BD Corporativo

Click here to load reader

  • date post

    06-Dec-2015
  • Category

    Documents

  • view

    8
  • download

    0

Embed Size (px)

description

Banco de dados corporativo

Transcript of BD Corporativo

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados 1

    INTRODUOBanco de dados um conjunto de informaes relacionadas entre si, sobre um determinado

    assunto ou entidade que armazenado por meio magntico.A principal finalidade da criao dos bancos o armazenamento organizado das informaes de

    uma organizao, visando a otimizao dos sistemas facilitando entrada de dados, alteraes, consultas,formulrios, e o uso adequado destas informaes para que a organizao tenha em banco de dadosadequado.

    No decorrer do processo de aperfeioamento foi surgindo a necessidade de novos tipos debancos para suprimento das necessidades das empresas e maior eficcia no processo de armazenamentode informaes. Foram surgindo assim modelos de banco de dados como: corporativo, distribudo,rede, hierrquico, relacional e datawarehouse.

    Cada um desses modelos de banco de dados que veremos a seguir possuem suas finalidades e

    caractersticas prprias. Os modelos de banco de dados foram criados para que houvesse maiorinterao das organizaes com os sistemas informatizados, trazendo mais segurana, rapidez,confiabilidade nas informaes obtidas, e maior qualidade nos projetos desenvolvidos.

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados 2

    MODELO DE BANCO DE DADOS CORPORATIVODefinimos como banco de dados corporativo o armazenamento de todos os arquivos e

    informaes de uma empresa agrupados de uma forma que seja possvel consulta-los com uma maiorexatido e rapidez de qualquer parte da empresa.

    O banco de dados corporativos no uma mudana nas caractersticas fundamentais de umbanco de dados, mas sim a disponibilidade de novas tecnologias para o seu acesso e armazenamento,ele vai alem das fronteiras de um banco de dados, aonde aperfeioado o acesso aos dados atravs deuma melhoria nas tecnologias de processamento com componentes mais rpidos, terminais remotos,alem da aceitao cada vez maior de operaes compartilhadas, ou seja, os dados podem sergerenciados como um recurso.

    Esses dados podem ser considerados recursos porque uma mesma informao ou dado possuemuma durao e sua importncia e pode ser requisitado ou necessrio para vrias partes da empresa, comisso se torna importante gerencia-los, sendo o nico recurso que mantm a pista dos demais.

    O banco de dados corporativo gerenciado por um departamento cuja atribuies, em geral tema responsabilidade pelo banco de dados que inclui segurana, projeto, desempenho e publicidade. Alemde proporcionar muito mais que arquivos simples, comuns, do passado. Organizado de modo adequadoele pode oferecer :

    & Acesso rpido e aleatrio aos dados;& Acesso dos executivos gama inteira de informaes sobre a empresa;& Referencias cruzada e compatibilizao de informaes;& Funes interdepartamentais automatizadas;& Prognsticos e estimativas de projees, baseados na histria e em fatos esperados.

    Alm de proporcionar a uma empresa vantagens como:& Reduo de custo;& Boa vontade do cliente;& Menos erros;& Maior vigor no controle executivo;& Melhor planejamento.

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados 3

    BANCO DE DADOS CORPORATIVO COMO FERRAMENTALotus Notes

    Conceitos BsicosTodas as aplicaes da ferramenta Notes so desenvolvidas atravs de um banco de dados do

    tipo corporativo, no Notes, um banco de dados qualquer estrutura que contenha informaes , quepode se localizar em seu micro particular ou em qualquer outro ponto da rede ou estando amplamentedisponvel para todos que estejam usando o servidor. Quando criado um novo banco de dados podemosajustalo e disponibiliza-lo para utilizar qualquer tipo de informaes nele contida.

    No Notes podemos consultar e visualizar documentos ou informaes com um formato fcil eprprio, alem de ajustar e personalizar essas visualizaes fazendo com que ele utilize todas asinformaes desejadas. Facilitar a manuteno e atualizao dos arquivos nele existente, listando todosos documentos dando a alternativa de atualizar, incluir ou remover qualquer tipo de informao.

    O Notes armazena informaes em documentos e esses documentos so formados por camposespecficos em um formulrio, sendo este uma tela personalizvel e a base de todo o documento, algunsdestes formulrios -como em qualquer outro banco de dados - possui campos textos, datas, nmeros eitens em formato RTF (grficos e outros), que necessitam palavras especificas ou nomes de usurios.Esses podem conter quaisquer combinaes de grficos, textos e informaes digitadas pelo usurio.

    QUE SE PODE FAZER COM LOTUS NOTESEle um produto muito flexvel pode suportar plataformas mltiplas, representar um verdadeiro

    sistema de gerenciamento de documentos.

