodo. As Despesas incorridas e as Receitas ganhas no respectivo perodo. respectivo

3) Suponhamos que, no exerccio de x2, tenham ocorrido os seguinte eventos na gesto de uma determinada empresa: 1. Pagamentos em dinheiro, de salrios e encargos, no valor de R$ 2.000, referentes ao ms de dezembro de x1. 2. Pagamentos efetuados durante o exerccio de x2, em cheques, no valor de R$ 30.000, referentes a salrios e encargos incorridos nos meses de janeiro a novembro de x2. 3. Salrios e encargos de dezembro de x2 a serem pagos em janeiro de x3, no valor de R$ 5.000. 4. Recebida em janeiro de x2 a importncia de R$ 500, referente a aluguis no ms de dezembro de x1. 5. Recebida em dinheiro, durante o exerccio de x2, a importncia de R$, referente a aluguis correspondentes aos meses de janeiro a novembro de x2. 6. Aluguel de dezembro de x2, a ser recebido em janeiro, de x3 no valor de R$ 800. 7. Recebimento de R$ 250 do cliente Joo para quitao de uma duplicata de seu aceite. 8. Recolhimento em janeiro de x2, atravs de cheque, da importncia de R$ 1.000, correspondente a impostos e contribuies de dezembro de x1. 9. Pagamentos efetuados em dinheiro, durante o exerccio de x2, referentes a impostos e contribuies, correspondentes aos meses de janeiro a novembro de x2, no valor de R$ 12.000. 10. Impostos e contribuies referentes a dezembro de x2, a serem recolhidos em janeiro de x3, no valor de R$ 1.900. 11. Servios prestados durante o exerccio de x2, recebidos vista, no valor de R$ 54.000. 12. Servios prestados em dezembro de x2, a prazo, para recebimento no exerccio de x3, no valor de R$15.000. 13. Seguro contra incndio firmado com a Cia. Seguradora Brasil, em 01 de setembro de x2, pelo perodo de um ano. Valor de prmio pago em 01 de setembro de x2, atravs do cheque n 200.001 no Banco Urups: R$ 3.600. 14. Pagamento de R$ 800 em dinheiro ao fornecedor J.A. Ltda., para quitao de uma duplicata de nosso aceite. 4) Quais as principais causas que fazem variar o Patrimnio Lquido?

5) Defina o que Despesa, Receita e Resultado?

6) O que significa encerramento de contas de Receita e Despesa?

Universidade Catlica de Gois

Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

13

4. Atos e Fatos administrativos Atos Administrativos So aqueles que ocorrem na empresa e que no provocam alteraes no Patrimnio. Por exemplo: admisso de empregado, assinatura de contratos de compra e venda, e de seguros, finanas em favor de terceiros, avais de ttulos. Por no provocarem modificaes no Patrimnio, os atos administrativos no precisam ser contabilizados. Entretanto, alguns deles considerados relevantes e cujos efeitos possam se traduzir em modificaes no Patrimnio da entidade ( modificaes futuras ), podero ser contabilizados atravs das contas de compensao. Fatos administrativos So aqueles que provocam modificaes no patrimnio, sendo, portanto, objeto de contabilizao atravs das Contas Patrimoniais ou das Contas de Resultado, podendo ou no alterar o Patrimnio Lquido (Situao Lquida). Fatos permutativos ou compensativos So os que trazem variaes do ponto de vista especfico, sem alterar a situao lquida do patrimnio. Permutao no ativo Como exemplo de permutao de componentes do ativo, temos o recebimento de duplicata. Por esta operao, h diminuio do ativo, porque desaparece o crdito do patrimnio sobre o valor do ttulo, mas ao mesmo tempo ocorre aumento do ativo pela entrada de dinheiro em caixa. No h, portanto, como vemos, alterao na situao lquida do patrimnio, mas apenas permutao de seus elementos constitutivos pois a sada de um foi compensada pela entrada de outro de igual valor. D CAIXA C DUPLICATAS A RECEBER Recebido de H. Marques, valor da duplicata n 74. Permutao no Passivo O lanamento abaixo representa permutao do passivo, sem que haja modificao na situao lquida do patrimnio, pois houve diminuio do passivo em Fornecedores e, ao mesmo tempo, aumento do passivo pelo aceite da duplicata, que representar responsabilidade da empresa pelo ttulo assinado. D FORNECEDORES C DUPLICATAS A PAGAR Cia. Industrial Brasileira M/ aceite de s/ duplicata n 9.876 para 22-07-19..

28.500

28.500

Permutao (Diminuio de ativo e passivo) A compensao entre elementos ativos e passivos pode trazer aumento nessas duas partes do patrimnio, ou diminuio em ambas, no alterando a situao lquida do patrimnio. Como exemplo de diminuio de ativo e passivo citemos o pagamento de duplicata. H , com essa operao, diminuio de ativo pela sada de dinheiro, e, ao mesmo tempo, diminuio de passivo pela extino de responsabilidade. D DUPLICATAS A PAGAR C CAIXA Pagamento de duplicata 2.134, de G. Moura & Cia. 11.200 Fatos Modificativos So os que produzem alteraes na situao lquida do patrimnio, diminuindo-a ou aumentando-a. H diminuio na situao lquida quando um bem consumido ou quando h gastos ou despesas decorrentes da atividade econmica, necessria para alcanar os fins da empresa. O aumento do patrimnio lquido ocorre quando h receita, ou seja, recebimento de importncias por servios prestados, por juros de capitais, por descontos obtidos com pagamento antecipados, alm de receitas secundrias. A principal receita da empresa mercantil o lucro

Universidade Catlica de Gois

Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

14

Fatos modificativos diminutivos Como soma algbrica de valores, em que o ativo a parte positiva e o passivo a negativa, o patrimnio ser diminudo em seu valor absoluto ( situao lquida positiva ) com a diminuio do ativo ou o aumento do passivo, pois matematicamente o nmero negativo tanto menor quanto maior for seu nmero absoluto. Diminuio da situao lquida positiva do patrimnio, por diminuio do ativo D ALUGUEIS C CAIXA Po aluguel do ms de maio Fatos Modificativos aumentativos Ao contrario do caso anterior, o aumento do patrimnio pode dar-se por aumento do ativo ou diminuio do passivo. Como exemplo de aumento de ativo, temos o recebimento de juros pela aplicao de capitais ou pelo atraso de devedores no pagamento de ttulos. Aumento da situao lquida positiva do patrimnio, por aumento do ativo D CAIXA C JUROS ( ou Receitas Financeiras) Recebido de J. Saraiva, Juros de Mora razo De 1% ao ms pelo atraso de um ms no pagamento de nossa duplicata 71, no valor de $ 5.000 Fatos Mistos ou Compostos So os que conjugam a permutao ou compensao de valores com modificao na situao lquida do patrimnio. Permutao no ativo, com diminuio da situao lquida, positiva do patrimnio C DUPLICATAS A RECEBER Pelo recebimento de n/ duplicata n 75 no valor de $20.000.00 com 5% de desconto D CAIXA Liquido recebido D DESCONTOS CONCEDISOS Desconto concedido

100

20.000 19.000 1.000

Exerccios 1) Os elementos que ocorrem no dia-a-dia das empresas e que no provocam modificaes no Patrimnio so denominados: a) Atos Administrativos. b) Fatos Administrativos. c) Fatos Permutativos. d) Fatos Modificativos. 2) Os eventos que ocorrem no dia-a-dia das empresas e que provocam modificaes no patrimnio so: a) Atos Administrativos. b) Atos Contbeis. c) Fatos Administrativos. d) Fatos Administrativos que no devem ser contabilizados. 3) Os eventos que provocam modificaes entre elementos do Ativo, do Passivo e entre ambos ao mesmo tempo, sem provocar modificaes no Patrimnio Lquido, denominam-se: a) Atos Administrativos b) Fatos Permutativos, Qualitativos ou Compensativos. c) Fatos Modificativos.Universidade Catlica de Gois Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

