aulas de voleibol

Click here to load reader

  • date post

    04-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    707
  • download

    74

Embed Size (px)

Transcript of aulas de voleibol

2

Histrico e Organizao do Voleibol:

Criado em 1895 por Willian G. Morgan em Holyoke, Massachusetts nos EUA. O 1. nome foi Minonette, em seguida passou a ser chamado de volley ball. Em 1947 foi criada a FIVB (Fed. Internacional de Volley Ball. No Brasil, 1915 em Pernambuco e 1916(17) em So Paulo. Em 1954, foi criada a CBV (Confederao Brasileira de Voleibol). Em 1975, Carlos Arthur Nuzman assumiu a presidncia da CBV (a grande virada); A CBV no trinio de 97-99, recebeu da FIVB o prmio A mais bem sucedida Federao Nacional do Mundo No ano de 2001 o Voleibol Brasileiro obteve a melhor performance esportiva de um pas em todos os tempos. Atualmente o Brasil possui o campeonato mais forte do mundo a Super Liga, e o maior campeonato de clubes, a Liga Nacional. Orgos de direo: FIVB (Fed. Internacional de Voleibol) Congresso 2 em 2 anos (avaliao e eleio); Comisses : (Organizao Esportivas, Arbitragem, Regras do Jogo, Treinadores, Mdicas) CBV (Conf. Brasileira de Voleibol) ( www.cbv.com.br ) FCV (www.voleibol-sc.com.br) Clubes filiados. Voleibol Masculino: Participaes em campeonatos : -Copa do Mundo:2003-Campeo-Japo - Word Grand Champions (4 edies): Japo - 93(2.), 97(1.), 2001(2.), 2005(1.); - Liga Mundial (desde 1990), Pentacampeo (93, 2001,03,04,05); - Copa Amrica (5 edies), Campeo (98,99,2001) e Vice (2000 e 2005); -Campeonato Mundial: 2002 Campeo; - Sul-Americano: 25 ttulos em 26 edies; - Pan-Americano: Campeo em 63-83; -Olimpadas: 1984 (prata nos EUA); 1992 (Ouro na Espanha) e em 2004 (Ouro na Grcia).

2

3

Voleibol Feminino: Participaes em campeonatos : - Sul-Americano: (14 ttulos, os ltimos 6 consecutivos); - Pan-Americano: (Tri-campeo, 59,63 e 99); - Copa do Mundo: (95-93: Vice Campeo e em 1999 - 3. lugar); - Word Grand Champions : 2005 no Japo o Brasil foi Campeo; - Motreux Volley Mster (BCV Cup): Bi-campeo (95 e 2005); - Word Grand Prix: (Penta Campeo: 94, 96, 98, 2004, 2005); - Olimpadas : (1996 e 2000 medalhas de bronze e 2004 - 4. lugar); Volei de Praia: Circuito Mundial de Volei de Praia Feminino: (resultados de 1992 - 2004 (13 anos) o Brasil conquistou 11 ttulos); Circuito Mundial de Volei de Praia Masculino: (resultados de 1987 - 2004 (18 anos) o Brasil conquistou 10 ttulos, o primeiro em 93); Olimpadas: 1996 - Atlanta, medalha de ouro Jaqueline/Sandra e prata Adriana/Monica; 2000 - Sydney , duas medalhas de prata (Z Marco/Emanuel e Shelda /Adriana), uma de bronze (Adriana/Sandra); 2004, ouro (Ricardo/Emanuel) e prata (Adriana/Schelda). Medalhas Olmpicas: Voleibol Masculino : 3 medalhas ( 2 de ouro e uma de prata); Voleibol Feminino : 2 medalhas de bronze; Volei de Praia Feminino: 5 medalhas (1 de ouro, 3 de prata e 1 de bronze); Volei de Praia Masculino: 2 medalhas ( 1 de ouro e 1 de prata).