    Podemos utilizar o Notes para reduzir o manuseio de papeis no escritrio, automatizar projetosde fluxos de trabalho, acompanhar e discutir assuntos. Alem de incluir sistemas de controle de estoque,arquivos de bibliotecas e aplicaes gerenciais

    CARACTERSTICAS& Multiplataforma

    Notes pode ser executado em diversas plataformas,como exemplo, em microcomputadoresMacintosh, ambiente Windows e sistemas operacionais UNIS e OS/2 ao mesmo tempo. Quando acessado as informaes o Notes tem a necessidade de ter uma maquina servidora para manter e

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados 4

    organizar as informaes, acompanhar a segurana e o privilgios de acesso, compartilhar informaesentre todos os usurios e encaminhar documentos, arquivos e informaes.& Bancos de Dados

    Usando o Notes podemos armazenar informaes, tpicos de discusses, arquivos e mensagensem formato tpico de banco de dados. O Notes tambm permite importatar vrios tipos de dados e criarvisualizaes totalmente personalizadas para resumir e relatar todos os documentos no seu banco dedados, podendo assim importar qualquer tipo de planilha para o banco de dados alem de ter apossibilidade de envia-la pelo correio eletrnico para qualquer colega.

    Podemos tambm disponibilizar de informaes alocadas em diversos servidores espalhadospela empresa, ou seja se eu tenho um dado em minha mquina posso disponibilizar para toda a rede etoda e qualquer mudana que eu ou outra pessoa venha a fazer ser atualizado em todos os pontos darede.

    Os bancos de dados podem ser indexados, o que possibilita uma fcil consulta e d a alternativade pesquisar itens especficos atravs de grandes quantidades de dados de maneira rpida e de formatofcil. Voc tem a alternativa de deixar o Notes reindexar automaticamente os documentos sempre quenovas informaes sejam registradas mantendo atualizados.& NotesMail

    Ele possui um completo software de correio eletrnico embutido em seu sistema possibilitandoao seus usurios a emisso e o recebimentos de mensagens, arquivos, com caracteristicas demultimidias, video e de audio, e normais para qualquer outro usurio do NotesMail. Alem depossibilitar o encaminhamento de documentos e programas automaticamente, encontrando o caminhoindependente do tamanho ou porte da sua rede, tendo assim uma maior eficincia e exatido noencaminhamento das informaes.& Segurana

    Seu sistema de segurana rgido altamente integrado que limita o acesso de um numero depessoas que possam utilizar a rede ou determinados bancos de dados nele existente ou at mesmo partedele. Com isso ele d uma maior proteo aos seu dados evitando que qualquer pessoa no autorizadaacesse seus dados sem autorizao.

    CRIAO DE BANCO DE DADOS USANDO LOTUS NOTESO Lotus Notes constitudo principalmente de diversos bancos de dados. Se voc usar um

    banco de dados de caixa de correio ou de um sistema de desenvolvimento de projeto, todo banco dedados dependente de estrutura consistente de bancos de dados do Notes. Certos comandos funcionamem todos os bancos de dados do Notes, podendo assim abrir, fechar, remover e acrescentar todos eles

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados 5

    na sua rea de trabalho da mesma maneira. Essa consistncia torna fcil compartilhar bancos eaplicaes do Notes entre grupos e departamentos porque todos podem acess-los da mesma maneira.No entanto, cada banco de dados tem tambm suas prprias caractersticas.

    caracterstico de cada banco de dados possuir seu prprio conjunto de documentos, que vocpode compor, e visualizaes para ver essas informaes. Por exemplo, um banco de dados deendereos pode ter diferentes documentos para empresa, rgos governamentais e pessoas. Esse bancode dados pode ter uma configurao de visualizao distinta para cada tipo de documento e umavisualizao combinada que lista todos os endereos independentemente de tipo. Outro exemplopoderia ser um banco de dados de gerenciamento de projeto.

    A remoo de banco de dados fcil, pois a combinao de teclas para executar essa funo simples.

    Para se copiar bancos de dados importante que se faa uma cpia reserva , por segurana ecom o objetivo de facilitar o uso, porque assim se por um acaso acontecer algo de errado no seutrabalho, j tem-se uma cpia de segurana para evitar transtornos.

    Todas as aplicaes Notes consistem em um ou mais bancos de dados com funes especficas.Esses bancos de dados so desenvolvidos, um de cada vez e com muita cautela. O desenvolvimento denovos bancos de dados permite melhor adequao a interface Notes e seus diversos recursos. A criaode um banco de dados faz com que se veja o Notes sob a perspectiva do projeto.

    Uma etapa necessria na criao de um banco de dados o desenvolvimento de formulrios.Um formulrio o que voc usa para compor documentos para preencher o banco de dados. Quandovoc cria o formulrio, o Notes lhe d uma tela totalmente em branco para que voc a personalize.Voc poder adicionar todos os tipos de campos para armazenar nesse formulrio. Voc poderadicionar todos os tipos de campos para armazenar diferentes tipos de informaes. Os campos podemconter textos, datas, desenhos, nomes, tabelas, e grficos.

    Para criar uma visualizao, voc adiciona colunas que podem apresentar quase todos os tiposde campos de formulrio. Aps gravar sua visualizao, voc ter um banco de dados em condies detrabalho.

    O Notes tem uma linguagem de macros que lhe permite tirar proveito dos seus muitos recursose funes nos formulrios e visualizaes do banco de dados. O uso da linguagem de macros normalmente um trabalho mais avanado de projeto, mas voc dever estar ciente de suaspossibilidades.