15

d) Fatos Mistos. 4) Os eventos que ocorrem no dia-a-ia das empresas e que provocam modificaes para mais ou para menos no Patrimnio Lquido so denominados: a) Atos Administrativos. b) Fatos Permutativos, Qualitativos ou Compensativos. c) Fatos Modificativos. d) Fatos Mistos. 5) Analise os seguintes eventos ocorridos em uma empresa: Pagamento de despesas de energia eltrica Compras de Mercadorias vista. Recebimento de R$ 1.000, referente a receitas de aluguis. Pagamento de uma duplicata com desconto. Assinatura de contrato para compra de mercadorias. Com relao a esses acontecimentos, temos: a) 3 Atos Administrativos e 2 Fatos Administrativos b) 4 Atos Administrativos e 2Fatos Administrativos. c) 1 Ato Administrativo, 2 Fatos Modificativos e 2 Fatos Mistos. d) 1 Ato Administrativo, 1 Fato Permutativo, 1 Fato Misto e 2 Fatos Modificativos. 6) Segundo os fatos abaixo classifique-os em permutativos, modificativos ou mistos. Compra a vista: Recebimento de Duplicata: Depsito em banco: Compra de Mercadorias a prazo: Compra de Maquinas a Prazo: Pagamento de duplicatas a fornecedor: Pagamento de Emprstimo ao banco: Recebimento de Juros: Pagamento de salrios: Juros pagos a bancos: Contas de gua e luz a pagar: Recebimento de duplicata acrescida de juros: Recebimento de duplicata com desconto: Pagamento de duplicata com desconto: Pagamento de duplicata acrescida de juros: 4. Tcnicas Contbeis Sabendo-se que a Contabilidade uma cincia e que a mesma conceituada e estudada de forma abstrata, constata-se que a sua materializao ou concretizao se d atravs de suas tcnicas, quais sejam: Escriturao Contbil, que a tcnica contbil exercida com a finalidade de efetuar o registro, atravs do lanamento, dos fenmenos ou fatos que afetam o patrimnio de uma entidade. Saliente-se que estes fenmenos para se constiturem em objeto da escriturao devem ser passveis de valorao monetria; Demonstrao Contbil, tambm chamada de evidenciao, a tcnica que se encarrega de informar aos usurios da informao contbil a situao do patrimnio e suas mutaes. Atravs de demonstraes e outros relatrios, as pessoas que mantm relao de interesse com a entidade, so providas com as informaes contbeis indispensveis ao processo decisrio; Auditoria Contbil, que constitui-se num conjunto de procedimentos tcnicos exercidos com o objetivo de emitir parecer sobre a adequao das demonstraes contbeis, buscando a confirmao da veracidade das informaes sobre a posio patrimonial e financeira, o resultado das operaes e recursos de uma entidade. Esta tcnica no se restringe apenas ao aspecto formal das demonstraes, sendo de competncia do auditor, o aprofundamento do trabalho de modo a que fique evidenciada a fidedignidade das informaes, isto , se existem e quanto valem, efetivamente, os elementos patrimoniais representados por tais informaes;Universidade Catlica de Gois Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

16

Anlise Contbil, a tcnica que permite, atravs da utilizao de instrumentos diversos, a decomposio, a comparao e a interpretao das demonstraes contbeis ou gerenciais e suas extenses, com vistas a avaliar o desempenho e as tendncias da entidade, para atender determinado objetivo. Resumindo:

ESCRITURAO CONTBILRegistra os fatos contbeis produzidos pelo patrimnio DEMONSTRAO CONTBIL Elabora relatrios contbeis sobre o patrimnio

TCNICAS CONTBEIS

AUDITORIA CONTBIL Verifica a expresso de verdade dos relatrios contbeis ANLISE CONTBIL Escriturao Decompe, compara e interpreta os relatrios contbeis

5. Escriturao

Designao simples que se tem dado escrita contbil. A denominao provm do fato de os registros contbeis, desde os primrdios, e por milnios, serem realizados manualmente, pelos escribas ou os que dominavam a arte de escrever (que durante milnios foi praticada por poucos). Embora o registro contbil tenha nascido antes da escrita (segundo provas arqueolgicas de inscries do Paleoltico Superior), o privilgio profissional da funo contbil (ainda mais refinado que os dos que s sabiam escrever) coube aos escribas. To importante era a qualidade do trabalho que, no Egito Antigo, um dos Deuses principais (Toth) era escriba e tinha por funo guardar o Patrimnio. Os egpcios admitiam que o escriba comanda o destino de todo o mundo , e ser escriba era pertencer maior de toas as profisses (WHITE, Jon Manchip. O egito antigo, Rio de Janeiro: Zahar, 1966, p. 145). A escriba hieroglfica, egpcia, representativa de uma evoluo (que tambm teve influncia nos registros), surge j no perodo arcaico ou dinstico (2300-2700 a.C), e tambm a admisso do Deus Escriba Toth. A escriturao contbil, todavia, j estava evoluda em outros locais, como na Sumria(onde as provas dos registros contbeis atestam evoluo h mais de 6.000 anos). Na era contempornea, com o aumento cada vez maior da utilizao dos computadores, a denominao escrita , e tambm escriturao em caindo em desuso. Finalidade, classificao. Distinguimos, na Contabilidade, uma parte terica e uma prtica: 1) A primeira de identificao dos princpios e de fixao de normas, de anlise e interpretao dos fatos, de estabelecimento de relaes de causa e efeito e de previso para futuros acontecimentos. a Contabilidade cientfica, segundo os doutrinadores. 2) A segunda a parte prtica, de execuo do registro dos fenmenos patrimoniais, a tcnica atravs da qual a contabilidade atinge seu objetivo, que estudar e controlar o patrimnio, fornecendo informaes e orientao sobre o estado patrimonial e suas variaes. Esta tcnica chama-se escriturao. Definio de Escriturao: o registro dos fatos contbeis, segundo os princpios e normas tcnicas-contbeis, tendo em vista demonstrar a situao econmico-patrimonial da entidade e os resultados econmicos per ela obtidos em um exerccio. Analisando essa funo da Escriturao, encontraremos nela dois elementos bsicos: o histrico e o de classificao dos componentes patrimoniais e suas variaes, expressos em valores monetrios. Histrico: compreende o registro dos fatos, Contabilidade carter de verdadeira histria do patrimnio. na ordem cronolgica, o que d

Classificao: feita de acordo com a natureza de cada um dos fatos registrados, reunindo-os em grupos de fenmenos patrimoniais que, tecnicamente dispostos, exibem a expresso monetria de cada um dos valores do patrimnio, a qualquer, momento, e suas variaes em determinado perodo.Universidade Catlica de Gois Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

