Brochura ar condicionado - sce.pt · Aparelho individual de Ar Condicionado Ventilador Ar...

of 12/12
Ar Condicionado Doméstico Saiba mais sobre
  • date post

    18-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    244
  • download

    2

Embed Size (px)

Transcript of Brochura ar condicionado - sce.pt · Aparelho individual de Ar Condicionado Ventilador Ar...

  • Ar CondicionadoDomstico

    Saiba mais sobre

  • CERCA DE 22% DO CONSUMO DE ENERGIA EM CASA DE UMA FAMLIA PORTUGUESA

    DESTINADO CLIMATIZAO. APENAS UMA PEQUENA PARCELA DESTE VALOR,

    0,5%, DESTINADA AO ARREFECIMENTO DA HABITAO.

    Fonte: Sistema de Certificao Energtica de Edifcios (SCE)

    EM PORTUGAL

    Fonte: Estudo ICESD 2010, DGEG e INE

    UTILIZAO DE EQUIPAMENTOS DE AQUECIMENTO AMBIENTE

    UTILIZAO DE EQUIPAMENTOSDE ARREFECIMENTO AMBIENTE

    7%

    68%

    25%

    Aparelho individual de Ar Condicionado

    Ventilador

    Ar Condicionado que aquecee arrefece (bomba de calor)

    O objetivo de um equipamento de ar condicionado climatizar um espao, podendo acumular as funes de aquecimento, arrefecimento, desumidificao, renovao, filtragem do ar e ventilao.

    Este equipamento visa combater o excesso de calor no vero e colmatar as necessidades de aquecimento no inverno. Os sistemas mais comuns so os do tipo split, existindo duas unidades: uma interior e uma exterior, conectadas entre si por tubos de cobre, nos quais circula um fluido frigorigneo. O princpio de funcionamento baseia-se no ciclo frigorfico, promovendo a troca de calor entre o ambiente exterior e o interior.

    TUBULAESDE INTERLIGAO

    UNIDADECONDENSADORA

    DESCARGAAR QUENTE45C

    2 TUBOSUNIDADEEVAPORADORA

    ESGOTO DECONDENSADOS

    AMBIENTE INTERNO

    SADA A 14 C

    TEMPERATURAAMBIENTE 24 C

    AR CONDICIONADO, COMO FUNCIONA?

    ENQUADRAMENTO 0101 02

    1,9% 2,2% 0,8%

    0,5%

    0,3%

    25,1%

    13,3%39,7%

    2,6% 13,6%

    Bomba de Calor / Ar-Condicionado

    Caldeira a Combustvel Lquido

    Caldeira a Biomassa

    Caldeira a Propano / Butano

    Caldeira a Gs Natural

    Lareira

    Recuperador ou Salamandra

    Resistncia Eltrica

    Aquecedor Porttil a Gs

    Sem Equipamento

    Fonte: CENSOS 2011 e Sistema de Certificao Energtica de Edifcios (SCE)

  • 02BENEFCIOSVANTAGENS02TIPOS DE SISTEMAS // FUNCIONALIDADES

    TIPO DEUNIDADESEXTERIORES

    PORTTILNuma nica unidade concentram-se todos os componentes, com tubo ligado ao exterior

    MONO-SPLITCom uma unidade de exterior e apenas uma unidade interior

    MULTI-SPLITCom uma unidade exterior e vrias unidades interiores

    Liga uma nica unidade exterior a uma unidade interior;

    A instalar numa nica diviso da casa;

    Mais eficiente do que os sistemas de uma nica unidade.

    Liga uma unidade exterior a vrias unidades interiores;

    um sistema completo de ar condicionado capaz de abranger diferentes divises da casa;

    Permite o controlo individual dos "set-points" de temperatura ambiente;

    Permite utilizar diferentes configuraes e capacidades de unidades interiores;

    No permite ciclos de aquecimento e arrefecimento simultneos, ou seja, se regulado para arrefecimento, todos tm o mesmo tipo de funcionamento

    Deslocao fcil;

    No requer qualquer instalao;

    necessrio ter uma janela ou uma abertura perto do aparelho medida do tubo de ligao ao exterior;

    Baixa eficincia.

    ( E )1

    Unidade exterior para mono-split (uma unidade exterior para uma nica unidade interior)2 tubos com fluido frigorigneo

    Unidade exterior para multi-split (uma unidade exterior para duas ou mais unidades interiores)2 tubos com fluido frigorigneo para cada espao a climatizar (E)

    Se o seu Certificado Energticopossui estes smbolos, ento este guia especialmente dedicado a si.

