Artesãos do Século XXI - Artesanato observado ao...

of 17 /17
1 Artesãos do Século XXI - Artesanato observado ao microscópio Clementina Teixeira Para mais informações consultar: http://deqb.ist.utl.pt/visitantes/

Embed Size (px)

Transcript of Artesãos do Século XXI - Artesanato observado ao...

  • 1

    Artesos do Sculo XXI - Artesanato

    observado ao microscpio

    Clementina Teixeira

    Para mais informaes consultar: http://deqb.ist.utl.pt/visitantes/

  • 2

    Artesos do Sculo XXI: Artesanato observado ao m icroscpio

    Artesos do Sculo XXI: Artesanato observado ao m icroscpio

    Quando a Cincia repousa o seu olhar inquiridor sobre o nosso artesanato, o que

    que pode acontecer?

    No estranho que um investigador trabalhe ao mesmo tempo com microscpios,

    computadores, pipetas, lamelas de vidro, caixas de Petri, reagentes de qumica e, ao

    mesmo tempo, jias, pratas, medalhas e moedas, selos, chourios, pipocas, linhas de

    coser, fitas mtricas e mquinas de costura?

    Se quer ter a resposta a estas provocaes, requisite para a sua escola a exposio

    itinerante Artesos do Sculo XXI, durante as semanas de escola aberta, e visite as

    pginas da internet que lhe permitem documentar-se melhor sobre estas temticas [1]

    e percursos das nossas digresses.

    A exposio, subsidiada pelo Centro de Qumica Estrutural do Departamento de

    Engenharia Qumica e Biolgica do Instituto Superior Tcnico e pela Cincia Viva

    (projecto CV 100-2009/432), nasceu de uma parceria deste Centro com as escolas e

    Cmara Municipal de Penamacor e estreou-se a 11 de Dezembro de 2009 na

    Biblioteca Municipal de Penamacor. Os seus objectivos so claramente expressos no

    Cartaz de divulgao apresentado na pgina seguinte: divulgar a Cincia, a

    Microscopia, a Qumica, o e-learning e, ao mesmo tempo, valorizar o nosso patrimnio

    cultural, inovando e apostando fortemente no nosso artesanato. A exposio poder

    tambm realizar-se em edifcios com valor patrimonial reconhecido que possam

    contribuir para a disseminao da nossa cultura e turismo, como o caso de castelos,

    pousadas, igrejas, museus e outros pontos de interesse. As fotografias tiradas durante

    a realizao destes eventos podero ser publicadas nas pginas Web do IST [1], em

    parceria com as entidades envolvidas, podendo contribuir para a divulgao turstica

    da regio e seus produtos artesanais.

    Para reunir uma coleco razovel de amostras a observar, sem onerar a exposio

    em termos de transportes e seguros pede-se tambm a colaborao dos visitantes

    para que tragam as suas peas e coleces as quais podero ser observadas at

    100x o seu tamanho, fotografadas e posteriormente integradas em padres

    decorativos com aplicaes em tudo quanto se possa imaginar, de aventais a T-shirts,

    individuais de servir mesa, bases para copos e almofadas para ratos, marcadores de

  • 3

    livros, postais, magnetes para o frigorfico, quadros, etc. Actualmente, a exposio

    compreende 18 cartazes com temticas diversas, e a ideia que continue a crescer!

    Figura 1 Cartaz publicitrio publicado pela Cmara Municipal de Penamacor. Texto

    e fotografias de Clementina Teixeira (IST). Composio grfica de Victor Gil (CMP)

  • 4

  • 5

    Este cartaz de divulgao da Exposio faz uma referncia epopeia dos

    descobrimentos qui to bem sucedidos porque a par dos navegadores se

    encontrava a nata dos cientistas de ento, intervindo na construo das caravelas, no

    seu apetrechamento, na elaborao dos mapas, cientes das tcnicas de navegao e

    orientao no alto-mar. Hoje, a Internet tambm uma forma de navegao, desta vez

    numa estrada virtual do conhecimento que se estende por todo o Mundo. A podemos

    com toda a certeza tornarmo-nos eficientes cibernautas, pois temos tido todo o apoio

    possvel em termos de computadores distribudos pelas as escolas e implantao de

    redes que podemos e devemos utilizar.

