Cafe Conab Jan 2012

Click here to load reader

Embed Size (px)

Transcript of Cafe Conab Jan 2012

  • 1. Safra 2010/2011Safra 2012 Terceiro LevantamentoPrimeira EstimativaJaneiro/2011 Janeiro/2012Avaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/2012 1

2. Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento Secretaria de Produo e Agroenergia SPAEDepartamento do Caf DCAF Companhia Nacional de Abastecimento CONABDiretoria de Poltica Agrcola e Informaes DIPAI Superintendncia de Informaes do Agronegcio SUINFSuperintendncia de Gesto da Oferta SUGOF Responsveis Tcnicos SILVIO ISOPO PORTOAIRTON CAMARGO PACHECO DA SILVACARLOS ROBERTO BESTTTI Gerncia de Levantamento e Avaliao de Safra GEASAELEDON PEREIRA DE OLIVEIRAJOS CAVALCANTE DE NEGREIROSJUAREZ BATISTA DE OLIVEIRA MARIA BEATRIZ ARAJO DE ALMEIDAROBERTO ALVES DE ANDRADEColaborao: Superintendncias de Minas Gerais, Esprito Santo, So Paulo, Paran, Bahia e Rondnia.Projeto Visual Grfico THAS LORENZINI Ficha Catalogrfica: ADELINA MARIA RODRIGUES CRB 1/1739633.61C212Acompanhamento da Safra Brasileira CafSafra 2012 primeira estimativa, janeiro/2012/ Companhia Nacional de Abastecimento. -Braslia:Conab, 2012 1. Caf. 2. Safra. I. Companhia Nacional de Abastecimento. II. Ttulo.Avaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/2012 2 3. Avaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/2012 3 4. SUMRIO1. INTRODUO.................................................................................................................52. PRODUO.....................................................................................................................53. REA CULTIVADA...........................................................................................................64. AVALIAO POR ESTADO.............................................................................................6 4.1. Minas Gerais ..............................................................................................................6 4.2. Esprito Santo..............................................................................................................8 4.3. So Paulo....................................................................................................................9 4.4. Bahia..........................................................................................................................10 4.5. Paran........................................................................................................................10 4.6. Rondnia.................................................................................................................. 115. TABELAS E GRFICOS DOS RESULTADOS OBTIDOS NO LEVANTAMENTO........13Avaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/20124 5. 1 INTRODUOO levantamento da safra nacional de caf realizada pela Conab e pelas seguintesinstituies parceiras: Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de So Paulo- SAA/CATI/IEA (SP); Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistncia Tcnica e Extenso Rural - Incaper(ES); Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrcola S/A EBDA (BA); Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paran - SEAB - Departamento de Economia Rural Deral (PR); Associao de Assistncia Tcnica, Extenso Rural do Estado de Rondnia - Emater (RO); Empresa de Assistncia Tcnica e Extenso Rural de Minas Gerais.Foram consultados tambm, escritrios e tcnicos do Instituto Brasileiro deGeografia e Estatstica IBGE, para obter estatsticas dos demais estados com menorespropores de produo, e para compatibilizar os nmeros globais dos estados de maiorproduo. O trabalho conjunto rene interesses mtuos, aproveitando o conhecimento localdos tcnicos dessas instituies, que ao longo dos anos realizam esta atividade deavaliao da safra cafeeira com muita dedicao, aos quais, na oportunidade, a Conabregistra os seus agradecimentos, cujos apoios tm sido decisivos para a qualidade ecredibilidade das informaes divulgadas.As informaes disponibilizadas neste relatrio se referem aos trabalhos realizadosno perodo de 08 de novembro a 17 de dezembro/11, quando foram visitados osmunicpios dos principais Estados