Conhecendo a Biblia

of 29 /29
CONHECENDO A BÍBLIA Título do Original Inglês: On Knowing the Bible Witness Lee 1. Que é a Bíblia? 2. A Completação da Bíblia 3. O Tema, o Pensamento Central e as Subdivisões da Bíblia 4. Princípios de Interpretação da Bíblia PREFÁCIO Este livro é constituído de mensagens dadas em Taipé, Taiwan, na década de 1950. Elas foram dadas como parte de um treinamento para encorajar e ajudar os jovens a lerem a Bíblia. Nesses capítulos temos uma vista panorâmica da Bíblia, de como ela foi escrita, de seu tema, pensamento central, e suas partes e dos princípios de interpretação bíblica. O objetivo de publicar essas palavras é suprir a necessidade dos recém-salvos.

Embed Size (px)

description

 

Transcript of Conhecendo a Biblia

  • CONHECENDO A BBLIA Ttulo do Original Ingls: On Knowing the Bible

    Witness Lee

    1. Que a Bblia?

    2. A Completao da Bblia

    3. O Tema, o Pensamento Central e as Subdivises da Bblia

    4. Princpios de Interpretao da Bblia

    PREFCIO

    Este livro constitudo de mensagens dadas em Taip, Taiwan, na dcada de 1950. Elas foram dadas como parte de um treinamento para encorajar e ajudar os jovens a lerem a Bblia. Nesses captulos temos uma vista panormica da Bblia, de como ela foi escrita, de seu tema, pensamento central, e suas partes e dos princpios de

    interpretao bblica. O objetivo de publicar essas palavras suprir a necessidade dos recm-salvos.

  • Captulo 1

    QUE A BBLIA?

    O objetivo destas lies ajudar as pessoas a aprender a ler a Bblia, ou seja, ajud-las a saber como ler a Bblia. Talvez alguns irmos possam pensar que em cada lio estaremos estudando a prpria Bblia; mas no isso que faremos. Em vez disso, iremos ajudar os irmos a aprender a como ler a Bblia e como conhec-la.

    DEVE HAVER UM EQUILBRIO ENTRE O ESPRITO INTERIORMENTE E A BBLIA EXTERIORMENTE

    Para edificar espiritualmente uma pessoa, precisamos ajud-la a conhecer a Bblia. Nos ltimos dois mil anos, todos os cristos reconhecem que ningum pode conhecer verdadeiramente o Senhor sem conhecer a Bblia. Ns, seres humanos, no somos meramente esprito. Embora tenhamos um esprito, no somos simplesmente um esprito, mas somos um ser humano completo. Se fssemos apenas um esprito, Deus somente precisaria nos dar Seu Esprito; no haveria necessidade da Bblia; entretanto, como no somos apenas esprito, Ele tambm teve de nos dar a Bblia. As heranas espirituais que Deus nos deu so o Esprito, que no pode ser visto, e a Bblia, que pode ser vista. O Esprito est em nosso interior e a Bblia exterior a ns. Os cristos de todas as pocas podem testificar, por sua experincia, que um cristo adequado deve ser totalmente equilibrado nestes dois aspectos - a Bblia exteriormente e o Esprito interiormente. Esses dois aspectos precisam estar absolutamente equilibrados. Qualquer tendncia para um desses lados resultar em srios problemas. Entre os cristos de todos os sculos, alguns penderam para o Esprito interior, o que resultou em grandes erros. A maioria, entretanto, pendeu para a Bblia exterior. Aparentemente esses no erraram tanto, todavia, entre eles h uma condio muito sria de morte. Em outras palavras, se houvesse somente o Esprito interiormente e no houvesse a Bblia exteriormente, o homem facilmente cometeria erros. Por outro lado, se houvesse somente a Bblia exteriormente e no houvesse o Esprito interiormente, o homem ficaria totalmente morto, totalmente sem vida e sem qualquer vitalidade. Os cristos podem ser comparados a um trem. necessrio o combustvel interiormente, para atuar como sua fora propulsora. Mas um trem tambm precisa de trilhos exteriormente. Se houver combustvel interiormente mas nenhum trilho exteriormente, o trem no poder andar. Mesmo que ele consiga andar, haver problemas. No entanto, se houver somente os trilhos exteriormente e nenhum combustvel interiormente, o trem pode estar na estrada correta, mas no conseguir andar. Portanto, para que um trem ande, e o faa bem, deve haver a coordenao destes dois aspectos: o aspecto interior e o aspecto exterior. Exteriormente deve haver o ajuste dos trilhos e, interiormente, necessria a energia do combustvel. O mesmo ocorre conosco. Temos o Esprito em nosso interior e a Bblia exteriormente. Infelizmente, os cristos, atravs dos sculos, tm-se inclinado para um ou para outro. At mesmo em nossos dias, muitas pessoas continuam fazendo o mesmo. Os que enfatizam demais o Esprito condenam os que se inclinam para a Bblia, dizendo-lhes: "O que vocs lem so apenas letras mortas. Todos os dias vocs usam apenas a mente para estudar os ensinamentos mortos. A letra mata, mas o Esprito vivifica. Somente ns vivemos no Esprito". Os que tendem para a Bblia exteriormente, da mesma forma, condenam os que enfatizam o Esprito interiormente, dizendo para eles: "O que vocs tm apenas emoo. Somente h animao e entusiasmo, mas nenhuma estabilidade. Considerem todas as pessoas que vocs dizem ter sido despertadas pelo Esprito. Onde esto elas hoje? Muitas coisas que se alegou terem sido iniciadas pelo Esprito, na verdade, resultaram num desastre completo". Anos atrs, vimos muito desse tipo de condenao no norte da China. Quando o chamado movimento pentecostal ou movimento carismtico estava com plena fora ali, seus participantes opunham-se muito interpretao da Bblia. Eles pensavam que bastava ser enchido com o Esprito Santo e ter o derramamento do Esprito Santo. Entretanto, entre eles, no apenas houve muitos erros, mas tambm muitas histrias esquisitas. Aqueles erros e histrias esquisitas realmente causaram muita vergonha para o nome do Senhor. Essas coisas no ocorreram apenas na China, mas tambm no cristianismo ocidental. At hoje, ainda h essas duas tendncias e esses dois erros.