    O ltimo passo para criao do banco de dados a verificao dos nveis de segurana dousurio. Pode-se incluir usurios, um de cada vez para dar certos tipos de acesso e determinadosusurios, ou poder estabelecer um nvel de segurana padro para todos os usurios ao acessaremaquele banco de dados. A segurana do Notes outro tpico complexo que somente comea com obanco de dados.

    MODELO DE BANCO DE DADOS DISTRIBUDO

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados 6

    A ligao de computadores situados em locais diferentes deu origem disciplina de redes decomputadores . Uma rede representada como um grafo em que os computadores esto nos modos e asarestas denotam as ligaes entre eles . A rede dita homognea se os computadores so do mesmotipo e heterognea no caso contrrio . Protocolos ( Regras que disciplinam a interconexo doscomputadores ) adequados devem ser desenvolvidos .

    As redes se tornam economicamente mais conveniente medida que cai o custo das maquinas ,embora o custo e as dificuldades de transmisso possam ser fatores limitares . Pode ser mais vantajosopara a empresa Ter uma rede de minicomputadores , localizando cada um junto a um grupo dedepartamento ou junto a cada filial , disso, vrias empresas podem ligar suas maquinas em rede ecompartilhar o uso da rede , obtendo uma maior capacidade de processamento.

    Isso representa a possibilidade de atingir um grau maior de descentralizao das atividades . Nocaso de banco de dados , comum que certas informaes:& sejam necessria apenas a um departamento.& devam ser rapidamente disponveis a esse departamento.

    E assim seria razovel que essas informaes fossem guardadas junto ao departamento . Dadescentralizao da guarda da informao decorre a noo de banco de dados distribudos . Combancos de dados distribudos , os arquivos ou parties de arquivos so localizados de modo a otimizarsua disponibilidade .

    Um banco de dados distribudo um conjunto de banco de dados armazenados em diferentesnodos de uma rede de computadores , sendo esses banco de dados correlacionados logicamente , sejapor relaes funcionais , seja porque so no todo ou em parte cpias mltiplas das mesmasinformaes , de modo a constituir em qualquer caso uma nica coleo de dados .

    O critrio de localizao dos dados influenciado pela estrutura de controle adotada na rede .Na estrutura hierrquica ( sistema hierarquicamente distribudo ) , os computadores executam tarefasque interagem de modo mais ou menos estruturado e controlado plos membros de mais alto nvel nahierarquia . Na estrutura simtrica ( sistema simetricamente distribudo ) , todos os computadorescooperam a um mesmo nvel lgico , embora relaes patro servo possa ser criadas dinamicamentena execuo de alguma tarefa.

    Com uma estrutura simtrica , a tendncia colocar junto a cada nodo os dados mais utilizadosno modo . Para dados utilizados com freqncia por dois ou mais nodos , pode se criar cpiasresidentes em cada um desses nodos .

    um problema difcil manter a consistncia entre as cpias quando ocorre uma atualizao nonodo . Para dados utilizados como freqncia por dois ou mais nodos , pode se criar cpias residentesem cada um desses nodos .

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados 7

    Com uma estrutura simtrica , a tendncia colocar junto a cada nodo os dados mais utilizadosno nodo. Para dados utilizados com freqncia por dois ou mais nodos , pode se criar cpiasresidentes em cada um desses nodos .

    E um problema difcil manter a consistncia entre as cpias quando ocorre uma atualizao emum nodo contendo uma das cpias . A atualizao deve atuar corretamente , independentemente davelocidade de transmisso dos dados ; o nodo que vai empreender a atualizao deve notificar a todosos demais que contenham cpias sua inteno de atualizar o dado , e, se houver algum conflito , estedeve ser resolvido nesse momento ( antes portanto das fases de bloqueio e da atualizaopropriamente dita ) ; com isso se procura inclusive evitar impasses .

    Uma utilidade especial das cpias surge na seguinte situao em que um nodo A precisa de umdado que existe em um nodo B . Se o computador em B no estiver ativo no momento , A pode recorrera algum outro nodo C que possua cpia do mesmo dado.

    De um modo geral , deve haver para os programas um tipo adicional de independncia quantoaos dados : o programa no deve precisar especificar o local em que esto os dados , dirigindo se aosistema como um todo , e deixando que a localizao dos dados seja feita automaticamente . Assimtambm a escolha da cpia em B ou C seria automtica.

    Para a execuo de uma transio envolvendo dados em diferentes nodos h dois mtodosbsicos :

    Os dados requeridos pelo modo solicitante so localizados e enviados a ele como parte da execuoda transao . Pode ocorrer que os dados estejam armazenados em formas diferentes em cada nodo enesse caso deve ser feita sua converso antes de serem transmitido .

    A transmisso decomposta em subtransaes , cada uma das quais ser executada em um snodo. O envio de dados de um nodo a outro ocorrer apenas quando se tiver de confrontar dados denodos diversos e quanto aos dados que sejam resposta a uma consulta .

