Areas Classificadas

download Areas Classificadas

of 52

  • date post

    15-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    245
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Areas Classificadas

Segurana e Sade nos Trabalhos em reas Classificadas

Medidas Tcnicas

Avaliao e Controle dos Riscos Atmosfricos em reas Classificadas

Instrutor: Guilherme Carvalho gsegtrab@hotmail.com Cel.: (0xx71) 8728 0627MM

1

Espao Confinado(Definio) rea Classificada: rea na qual uma atmosfera explosiva de gs est presente ou na qual provvel sua ocorrncia a ponto de exigir precaues especiais para construo, instalao e utilizao de equipamento eltrico.

2

MM

2

Equipamento Intrinsecamente Seguro (Ex-i):R L

3

C

Um equipamento intrinsecamente seguro quando no capaz de liberar energia eltrica (fasca) ou trmica suficiente para, em condies normais (isto , abrindo ou fechando o circuito) ou anormais (por exemplo, curtocircuito ou falta terra), causar a ignio de uma dada atmosfera explosiva, conforme expresso no certificado de conformidade do equipamento.

MM

3

Equipamento Prova de Exploso (Ex d):

4

todo equipamento que est encerrado em um invlucro

capaz de suportar a presso de exploso interna e no permitir queessa exploso se propague para o meio externo.

MM

4

Equipamento Intrinsecamente Seguro (Ex-i):R L

5

C

Um equipamento intrinsecamente seguro quando no capaz de liberar energia eltrica (fasca) ou trmica suficiente para, em condies normais (isto , abrindo ou fechando o circuito) ou anormais (por exemplo, curtocircuito ou falta terra), causar a ignio de uma dada atmosfera explosiva, conforme expresso no certificado de conformidade do equipamento.

MM

5

Equipamento Prova de Exploso (Ex d):

6

todo equipamento que est encerrado em um invlucro

capaz de suportar a presso de exploso interna e no permitir queessa exploso se propague para o meio externo.

MM

6

7Zonas

reas perigosas so classificadas de acordo com a probabilidade do perigo.

MM

7

8Classificao IECZona 0 (gases)

Definio de Zonasrea onde uma mistura explosiva ar/gs est continuamente ou presente por longos perodos Ex.: Interior de Vaso separador, superfcie de lquido inflamvel em tanques rea onde provvel ocorrer uma mistura explosiva em operao normal. Ex.: sala de peneira de lamas,sala de tanques de lama, mesa rotativa, respiro de tanques de processo. rea onde pouco provvel ocorrer uma mistura explosiva condies normais de operao e se ocorrer ser por um curto perodo. Ex.: Vlvulas, flanges e acessrios de tubulao para lquidos ou gases inflamveis

Zona 1 (gases)

Zona 2 (gases)

MM

8

MARCAO DOS EQUIPAMENTOS CERTIFICADOS

Br Ex ia IIC T6TEMPERATURA CERTIFICAOINDICA QUE A CERTIFICAO BRASILEIRA INDICA A CLASSE DE TEMPERATURA DE SUPERFCIE DO EQUIPAMENTO T1 (450C), T2 (300C) T3 (200C), T4 (135C) T5 (100C), T6 (85C)

PROTEO ExINDICA QUE O EQUIPAMENTO POSSUI ALGUM TIPO DE PROTEO PARA ATMOSFERA POTENCIALMENTE EXPLOSIVA

GRUPO

TIPO DE PROTEO

INDICA O GRUPO PARA O QUAL O EQUIPAMENTO FOI CONSTRUDO GRUPO IIC 180 propano GRUPO IIB 60 etileo GRUPO IIA 20 acetileno, hidrogenio

INDICA O TIPO DE PROTEO QUE O EQUIPAMENTO POSSUI: d - PROVA DE EXPLOSO p - PRESSURIZADO q - IMERSO EM AREIA m- ENCAPSULADO e - SEGURANA AUMENTADA o - IMERSO EM LEO i - SEGURANA INTRNSECA NAS CATEGORIAS a e b n - NO ACENDVEL MM