17

O registro de um fato contbil chamamos de lanamento. O conjunto dos lanamentos, como vimos, chamamos de Escriturao. Esse registro poder ser feito de vrias maneiras, de acordo com o mtodo e o processo de escriturao adotados. Mtodos de escriturao Mtodo o modo de proceder, e a maneira de fazer as coisas. Mtodo de escriturao a forma de registrar os fatos contbeis. Mtodo das partidas dobradas: princpio fundamental e corolrios O mtodo das partidas dobradas universalmente adotado desde sua brilhante exposio pelo frade Francisco Luca Pacioli, em 1494. Principio fundamental do mtodo das partidas dobradas Cada dbito, invariavelmente, corresponde a um crdito de igual valor. Corolrios ( Preposio deduzida de uma verdade estabelecida) Como corolrios do metido das partidas dobradas temos, portanto, os seguintes; a) a soma dos dbitos sempre igual soma dos crditos; b) a soma dos saldos devedores sempre igual soma dos saldos credores; c) as aplicaes de capital, registradas a dbito das contas ativas, so sempre iguais soma dos capitais fornecidos ao patrimnio, creditados nas contas passivas, donde ser o ATIVO sempre igual ao PASSIVO. d) A diferena entre a soma dos bens e dos direitos (parte positiva do patrimnio) e a soma das obrigaes (parte negativa) indica a substncia lquida patrimonial, que representa o crdito dos titulares, e se chama patrimnio lquido; e) As despesas, sempre debitadas, contribuem para reduo do patrimnio liquido; f) As receitas, sempre creditadas, contribuem para o aumento do patrimnio lquido; g) A demonstrao contbil da situao patrimonial ( ativo e passivo), chamada balano patrimonial, apresenta sempre a forma de equao, em viturde da contraposio de dbitos e crditos, inerente a todos os registro contbeis; h) A diferena entre as despesas e as receitas (lucro ou prejuzo) complementar a equao patrimonial, e indica aumento ou diminuio do patrimnio lquido. LANAMENTOS Vimos que lanamento o registro de um fato contbil, e esse registro, pelo mtodo das partidas dobradas, feito em ordem cronolgica e obedecendo a determinada disposio tcnica. O mtodo das partidas dobradas exige o aparecimento do devedor e do credor, aos quais se seguem o historio do fato ocorrido e a importncia em dinheiro. Da os seguintes elementos essenciais do lanamento ( local e data, conta debitada, conta creditada, histrico e valor). LANAMENTO N1 (MODELO) (Data do registro) Goinia, 30 de agosto de 2004 (Conta debitada) D MERCADORIAS (Conta creditada) C FORNECEDORES (Histrico e Valor) Alberto Azevedo M/ compra de mercadorias conforme nf. 1.897 Funes do lanamento

R$ 18.000

O conjunto de lanamentos denominamos Escriturao. O lanamento , pois, uma parcela da Escriturao, e, semelhana desta, apresenta duas funes: historia e de classificao dos fatos e sua representao monetria A funo histria do lanamento consiste em narrar o fato contbil em ordem cronolgica. A Funo de classificao e representao monetria compreende o registro sistemtico dos fatos, monetariamente representados, e seu agrupamento segundo a natureza de cada uma. Formulas de lanamentos Vimos que o lanamento dever sempre indicar o devedor e o credor, representado pelas contas. O mesmo lanamento pode, entretanto, apresentar mais de uma conta debitada ou mais de uma conta creditada.Universidade Catlica de Gois Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

18

1 formula: quando aparece apenas uma conta debitada e uma creditada. D MERCADORIAS C FORNECEDORES Alberto Azevedo M/ compra de mercadorias conforme nf. 1897 R$ 18.000 2 formula: quando aparece uma conta debitada e vrias creditadas. D MERCADORIAS Compra de mercadorias a J. Sampaio, nota fiscal n 978. C CAIXA R$ 12.000,00 C DUPLICATAS A PAGAR M/ ACEITE PARA 3-4-19.. R$ 18.000,00 3 formula: quando aparecem vrias contas debitadas e apenas uma creditada. D MERCADORIAS Compras a vista a J. Leite, nota n 1.987 D DUPLICATAS A PAGAR Pagamento de duplicata de J. Sampaio, vendida hoje C CAIXA R$ 22.500,00 R$ 18.000,00 R$ 40.500,00

R$ 30.000,00 M/pagamento a vista

4 formula: quando aparecem vrias contas debitadas e creditadas. D MERCADORIAS Compra do saldo de mercadorias pertencente Extinta firma leo & Sousa ltda. R$ 80.000,00 D MVEIS E UTENSLIOS Compra de Mveis e utenslios conf. Nf 2.000 R$ 26.000,00 C CAIXA Pagamento a vista R$ 50.000,00 C DUPLICATAS A PAGAR M/ aceite de dupl. Para 31-08-19... 6. Livros de escriturao So muitos os livros utilizados pelas entidades; a quantidade e a espcie variam em funo do porte, da forma jurdica e do ramo de atividade que essas entidades exercem. Classificao dos livros de Escriturao Quanto utilidade a) Principais utilizados para o registro de todos os eventos do dia-a-dia da entidade, como ocorre com os Livros Dirio e Razo. b) Auxilizres utilizados par ao registro de eventos especficos, como os livros Caixa, Contas correntes, Registro de Duplicatas, alm de todos os livros fiscais (so os exigidos pelo fisco Federal, Estadual ou Municipal) que podem servir de suporte para a escriturao do Dirio. Os mais comuns so: 1. Registro de Entradas 2. Registro de Sadas 3. Registro de Controle de Produo e de Estoque 4. Registro de Selo especial de Controle 5. Registro de Impresso de Documentos Fiscais 6. Registro de Utilizao de Documentos Fiscais e Termos de OcornciasUniversidade Catlica de Gois Professor Paulo Henrique Alves Parreira

R$ 56.000,00

Contabilidade Introdutria II Material didtico

19

7. 8. 9. 10.

Registro de Inventrio Registro de Apurao de IPI Registro de Apurao do ICMS Livro de Apurao do Lucro Real LALUR

Quanto Natureza a) Cronolgicos - Aqueles em que os registros so efetuados obedecendo rigorosa ordem cronolgica de dia, ms e ano. H livros cuja escriturao obedece a uma ordem cronolgica rigorosa, como livro Dirio; outros obedecem a uma ordem cronolgica secundria, como todos os demais livros que, embora sistemticos, tem seus eventos registrados por ordem de data. b) Sistemticos - Livros destinados ao registro de eventos da mesma natureza como todos os livros de escriturao, com exceo do livro Dirio. Quanto Finalidade a) Obrigatrios Exigidos pela legislao comercial, tributria e societria. b) Facultativos Livros que as entidades utilizam sem que haja exigncia legal. Formalidades do Livro Dirio A adoo do livro Dirio o mais importante sob o ponto de vista legal requer a observncia de formalidades contidas no Cdigo Comercial Brasileiro ( Lei n 556 de 1850), considerando-se ainda as exigncias contidas na legislao tributria atual ( Regulamento do Imposto de Renda). Formalidades extrnsecas ( ou externas ) : O livro Dirio deve ser encadernado com folhas numeradas em seqncia, tipograficamente. Deve conter os termos de abertura e de encerramento e ser submetido autenticao do rgo competente do Registro do Comrcio. Formalidades intrnsecas ( ou internas) : a escriturao do dirio deve ser completa, em idioma e moedas nacionais, em forma mercantil, com individuao e clareza, por ordem cronolgica de dia, ms e ano, sem intervalos em branco nem entrelinha, borraduras, rasuras, emendas e transportes para as margens. Trabalho Trabalho em grupo ( 2 pessoas ); Elaborao de trabalho destacando os Livros de escriturao: Principais Auxiliares Obrigatrios Facultativos A pesquisa devera ser direcionada em no mnimo dois autores. 7. Operaes com Mercadorias Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) Resultado Bruto com Mercadorias, ou Resultado com Mercadorias a diferena total entre as Receitas Obtidas pelas Vendas e o Custo dessas mercadorias que foram vendidas. Essa diferena bruta no leva em considerao as demais Receitas e Despesas da empresa, como Receitas de Juros, Despesas com Aluguis, Salrios, Impostos etc. Elas aparecem quando se deseja conhecer o Resultado Lquido do Exerccio. O conhecimento desse Resultado bruto de grande importncia para as empresas comerciais que trabalham com Compra e Venda de Mercadorias; depois de apurado, adicionamos a ele as demais Receitas, e dessa soma sero subtradas as demais Despesas para se obter o Resultado Lquido. Resultado Com Mercadorias = Vendas Custo das Mercadorias Vendidas Resultado Lquido do Perodo = Resultado com Mercadorias + Outras Receitas Outras Despesas Formulas:Universidade Catlica de Gois Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

