COMPOSIÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS ?· (ABNT: NBR 10.004/2004) Nesta definição,...

download COMPOSIÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS ?· (ABNT: NBR 10.004/2004) Nesta definição, portanto,…

of 18

  • date post

    17-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    213
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of COMPOSIÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS ?· (ABNT: NBR 10.004/2004) Nesta definição,...

  • 1

    COMPOSIO FSICA DOS RESDUOS SLIDOS URBANOS COLETADOS NO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA DO MUNCIPIO DE

    URUSSANGA SC

    Thiago Maragno Biava1

    Professora MSC Mrcia C. Kravetz 2

    RESUMO

    No presente artigo encontra-se o levantamento de dados a cerca do programa de coleta seletiva do municpio de Urussanga, realizada pela Cooperamrica em parceria com a prefeitura municipal e o Cirsures. So contemplados seis bairros em duas diferentes rotas. Os resultados do programa de coleta seletiva so positivos. Em 2010 foram coletadas 204,59 toneladas que corresponde a 6,5% do total de resduos slidos urbanos depositados no aterro sanitrio do Cirsures. Os dados mdios apurados para as rotas 1 e 2 apresentam valores elevados de rejeito, em torno de 31%, quando comparados mdia nacional (8%). Os valores de papel e papelo (29%), metais ferrosos (6%) ficaram com valores abaixo dos tpicos para o pas. As quantidades de vidro (9%), plstico (20%) e embalagens Tetra Pak (3%) foram muito prximas mdia do Brasil. O alumnio, metal nobre, apresentou valor de 2%, o dobro da mdia nacional. Os principais fatores para o elevado percentual de rejeito em ambas as rotas so a falta de divulgao do programa municipal de coleta seletiva, a falta de lixeiras especficas para os reciclados e a concorrncia do programa com catadores clandestinos. Esses fatores desestimulam o programa, impedindo que haja um aumento efetivo na quantidade de reciclados e na qualidade.

    Palavras-chave: resduos slidos urbanos; coleta seletiva, composio fsica.

    1 INTRODUO

    Atualmente, no Brasil, tanto nos grandes centros urbanos como nas

    pequenas cidades, os problemas gerados pelos resduos slidos urbanos tm

    alcanado grandes propores, principalmente no que se refere escassez de

    prticas de manejo, coleta e locais adequados para a sua correta disposio.

    A Norma brasileira que classifica os resduos slidos define-os da

    seguinte maneira:

    1 Engenheiro Ambiental pela UNESC. Ps-Graduado em Gesto Ambiental e

    Desenvolvimento Sustentvel. 2 Professora MSC Mrcia C. Kravetz

  • 2

    Resduos no estado slido e semi-slido, que resultam de atividades de origem industrial, domstica, hospitalar, comercial, agrcola, de servio e de varrio. Ficam includos nesta definio os lodos provenientes de sistemas de tratamento de gua, aqueles gerados em equipamentos e instalaes de controle de poluio, bem como determinados lquidos cujas particularidades tornem invivel o seu lanamento na rede pblica de esgotos ou corpos de gua, ou exijam para isso solues tcnicas e economicamente inviveis em face melhor tecnologia disponvel. (ABNT: NBR 10.004/2004)

    Nesta definio, portanto, encontram-se os resduos slidos urbanos,

    que so divididos e classificados conforme seus riscos potenciais e sade

    pblica. A classificao dos resduos depende basicamente da atividade de

    onde gerado e de suas caratersticas fsicas e qumicas.

    Com a caracterizao e a quantificao desses resduos pode-se

    determinar o correto manuseio e a destinao final adequada para cada tipo de

    resduo gerado pelas atividades humanas. Por esta tica destaca-se o

    processo de coleta seletiva do lixo, cujo processo est baseado na segregao

    na fonte geradora, acompanhada de uma coleta especial e posterior

    preparao dos reciclveis para a reindustrializao.

    A coleta seletiva do municpio de Urussanga realizada pela

    Cooperamrica, Cooperativa de Reciclagem do Rio Amrica. Todo o processo

    tem apoio da Prefeitura Municipal e do Cirsures (Consrcio Intermunicipal de

    Resduos Slidos Urbanos da Regio Sul). O Cirsures um consrcio pblico

    formado pelos municpios de Cocal do Sul, Lauro Mller, Morro da Fumaa,

    Orleans, Treviso e Urussanga, que tem por objetivo as questes relacionadas

    aos resduos slidos urbanos.

    O objetivo desta pesquisa estudar a composio fsica dos resduos

    slidos domiciliares, coletados no programa municipal de Coleta Seletiva do

    municpio de Urussanga, identific-los e quantific-los, bem como analisar duas

    rotas da coleta seletiva nos bairros do municpio e a forma como feita a

    divulgao desse servio na comunidade.

    Ao final, sero apresentados os resultados obtidos da composio

    fsica dos resduos provenientes do processo de coleta seletiva do municpio de

    Urussanga, bem como sero identificados os bairros contribuintes e as formas

    de divulgao da coleta.

  • 3

    2 CLASSIFICAO DOS RESDUOS SLIDOS URBANOS

    Os resduos slidos so gerados como resultado das atividades

    humanas, divididas basicamente em domstica, comercial e industrial.