produtores (Minas Gerais, Esprito Santo, So Paulo,Bahia, Paran e Rondnia), que correspondem a 97,7% da produo nacional.Foram realizadas entrevistas e aplicados questionrios junto aos informantespreviamente selecionados. O Ano de safra cheia dentro do ciclo de bienalidade daproduo, aliado a melhora dos tratos culturais das lavouras influenciada pelarecuperao dos preos nos mercados externo e interno, resulta numa estimativa deproduo recorde, superando a produo da safra 2002, a maior at ento.2 - PRODUO A primeira estimativa de produo de caf (arbica e conilon) para a safra 2012indica que o Pas dever colher entre 48,97 e 52,27 milhes de sacas de 60 quilos doproduto beneficiado, o que corresponde a 50,61 milhes de sacas no ponto mdio. O resultado representa um crescimento entre 12,6% e 20,2%, quando comparadacom a produo obtida na temporada anterior que foi de 43,48 milhes de sacas. Essecrescimento se deve, principalmente ao ano de alta bienalidade. Em termos de volume, aproduo do arbica apresenta crescimento entre 4.219,1 e 6.831,5 mil sacas e o conilon,entre 1.262,4 e 1.956,0 mil sacas de caf beneficiado.Confirmando o resultado, esta ser a maior safra j produzida no Pas, superandoo volume de 48,48 milhes sacas colhidas na safra 2002/03. No quadro abaixo, observa-Avaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/20125 6. se que nas ltimas quatro safras de bienalidade positiva, a produo mantm umcrescimento constante, demonstrando que a maior utilizao da mecanizao, aliada sinovaes tecnolgicas, s exigncias do mercado a qualidade do produto e a boagesto da atividade so fatores extremamente importantes e necessrios para o avano emodernizao da cafeicultura. CAF BENEFICIADO COMPARATIVO DE PRODUO - ANOS DE ALTA BIENALIDADE(Em milhes de sacas beneficiadas) SAFRA2002/032004/05 2006/07 2008/092010/11 2012/13(*) ARBICA37,9531,71 33,0235,4836,8237,71 CONILON10,537,56 9,4910,5111,2712,9 TOTAL48,4839,28 42,5145,9948,0950,61 (*) Ponto Mdio3 - REA CULTIVADA A rea plantada com as espcies arbica e conilon no Pas totaliza 2.351,3 milhectares. O resultado mostra um crescimento de 3,21% sobre a rea de 2.278,1 hectares,existentes na safra 2011, ou seja, foram acrescentados 73.148,2 hectares. Em Minas Gerais est concentrada a maior rea com 1.208,8 mil hectares,predominando a espcie arbica com 97,7%. A rea total estadual representa 51,4% darea cultivada com caf no Pas, e consequentemente o primeiro do ranking nacional. No Esprito Santo est a segunda maior rea plantada com caf, totalizando 493,7mil hectares, sendo 305,4 mil hectares com a espcie conilon e 188,3 mil hectares com aarbica. O estado o maior produtor da variedade conilon.CAFCOMPARATIVO DA REA PLANTADA (Em mil hectares) SAFRA 2011/122012/13 VAR.% VAR.ABSOLUTA EM FORMAO221.681279.08125,89 57.400,7 EM PRODUO2.056.4222.072.170 0,77 15.747,5 TOTAL2.278.1032.351.251 3,21 73.148,24 - AVALIAO POR ESTADO4.1 - MINAS GERAISCondies climticasNas regies Sul de Minas e Cerrado Mineiro, o perodo de estiagem, quenormalmente ocorre entre os meses de maio e setembro, teve durao varivel entre osmunicpios e foi bastante seco. As chuvas comearam no incio de outubro, alternandoocorrncia de chuvas e perodos de estiagem em novembro, sendo que as precipitaess voltaram a ocorrer com intensidade j na transio para dezembro. Durante esteperodo houve o fenmeno da amplitude trmica, temperaturas altas durante o dia ebaixas durante a noite, contribuindo para proliferao de doenas fngicas e bacterianas.Cabe ressaltar que as lavouras apresentaram uma boa florada aps as primeiras chuvas,Avaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/20126 7. e com a no continuidade das mesmas, a fecundao das flores ficou prejudicada, comqueda de flores e no pegamento de chumbinhos, reduzindo a produtividade das lavourase restringindo seu potencial produtivo em safra de bienalidade alta. Nas regies da Zona da Mata e Rio Doce, as chuvas tiveram incio em meados doms de outubro e propiciaram a abertura de duas a trs boas floradas nos cafezais daregio, sendo as duas primeiras as mais vigorosas, sinalizando uniformidade na produodos frutos para a safra que se inicia. O excesso de chuvas a partir do ms de novembro,acompanhado de