Aula 1 Introdução Parasitologia

download Aula 1 Introdução Parasitologia

of 46

  • date post

    05-Nov-2015
  • Category

    Documents

  • view

    229
  • download

    0

Embed Size (px)

description

parasitologia clinica ligada a analises clinicas

Transcript of Aula 1 Introdução Parasitologia

Parasitologia Introduo

Parasitologia

o estudo dos organismos que vivem em ntimo e estreita dependncia de outros seres e que, quando tenham o homem como hospedeiro, podem causar doenas.

Luis Rey

Parasitologia

a cincia que tem por fim o estudo da morfologia e da biologia dos parasitos como fundamento para o conhecimento da patologia, do diagnstico, da teraputica, da epidemiologia e da profilaxia das doenas parasitrias.

Ruy Gomes de Moraes

IMPORTNCIA DO ESTUDO DE

PARASITOLOGIA

Doenas freqentes na populao mundial

Segundo OMS:

980 milhes de pessoas esto parasitadas pelo Ascaris lumbricoides

200 milhes pelo Schistosoma mansoni

116 milhes pelo Trypanosoma cruzi

Brasil (Rhodia) - Parasitoses intestinais: Crianas parasitadas 55,3%

Crianas poliparasitadas 51%

IMPORTNCIA DO ESTUDO DE

PARASITOLOGIA

Pode levar morte sbita ou incapacitar p/ o trabalho

Ex: Doena de Chagas

Parasitose + m nutrio

1. Deficincia no aprendizado

2. Deficincia no desenvolvimento fsico

3. Incapacidade para o trabalho

Tipos de relaes entre seres vivos

Intra-especficas - seres da mesma espcie

Interespecficas - seres de espcies distintas.

Harmnicas ou positivas quando h benefcio mtuo ou ausncia de prejuzo mtuo

Desarmnicas ou negativas quando h prejuzo para algum dos participantes

HARMNICAS

Comensalismo: uma obtm vantagens (hspede) sem prejuzos para o outro (hospedeiro)

Mutualismo: ambas so beneficiadas

Simbiose: troca de vantagens

DESARMNICA

Competio: lutam pelo mesmo alimento ou abrigo

Canibalismo: um animal se alimenta de outro da

mesma espcie

Predatismo: um animal se alimenta de outra espcie

Parasitismo: unilateralidade de benefcios ( hospedeiro espoliado pelo parasito)

Parasitismo

Forma de relao desarmnica que caracteriza a espcie que se instala no corpo de outra, dela retirando matria para a sua nutrio e causando-lhe, em conseqncia, danos cuja gravidade pode ser muito varivel, desde pequenos distrbios at a prpria morte do indivduo parasitado.

PARASITO:

Ser vivo que vive associado a outro ser vivo, sempre dependendo deste para seu abrigo, alimentao e reproduo.

Considerado o organismo agressor.

HOSPEDEIRO:

Organismo que abriga o parasita.

Organismo agredido.

PARASITOS PODEM SER

CLASSIFICADOS:

Ectoparasitas: vivem externamente no corpo do

hospedeiro. Ex: pulgas, piolhos, carrapatos

Endoparasitas: vivem internamente no corpo do

hospedeiro. Ex: bactrias, vrus, helmintos, protozorios

Hemoparasita: vivem na corrente sangunea.

Ex: gnero Plasmodium (malria)

Enteroparasita: vivem no intestino

Ex: Ascaris lumbricoides

Cada espcie de parasito tem seu prprio hospedeiro

Parasitos Estenoxenos: s podem infectar uma ou poucas espcies muito prximas.

Parasitos Eurixenos: podem viver em uma grande variedade de espcies.

Parasito Facultativo: vivem parasitando ou no um hospedeiro.

Moscas Sarcophagidae que se desenvolvem tanto em feridas necrosadas, quanto em matrias orgnicas em decomposio.

