Calculos Trabalhistas

download Calculos Trabalhistas

of 80

  • date post

    14-Aug-2015
  • Category

    Documents

  • view

    44
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Calculos Trabalhistas

expressamente proibido cpia, reproduo parcial, reprografia, fotocpia ou qualquer forma de extrao de informaes deste sem prvia autorizao dos autores conforme legislao vigente.

Janeiro/2010

CLCULOS TRABALHISTAS 1- SALRIO - CONCEITO1.1 - Salrio A contraprestao em pecnia ou em utilidade (in natura) devida ao empregado, pela prestao de servios em decorrncia do contrato de trabalho, independentemente da forma e do meio de pagamento, para retribuir o trabalho efetivo, os perodos de interrupo do contrato e os descansos includos na jornada de trabalho. 1.1.1 Salrio Utilidade: a contraprestao em utilidades pela prestao de servios do empregado ao empregador, fornecida por esta quele, em decorrncia do contrato de trabalho. So utilidades, dentre outras, a alimentao, habitao, vesturio ou outras prestaes in natura. No so consideradas salrio as seguintes utilidades: Vesturios, equipamentos e outros acessrios fornecidos aos empregados e utilizados no local de trabalho, para a prestao do servio. Educao, em estabelecimento de ensino prprio ou de terceiros, inclusive valores relativos matrcula, mensalidade, anuidade, livros e material didtico. Transporte destinado ao deslocamento para o trabalho e retorno, em percurso servido ou no por transporte pblico. Assistncia mdica, hospitalar e odontolgica, prestada diretamente ou mediante segurosade. Seguro de vida e de acidentes pessoais. Previdncia privada. Artigo 458, pargrafo 2 da CLT. 1.1.2.Habitao - Alimentao - Descontos Quanto s utilidades habitao e alimentao, consideradas parte integrante da remunerao, caso o empregador as fornea e decida descontar parte do empregado, desde que este tenha concordado, o desconto no poder exceder os limites de 25% e 20%, respectivamente. Artigo 458, pargrafo 3 da CLT.

1

1.2 - Salrio Mnimo (art. 76 da CLT e art. 7, IV da CF) a contraprestao mnima devida e paga diretamente pelo empregador a todo empregado, inclusive o rural, sem distino de sexo, por dia normal de servio, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais bsicas e s de sua famlia com moradia, alimentao, educao, sade, lazer, vesturio, higiene, transporte e previdncia social, com reajustes peridicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculao para qualquer fim. 1.3 Remunerao (artigo 457 da CLT) A remunerao equivale contraprestao de trabalho, em sentido amplo, compreendendo alm do salrio fixo e/ou varivel, as gorjetas, gratificaes, abonos, adicionais, prmios e outros valores que so pagos ao empregado, para retribuir perodos de efetivo trabalho, descansos remunerados, interrupes do contrato de trabalho e os descansos includos na jornada de trabalho. Portanto, a soma do salrio com as vantagens percebidas pelo empregado em decorrncia do contrato de trabalho. Assim, a remunerao o gnero do qual o salrio a espcie. 1.3.1 - Comisses e percentagens So as quantias preestabelecidas que o trabalhador recebe por unidade de servio prestado ou calculados em forma de percentual sobre o valor unitrio ou global dos negcios realizados. Percentagem a modalidade de comisso. 1.3.2 Gorjeta (art.457, 3 da CLT) Considera-se gorjeta no s a importncia espontaneamente dada pelo cliente ao empregado, como tambm aquela que for cobrada pela empresa ao cliente, como adicional nas contas, a qualquer ttulo, e destinada a distribuio aos empregados. 1.3.3- Ajuda de custo o valor atribudo ao empregado, pago de uma nica vez, para cobrir eventual despesa por ele realizada ou em virtude de servio externo, a que se obrigou a realizar, tem natureza indenizatria e no salarial. 1.3.4 - Dirias de viagem So valores pagos de maneira habitual, para cobrir despesas necessrias execuo de servio externo realizado pelo empregado, como despesas de transporte, alimentao, 2

alojamento, etc. As dirias de viagem integram o salrio, quando excedentes de 50% do salrio do empregado, considerando-se o valor total, e no s a parte excedente. Na hiptese de apresentao de notas para prestao de contas, as dirias no integraro o salrio, mesmo que 50% do salrio.

1.3.5 - Gratificaes Integram a remunerao, mesmo anual, paga a qualquer ttulo, por ajuste tcito ou expresso. Mesmo que seja paga por liberalidade do empregador, mas havendo conexo com o trabalho exercido pelo empregado na empresa, integrar a remunerao para todos os efeitos legais. 1.3.6- Prmios Constituem formas de incentivo, objetivando maior participao do empregado no trabalho, com maior rendimento e melhor comportamento, podem resultar dos contratos individuais de trabalho, acordos, convenes coletivas e regulamentos da empresa. Exemplos: prmio-assiduidade em razo da freqncia do empregado prmio-antiguidade em razo do tempo de servio na empresa prmio-produo quando a causa do pagamento tem por base uma determinada produo a se atingir.