ventos fortes e baixas temperaturas, prejudicou o pegamento de flores efrutos e abriu caminho para ataques de Phoma nos cafezais localizados nas regies maisaltas, uma vez que as pulverizaes preventivas no puderam ser realizadas a contento,em razo das chuvas continuadas na regio. Para as regies mais quentes, o clima considerado extremamente satisfatrio para o desenvolvimento vegetativo e produtivo daslavouras. No Norte de Minas e Jequitinhonha, as precipitaes foram benficas para aregio. Houve boa taxa de fecundao e vingamento das flores, sobretudo, da segundaflorada, ocorrida em sua maioria no ms de outubro. At o momento no houve relatos dedanos aos frutos, que se encontram em fase de chumbinho, causados pela proliferaode microrganismos resultante do longo perodo de umidade.Situao das lavouras A despeito da forte estiagem, de maneira geral os cafezais se apresentam bemvestidos, com bom aspecto sanitrio e nutricional, sem sinais de infestao de pragas oudoenas de maior relevncia. Tal condio reflete a significativa melhora dos tratosculturais, consequncia dos bons preos do caf no mercado que fazem com que osprodutores intensifiquem os cuidados com as lavouras objetivando aumento daprodutividade. Nas lavouras localizadas em regies de maior altitude houve relatospontuais de ocorrncias de phoma e mancha aureolada, o que teria contribudo paraaumentar o abortamento dos frutos. Lavouras se encontram na fase de transio dechumbinho para frutos em incio de granao.Estimativa de produo SafraA produo de Minas Gerais est estimada em 26.335.499 sacas de caf na safra2012, com variao percentual de 3,01% para mais ou para menos. A produtividademdia do estado atingiu 25,84 sacas de caf por hectare. Em comparao com a safraanterior, a estimativa sinaliza um aumento da produo cafeeira em 18,73%. Quandocomparamos a produo das safras 2010 e 2012, safras de bienalidade positiva,constatamos aumento de 4,69% na produo do Estado. Este aumento se devebasicamente a bienalidade positiva da cultura e a melhora dos tratos culturais daslavouras, incentivados pela recuperao dos preos de comercializao do caf. Talcrescimento s no foi maior em razo das intercorrncias climticas observadas emalgumas regies do Estado, que podem restringir o potencial produtivo das lavouras naatual safra. Tais ocorrncias sero monitoradas pela equipe tcnica da CONAB nosprximos levantamentos.No Cerrado Mineiro, espera-se para a safra 2012, um incremento na produo daordem de 40,0%, comparativamente safra anterior. A rea de caf em produo teve umaumento de 5,8% e a produtividade 32,4%, passando de 24,85 sacas/ha em 2011, para32,88 sacas/ha em 2012. Este incremento na produo de caf na regio do CerradoMineiro para safra agrcola 2012, se deve basicamente a bienalidade positiva da cultura ea expanso da rea de caf em produo, pela incorporao de novas reas que seAvaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/20127 8. encontravam em formao e em renovao, decorrente de podas realizadas,especialmente esqueletamentos. As estimativas de reduo da carga produtiva daslavouras em razo das adversidades climticas nos perodos de florao, fecundao epegamento de chumbinhos, tm sido compensadas pelo aumento de rea de caf emproduo na regio. Nas regies Sul e Centro Oeste de Minas, apesar de todas as intempriesclimticas ocorridas no decorrer de 2011, tais como: seca prolongada, chuvas de granizo,geadas nos meses de julho e agosto e amplitude trmica acentuada, concorrendo para areduo do potencial produtivo em safra de bienalidade alta, a produo estimada para asafra 2012 24,86% superior da safra de 2011 e 3,35% maior quando comparada safra de 2010. Este incremento na produo s no foi maior porque alguns municpiosapresentam inverso da bienalidade, em razo da constante renovao dos cafezais ecultivo de novas variedades nos ltimos anos. A produtividade mdia esperada de 25,62sacas/ha contra 20,67 sacas/ha da safra 2011. A regio da Zona da Mata, obteve na safra 2011 uma produo consideradaextraordinria, superando todas as expectativas. Situao vivida pelos principaismunicpios produtores da regio, que acaba refletindo diretamente nos demaismunicpios. Todavia, a regio tem como caracterstica a inverso do fator bienalidadeem