3

4

1-

CARACTERSTICAS DO VOLEIBOL:

um jogo disputado em um campo dividido em duas metades, separado por uma rede ao centro do campo; No existe um contato direto entre os jogadores; Envio da bola sobre a rede utilizando no mximo trs toques, no permitindo que a mesma toque o solo; Forma de pontuao, todo o rali revertido em ponto para uma das equipes; O jogo no tem uma durao regular; Na execuo de cada toque, no permitido segurar ou conduzir a bola; A ttica est determinada atravs de regras (Correspondncias e posies definidas, obedecendo um rodzio ); 3 - PROCESSOS PEDAGGICOS DO VOLEIBOL: Ensinando voleibol : PROFESSOR TEORIA PRTICA ALUNO

- Todo professor deve trabalhar o contedo em questo, em cima de dados com suporte e justificativa cientficas. Desta maneira o professor ter segurana em sua abordagem prtica, sabendo que existe uma fundamentao terica, indo de encontro s necessidades e anseios do personagem principal do processo, o aluno. INSTRUMENTOS DE APRENDIZAGEM OBEJTIVO PRINCIPAL DO APRENDIZADO VOLEIBOL FUNDAMENTOS JOGAR

- Quando iniciamos um trabalho de aprendizagem no voleibol, necessrio ter a conscincia de que vamos ensinar os fundamentos com o objetivo principal de jogar voleibol. O aprendizado de um fundamento no o fim, mas um instrumento do voleibol.

4

5

ANDAR, CORRER, SALTAR

HABILIDADES MOTORAS NATURAIS

FUNDAMENTOS DO VOLEIBOL HABILIDADES MOTORAS ESPECFICAS - Os fundamentos do voleibol so habilidades motoras especficas (so movimentos musculares realizados com objetivos definidos). Para encontrarmos um rumo em nosso processo pedaggico, somos levados a ir de encontro a um processo metodolgico que nos assegure uma melhora constante no aprendizado dos nossos alunos. PROCESSO METODOLGICO: (composto por 5 etapas) 1. 2. 3. 4. 5. Apresentao da habilidade motora; Seqncia pedaggica; Exerccios educativos e/ou formativos; Automatizao; Aplicao.

1. APRESENTAO DA HABILIDADE MOTORA: - Primeiro contato do aluno com o fundamento que ele ir aprender; - O Professor dever mostrar o fundamento que ser ensinado, a tcnica de execuo, qual a sua utilidade dentro do jogo e, principalmente, por que importante aprender a executar com perfeio. 2. SEQNCIA PEDAGGICA: uma estratgia metodolgica, que privilegia as vantagens das partes (detalhes). De acordo com Stallings (1973): a cada estgio sucessivo da habilidade motora, a nova habilidade construda sobre as aprendizagens anteriores. o aprendizado das habilidades motoras atravs dos seus fragmentos, at que a soma dos fragmentos defina a habilidade motora por completa. (Ex.5

6

Corrente, A FORA DE UMA CORRENTE NO EST NO ELO MAIS FORTE, MAS SIM NO MAIS FRACO, POR ISSO PRECISAMOS FAZER COM QUE AS PARTES SEJAM TODAS MUITO BEM DESENVOLVIDAS )

3. EXERCCIOS EDUCATIVOS E /OU FORMATIVOS: Exerccios educativos visam a correo do gesto tcnico (erro da mecnica do movimento); Exerccios formativos visam a correo do gesto tcnico, causada pela inadequada formao fsica ou das qualidades fsicas do executante. 4. AUTOMATIZAO: Por mais complexa que seja a estruturao da mecnica de um movimento, uma vez retida, ela passa a ser natural para essa pessoa, que conseguir uma execuo automatizada, harmoniosa e com uma perfeita sinergia funcional. Para se atingir a automatizao, o professor dever escolher exerccios no qual a repetio possa ser feita o mais prximo o possvel do comportamento esperado. 5. APLICAO: 5.1 - Exerccios em forma de jogo : exerccios que se aproximem das situaes de jogo. Poder ser realizado em pequenos ou grandes grupos ; 5.2 - Jogo adaptado : exerccios que simulam uma situao real de jogo; 5.3 - Jogo : Os alunos devero jogar com a mecnica normal do esporte e com as regras que forem possveis. (Na realizao destes jogos, utilizam-se apenas os fundamentos adquiridos. A associao progressiva dos fundamentos que far com que a criana se adapte a mecnica de jogo, de forma motivadora e alegre.6

7

Esta etapa far com que a criana jogue, que seu objetivo, desde a fase de aprendizagem. Ainda dentro dos processos pedaggicos do voleibol, ns podemos destacar a ordem dos ensinamentos dos fundamentos.