1.3- Abonos um valor concedido pelo empregador por mera liberalidade ou atravs de acordo, conveno ou dissdio coletivo e, ainda, por fora de dispositivo legal. Integra a remunerao para todos os efeitos legais, salvo se houver legislao dispondo o contrrio. 1.5- Adiantamento salarial A empresa no est obrigada legalmente a conceder adiantamento salarial ao empregado, salvo se esta obrigatoriedade estiver prevista em clusula de documento coletivo de trabalho da respectiva categoria profissional. Caso a empresa j esteja concedendo, por fora do documento coletivo ou por liberalidade, no poder suprimi-lo, sob pena de caracterizar alterao contratual prejudicial ao empregado. 1.6 - Adicionais a forma legal que majora salrio em decorrncia da maior dificuldade ou condies mais

3

penosas em que se executa o trabalho. Podem ser convencionados entre as partes (empregado e empregador), atravs de conveno, acordo ou dissdio coletivo. Ex.: adicional por tempo de servio (anunios, qinqnios, etc.), adicional de funo, entre outros. Os adicionais previstos na legislao trabalhista, so em decorrncia de: horas extras 50%, no mnimo, sobre a hora normal trabalho noturno urbano 20 %, no mnimo, sobre a hora diurna trabalho noturno rural 25 %, no mnimo, sobre a hora diurna transferncia de local de trabalho 25% do salrio, enquanto durar a situao trabalho perigoso 30% sobre o salrio sem acrscimos trabalho insalubre 40%, 20%, 10% - conforme o grau de risco mximo, mdio e mnimo.

1.6.1 Periculosidade: so consideradas perigosas as atividades que impliquem no contato permanente com inflamveis, explosivos ou energia eltrica. Artigo 193 da CLT O trabalho em condies insalubres assegura ao empregado um adicional de 30% sobre o salrio contratual sem acrscimo de gratificaes, prmios ou participaes no lucro. Exemplo: Salrio mensal: Adicional de periculosidade: Salrio dirio: Remunerao: Adicional de periculosidade: Salrio-hora: Remunerao: Adicional de periculosidade: R$ 1.250,00 R$ 1.250,00 x 30% = R$ 375,00 R$ 48,00 R$ 48,00 x 30 = R$ 1.440,00 R$ 1.440,00 x 30% = R$ 432,00 R$ 4,30 R$ 4,30 x 220 = R$ 946,00 R$ 946,00 x 30% = R$ 283,80

O adicional de periculosidade dos empregados contratados por dia e por hora, deve incidir tambm sobre o valor do repouso semanal remunerado, pois este tambm integra o salrio do empregado. O adicional de periculosidade no incide sobre adicionais que so pagos juntamente com o

4

salrio ao empregado. Porm, em relao aos eletricitrios o adicional deve incidir sobre a remunerao, ou seja, sobre o valor total das parcelas de natureza salarial. Pargrafo 1 do art. 193 da CLT

Smula 191 do TST: Adicional Periculosidade Incidncia Nova redao. O adicional de periculosidade incide apenas sobre o salrio bsico e no sobre este acrescido de outros adicionais. Em relao aos eletricitrios, o clculo do adicional de periculosidade dever ser efetuado sobre a totalidade das parcelas de natureza salarial. Admisso resciso afastamento: O empregado admitido, dispensado ou afastado no curso do ms, tem direito apenas ao adicional calculado proporcionalmente ao nmero de dias efetivamente trabalhados. Exemplo: Admisso: 15/09/09 Salrio Mensal: R$ 836,00 Adicional de periculosidade: R$ 250,80 Salrio acrescido de periculosidade: R$ 1.086,80 Salrio proporcional acrescido de periculosidade: R$ 579,52 Dias Trabalhados em setembro: 16 R$ 836,00 x 30% = R$ 250,80 R$ 250,80 30 = R$ 8,36 x 16 dias trabalhados = R$ 133,76 R$ 836,00 30= R$ 27,86 x 16 dias trabalhados = R$ 445,76 R$ 133,76 + R$ 445.76 = R$ 579,52 Faltas injustificadas: O empregado que injustificadamente faltar ao servio estar sujeito ao desconto dos dias que tiver faltado e do adicional de periculosidade proporcional queles dias. Exemplo: Salrio mensal: R$ 1.784,00 Faltas injustificadas: 02 Adicional de periculosidade: R$ 535,20 Desconto do adicional de periculosidade: R$ 34,53 Desconto do salrio mensal: R$ 115,09 Salrio com desconto das faltas: R$ 2.164,59 R$ 1.784,00 x 30% = R$ 535,20 R$ 535,20 30 = R$ 17,84 x 2 = R$ 35,68 R$ 1.784,00 30 = R$ 59,46 x 2 = R$ 118,93 R$ 35,68 + R$ 118,93 = R$ 154,61 R$ 1.784,00 + 535,20 = R$ 2.319,20 5

R$ 2.319,20 R$ 154,61 = R$ 2164,59 1.6.2 Insalubridade: As atividades insalubres so aquelas que expem os empregados a agentes nocivos sade, acima dos limites de tolerncia fixados em razo da natureza, intensidade do agente e o tempo de exposio aos seus efeitos. Artigo 192 da CLT O exerccio do trabalho em condio insalubre, acima do limite de tolerncia estabelecido pelo Ministrio do Trabalho e Emprego, desde que impraticvel a neutralizao ou eliminao, assegura a percepo de um dos seguintes adicionais. A base de clculo sobre a qual incidem o salrio mnimo, salvo disposio mais benfica em documento coletivo da categoria: Grau mximo: 40% - R$ 510,00 x 40% = R$ 204,00 Grau mdio: 20% - R$ 510,00 x 20% = R$ 102,00 Grau mnimo: 10% - R$ 510,00 x 10% = R$ 51,00 Exemplo: Salrio mensal: R$ 760,00 Adicional de insalubridade grau mximo: 40% Adicional de insalubridade: R$ 204,00 Salrio mensal acrescido de insalubridade: R$ 926,00 R