vrios municpios e em propriedades diferentes de um mesmo municpio. Portanto,apesar da boa florada, das condies climticas favorveis e do incremento dos tratosculturais, a expectativa de que haja uma reduo na produo da safra 2012 da ordemde 2,6% quando comparada com a safra anterior. A produtividade mdia estimada paraesta safra de 23,12 sc/ha, contra 24,18 sc/ha na safra 2011.Consideraes finaisEntusiasmados com o bom momento da cafeicultura, em especial com a diferenade preos gio, entre os cafs de melhor qualidade para aqueles classificados comobebida inferior, boa parte dos cafeicultores mineiros continuam investindo no plantio,renovao e na recuperao das lavouras anlise de solo, corretivos, adubao,manejo, podas e tratos culturais, bem como, na melhoria da qualidade da bebida do cafa ser colhido derriadeiras portteis, lavadores, despolpadores, terreiros, secadores,estufas, tulhas, roadeiras e tratores cafeeiros. Vislumbram portanto, incrementar aproduo e agregar valor ao caf colhido, resgatando sua competitividade, rentabilidade elucratividade por mais uma safra.Nesta direo vem se confirmando a previso de novos plantios em todas asregies produtoras de caf do Estado, destinados a renovao das lavouras e aoaumento da rea cultivada, sinalizando a boa expectativa dos produtores em relao manuteno dos bons preos de comercializao do caf nos prximos anos.4.2 ESPRITO SANTO A estimativa de produo da safra cafeeira para o Estado do Esprito Santo nasafra 2012 indica um volume entre 11.642 mil e 12.478 mil sacas de caf beneficiadas.Considerando a mdia do intervalo, a produo ser de 12.060 milhes de sacas. Dessequantitativo, 2.810 (23,3%) milhes de sacas sero de caf arbica e 9.250 (76,7%)milhes de sacas de caf conilon. Essa produo oriunda de um parque cafeeiro, emproduo, de 452.383 hectares. A pesquisa indica uma produtividade mdia estadual, de26,66 sacas por hectare.Fazendo um paralelo entre a produo de 2011 e 2012, verifica-se acrscimo de4,21% na produo geral do Estado. Houve decrscimo de 9,57% para o caf arbica eacrscimo de 8,90% para o caf conilon. O decrscimo de produo para o arbica,Avaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/20128 9. mesmo em um ano de previso de safra alta em todo o Brasil deve-se, sobretudo, aosseguintes fatores climticos: dficit hdrico, atraso de chuvas e baixas temperaturas comfrentes frias e baixa insolao, principalmente nos perodos da florao, fertilizao,pegamento e enchimento de frutos. O acrscimo na produo e produtividade do caf conilon deve-se, sobretudo, arenovao e revigoramento do parque cafeeiro capixaba utilizando novas basestecnolgicas.Caf Conilon Para a espcie conilon, estima-se uma produo entre 8.974,4 e 9.527,5 mil sacas,ou seja, acrscimo de 5,6% e 12,2% sobre a produo de 8.494 mil sacas produzidas nasafra anterior.Essa produo oriunda de um parque cafeeiro, em produo, de 280.281hectares. A pesquisa indica uma produtividade mdia de 33,0 sacas por hectare .As lavouras possuem potencial para produes mais expressivas. As condiesclimticas registradas at o momento, associadas ao uso de tecnologias e o vigor dasplantas do caf conilon, foram fatores favorveis a adequada florao, fecundao dasflores, e pegamento dos frutos. No geral verifica-se elevada frutificao e adequado vigorvegetativo nas plantas.Caf ArbicaA produo da espcie arbica, estimada entre 2.669,5 e 2.950,5 mil sacas,representa uma reduo entre 13,3% e 4,2% em relao produo colhida na safrapassada, que foi de 3.079 mil sacas.Essa produo oriunda de um parque cafeeiro em produo de 172.102 hectares.A pesquisa indica uma produtividade mdia de 16,00 sacas por hectare. O parque cafeeiro de arbica capixaba encontra-se ainda envelhecido. Hnecessidade de acelerar o processo de renovao. A dificuldade em renovao deve-seao fato da descapitalizao dos cafeicultores, em funo dos preos ainda insatisfatriosdo caf. O incremento geral que vem ocorrendo nos preos est contribuindo para arenovao e o revigoramento das lavouras, a realizao das adubaes, o controle depragas e de doenas, a poda, o manejo do mato, entre outras prticas, levando produtividade mdia estadual a continuar ainda baixaRegistra-se que essa a primeira estimativa de produo para a prxima