CONCEITOS E USO DE RECURSOS AUDIOVISUAIS NA F.C.M. · Recursos Audiovisuais (RAV), é item de...

of 57/57
CL 515 | BASES INTERDISCIPLINARES DO ENSINO NA SAÚDE | 2014 CONCEITOS E USO DE RECURSOS AUDIOVISUAIS NA F.C.M. Emilton Barbosa de Oliveira FCM | suporte didático e divulgação técnico científica
  • date post

    30-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    215
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of CONCEITOS E USO DE RECURSOS AUDIOVISUAIS NA F.C.M. · Recursos Audiovisuais (RAV), é item de...

  • CL 515 | BASES INTERDISCIPLINARES DO ENSINO NA SADE | 2014

    CONCEITOS E USO DE RECURSOS AUDIOVISUAIS NA F.C.M.

    Emilton Barbosa de Oliveira FCM | suporte didtico e divulgao tcnico cientfica

  • O mundo abundante e multiforme das imagens visuais e sonoras afigura-se pronto a irromper

    vontade na sala de aula. Informao e documentao, armazenadas nos filmes e nos discos,

    circulam ininterruptamente pelas ondas e aparecem como sinais precursores de uma pedagogia

    iluminada pela presena do concreto; doravante nada demasiado complexo ou demasiado pouco

    visvel, demasiado afastado no tempo ou no espao, demasiado lento; os professores podem

    evocar a seu bel prazer os foguetes e as amebas, o vo dos insetos e o crescimento das plantas,

    Pablo Casals e Picasso, Hitler e Paul Valery, o corao da floresta virgem e o fundo do alto forno, as

    contraes do piloro e a face desconhecida da lua.

    H. Dieuzeide, 1973

    Um futuro a irromper

  • CONCEITOS

    O ensino/aprendizado nas profisses da rea de sade uma constante, desde a graduao at mesmo depois dos cursos de especializao ou ps-graduao. Estando envolvido com ensino, para transmitir conhecimentos ou informaes, preciso bom planejamento e boa forma de comunicao. No factvel ensinar adequadamente sem antes planejar e independentemente do tipo de apresentao ou do pblico a que se destina, devemos sempre seguir uma sequencia para obtermos o sucesso.

  • Leitura com profundidade do assunto; Definio da(s) mensagem(ns) principal(is); Listagem dos tpicos a serem abordados; Plano da apresentao; Apresentao escrita; Preparo de recursos audiovisuais (RAV); Treinamento/correes.

    REFERENCIA

    SEQUNCIA DO PLANEJAMENTO

    CONCEITOS

  • Ao receber a incumbncia de realizar uma apresentao (aula expositiva, seminrio, discusso em grupo, apresentao de tema livre ou pster), importante planejar adequadamente produzir os contedos e treinar, de preferncia, na presena de colegas mais experientes. O preparo dos Recursos Audiovisuais (RAV), item de importncia secundria no contexto maior do planejamento. Embora atraente, no prioritrio, sendo recomendado que se inicie sempre com apresentao j pronta, com antecedncia razovel, e que estejamos preparados, como dizem os mais experientes, para as coisas que vo dar errado.

    RECURSOS AUDIOVISUAIS

    CONCEITOS

  • O conhecimento de ferramentas computacionais para a realizao de uma apresentao oral (aula expositiva, seminrio, discusso em grupo, apresentao de tema livre) ou visual (psteres, cartazes, folderes ou filmes) tornam-se importante no planejamento e na incumbncia da realizao da apresentao a que se destina. Um mnimo conhecimento destas ferramentas fator dos mais importantes para o bom resultado.

    RECURSOS AUDIOVISUAIS

    CONCEITOS

  • tornar a aprendizagem mais dinmica,

    utilizar em momentos adequados para motivar, dar realidade, simplificar e demonstrar uma ideia ou conceitos,

    fundamental para assuntos absolutamente visuais (radiologia, anatomia, histologia etc.).

