Apresentação do PowerPoint .marco cronolÓgico transiÇÃo da prÉ-histÓria para idade antiga

download Apresentação do PowerPoint .marco cronolÓgico transiÇÃo da prÉ-histÓria para idade antiga

of 90

  • date post

    09-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    215
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Apresentação do PowerPoint .marco cronolÓgico transiÇÃo da prÉ-histÓria para idade antiga

  • MARCO CRONOLGICO

    TRANSIO DA

    PR-HISTRIA PARA

    IDADE ANTIGA

    INVENO DA ESCRITA 3.500.C

    ARTE MESOPOTMICA E EGPICIA

  • Arte

    MesopotmicaMuitos foram os povos que habitaram a mesopotmia:

    SUMRIOS

    ACDIOS

    ASSIRIOS

    BABILNICO

    HEBREUS

    CALDEUS

    entre outros.

  • Ur e seu Zigurate ( 3000 a.C. )

    Cada cidade-estado tinha um deus local, defensor junto a outras divindades da natureza. O deus era proprietrio da cidade, de seu trabalho e habitantes, e o centro administrativo era o templo. As plantas das cidades sumerianas demonstram esse papel central dos templos, em volta dos quais as casas se aglomeravam.

    Alm disso, os empreendimentos eram todos da comunidade ( diques e valas de irrigao_ armazenamento e distribuio de grande parte das colheitas ). Para organizar todas essa vida poltica e pblica, a escrita foi essencial.

  • Observe a cena abaixo:

  • Com certeza voc entendeu a histria apenas olhando os

    desenhos.

  • Agora, veja estas figuras:

    As figuras devem ser observadas de baixo para cima

  • As figuras mostram o Estandarte da cidade de Ur (primeiro grande centro da mesopotmia - 3500 a.C.),

    considerado o mosaico mais antigo que se tem conhecimento, o qual contempla a Arte

    Mesopotmica.

    Trata-se de dois painis retangulares, feitos de mrmore, arenito avermelhado,

    lpis lazli (rocha metamrfica(transformada pelo meio ambiente) de cor azul ) e conchas .

  • Este estandarte uma espcie de histria em quadrinhos da Antiguidade:

    - Mostra uma cena de guerra, com o rei e seu escudeiro num carro que corre e espezinha seus inimigos, os

    vencedores conduzem os prisioneiros, os quais atados em pares, so apresentados ao rei;

    -

  • - Mostra cenas da vida domstica de um dos reis sumrios, sendo momento de paz com a

    preparao do banquete da vitria.

  • Regio formada por diferentes povos, entre os quais, destacaram-se os Sumrios, os Babilnios e os Assrios.

    As condies geogrficas propiciam um importante desenvolvimento cultural.

    Elementos naturais, encontrados s margens dos rios Tigre e Eufrates so utilizados na elaborao de obras de arte.

    Entretanto, muitas das obras produzidas pelos povos mesopotmicos no chegaram at ns, hoje, dificultando-nos o

    seu estudo.

    Mesopotmia Meso (meio) + Potams (rios)

  • Os SUMRIOS criam a ESCRITA

    CUNEIFORME, que tinha os desenhos

    dos smbolos em forma de cunha.

    ESCRITA CUNEIFORME

  • A sua inveno deve-se s necessidades de administrao (cobrana de impostos, registo de cabeas de

    gado, medidas de cereal, etc.).

  • Muitos foram os povos que habitaram a mesopotmia: sumrios, acdios, assrios,

    babilnicos, hebreus, caldeus, entre outros.

    Por ser um lugar bom para morar, cada um trouxe seus costumes, sua cultura,

    religio, hierarquia social e politica.

    Muitas vezes aconteciam guerras entre eles pelo domnio da terra.

  • Os mesopotmicos costumavam representar seu cotidiano com desenhos em paredes, placas

    de pedra ou argila (estelas).

    Caa ao leo - Assrio

  • O REI ASSURBANIPAL CAANDO UM LEO.

  • Nas esculturas produzidas pelos povos mesopotmicos, no havia uma preocupao

    descritiva, salvo pelo rosto das figuras;

    As figuras em baixo-relevo caracterizavam-se por um grande realismo;

    As esculturas eram, essencialmente, hierticas (regras bastante precisas );

    A ESCULTURA NA MESOPOTMIA.

  • Dilvio - Assrio

  • A Rainha da Noite - Babilnico

  • Sumrios

  • OS PALCIOS REAIS POSSUAM UMA FUNO

    DE GLORIFICAO DO SOBERANO.

    A estaturia torna-se um elemento separado da arquitetura;

    Essa ESCULTURA ASSRIA era agressiva, descritiva e realista, principalmente nas cenas de caa e de guerra;

    Os Baixos-relevos eram de considerada IMPORTNCIA;

    Retratavam caadas, pescarias e expedies guerreiras. Demonstravam grande conhecimento da natureza e da

    fisiologia humana e animal.

  • Os feitos de guerra foram enaltecidos em relevos, como

    o de Naran-Sin;

    O rei, com uma coroa de chifres, trucida os inimigos;

    As antigas crenas no poder das imagens, e portanto a permanncia das vitrias.

    Estela da Vitoria do Rei Naram-Sin

    Acadiano (c. 2200 a. C.). Museu do

    Louvre (Paris).