safra.Atualmente, os frutos nas lavouras, encontram-se na fase de chumbinho. Melhor aferiodos dados e dos resultados ocorrer na segunda estimativa de safra, em abril de 2012.Nessa poca, sero mais bem avaliadas, as interferncias do clima (efeito da precipitaopluviometria, distribuio de chuvas, seca e/ou a alta temperatura) no enchimento degros, que o perodo em que a planta necessita de maior quantidade de gua com ascondies climticas podendo definir a produo futura.4.3 - SO PAULOEntre novembro e dezembro de 2011 foi conduzida a primeira campanha decampo para produo de estimativa da safra de caf arbica 2012 no Estado de SoPaulo. Como evidencia a informao produzida, haver forte recuperao do montantecolhido frente safra anterior, com estimativa da ordem de 4,38 a 4,83 milhes de sacasde caf beneficiado sendo colhidos no Estado em 2012.Em todos os cintures cafeeiros considerados nessa estratificao, ocorrerincremento da produo de caf. O montante previsto para o cinturo da Alta MoginaAvaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/2012 9 10. quase que dobra sua oferta na corrente safra, recolocando-a na posio de lder na ofertapaulista. Nessa primeira campanha, existe uma reconhecida dificuldade comentada pelostcnicos que estiveram em campo quanto preciso na elaborao da estimativa. Emmuitas regies, o retardamento das chuvas associado s ondas de intenso frio,justamente poca da primeira florada, limitaram o grau de preciso do processo deproduo da estimativa. Informaes advindas dos principais cintures comeam aapontar um baixo pegamento de frutos associado queda de chumbinhos. Portanto,posicionamento cauteloso quanto ao patamar de recuperao da prxima safra deve ser apostura mais acertada para o momento.4.4 BAHIA Para a safra cafeeira 2012, que se inicia, apesar de ter verificado neste primeirolevantamento uma pequena reduo da rea plantada, estimada em 1,65% para oEstado, causada pela erradicao de lavouras decadentes nas regies produtoras dearbica (2,23%), a produo inicialmente prevista entre 2.606,9 e 2.767,8 mil sacas,sinaliza um incremento de 13,8 a 20,9% no seu volume, quando comparada com a safrarecm colhida, reflexo do melhor trato das lavouras influenciado pelos preos praticadosno mercado, assim, como das condies climticas mais favorveis ocorridas a partir doms de outubro at o presente momento.Este aumento da produo prevista reflete os aumentos de 23,3% esperados paraa ocorrer na regio produtora de arbica, (26,4% no Cerrado e 22% no Planalto) j quepara a regio produtora de conillon, dever ocorrer um crescimento estimado de apenas5% devido ao alto ndice de podas drsticas efetuadas nas lavouras cujos reflexosdevero promover um menor desempenho nesta safra.4.5 PARAN Os dados se referem primeira previso de produo para a safra 2012 obtidos noperodo de florao e inicio de frutificao, refletindo muito o sentimento e a opinio dosprodutores pesquisados. A pesquisa foi realizada pelos tcnicos lotados nos dozeNcleos Regionais da SEAB das regies cafeeiras, abrangendo produtores e tcnicosligados ao setor de caf, e que resultou na apurao dos dados totais. A rea total cultivada foi estimada em 89.025 hectares, sendo 2,6% menor que os91.410 hectares registrados no fechamento da safra 2011. A reduo de 2.385 ha se devefundamentalmente a erradicao das reas de lavouras velhas sem potencial derecuperao, ocorrida aps a ltima colheita. Por outro lado o levantamento de previsode safra por amostragem realizado em setembro e outubro de 2011 apurou a inteno denovos plantios em 4.506 hectares at meados de 2012, somados os de ampliao e derenovao, suficientes para compensar a rea erradicada e ampliar a rea total no Estadoat meados do prximo ano. Situao que pode limitar a inteno dos produtores comrelao aos plantios novos a pouca disponibilidade de mudas nos viveiros credenciados,que esto produzindo maior parte sob encomenda.A rea em produo para 2012 est estimada em 72.989 hectaresou seja, 2,4%inferior colhida em 2011.A rea em formao estimada em 16.036 hectares est composta por cerca de85% de rea sob manejo de podas e 15% de rea com plantios novos. A maior disposiodos produtores em manejar as reas com podas, especialmente esqueletamento pararenovar o