A ORDENAO VOLEIBOL:

DO

ENSINO

DOS

FUNDAMENTOS

DO

Existem vrias maneiras de se iniciar o ensino dos fundamentos, cabe ao professor optar por aquela que lhe d maior segurana. Apresentao de uma ordenao do ensino dos fundamentos do voleibol: Seqncia das habilidades motoras (fundamentos) : 1 Posio 2Bsica Movimentao 6 Saque por Cima 9- Defesa em p 3- Toque GRUPO - 1 7- Cortada GRUPO - 2 10- Mergulho GRUPO - 3 8- Bloqueio 11- Rolamento 4- Manchete 5- Saque por Baixo

ENSINAMENTO DOS SISTEMAS DE JOGO: Estratgias de Ensino: - Jogos Reduzidos: (1x1,2x2, 3x3, 4x4) - Jogos 6x6, utilizando desde o sistema mais simples o 6x0, at o mais complexo 5x1. - Respeitar a idade e as habilidades dos alunos; - Neste momento, dever ser desenvolvido o aprendizado das regras do voleibol.

7

8

MINI VOLEIBOL (JOGOS REDUZIDOS) Caractersticas: - Jogo criado para atender as necessidades das crianas; - Segue basicamente as regras do jogo de voleibol normal; - Deve-se seguir uma seqncia evolutiva quanto ao nmero de participantes, 1x1, 2x2, 3x3, 4x4 at atingir o 6x6; (Variaes) - As dimenses da quadra no precisam seguir um padro, mas variam de 4,5m x 12m (mais utilizada para 3x3) a 6mx12m, de acordo com o nmero de jogadores; - O mini voleibol pode ser trabalhado com crianas entre 7 a 12 anos, com material especfico e respeitando o interesse dos iniciantes; - O mini voleibol foi criado para ser jogado com 3 participantes em cada lado e dois substitutos, que devero obedecer uma seqncia de rodzio e posies de ataque e defesa; - A altura da rede varia de acordo com a idade, iniciantes recomenda-se uma altura de 1,90m a 2,10m. - O Jogador da posio 1ser o sacador no podendo efetuar a cortada , o jogador da P2, ser o levantador e o jogador da P3 ser o atacante, tanto o jogador da P2 e P3 poder bloquear.

3 1 28

1 - Jogador de defesa 2 - Levantador

9

3 - Atacante Armao para recepo de saque:2

3 L A

1

2- Levant. 3- Atac.

31

2

2 ou 32 ou 3-

C/2 jogadores

C/3 jogadores

Armao para defesa: a) s/bloqueio2

2

3 1no h cortada

31 cortada forte

2c. fraca

3

1

9

10

b) com bloqueio simples e cobertura:2 2

3 1

ou3

1

Cortada forte

c. fraca ou largada

Armao para ataque e cobertura: sem bloqueio32 1

com bloqueio3 2 1

2-levant. 3- atacant.

2- L 3- A

1e2- cobertura de ataque

10

11

O MINI-VOLEIBOL ATRAVS DA METODOLOGIA QUE DEVER SER UTILIZADA CONTRIBUI PARA A FORMAO INTEGRAL DA CRIANA. 1-RESPEITA AS FASES DO DESENVOLVIMENTO MOTOR, 2RESPEITA AS APRENDIZAGEM PESSOAL GRADATIVA CONTNUA DINMICA COMPOSTA CUMULATIVA INTEGRATIVA Teoria dos Gestos Fundamentais Baseado na anlise das situaes de jogo, aes individuais, temos a seguinte classificao geral: 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. As Posturas e as Movimentaes Os Saques As Recepes Os Levantamentos As Cortadas Os Bloqueios As Defesas CARACTERSTICAS GERAIS DA

