Apostila formatada paisagismo

Click here to load reader

  • date post

    15-Apr-2017
  • Category

    Lifestyle

  • view

    2.009
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of Apostila formatada paisagismo

  • Prof. Vanessa Goulart Dorneles

    Curso de Arquitetura e Urbanismo

    ULBRA - Torres

    Apostila de Projeto de Paisagismo

  • Apostila de Projeto de Paisagismo Prof. Vanessa Goulart Dorneles

    2 1. Consideraes Iniciais

    1. Consideraes Iniciais

    1.1. Conceitos Gerais

    1.1.1. Paisagismo Paisagismo o meio de se obter de volta a natureza para o

    homem atravs da recriao ou proteo da mesma. (LIMBERGEER, SANTOS, 2000, p.1)

    uma cincia e uma arte que estuda o ordenamento do espao exterior em funo das necessidades atuais e futuras, e dos desejos estticos do homem. (LIMBERGEER, SANTOS, 2000, p.1)

    uma atividade que se utiliza da arte, cincia e tcnica a fim de elaborar uma interao dos trs elementos: construo, o homem e a flora. (LIMBERGEER, SANTOS, 2000, p.1)

    1.1.2. Lugar [...] lugar considerado a representao espacial que possui

    identidade, caractersticas intrnsecas, exclusivas que lhe proporciona a aproximao e a identificao deste conjunto de elementos (constitudo pelo territrio, paisagens, edificaes, lembranas, emoes, cenas urbanas etc) com a populao que o vivncia ou o vivenciou. (SILVA, 2004, p.17-18)

    1.1.3. Espao livres pblicos Os espaos livres pblicos so de acordo com Macedo (1995),

    todos os espaos no edificados, ou seja, ruas, ptios, largos, praas, parques, entre outros.

    Este trabalho estudar a praa, seus elementos e usurios. Os espaos livres relacionados com as reas verdes urbanas

    desempenham um importante papel na cidade. A manuteno dos espaos existentes e a criao de novos espaos possibilitam a conservao de valores da comunidade. (MACEDO,C. 2003)

    So nos espaos livres pblicos que se do a maioria das relaes sociais, onde ocorrem encontros entre amigos, eventos pblicos, etc.

    Estes espaos so normalmente dotados de vegetao, o que influi nas condies ambientais, amenizando a temperatura, diminuindo os efeitos do vento, etc.

    Criar espaos de lazer significa contribuir para as relaes sociais, melhorar as condies climticas locais e valorizar a paisagem local.

    1.1.4. Paisagem A paisagem um conjunto de cenrios naturais ou artificiais

    onde o homem , alm de um observador, um transformador desses elementos que compe o stio. (LIMBERGEER, SANTOS, 2000, p.1)

    Poro de espao da superfcie terrestre apreendida visualmente. (IGNCIO, 1984. apud LIMBERGEER, SANTOS, 2000, p.1)

    1.2. Consideraes sobre o Lazer Quando as atividades requerem movimento e esforo fsico,

    como andar, correr caminhar, praticar esportes, brincar, etc., o lazer considerado ativo, e quando as atividades no demandarem movimento, tornando o indivduo um expectador da atividade em si, como conversar, descansar, apreciar o movimento ou paisagem, refletir, lanchar, esperar, etc., o lazer definido como passivo (MACEDO, 1995). Alm disto, o lazer pode ser classificado quanto a trs diferentes funes, conforme Dumazedier (1976):

    Descanso: so as atividades que se propem a fazer com que o indivduo se restabelea do cansao fsico ou mental, advindo das obrigaes laborais.

    Recreao, divertimento e entretenimento: so as atividades que buscam extinguir o tdio e a monotonia da rotina diria.

    Desenvolvimento pessoal: so as atividades que possibilitam a interao social e a aprendizagem, desde que voluntria, visando um desenvolvimento da personalidade.

    E, ainda, h uma classificao das atividades de lazer, definida por Dumazedier (1976), que estabelece cinco reas de interesses:

    Interesses artsticos: so as atividades de contedo esttico, ligadas ao belo, ao sentimento, emoo. So atividades passivas, como assistir peas teatrais, ir ao cinema, etc.

  • Apostila de Projeto de Paisagismo Prof. Vanessa Goulart Dorneles

    3 1. Consideraes Iniciais

    Interesses intelectuais: so as atividades de contedo cognitivo, que visam o desenvolvimento pessoal, seja pela busca de informaes, conhecimento e/ou aprendizagem. A exemplo desta rea de interesse tem-se as atividades de leitura, escrita, entre outras.

    Interesses manuais: so as atividades desenvolvidas por aes com as mos, onde uma matria-prima transformada, podendo ser jardinagem, pintura, escultura, etc.

    Interesses fsicos: so as atividades relacionadas s prticas esportivas e explorao de novos lugares. Entre as atividades mais comuns esto os passeios e as caminhadas.

    Interesses sociais ou associativas: so as atividades relacionadas com a interao entre pessoas e grupos e os relacionamentos. So as reunies de grupos, de igrejas, as festas, etc.

    As atividades de lazer podem, ainda, ser classificadas conforme o espao onde so desenvolvidas, seja em um espao pblico ou privado, urbano ou rural, etc.; conforme a freqncia, se ocorrem diariamente, semanalmente, quinzenalmente e assim por diante; ou ainda, se ocorrem em grupos ou individualmente.