potencial produtivo das lavouras, tem contribudo para manuteno daparticipao de rea de formao, em torno de 18% sobre a rea total, a exemplo doAvaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/2012 10 11. ocorrido na ltima safra. Este percentual era de apenas 8% na safra 2008. A primeira previso de produo para 2012 aponta volume muito prximo ao obtidona ltima safra, quando deveria ser pelo menos 20% maior haja vista ser ano de safracheia dentro do ciclo de bienalidade da produo de caf. A diminuio do potencial deproduo se justifica pelos seguintes fatores:- a produo de 2011 ficou acima do esperado para o ciclo de baixa, o que de certaforma causou maior estresse das lavouras com produo; - ocorrncia de chuvas com padro muito irregular e com ndice abaixo da mdiaregistrada nas principais regies cafeeiras a partir do ms de maio/11;- geada ocorrida em final de junho/11 que atingiu lavouras em diversas regies,especialmente as localizadas em reas mais baixas ou que houve represamento demassa fria causando queima de capote, exigindo em muitos casos a poda; - nos meses de florao, setembro/outubro/novembro de 2011, apesar deapresentarem temperaturas com valores prximos mdia histrica ocorreu perodoscom grande amplitude trmica, ou seja, grande variao entre as temperaturas mnimas(noites e manhs) e mximas dirias; bem como a persistncia de ventos de sul/sudeste,que transportavam ar frio do sul do continente para o Paran;- vrios anos de baixo investimento na conduo das lavouras especialmentequanto adubao e tratamento fitossanitrio recomendados; - reduo da rea em produo;Em sntese, o ciclo de bienalidade da produo com ano de safra baixa seguido deoutro de safra alta dever ser atenuado nos prximos anos tambm em funo dasinovaes tecnolgicas empregadas. A cafeicultura do Paran passa por um novo perodo de modernizao que nodepende exclusivamente de plantios adensados, recomendados especialmente aospequenos cafeicultores. Tcnicas agronmicas como as de podas podem resultar emganhos significativos de produtividade como se tem observado em muitas reas.O aumento das reas de plantios novos, maior utilizao da mecanizao, aliada amudana de atitude do cafeicultor quanto s inovaes tecnolgicas, exigncias domercado e gesto da atividade so fatores extremamente importantes e necessrios parao avano e modernizao da cafeicultura de forma sustentvel.4.6 RONDNIA Para a safra 2012, a primeira previso da safra cafeeira no Estado de Rondniaindica que a produo poder atingir o volume entre 1.811,6 e 1.885,6 mil sacas desessenta quilos. Este resultado representa um crescimento entre 26,8% e 32,0% sobre asafra 2011, mantendo o Estado como o segundo maior produtor nacional da espcieconilon (robusta), participando com 13,9%. O aumento da produo se deve, principalmente, ao ciclo de bienalidade positiva, eao regime das chuvas mais regulares nos meses de julho a setembro/11, poca em queas lavouras se encontravam nas fases de florao e frutificao.O Estado de Rondnia o quinto maior produtor de caf do Pas e o segundoprodutor da espcie conilon. A produtividade mdia do Estado uma das menores doPas. Tradicionalmente a produtividade dos cafezais no Estado de Rondnia baixa(12,10 sacas por hectare nesta nova safra e 9,31 sacas por hectares na safra anterior),devido a fatores como sistema de cultivo pouco racional, prticas inadequadas, elevadosAvaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/201211 12. custos de insumos e da mo-de-obra, baixa fertilidade dos solos, indisponibilidade decrdito, veranicos, cafezais decadentes, entre outros. Tais fatores, aliados baixaqualidade do produto (muitos defeitos) tm feito com que os cafeicultores do Estadosejam pouco competitivos em relao aos produtores de outros Estados do Pas. Convm ressaltar, todavia, que alguns produtores esto adotando tecnologias eprticas culturais, como emprego de cultivares melhoradas, controle de pragas e doenas,calagem, adubao, irrigao, desbrota, poda, que tm possibilitado a obteno deelevadas produtividades e um produto de boa qualidade a um custo compatvel com aexplorao da lavoura, consequentemente, de forma mais lucrativa.Avaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/2012 12 13. 