  • Essas coisas nos mostram que um cristo adequado deve ser equilibrado; deve estar cheio do Esprito interiormente e deve conhecer a Bblia exteriormente. Aquele que cheio do Esprito interiormente e conhece a Bblia exteriormente ser como um trem que, interiormente tem o combustvel que d energia e exteriormente est sobre os trilhos. Dessa maneira, ele ser um cristo que vivo, estvel, que se move e que tambm se dirige para o alvo. Portanto, devemos enfatizar igualmente o Esprito e a Bblia; no devemos negligenciar nenhum desses assuntos. No podemos omitir o Esprito interior nem desprezar a Bblia exterior.

    CONHECER A BBLIA EXIGE O EXERCCIO DO ESPRITO E O TREINAMENTO DA MENTE

    O Esprito e a Bblia so dois lados de um mesmo assunto. Similarmente, o conhecimento da Bblia tambm tem dois lados. Quase todas as coisas que Deus ordenou neste universo tm dois lados. Por exemplo: h o cu e a terra; h macho e fmea; h dois lados, o de dentro e o de fora; h a parte de cima e a de baixo - tudo isso tem dois lados. Para uma pessoa conhecer a Bblia tambm ocorre o mesmo. H a necessidade da mente e tambm do esprito. Ningum pode conhecer adequadamente a Bblia, negligenciando qualquer um desses aspectos. Para se conhecer a Bblia, preciso ser treinado na mente e tambm ser exercitado no esprito.

    Entretanto, quanto ao conhecimento da Bblia os cristos hoje em dia posicionam-se ou pela mente ou pelo esprito. Os que se posicionam pela mente exageram no estudo da letra, enquanto os que se posicionam pelo esprito so livres demais para espiritualizar tudo, a tal ponto que a Bblia para eles se torna quase vazia de letras. Portanto, ao estudar a Bblia, novamente h o perigo de ser tendencioso. Muitas pessoas enterram-se na Bblia, dia aps dia. Elas tornam-se especialistas no estudo da letra da Bblia. Por exemplo, a lngua hebraica formada por um alfabeto de vinte e duas letras. Algumas pessoas estudaram tanto que contaram quantas vezes cada uma dessas letras foram usadas na Bblia. Eles tambm contaram o nmero de vezes que cada letra do alfabeto grego usada no Novo Testamento. Alm disso, as lnguas hebraica e grega so similares ao latim, na questo de letras representarem nmeros. Por exemplo: no latim, X equivale a dez e V equivale a cinco. Da mesma forma, as letras no hebraico e no grego tambm representam nmeros. Algumas pessoas mergulharam profundamente nesse estudo. Elas calcularam o valor numrico de cada palavra do Antigo e do Novo Testamento. E impressionante sua descoberta de que o valor numrico representado em cada palavra na Bblia mltiplo de sete. Eu nunca tentei conferir isso, mas h escritos que confirmam esse fato. Agora vocs sabem a que ponto chegaram as pessoas no estudo da letra. H os compiladores de concordncias que tambm laboram na letra e fazem muita pesquisa na Bblia . Ao mesmo tempo, h pessoas hoje que abrem a Bblia e agem inteiramente por sua inspirao interior. Isso como "o vento [que] sopra onde quer"! Da maneira que o "vento" soprar, elas falam. s vezes elas vm como um furaco. Originalmente o trem estava andando adequadamente nos trilhos, mas quando chegou o furaco, os trilhos foram varridos para o ar e com eles o trem. Creio que vocs j encontraram esse tipo de pessoa. A exposio da Bblia apresentada por eles algo no espao; est toda flutuando. Elas so totalmente extremistas pelo lado espiritual. Deixem-me repetir agora: inclinar-se para as letras resulta em muita morte, e inclinar-se para a esfera espiritual muito perigoso. verdade que aqueles que se inclinam para o lado espiritual podem ser pessoas muito interessantes e persuasivas, at mesmo pessoas que liberam seu esprito; mas depois de ouvi -Ias falar, facilmente se levado para o ar. Por outro lado, quanto aos que se inclinam para a letra, cada linha que eles falam apoiada por provas, entretanto eles so muito "mortos". Aps estarem falando por menos de meia hora, pode-se cair no sono. Os dois lados esto alienados. Portanto, irmos, se verdadeiramente queremos conhecer a Bblia, precisamos ser equilibrados. Devemos entender adequadamente a letra da Bblia e devemos usar adequadamente o nosso esprito, para sentir o significado espiritual do que estamos vendo na Bblia. Para lermos bem a Bblia, devemos treinar nossa mente para isso e, talvez ainda mais, exercitar nosso esprito. Treinar a mente visa entender a Bblia. Exercitar o esprito tem o propsito de tocar e contatar a Bblia. O primeiro uma questo da mente; a mente tem de entender a Bblia. O outro uma questo do esprito; o esprito deve contatar a Bblia.