Fundamentos que se caracterizam como PRINCPIOS DE ATAQUE, so: Os Saques Os Levantamentos As Cortadas Fundamentos que se caracterizam como PRINCPIOS DE DEFESA, so: As Recepes Os Bloqueios

11

12

As Defesas Em cada uma destas aes individuais se faz necessrio uma prvia e adequada POSTURA E MOVIMENTAO. POSTURAS BSICAS

-

Tambm denominadas de POSIES FUNDAMENTAIS. Definem-se de acordo com a posio das pernas e dos braos, em relao direta com a trajetria da bola.

TIPOS:

-

ALTA : Prevendo uma possvel utilizao do bloqueio. MDIA: Emprega-se antes da recepo do saque. BAIXA: Utiliza-se antes das defesas. AS MOVIMENTAES

As movimentaes no terreno de jogo so classificadas em funo do trabalho dos ps. Elas podem ser utilizadas como deslocamentos do jogador, tanto para a bola, como para uma posio da quadra. TIPOS: 1- PASSO SIMPLES utilizado normalmente no andar. Ele usado: para curtas distncias; em todas as direes (frente, trs e lateral); quando a bola no est em jogo.

2 OS DESLOCAMENTOS servem para as trocas de posies na quadra, sem mudar a postura do jogador, alta e mdia. 3- PASSO CRUZADO pode ser executado para percorrer distncias maiores. 4- O SALTO pode ser executado sem um deslocamento prvio, ou com a utilizao deste, para alcanar bolas altas ou muito distantes.

12

13

5- A CORRIDA deve ser usada com passos pequenos e rpidos com a finalidade de cobrir distncias maiores.

TOQUE DE BOLA POR CIMA: O toque de bola por cima o fundamento mais caracterstico do jogo de voleibol e responsvel, na maioria das vezes, pela preparao do ataque, ou seja, pelo levantamento. Hoje muito utilizado tambm na recepo, principalmente nas categorias inferiores, aonde o saque ainda no apresenta uma potncia muito grande e tambm utilizado pelas categorias adultas em situaes de recepo saques curtos (geralmente nos jogadores de meio) e saques longos com pouca potncia. O toque de bola por cima apresenta 3 etapas distintas: 1 - Entrada sob a bola: nessa fase inicial, as pernas e os braos devem estar semiflexionados, com a bola acima da cabea. As pernas, alm de semiflexionadas, devem estar com um afastamento lateral da largura aproximada dos ombros e um p ligeiramente frente do outro. O tronco deve estar levemente inclinado para frente. O cotovelo deve estar um pouco acima da altura dos ombros. As mos devem estar com os dedos quase que totalmente estendidos, mas de uma forma arredondada para melhor acomodar a curvatura da bola. 2 Execuo: quando for dado o toque na bola, todo o corpo participa. O contato ser sutil, com a parte interna dos dedos e uma pequena flexo dos punhos. Braos e pernas devero se estender, provocando uma transferncia do peso do corpo sobre a perna de trs para a frente. 3 Trmino do movimento: o corpo terminar todo estendido. O direcionamento e trajetria da bola so resultantes do ngulo final da extenso dos braos. O toque por cima envolve as seguintes capacidades fsicas: - Agilidade; coordenao dinmica geral; velocidade de reao; coordenao visomotora; fora isomtrica de membros inferiores, membros superiores, punhos, dedos e cintura escapular; flexibilidade de punhos e dedos; equilbrio esttico, dinmico e recuperado; flexibilidade abdominal e fora dorsal; e potncia de salto. Erros mais comuns:13

14

-

No se colocar sob a bola; No coordenar o movimento de braos e pernas; Posicionamento incorreto das mos; Posicionamento incorreto dos cotovelos; Falta de fora para enviar a bola.