5 TABELAS E GRFICOS DOS RESULTADOS OBTIDOS NO LEVANTAMENTOTABELA - 1CAF - BENEFICIADO SAFRA 2012 PREVISO INICIAL DE PRODUOPARQUE CAFEEIRO PRODUOUF /EM FORMAOEM PRODUO2012 PRODUTIVIDADE REGIOREA CAFEEIROS REACAFEEIROS Arbica Robusta TOTAL (Sacas /ha)(ha) (Mil covas) (ha)(Mil covas)INFER. SUPER.INFER. SUPER.INFER. SUPER.INFER.SUPER.Minas Gerais 189.613 675.898 1.019.169 3.142.74125.253,0 26.819,0290,0 308,0 25.543,0 27.127,0 25,0626,62 Sul e Centro-Oeste113.505397.268508.7491.526.247 12.646,0 13.431,012.646,0 13.431,0 24,8626,40Tringulo, Alto Paranaiba24.506 98.025170.468596.638 5.436,0 5.774,0 5.436,05.774,0 31,8933,87 e NoroesteZona da Mata,Jequitinhonha, Mucuri, Rio51.602180.605339.9521.019.856 7.171,0 7.614,0290,0 308,0 7.461,0 7.922,0 21,9523,30Doce, Central e NorteEsprito Santo41.345136.577452.3831.163.134 2.669,5 2.950,58.972,5 9.527,5 11.642,0 12.478,0 25,7327,58So Paulo 13.238 45.270169.538471.780 4.377,1 4.828,20,0 0,0 4.377,1 4.828,2 25,8228,48Paran16.036 52.200 72.989231.600 1.800,0 2.000,00,0 0,01.800,02.000,0 24,6627,40Bahia8.340 28.465137.900318.2931.852,8 1.967,1 754,1 800,72.606,9 2.767,818,9020,07 - Cerrado 2.193 11.842 12.605 69.325 526,2 558,8 526,2558,8 41,7544,33 - Planalto2.265 7.757 100.861196.679 1.326,6 1.408,3 1.326,61.408,3 13,1513,96 - Atlntico 3.882 8.86624.434 52.289 0,0 0,0754,1 800,7754,1800,7 30,8632,77Rondnia 6.220 10.263153.391251.868 0,0 0,01.811,6 1.885,61.811,61.885,6 11,8112,29Mato Grosso3.1507.30819.899 47.925 16,316,3186,8 186,8203,1203,1 10,2110,21Par-- 10.469 23.3450,0 0,0228,6 228,6228,6228,6 21,8421,84Rio de Janeiro 15 37512.864 26.937237,6 237,6 12,512,5250,1250,1 19,4419,44Outros 1.1253.06023.568 59.770201,3 201,3302,0 302,0503,3503,3 21,3621,36BRASIL 279.082959.4162.072.1705.737.393 36.407,6 39.020,0 12.558,1 13.251,7 48.965,7 52.271,723,6325,23CONVNIO : MAPA - SPAE / CONAB Janeiro 2012TABELA - 2 CAF - BENEFICIADOSAFRA 2011PRODUO FINALPARQUE CAFEEIRO PRODUOPRODUUNIDADE DA FEDERAOEM FORMAOEM PRODUO(Mil sacas beneficiadas) TIVIDADEREGIOREACAFEEIROSREACAFEEIROSArbicaRobustaTOTAL (Sacas / ha) (ha)(Mil covas) (ha)(Mil covas)Minas Gerais 136.435489.1281.000.8693.083.15921.882,0 299,0 22.181,022,16 Sul e Centro-Oeste77.692 271.922505.2011.515.603 10.442,010.442,020,67 Tringulo, Alto Paranaiba e 23.21192.843161.105563.8674.001,04.001,0 24,83 Noroeste Zona da Mata, Jequitinhonha, 35.532 124.363334.5631.003.6897.439,0 299,07.738,0 23,13 Mucuri, Rio Doce, Central e NorteEsprito Santo 34.737 118.775452.5271.157.5243.079,0 8.494,011.573,025,57So Paulo13.23845.270169.538471.7803.111,5 0,03.111,5 18,35Paran 16.65845.600 74.752241.7001.842,0 0,01.842,0 24,64Bahia 9.85537.451138.834316.439 1.548,9 741,1 2.290,0 16,49Cerrado 3.69019.926 11.557 63.561429,0429,0 37,12Planalto3.01910.341102.338199.5591.119,91.119,9 10,94Atlntico 3.1467.18424.939 53.3190,0 741,1741,1 29,72Rondnia6.22010.213153.391251.8680,0 1.428,31.428,3 9,31Mato Grosso3.150 7.308 19.89947.925 11,0 126,8137,8 6,92Par --10.44823.2810,0 184,0184,0 17,61Rio de Janeiro1537512.86426.937247,0 13,0 260,0 20,21Outros 1.373 3.735 23.30059.648467,1 9,5476,6 20,45 BRASIL 221.681 757.855 2.056.4225.680.261 32.188,511.295,7 43.484,221,15CONVNIO : MAPA - SPAE / CONABJaneiro 2012Avaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/201213 14. TABELA - 3CAF - BENEFICIADO COMPARATIVO DE PRODUO PRODUO (Mil sacas beneficiadas) UF/ SAFRASAFRA VARIAOREGIO20112012 % Arbica RobustaTOTAL(b)b/aArbica Robusta TOTAL(a)INFER. SUPER.INFER.SUPER. INFER.SUPER. INFER.SUPER.Minas Gerais 21.882,0 299,022.181,025.253,0 26.819,0 290,0308,0 25.543,0 27.127,0 15,2 22,3Sul e Centro-Oeste 10.442,00,0 10.442,012.646,0 13.431,0 0,00,0 12.646,0 13.431,0 21,1 28,6 Tringulo, Alto Paranaiba e Noroeste 4.001,00,04.001,0 5.436,05.774,0 0,00,0 5.436,05.774,035,9 44,3Zona da Mata, Jequitinhonha, Mucuri,7.439,0 299,0 7.738,0 7.171,07.614,0 290,0308,0 7.461,07.922,0-3,6 2,4 Rio Doce, Central e NorteEsprito Santo3.079,08.494,0 11.573,0 2.669,52.950,58.972,5 9.527,5 11.642,0 12.478,0 0,67,8So Paulo 3.111,50,03.111,5 4.377,14.828,2 0,00,0 4.377,14.828,240,7 55,2Paran1.842,00,01.842,0 1.800,02.000,0 0,00,0 1.800,02.000,0-2,3 8,6Bahia 1.548,9 741,1 2.290,0 1.852,81.967,1 754,1800,7 2.606,92.767,813,8 