20

RCM = V CMV RCM = Resultado da Conta Mercadorias V = Vendas CMV = Custo das Mercadorias Vendidas RCM = ( V VA DIC ICMS ISS PIS - Cofins) CMV VA = Vendas Anuladas DIC = Descontos Incondicionais Concedidos Custos das Mercadorias Vendidas (CMV) Para se calcular o Custo das Mercadorias existem basicamente dois sistemas: 1) Inventrio Peridico quando efetuamos as vendas sem um controle paralelo e concomitante de nosso Estoque e, portanto, sem controlar o Custo das Mercadorias Vendidas. Quando necessitamos apurar o Resultado obtido com a venda das Mercadorias (RCM), fazemos um levantamento fsico para avaliao do Estoque de Mercadorias existente naquela data; e pela diferena entre o total das Mercadorias Disponveis para Venda durante o perodo e esse Estoque Final ( apurado extracontabilmente ), obtemos o Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) nesse perodo. 2) Inventrio Permanente quando controlamos de forma continua o Estoque de Mercadorias, dando-lhe baixa, em cada venda, pelo custo dessas Mercadorias Vendidas (CMV). Esse Controle Permanente efetuado sobre todas as Mercadorias que estiverem disposio para venda, isto , esse controle efetuado sobre as Mercadorias Vendidas (CVM) e sobre as Mercadorias que no foram vendidas (Estoque Final). Pela Soma dos Custos de todas as Vendas, teremos o Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) total do perodo. No inventrio Permanente, que ser exposto a seguir, pode-se utilizar uma ficha de Controle para se conhecer o saldo em Estoque. Mas no Perodo s possvel obter tal saldo a averiguao das existncias fsicas. Contabilizao Nesse sistema, temos, preferencialmente, que registrar todas as compras diretamente de conta de Mercadorias. Contabilizao na Compra: Mercadorias a Fornecedores (ou Caixa) Na Venda, porm, h necessidade de dois lanamentos: Clientes (ou Caixa) a Venda (pelo valor do custo das mercadorias vendidas) e Custo das Mercadorias Vendidas (conta de Despesa) a Mercadorias (pelo valor do custo das mercadorias vendidas) Dessa forma, aps cada operao de Venda e sua contabilizao, teremos a conta de Vendas atualizada, a de CMV com o total do custo acumulado at a data e a de Mercadorias refletindo o valor exato do estoque. Exemplo: se uma empresa possui estoque de Mercadorias no valor de :R$ 15.000, e vende a metade dele por R$ 10.000, a prazo, temos: a) Clientes a Vendas.......................................................................10.000 b) Custo das Mercadorias Vendidas a Mercadorias...............................................................7.500

Universidade Catlica de Gois

Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

21

Mercadorias 15.000 7500 7.500

(b)

Vendas 10.000

(a)

(b)

CMV 7.500

(a)

Clientes 10.000

Quando no efetuado o controle contnuo do Estoque de Mercadorias e, to pouco, do CMV, para a determinao deste ltimo necessrio fazer a deduo: CMV = Total das Mercadorias Disponveis para Venda Estoque Final. Formulas: CMV = EI + C EF CMV = EI + ( C + FC CA DIO) EF CMV = Custo das Mercadorias Vendidas EI = Estoque Inicial C = Compras FC = Fretes e Seguros sobre Compras CA = Compras Anuladas DIO = Descontos Incondicionais Obtidos EF = Estoque Final Outras informaes importantes Descontos Comerciais x Descontos Financeiros a) Descontos Comerciais ocorrem no momento da compra (obtidos) ou da venda (concedidos) e so destacados na prpria Nota Fiscal. So tambm denominados Descontos Incondicionais. A intitulao mais adequada para seus registros Descontos Incondicionais Obtidos (quando a empresa ganha do fornecedor) ou Descontos Incondicionais Concedidos (quando a empresa concede ao cliente). b) Descontos Financeiros - ocorrem no momento da liquidao de uma dvida ou do recebimento de um direito, fato posterior ao da compra ou da venda. A intitulao mais adequada para esses descontos Descontos Obtidos (quando a empresa ganha do fornecedor no momento da liquidao de uma obrigao) ou Descontos Concedidos (quando a empresa oferece ao cliente no momento da quitao de um direito). Note que a palavra `` incondicional utilizada para indicar que no foi imposta ao cliente nenhuma condio para que tivesse direito ao referido desconto, que um ato de espontnea vontade do fornecedor. O desconto financeiro, obtido ou concedido no momento da quitao de uma duplicata, s ocorre mediante condio imposta ao devedor; normalmente, quitao antes do vencimento. Voc poder deparar com as seguintes contas: Descontos Incondicionais Obtidos, Descontos Incondicionais Concedidos, Descontos Obtidos e Descontos Concedidos. Saiba que: A conta Descontos Incondicionais Obtidos redutora do Custo das Mercadorias Adquiridas, integrando a frmula do CMV. A conta Descontos Incondicionais Concedidos redutora da Receita Bruta de Vendas e integra a frmula do RCM. A conta Descontos Obtidos conta de Receita Operacional, no grupo das Receita Financeiras. A conta Descontos Concedidos conta de despesa Operacional e integra o grupo das Despesas Financeiras.Exerccios

Universidade Catlica de Gois

Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

22

1.Se tivermos um Estoque Inicial, em 01/01/2004, composto de 50 unidades de carros novos (iguais), adquiridos por R$ 45.000,00 cada um, num total R$ 2.250,00 e no ms ocorreu as seguintes movimentaes: Data 02/01/2004 03/01/2004 04/01/2004 05/01/2004 06/01/2004 Fato Contbil Compra de 15 unidades por R$ 43.000,00 cada uma. Venda de 6 unidades por R$ 55.000,00 cada. Venda de 44 unidades por R$ 52.000,00 cada. Compra de 12 unidades por R$ 41.000,00 cada. Venda de 15 unidades por R$ 50.000,00

Data

Qtde

PEPS FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE Entrada Sada Vlr Unitrio Vlr. Total Qtde Vlr Unitrio Vlr. Total Qtde

Saldo Vlr Unitrio

Vlr. Total

Soma UEPS FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE Entrada Sada Vlr Unitrio Vlr. Total Qtde Vlr Unitrio Vlr. Total Qtde

Data

Qtde

Saldo Vlr Unitrio

Vlr. Total

Soma CUSTO MEDIO FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE Entrada Sada Vlr Unitrio Vlr. Total Qtde Vlr Unitrio Vlr. Total Qtde

Data

Qtde

Saldo Vlr Unitrio

Vlr. Total

SomaUniversidade Catlica de Gois Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

23

Pede-se: 1.Calcular os Custos das mercadorias vendidas segundo sistema de Inventario Permanente ( PEPS, UEPS e Custo Medio) 2. De acordo com o que foi apurado qual o valor do CMV segundo: PEPS.............................: UEPS.............................: CUSTO MDIO..............: 3. Calcular o RCM ( Lubro Bruto) tomando como base o Custo Mdio. 2. De acordo com as movimentaes ocorridas no ms de Fevereiro de 2004 da Empresa Standard: 1. Em 05/02/2004, adquiriu do fornecedor Pereira Ltda. 100 portas por R$ 100 cada, conforme NF n 7.002. 2. Em 08/02/2004, vendeu ao cliente Depsito Humait Ltda. 20 portas no vlr. de R$ 160 cada, conforme NF n 101. 3. Em 10/02/2004, adquiriu do fornecedor Pereira Ltda. 50 porta por R$ 113 cada, conforme NF n 8.592. 4. Em 19/02/2004, adquiriu do fornecedor Pereira Ltda. 50 portas por R$ 159 cada, conforme NF n 9.721. 5. Em 20/02/2004, devolveu ao fornecedor Pereira Ltda. 10 portas, conforme NF n 115. 6. Em 27/02/2004, vendeu ao cliente Taboo S/A 140 portas no valor de R$ 190 cada , conforme NF n 102. 7. Em 28/02/2004, recebeu em devoluo, do cliente Taboo S/A, 5 portas conforme NFE n 142. PEPS FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE Entrada Sada Vlr Unitrio Vlr. Total Qtde Vlr Unitrio Vlr. Total Qtde

