CEMEI CENTRO DE COORDENADORA: Profa. STELLA …

of 14/14
COORDENADORA: Profa. STELLA MARIS DIAS NASSIF COSTA PINTO [email protected] Alunos: Rayara Stefanne Santos (Curso de Ciência da Computação, FACE) Fernando Eiji Togashi (Curso Jogos Digitais, FACE) Paloma Lataliza Duarte (Curso de Ciência da Computação, FACE) Joice Paula Gomes Moreira (Curso Direito, FCH) Gabriel Braga de Sousa (Curso Fotografia, FCH) Igor Valladares Quintão Ribeiro (Curso de Ciência da Computação, FACE) Clara Camini Corrêa (Curso Administração, FACE) Voluntários externos: CEMEI – CENTRO DE EDUCAÇÃO PARA A MELHOR IDADE PROJETO 1.Objetivos Promover aos alunos voluntários e bolsistas a oportunidade de vivenciar e atuar em atividades que desenvolvam sua formação profissional ao participarem como instrutores em diversas áreas do conhecimento em ações interdisciplinares nas áreas de Direito, Musicalidade, Informática, Mestre Mandou (dança/artes), Vivências, Raciocínio Lógico, Espanhol, Fotografia, Inglês; Estimular os idosos participantes a autonomia e autoconfiança por meio de atividades intelectuais e lúdicas que possam proporcionar o bem estar social, físico e mental; Avaliar qualitativamente as mudanças ocorridas na vida dos idosos durante o desenvolvimento do projeto, principalmente na transição de novatos para veteranos.
  • date post

    25-Nov-2021
  • Category

    Documents

  • view

    0
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of CEMEI CENTRO DE COORDENADORA: Profa. STELLA …