    O RAV DEVEM SER USADOS PARA :

    CONCEITOS

  • 7% verbal (apenas palavras)

    38% vocal (tom, inflexo da voz)

    55% visual (facial, expresses, gestos)

    IMPACTOS DA COMUNICAO VISUAL

    CONCEITOS

    Secondy-Vacuum Oil Co. Studies 1971

  • RELAO ENTRE APRENDIZADO/RETENO E OS SENTIDOS

    CONCEITOS

    Aprendizado Reteno

    1 % por meio do gosto

    1,5% por meio do tato

    3,5% por meio do olfato

    11% por meio do ouvido

    83% por meio da viso

    10 % do que se l

    20 % do que se escuta

    30 % do que se v

    50 % do que se v e escuta

    70 % do que se ouve e logo discute

    90 % do que se ouve e logo se realiza

    Secondy-Vacuum Oil Co. Studies 1971

  • COMPARAO DA RETENO EM DIFERENTES MTODOS DE ENSINO

    CONCEITOS

    MTODOS DE ENSINO DADOS RETIDOS

    Somente oral

    Somente visual

    Visual + oral

    70

    72

    85

    Aps 3 horas (%) Aps 3 dias (%)

    10

    20

    65

    Secondy-Vacuum Oil Co. Studies 1971

  • MDIA qualquer mtodo de transmitir informaes. MULTIMDIA uso combinado de diferentes mtodos de transmisso de informaes, divididos em: texto, imagens esttica, som, vdeo e animao.

    Marks L.S. et al (1997)

    RECURSOS AUDIOVISUAIS (RAV) OU MULTIMDIA?

    DEFINIO

    RAV e MULTIMDIA confundem-se e alguns autores empregam um ou outro, com o mesmo objetivo.

  • FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS qualquer programa ou sistema desenvolvido em ambiente computacional utilizado para auxiliar, em nosso caso, na transmisso de uma informao audiovisual. SOFTWARE Conjunto de instrues, programas e dados a eles associados, empregados durante a utilizao do computador. O mesmo que programa ou aplicativo.

    DEFINIO

  • FSICAS: Quadro negro;

    flip chart

    Pster ou flanelgrafo;

    Diapositivos|transparncias |multimdia

    AS MANEIRAS DE TRANSMISSO DE CONCEITOS MAIS UTILIZADOS NAS APRESENTAES SO CLASSIFICADOS EM FSICAS E FUNCIONAIS:

    CLASSIFICAO

    FUNCIONAIS: Ambiente Recursos disponveis no local (projetores, retroprojetores, computadores, multimdia, microfones, apontadores);

    Condies do local ( cortinas, suportes para equipamentos, mesas, cadeiras);

    Tamanho da sala ( microfones, lmpadas, disposio de equipamentos para projeo, extenses).

  • FUNCIONAIS:

    CLASSIFICAO

    Assistncia platias (> 50 pessoas impedem o uso do quadro negro); nvel utilizao de quadro negro e diapositivos (graduao, residncia, pequenos grupos, qualificao, defesa de tese e congresso).

  • Professor econmicas (custo qual o mais caro?, quem vai pagar o RAV?);

    habilidade manuseio (transparncias, projetores), conhecimento do equipamento (CPU, programas, multimdia).

    FUNCIONAIS:

    CLASSIFICAO

  • FUNCIONAIS:

    CLASSIFICAO

    Aula durao (aulas extensas requerem um esquema especial de RAV);

    horrio manh (uso de qualquer RAV) a tarde e a noite (limitam a quantidade de diapositivos e fundos muito escuros).

  • QUADRO NEGRO/branco:

    FORMATOS

    recurso primrio (mas necessita de excelente preparo e capacidade didtica);

    utilizao lgica (dividindo o quadro em partes para sequencia e desenvolvimento de tpicos);

    ideal para desenvolvimento de clculos, frmulas e grficos sucinto (sempre que o tamanho da sala permitir).