    Os diretrios de dados tem uma importncia vital em qualquer modalidade de bancos de dadosdistribudos . Devero incluir a localizao dos arquivos , com o que inclusive se poder garantir aindependncia dos programas quanto a localizao sendo est feita pelo sistema por consulta aodiretrio de dados.

    O diretrio de dados pode ser mantidos em um nico nodo central ou ento em cada nodo ,criando se neste caso o problema de manter atualizadas as cpias do diretrio de dados . Uma soluointeressante manter em cada nodo um diretrio de dados com todas as informaes sobre os dadoslocais ( e talvez dos no locais de uso freqente ) e sobre os demais dados apenas a informao deonde se encontram denominado-se est parte do diretrio de dados catlogo de localizao switching catalog ) .

    A rea de bancos de dados distribudos ainda necessita de muita pesquisa em virtude de suanovidade e complexidade . Problemas como os de manter integridade , consistncia e segurana se

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados 8

    agravam ; a recuperao aps um erro se complica se atinge diversos nodos . Alem disso surgemproblemas novos como os envolvidos na execuo distribuda de transaes , converso de dados ,

    sincronizao de eventos nos nodos , e escolha de estratgicas globais que otimizam a manipulaolevando em conta maquinas e sistemas heterogneos.

    VANTAGENS DA DISTRIBUIO DE DADOSA principal vantagem de um sistema de banco de dados distribudo compartilhar e acessar

    dados de uma maneira segura e eficiente .

    DESVANTAGENS DA DISTRIBUIO DE DADOSA principal desvantagem do sistema de banco de dados distribudos o acrscimo de

    complexidade exigida para assegurar coordenao prpria entre os locais . Este aumento decomplexidade toma a forma de :

    & Custo de desenvolvimento de software mais difcil implementar um sistema de banco de dados distribudo e, consequentemente , muitomais caro.

    & Maior Potencial para erroUma vez que os locais que compem o sistema distribudo operam em paralelo , difcil manter a

    preciso de algoritmos . O potencial existe para erros extremamente sutis;& Aumento de overhead de processamento

    A troca de mensagens e a computao adicional exigida para se conseguir coordenao interlocal uma forma de overhead que no aparece nos sistemas centralizados .Obs: Ao escolher um projeto para um sistema do banco de dados , o projetista deve analisar asvantagens e desvantagens de distribuio de dados .

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados 9

    MODELO DE BANCO DE DADOS REDEVrios sistemas de gerenciamento de banco de dados se baseiam num modelo de rede comum

    mente conhecido como modelo CODASYL.CODASYL significa: Conferncia Sobre Linguagem de Sistemas de Dados (Conference on

    Data Sistems Languages).

    Uma rede , essencialmente um conjunto ilimitado de ns(tipos de registros neste caso) e deramais de ligao, ou bordas. Na verdade, uma hierarquia apenas um tipo particular de rede. Umarede no apresenta o conceito de n raiz e os registros podem ter diversos tipos de registros - pais,assim como diversos tipos de registros - filhos.

    Abaixo temos um modelo de um banco de dados em rede mostrando detalhadamente.

    Observe que utiliza-se uma seta simples para representar uma associao unvoca e logicamenteutiliza-se uma seta dupla para representar uma associao mltipla.

    Verifica-se que na figura acima um departamento possui diversos empregados e diversosescritrios e que, em cada escritrio, h vrios empregados lotados.Veja, no h sentido deraizembora se possa argumentar que o registro EMPREGADO tem dois pais.

    Um modelo de rede para um sistema de gerenciamento de dados compartilham funcionalmentede muitas semelhanas com o modelo hierrquico.As ocorrncias de registros so interligados porponteiros;Os ramais apresentam relacionamentos de um-para-muitos,os registroa especiais chamadosde registros de ligao, so usados com relacionamento um-para-muitos, para se implantarrelacionamentos de muitos-para-muitos e existe um dentido de estrutura fsica versos estrutura lgica(chamados esquemase subesquemas).Os registroa na rede so interligados do mesmo modo queo so os registros hierrquicos.

    DEPARTAMENTO

    EMPREGADO

    ESCRITRIO

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados10

    importante lembrar que ambos os sistemas-hierrquicos e de rede so chamados de sistemasde navegao j que os dois casos, os programadoresm precisam atravessar um conjunto de registrospr-articulados (pr-interligados).Sabe-se que esta pr-articulao representa um benefcio em termosde desempenho, embora seja restrita em termos da complexibilidade do processo do projeto e dasmodificaes posteriores ao projeto.

    MODELO DE BANCO DE DADOS HIERRQUICOA linguagem de dados da IBM CD/I-(DATA LANGUAGEM I) constitui um relevante

    exemplo de gerenciamento de banco de dados, cuja o mtodo utilizado o modelo Hierrquico. Ondeesta linguagem faz parte em banco de dados de seu sistema de gerenciamento de informaes (IMS-INFORMATION MANAGEMENT SYSTEM) e sistema de controle de informaes sobre o cliente(CICS-CUSTEMAR INFORMATION CONTROL SYSTEM).

    Descreve uma Hierarquia como um conjunto de registros interligados, isto , em cada um hum tipo de registro "PAIS", exceto a Raiz.