    As duas fotografias utilizadas neste cartaz foram tiradas durante uma outra exposio

    integrada na Kulturlndia, realizada em Penamacor em Julho de 2008, tambm na

    Biblioteca Municipal. Mostram uma lupa esteroscpica Nikon ligada a uma cmara

    de filmar, utilizada por um jovem que observa a diluio do cido sulfrico com a

    ampliao de 10 a 30x: esta dissoluo fortemente exotrmica provoca, com o

    aumento da temperatura, a diminuio da solubilidade dos gases dissolvidos na gua

    levando formao de pequenas bolhas ampliadas pelo microscpio. Como podero

    observar pelo exemplar em baixo, estas fotomicrografias (fotografias ao microscpio)

    so muito decorativas, podendo ser tratadas digitalmente para compor motivos

    decorativos por inverso e repetio e aplicveis na decorao de cortinas de casa de

    banho, de guarda-chuvas, de papel de embrulho, etc.

    Figura 2 - Diluio do cido sulfrico em gua (30x) Fotomicrografia tirada com uma

    vulgar cmara digital Sony . http://web.ist.utl.pt/clementina/microscopiaquimica1.

    Figura 3 Motivo decorativo obtido pela repetio da fotomicrografia quatro vezes,

    com inverso. Fotomicrografia e composio grfica de Clementina Teixeira.

  • 6

    Um priplo pelos cartazes

    A introduo compreende quatro cartazes dirigidos populao de Penamacor e

    tambm a toda a populao da raia, cada vez mais desertificada, fazendo um apelo

    conjugao de esforos e partilha de meios para tentar inverter esse terrvel processo

    que deixa ao abandono vilas e aldeias histricas que constituem um valiosssimo

    esplio e merecem ter mais visibilidade. No entanto, estes apelos podem tambm ser

    pertinentes em relao a qualquer outra zona do nosso Pas. Os cartazes expem

    actividades de Qumica feita ao microscpio desenvolvidas nas escolas do

    Agrupamento Ribeiro Sanches nos Projectos Cincia Viva feitos em parceria com o

    CQE-IST desde 1998. Nestes cartazes feita uma breve introduo microscopia

    ptica, descrevendo um microscpio ptico vulgarmente utilizado em Biologia e uma

    lupa estereoscpica comum em estudos de Mineralogia/Geologia. De forma inovadora,

    os dois instrumentos podem ser utilizados em Qumica, na observao de cristais e de

    reaces qumicas, bem como na observao de objectos do nosso quotidiano,

    criando motivos decorativos.

    Figuras 4 e 5 -Cartazes de Introduo I, II, III, IV. Na porta, fotomicrografias de

    cristais de cloreto de sdio de hbito (morfologia) modificado [2]. So trs dos muitos

    exemplos de individuais de servir mesa.

  • 7

    Figura 6 - Microscpio binocular, esquerda e lupas estereoscpicas comuns usadas

    nas escolas do Agrupamento de escolas Ribeiro Sanches. perfeitamente possvel

    obter boas fotomicrografias com estas pequenas lupas, utilizando cmaras fotogrficas

    digitais adaptadas ou simplesmente encostadas a uma das oculares. Um bom telemvel

    tambm pode ser uma alternativa. http://web.ist.utl.pt/clementina/microscopia1.

    A lupa estereoscpica e o microscpio vo em seguida ao tear, observar e fotografar as

    rendas e bordados dAv, bem como peas de passamaneria (fitas e gales). As

    fotomicrografias, ao permitirem criar padres decorativos, podero constituir uma mais

    valia na venda destes produtos artesanais [3].