  • Usando a eletricidade como exemplo, vemos que entender a eletricidade uma coisa, e contat-la outra coisa. Entend-la uma questo da mente, ao passo que contat-la uma questo do corpo. Muitas vezes h corrente eltrica, mas um pedao de madeira a isola do corpo. Sob tal circunstncia, embora a mente de uma pessoa possa entender a eletricidade, seu corpo no pode contat-la. Por outro lado, algumas pessoas no entendem nada de eletricidade, mas seu corpo verdadeiramente a contatou. Elas podem contatar a eletricidade porque ela est ali e porque seus corpos no esto isolados dela. Assim que a tocam, elas podem senti-la. Essa uma boa ilustrao do nosso relacionamento com a Bblia. Entender a Bblia com a nossa mente uma coisa, e toc-la, contat-la com o nosso esprito outra coisa bem diferente. Pode ser que entendamos a Bblia com a nossa mente e que nosso esprito ainda no a tenha contatado. No basta apenas entender a Bblia com a nossa mente, precisamos tambm contat-la com nosso esprito. Por outro lado, assim como precisamos tocar e contatar a Bblia com o nosso esprito, necessrio que tambm a entendamos na mente. Temos que perceber que o motivo de querermos que a mente entenda a Bblia para que o nosso esprito possa contatar e tocar suas palavras. Uma coisa certa: difcil nosso esprito tocar as palavras da Bblia sem que elas tenham primeiramente passado pelo entendimento da nossa mente. Isso ocorre com as palavras da Bblia, assim como com as palavras que so pregadas. At mesmo as palavras deste captulo no podem tocar seu esprito, sem primeiro terem passado pelo seu entendimento. Suponha que eu esteja aqui pregando em chins e que haja algum sentado a que no entenda chins. Nada penetrar a mente dessa pessoa. Como poder seu esprito ser tocado? A verdade deve primeiro ser compreendida pela mente antes de alcanar o esprito e tocar a pessoa. Se houver uma pessoa inculta que abra a Bblia para l-la, como pode seu esprito ser tocado? Para que seu esprito seja tocado pela Bblia, ela deve esforar-se para, primeiramente, aprender a ler com sua mente. Ela precisa, pelo menos, ser capaz de identificar as palavras na Bblia para que possa l-las e ser tocada por elas em seu esprito. Se no entendemos as palavras na Bblia, mesmo que oremos por trs horas com muita inspirao, ainda nos ser impossvel entend-la ou ser tocados quando a lemos, porque suas palavras no podem alcanar nossa mente. Temos de gastar muito tempo aprendendo nossa lngua com nossa mente, at que venhamos a ler a Bblia. Somente ento as palavras podero alcanar nossa mente para tocar nosso esprito. Alm disso, a Bblia no to simples. Podemos conhecer todas as palavras da Bblia e ainda no sermos capazes de entender seu significado. H passagens na Bblia que no podem ser compreendidas por uma simples leitura. A Bblia tem suas caractersticas prprias e sua prpria histria. Muitas pessoas com grau de doutorado e com muito conhecimento abrem a Bblia para l-la e descobrem que, embora conheam todas as palavras, no conseguem entender algumas passagens, porque no tm o conhecimento especfico do pano de fundo ou de determinados termos especficos da Bblia. Como eles no entendem essas passagens, difcil que sejam tocados por elas. claro que h determinadas passagens, como Joo 3:16, que no apresentam nenhuma dificuldade tcnica de linguagem. Desde que se entenda as palavras, uma simples leitura suficiente para que a mente entenda. H, entretanto, muitos outros lugares na Bblia que apresentam problemas especiais de linguagem. Por exemplo, h nomes especficos de pessoas e lugares, h a questo da dispensao, os tipos e as profecias. Alm disso, h muitos outros assuntos como os nmeros, as alegorias e os smbolos. A capacidade de compreender essas expresses e termos especficos no se encontra em algum que apenas culto ou instrudo na educao deste mundo. Isso pode ser comparado ao fato de que, embora eu seja culto, fico totalmente perdido quando me defronto com um livro de eletricidade. Posso ler as palavras, mas no entendo seu significado por causa dos muitos termos tcnicos especficos. Para entendermos um livro de eletricidade, precisamos primeiramente aprender o significado de alguns termos tcnicos. No mesmo princpio, as palavras da Bblia podem parecer muito comuns, todavia elas so muito especficas e contm muitos termos peculiares. Se no formos treinados adequadamente nesses termos especficos e assuntos tcnicos, teremos dificuldade em entender o que lemos. Por exemplo: Joo 1:17 diz que a lei foi dada por intermdio de Moiss. "A lei" um termo especial e "Moiss" tambm um nome especial. Sem um conhecimento dos antecedentes desses dois termos, mesmo cem PhDs juntos no seriam capazes de entender o significado dessa frase.