9 Ainda, existe o tipo de proteo s que indica um tipo de proteo especial.

9

2-TRATAR DOS RISCOS COM EQUIPAMENTOS Ex Para Zona 0: Para Zona 1:ia (segurana intrnseca)d (a prova de exploso) e (segurana aumentada) ib (segurana intrnseca) p (pressurizados) o (imersos em leo) q (imersos em areia) m (encapsulados)

Para Zona 2:

n (no acendveis)MM

TODOS OS EQUIPAMENTOS Ex DEVEM SER CERTIFICADOS

10

EXPLOSO DE REA CLASSIFICADA (NR-10)

Destruio Mortos Feridos

EXPLOSO DE CALDEIRA (NR-13)

Destruio Mortos FeridosMM

Pelas responsabilidades decorrentes1111

rea Classificada: um local sujeito a probabilidade da formao/existncia de uma atmosfera explosiva, podendo ser formada por gases, vapores, poeiras ou fibras.

(DE ORIGEM ELTRICA, ELETRNICA, ELETROSTTICA, MECNICA, ETC)

12

MM

12

1980/84CT-31 COBEI

Dcada 40/50

1954Primeira Refinaria

1980Primeiras Plataf.

(20 anos IEC)

2000

2001NR-10

2006

Portaria Inmetro 176

Fundao ABP-Ex

30 anos NEC/API com instalaes Ex-d (Todas as Refinarias, Terminais e Bases)

Normas IEC com novas solues Ex

MM

13

NEC E API MAL TRADUZIDAS E MAL APLICADAS SE O PRODUTO ERA CONSIDERADO INFLAMVEL A REA ERA CLASSIFICADA COMO CONSEQUNCIA, ERA TUDO CLASSIFICADO!! COMO ERA TUDO CLASSIFICADO, ERA TUDO FEITO COM INSTALAES PROVA DE EXPLOSO COMO CONSEQUNCIA FINAL, O SEGURO APLICAVA A TAXA PETROQUMICA (A MAIS ALTA DO MERCADO)

MM

14

MM

15

OS TRABALHADORES PODERO SER PENALIZADOS POR AO OU POR OMISSO. POR ISTO QUE A NR-10 OBRIGA S EMPRESAS A: 1) IDENTIFICAR OS RISCOS DE EXPLOSO EXISTENTES. 2) TRATAR DESSES RISCOS DA MANEIRA CERTA. 3) APRESENTAR ANUALMENTE UM LAUDO DE REGULARIZAO (EQUIVALENTE AO DA NR-13), E 4) QUALIFICAR OS PROFISSIONAIS ENVOLVIDOS COM ASSUNTOS Ex POR MEIO DE PROGRAMAS DE TREINAMENTO.

16

MM

16

E ESTES PODERO SER OS TRABALHADORES!!...

E A RAZO DISTO SER ANALISADA NA PRXIMA TRANSPARNCIA

MM

17

Em caso de acidente: quem o responsvel? A alta direo?. A gerncia?. O engenheiro?. O comprador?. O eletricista?. O tcnico da manuteno?..O operador?..etc. Fundamentos: O Direito Civil (quando sem vtimas) O Direito Criminal (com mortos/feridos)Dos atos ilicitos art. 186 (ao ou omisso) Da obrigao de idenizar art. 1927 (reparao) Crimes contra as pessoas art. 121 (homicdio culposo) Leses corporais art. 129 Dolo eventual art. 132

Cdigo Penal

18

MM

18

GasesConhecendo nossos inimigos!!! Gs =

Caos

Partculas se movimentando randomicamente e caoticamente, colidindo uma contra as outras e contra as paredes de um recipiente ou lugar.

se dispersa e se mistura rapidamenteem um ambiente.MM

19

Riscos AtmosfricosA exata natureza do risco, depende do tipo de gs que est presente, mas em geral, ns dividimos em trs classes:

InflamveisMetano, Butano, GLP, Gs Natural, Hidrognio, Vapor de Gasolina, Alcool.