NASSIF COSTA PINTO
que desenvolvam sua formação profissional ao
participarem como instrutores em diversas áreas
do conhecimento em ações interdisciplinares nas
áreas de Direito, Musicalidade, Informática, Mestre
Mandou (dança/artes), Vivências, Raciocínio
Lógico, Espanhol, Fotografia, Inglês;
social, físico e mental;
vida dos idosos durante o desenvolvimento do
projeto, principalmente na transição de novatos
para veteranos.
Belo Horizonte:
2. Atividades Realizadas
ensinar os primeiros passos ao aprendizado da
mesma, como a explanação dos verbos, sujeitos, e
frases comuns do dia a dia.
Utiliza-se uma apostila com o conteúdo da matéria,
exercícios, e práticas para proporcionar uma oficina
com conteúdo e prazeroso, tornando o aprendizado
algo gratificante tanto para os instrutores quanto para
os idosos.
oficina garante benefícios sadios aos idosos, como
relatado pelas pesquisas da Universidade York, no
Canadá, apontam que aprender novas línguas retarda
o envelhecimento do cérebro.
realizadas atualmente, e desta forma, a oficina
manteve o foco no compartilhamento de ferramentas
básicas para o dia a dia.
Nesta oficina, os alunos manipularam arquivos no
Word, criaram e editaram documentos salvando-os em
pastas. Trabalhou-se também o conhecimento
introdutório sobre a Internet, pesquisando em sites e
trazendo informações encontradas para serem
executadas off-line, trazendo fruto a realidade das
redes sociais para a terceira idade, aprofundando um
3
whatsapp e e-mails.
pela oficina, por meio de relatos em que manifestaram
a aplicabilidade desse conhecimento em seu
cotidiano.
MESTRE MANDOU
Com o intuito de tornar o projeto mais dinâmico e fazer
dos encontros um momento de descontração e
aprendizado foi criada a oficina Mestre Mandou, que
abordou diversos temas de acordo com as semanas e
abriu oportunidade para que instrutores externos ao
projeto contribuam ao Cemei com seus
conhecimentos.
No total foram 70 receitas entregues e a maioria levou
também o alimento. Foi um piquenique gigante, um
momento de partilha, alegria e confraternização. As
receitas foram organizadas, digitalizadas e
consolidadas em livro com fotos dos alunos e seus
pratos.
Realizou-se uma exposição de fuxicos e mandalas
com cd’s por meio de um dos encontros com a
participação de uma das idosas.
4
externo. A dança de salão é uma arte das mais
completas que se possa existir. Pois, através dos
passos, os seus praticantes, além de se encontrarem
em sintonia com a música, também se encontram em
harmonia com o seu par.
Os passos da dança permitem que as pessoas
atribuam um movimento ao corpo capaz de revigorar
as articulações, a atividade cerebral e a circulação
sanguínea, considerando que é uma atividade de
baixo impacto, permitindo a participação de todas as
idades.
aeróbicas, combate à baixa estima e, sem dúvida, o
combate à depressão. A dança permite descontração
e alegria, não por acaso tem sido recomendada por
boa parte da área medica, em todo o País.
Tem-se também a construção de uma rede de
amizades que se dá por meio da vasta possiblidade de
contatos, permitindo assim ampliar os laços de
amizade e do convívio social.
RACIOCÍNIO LÓGICO
estimular o cérebro dos idosos com a finalidade de
aumentar sua capacidade cognitiva para chegar à
solução de problemas de forma rápida, clara e
objetiva, aumentando também o poder de memória
dos mesmos.
jogos interativos, escopa com o baralho e alguns
exercícios de lógica no computador, na qual vários dos
participantes demonstraram bastante interesse e
empenho. Com o passar das aulas, muitos destes
disseram que evoluíram no âmbito da lógica e também
da memória e queriam praticar cada vez mais.
É indispensável que o ser humano tenha um raciocínio
lógico para organizar os pensamentos e assim obter
bons resultados em suas atividades cotidianas, por
isso podemos considerar esta oficina de grande valia.
FOTOGRAFIA
para as pessoas compartilharem seus pensamentos,
pontos de vista, frustrações e alegrias. Pensando
nisso, a oficina de Fotografia do Projeto Cemei da
Universidade Fumec tem como objetivo incentivar os
idosos a prática da Foto-Arte-Terapia onde as
atividades interativas de fotografias são usadas para
aumentar das pessoas o seu autoconhecimento,
consciência, bemestar, melhorar as suas relações com
a família e outros, ativar uma mudança social positiva,
reduzir a exclusão social e aprofundar as relações
interculturais.
fotográficas e suas técnicas, mas também em chamar
a atenção para outras questões onde possa usar a
fotografia como linguagem. Dependendo da afinidade
6
renda e consequentemente agregar novos
conhecimentos.
entorno, proporcionando aos idosos outras formas de
olhar o mundo.
conhecimento sobre a sua colocação na sociedade,
cientes de seus deveres e direitos enquanto idosos.
Durante as oficinas foram abordados inúmeros tópicos
que poderiam mostrar-se relevantes em seu dia-a-dia.
Foram trabalhados os Direitos dos Idosos, Direito
Sucessório e tópicos sobre o Direito Civil e do
Consumidor voltados para a maior idade.
A metodologia utilizada foi a aula expositiva. Foram
elaborados slides com assuntos abordados na
disciplina com a exposição de um “Tema de Discussão
em questão”. Neste momento, a partir do que foi
apresentado durante a aula, foi realizado um debate
sobre determinado tema, normalmente atual e
polêmico, amplamente apresentado pela mídia. Por
fim, no último encontro fora realizado um Júri Simulado
7
nas duas turmas com um caso real ocorrido em Belo
Horizonte.
interesse e o conhecimento sobre os conteúdos
ministrados.
INGLÊS
atrair o interesse dos alunos para a comunicação. Ao
aprenderem uma língua nova, os alunos exercitaram
áreas do cérebro que não são cotidianamente
trabalhadas, isso auxilia no raciocínio lógico, memória,
equilíbrio e concentração.
com o auxílio da equipe do CEMEI, promoveu uma
maior interação entre os alunos por meio dos
exercícios propostos em sala. As aulas foram
respaldadas por textos e livros escolhidos pelo
instrutor, observando o nível de aptidão da turma e sua
capacidade de absorção do conteúdo. Teóricas e
práticas, nas quais os alunos tiveram a oportunidade
de mostrar o que aprenderam e esclarecer dúvidas.
MUSICALIDADE
proporcionar o desenvolvimento da criatividade dos
idosos, estimular o canto e melhorar a pronuncia da
fala em decorrência. Além de desenvolver a
musicalidade, sensibilidade, percepção auditiva,
8
canções nacionais e internacionais folclóricas e
populares, ensinando noções de teoria musical e
conhecimento da própria voz dentro da classificação
vocal, distribuídos em Soprano, Contralto e Tenores.
Foram ministradas por um colaborador externo e uma
aluna voluntária.
“restaurativa” partindo da vivência das pessoas,
mesmo que sejam acontecimentos difíceis, elas são
incentivadas a refletir e conversar sobre isso com foco
naquilo que promove a vida. A ideia é que precisamos
cultivar a resiliência nas pessoas, famílias e
comunidades, com restauração da capacidade de
superação. É o caminho para renovar a esperança,
mover para o estado da oportunidade e novas
possibilidades: vida, força e restauração.
O objetivo geral da oficina foi “incentivar melhor
qualidade de vida através do autoconhecimento e
compartilhamento de conceitos e vivências”, enquanto
a busca mais imediata é a “melhoria do
autoconhecimento, alimentação, cuidados e saúde” de
cada participante.
apoio fundamental da equipe de Coordenação Cemei.
A programação foi ajustada de acordo com as
9
Coordenação Cemei, incluindo permuta de horário.
Fonte: Os autores (2016)