    Conforme a ABNT: NBR 10004/2004, os resduos slidos fazem parte de dois

    grandes grupos: os resduos classe I (perigosos) e os resduos classe II (no

    inertes e inertes.

    Os resduos perigosos, abrangidos pela Classe I, so aqueles que

    apresentam periculosidade, ou seja, podem causar risco sade humana,

    provocando mortalidade, incidncia de doenas ou acentuando seus ndices

    e/ou que podem causar risco ao meio ambiente, especialmente quando o

    resduo for gerenciado de forma inadequada ou apresentar uma das seguintes

    caractersticas: inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade,

    patogenicidade. Exemplo desses resduos so os solventes, as borras de

    tintas, os lodos de estao de tratamento de efluentes (ETE), as solues

    galvanoplsticas, os ps e as fibras de amianto, lmpadas, leo lubrificante

    usado ou contaminado, fluido e leo hidrulico usado, cinzas provenientes de

    incinerao (ABNT: NBR 10.004/2004). Esse tipo de resduo slido no se

    caracteriza como urbano, pois no gerado em casas, escritrios ou reas e

    reparties pblicas.

    Os resduos no inertes so aqueles que no se enquadram nas

    classificaes de resduos classe I ou de resduos classe II-B, nos termos da

    norma. Esse tipo de resduos pode ter propriedades tais como:

    biodegradabilidade, combustibilidade ou solubilidade em gua. So exemplos

    de resduos no inertes os restos de alimento gerados por restaurantes, sucata

    de metais ferrosos, sucata de metais no ferrosos, resduos de papis e

    papelo e resduos de plstico polimerizados (ABNT: NBR 10.004/2004).

    Na classe II B, resduos inertes, so alocados quaisquer resduos que,

    amostrados de uma forma representativa, segundo a ABNT NBR 10007, e

    submetidos a um contato dinmico e esttico com gua destilada ou

    deionizada, temperatura ambiente, conforme a ABNT NBR 10006, no

    tiverem nenhum de seus constituintes solubilizados a concentraes superiores

    aos padres de potabilidade de gua, executando-se aspecto, cor, turbidez,

  • 4

    dureza e sabor (ABNT: NBR 10.004/2004). Exemplo desse tipo de resduos

    so as madeiras e os entulhos.

    Portanto, de acordo com a classificao da ABNT, os resduos slidos

    urbanos so basicamente constitudos por resduos domiciliares, limpeza

    pblica e de estabelecimentos comerciais, sendo estes classificados como

    resduos classe II A.

    De acordo com Bidone e Povineli (1999), os resduos slidos urbanos

    so originados do descarte do lixo residencial, comercial, de varrio, feiras

    livres, de capinao e poda. Nas residncias ocorre o descarte de restos de

    frutas, legumes, alimentos em geral, plsticos, metais diversos, vidros, papis e

    embalagens em geral. Na capinao, varrio das vias pblicas, praas e

    jardins h restos de poda de galhos, folhas, papis diversos, restos de cigarros

    e animais mortos; nos estabelecimentos comerciais ocorre tambm o descarte

    de embalagens em geral, restos de refeies, papis e vidros; nas feiras livres

    ocorre a produo de resduos hortifrutigranjeiros.

    O Manual de Gerenciamento Integrado de Resduos Slidos

    (IPT/CEMPRE, 1995, p. 23) classifica os resduos slidos urbanos quanto

    sua origem, ou seja, lixo domiciliar, lixo comercial e lixo pblico.

    O lixo domiciliar aquele originado da vida diria das residncias,

    sendo constitudos por restos de alimentos, produtos deteriorados, jornais,

    revistas, garrafas, embalagens em geral, papel higinico, fraldas descartveis,

    etc. Tem como caractersticas principais o alto percentual de umidade, mdio a

    alto poder calorfico, alto teor de cinzas (quando submetido queima)

    abundncia de matria orgnica e gorduras (GONALVES et al., 1992;

    COSTA, 1995), oferecendo boas condies para a proliferao de bactrias e

    outros micro-organismos.

    J o lixo comercial aquele originado nos diversos estabelecimentos

    comerciais e de servios, como supermercados, lojas, bancos, restaurantes,

    hotis, escolas, aougues, peixarias, padarias, etc. Tem em sua composio

    restos de comida, plsticos e vidro, alm de um forte componente de papel,

    embalagens diversas e resduos do asseio de funcionrios, tais como papel-

    toalha, papel higinico etc. Oferece timas condies para a proliferao de

    bactrias patognicas, significando riscos de contaminao do lenol fretico.

  • 5

    O lixo pblico o material originado da limpeza pblica urbana,

    incluindo-se todos os resduos de varrio das vias pblicas, limpeza de praias,

    de galerias, de crregos e de terrenos, de limpeza de reas de feiras livres,

    podas de rvores, alm de restos de construo civil e de recapeamento de

    asfalto, areia, madeira e metais. Em geral, apresenta baixo risco de

    contaminao do lenol fretico.

    Os resduos slidos so, em geral, classificados segundo sua origem,

    podendo ainda ser levada em conta sua natureza fsica, composio qumica

    ou