Data

Qtde

Saldo Vlr Unitrio

Vlr. Total

Soma UEPS FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE Entrada Sada Vlr Unitrio Vlr. Total Qtde Vlr Unitrio Vlr. Total Qtde

Data

Qtde

Saldo Vlr Unitrio

Vlr. Total

Soma

Universidade Catlica de Gois

Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

24

Data

Qtde

CUSTO MDIO FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE Entrada Sada Vlr Unitrio Vlr. Total Qtde Vlr Unitrio Vlr. Total Qtde

Saldo Vlr Unitrio

Vlr. Total

Soma

Pede-se: 1.Calcular os Custos das mercadorias vendidas segundo sistema de Inventario Permanente ( PEPS, UEPS e Custo Medio) 2. De acordo com o que foi apurado qual o valor do CMV segundo: PEPS.............................: UEPS.............................: CUSTO MDIO..............: 3. Calcular o RCM ( Lubro Bruto) tomando como base o Custo Mdio.

Universidade Catlica de Gois

Professor Paulo Henrique Alves Parreira

Contabilidade Introdutria II Material didtico

25

8. Conceitos de Depreciao A palavra depreciao de uso muito freqente, tanto na linguagem popular como na linguagem tecnolgica, econmica e contbil. Em sentido vulgar, est quase sempre ligada idia de valor, porm esse valor, em geral, nunca bem definido. Na acepo tecnolgica, a palavra e aplicada no sentido de perda de eficincia funcional dos bens, como mquinas, instalaes, veculos, etc. Para a economia, a depreciao est intimamente relacionada com a idia de diferena entre valores. Tais valores podem ser objetivos (valores de mercado) ou subjetivos (valores atribudos pelos proprietrios a seus prprios bens). Para a Contabilidade, a depreciao um custo amortizado. A depreciao de um perodo o custo amortizado nesse perodo durante a vida til do bem. Como j vimos, na Contabilidade a depreciao a transformao do custo de aquisio, representado pela sada (ou promessa de sada se ainda no pago) de Caixa no recupervel pelo valor residual de venda. Depreciar consiste em considerar, como despesa ou custo do perodo, uma parte do valor gasto na compra dos bens de uso da empresa. Quando a empresa adquire um bem de durao no superior a um ano o valor gasto na compra dessem bem no estar sujeito depreciao, devendo ser contabilizado diretamente como despesa operacional. Os bens de consumo durveis que sero utilizados pela empresa para desenvolver suas atividades normais por vrios anos sero depreciados ao longo do tempo de vida til para que o valor gasto na sua aquisio seja distribudo proporcionalmente para compor o custo ou o valor das despesas de exerccios durante os quais este bem foi utilizado. A legislao tributria, constante do Regulamento do Imposto de Renda, disciplina esse assunto determinando as contas sujeitas depreciao e fixando prazos, mtodos, taxas, critrios etc. Portanto. Causas: Desgaste pelo uso, ao da natureza e obsolescncia. A obsolescncia: se d em funo dos novos investimento. Um bem obsoleto um bem antiquado, ultrapassado, fora de moda. A depreciao alcana apenas os bens materiais classificados no Ativo Imobilizado e os bens de renda classificados no grupo de Investimentos do Ativo Permanente (Ex: Imvel alugado). Taxa de Depreciao: Corresponde a um percentual fixado em funo do tempo de vida til do bem, que varia de acordo com o mtodo de depreciao adotado. CONTAS Computadores e Perifricos Edifcios e Benfeitorias Motociclos Mveis e Utenslios e Instalaes Veculos PRAZOS ADMITIDOS 5 anos 25 anos 4 anos 10 anos 5 anos TAXAS 20% a.a. 4% a.a. 25% a.a. 10% a.a. 20% a.a.

Momento da depreciao: a depreciao pode ser calculada mensalmente ou no final do ano, por ocasio da apurao do Resultado do Exerccio. Calculo: para se calcular o valor da quota de depreciao, basta aplicar a taxa sobre o valor do bem a ser depreciado. Exemplo: Calcular o valor da quota de depreciao da conta Veculos, que tem saldo de R$ 50.000, pela taxa de 20% a.a. Soluo: 20% de R$ 50.000 = 10.000 Contabilizao Depreciao ( Conta de Despesa ou de Custo do perodo) a Depreciao Acumulada ( Conta retificadora do Ativo) Tempo de vida til o prazo durante o qual se pode esperar utilizao econmica do bem, na produo dos seus rendimentos.

Universidade Catlica de Gois Parreira

Professor Paulo Henrique Alves

Contabilidade Introdutria II Material didtico

26

Quota de depreciao o valor obtido pela aplicao da taxa sobre o valor do bem ou: Quota de depreciao = Custo Valor residual (eventual) Peridica (anual ou mensal) N de perodos de vida til estimada (em anos ou meses) Mtodos de depreciao: existem vrios, como Linear, Soma dos dgitos dos anos, Horas de trabalho etc. Mtodo Linear ou em Linha reta o mais usado no Brasil e consiste em fixar constantes de depreciao ao longo do tempo de vida til do bem. Se o bem a ser depreciado tiver como tempo de vida til 5 anos, a taxa constante de depreciao ser de 20% a.a.; ao final de 5 anos, a 20% ao ano, o bem ter sido totalmente depreciado. A depreciao pode ser normal ou acelerada: a) normal quando o bem for utilizado em apenas um turno de 8 horas dirias, sendo calculada com base na taxa normal usual; b) acelerada quando o bem for utilizado em empresa por mais de um turno de 8 horas dirias, nesse caso, a taxa normal ser multiplicada pelo coeficiente 1,5 ou 2,0, se o bem for utilizado em 2 ou 3 turnos, respectivamente. Quando a Depreciao Acumulada atingir 100% do valor do bem, e estando o referido bem ainda em uso da empresa, no haver mais clculo nem contabilizao de depreciao desse bem, permanecendo na contabilidade o bem pelo valor original e a conta Depreciao Acumulada por valor idntico , at que o bem seja baixado. A contabilizao da baixa do bem do Ativo Permanente feita debitando-se a conta Depreciao Acumulada e creditando-se a conta que registrava o respectivo bem. Bens adquiridos usados: a taxa anual de depreciao de bens adquiridos ser fixada tendo em vista o maior dos seguintes prazos: a) metade da vida til admissvel para o bem adquirido novo; b) restante da vida til, considerada a poca em relao primeira instalao para utilizao do bem. 9. Amortizao um processo semelhante depreciao realizado no final de cada perodo (normalmente no final de cada ms ou por ocasio do levantamento do Balano), como o fim de considerar como custo, despesa ou encardo do perodo parte do valor gasto com bens, direitos ou despesas que contribuiro para a formao do resultado de mais de um exerccio. Esses gastos, considerados Bens imateriais, so contabilizados em contas do Ativo Imobilizado ou do Ativo Diferido. A legislao tributria, atravs do Regulamento do Imposto de Renda, disciplina o assunto, determinando as contas sujeitas amortizao e fixando taxas, prazos, critrios etc. Quota de amortizao: a quota de amortizao ser determinada pela aplicao da taxa anual de amortizao sobre o valor original do capital aplicado ou sobre as despesas registradas do ativo diferido corrigido monetariamente. Taxa anual de amortizao: a taxa anual de amortizao ser fixada tendo em vista: a) o nmero de anos restantes de existncia do direito; b) o nmero de perodos em que devero ser usufrudos os benefcios decorrentes das despesas registradas no Ativo Diferido. Prazos mnimos e mximo: a) O regulamento do Imposto de Renda fixa em cinco anos o prazo mnimo de amortizao para a maioria das contas amortizveis; b) A lei n 6.404, atravs do pargrafo terceiro do artigo 183, estabelece que os recursos aplicados no Ativo Diferido sero amortizados periodicamente, em prazo no superior a dez anos, a partir do incio da operao normal ou do exerccio em que passem a ser usufrudos os benefcios deles decorrentes. Contabilizao: Amortizao (conta de despesa operacional)Universidade Catlica de Gois Parreira Professor Paulo Henrique Alves