    ( E )3

    ( E )1

    ( E )2

  • 02BENEFCIOS / VANTAGENSTIPO DE UNIDADES INTERIORES

    Teto (montagem na horizontal)Cho (montagem vertical)Soluo mais adequada reabilitao, associada asistemas mono e multi-split.

    Os sistemas convencionais de velocidade fixa baseiam-se no funcionamento do compressor em pleno rendimento ou desligado, ou seja, arrancam e param frequentemente. Em funcionamento, o compressor arranca e mantm-se at alcanar a temperatura solicitada. Nesse momento, o compressor pra e no arrancar at que a temperatura o solicite. Nos sistemas Inverter, o compres-sor, em vez de parar, baixa o regime de funcionamento, evita arranques e paragens frequentes, reduz o consumo do sistema e mantm a temperatura real com

    menos variaes em relao temperatura solicitada e com menor nvel sonoro (dB). Estes sistemas permitem reduzir o consumo de energia em cerca de 30%, quando comparados com sistemas convencionais.

    SISTEMA CONVENCIONAL VERSO SISTEMA INVERTERO QUE O SISTEMA INVERTER?

    O N

    T E MPE R AT U R A

    T E C NOL O GIA IN V E RT E R SE M T E C NOL O GIA IN V E RT E R

    PERDA

    PERDA PERDA

    PERDA PERDA

    T E C NOL O GIA IN V E RT E R

    Conduta (montagem em teto falso)Equipamento encastrvel mais comum em edifcios novos, associado a sistemas mono e multi-split.

    Mural (montagem na parede)Unidade mais vulgar para utilizao com sistemas mono e multi-split, soluo tipica na reabilitao.

  • 02

    LOCALIZAO GEOGRFICAO tipo de equipamento depende criticamente da localizao da habitao, pois dita os picos de aquecimento e arrefecimento que o equipamento ter que colmatar. A localizao geogrfica e a orientao do edifcio so igualmente importantes na seleo da potncia do equipamento.

    NMERO DE ESPAOS A CLIMATIZAR E RESPETIVA REAAntes de selecionar o equipamento identifique qual ou quais os espaos a climatizar, optando em funo disso por um equipamento mono-split ou multi-split.

    INSTALAO TCNICATodas as instalaes tcnicas devem ser efetuadas por profissionais com conhecimento tcnico. Escolha um instalador/empresa certificado com experincia comprovada na rea.

    ALGUNS EQUIPAMENTOS, NOMEADAMENTE BOMBAS DE CALOR,

    PODEM CONCILIAR AS FUNES DE CLIMATIZAO E DE PRODUO

    DE GUA QUENTE SANITRIA.

    SE EQUACIONAR ESTA SOLUO, INFORME-SE JUNTO DE UM

    PROFISSIONAL DO SETOR E VEJA AS OPES DO MERCADO.

    EQUIPAMENTOS PARACLIMATIZAO E PRODUO DE GUA QUENTE SANITRIA

    ASPETOS A CONSIDERAR NA AQUISIO DESTES EQUIPAMENTOS

  • SOLUES / IMPLEMENTAO 03CONSELHOS PRTICOS

    Critrios determinantes na seleco e utilizao do equipamento: A potncia de arrefecimento. A potncia de aquecimento (apenas para o caso de aparelhos reversveis do tipo bomba de calor). A taxa de desumidificao. A potncia elctrica absorvida em kW.

    A adequada posio do equipamento depende do tipo de equipamento e da sua localizao. O princpio geral de no insuflar o ar frio diretamente sobre as pessoas para preservar o seu conforto e controlar o movimento e a orientao dos fluxos de ar.

    Ter o equipamento de ar condicionado regulado para uma temperatura adequada s condies externas. Por exemplo, 18C no inverno e 25C no vero - valores de referncia indicados na legislao.

    A velocidade do ar ao nvel dos ocupantes no deve exceder 0,25 m/s.

    necessrio evitar os cortes repetidos (ligar/desligar repetidamente o aparelho).

    A unidade exterior de um split fixo no pode ser posicionada deitada porque a gua de condensao poder escorrer para o motor eltrico.