    Numa Hierarquia, o acesso aos dados utilizados atravs de segmento "Raiz", quando umcampo escolhido como campo - chave e os outros so baseados em ndice ou acesso aleatrio.

    BANCO DE DADOS HIERRQUICO

    DEPARTAMENTO

    EMPREGADO

    HABILITAO

    EQUIPAMENTO

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados11

    VALOR DOS DADOS NORMALIZADOSH duas formas importantes de dados normalizados.

    1. livre de redundncia , entre campos no chave2. sujeitos a possveis modificaes estruturais devidas a razes de desempenho, onde constitua o projeto final de um banco de dados.

    ESTRUTURAO DOS DADOSBANCO DE DADOS HIERRQUICOEm geral , ao se converter um conjunto de tabelas normalizadas em uma estrutura Hierrquica de

    dados, se transformam em ns, onde a apresentao de vrios ponteiros para articularem as ocorrnciasde tipos iguais e registros diferentes.

    MODIFICAO NO ACESSO E NO DESEMPENHOO projetista estuda uma alternativa para que os campos acessam aleatoriamente. Geralmente este

    acontecimento mais invivel em segmentos da Raiz , onde o acesso aleatrio , portanto a presena deseus campos-chave (at os preparativos para esta propriedade constituem uma deciso a sertomada).Suponha-se , porm , que uma aplicao requeira acesso aleatrio a um campo que no seja umsegmento raiz.

    1)Na presena caso haja necessidade de se encontrar mecnicos, aleatoriamente, atravsdo seu nmero. Ou suponha-se que uma aplicao requeira acesso aleatrio a um campo no-chave, num segmento origem .

    2)Que se queira encontrar lojas, aleatoriamente, por meio de cidade. Neste caso, devem-se empregar ndices secundrios ou reorganizar a estrutura de modo que certos segmentos no-razes passem a ser razes de novas hierarquias.Em termos de desempenho, preciso considerar-se , na DL/I, uma srie de fatores, muitos dos

    quais se inter-relacionam: a alterao em um deles pode requerer balanceamento, ou alterao comefeito compensador , em outro.

    De longas cadeias gmeas - por hiptese , um nmero muito grande de mecnicostrabalhando em uma nica loja - que podem exercer efeito nocivos sobre o desempenho, j que osistema no permite acesso aleatrio ao meio de uma tal cadeia , portanto esta cadeia deve teracesso de seqncias e segmentos ligados por ponteiros.

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados12

    OUTRA CONSIDERAO SOBRE O DESEMPENHORefere-se ao nmero de ocorrncias de um segmento raiz de uma hierarquia. Usando-se

    novamente a estrutura da figura 10.10 , suponhamos que exista um nmero razoavelmente pequeno delojas , mas que , em cada loja , haja um nmero substancial de mecnicos ou tambm que haja umareferncia de programa que sejam para os mecnicos e que elas tenham o conhecimento de nome ounmero, bem como sua loja.

    REPRESENTAO DL/I, INCLUINDO UM PARENTESCO LGICOSegmento relativo lojaN daLoja CidadeDa Loja Supev.

    N doMecnico Nome doMecnico Idade doMecnicoSegmento relativo ao Mecnico

    Segmento relativo aoMecnicoProfisso

    Segmento "filho lgico "Da proficinciaN daHabilitao CategoriaDaHabilitaoSegmento relativo habilitao

    Segmento relativo aoMecnicoProfissoSegmento "filho lgico"

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados13

    MODELO DE BANCO DE DADOS RELACIONALUm banco de dados relacional representa um afastamento significativo entre o modelo

    hierrquico e o modelo de rede. Arquivos muito simples e lineares no so articulados por meiosartificiais, como ponteiros. A integrao executada atravs do software e no diante da estrutura dosdados, realizada nos sistemas de navegao.

    Um banco de dados relacional visa:

    & Manter os dados de forma no redundante ( repetio de vrios campos em vrias tabelas );& Executar processamento integrado;& Lidar com relaes mltiplas ( relacionamentos);& Fornecer certo grau de independncia dos dados.

    O sistema relacional compara todos os registros de um arquivo com os registros de outroarquivo, buscando correspondncias entre valores do campo unio em cada par de registros. Aoencontrar um par, os campos de ambos registros vo para um arquivo recm criado, selecionando edestacando a informao necessria atravs de outros operadores.

    Diante de um processamento integrado, o banco de dados torna-se simplificado causandomelhoria na independncia dos dados com o modelo relacional, obtendo maior desempenho. Emarquivos grandes no podemos executar uma unio completa, devido ao tempo requerido. Na procurade soluo para o tempo requerido, organizaes investem estudos na utilizao de hardware esoftware, buscando tcnicas de uso em larga escala de ndices possibilitando:& Acesso mais rpido, a um nmero maior de campos;& Interarticulao de arquivos a baixo nvel;& Pr processador para responder a uma consulta com eficincia, antes do acesso ao banco de dados.