    Assim, para que uma pessoa salva entenda adequadamente a Bblia, ela deve gastar algum tempo nos termos e linguajar especficos e deve ser treinada em sua mente. Com treinamento, a leitura torna-se muito mais fcil. Ela no ter muita dificuldade quando encontrar palavras como "a lei", "Moiss" ou o

  • "derramamento de sangue para a remisso de pecados", porque j conhecer esses termos especficos. Assim que forem lidos, eles sero prontamente entendidos. As palavras da Bblia passaro imediatamente pela mente e sero toca das pelo esprito. Portanto, desta vez gastaremos um bom tempo nos termos especficos e na linguagem da Bblia. Esse aspecto de treinamento da mente uma preparao para nos ajudar a usar nosso esprito, a fim de contatarmos e tocar a Bblia. Esperamos que, por meio deste treinamento, a maioria dos irmos, por um lado, sejam treinados nas tcnicas de penetrar a Bblia e a terminologia especfica para ter o chamado conhecimento bblico, e que, por outro lado, exercitem-se no esprito. Dessa maneira, quando lerem a Bblia, as palavras penetraro imediatamente em sua mente. Ao mesmo tempo, eles sabero como usar seu esprito para contatar o Esprito na Palavra. Resumindo, este treinamento para que todos aprendam a entender a Bblia com a mente e a toc-la com o esprito. A primeira metade desta srie consiste no treinamento da mente e a segunda metade, no exerccio do esprito. A primeira metade desta srie sobre o treinamento da mente; a segunda sobre o exercitar do esprito. Na primeira metade gastaremos bastante tempo para entrarmos nos termos e tcnicas especiais que so usados. Isso exige muita pacincia. Pessoas preguiosas no conseguem conhecer a Bblia. No se pode esperar que uma pessoa preguiosa alcance um conhecimento adequado da Bblia. Talvez, uma vez ou outra, Deus, em Sua misericrdia, permita a ela um toque e uma inspirao. Entretanto, isso como ser atingido por um relmpago, o que muito raro. Todos aqueles que conhecem adequadamente a Bblia, tm uma mente e um entendimento adequados. Embora tenhamos um esprito, no somos somente esprito. Deus nunca teve a inteno de fazer de ns um esprito. Ele apenas deseja que sejamos pessoas espirituais. Deus ainda quer que sejamos seres humanos, e, como seres humanos, temos no somente esprito, mas tambm uma mente. Portanto, . para que conheamos a Bblia, precisamos, interiormente, exercitar o esprito e, exteriormente, ser treinados na mente. Somente quando temos os dois aspectos que somos pessoas adequadas. Agora chegamos primeira lio desta srie. Precisamos descobrir o que a Bblia. Que , de fato, a Bblia? Se algum perguntar: "Que esta mesa?" podemos imediatamente responder que esta mesa feita de madeira; pode-se colocar coisas sobre ela. Mas so poucos os que tm clareza sobre o que seja a Bblia. At mesmo hoje nos difcil explic-la plenamente. Falaremos o que pudermos. Usaremos quatro pontos para explicar o que a Bblia. A Bblia uma s, mas falaremos de quatro aspectos a seu respeito para cobrir plenamente o assunto.

    A BBLIA A PALAVRA DE DEUS

    A Bblia constituda de palavras, todavia no so palavras humanas, mas palavras de Deus. A maior coisa neste universo, exceto Deus, a Bblia. A Bblia nos diz que at mesmo o prprio universo foi criado pela palavra de Deus (Hb 11:3). A palavra est acima de tudo e maior que tudo. Ela tambm antes de todas as coisas. Antes que tudo existisse a Palavra j existia. Mesmo entre os homens, as palavras so uma coisa muito importante. Quase cem por cento de uma pessoa e suas atividades tm a ver com suas palavras. Imagine onde estaria uma pessoa se ela no pudesse falar, escrever, nem usar qualquer tipo de linguagem para expressar o que vai no seu interior. Pareceria que essa pessoa no existe. Se voc algum que no consegue falar e no capaz de usar uma linguagem para se expressar, ento, mesmo que esteja aqui, como se no estivesse; enfim, voc no se expressaria. Portanto, a expresso da vida, do carter e de toda a histria de uma pessoa depende totalmente de palavras. Como surgiram as palavras ? Teriam elas sido criadas por Deus? No ouso dizer e tampouco sei como surgiram as palavras. Penso que se eu fizesse essa pergunta aos cientistas, eles tambm achariam difcil respond-la. Como surgiram as palavras? Esse um assunto muito interessante. Como Ado aprendeu a falar no princpio? Sem dvida, a capacidade de falar foi criada por Deus, mas de onde vieram as palavras que ele falou? Que lngua ele usou no den? Creio que ningum sabe a resposta. Entretanto, se no existissem palavras no universo, no haveria nada para fazermos aqui hoje; tudo estaria acabado. Toda a humanidade, a sociedade e o mundo estariam terminados. Portanto, as palavras so algo muito importante.