  • 8

    Figura 7 - Cartazes Tear I e II, com um expositor ao meio, contendo peas para

    observao, tais como rendas e bordados. Figura 8 - Observando e fotografando

    bordados, fitas e gales.

    Figura 9 - Lupa escolar e fotomicrografia de um xaile com bordado de Nisa tirada

    com uma cmara digital comum . http://web.ist.utl.pt/clementina/microscopia1.

    Em seguida, continuando a nossa viagem, mostra-se que as lupas estereoscpicas e

    os microscpios so vaidosos e tratam da sua higiene pessoal, fotografando unhas

    pintadas, cabelos, espuma de champ, gel de fixao, enfeites dourados e outros

    acessrios de toilette. As fotomicrografias das unhas pintadas da Mafalda Lancinha,

    Figura 10, com ampliao de 10x, foram usadas para fabricar marcadores de livros.

    Este tema abordado no Cartaz da esquerda mostrado na Figura 11, Cartaz Cabelo

    I.

    Figura 10 - Por sugesto do Professor Hermnio

    Diogo, o microscpio faz uma visita manicura,

    e fotografa unhas pintadas com uma ampliao

    de 10x. http://web.ist.utl.pt/clementina/microscopia1

  • 9

    Figura 11 - Cartazes Cabelo I , esquerda e Campo I , direita.

    Segue-se a viagem do microscpio ao campo, exposta no Cartaz Campo I , na

    mesma fotografia da Figura 11, em cima e direita. Como era de esperar, os nossos

    campos so girssimos, Portugal no s praia e no faltam, a, pretextos para novas

    fotomicrografias, como o caso da alfazema, das flores campestres, das oliveiras,

    sua flores e folhas. Em particular a alfazema e outras ervas aromticas como o

    rosmaninho e o alecrim podem ser muito mais vendveis se valorizadas com motivos

    decorativos construdos a partir de fotomicrografias. Decorando o cartaz do campo,

    vem-se pequenas maarocas de alfazema usadas nas gavetas como anti-traa. Um

    projecto bem interessante seria conjugar a microscopia com a qumica dos aromas

    extrados destas ervas.

    Na Figura 12, a rama da oliveira ampliada num microscpio monocular mostra-se

    muito fotognica, sendo a sua fotomicrografia utilizada para fabricar individuais de

    servir mesa, bem como uma srie de panos de cozinha, pegas e aventais. Mais uma

    vez uma temtica bem interessante para envolver a microscopia na qumica do azeite.

    O nosso priplo dirige-se agora para um cantinho dedicado gastronomia, j que os

    passeios ao campo so muito bons para estimular o apetite. Os cartazes com este

  • 10

    tema so o Garfo I , O microscpio um bom garfo e o Sal I, O microscpio

    descobre o sal , ambos reunidos na Figura 13.

    Figura 12 - Individual de servir mesa que utiliza como padro principal a

    fotomicrografia da rama da oliveira. http://web.ist.utl.pt/clementina/microscopia1.

    Figura 13 Cartazes dedicados gastronomia: direita, o microscpio um bom

    garfo e esquerda, o microscpio descobre o sal. No centro, um plinto exibindo uma

    terrina antiga cujos motivos tambm foram ampliados pelo microscpio.

  • 11

    No cartaz da direita, as fotomicrografias do bacalhau, com ampliaes entre 10 e 63 x,

    Figura 14, com a sua pele escamosa recoberta de cristais de sal, fazem furor. O

    mesmo acontece com as pipocas coloridas de verde e vermelho, com corantes

    alimentares e os amendoins, entre outras coisas. De facto o microscpio comprova

    que gourmet! Destas fotomicrografias nasceram uma gama de produtos variados

    tais como panos de cozinha, aventais e individuais de servir mesa. As

    fotomicrografias do bacalhau podem ainda ser aproveitadas para produzir papis de

    embrulho e at, impressas em tecido apropriado, para fazer gravatas!

    Figura 14 Fotomicrografia do bacalhau com ampliao de 63 x, evidenciando

    alguns cristais de cloreto de sdio [4].