    MODELO DE BANCO DE DADOS OBJETO

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados14

    Os bancos de dados orientados a objeto integram a orientao a objetos com aptides de bancosde dados. Atravs de construes orientadas a objeto, os usurios podem esconder os detalhes daimplementao de seus mdulos, compartilhar a referncia a objetos e expandir seus sistemas atravsde mdulos existentes. A funcionalidade de banco de dados necessria para assegurar ocompartilhamento simultneo e a continuidade das informaes nas aplicaes. Atravs dos bancos dedados, os usurios podem obter o estado em que os objetos se encontram, e estar atualizados entre asvrias solicitaes de programa, e diversos usurios podem ao mesmo tempo compartilhar a mesmainformao. Os mesmos combinam os benefcios e conceitos da orientao a objeto com afuncionalidade dos bancos de dados.

    A orientao a objeto definida como: = tipagem de dados abstratos+ herana+ identidade do projeto

    Aptides de bancos de dados so definidas assim: = continuidade+ concomitncia+ transaes+ recuperao+ filtragem+ atualizao+ integridade+ segurana+ desempenho

    Bancos de dados orientados a objeto = orientao a objeto + aptides de banco de dados. Opotencial de bancos de dados orientados a objetos reside na ntima integrao destas duas tecnologias:orientao a objetos e bancos de dados

    VERDADES E MENTIRAS SOBRE BANCOS DE DADOS OBJETOSOs Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Orientados a Objetos (ODBMS) foram

    uma das grandes idias do incio dos anos 80. Os objetos eram a prxima onda, pois o modelo deobjetos permite a modelagem complexa de objetos da forma como eles existem, ao invs de tentaresprem-los em uma estrutura bidimensional, embora que os ODBMS no tenha uma firme base tericanem ferramentas de desenho bem desenvolvidas, todo mundo estava interessado neles. Cientistas dacomputao trabalhavam em prottipos ( produo de um software que se assemelhasuperficialmente a um sistema proposto, mais rpido e barato do que uma verso do sistemadesenvolvida na linguagem alvo ).

    O nico problema era que os primeiros ODBMS no eram sistemas de bancos de dadoscompletos, pois careciam de funes de backup e recuperao e os modelos de dados eram conflitantese as linguagens proprietrias. Devido a sua estrutura, era impossvel fazer buscas de verdade e ossoftwares no eram escalveis e exigiam muita memria. Muitos desistiram dos primeiros produtos,

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados15

    segundo Jeff Jones, gerente de programa da IBM para o grupo de marketing de gerenciamento dedados, sua empresa tentou usar um ODBMS puro como banco de dados embutido no VisualWarehouse.

    Ela obteve a licena do ObjectStore, da Object Design. Porm a performance foi to fraca que aIBM o substitui pelo DB2 nas verses seguintes e trabalhando para acrescentar recursos e reduzir aquantidade de cdigo. Experincias como essas fizeram do ODBMS por mais que uma curiosidade delaboratrio, exceto por alguns nichos de mercado, como telecomunicaes, os programaspermaneceram como uma tecnologia em busca de um problema. Foi nesse ponto que parou oconhecimento popular, enquanto a tecnologia de ODBMS evolua e as necessidades dos usuriosmudavam a sabedoria popular dizia que os softwares eram problemticos, mas no so. O crescenteinteresse em aplicaes multimdia e na Internet criou novos mercados para ODBMS, dessaperspectiva, a tecnologia de ODBMS ideal para as aplicaes mais populares. O enorme crescimentoda Internet, videogames, aplicaes multimdia e o desenvolvimento de bancos de dados distribudosque no se prestam ao modelo relacional est trazendo ateno renovada para o ODBMS. Como Java uma linguagem orientada a objetos, aplicaes na Internet so particularmente adequada para bancos dedados de objetos. Como agora h padres de fato para a tecnologia de objetos, possvel disponibilizaruma aplicao para mundo inteiro, as telecomunicaes representam um bom mercado. Muitosprodutos, hoje fazem a modelagem e o controle de redes de comunicao em tempo real.

    COMO ESCOLHER UM BANCO DE DADOSH oito reas chaves a examinar antes de comprar um banco de dados de objetos:

    & Suporte a linguagem - quais as linguagens necessrias: Java C++, OQL? Algumas linguagensproprietrias so mais velozes que OQL, mas um produto que utilize uma linguagem padro sermais flexvel e portvel.

    & Escalabilidade - qual o maior banco de dados que o produto suporta? Qual o maior banco de dadosj pronto e em funcionamento usando o produto? Quantos usurios acessam o banco de dados deuma s vez?

    & Segurana - como determinada a segurana - por usurio, grupo, ou ambos?& Backup e recuperao - como o produto lida com backup e recuperao?& Transaes - como banco de dados lida com registro, recuperao e estorno de transaes?

    & Mtodos - como os ODBMS armazena mtodos? Para ser um verdadeiro ODBMS, ele deverarmazen-los no prprio banco de dados.

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados16

    & Classes de colees - com quais classes de colees o banco de dados lida? ODMG, Java e diversasbibliotecas de classes de objetos, notavelmente STL definiriam certas colees de classes comuns.O uso de classes de colees padronizadas aumenta a portabilidade e a flexibilidade.