    Como se pode verificar h muitas formas de classificar o lazer, tendo em vista que suas categorias no se excluem, pois algumas atividades podem estar em mais de um rea de interesse ou ser realizada em diferentes espaos, e etc. Porm, nesta dissertao, utilizar-se- a classificao por reas de interesse, que engloba um grande nmero de atividades e as associa de forma especfica.

    1.3. Os espaos de lazer Como foi visto no item 1.2.1, os espaos so elementos

    essenciais prtica de atividades de lazer. Sendo assim, pode-se considerar o espao urbano como espao de lazer, como afirma Marcellino (1983, p.57), pois nas cidades h mais oportunidades de lazer. Mesmo sabendo que as pessoas que residem em reas rurais possam realizar tais atividades, indiscutvel que a maioria dos equipamentos, edificaes e reas voltadas para o lazer da populao est implantada nos espaos urbanos.

    Entretanto, com o crescimento das cidades tem-se observado uma desvalorizao dos seus espaos de lazer. Fato este, j

    denunciado a mais de 20 anos atrs por Nelson Marcellino em seu livro Lazer e humanizao:

    Nas grandes cidades atuais sobra pouca ou quase nenhuma oportunidade espacial para a convivncia, pois da forma pela qual so constitudas e renovadas, o vazio que fica entre o amontoado de coisas insuficiente para permitir o exerccio efetivo das relaes sociais produtivas em termos humanos. (Marcelino, 1983, p.59)

    O aumento da urbanizao e o superpovoamento causam alm de estresse nas pessoas, devido ao ritmo acelerado de trabalho e trnsito, uma menor privacidade familiar, visto que as edificaes esto cada vez mais prximas umas das outras, e um aumento na especulao imobiliria e com uma conseqente diminuio no tamanho das habitaes. Todos estes fatores tem tornado os espaos destinados ao lazer vulnerveis e tm modificado o uso do solo e a paisagem urbana (SANTINI, 1993).

    Em contraposio, a populao tem procurado fugir desta tenso e sair da rotina diria, buscando reas onde possa relaxar e realizar atividades de lazer, como se observa nos finais de semana com a superlotao das reas litorneas no vero e as aglomeraes de pessoas em parques e reas livres pblicas de lazer. Portanto, a existncia dos espaos de lazer e a manuteno de sua qualidade so importantes, no apenas porque favorecem a articulao entre territrios, a mistura e coeso social de lugares e pessoas, como afirma Rolnik (1998), mas tambm porque contribuem com o bem estar de todos.

    1.4. Consideraes sobre reas livres pblicas de lazer So consideradas reas de lazer, todas aquelas destinadas a

    prticas de atividades ditas como tal, no interessando o grupo de interesse ou funo (passivo/ativo) a que se destine.Santos (1985) estabelece, portanto, que qualquer espao passvel de ser utilizado como rea de lazer, bastando que atraia a populao:

    [...] s no de lazer o espao que de fato jamais apropriado por uma atividade considerada de lazer no sistema classificatrio de uma determinada sociedade ou cultura. [...] Se o mundo urbano um equipamento potencial de lazer, quanto mais complexo e diversificado,

  • Apostila de Projeto de Paisagismo Prof. Vanessa Goulart Dorneles

    4 1. Consideraes Iniciais

    tanto mais plenamente pode ser apropriado para este fim. Planejar espaos para fins de lazer no construir campos de futebol, ciclovias, ou criar reas verdes. cultivar um meio urbano cujas ruas permitam jogar uma pelada, andar de bicicleta, ou simplesmente passear sombra. O planejar cultivar no sentido primeiro da palavra; acompanhar o dia-a-dia, intervir dia a dia na escala do dia-a-dia. (SANTOS, 1985, p.142)

    Macedo (1995, p.16) define [...] espaos livres como todos aqueles no contidos entre as paredes e tetos dos edifcios construdos pela sociedade para sua moradia e trabalho. Compreendendo, assim, [...] todas as ruas, praas, largos, ptios, quintais, parques, jardins, terrenos baldios,[...].

    Cabe salientar que o conceito de espao livre diferente de espaos verdes, como explica Macedo (1995) que define este ltimo como todo o espao onde exista vegetao. Assim, uma praa, que um espao livre, pode ter ou no reas ajardinadas, podendo ser considerada ou no como uma rea verde.

    O termo pblico utilizado quando refere-se a reas que todas as pessoas possam acessar e desfrutar, em qualquer momento do dia, e onde a responsabilidade por sua manuteno assumida coletivamente (HERTZBERGER, 1999, p.12). importante esclarecer que as reas pblicas no so de responsabilidade exclusiva do governo, como muitas vezes entendido.

    O termo reas livres pblicas de lazer a melhor definio encontrada para especificar todas as reas urbanas, delimitadas por edificaes, com acesso irrestrito, que possibilitem a realizao de quaisquer atividades de lazer.

    Estas reas so de fundamental importncia, formalmente e funcionalmente, para as cidades, pois alm de estimular o lazer e a interao entre usurios, contribuem com a salubridade das habitaes humanas, com a organizao das redes de infra-estrutur