    Antes do incio de cada poca de utilizao do aparelho de ar condicionado deve-se proceder sua limpeza interior, incluindo filtro de ar e tabuleiro de recolha de condensados.

  • Metodologia de clculo:

    Com base nos dados do Sistema de Certificao

    Energtica nos Edifcios, foi dimensionado o pico

    das necessidades de aquecimento para um clima

    mdio portugus. Para afeitos de converso, foi

    considerado um valor de 1 kW = 3412.142 BTU/hr.

    NOTA:

    O BTU uma unidade de potncia que significa British Thermal Unit e determina a

    potncia de arrefecimento ou de aquecimento de cada aparelho.

    O kW a unidade de potncia trmica do Sistema Internacional (SI) que representa

    o consumo de energia.

    03DE QUE POTNCIA PRECISO?

    PARA IDENTIFICAR A POTNCIA TRMICA DO EQUIPAMENTO DE QUE NECESSITA CONSULTE UMA

    EMPRESA CERTIFICADA. A TTULO INDICATIVO, EXISTEM ALGUNS VALORES DE REFERNCIA QUE

    PODE CONSIDERAR NA PESQUISA INICIAL AO MERCADO.

    POCA DE CONSTRUO

    2006

    [m2 ] [kW] [BTU] [kW] [BTU] [kW] [BTU]

    12 1,2 4095 1,0 3276 0,7 2457

    20 2,0 6824 1,6 5459 1,2 4095

    30 3,0 10236 2,4 8189 1,8 6142

    40 4,0 13649 3,2 10919 2,4 8189

    50 5,0 17061 4,0 13649 3,0 10236

    60 6,0 20473 4,8 16378 3,6 12284

    70 7,0 23885 5,6 19108 4,2 14331

    Um sistema de ar condicionado realiza funes de forma conjugada, ou seja, funes de aquecimento ou arrefecimento, desumidificao e ventilao.

    De forma rpida, o utilizador pode regular a temperatura consoante as suas necessidades, em qualquer altura do dia, independentemente da estao do ano.

    Verstil na medida em que se encontra disponvel com vrias configuraes e potncias.

    Disponvel com nveis de eficincia elevados o que poder conduzir a menores gastos na fatura de energia, quando comparados com outros sistemas menos eficientes.

    CARACTERSTICAS DE UM SISTEMA AVAC

    REACOMPARTIMENTO

  • SOLUES / IMPLEMENTAO 03A ETIQUETA ENERGTICA DE EQUIPAMENTOS DE AR CONDICIONADOQUE PRODUTOS DE AQUECIMENTO AMBIENTE SO ABRANGIDOS PELA ETIQUETA ENERGTICA?

    A etiqueta aplica-se a aparelhos com potncia trmica inferior ou igual a 12 kW para aquecimento ou arrefecimento (caso s exista esta funo)

    O indicador EER relaciona a capacidade nominal de arrefecimento da unidade exterior e a potncia eltrica absorvida e assim, quanto maior o valor, maior a eficincia;

    O indicador COP relaciona a capacidade nominal de aquecimento da unidade exterior e a potncia eltrica absorvida e desta forma, quanto maior o valor, maior a eficincia.

    Nota: A potncia eltrica absorvida deve incluir a potncia do motor do ventilador da unidade exterior

    APARELHOS DE AR CONDICIONADO, COM EXCEPO DOS APARELHOS DE

    AR CONDICIONADO DE CONDUTA SIMPLES E DE CONDUTA DUPLA

    APARELHOS DE AR CONDICIONADO

    DE CONDUTA SIMPLES OU DUPLA

    | Nome do fornecedor || Modelo

    Indicador de Arrefecimento (azul)

    Indicador de Aquecimento (vermelho)

    Classe de eficincia energtica

    Potncia trmica nominal para

    arrefecimento/ aquecimento

    Relao entre arrefecimento e

    consumo de eletricidade

    Relao entre aquecimento e consumo

    de eletricidade

    Consumo energtico anual em kWh por ano

    Nvel de potncia sonora do aparelho no interior

    da habitao

    Saiba mais em www.seep.pt

  • 03

    Equipamentos bem instalados!

