Bio 224 - Outubro 2015

Click here to load reader

  • date post

    24-Jul-2016
  • Category

    Documents

  • view

    222
  • download

    2

Embed Size (px)

description

224 - Boletim Informativo da Diocese de Osasco - BIO – Ano XXVI - Nº 224 - Bio Outubro de 2015

Transcript of Bio 224 - Outubro 2015

  • Atendendo ao chama-do do Papa Francisco, a diocese deu incio a um projeto missionrio na frica.

    VOCAO

    PG. 07

    PG. 08

    PG. 04 PG. 05

    Outubro de 2015 | Ano XXVI No 224www.diocesedeosasco.com.br

    Tu s sacerdotepara sempre

    IGREJA EM MISSO

    Mais dois sacerdotes foram ordenados em uma cerimnia marcada pela orao, alegria e louvor a Deus. A soleni-dade aconteceu na Catedral Santo Antnio, no dia 12 de setembro.

    TESTEMUNHO DA F IGREJA EM AO

    Diocese de Osasco, uma Igreja Missionria

    Mes rezam o tero, ou-vem a pregao da Pa-lavra, clamam por seus fi lhos e partilham teste-munhos.

    Um grito a Deus pelos nossos fi lhos

    Abraando a comunhomissionria8 Plano de Pastoral: assumamos com ardor nossa tarefa de evangeli-zadores.

  • EXPEDIENTE/ EDITORIAL

    com grande alegria que a Diocese de Osasco retoma a publicao do Boletim Informativo de Osasco, o BIO. Em um novo formato e com o objetivo de le-var ao leitor contedo de valor e formao sobre a comunidade e vida crist, o novo BIO configura-se como um meio de comunicao relevante na ao evangeli-zadora, que deve levar a atualidade da Igreja aos fiis de toda a diocese.

    Nesta primeira nova edio,o BIO destaca a preparao para o 8 Plano Diocesano da Ao Evangelizadora. Padre Daniel Bispo comenta sobre a comunho missionria proposta para este tempo importante na diocese.

    Falando em comunho missionria, Dom Luiz Fernando Lisboa, que foi ordenado dicono, presbtero e bispo na Catedral Santo Antnio de Osasco e hoje o atual bispo da Diocese de Pemba, em Moambique, concedeu uma entrevista exclusiva Pastoral da Comunicao Diocesana e comentou sobre a experincia e os desafios da misso e evangelizao na frica. Sobre este assunto, trazemos tambm depoimentos de ou-tros missionrios que vivem em Moambique. Alm disso, voc vai saber mais sobre a parceria indita que a Diocese de Osasco estabeleceu com a Diocese de Pemba, para promover um projeto de misso alm-fronteiras.

    Durante sua visita ao Brasil, Dom Luiz comentou em entrevista que uma Igreja que sai em misso em todos os mbitos alcana maturidade, e aqui em nossa diocese, um exemplo disso a Pastoral dos Surdos, que tem caminhado em direo aos que esto na periferia da sociedade. Aos poucos a pastoral tem desenvolvido um trabalho de integrao e evangelizao e nesta edio, Rafael Ferreira, coordenador diocesano do trabalho conta como funcionam as atividades.

    Em um tempo em que a famlia est no centro dos debates na Igreja, no podemos deixar de envolv-la em todas as formas de evangelizao. Sobre este assunto, Padre Daniel Vitor Cardoso explica como importante alcanar as famlias no desenvolvi-mento de uma catequese mais acolhedora. Ainda sobre a famlia, Padre Marcos Fun-chal responde sobre o que muda no processo de nulidade matrimonial aps o decreto do Papa Francisco.

    Ainda nessa edio, voc vai conhecer um grupo de mes que tem alcanado mila-gres para suas famlias por meio da orao. Alm disso, confira como foi a ordenao sacerdotal dos Padres Luiz Rogrio Gemi e Marcelo Fernandes de Lima, um momento de grande celebrao em nossa diocese.

    Com satisfao falamos sobre o Servio de Animao Vocacional de nossa diocese que tem como propsito incentivar e orientar os fiis no discernimento de suas voca-es. Por fim, falando em vocao, agradecemos a todos que participaram da grande festa das vocaes, o ComVocao que foi celebrado com muita dedicao e amor em mais um ano de edio.

    Desejamos a voc uma boa leitura, e at a prxima edio!

    A misso ter paixo por Jesus Cristo e, ao mesmo tempo, paixo pelas pessoas. Papa Francisco

    Boletim Informativo de Osasco

    Diretor Geral: D. Frei Joo Bosco Barbosa de Sousa, OFMAssessor Eclesistico: Pe. Henrique Souza da Silva Moderadora: Ir. Letcia Perez, MJSSecretria Executiva: Meire Elaine de SouzaReviso: Natlia Paula PereiraColaborao: Pe. Henrique S. Silva, Pe. Daniel B. Cruz, Pe. Daniel Vitor Cardoso, Pe. Douglas Pinheiro, Pe. Marcos A. Funchal.E-mail: [email protected]

    Diagramao: Iago Andrade VieiraTiragem: 12.500 exemplaresImpresso: Jornal ltima Hora do ABC | (11) 4226-7272

    Cria Diocesana de OsascoRua da Saudade, 60, Vila Osasco CEP: 06080-000 Osasco/SPTel: (11) 3683-4522 / (11) 3683-5005E-mail: [email protected]: http://www.diocesedeosasco.com.br

    Crdito: Pascom Santa Isabel.

