Argumentação, Demonstração e Retóricafilosof .Argumentação Demonstração Tipo de linguagem

download Argumentação, Demonstração e Retóricafilosof .Argumentação Demonstração Tipo de linguagem

of 9

  • date post

    10-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    220
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Argumentação, Demonstração e Retóricafilosof .Argumentação Demonstração Tipo de linguagem

  • Argumentao, Demonstrao e Retrica

    Exemplo de demonstrao

    Exemplo de argumentao

    Axioma da Inverso: (Va) (Eb) ( a + b = 0 ) Definio de Zero: ( Vy) ( 0 + y = y ) Teorema da Univocidade do Inverso [ ( a + b = 0 ) ^ ( a + c = 0 )] ( b=c)

    Demonstrao 1. b + ( a + c ) = ( b + a ) + c Axioma da associatividade 2. a + c = 0 Hiptese 3. a + b = 0 Hiptese 4. b + a = 0 3, Axioma da comutatividade 5. b + 0 = 0 + c 1,2,4, III lei de Leibnitz 6. 0 + b = 0 + c 5, Axioma da comutatividade 7. b = 0 + c 6, Definio de 0 8. b = c 7, Definio de 0

    - No conheo ningum menos egosta do que o Joo. Ele tinha planeado ir praia, mas quando soube que eu estava aflito com o exame de matemtica, decidiu ficar a ajudar-me. O Pedro, pelo contrrio, que at me tinha prometido ajudar, revelou mais uma vez o seu egosmo. Telefonou-me a dizer que no podia vir a minha casa porque ia ao cinema ver um filma que no queria perder. -Eu no vejo assim grande diferena entre os dois. Foram dos dois egostas. S que de maneira diferente. Alis somos todos egostas - Por que dizes isso ? - Pelo menos quando as pessoas agem voluntariamente limitam-se a fazer aquilo que querem ou desejam. por isso que, no fundo, todo a a gente egosta. Por que razo hs-de dizer que o Pedro egosta e o Joo no, se cada um deles fez aquilo que queria ? - Acho que ests a fazer uma confuso qualquer~- Se no est convencido, ouve esta histria ( ver continuao na pgina 70 do volume 1 do manual do 10 ano )

  • Argumentao Demonstrao Tipo de linguagem usada e suas caractersticas

    Linguagem natural

    Linguagem tcnico-cientfica ( formal )

    Relao entre as premissas e a concluso

    Probabilidade: Necessria.

    Domnios em que utilizado

    Domnios do provvel: questes jurdicas, morais, polticas, da vida corrente

    Domnios susceptveis de prova

    Objectivo Influenciar um receptor sobre uma ideia

    Provar uma verdade

    Relao com o auditrio e o contexto

    sempre contextualizada: dirigida a um auditrio.

    Dispensa um auditrio

    Relao com a retrica No a pode ignorar se quer ser bem sucedida.

    Nenhuma

    Logo a argumentao sempre contextualizada( quem argumenta quer sempre persuadir algum

    e para o fazer no pode ignorar as suas caractersticas nem as suas nem as da mensagem )

    Assim a argumentao, no que mensagem diz respeito, pode ter de recorrer, por isso, a processos estilsticos ( cujo objetivo no ornamentar o discurso, mas criar as condies para que ele seja melhor compreendido e sobretudo aceite.

    Concluso: o discurso argumentativo tem uma ligao substantiva com a Retrica entendida como

    a arte de bem falar ou falar de modo eloquente.

    Retrica

  • Natureza da Retrica ( segundo Aristteles)

    Necessidade da retrica

    A verdade e a justia no chegam para convencer alguns auditrios A verdade e a justia no devem ser vencidas pela palavra Devemos poder ser capaz de defender-nos pela palavra Devemos poder ser capazes de argumentar sobre coisas contrrias

    Assunto: Questes que so do domnio do conhecimento, mas que no podem ser objecto de prova/demonstrao,

    Apenas de argumentao/persuaso por parte do orador e de deliberao por parte de um auditrio.

    Domnio do provvel e do verosmil

    Receptores/auditrio Pessoas simples. Facilmente influenciveis. Incapazes de se aperceberem de muitas coisas ao mesmo

    tempo Incapazes de seguir longas cadeias de raciocnio.

    Meios usados Exemplo

    ( concluso sobre um caso a partir de exemplos semelhantes )

    Quando Salazar quis ter o poder quase completamente nas sua mos, ficou com a pasta da economia, ficou com a pasta da defesa, ficou com as pasta da segurana e administrao interna. O nosso atual primeiro ministro quer ficar com o poder quae completo pois quer ser ele a dirigir a pasta da economia, ficou com a pasta da defesa, ficou com as pasta da segurana e administrao interna.

  • Mximas ( ditos que condensam uma ideia )

    O homem de bem no se preocupa com o que dizem dele. A verdade vem sempre ao cimo Mulher de Csar no convm ser s sria, convm parece-lo tambm

    Entimema ( Silogismo: tipo de argumento com uma premissa omissas )

    A Baleia deve ser um peixe porque vive no mar ( subentende-se que tudo o que vive no mar peixe ) Tens febre. Ento ests doente

    objetivo Persuaso de um determinado auditrio

    Arte

    ( vertente mais terica ) Investigao dos meios de persuadir . Aristteles interessa-se mais por

    esta vertente

    Modalidades/vertentes

    Tcnica ( vertente mais prtica )

    Aplicao dos meios de persuadir -

  • Recursos Retricos

  • Gneros de discurso retrico segundo Aristteles Deliberativo Judicial Epidctico

    Auditrio Membros da Assembleia Juzes Espetadores no Conselho Inteno Aconselhar/dissuadir Acusar/defender Elogiar/censurar Objeto Conveniente/prejudicial Justo/injusto Vcio/virtude Tempo Futuro Passado Presente Metodo Exemplo Entimema Amplificao

    Qual o tipo de provas usadas ? Provas no tcnicas: provas j disponveis que o orador usa no seu discurso, tais como leis, testemunhos Provas Tcnicas: provas preparadas pelo orador

    PROVAS TCNICAS Ethos Pathos Logos Elemento do ato comunicativo

    Emissor/Orador Recetor/Auditrio Mensagem/ discurso/ideias

    Moral/tica Psico-afetiva Racional

  • Dimenso abarcada pelo discurso

    Carter Comportamento

    Sensibilidade do

    auditrio

    Argumentos usados A sua disposio lgico-

    argumentativa, Os recursos estilsticos

    Aspectos visados pelo discurso

    Inpirar/construir uma imagem de credibilidade ( confiana, sinceridade, simpatia, modstia, sensatez, competncia, prudncia )

    Despoletar um conjunto de emoes e sentimentos no auditrio

    Apresentar claramente a ideia que defende

    Selecionar os argumentos que

    fundamentem essa ideia Antecipar objees ideia defendida Usar recursos estilsticos ( compr

    corretamente o discurso, escolher as palavras adequadas, usar figuras retricas que permitam expressar melhor e que tenham maior fora persuasiva )

    Finalidade

    Agradar Comover Provar/Explicar

    Tcnicas utilizadas

    Evitar argumentos de autoridade a menos que seja j reconhecido como tal

    Evitar argumentos ad hominem

    Refutar os argumentos ad hominem contra si

    Argumentos de apelo ao povo,

    Argumentos de apelo piedade

    Entimema Exemplo Mximas