  • O segundo milnio foi marcado pela dinastia

    babilnica;

    Tendo Hamurabi como seu fundador;

    O seu cdigo o mais antigo rol de leis e est

    gravado em uma estela de diorite (pedra

    extremamente rgida);

    Atravs do cdigo conhecemos o papel social

    de cada cidado; Trecho do Cdigo de Hamurbi - conjunto de leis escritas

  • Encabeando o cdigo encontra-se o

    alto relevo representando

    Hamurabi em p diante do deus

    Shamash.

  • Cdigo de HamurabiBaseado na Lei de Talio:

    pena igual ofensa Olho por olho, dente por dente.

  • Dentro do palcio, uma srie de relevos ilustrando as conquistas militares refora a impresso de poder.

  • Figuras, cujo fim era impedir a entrada das foras do mal dentro do palcio;

    Demonstram uma ateno minuciosa com o detalhe linear, que em escala gigantesca, produz um efeito

    poderoso.

    Touros com cabeas

    humanas ,

    esculpidas em relevos

    Toro alado de Khorsabad - Assrio

  • Alto relevo e Baixo relevo

    Enquanto no alto-relevo as figuras da escultura sobressaemdo plano de fundo trs quartos do seu volume real, no baixo-relevo as figuras excedem em altura apenas menos demetade do seu volume real. Os baixos-relevos so muitoutilizados na decorao arquitetnica, na ourivesaria e namedalhstica e os altos-relevos nos carimbos e sinetes.

    Na escultura em alto-relevo, a identificao muito fcil:temos sempre a impresso de que os motivos forampreviamente modelados e depois aplicados ao fundo, ouseja, ligados ao plano por alguns pontos. J no baixo-relevoas figuras emergem do plano base, formando um nico blocoe distingue-se em geral pelo pequeno volume das figurassobre o fundo. Se todo o relevo uma salincia, tudo que seencontrar abaixo do plano de base ser considerado comocavidade e, portanto, no teremos relevo

  • Esttua de Gudea, governador de Lagash - Sumrio

  • Venerador Sumrio

    Os primeiros reis sumrios eram sepultados com seus escravos e tesouros.

    Grupo escultrico de Tell Asmar (Templo de Abu), c. 2700 2500 a.C. Museu do Iraque,

  • CAUSAS DO DESGASTE E DO DESAPARECIMENTO

    DE GRANDE PARTE DE SUAS OBRAS.

    Conturbada histria poltica da regio, repleta de invases das mais diversas culturas.

    O material utilizado, quase sempre tijolos de barro cru, cermicas, madeiras e fibras

    vegetais.

  • NEOBABILNIOS Passam a usar largamente o

    tijolo vitrificado e queimado;

    Utilizando cores vivas e animais graciosos;

    Podemos observar o Porto de Ishtar, construdo durante

    o reinado de Nabucodonosor;

    Reconstrudo no Vorderstaatische Museen,

    Berlim.

  • NEOBABILNIOS Passam a usar largamente o

    tijolo vitrificado e queimado;

    Utilizando cores vivas e animais graciosos;

    Podemos observar o Porto de Ishtar, construdo durante

    o reinado de Nabucodonosor;

    Reconstrudo no Vorderstaatische Museen,

    Berlim.

  • FIM DA SUPREMACIA SUMERIANA.Acdios e Babilnicos realizam uma grande

    renovao artstica.

    A Ourivesaria, a Arte de trabalhar com metais e pedras preciosas, ganha fora.

    Surge uma importante forma de expresso artstica, as Estelas, monumentos comemorativos dos grandes

    feitos dos reis e imperadores.

    Os desenhos eram mais suaves e a liberdade de representao aumentou, sem romper com o padro

    tradicional.

  • Ourivesaria Mesopotmica

  • Mas, outros povos tambm se desenvolviam ao

    mesmo tempo que os mesopotmicos:

    Como por exemplo a cultura Egpcia que cresceu s margens do Rio Nilo.

    Fonte: Arte, Histria e Produo: Arte Ocidental. Autores: Carla Paula Brondi Calabria & Raquel Valle Martins

  • RIO NILO

  • ARTE EGIPCIA Datada entre 1560 e 1309 A.C

    Acreditavam na vida aps a morte.

    Templos, palcios e pirmides foram construdos em homenagem aos deuses e aos faras.

    Grandiosos e imponentes, pois deviam mostrar todo poder do fara.

    Mo de obra escrava para o trabalho pesado.

  • DESERTO

  • - considerada uma das principais civilizaes da antiguidade.

    - Toda a arte desse perodo era usada como forma de demostrar poder (sc.XIII a.C. Reinado Ramss II)

    - Arquitetura monumental (pedra).

    - Templos destinados as dinvidades.

    - Arte morturia que abrigava os restos mortais dos faras, (pirmides).

    - Relevos e pinturas murais.

    - Arte decorativa e mobilirio.

    - Carcter solene rgidos de representao.

  • TRIBUNAL DE SIRIS

    LIVRO DOS MORTOS, PAPIRO.

    A felicidade e a garantia da vida depois da morte dependiam de rituais religiosos.

    A arte, como no podia deixar de ser, refletia essa viso religiosa.

  • Arte no Egito

    As divises da Histria Egpcia na antiguidade:

    - Antigo Imprio- Mdio Imprio- Novo imprio

  • A arte egpcia era

    monumental e de grande

    beleza e est ligada

    religio, ou seja, ao culto dos deuses e dos mortos.

  • A mmia estava encerrada ( uma forma

    flexionada de "encerrar") em vrios sarcfagos, uns dentro

    dos outros;

    O ltimo era de ouro macio, pesando 110

    quilos;

    O rosto de Tutankhamonestava coberto com