  • A Bblia a palavra de Deus. Isso algo ainda mais grandioso. impossvel ao homem pesquisar o universo, a humanidade e a existncia de Deus hoje sem ir Bblia. Toda a histria do universo est contida nas palavras da Bblia. Se voc quer conhecer Deus, a histria do universo e a humanidade, voc tem de ler a Bblia. Todas essas coisas existem e esto contidas nas palavras da Bblia. Alm disso, essa palavra no palavra de homens, mas a palavra de Deus. A Segunda Epstola de Pedro 1:21 diz que a profecia na Bblia, ou seja, as palavras da Bblia so faladas "da parte de Deus movidos pelo Esprito Santo". H dois pontos importantes, dignos de nota. Um que a palavra da Bblia movida pelo Esprito Santo, e o outro que ela foi falada da parte de Deus. Ser movido pelo Esprito Santo, no grego, significa ser levado. como um barco ser movido na gua pela fora propulsora do vento. Aqui diz que as palavras da Bblia foram faladas por homens movidos pelo Esprito Santo. Esse mover exatamente como ser carregado pelo vento. O Esprito Santo como o vento, vem sobre aqueles que falam por Deus, para lev-los, conduzindo-os em seu falar. Os cinco livros de Moiss foram escritos por Moiss mas o Esprito Santo estava ali, conduzindo Moiss enquanto ele escrevia. verdade que muitos salmos so palavras de Davi. Entretanto, o Esprito Santo estava sobre ele levando-o a falar.

    Alm disso, temos de perceber tambm que a Bblia a palavra falada "da parte de Deus". Quanto a esta frase os tradutores da Bblia e estudiosos dos manuscritos tem opinies diferentes. Alguns dizem que as palavras "da parte de Deus" devem referir-se s pessoas que falaram, indicando que eles eram "homens de Deus", falando enquanto eram movidos pelo Esprito Santo. Outros dizem que as palavras "da parte de Deus" devem referir-se no as pessoas que falaram, mas s coisas faladas, indicando que o que elas falaram veio de Deus. As melhores tradues, como a Revised Standard Version, concordam com o segundo conceito. Ela nos fala que a palavra na Bblia, no somente foi falada por pessoas movidas pelo Esprito Santo mas tambm por homens falando da parte de Deus. o Esprito de Deus que leva os homens a falar. Tambm so homens falando da parte de Deus. Em outras palavras, Deus falou Sua prpria palavra a partir do interior do homem e pela boca do homem. Isso a Bblia. Que a Bblia? A Bblia o Esprito de Deus vindo sobre o homem e levando o homem a falar a palavra de Deus. Quando Deus declara Sua palavra no universo a partir de e por meio do homem, temos a Bblia. O segundo livro de Samuel 23:2 diz: "O Esprito do SENHOR fala por meu intermdio, e a sua palavra est na minha lngua". Isso foi falado por Davi. Davi era no apenas um salmista, mas tambm um profeta (At 2:30). Ele nos disse que o que falou foi pelo Esprito de Deus e que a palavra de Deus estava em sua boca. Note que no apenas o Esprito de Deus falou por seu intermdio, mas que a palavra de Deus estava em sua prpria boca e foi falada por meio de sua boca. Isso a Bblia. Isso algo verdadeiramente impressionante. Hoje, no somente temos de admitir que a Bblia inspirao de Deus, mas temos de perceber tambm que a Bblia o Esprito de Deus introduzindo o homem em Deus, e da parte de Deus, declarando a palavra de Deus. Ela tambm o Esprito Santo falando a palavra de Deus por intermdio da boca do homem. Isso a Bblia. Que a Bblia? A Bblia a palavra de Deus falada por meio do homem, movido pelo Esprito Santo. Atos 1:16 diz que o Esprito Santo profetizou na Escritura pela boca de Davi. Isso nos mostra que no apenas o Esprito Santo falou por boca de homem, mas tambm que a palavra assim falada a Bblia. Portanto, a Bblia e a inspirao do Esprito Santo so reunidas aqui. A Bblia simplesmente o Esprito Santo falando a palavra de Deus pela boca do homem.

    Mateus 4:4 diz: "No s de po viver o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus". A palavra que procede da boca de Deus cada uma das palavras da Bblia. Assim, a Bblia nada mais que a palavra que procede da boca de Deus.

    Portanto, podemos chegar a uma concluso muito clara, simples e precisa: a Bblia a palavra de Deus falada por Seu Esprito Santo pela boca do homem.

    A. Explica o Prprio Deus

    A Bblia so as palavras de Deus. Primeiro, essas palavras explicam o prprio Deus. Todas as palavras so para explicao e expresso. As palavras da Bblia so para expresso e explanao do prprio Deus. Se a pessoa no l ou no entende a Bblia, ela no entender nem conhecer a Deus. Por exemplo: se voc

  • hoje no entende a lngua chinesa, voc no me conhecer como pessoa. Voc pode ouvir minha voz, mas no saber o que estou expressando. A Bblia, como a palavra de Deus, antes de tudo explica e expressa o prprio Deus.