Contabilidade Introdutria II Material didtico

27

a Amortizao Acumulada (conta retificadora do Ativo Permanente). 10. Exausto um processo semelhante depreciao e amortizao, porm aplicado sobre as contas que registram recursos naturais (minerais ou vegetais). A legislao Tributria, atravs do Regulamento do Imposto de Renda, disciplina o assunto, determinando as contas sujeitas exausto e fixando prazos, taxas, critrios etc. Contabilizao Exausto (conta de despesa operacional) a Exausto Acumulada (conta retificadora do Ativo Permanente). Outras Informaes Importantes Valor Contbil do elemento patrimonial (Bem, Direito, Obrigao ou Patrimnio Lquido) ou de resultado (Despesa ou Receita) o valor pelo qual o respectivo elemento est registrado na Contabilidade. O valor contbil das contas sujeitas depreciao, amortizao ou exausto corresponde ao valor original deduzido dos encargos com depreciao, amortizao ou exausto acumuladas. Valor Residual a diferena entre o valor original do bem e o valor a ser depreciado, nos casos em que o tempo da vida til do bem seja superior ao prazo em que ele ser utilizado em uma determinada atividade, sendo posteriormente reaproveitado em outra atividade. Exerccios 1. As contas Computadores e Perifricos, Jazidas de Carvo d Despesas de Organizao esto sujeitas, respectivamente, a: a) Depreciao, Amortizao e Exausto. c) Exausto, Depreciao e Amortizao. b) Depreciao, Exausto e Amortizao. d) Amortizao, Depreciao e Exausto. 2. Quota de depreciao o: a) Percentual que deve ser aplicado sobre o valor do bem. b) Valor obtido pela aplicao da taxa sobre o valor do bem. c) Saldo da conta Depreciao Acumulada. d) Valor do bem diminudo da depreciao.

3. A taxa de depreciao de bens adquiridos usados ser fixada tendo em vista; a) O maior dos seguintes prazos: metade da vida til admissvel para o bem adquirido novo ou o restante da vida til considerada a data da primeira instalao para utilizao do bem. b) A metade do tempo de vida til. c) O valor do bem novo ou a metade do valor pago na aquisio. d) NDA. 4. Examine as informaes abaixo: Uma empresa possui os seguintes elementos patrimoniais classificados no seu Ativo Permanente Imobilizado: Terrenos, R$ 150.000; Mveis e utenslios, R$ 45.000; Mquinas, R$ 78.000, Edifcios, R$ 236.000. Informaes Adicionais: A taxa de depreciao anual e no se deve considerar a correo monetria. Supondo uma depreciao para todos os bens acima especificados a uma taxa nica de 10%, e que eles ingressaram no patrimnio em 02/01/x1, os saldos a serem registrados nas contas de Despesa com Depreciao e Depreciao Acumulada em 31/12/x1 eram, respectivamente: a) R$ 27.300 e R$ 35.900 d) R$ 50.900 e R$ 35.900 b) R$ 35.900 e R$ 35.900 e) R$ 50.900 e R$ 50.900 c) R$ 35.900 e R$ 50.900Universidade Catlica de Gois Parreira Professor Paulo Henrique Alves

Contabilidade Introdutria II Material didtico

28

5. De acordo com os dados abaixo calcule a quota de depreciao: Descrio Custo do Bem Vida til Valor Residual Quota de Depreciao Mveis e utenslios R$ 20.000,00 10 anos R$ 2.000,00 Computadores e Perifricos R$ 60.000,00 5 anos R$ 10.000,00 Maquinas R$ 100.000,00 10 anos R$ 15.000,00 Edifcios R$ 500.000,00 25 anos R$ 100.000,00 Veculos R$ 80.000,00 5 anos R$ 10.000,00

a) b) b) c) d)

6. De acordo com os dados abaixo contabilize de acordo com o razo a depreciao dos bens abaixo relacionados. Descrio Custo do Bem Taxa de Depreciao Mveis e utenslios R$ 20.000,00 10% Computadores e Perifricos R$ 60.000,00 20% Maquinas R$ 100.000,00 10% Edifcios R$ 500.000,00 4% Veculos R$ 80.000,00 20%

a) b) b) c) d)

10. Relatrios Contbeis Relatrio contbil a exposio resumida e ordenada de dados colhidos pela Contabilidade. Ele Objetiva relatar s pessoas que utilizam a contabilidade, os principais fatos registrados em um determinado perodo. Os relatrios contbeis tambm so conhecidos como Informes Contbeis. A lei n 6.404, de 15.12.76, que regulamenta as sociedades por aes, introduziu o uso da terminologia Demonstraes Financeiras para designar o conjunto de relatrios contbeis ou Demonstraes Contbeis. Neste Trabalho iremos adotar o uso da expresso Demonstraes Contbeis ao invs de Demonstraes Financeiras, por entendermos que no conjunto de demonstraes apresentadas por uma empresa, existem demonstrativos, que no so financeiros, como o caso da Demonstrao do Resultado do Exerccio. A Lei das Sociedades Annimas estabelece que ao fim de cada exerccio social, a diretoria far elaborar com base na escriturao contbil, as seguintes Demonstraes: Balano Patrimonial Demonstrao do Resultado do Exerccio Demonstrao das Mutaes de Lucros ou Prejuzos Acumulados Demonstrao das Origens e Aplicaes de Recursos Alm dessas quatro demonstraes, existe a complementao obrigatria por meio de NOTAS EXPLICATIVAS e, se for o caso, de outros quadros analticos ou demonstraes contbeis necessrias para o estabelecimento da situao patrimonial e dos resultados do exerccio. Esto obrigadas a elaborar e publicar as demonstraes acima, todas as sociedades por aes de capital aberto ( que possuem suas aes negociadas em bolsa), assim como as Companhias ( de capital fechado), cujo patrimnio lquido, na data do balano seja superior a R$ 1.000.000,00. Quando estas Companhias fechadas tm patrimnio lquido inferior a R$ 1.000.000,00, no h obrigatoriedade de se fazer e publicar a Demonstrao de Origem e Aplicao de Recursos. A demais sociedades, no annimas, no obrigadas publicao das Demonstraes Contbeis, (Financeiras segundo a Lei 6.404/76); elaboram essas mesmas demonstraes, exceto a de Origens e Aplicao de Recursos que passa a no ser obrigatria, mesmo no caso de limitadas com patrimnio lquido superior a R$ 1.000.000,00. Essas demonstraes devem conter valores respectivos do exerccio e do ano anterior, apresentados em duas colunas; podendo ser publicadas com a eliminao de dgitos, principalmente se os nmeros forem grandes,Universidade Catlica de Gois Parreira Professor Paulo Henrique Alves