    No cartaz dedicado ao sal, cloreto de sdio, o microscpio descobre a versatilidade de

    hbitos cristalinos deste composto e apaixona-se pelos salgadinhos (cristais de sal

    com diversas formas e feitios). Esta temtica sobre a cristalizao do sal e a

    modificao do seu hbito cristalino constitui o prato forte de um artigo publicado no

    Qumica, Boletim da Sociedade Portuguesa de Qumica [2], em homenagem a

    Rmulo de Carvalho. Particularmente apetitosos so os salgadinhos malteses,

    cristais de hbito tabular com defeitos cristalinos de reteno de solvente, a gua,

  • 12

    formando uma cruz, motivo esse que ainda perdura entre ns como smbolo das

    farmcias.

    Figura 15 Fotomicrografia de um

    cristal de cloreto de sdio com

    ocluso de gua ao centro, formando

    uma cruz. Ampliao de 10x, [4].

    A ala central da exposio ocupada por sete cartazes versando as temticas

    consideradas mais ricas: as Antiguidades, o Ouro e a Prata, Figuras 16 e 18.

    No centro, esto dispostos vrios expositores contendo coleces de medalhas,

    selos, coleccionveis de Arte Nova, bem como diversos objectos em prata e ouro

    cujos detalhes se pretende estudar ao microscpio.

    As fotomicrografias relativas s Antiguidades esto reunidas no Cartaz Ba I , o

    Microscpio vai ao Ba , visvel na fotografia da Figura 16 direita. Duas lupas

    estereoscpicas Nikon servem esta zona nobre da exposio. Do ponto de vista da

    Qumica, particularmente interessante a visualizao da formao de cristais de

    estanho ao microscpio, lindos cristais dendrticos, obtidos por reaco de uma placa

    de zinco com cloreto de estanho (II) dissolvido numa soluo de cido clordrico 0,1 M

    (Figura 17). O estanho um metal comum nas antiguidades, formando tambm o

    bronze, a sua liga metlica com cobre, tambm muito encontrado entre estes

    artefactos. A qumica descritiva dos metais faz parte dos contedos programticos do

    ensino secundrio e estes temas envolvendo reaces de oxidao-reduo, jogando

    com a srie electroqumica dos metais, so muito importantes, podendo beneficiar

    imenso com a utilizao do microscpio. Nos Ourives do Sculo XXI, cartazes Au I

    e II o microscpio descobre o mundo apaixonante das jias em ouro e pedras

    preciosas ampliando-as, fotografando-as, descobrindo os seus contrastes e ajudando

    at, a limpar e a compor defeitos e imperfeies. A colaborao com joalheiros e

    antiqurios tambm est patente nesta exposio, com a cedncia de algumas peas.

    Apaixonado pelas peas da antiga ourivesaria portuguesa, quase todas elas

    artesanais, o microscpio comea tambm a estudar a prata.

  • 13

    num deles o microscpio vai ao Ba representam os Ourives do Sculo XXI O

    Figura 16 A zona central da exposio mostra os cartazes Au I e Au II , Ourives do

    Sculo XXI , ladeando a mesa de trabalho. Estes cartazes so dedicados s jias de

    ouro com pedras preciosas. Do lado esquerdo, dispem-se quatro cartazes relativos

    prata, Ag I , Ag II , Ag III e Ag IV , no abrangidos por esta fotografia, mas includos na

    Figura 18 . Do lado direito, est colocado o cartaz das Antiguidades, O microscpio vai

    ao ba, Ba I, com fotomicrografias de antigas porcelanas, selos, medalhas, peas de

    bronze e de estanho.

    Figura 17 Aspectos incrveis da qumica dos metais revelados pela lupa ou

    microscpio estereoscpico: cristais de estanho obtidos por reaco redox de placas

    de zinco com cloreto estanoso, ampliados 20x. Vrias bolhas de hidrognio, uma

  • 14

    delas bem visvel, ao centro, mostra a existncia de reaces redox paralelas, tais

    como o ataque do zinco em meio cido, [4].