  • LOUSA DIGITAL:

    FORMATOS

    tecnologia inovadora ( necessita de domnio do equipamento e afinidade com o software);

    um HID (dispositivo de interface humana) usado para comandar o computador diretamente na rea de projeo focando a ateno do espectador diretamente no professor;

    utiliza ferramentas didticas em seu software com recursos de interao com os alunos; permite visualizar o contedo em computadores pessoais;

    sensvel ao toque (tecnologia touchscreen) ;

    permite postar documentos e acessar a internet.

  • LOUSA DIGITAL

  • PSTER:

    FORMATOS

    maior visibilidade e criatividade

    ideal para exposio de resultado de trabalhos (congressos, exposies, temas livres) ;

    mensagem objetivas (ideais para esquemas, grficos, tabelas e ilustraes);

    vantagem de transporte e fixao;

    durabilidade limitada;

  • PSTER:

    FORMATOS

    importante a utilizao de letras grandes (para que a leitura possa ser feita a distncia no mnimo a 1,5 metros);

    recurso de cores (destacar somente elementos principais);

    diagramao pouco saturada (no utilizar diagramao muito rebuscada e de difcil acompanhamento do olhar);

    expor apenas o texto essencial, as tabelas e as figuras de ilustrao (textos telegrficos e em tpicos);

    ilustraes de qualidade (disponibilizar material de qualidade e citar a origem ou modificao).

  • folhas de papel tamanho proporcional 2:3 (em geral 66 x99cm) ;

    fixao em trips (em altura apropriada para viso) ;

    utilizar letras grandes e legveis;

    destaques e sublinhados com canetas coloridas;

    preparo das folhas com antecedncia (ideal) ;

    podem ser folheados, recuperados e reutilizados;

    utilizar em ambientes pequenos (mximo 20 pessoas) ;

    - pouca durabilidade papeis oxidam e rasgam (desvantagem).

    FLIP-CHART :

    FORMATOS

  • FLIP-CHART

  • forma sempre retangular (paisagem ou retrato);

    proporo altura/largura 2:3 (filmes 35 mm);

    pouco contedo em cada diapositivo ;

    fcil manuseio e transporte;

    relao entre cores fundo e textos (devem ser harmoniosas contrastantes) ;

    uniformidade de disposio dos textos e ilustraes;

    manuseio de programas de apresentao ;

    condies ideais de luz no ambiente (inconveniente) ;

    funcionamento de multimdia e sua luminescncia (inconveniente);

    Qualidade do equipamento de informtica disponvel (inconveniente).

    APRESENTAES :

    FORMATOS

  • FERRAMENTAS DE INFORMTICA PARA O APOIO DIDTICO

  • uma sute de aplicativos para escritrio que contm programas como processador de texto, planilha de clculo, banco de dados, apresentao grfica e gerenciador de tarefas, e-mails e contatos. A sute lder de mercado, com pouco mais de 90% de poro do mercado. A sute vem crescendo com o tempo, possuindo cada vez mais funcionalidades. Ela vendida em vrias verses, de acordo com a quantidade de programas incorporados e com o perfil de usurios ou empresas.

    MICROSOFT OFFICE :

    FERRAMENTAS

  • REFERENCIA

  • O Microsoft Word um processador de texto que faz uso dos recursos computacionais a fim de realizar tarefas que seriam difceis ou mesmo impossveis de realizar de outra forma .

    Um processador de texto pode gerar ndices automticos, fazer formatao condicional, verificao ortogrfica, edio de estilos (para automatizar a formatao de documentos extensos).

    Foi criado por Brodie para computadores IBM PC com o sistema operacional DOS em 1983. Mais tarde foram criadas verses para o Apple Macintosh (1984), SCO UNIX e Microsoft Windows (1989). Faz parte do conjunto de aplicativos Microsoft Office.

    PROGRAMA WORD:

    FERRAMENTAS

  • PROGRAMA WORD:

  • POWER POINT :

    O Microsoft PowerPoint uma aplicao que permite o design de apresentaes sejam estas textos ou grficas.

    Tem um vasto conjunto de ferramentas, nomeadamente a insero de som, imagens, efeitos automticos e formatao de vrios elementos.