Contabilidade Introdutria II Material didtico

29

bastando para isto inserirmos no cabealho das Demonstraes a expresso em R$ milhares ( ou em R$ mil) se eliminarmos trs dgitos e em R$ milhos se eliminamos seis dgitos Passamos a partir de agora enfocar cada uma das demonstraes contbeis, nos aspectos mais relevante, para a sua estruturao. Balano Patrimonial O balano Patrimonial um relatrio integrante do Conjunto de Demonstraes Contbeis, e tem por finalidade avaliar, na data do encerramento do exerccio ou de um perodo regular a situao financeira e patrimonial da empresa. a demonstrao contbil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimnio e o Patrimnio Lquido da Entidade (Resoluo 686/90) constitudo e apresentado em duas colunas: a Coluna do Lado Direito Denominada de passivo e patrimnio lquido. A coluna do lado esquerdo denominada ativo. A razo de se atribuir o lado esquerdo para o ativo e lado direito para o passivo e patrimnio lquido uma mera conveno. O ATIVO constitudo de todos os bens e direitos de propriedade da empresa, avaliveis em dinheiro e que representam benefcios presentes e expectativas de benefcios futuros para a empresa. Bens: Mquinas, terrenos, estoques, dinheiro (moeda), ferramentas, veculos, instalaes, etc. Direitos: Contas a Receber, Duplicatas a Receber, Ttulos a Receber, Aes, Depsitos em conta Bancria. Ttulos de Crditos, etc... O PASSIVO evidencia toda obrigao (divida) que a empresa tem com terceiros: Contas a Pagar, Fornecedores de matria-prima (a prazo), Impostos a Pagar, Financiamentos, Emprstimos, etc... O passivo uma obrigao exigvel, isto , no momento em que a divida vencer ser exigida (reclamada) a sua liquidao. Por isso, mais apropriado denomina-lo de passvel exigvel. O PATRIMONIO LQUIDO contabilmente, o capital permanente e acumulado de seus proprietrios, ou , simplesmente, o capital prprio. No Brasil, segundo a lei 6.404 e Resoluo 686/90, o balano patrimonial se apresenta com as seguintes divises:

Ativo Circulante Realizvel a Longo Prazo Permanente Investimentos Imobilizado Diferido

Passivo Circulante Exigvel a Longo Prazo Resultado Exerc. Futuros Patrimnio Lquido Capital Social Reservas de Capital Reservas de Reavaliao Reservas de Lucros Lucros ( ou Prejuizos ) AcumuladosProfessor Paulo Henrique Alves Parreira

Universidade Catlica de Gois

Contabilidade Introdutria II Material didtico

30

Grupos de Contas do Balano Patrimonial Grupos de Contas do Ativo O ativo est disposto em grupos de contas homogneas ou de mesmas caractersticas. Os itens do ativo so agrupados de acordo com sua liquidez, isto , em ordem decrescente de velocidade de converso em caixa (dinheiro). Ativo Circulante De forma geral, a Lei 6.404/76, define as caractersticas dos elementos que devem compor o ativo circulante. So as seguintes: Valores disponveis para utilizao imediata ou conversveis em moeda corrente a qualquer tempo, normalmente so reunidos, sob o ttulo de disponibilidade. Direitos conversveis em valores disponveis durante o curso do exerccio seguinte quele do balano ou durante o ciclo operacional da empresa. Se este exceder a um ano: correspondem a Direitos Realizveis a Curto Prazo. Valores relativos a despesas j pagas que beneficiaro o exerccio seguinte quele da data do balano; so denominados Aplicaes de Recursos em Despesas. Em contabilidade entendemos que realizveis tem o sentido de converter, mudar, transformar e no s ser recebido em dinheiro. Desta forma os crditos podem ser realizados pela baixa, quando for considerados incobrveis, os estoques se realizam pela venda, pela transformao em produtos acabados. As despesas do exerccio se realizam mediante transformao em despesa do exerccio; os imobilizados realizam-se por depreciaes, pro vendas ou por baixas devidas a desapropriaes, a acidentes que o inutilizam. As disponibilidades somente podem ser representadas pelo saldos bancrios livres e aplicaes para resgate imediato. As aplicaes financeiras podem ser em letras de cmbio, certificados de depsitos bancrios, recebidos de depsitos bancrios, debntures, commodities, fundos e outras. Devem figurar no balano pelo valor original de aplicao acrescida dos rendimentos proporcionalmente decorridos at a data do balano. Os direitos a receber de clientes assim como outros crditos tambm devem ser devidamente provisionados pelas possveis perdas com o no-recebimento, e ajustadas pelos valores j descontados junto a instituies financeiras. Os estoques devem figurar pelo custo histrico de aquisio ou de fabricao, normalmente com a utilizao do Preo Mdio Ponderado ou PEPS (FIFO); por haver impedimento de ordem fiscal para o emprego do mtodo UEPS (LIFO). Em qualquer dos critrios acima, o valor do estoque deve ser confrontado com os preos de mercado, e para efeito de apurao do resultado. Deve-se considerar o que for menor (custo ou mercado). ALGUNS SINONIMOS E INTERPRETAES Segundo retrata o Prof. Dr. Jose Carlos Marion, em sua obra Contabilidade Empresarial. Na literatura contbil podero ser encontrados os seguinte sinnimos para Ativo Circulante: Capital de Trabalho: co o AC que o administrador trabalha para produzir riquezas, atendendo o objetivo social da empresa. Capital de Giro: o AC que o administrador movimenta, procurando girar mais rapidamente possvel com o objetivo de melhorar a rentabilidade. Ativo Corrente: o AC que corre, gira e trabalha no sentido de trazer benefcios Empresa. Capital Circulante: o AC que assume dentro de um ciclo, diversas formas iniciando-se com dinheiro, transformando-se em mercadorias, posteriormente em dinheiro. Debntures Ttulos de conta que designa os registros dos valores dos ttulos de divida emitidos pelas sociedades por Aes. uma conta do passivo exigvel, podendo ser a Curto ou Longo Prado, segundo o tempo no qual vo sendo vencidos os ttulos para efeito de resgate.