    Figura 18 Trs dos quatro cartazes que renem aspectos importantes da qumica

    da prata, Ag I, II, III e IV.

    A descoberta da prata portuguesa leva o microscpio aprendizagem dos seus

    processos de limpeza, ao estudo das marcas de contraste e sobretudo ao mundo da

    qumica deste elemento, com a observao da formao de lindos fractais de cristais

    por reaces redox. Estas reaces envolvem toda a srie electroqumica dos metais,

    sendo a prata formada por reaco do nitrato de prata com magnsio, zinco, chumbo

    mercrio e cobre. A composio de motivos decorativos a partir destas

    fotomicrografias e micropaisagens fantsticas permitem criar coleces de apetitosas

    T-shirts, individuais, tapetes de rato, quadros, capas decorativas para cadernos e toda

    uma parafernlia de artigos sofisticadamente decorados. Neste mundo de uma

    riqueza extraordinria, o microscpio e a lupa compem micropaisagens

    maravilhosas, como as que se encontram resumidas na Figura 19, com a qual

    finalizamos esta viagem.

  • 15

    Cartaz Final - The Hidden Beauty of Chemical Reactions. O microscpio deixa-

    se fascinar pela Microscopia Qumica: o estudo, fotografia e filmagem de reaces ao

    microscpio.

    Perante tanta beleza revelada num mundo fascinante at a desconhecido, o

    microscpio decide

    Ingressar no curso de Engenharia Qumica do Tcnico !!!

    Figura 19 - Micropaisagens de reaces qumicas e crescimento de cristais

    observados lupa estereoscpica.

  • 16

    Bibliografia

    [1] - Pginas Internet: http://web.ist.utl.pt/clementina (crescimento de cristais,

    microscopia e microscopia qumica).

    [2] - Clementina Teixeira, Vnia Andr, Slvia Chaves, Hermnio Diogo, Nuno

    Loureno, Filipe Menezes, gua Quase Tudo e Cloreto de Sdio: Purificao do

    Cloreto de Sdio, Qumica, Boletim da Sociedade Portuguesa de Qumica, 106, 18-

    29, 2007.

    [3] - Clementina Teixeira, Mandei Vir os cidos, as Bases e os Sais: Aplicaes da

    Microscopia Qumica , Qumica, Boletim da Sociedade Portuguesa de Qumica, 107,

    18-29, 2007.

    [4] - Clementina Teixeira, Erik C. P. Benedicto, Microscopia Qumica, resultados no

    publicados.

    Ficha Tcnica

    Autora: Clementina Teixeira, Centro de Qumica Estrutural, Departamento de

    Engenharia Qumica e Biolgica, Av. Rovisco Pais, 1, 1049-001 Lisboa

    Email: [email protected] http://web.ist.utl.pt/clementina

    tlm : 965654342

    Projecto: Artesos do Sculo XXI, Cincia Viva CV 100-2009/432

    Para alm da autora colaboraram na exposio de Penamacor:

    Ilda Lopes, Biblioteca Municipal de Penamacor, organizao local.

    Sofia Morais, Biblioteca Municipal de Penamacor, atendimento ao pblico.

    Victor Gil, Cmara Municipal de Penamacor, elaborao do cartaz publicitrio.

    Erik C. P. Benedicto (estudo de reaces qumicas por microscopia qumica e

    fotografia), Maria da Conceio Oliveira (composio grfica de artigos estampados,

    T-shirts, individuais, estampas e aventais, fotografia e filmagem), Carlos Oliveira

    (filmagem e fotografia), Hermnio Diogo (fotografia), Mafalda Lancinha (microscopia),

    Marta Smith (microscopia), Instituto Superior Tcnico

  • 17

    Alice Silva, Ramiro e Leito Lda, Antiqurios, Av. Paris, 7 C-Loja - 1000-226 Lisboa ,

    cedncia de algumas jias, pratas e antiguidades.