    B. Explica o Desejo de Deus

    A Bblia tambm explica o desejo de Deus. Ela explica o que est no corao de Deus, o que Ele deseja, o que Ele almeja, o que Ele ama e o que odeia. Todos os interesses e desejos de Deus so explicados na Bblia. Graas a Deus que temos tal Bblia. Se a lermos de capa a capa, conheceremos o desejo de Deus. Este livro no somente expressa o prprio Deus, como tambm expressa Seu desejo.

    C. Explica o Plano de Deus A Bblia tambm explica o plano de Deus. Deus um Deus que no somente tem desejo e emoo; Ele tambm um Deus de plano e realizao. Se lermos toda a Bblia cuidadosamente, entenderemos o que Deus planeja fazer no universo. Por intermdio da Bblia podemos entender o plano de Deus.

    D. Explica a Origem do Universo. e de Todas as Coisas

    A Bblia tambm explica a origem do universo e de todas as coisas. Como foi criado o universo com todas as coisas que ele contm? Como que elas surgiram, e qual o seu fim no futuro? Tudo isso est claramente explicado na Bblia. O mistrio do universo esclarecido na Bblia. Sem a Bblia ningum pode entender o universo. O universo , sem dvida, um mistrio e incompreensvel para o homem. Embora muitos astrnomos, gelogos e outros tipos de cientistas tenham realizado muitas pesquisas, eles no conhecem a finalidade do universo. Precisamos da Bblia para explicar o mistrio do universo. A Bblia explica essas quatro coisas principais. Sem dvida, se quisermos dizer mais, podemos dizer que ela tambm explica a condio do homem e mostra o caminho para a salvao do homem. Mas essas coisas podem ser includas nos quatro itens principais anteriores. Ela explica o prprio Deus, explica o desejo de Deus, explica o plano de Deus. (O desejo e o plano de Deus incluem a redeno de Deus.) Ela tambm explica o universo.

    A BBLIA A REVELAO DE DEUS Uma vez que a Bblia a palavra de Deus, ela a revelao de Deus. Como j mencionamos anteriormente, a palavra a expresso e a explicao. Como ela a expresso e a explicao, ela uma revelao. A Primeira Epstola de Pedro 1:10-12 diz que os profetas que escreveram a Bblia receberam revelao de Deus. Revelao, no texto original, significa remover o vu e revelar o mistrio que est dentro. A Bblia a revelao de Deus. Ela revela o prprio Deus, Seu desejo, Seu plano e a origem do universo. Por meio da Bblia -nos mostrado o prprio Deus, Seu desejo, Seu plano e a origem do universo. Se entendermos a Bblia, veremos o prprio Deus, Seu desejo, Seu plano e a origem, a histria e o fim do universo, ou seja, a histria completa do universo. A Bblia inteira a revelao de Deus. Quando Deus remove todo o vu e nos desvenda o que est dentro, temos a Bblia.

    A BBLIA O SOPRO DE DEUS

    A Bblia tambm o sopro de Deus; a expirao do prprio Deus. A Segunda Epstola a Timteo 3: 16 nos diz que toda a Escritura inspirada por Deus. "Inspirada", no original grego, significa "soprada". Da, alguns terem traduzido essa palavra para o ingls por "soprada". A Bblia o sopro de Deus, da mesma maneira que o meu falar esta manh o meu sopro. Desculpe-me, por favor, por falar algo de mim mesmo. Desde as cinco e meia da manh, quando me levantei, tenho estado cheio de encargo interiormente. Gostaria que as oito e meia chegasse mais cedo, de maneira que eu pudesse soprar para fora este assunto. Que estava em mim? A palavra. Como eu poderia descarregar meu sentimento, as coisas que estavam no meu interior e a palavra que estava em mim? Expirando. O que estou falando minha prpria expirao. Da mesma maneira, a Bblia a palavra de Deus. Ela tambm a expirao de Deus.

    A. Tem o Elemento de Deus Uma vez eu a Bblia a expirao de Deus, ela contm o elemento de Deus. No ouso dizer que a Bblia Deus. Entretanto, tenho a ousadia de falar que se voc toca o esprito na Bblia, voc toca o prprio Deus. Isso algo que no podemos imaginar ou compreender plenamente com a nossa mente. Mas uma

  • realidade em nosso esprito. Voc no sente muitas vezes, quando l a Bblia, que est tocando Deus? No podemos dizer que a Bblia Deus. Se o dissermos seremos quase que supersticiosos. Mas temos de admitir que, em esprito, certamente tocamos o prprio Deus quando tocamos o esprito da Bblia. No se trata apenas de estar na presena de Deus, mas uma questo de tocar o prprio Deus. Quando voc toca o esprito da Bblia, voc toca o prprio Deus. Por que isso ocorre dessa maneira? Porque a Bblia a expirao do prprio Deus. Ela Deus soprando-se a Si mesmo por meio das palavras. Portanto, temos de admitir que nesse soprar existe o elemento de Deus. A Bblia o sopro de Deus. Isso quer dizer que a Bblia no so apenas palavras sopradas por Deus, mas o prprio Deus soprado em Sua palavra. Portanto, na palavra h o elemento de Deus. Essa a diferena entre a Bblia e outra palavra qualquer. No h o elemento de Deus em outras palavras, ao passo que, na palavra da Bblia, h o elemento de Deus. A Bblia a palavra de Deus. Ela , no somente o soprar de Deus, mas o prprio Deus soprado na palavra. Assim, nesse soprar existe o elemento de Deus. Uma vez que voc toca esse sopro, voc toca o elemento de Deus. Por essa razo, muitas vezes quando lemos a Bblia no apenas sentimos a presena de Deus, mas sentimos que contatamos e tocamos Deus em nosso interior.