MANCHETEA manchete o fundamento mais utilizado para a recepo de saques e para a defesa de bolas cortadas, pois o contato da bola se faz no antebrao, que uma regio que suporta melhor os fortes impactos. A manchete foi um dos ltimos fundamentos bsicos a entrar no voleibol, e isto aconteceu l por volta de 1962, e aps os Jogos Olmpicos de 1964 j era usada por quase todas as equipes. A recepo do saque uma das situaes que exigem maior preciso hoje em dia, pois a partir dela que se desenvolve as jogadas ofensivas. Hoje em dia equipes de alto nvel apresentam um ndice de 90 % de aproveitamento. A manchete envolve as seguintes capacidades fsicas: fora isotnica e isomtrica de membros inferiores, dorsal e cintura escapular; flexibilidade de punhos; equilbrio esttico, dinmico e recuperado. Etapas para realizao da manchete: 1) Entrada na bola: Antecipao da chegada da bola importante manter o corpo atrs da mesma; As pernas semiflexionadas, afastadas lateralmente e um p ligeiramente a frente do outro; Os braos estaro estendidos e unidos frente do corpo. Os dedos unidos de uma mo devem estar sobrepostos aos da outra, de forma que os polegares estendidos possam se tocar paralelamente.

2) Contato com a bola: O impacto da bola se d no antebrao e isso ser facilitado se os punhos estiverem bem estendidos, em direo ao solo; Para amortecer a bola, os ombros e os braos devem se projetar mais frente cedendo a medida que houver necessidade, de acordo com a distncia do objetivo de envio da bola e a velocidade que vier a mesma; Para conseguir o resultado inverso do anterior, devemos colocar os ombros mais para trs sem desfazer os braos e as mos e lev-los para encontrar a bola mais frente; As pernas tero uma participao fundamental para o xito do fundamento, podero auxiliar tanto no amortecimento como na impulso bola, harmonizando o movimento e no deixando que os braos o executem isoladamente.14

-

-

15

3) Trmino do movimento: O corpo deve terminar direcionado para onde foi jogada a bola. Os braos devero permanecer estendidos, a extenso ou flexo das pernas, ir depender das caractersticas do envio da bola.

Erros mais comuns: 12345Flexionar os braos; No flexionar as pernas; Tocar as mos na bola; Flexionar o tronco e no os joelhos; No coordenar os movimentos de braos com os de pernas.

SAQUE POR BAIXOO jogo de voleibol inicia-se com um saque, efetuado pelo jogador da posio 1, o qual dever estar atrs da linha de fundo, em qualquer lugar dos 9m de comprimento que ela possui. hoje um fundamento utilizados por crianas em idade de aprendizagem, pessoas sem muita habilidade ou praticantes que jogam voleibol por lazer e no tm condies de fora ou suporte articular para realizar saques mais potentes. O saque por baixo deve ser mantido principalmente na fase de iniciao da criana, at que esta desenvolva uma maturidade articular. Etapas de execuo:

1)

Fase preparatria: em p, de frente para a quadra adversria, o aluno dever se posicionar com o corpo levemente inclinado para frente, com as pernas em afastamento antero-posterior, a perna contrria do brao que ir sacar dever estar frente, com afastamento lateral igual a largura dos ombros. O peso do corpo dever estar recado sobre a perna de trs. A bola dever ser segura com a mo que no ir sacar, com o brao quase que totalmente estendido. O brao que golpear a bola dever estar estendido para trs. Execuo: a bola ser levemente lanada para cima, o brao de ataque dever ser trazido estendido em direo da mesma, este dever golpe-la com a mo espalmada, dedos unidos e a musculatura contrada, tornando a rea de impacto mais slida, facilitando o envio da bola. A perna que est atrs dever ser transferida naturalmente para a frente no momento do saque. A tcnica da mo ao golpear a bola, poder ser utilizada de vrias formas: Aberta (maior preciso), fechada (mais fora).

2)

15

16

3)

Trmino do movimento: com o golpe na bola, a transferncia da perna de trs para frente, este movimento dever ser aproveitado para o passo que introduzir o sacador na quadra de jogo, colocando-o em posio de jogo no tempo adequado.