Universidade Catlica de Gois Parreira

Professor Paulo Henrique Alves

Contabilidade Introdutria II Material didtico

31

Ativo Realizvel a Longo Prazo Segundo o Art. 179 da Lei 604: II - no ativo realizvel a longo prazo: os direitos realizveis aps o trmino exerccio seguinte, assim como os derivados de vendas, adiantamentos ou emprstimos a sociedades coligadas ou controladas (art. 243), diretores, acionistas participantes no lucro da companhia, que no constiturem negcios usuais na explorao do objeto da companhia; Em vista disso, o ativo realizvel a longo prazo, assume caractersticas excepcionais, Compreende, teoricamente, as mesmas contas do ativo circulante (exceto as disponibilidades), cujo prazo de realizao seja superior a um ano ou ao ciclo operacional, se este for superior a um ano. Os valores realizveis a longo prazo devem figurar no balano pelos valores corrigidos, se for o caso, e devem ser reclassificados para o ativo circulante no balano imediatamente anterior quele em que se realizaro. Os crditos junto a empresas controladas, coligadas, ou a administradores e scios, originrios de atividades no normais (emprstimos, adiantamentos, etc) devem figurar como realizveis a longo prazo, mesmo que vencveis a curto prazo, porque sendo crdito junto a empresas ou pessoas ligadas, nada garante que a empresa credora ir envidar esforos no sentido de recebe-los como faria se fosse contra terceiros. Os imveis destinados renda em atividade que no seja de construo, loteamento, incorporao ou imobiliria, em principio, devem ser relatados no ativo realizvel a longo prazo, pelas razes seguintes: no ser objeto da atividade da empresa a compra e venda de bens imveis. A incerteza da negociao dos imveis a um prazo inferior ou superior a uma ano. 3.1.3. Permanente So os bens e direitos no destinados transformao direta em meios de pagamento e cuja perspectiva de permanncia na entidade ultrapasse um exerccio. So constitudos pelos seguintes subgrupos: Investimentos So as participaes em sociedades, alm dos bens e direitos que no se destinem manuteno das atividadesfins da entidade. Imobilizado So os bens e direitos, tangveis e intangveis, utilizados na consecuo das atividades-fins da entidade. Diferido So as aplicaes de recursos em despesas, que contribuiro para a formao do resultado de mais de um exerccio social. Permanente e suas Variaes Alm, evidentemente, das operaes de compra, venda e baixa dos itens do ativo permanente, seus valores podero varias em virtude de: Correo Monetria: embora a correo monetria das demonstraes contbeis tenha sido revogada, inclusive para fins societrios, a partir de 01/01/1996, por foca do artigo 4 da Lei 9.249, este assunto ainda merece ser visto nos cursos de anlise de relatrios contbeis, uma vez que os balanos gerados at 31/12/95, ainda registram os efeitos da correo. Os itens do permanente, que normalmente sobiam de preos eram atualizados com base nos ndices de desvalorizao da moeda nacional, reconhecidos pelas autoridades federais. Eram corrigidas monetariamente, tambm, as parcelas subtrativas do permanente, tal como Depreciao Acumulada, Amortizao Acumulada e Exausto Acumulada.Universidade Catlica de Gois Parreira Professor Paulo Henrique Alves

Contabilidade Introdutria II Material didtico

32

A correo monetria do ativo permanente em conjunto com a correo monetria do patrimnio Liquido, serviam de base para apurar se a empresa tinha ganho ou perda com a inflao, cujo resultado era acrescido ( se houvesse ganho ) ou seria subtrado ( se houvesse perda ) do lucro do exerccio. Reavaliao: uma nova avaliao, a qualquer poca, atribuindo um novo valor para itens do permanente, que mesmo incidindo a correo monetria anual, apresentam valores abaixo do mercado. O Permanente e suas Dedues Investimentos: Neste item encontramos como subtraes as provises para perdas como o objeto de cobrir as perdas provveis na realizao do seu valor, quando (estas perdas) forem comprovadas como permanentes. Imobilizado: Por terem como uma de suas caractersticas, a permanncia na empresa, co o passar do tempo vo sofrendo perda do valor por causa do tempo, co obsoletismo, do uso, de legislao , do consumo, etc, so periodicamente baixadas. Conforme a que bens se refiram, essas baixas recebem nomes diferentes: depreciaes, amortizaes ou exaustes, mas significam uma s coisa. Representam partes do valor de aquisio consideradas consumidas e que, portanto, se transformam em custos ou despesas. Deve-se entender que o reconhecimento de perda de parte destes bens. Por isso so considerados na apurao do resultado. Quando se tratar de bens tangveis, como veculos, mquinas, equipamentos, etc, a perda de sua capacidade funcional deve ser acumulada de forma aproximada como depreciaes, numa conta Depreciao Acumulada. Se se tratar de bens intangveis como: marcas, patentes, direitos autorais, benfeitorias em propriedades de terceiros, etc., denomina-se a perda do valor como Amortizao, sendo contabilizada uma conta denominada Amortizao Acumulada. Quando estes bens do permanente foram constitudos de recursos naturais como jazidas, reflorestamento, poo de petrleo... etc., denominaremos a sua diminuio de Exausto Acumulada. Diferido: De uma maneira geral, a reduo dos itens classificados neste sub-grupo, em virtude de sua distribuio proporcional aos exerccios sociais ( no mnimo 5 e no mximo 10 anos ) denominada Amortizao Acumulada. Grupos de Contas do Passivo Todas a obrigaes da empresa esto apresentadas no Passivo Exigvel, conforme j nos referimos anteriormente. Estas obrigaes sero classificadas no balano em dois grupos distintos: Passivo Circulante e Passivo Exigvel a Longo Prazo. oportuno salientar que a Lei 6.404/76, oriente no sentido de que o Passivo Exigvel seja estruturado no balano em ordem decrescente de exigibilidade ou seja, as contas que sero liquidadas mais rapidamente, num primeiro grupo, e as demais em outros grupos. Existem uma certa analogia com o ativo em termos de liquidez decrescente, s que, naquele caso (ativo ) aparecero em primeiro lugar as contas que se convertero em caixa (dinheiro) e, por outro lado, no passivo, sero destacadas, prioritariamente, as contas que devero ser pagas mais rapidamente. Passivo Circulante O Passivo Circulante representado pelas obrigaes da empresa, cuja liquidao se espera que ocorra dentro do exerccio social seguinte: ou de acordo com o ciclo operacional da empresa, se este for superior a esse prazo. Podemos entender por ciclo operacional, para efeito de classificao do Passivo Circulante ou Exigvel a Longo Prazo, o perodo de tempo que vai desde a aquisio das matrias-primas (indstrias) e mercadorias (empresa comercial), at o recebimento do valor das vendas. Todavia, a grande maioria das empresas tem adotado como exerccio o perodo de um ano, j que o ciclo operacional delas normalmente menor que esse prazo. Estas obrigaes podem representar valores fixos ou variveis, vencidos ou a vencer, em uma data ou em diversas datas futuras, no entanto devero ser pagas dentro de um ano ou do ciclo operacional. As contas mais comuns so: Fornecedores, Impostos a recolher, Salrios a Pagar, Emprstimos bancrios, etc.

Universidade Catlica de Gois Parreira

Professor Paulo Henrique Alves

Contabilidade Introdutria II Material didtico

33

Exigvel a Longo Prazo Constitui-se das obrigaes de mesma natureza daquelas classificadas no Passivo Circulante, todavia, sua liquidao se dar a partir do trmino do exerccio social seguinte: contado a partir da data do balano. A Lei trs uma exceo quanto aos crditos de Coligadas ou Controladas, diretores, acionistas ou participantes no lucro, oriundos de transaes no usuais ao objetivo social da empresa. Estas devero ser classificadas no Exigvel a Longo Prazo, mesmo que seus vencimentos ocorram em curto prazo. Resultado de Exerccios Futuros Somente devero ser classificados neste grupo, valores recebidos que no representam obrigaes para a empresa, mas que, por se referirem a exerccios seguintes (futuros), no devem ser agregados ao resultado. Compem este grupo as receitas recebidas e faturadas antecipadamente, que no corram o risco de devoluo por parte da empresa, tal como aluguel recebido antecipadamente, que, contratualmente a locadora no est obrigada a devolver. Os adiantamentos com risco de restituio como o caso dos realizados para futura entrega de mercadorias ou servios, devero ser classificados no passivo circulante. Patrimnio Lquido O patrimnio Lquido como j nos referimos, representa o investimento dos proprietrios (capital ) mais o lucro acumulado no decorrer dos exerccios anteriores, retido na empresa, ou seja, que ainda no tenha sido distribudo. Compondo o PL, encontraremos, alm da conta Capital Social as representadas pelas reservas e Lucros ou Prejuzos Acumulados. Capital Social De acordo com a Lei n 6.404/76 : Capital Social, representa valores recebidos pela empresa, ou por ela gerados, e que esto formalmente incorporados ao Capital. O investimento efetuado na companhia pelos acionistas representado pelo Capital Social. Este abrange no s as parcelas entregues pelos acionistas como tambm os valores obtidos pela sociedade e que, por decises dos proprietrios, se incorporam ao Capital Social, representando uma espcie de renncia a sua distribui