TxicosCloro, Amnia, Monxido de Carbono, Gs Sulfdrico

AsfixiantesNitrognio, Argnio, Dixido de Carbono.

MM

20

O21% volume = 10.000 ppm (0,1% Volume = 1.000 ppm)

Riscos Atmosfricos

Deficincia de Oxignio AR ATMOSFRICOO ar que respiramos formado por: 78 % Nitrognio

20,9 % Oxignio1% Argnio 0,1% Outros gases

= 100% em Volume1 PPM Fonte: Manual de Proteo Respiratria Prof. Maurcio TorloniMM

21

Monitorando o Oxignio

Nveis de AlarmeOs Alarmes de concentrao de oxignio devem ser ajustados para alarmar com valores abaixo de 19,5 % e acima de 23 % em volume;

O2

23,0% 20,9% 19,5%

Excesso de O2 Normal Deficincia de O2MM

22

Monitorando o Oxignio

Deficincia Oxignio (Efeitos)IPVS = < 12,5% Volume ao nvel do mar. Teores abaixo de 19,5% podem causar:Alterao da respirao e estado emocional, fadiga anormal em qualquer atividade (12 a 16%), Aumento da respirao e pulsao, coordenao motora prejudicada, euforia e possvel dor de cabea (10 a 11%), Nusea e vmitos, incapacidade de realizar movimentos, possvel inconscincia, possvel colapso enquanto consciente mas sem socorro (6 a 10%),

(< 6%)= Respirao ofegante; paradas respiratrias seguidas de parada cardaca; morte em minutos

MM

23

Dixido de Carbono CO2 Aparncia:Gs sem colorao e sem cheiro

Asfixiante Simples

Limites de Tolerncia IPVS 40.000 ppm LT (BRA) 4.290 ppm LT-TWA(EUA) 5.000 ppm

Se Inalado causar vertigem, dor de cabea, sonolncia e perda dos sentidos. Pele ciantica (ou azulada) Onde encontramos: 5 Processos de Combusto 5 Respirao de gros e sementes 5Inertizao 5 Sistemas automticos de extino de incndio 5 Resultante do processo

Limites de inflamabilidade no ar: NO INFLAMVEL Temperatura de ignio NO INFLAMVEL Ponto de fulgor NO PERTINENTE Densidade relativa do vapor 1,53(Fonte CETESB)

MM

24

Atmosfera de Risco

Gases e Vapores Inflamveis Princpio da CombustoOs Gases e Vapores Inflamveis so substncias que misturadas ao ar e recebendo calor adequado entram em combusto.

MM

25

Monitorando Gases e Vapores Inflamveis

Produtos Inflamveis

Gs Natural, GLP (Gs Liquefeito de Petrleo), Metano (CH4) Butano (C4H10)THINNER(lquido usado como solvente. uma mistura de hidrocarbonetos derivada do petrleo. usado para fazer tintas e vernizes, e para limpar pincis aps o uso)

Gasolina lcool

MM

26

Monitorando Gases e Vapores Inflamveis

Princpio da Combusto Para que ocorra a combusto de um gs so necessrias trs condies:A presena de gs inflamvel em quantidade suficiente; A presena de ar em quantidade suficiente; A presena de uma fonte de ignio;MM

27

Atmosfera de risco:(Poeiras Combustveis)

2 8

Poeira combustvel vivel em uma concentrao que se encontre ou exceda o Limite Inferior de Inflamabilidade LII ou Lower Explosive Limit LEL);

MM

28

Atmosfera de risco:(Poeiras Combustveis)

2 9

NOTA 1 : Misturas de ps combustveis com ar somente podem sofrer ignio dentro de suas faixas explosivas as quais so definidas pelo limite inferior de explosividade (LIE) e o limite superior de explosividade(LSE). O LIE est geralmente situado entre