Capacidades fsicas: coordenao dinmica geral; fora isomtrica de sustentao de tronco, membros inferiores, cintura escapular e punho; fora isotnica de cintura escapular, membros superiores, membros inferiores e tronco; e velocidade de deslocamento (retorno quadra). Principais erros: Lanar a bola com impreciso para ser sacada; Flexionar o brao; No utilizar o trabalho de pernas para sacar (transferncia do peso do corpo); No lanar o brao para frente, em direo ao seu objetivo.

SAQUE POR CIMA (TIPO TNIS)Existem duas verses do saque tipo tnis: O saque com rotao e o saque flutuante.

SAQUE COM ROTAO: Este saque possui tal nome devido rotao dada bola, pela flexo de punho que realizada no momento do golpe. O saque com rotao forte e procura dar bola o mximo de giros e potncia, aproveitando as correntes de ar para faz-la cair mais rapidamente. Leva vantagem em relao ao saque flutuante no fator tempo, uma vez que o passador adversrio, apesar de poder prever a trajetria da bola, s vezes no consegue reagir mesma. Este saque foi se aprimorando e veio se tornar um dos saques mais utilizados hoje em dia, o saque viagem ao fundo do mar, desta maneira batizado pelos brasileiros. Este surgiu no incio da dcada de 80, idealizado pelos atletas Willian e Renan. Etapas de execuo: a) Fase preparatria: em p, atrs da linha de fundo, de frente para a regio da quadra adversria para a qual o saque ser dirigido, segurando a bola com ambas as mos ou com a mo contrria a que ir bater; as pernas estaro com afastamento anteroposterior, ficando frente o p contrrio mo que dar o saque. b) Execuo: o lanamento da bola ser acima da cabea (mais ou menos 1,50m) e um pouco atrs da linha normal do tronco. Com o lanamento da bola para o alto, os braos so movimentados naturalmente para cima. O que vai golpear a bola faz um movimento passando por cima da linha do ombro, posicionando-se semiflexionado, na mxima amplitude escpulo-umeral. Quando a bola descer a uma altura

16

17

apropriada, ela ser golpeada com o brao de ataque bem estendido, ao mesmo tempo em que acontece uma rpida flexo do tronco. O peso do corpo, que estava apoiado na perna de trs, ser transferido rapidamente para a perna da frente. A mo que golpear a bola ir contorn-la , entrando em contato primeiro a parte inferior e depois a posterior, enquanto acontece a flexo do punho. c) Trmino do movimento: Aps a transferncia do peso do corpo da perna de trs para frente, h uma tendncia natural da perna de trs ser lanada para frente, que ser aproveitada para dar a primeira passada de retorno quadra. A bola viajar rodando sobre o seu prprio eixo, no sentido da flexo do punho.

SAQUE FLUTUANTE: Se difere do modelo anterior, quanto ao lanamento que ser frente da linha do tronco e mais baixo, o contato da mo na bola ocorre de forma espalmada e firme, no acontecendo a flexo mas sim uma hiperextenso do punho. Variaes quanto a dinmica do saque: - Quanto a fora a ser imprimida: Longo, mdio ou curto; - Quanto a trajetria da bola: alto ou rasante; - Em funo da distncia do sacador em relao a linha de fundo; - Em funo da direo: diagonal ou paralela (corredor).

A CORTADA:A cortada o fundamento do voleibol que finaliza a maioria das aes ofensivas e visa enviar, por meio de um forte golpe dado durante um salto, a bola de encontro ao solo da quadra adversria. A cortada em forma de ataque comeou a ser utilizada na Europa na dcada de 20. Nos anos 40, todo o bloco socialista atacava com a mo aberta os demais ainda o faziam com a mo fechada. At meados da dcada de 50 a maioria dos ataques eram efetuados pela posio 3 em bolas altas e meia-bola. A partir da as jogadas de ataque tornaram-se mais velozes e variadas, sobretudo nas equipes femininas. Foi a partir de 1972, com os japoneses que atuaram nos Jogos Olmpicos de Munique, que o voleibol assumiu a feio ofensiva atual. A criao do ataque de fundo veio logo em seguida, em 1976 apresentado pela Polnia. Devido a estas variaes, que provocaram diferenas biomecnicas, houve a necessidade de se especializar os atacantes. Ns como professores devemos ter um cuidado especial com este fundamento, pois o mais atraente aos olhos do praticante e entre todos, o que mais provoca leses devido a sobrecarga que exposto o aluno, tambm o fundamento que mais possui distores serem corrigidas no processo de aprendizagem, pois utilizado pelos alunos mesmo