    B. Tem o Sabor de Deus Nesse sopro h o sabor de Deus. Uma vez que h o elemento de Deus, h o sabor de Deus. difcil descrever sabor. Quem pode descrever qual o sabor da doura? Embora ningum consiga faz-lo, tal sabor existe. Da mesma maneira, na Bblia h o sabor de Deus. Quando lemos a Bblia e tocamos Deus em nosso esprito, de fato sentimos o sabor de Deus. Voc pode me perguntar como esse sabor de Deus. Eu diria que no consigo descrev-lo. Tudo o que sei que eu toquei a doura de Deus e experimentei Seu sabor. por essa razo que, muitas vezes, quando lemos a Bblia, temos alegria. Quando lemos livros e jornais do mundo, pode ser que, s vezes, haja coisas que nos alegrem. Mas no o mesmo tipo de alegria, nem na mesma intensidade, de quando lemos a Bblia. Quando lemos a Bblia e tocamos Deus no esprito, temos a profunda percepo interior de que absorvemos Deus. Temos a sensao de que comemos Deus, bebemos Deus e desfrutamos Deus. Se voc nunca tem esse tipo de sentimento quando l a Bblia, voc deve estar lendo a Bblia de uma maneira morta. Voc est lendo apenas as letras e no tocou o sopro de Deus nelas. Essa no a maneira adequada de ler a Bblia. Se ler a Bblia adequadamente, voc no apenas sentir que tocou Deus, mas tambm sentir que provou Deus. Se ler a Bblia de maneira adequada, no apenas sentir a presena de Deus, mas ter o sentimento de estar tocando Deus. Voc tambm ter a doce sensao de haver provado o prprio Deus. Irmos, a Bblia o sopro de Deus. Deus sopra a Si mesmo de tal maneira que podemos respir-lo. Quando O inspiramos como nosso desfrute, sentimos um sabor especial. mais que um sentimento de descanso, de paz, de alegria ou de doura. algo alm da descrio das palavras humanas. A maior alegria ou bno de ser um cristo tocar e provar o prprio Deus por meio da palavra soprada por Ele. Isso alimentar-se espiritualmente. Dessa maneira seremos alimentados e estaremos satisfeitos. No lemos a Bblia somente para ser iluminados, ensinados ou instrudos. H algo mais elevado e mais profundo que isso: tocar o prprio Deus em nosso interior. A Bblia no meramente o pensamento, a doutrina, a verdade ou o ensinamento de Deus. A palavra da Bblia o sopro de Deus. o prprio Deus soprando-Se. Ele mesmo est no sopro e na palavra. Portanto, no devemos entender a palavra apenas com a nossa mente. Isso no suficiente. Temos de aprender a usar nosso esprito para contatar essas palavras; temos de tocar o sopro de Deus e o elemento de Deus nas palavras. Quando temos tal contato, no apenas sentiremos que estamos na presena de Deus, e no apenas teremos tocado Deus, mas tambm sentiremos que provamos Deus; Ele se tornar nosso desfrute interior. Sempre que temos uma boa leitura da Bblia, temos um bom comer e beber. Isso nos satisfar interiormente e verdadeiramente teremos provado a doura do prprio Deus. Uma vez que a Bblia o sopro de Deus, ela contm o elemento e o sabor de Deus. Portanto, todo aquele que a tocar sentir que tocou o prprio Deus.

  • A BBLIA A CORPORIFICAO DE DEUS ESPRITO

    Deus Esprito. O Esprito, entretanto, muito abstrato. to abstrato como as ondas de rdio no ar. difcil ao homem toc-Lo ou entend-Lo. Mas a Bblia a corporificao desse Esprito. O Senhor Jesus disse em Joo 6:63 que as palavras que Ele fala so esprito. Isso nos mostra que a palavra de Deus a corporificao do Esprito de Deus. como um rdio receptor captando as ondas radiofnicas que esto no ar; o rdio receptor torna-se a corporificao das ondas radiofnicas. Quando as ondas de rdio esto no ar, ns no as ouvimos, nem as tocamos, nem as entendemos. Assim que so captadas pelo aparelho receptor, as ondas de rdio tornam-se manifestas diante de ns. O que era abstrato torna-se real. Podemos sentir, ouvir e entender. Assim, podemos dizer que o rdio receptor a corporificao das ondas de rdio. No mesmo princpio, se houvesse apenas Deus Esprito no universo e no existisse a Bblia, Deus seria como as ondas de rdio; no seramos capazes de a1can- Lo ou de encontr-Lo. Mas graas a Deus porque Sua palavra est aqui. Essa palavra a corporificao Dele mesmo. Deus Esprito est contido na palavra. por isso que o Senhor Jesus disse que Sua palavra esprito. Da mesma maneira, podemos dizer que a palavra na Bblia o Esprito. Para tornar isso mais claro, podemos dizer que a Bblia a corporificao do Esprito.