    Pode se aplicada em palestras e reunies. Permite tambm enviar apresentaes para grupos de pessoas ou criar lbuns de fotos. Permite que voc insira sons e filmes em em apresentaes de diferentes formas.

    FERRAMENTAS

  • EXCEL:

    FERRAMENTAS

    O Excel uma planilha eletrnica indispensvel em trabalhos de escritrio e documentos em geral que necessitam ser organizados em pouco tempo,

    Preciso e praticidade possibilitando fazer clculos, desde os mais simples at resolues mais complexas.

    H recursos capazes de facilitar a criao de planilhas atravs de frmulas, funes, equaes e listas.

  • COREL DRAW

    TRATAMENTO DE IMAGENS

    um programa de desenho vetorial bidimensional para design grfico desenvolvido pela Corel Corporation, Canad.

    um aplicativo de ilustrao vetorial e layout de pgina que possibilita a criao e a manipulao de vrios produtos, como por exemplo: desenhos artsticos, publicitrios, logotipos, capas de revistas, livros, CDs, imagens de objetos para aplicao nas pginas de Internet (botes, cones, animaes grficas, etc) confeco de cartazes, etc.

    Sua aplicao em apoio didtico esta presente na confeco de psteres para congressos, livretos, folderes, cartazes, criao de identidade visuais e outros elementos.

  • PHOTOSHOP

    um software caracterizado como editor de imagens bidimensionais do tipo raster ou bitmap. Desenvolvido pela Adobe Systems. um editor profissional de imagens digitais e trabalhos de pr-impresso. Muito utilizado para tratamento de imagens fotogrficas digitais e para a criao de ilustraes para uso em apresentaes e para paginas de internet.

    TRATAMENTO DE IMAGENS

  • RESOLUO DE IMAGEM TRATAMENTO DE IMAGENS

    A resoluo determina na cmera digital o tamanho da imagem em pixel, com objetivo de gerar o tamanho da foto no papel conforme a necessidade.

    Uma cmera digital com resoluo mxima de 14 MP (Mega Pixel), significa que o sensor CCD tem 14 milhes de pixels com trs canais de cores (RGB) cada.

    Quando reduzimos a resoluo, por exemplo, de 14MP para 8MP estamos agrupando os pixels, logo, transformando o espao com 14MP para 8MP. Sendo assim, os pixels ficaram maiores e de menor quantidade, reduzindo o tamanho da foto final.

  • FORMAS DE UTILIZAO DO VDEO EM SALA DE AULA:

    O VDEO COMO MATERIAL DIDTICO

    Vdeo como sensibilizao: Utilizao do audiovisual para introduzir um novo assunto, despertar a curiosidade e a motivao para novos temas;

    Vdeo como ilustrao: Por vezes a imagem ilustra melhor que as palavras. Esta modalidade permite trazer para a apresentao, realidades ou experimentos distantes ou pouco acessveis aos espectadores como por exemplo realidades de outros paises, visitas tcnicas, entrevistas e outros;

    Vdeo como simulao: uma forma mais sofisticada de ilustrao. Permite simular experincia qumicas perigosas, ou mostrar o funcionamento de uma artria, procedimentos cirrgicos e assim por diante;

  • Vdeo como contedo de ensino: Quando o vdeo de direta ou indiretamente informa sobre um assunto especfico orientando a sua interpretao e permitindo abordagens mltiplas;

    Vdeo como produo: Utilizao das tcnicas de produo de vdeos para documentao, interveno e expresso de idias de forma ldica.

    Vdeo espelho: visualizao da autoimagem buscando o auto conhecimento. Pode ser usado em grupo para anlise dos papis e comportamentos de seus integrantes;

    Vdeo como integrao/suporte: Suporte de mdias como a televiso e o cinema atravs da exibio de filmes e programas gravados. Integrao com outras mdias como o CD-ROM, vdeo-games e a Internet.

  • Vdeo para as reas de Educao a Distncia: em foco atualmente a de transmisso ao vivo de aulas pela Internet, considera-se esta mais uma modalidade interessante de utilizao do audiovisual no suporte ao processo de ensino aprendizagem; Na FCM: promove atividades a distncia empregando tecnologia de informao e comunicao. Estimula e oferece recursos tcnicos e humanos para desenvolvimento de projetos institucionais extra muros e educao assistida por meios assistidos, semi presencial e a distncia para a comunidade da FCM.