    OS EQUIPAMENTOS INSTALADOS DEVEM TER GARANTIA DE PELO MENOS 2 ANOS;

    OPTE POR UMA EMPRESA CERTIFICADA COM TCNICOS CERTIFICADOS;

    DE ACORDO COM A LEGISLAO EM VIGOR, APENAS AS EMPRESAS E TCNICOS CERTIFICADOS PODEM PRESTAR SERVIOS DE INSTALAO, MANUTENO E ASSISTNCIA TCNICA DE EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAO, AR CONDICIONADO E BOMBAS DE CALOR QUE CONTENHAM GASES FLUORADOS COM EFEITO DE ESTUFA.

    ACOMPANHE A OBRA, OU MANDATE ALGUM PARA ESSE EFEITO, E ASSEGURE-SE DE QUE:

    OS EQUIPAMENTOS SO OS ACORDADOS NO ORAMENTO E COLOCADOS POR ACORDO ENTRE O INSTALADOR E O CLIENTE;

    AS TUBAGENS SO DEVIDAMENTE ISOLADAS.

    NO FINAL DA OBRA FAA UMA VISTORIA E AVALIE SE A INSTALAO EST CORRETA.

    A COLOCAO DA UNIDADE EXTERIOR PODE REQUERER A AUTORIZAO DO CONDOMNIO E, NAS ZONAS DE PATRIMNIO PROTEGIDO, SER ALVO DE RESTRIES POR PARTE DA CMARA MUNICIPAL.

  • SOLUES / IMPLEMENTAO 03

    Operao e ManutenoPara garantir o maior proveito e

    funcionamento dos equipamentos no

    outono e no inverno, e em perodos de

    maior necessidade de utilizao, faa a

    inspeo do equipamento por tcnicos

    especializados.

    Periodicidade: Consulte o manual do

    equipamento para avaliar a periodicidade

    da manuteno.

    A manuteno deve contemplar, entre outras, as seguintes operaes:

    Verificao dos filtros de ar das unidades interiores (limpar e/ou substituir se necessrio);

    Verificao dos circuitos de circulao de fluido frigorigneo, compressor e dispositivo de expanso;

    Verificao da ventoinha de arrefecimento do condensador;

    Verificao do sistema de alarmes e erros; Proceder deteo de fugas (quando aplicvel e exigido).

  • 03

    Considere a instalao de isolamento trmico nas paredes e coberturas (consulte os guias 1 e 2).

    Instale janelas eficientes (consulte a o guia 3);

    Promova os ganhos solares atravs de uma adequada orientao solar da casa ou abertura das protees solares (consulte o guia 4);

    Reduza o nvel de infiltraes de ar melhorando o sistema de ventilao (consulte o guia 5).

    Instale janelas eficientes com vidros de controlo solar (consulte o guia 3);

    Instale dispositivos de proteo solar ou de sombreamento (consulte o guia 4);

    Promova a ventilao natural entre fachadas opostas (consulte o guia 5);

    Quando aplicvel, considere a instalao de isolamento trmico nas coberturas (consulte o guia 2).

    A INSTALAO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAO DEVE ESTAR AJUSTADA S

    NECESSIDADES DE ENERGIA DA HABITAO. ANTES DE RECORRER A SISTEMAS DE AR

    CONDICIONADO, AVALIE A POSSIBILIDADE DE REDUZIR ESSAS NECESSIDADES DE

    ENERGIA DE ACORDO COM AS SEGUINTES RECOMENDAES:

    PARA REDUZIR AS NECESSIDADES DE AQUECIMENTO:

    PARA REDUZIR AS NECESSIDADES DE ARREFECIMENTO:

  • ADENE - Agncia para a energiaAv. 5 de Outubro, 208 - 2 Piso1050-065 Lisboa - Portugal

    Tel.: (+351) 214 722 800Fax: (+351) 214 722 898Email: [email protected]

    www.adene.pt

    Ttulo: Ar Condicionado Domstico Edio:ADENE - AGNCIA PARA A ENERGIATiragem:1000 exemplaresDesign e Paginao:TKS - Innovation AgencyISBN:978-972-8646-55-4Outubro 2016Publicao gratuitaTodos os direitos reservados

    Contributos

    FICHA TCNICA

    Isolamento de Paredes

    Isolamento de Coberturas

    Janelas Eficientes

    Protees Solares

    Sistemas de Ventilao

    Sistemas Solares Trmicos

    Recuperadores de Calor e Salamandras

    Esquentadores e Caldeiras

    Ar Condicionado Domstico

    Sistemas Solares Fotovoltaicos

    1

    2

    3

    4

    5

    6

    7

    8

    9

    10