20,9Cerrado 429,00,0 429,0526,2 558,80,00,0526,2558,8 22,7 30,3Planalto1.071,00,01.071,0 1.326,61.408,3 0,00,0 1.326,61.408,323,9 31,5Atlntico 0,0 575,5575,5 0,0 0,0 754,1800,7754,1800,7 31,0 39,1Rondnia0,01.428,31.428,30,0 0,01.811,6 1.885,6 1.811,61.885,626,8 32,0Mato Grosso11,0 126,8137,8 16,3 16,3 186,8186,8203,1203,1 47,4 47,4Par0,0 184,0184,0 0,0 0,0 228,6228,6228,6228,6 24,2 24,2Rio de Janeiro247,013,0260,0237,6 237,6 12,5 12,5250,1250,1 -3,8 -3,8Outros467,19,5 476,6201,3 201,3302,0302,0503,3503,3 5,65,6 BRASIL32.188,5 11.295,7 43.484,236.407,6 39.020,0 12.558,113.251,7 48.965,7 52.271,7 12,6 20,2CONVNIO : MAPA - SPAE / CONABJaneiro 2012 TABELA - 4CAF - BENEFICIADO SAFRA 2012 PREVISO INICIAL DE PRODUO PRODUO UF/(Em mil sacas beneficiadas)REGIO ArbicaRobustaTOTALINFERIORSUPERIOR INFERIORSUPERIORINFERIOR SUPERIORMinas Gerais 25.253,0 26.819,0 290,0308,0 25.543,0 27.127,0 Sul e Centro-Oeste12.646,0 13.431,0 0,00,0 12.646,0 13.431,0 Tringulo, Alto Paranaiba e Noroeste 5.436,05.774,0 0,00,05.436,05.774,0 Zona da Mata, Jequitinhonha, Mucuri, Rio7.171,07.614,0 290,0308,07.461,07.922,0 Doce, Central e NorteEsprito Santo2.669,52.950,5 8.972,5 9.527,511.642,0 12.478,0So Paulo 4.377,14.828,2 0,00,04.377,14.828,2Paran1.800,02.000,0 0,00,01.800,02.000,0Bahia 1.852,81.967,1 754,1800,72.606,92.767,8Cerrado 526,2 558,80,00,0526,2 558,8Planalto1.326,61.408,3 0,00,01.326,61.408,3Atlntico0,0 0,0 754,1800,7754,1 800,7Rondnia 0,0 0,0 1.811,6 1.885,6 1.811,61.885,6Mato Grosso16,316,3186,8186,8203,1 203,1Par 0,0 0,0 228,6228,6228,6 228,6Rio de Janeiro237,6 237,6 12,512,5 250,1 250,1Outros201,3 201,3302,0302,0503,3 503,3BRASIL 36.407,6 39.020,012.558,113.251,748.965,7 52.271,7 PONTO MDIO 37.713,8 12.904,9 50.618,7CONVNIO : MAPA - SPAE / CONABJaneiro 2012Avaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/201214 15. TABELA - 5 CAFCOMPARATIVO - PARQUE CAFEEIRO EM PRODUO PARQUE CAFEEIRO UF/20112012VARIAO REGIOrea (1)Cafeeiros (2) rea (3)Cafeeiros (4)%( ha )(Mil covas) ( ha )(Mil covas)(3)/(1) (4)/(2)Minas Gerais1.000.869 3.083.159 1.019.169 3.142.7411,8 1,9 Sul e Centro-Oeste 505.201 1.515.603 508.749 1.526.2470,7 0,7 Tringulo, Alto Paranaiba e Noroeste 161.105 563.867 170.468 596.6385,8 5,8 Zona da Mata, Jequitinhonha, Mucuri, Rio Doce, Central e334.563 1.003.689 339.952 1.019.8561,6 1,6 NorteEsprito Santo452.527 1.157.524 452.383 1.163.1340,0 0,5So Paulo 169.538 471.780 169.538 471.7800,0 0,0Paran 74.752 241.70072.989 231.600-2,4-4,2Bahia 138.834 316.439 137.900 318.293-0,70,6 Cerrado 11.557 63.561 12.605 69.325 9,1 9,1 Planalto 102.338 199.559 100.861 196.679-1,4-1,4 Atlntico 24.939 53.319 24.434 52.289 -2,0-1,9Rondnia153.391 251.868 153.391 251.8680,0 0,0Mato Grosso19.899 47.925 19.899 47.925 0,0 0,0Par 10.448 23.281 10.469 23.345 0,2 0,3Rio de Janeiro 12.864 26.937 12.864 26.937 0,0 0,0Outros 23.300 59.648 23.568 59.770 1,2 0,2 BRASIL2.056.422 5.680.261 2.072.170 5.737.393 0,8 1,0CONVNIO : MAPA - SPAE / CONABJaneiro 2012Avaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/201215 16. GRFICO - 1 PRODUO DE CAF - SAFRA 2012PARTICIPAO PERCENTUAL POR UFRJPA 0,5% MT0,5% Outros RO 0,5% 1,0% BA3,7%PR5,3% 3,8%SP9,1% MG52,0% ES23,8%GRFICO - 2CAF - BENEFICIADOEVOLUO DA PRODUO BRASILEIRA55,0050,0045,0040,00 Milhes sacas 60Kg35,0030,0025,0020,0015,0010,00 5,00 0,0099/0000/0101/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/0707/08 20082009201020112012(*)PROD. 30,9033,1031,30 48,48 28,82 39,27 32,94 42,5136,07 45,99 39,47 48,09 43,4850,62Avaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/2012 16 17. GRFICO - 1 PRODUO DE CAF - SAFRA 2011PARTICIPAO PERCENTUAL POR U.F PARJMT0,4%0,6%RO 0,4% 3,7% OutrosBA 1,2% 5,7% PR3,9%SP 8,0% MG50,8%GRFICO - 2CAF - BENEFICIADOEVOLUO DA PRODUO BRASILEIRA 55,0 50,0 ES 25,3% 45,0 40,0 Milhes sacas 60Kg 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,05,00,099/00 00/0101/0202/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 200820092010 2011PROD. 30,90 33,1031,3048,48 28,82 39,27 32,94 42,51 36,07 45,99 39,47 48,0943,54FONTE: CONABELAB: CONAB/DIPAIAvaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/201217 18. Avaliao da Safra Agrcola Cafeeira 2011 - Primeira Estimativa Janeiro/2012 18