    E-mail: [email protected]

  • VDEO CONFERNCIA

    Transmisso de Vdeo Digital via Internet A transmisso de vdeo atravs da Internet exige que se tenha uma largura de banda suficientemente grande para que a qualidade do vdeo a ser transmitido seja no mnimo razovel. Devido s caractersticas das informaes audiovisuais, uma aplicao multimdia na Internet, exige um alto desempenho da rede e das suas estaes de trabalho.

  • VDEO CONFERNCIA FORMAS DE DISTRIBUIO DE CONTEDOS:

    streaming = (fluxo de mdia) uma forma de distribuio de dados, geralmente de multimdia em uma rede atravs de pacotes.

    streaming sob demanda: os contedos permanecem armazenados em bibliotecas de servidores prontos para serem enviados sob requisio dos clientes (players). Estes arquivos so enviados via rede imediatamente aps a sua requisio para serem reproduzidos. Este tipo de transmisso tambm chamada de vdeo sob demanda (video on demand).

    streaming ao vivo: o contedo veiculado de forma contnua, viabilizando a transmisso ao vivo e tambm a vdeo conferncia. Para a realizao do streaming necessrio a utilizao de protocolos de empacotamento e transporte da mdia atravs da rede. No caso de transmisses em tempo real a famlia de protocolos RTP, RTCP e RTSP esto entre os mais utilizados.

  • A videoconferncia, por exemplo, s vlida quando lhe oferecido o suporte capaz de garantir um grau de interatividade mnimo entre os participantes, sem prejudicar o andamento das outras aplicaes da rede . tecnologia streaming: surgiu para possibilitar a transmisso de contedo multimdia sobre redes de pacotes de largura de banda reduzida e com reproduo em tempo real.

    objetiva estabelecer um mtodo de entrega de um contedo para um determinado usurio em uma rede, e o aspecto bsico da tecnologia que a mdia reproduzida a medida que os pacotes que a contm so recebidos, sem a necessidade de aguardar a transmisso de todo o arquivo.

    VDEO CONFERNCIA FORMAS DE DISTRIBUIO DE CONTEDOS:

  • VDEO CONFERNCIA

    tecnologia que possibilita comunicao entre pontos distintos por meio udio e vdeo. Essa comunicao feita via internet e usa softwares, por exemplo: Skype, Polycom, Facetime, alm de utilizar dispositivos que possuam cmeras e microfones, por exemplo: tablets, smartphones, computadores e equipamentos proprietrios (uso profissional) chamados codecs de videoconferncia;

    destinado apoiar o desenvolvimento de projetos, eventos de ensino, pesquisa e extenso com nfase na formao continuada, a distncia e telemedicina. Proporciona comunicao rpida e a viabilidade da relao custo/beneficio.

    CONCEITO

  • VDEO CONFERNCIA NA FCM

    a FCM possui vrias salas equipadas para este fim e tambm no edifcio da ps graduao. O ambiente de maior infraestrutura a sala da congregao junto a Diretoria, possuindo equipamento proprietrio propiciando a comunicao de qualidade com maior parte de instituies nacionais e internacionais. Outros recursos disponveis possibilitam transmisses ao vivo alm de gravaes de trilhas e dublagens para casos especficos .

    para lugares com pouca infraestrutura em equipamentos possvel comunicar com o Skype para videoconferncia que utilizada amplamente para ensino a distncia principalmente para comunicao com outras instituies internacionais.

  • CONSELHOS TEIS

  • PARA UMA BOA APRESENTAO:

    no iniciar uma apresentao diretamente com projees (contato inicial olho a olho);

    no terminar uma apresentao somente com projeo (reservar tempo para um sumrio ou concluses e mensagem final);

    no usar muitos diapositivos (ideal 1 por minuto) ;

    diapositivos e transparncias so pessoais (no utilizar materiais emprestados e sem padro);

    fala do professor tem que se referir ao assunto (no ler diapositivos funo da platia);

    o diapositivo no tem que conter necessariamente TODO o assunto (funo do professor explicar os detalhes);

    na confeco da apresentao seguir um padro lgico (forma, cores, fundos, letras, textos, tabelas, diagramas, grficos).