17

18

antes de passar pelo processo pedaggico, utilizando-o em brincadeiras e jogos recreativos. Descrio Tcnica: Didaticamente descrevemos o ataque em trs fases: Fase de solo : Utilizaremos 3 passadas para a execuo do ataque. D-se uma passada na direo da bola (passada de orientao) em seguida, uma segunda (ajuste), finalizando com uma terceira de maior amplitude. Esta ltima proporciona o apoio inicial dos ps atravs dos calcanhares, deixando-os paralelos, antepostos e em boa base. Neste momento que antecede o salto, os joelhos encontram-se flexionados, tronco ligeiramente inclinado frente, e braos estendidos para trs. O p frente, no momento do salto, deve ser do lado contrrio da mo que golpear a bola. Fase area: Inicia-se com a transferncia do apoio dos calcanhares para a plantar e, em seguida, ponta dos ps; extenso dos joelhos e lanamento dos braos para cima. Quanto mais rpido acontecer maior a resultante vertical (impulso). Uma vez no ar, o corpo encontra-se com os ps e joelhos estendidos, quadris ligeiramente frente, tronco ereto e braos estendidos paralelamente acima da cabea (o corpo fica arqueado), as mos ficam espalmadas para frente e os dedos bem abertos. Para golpear a bola, lanase primeiro um dos braos na direo da mesma finalizando prximo ao abdmen; em seguida, o outro, procurando abordar a bola no seu ponto mais alto, estando a mesma frente do corpo do atacante. Simultaneamente ao movimento dos braos, o tronco movimenta-se para a frente projetando o quadril para trs; o corpo fica carpado. O contato com a bola dar-se- atravs da palma e dedos da mo que a golpeia, seguindo a trajetria e direo do brao e pulso. Fase de apoio: Ocorre quase o inverso do movimento de decolagem, tocando-se o solo com a ponta, plantar e calcanhares, seguido da flexo dos joelhos e ligeira inclinao do tronco frente. Erros mais comuns: 1- No coordenar as passadas, de acordo com o tipo de levantamento, entrando para o efetuar o ataque no tempo incorreto; 2- Fazer a ltima passada muito prxima da rede; 3- No flexionar o suficiente as pernas para realizar o salto; 4- No estender os braos para trs no momento que antecede o salto; 5- No elevar os braos pela frente do corpo na armada dos braos para cortar; 6- No aramar o cotovelo do brao de ataque atrs da linha do ombro, utilizando toda a amplitude escpulo-umeral; 7- Atacar com brao flexionado; 8- No realizar o movimento de flexo e extenso do corpo durante o salto (fase area); 9- Apoio direto da ponta dos ps durante o trabalho de salto (no utilizando a entrada com os calcanhares), provocando um desequilbrio acentuado do corpo para frente.

BLOQUEIO18

19

O bloqueio um fundamento de carter defensivo, tendo como principal objetivo interceptar a bola cortada pela equipe adversria, este fundamento passa a ser ofensivo quando consegue enviar a bola contra o solo da equipe oponente. O bloqueio sofreu vrias modificaes ao longo da evoluo das regras do voleibol, por sempre ser um fundamento que est em desvantagem ao fundamento de ataque. Devido a esta situao a partir de 1938 ficou liberado o bloqueio duplo, mesmo assim o bloqueio continuava em desvantagem, a partir de 1947 aps a criao da Comisso das Leis de Jogo pela FIVB, foi permitido o bloqueio coletivo total, e para equilibrar ainda mais esta disputa, em 1964 foi permitido ao bloqueio a invaso do espao areo do adversrio e a recuperao da bola bloqueada em um segundo toque. Mesmo assim o percentual de bolas bloqueadas ou amortecidas fica em torno de 15%.