    & Suporte e treinamento - que tipo de suporte e treinamento o fabricante oferece? Por quanto tempoele treinar a equipe do comprador?

    Um projetista de banco de dados relacional pode usar uma ferramenta de diagramaoentidade/relacionamento para verificar matematicamente se o projeto est na forma terceira normal.Um projetista de ODBMS nem sequer tem um conceito similar a formas normais para seusobjetos. O problema das ferramentas est sumindo, o Jasmine, da Computer Associados, um exemplode ambiente de desenvolvimento muito bom.

    Hoje, todo mundo se confunde com os bancos de dados relacionais estendidos, objeto-relacionais e os bancos de dados de objetos (puros). O maior problema do ODBMS puro seu nome, otermo deveria ser banco de objetos (objectbase), ao invs de banco de dados de objetos, porque o

    O que um ODBMS pode fazer

    Cliente

    ServidorHTTP

    Internet /IntranetextranetCliente

    Banco de dadosorientado aobjetoB. dadosreplicado

    B. dadoslegado (ex.:VSAMB. dadosrelacional(ex.: Oracle)

    DBMS relacionalno front-end

    Replicao paragarantir adistribuio e adisponibilidadede dadosArmazenamentode dados e lgicaempresarialjuntos

    DBMS no-relacional nofront-end

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados17

    objetivo no armazenar, manipular e recuperar dados dentro de um objeto, mas sim armazenar,manipular e recuperar os prprios objetos. Os bancos de dados de objetos puros permitem consultasmais simples sobre dados complexos.

    Um banco de dados de objetos puros tem mtodos, classes e outras coisas que caracterizam omodelo orientado a objetos no ncleo do banco de dados. Os objetos so ativos, diferente dos

    relacionais que so passivos, e preciso um programa hospedeiro para fazer alguma coisa com eles.No se deve confundir ODBMS com produtos relacionais estendidos e objeto-relacionais. Eles soprojetados para solucionar um conjunto de problemas diferente. Usar um banco de dados objetos purospara armazenar dados relacionais como manter as peas dos automveis na forma de carrosinteiramente montados e desmontar toda a frota quando preciso contar os parafusos que existem noestoque. O usurio acaba perguntando se essa a forma mais eficiente de se fazer um inventrio.

    Os ODBMS no tm uma linguagem padro, portanto eles no so bons para desenvolvimentosrio. Essa sabedoria uma verdade convencional, mas no de fato. Nos prximos anos, ela pode setornar falsa, enquanto o processo de padronizao ISSO estava em andamento, o Object DatabaseManagement Group (ODBMG), um grupo de fabricantes de ODBMS, comeou a tentar padres parabancos de dados de objetos fora da estrutura ISO. O ODMG produziu um padro para uma linguagemde consultas para ODBMS em 1.993, sob o nome OQL. Vrios fabricantes j concordaram em dasuporte ao OQL.

    Os bancos de dados de objetos esto em amadurecimento, so mal entendidos e difceis de usar,mas esto ganhando aceitao, graas ao explosivo, e um tanto especulativo , crescimento da Internet eda multimdia (voz, texto, grficos).

    Uma advertncia: a passagem para a tecnologia de objetos pode ser difcil, por causa dospesados investimentos financeiros e humanos em tecnologia relacional. Projetos envolvendo um bancode dados de objetos demoraro mais tempo com uma equipe sem experincia. Mesmo para quemestiver lidando com equipe experiente, o projeto demorar mais ser mais dispendioso por causa dainerente complexidade da tecnologia de objetos. Quem estiver preparado para isso, estar pronto paraum banco de dados objetos.

    MODELO DE BANCO DE DADOS DATAWAREHOUSEDatawarehousing ( sistema e bancos de dados projetados para anlise de comportamento e

    tendncias de negcio).

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados18

    Esquea tudo o que se diz sobre Datawarehousing. Essa melhor maneira de preparar-se paraentender como construir este sistema de W.H.Innon voltado, principalmente para gerentes e analistasde sistemas. Os armazns de dados no so feitos de programas e mquinas, mas de um extensotrabalho de anlise e depurao de dados.

    Para muitos profissionais, a obra de Innon mostrar que seu conhecimento pode ter-se tornadoobsoleto. que ao contrrio dos sistemas tradicionais, os projetos de Datawarehousing partem daimplantao para chegar as necessidades do usurio.

    Quem possui experincia em desenvolvimento de sistemas ir, com certeza, encontrar situaesfamiliares. Os programas extratores so um caso tpico. J na dcada de 70 antes que o termoDatawarehousing ganhasse fama, gerentes pediam a programadores que enviassem relatrios earquivos resumidos, com dados extrados de grandes de dados corporativos.

    Depois de explorar as origens do Datawarehousing, possvel montar passo a passo um projetocompleto, melhor dizer ms a ms, pois o trabalho envolvido digno de Hrcules, dado a necessidadede filtragem e conciliao de todos os dados e sistemas de empresa. Mas como o prprio Innan diz, se aempresa esperar condies favorveis para a implantao do Datawarehousing, ela nunca o far.