Parasito Obrigatrio: no consegue viver fora do hospedeiro (vrus )

Parasito Acidental: acidentalmente vive em um hospedeiro que no o de costume.

Dipylidium caninum comumente encontrado em ces parasitando uma criana.

CONCEITOS PARASITOLGICOS

Habitat onde o parasito vive (rgo ou tecido do corpo onde tem predileo).

Hospedeiro Organismo que alberga o parasito

Hospedeiro definitivo o que apresenta o parasito na fase adulta ou em atividade sexual.

Hospedeiro intermedirio o que apresenta o parasito em fases imaturas ou assexuada

Hospedeiro paratnico ou de transporte o hospedeiro intermedirio no qual o parasito no sofre desenvolvimento ou reproduo, mas permanece vivel at atingir o hospedeiro definitivo.

CONCEITOS PARASITOLGICOS

VETOR Artrpode, molusco ou outro veculo que transmite o parasito entre dois hospedeiros.

VETOR BIOLGICO Alm de ser transmitido, o parasito tambm se reproduz ou se desenvolve no vetor.

VETOR MECNICO aquele que s transmite o parasito (no se reproduz nem se desenvolve no vetor). Ex: Tunga penetrans veiculando esporos de fungos.

VETOR INANIMADO OU FMITE Quando o parasito transportado por objetos (lenos, seringas, espculos, talheres, etc).

Parasitismo e Doena Parasitria

a) Parasitismo sem manifestaes clnicas ou assintomtico

b) Parasitismo com manifestaes clnicas ou sintomtico, revelando doena parasitria

DOENA PARASITARIA

Luta parasito-hospedeiro

1. Mecanismo de agresso do parasito

2. Meios de defesa do hospedeiro

Fp > Fh = doente

Fp < Fh = morte do agressor Fp = Fh = portador so

Fatores inerentes ao parasito

Nmero de exemplares

Capacidade de multiplicao dos parasitos no hospedeiro

Dimenses do parasito

Localizao no organismo

Virulncia

Associaes parasitrias

Fatores pertinentes ao hospedeiro

Idade

Imunidade

Alimentao

Doenas intercorrentes

Microbiota associada

Medicamentos usados

Usos e costumes

Tenso emocional

AO DOS PARASITOS SOBRE O

HOSPEDEIRO

Doena parasitria:

um acidente que ocorre em conseqncia de um desequilbrio entre hospedeiro e o parasito

O grau de intensidade da doena parasitria depende de vrios fatores:

N de formas infectantes presentes

Virulncia da cepa

Idade e o estado nutricional do hospedeiro

Os rgos atingidos

Grau da resposta imune ou inflamatria desencadeada

Intercorrncia de outras doenas

AO DOS PARASITOS SOBRE OHOSPEDEIRO

AO EXPOLIADORA

AO TXICA

AO MECNICA

AO TRAUMTICA

AO IRRITATIVA

traumticas.

Medidas preventivas

1. Preveno primria: procura impedir que o indivduo adoea, controlando os fatores de risco

Moradia adequada

Saneamento ambiental

Tratamento de gua, esgoto e coleta de lixo

Educao

Alimentao adequada

reas de lazer

Especficos: imunizao, equipamento de segurana, uso de camisinha, proteo contra acidente

Controle de vetores

2. Preveno secundria: medidas aplicveis aos indivduos que se encontra sob a ao do agente patognico

Impedir que a doena se desenvolva para estgios mais graves, que deixem seqelas ou provoque morte

1. Diagnstico

2. Tratamento precoce

3. Preveno terciria: preveno da incapacidade atravs de medidas destinadas reabilitao

Aplicadas na fase em que esteja ocorrendo ou que j tenha ocorrido a doena

Inclui a reabilitao (impedir a incapacidade total)

1. Fisioterapia,

2. Terapia ocupacional

3. Cirurgias de reparo

4. Colocao de prteses

Exemplo: implante de marcapasso em pacientes com doena de Chagas