Tipos de Bloqueios:-

-

Bloqueio Defensivo: utilizado por jogadores que possuem um alcance inferior ao do atacante, as palmas das mos so voltadas para cima e no invadem a quadra adversria e tem como principal funo amortecer o ataque adversrio, facilitando assim a recuperao da bola pela sua equipe. Bloqueio Ofensivo: utilizado por jogadores que possuem um alcance superior ao do ataque adversrio, as palmas das mos direcionadas para baixo invadem a quadra adversria e tem como principal funo interceptar e enviar a bola ao solo da equipe oponente.

Quanto ao nmero de participantes: Individual ou simples (um jogador); Duplo (dois jogadores); Triplo (trs jogadores).

Quanto a movimentao (tipos de passadas): Passada lateral , deve ser utilizada em deslocamentos curtos; Passada cruzada, deve ser utilizada em deslocamentos longos, neste caso o grau de dificuldade bem maior, pois o jogador ter que efetuar um giro no momento do salto para efetuar a marcao de frente para o ataque adversrio ; Passada mista, o jogador efetua o primeiro passo cruzando a passada e o segundo utilizando a passada lateral, desta forma facilitar ao jogador quanto a entrada de frente para a marcao do ataque adversrio, deve ser utilizada em deslocamentos longos.

-

Fases do Bloqueio: a) Fase Preparatria: em posio de expectativa, o jogador dever estar com as pernas semi flexionadas, pernas em afastamento lateral aproximadamente da largura do ombro, os braos estaro semi - flexionados , com as mos na altura e a frente dos19

20

ombros (quando for para marcao de bolas curtas e de velocidade os braos devero estar estendidos), o corpo deve estar ereto e o bloqueador no dever perder de vista nem a bola nem o adversrio. b) Execuo: aps fazer a anlise do tipo de levantamento e caractersticas do atacante o bloqueador dever executar o salto, estendendo as pernas e os braos simultaneamente em direo a bola, durante o salto o jogador dever projetar o quadril um pouco para trs, por questes de equilbrio (no deve se acentuar este movimento, seno o bloqueador perder alcance). c) Queda : a queda deve ser feita de forma equilibrada e sobre as duas pernas, neste momento acontecer o amortecimento com a flexo das mesmas, a seguir o jogador dever efetuar um giro para o lado em que a bola se dirigiu quando ela no foi retida, para que o mesmo no perca a ateno e possa dar continuidade a seqncia do jogo. A funo do bloqueio interceptar os ataques adversrios protegendo uma rea de sua quadra, as bolas que passarem por ele so de responsabilidade da defesa. Principais erros dos bloqueadores: Uma grande abertura entre os braos; Sobrepasso antes do salto; Falta de equillibrio; Abaixar o tronco no momento do salto; Palmas das mos voltadas uma para outra; Saltar para depois invadir (sobre a rede); Primeira passada do deslocamento feita para trs.

DEFESA:A defesa toda ao que visa impedir o sucesso do ataque adversrio. Aplicaes das defesas: em defesas de ataques nas coberturas de bloqueio nas protees ao ataque nas recepes de saques fortes (saque viagem)

Qualidades para defender bem: capacidade de prever a direo da bola; velocidade de reao; tcnica individual, domnio de tipos de defesa; fora isomtrica e isotnica de membros inferiores e superiores, para suportar a postura defensiva; concentrao equilbrio esttico dinmico e recuperado; vontade e coragem.

20

21

Tcnica de defesa: postura fundamental de expectativa; deslocamentos e colocao; execuo (contato com a bola).

Tipos de defesa: defesa em p, utilizando a manchete; manchete inversa; com as mos espalmadas acima da cabea; com uma das mos (acima ou abaixo); com os ps; rolamentos (sobre o ombro e sobre as costas); mergulho frontal e lateral (peixinho).

21