    Um exemplo atual do poder de um Datawarehousing:

    Mais do que uma expresso, se transformou em um bordo repetido a cada duas frases por todosos funcionrios da NCR Corporation, em todas as suas apresentaes pblicas. O exemplo partiu doprprio Chief Executive Officer (CEO) e chairman, Lars Nybergn, na abertura da Partners, aconferncia anual de usurios da empresa, realizada entre os dias entre os dias 5 e 9 de outubro, emSan Diego, na Califrnia, e que reuniu cerca de 700 clientes vindos de todas as partes do mundo.

    A NCR est direcionada a se tornar na indiscutvel lder mundial em Datawarehousing, no spara os bancos e a indstria. Mais e mais os sistemas de Datawarehousing esto se tornado cruciaispara todas as empresas que prestam servios a cliente. A sua capacidade de prever one-to-one vai tornaressa tecnologia, pouco tempo, no um luxo, mas uma necessidade para todos os negcios que esperamse manter competitivos, disse Nyberg ao traar a estratgia da empresa para os prximos trs anos.

    Para alcanar a meta de ganhar liderana, a NCR tomou trs providncias. A primeira foi tornaro seu sistema de gerenciador de banco de dados Teradata um produto mais aberto, capaz de rodar emdiversas plataformas e o primeiro passo port-lo para Windows NT . Isso vai acontecer, segundoNyberg, at o fim do ano, de forma que a nova verso esteja disponvel, comercialmente, no incio de98. E o NT, prometeu tambm o chairman, ser a plataforma fundamental de todas a solues da NCR

    para ambientes que exijam alta disponibilidade e para comrcio eletrnico, assim como para soluesespecficas para bancos e comrcio.

    Outra medida da NCR foi o lanamento de duas novas plataforma de hardware, integrante afamlia de servidores WorldMark, voltada especificamente para solues Datawarehousing, e que oAberdeen Group, empresa de pesquisa de Boston, definiu como servidores mainframe.

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados19

    O modelo 4700 construdo com quatro processadores Pentium Pro de 200 Mhz, por mdulo,cada um com 512 cache de memria. possvel colocar at dois mdulos em cada gabinete e, com oitomdulos alinhados em cluster, se chega a uma plataforma capaz de suportar um sistema deDatawarehousing com 600Gb de dados.

    O modelo 5150 pode ter at 128 mdulos conectados, suportando, assim, acima de 600Gb e at100Terabytes.Os dois novos servidores podem rodar o gerenciador de bancos de dados Teradata, daprpria NCR, para aplicaes Datawarehousing, e, ainda, o Informix XPS ou o Oracle Paralel Serverpara processamento de transaes online. E, finalmente, a terceira providncia da NCR para garantir aliderana em projetos de Datawarehousing foi celebrar uma aliana com a SAS Institute, segundo aqual as duas empresas vo combinar suas expertises em Datawarehousing e data mining para proversolues completas e integradas para clientes de todos os portes e em todos os setores da economia.

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados20

    CONCLUSOPara que uma organizao cresa no mercado empresarial e saiba lidar com novas tecnologias,

    ela deve se preocupar especialmente, com o modo de organizar suas informaes.

    Um meio eficaz de gerenciamento de informaes, somente realizada atravs de um Banco deDados. Alm de interligar todo trabalho da organizao, reduz custos, elimina duplicao de tarefas,permite uma previso de crescimento da empresa e ajuda na elaborao de estratgias.

    Fazendo uma anlise dos exemplos de banco de dados, podemos perceber que necessrio umabusca de novas implementaes em seu desenvolvimento, visto que para cada modelo de banco dedados existe vantagens e desvantagens.

    Dando um maior enfoque ao banco de dados corporativo, foi verificada sua importncia naexatido, rapidez com que as informaes devem ser conduzidas, alm da segurana ao usurio. Comoreferncia, foi estudado o banco de dados do aplicativo Lotus Notes, que mesmo possuindo uma vastagama de recursos, verificou-se um grau de dificuldade em sua manipulao.

    Concluindo a sua importncia, verifica-se a disponibilidade de filtrar todas as informaes deuma organizao por meio de um banco de dados que realmente transmita segurana, qualidade ecompetitividade.

  • UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SO PAULO - UNIBAN

    Banco de Dados21

    BIBLIOGRAFIARpido FcilLotus Notes for WindowsAutor(es): Andrew Bryces ShafranEditora: Afiliada

    Organizao de Banco de DadosAutor(es): A L. Furtado

    C.S. dos SantosEditora: Campus - 7 Edio

    Sistema de Banco de DadosAutor(es): Henry F. Korth

    Abraham SilberschatzEditora: Mc Grow Hill

    Planejamento Estratgico Analise de Sistemas e Projeto de Banco de DadosAutor(es): Mark L. GillensonRobert GoldbergEditora: Livros Tcnicos e Cientficos Editora S/A

    REVISTAS& Informtica Hoje

    ano 12 n 440 - 1 a 15 de Novembro/97& Info Exame

    ano 12 n 142 - Janeiro/98& Byte Brasil

    Ano 6 n 10 - Outubro/97OBS.: Tambm formam pesquisados sites na Internet