    Padre HenriqueCoordenador do ComVocao e Vice-Reitor do Seminrio Diocesano de Filosofia

    Outubro de 2015

    BIO

    2

  • PALAVRA DO BISPO

    Pouco mais de um ano faz que cheguei Diocese de Osasco para caminharmos juntos. Celebrvamos, na poca, o Jubileu de Prata da Diocese, e o ltimo dos quatro anos de vigncia do 7 Plano Diocesano de Pas-toral. Para mim foi, e tem sido, uma experincia alegre e de-safiadora fazer parte desta histria escrita por tantas mos, na direo apontada pelo dedo divino de nosso Bom Pastor.

    Este ltimo ano pastoral contou com o empurro do Papa Francisco, e sua Evangelii Gaudium, verdadeiro programa de ao evangelizadora de todo o seu pontificado. Francisco mudou a linguagem interna e externa da Igreja: internamen-te, nos fez amar ainda mais a nossa Igreja, para sairmos em misso, com rosto alegre e misericordioso. Externamente, fez o mundo olhar para a nossa Igreja com simpatia e res-peito, deixando de insistir no rano de repetidas denncias, infelizmente fundadas, para dirigir mais o olhar para o lado belo e corajoso de uma Igreja serva e humilde, voltada para as periferias onde esto os indefesos e humilhados, pronta a conduzir os homens da escurido de um mundo em crise para a vida luminosa da graa de Deus.

    Estamos entre dois Snodos dedicados famlia. H com-portamentos novos que precisam ser avaliados segundo o Evangelho e a sapiente doutrina da Igreja. H pontos que geram muita polmica, porm a Igreja buscou ouvir as fa-mlias do mundo inteiro e oferece humanidade uma con-tribuio preciosa para o seu presente e futuro. Somos mo-tivados a entrar no Ano Santo da Misericrdia, no jubileu ureo do encerramento do Conclio Vaticano II. A proposta do Papa Francisco, acompanhada por seus gestos e palavras de transparente profecia, devem provocar em ns uma nova conscincia, aberta generosa acolhida de todos, uma sen-sibilidade mais voltada a quem excludo e discriminado, uma ateno ao mundo de sofrimentos que assolam uma gerao que promoveu, segundo o Papa, a globalizao da indiferena. As reflexes que comeam a brotar da Encclica Laudato Si e a convocao do Ano Santo da Misericrdia completam esse quadro vivo de uma converso missionria da nossa Igreja.

    No Brasil, as Diretrizes Gerais da Ao Evangelizadora (DGAE 2015-2019) refletem todos esses novos contextos da Igreja e do mundo, mas mantm, para os prximos quatro anos as cinco urgncias das diretrizes passadas.

    tempo de construir o nosso futuro

    Nosso trabalho, at a Assembleia Diocesana de 2015, planejar a ao evangelizadora diocesana, com os olhos no Evangelho e luz desse contexto novo da Igreja e do mun-do. Os passos que faremos neste semestre, comeando pelas parquias e comunidades, depois nas Regies e, por fim, na Assembleia Diocesana, se houver empenho de todos em par-ticipar do processo, resultar em maior comprometimento e comunho.

    A verdadeira comunho, no entanto, no resulta de es-tratgia nem de acordo de lideranas. Supe o nosso esforo de planejamento, mas o fruto maior do que o nosso esfor-o. dom do Esprito, a quem devemos com humildade e

    Planejar juntos para assumir juntos

    confiana pedir. Isso lembrou o Papa Francisco no final da Evangelii Gaudium, no captulo que ele chamou de Evange-lizadores com esprito. O Papa traduz essa expresso: trata-se de evangelizadores que no tm medo de abrir-se ao do Esprito Santo (EV 259). O Papa pede a esses evangeliza-dores orao e trabalho. E afirma: A Igreja no pode dis-pensar o pulmo da orao, e alegra-me imensamente que se multipliquem, em todas as instituies eclesiais, os gru-pos de orao, de intercesso, de leitura orante da Palavra, as adoraes perptuas da Eucaristia. Ao mesmo tempo continua ele citando So Joo Paulo II preciso rejeitar a tentao de uma espiritualidade intimista e individualista, que dificilmente se coaduna com as exigncias da caridade, com a lgica da encarnao (EG 262).

    Penso que esses dois pulmes a que se refere o Papa: a orao e a caridade devem nortear o nosso planejamento em todas as etapas, desde os encontros paroquiais. Um Instru-mento de Trabalho para a elaborao do 8 Plano est sendo entregue aos Coordenadores das Regies Pastorais para que cheguem s parquias e suas comunidades. a realidade lo-cal o nosso ponto de partida. Nossa diocese rica de realida-des, com variedades e contradies. Temos campo e cidade, reas planejadas e reas de ocupao, condomnios fechados e bairros populares, famlias tradicionalmente estabelecidas e recm-chegados, convivncia pacfica e extremos de vio-lncia. Qual o olhar do Bom Pastor para esta realidade? A quem Ele olha com especial ateno? O que ele pede a ns que somos sua Igreja, seus missionrios, nestes prximos

    O 8o Plano Diocesano da Ao Evangelizadora

    O novo BIO

    Dom Joo BoscoBispo Diocesano | [email protected]

    quatro anos? Temos uma grande his-

    tria, iniciada como Regio Episcopal da Arquidiocese de So Paulo, recordada es-pecialmente na comemo-rao do nosso jubileu de prata, e expressa nos sete planos anteriores. sempre bom ter presente que somos fruto dessa histria. O Ins-trumento de Trabalho que vai orientar a reflexo dioce-sana em vista do novo Plano Diocesano lembra essa his-tria como ponto de partida, acentua a participao dos leigos e leigas no processo de confeco do plano e sugere passos a serem desenvolvi-dos nas diversas instncias, nas comunidades, nas Regi-es e em toda a Diocese.

    Nos sulcos abertos pela Evangelii Gaudium, pela Encclica Laudato Si, e mais ainda o Ano Jubilar Extra-ordinrio, dedicado Mise-ricrdia, alm das