  • NO SE DEVE :

    apresentar diapositivos/transparncias em lngua estrangeira (salvo textos e tabelas originais ou evento internacional) ;

    pular um diapositivo;

    voltar um diapositivo;

    pedir desculpas pela qualidade ou erros dos diapositivos;

    usar materiais emprestados e sem uniformidade.

    no sincronizar fala com apresentao

  • NO SE DEVE DIZER:

    este diapositivo parece meio complicado... (dados no estudados)

    esse diapositivo est meio desatualizado, mas.... (dados no atualizados)

    esse diapositivo esta muito escuro (ou claro), mas acho que d para ver que....

    esse diapositivo esta com as letras muito pequenas, acho que vocs no vo conseguir ler.....

    esse diapositivo tem umas coisas que no interessam, ento vamos ver somente....

  • NO TERMINE A AULA DIZENDO:

    o prximo por favor,.... Ah! esse era o ltimo, ento muito obrigado pela ateno;

    acho que esse o ltimo, passe o prximo s pra ver, ... Ah! no, ainda tem mais um...;

    tem mais algum diapositivo? No? Ento acabou!;

    ainda tem mais alguns diapositivos, mas eu vou encerrar a aula agora porque j esta tarde.

  • BIBLIOGRAFIA

    AN, R.; RAABE, A.l.A. Um Ambiente para Transmisso de Vdeos Instrucionais sob Demanda 2004 CINTED-UFRGS Disponvel em http://www. cinted.ufrgs.br/renote/mar2004/artigos/22 (Acessado em 26 agosto 2014). DIEUZEIDE, H. - As tcnicas audiovisuais de ensino, 2a. Ed. Lisboa, Ed., LISBOA, Ed. Europa;Amrica, 1973. MARKS, L.S. et al. - Computer-generated graphical presentations: use of multimedia to enhance communications. Urology 49:2-9, 1997. McLESKEY, C.H. - suggestions for slides. Anesthesia Education 9:33 1992. SANT ANNA, F.M. et al. - Planejamento de ensino e avaliao, 11. Ed., Ed Sagra, Cap VI, 1998. SILVA, A.;M. ; PESSOA M. P. Recursos Didticos e Inovaes Tecnolgicas no Ensino de Lingua Estrangeira Moderna. Disponvel em http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1452-8.pdf (acessado em 10 de setembro de 2014) LEITURAS RABB, M.Y. - The Presentation Design Book: Projecting a Good Image with your Desktop Computer, Chapel Hill,, Ventana Press, 1990.

  • [email protected]

    Fones: (19) 35218897 e (19) 35218898

    MUITO OBRIGADO

    CL 515 | Bases interdisciplinares do ensino na sade | 2014 Slide Number 2CONCEITOSSlide Number 4Slide Number 5Slide Number 6Slide Number 7Slide Number 8Slide Number 9Slide Number 10Slide Number 11Slide Number 12Slide Number 13Slide Number 14Slide Number 15Slide Number 16Slide Number 17Slide Number 18Slide Number 19Slide Number 20Slide Number 21Slide Number 22Slide Number 23Slide Number 24Slide Number 25Slide Number 26Slide Number 27Slide Number 28Slide Number 29Slide Number 30Slide Number 31Slide Number 32Slide Number 33Slide Number 34Slide Number 35Slide Number 36Slide Number 37Slide Number 38Slide Number 39Slide Number 40Slide Number 41Slide Number 42Slide Number 43Slide Number 44Slide Number 45Slide Number 46Slide Number 47Slide Number 48Slide Number 49Slide Number 50Slide Number 51Slide Number 52Slide Number 53Slide Number 54Slide Number 55Slide Number 56Slide Number 57