    A. A Expresso de Deus Esprito Alm de ser a corporificao de Deus Esprito, a Bblia tambm a expresso de Deus Esprito. Deus Esprito expresso pela Bblia como Sua corporificao. Desde o dia em que ouviu o evangelho at hoje, quantas vezes voc foi movido pelo Esprito Santo parte da palavra de Deus? Provavelmente pouqussimas vezes. Quase todas as vezes que somos movidos pelo Esprito Santo, por meio da palavra de Deus. O Esprito Santo nunca nos estimula parte da palavra. s vezes, por meio de um versculo que voc leu na Bblia; s vezes, por lembrar-se de um versculo que leu; s vezes por meio de palavras que combinam com a Bblia, em princpio. Tudo isso so palavras. Embora voc seja movido pelo Esprito Santo, nesses casos difcil separar o Esprito Santo da palavra. difcil voc dizer se movido pela palavra ou pelo Esprito Santo, porque, nessa hora, o Esprito Santo est na palavra. A palavra a corporificao e a expresso do Esprito Santo. Sem dvida, admitimos que muitas vezes podemos ter a palavra sem o Esprito. como ter um rdio sem as ondas de rdio. Evidentemente, isso vo. Admitimos que muitas pessoas lem a Palavra de Deus em vo. Mas tambm ocorre muitas vezes que, ao abrirmos um pouco a Palavra de Deus, o Esprito Santo vem. O Esprito Santo est na palavra, e a palavra a expresso do Esprito Santo. De qualquer maneira, difcil sermos movidos pelo Esprito Santo sem a palavra de Deus. Falando com outras palavras, raramente somos movidos pela palavra sem o mover interior do Esprito Santo. Sob circunstncias normais, no se pode separar Deus Esprito da Bblia, uma vez que a Bblia a corporificao e expresso de Deus Esprito. Note, por favor, que a corporificao de Deus Esprito, e no a corporificao do Esprito Santo. Isso significa que o Esprito Deus e que Deus o Esprito.

    B. A Habitao de Deus Esprito

    A Bblia como corporificao de Deus Esprito no somente Sua expresso, mas tambm Sua habitao. Deus Esprito mora em Sua palavra. Pela nossa experincia sabemos que isso verdadeiro. Muitas vezes, quando lemos a Bblia, tocamos Deus Esprito. Isso ocorre porque a Bblia a habitao de Deus Esprito. Ela o lugar onde Deus Esprito reside.

    C. O Instrumento de Deus Esprito H, ainda, outro aspecto. A Bblia o instrumento de Deus Esprito. Tudo o que Ele faz para ns por meio da Bblia. Tudo o que Deus faz em relao a ns e tudo o que Ele quer que faamos, feito por intermdio de Sua palavra. A palavra a corporificao de Deus Esprito. Portanto, ela tambm a expresso, a habitao e o instrumento de Deus Esprito. Sob circunstncias normais, sempre que tocamos a palavra na Bblia, deveramos receber, tocar e sentir o mover de Deus Esprito e deveramos contatar o prprio Deus.

    Isso a Bblia. Que a Bblia? A Bblia a palavra de Deus, a revelao de Deus, o sopro de Deus e a corporificao de Deus Esprito.

  • Captulo 2

    A COMPLETAO DA BBLIA

    Neste captulo, consideraremos como a Bblia foi completada, do ponto de vista histrico. Tambm consideraremos quando ela foi escrita e como foi aceita depois de ter sido escrita. Embora sejam apenas fatos, isso est intimamente relacionado conosco como cristos.

    ANTES DE A BBLIA TER SIDO ESCRITA

    A. Sem a Revelao Escrita de Deus

    Nos primeiros dois mil e quinhentos anos da histria da humanidade, no havia revelaes escritas de Deus. Havia apenas Suas instrues verbais, como as que falara aos patriarcas, incluindo Ado, Abel, No, Abrao, Isaque e Jac. Em Gnesis vemos que antes de a Bblia ser escrita, Deus freqentemente aparecia aos antepassados e lhes dava instrues verbais.

    B. Instrues Transmitidas Oralmente Antes de a Bblia ser escrita, embora no houvesse revelaes escritas de Deus, havia instrues orais, transmitidas de gerao a gerao pelos patriarcas. Esse fato pode ser provado a partir de tbuas de pedra entalhadas, descobertas no Egito e em Babilnia. Em 1901, foi descoberta na Prsia uma coluna negra, sobre a qual estavam inscritas algumas leis dos tempos antigos. Algumas delas eram semelhantes Lei de Moiss, muito embora essa coluna tenha sido inscrita cerca de quinhentos a seiscentos anos antes de Moiss. Isso prova que antes de a Bblia ter sido escrita, entre as civilizaes antigas, havia instrues verbais de Deus que eram passadas adiante por seus antepassados.

    C. As Lnguas Antigas

    Se quisermos conhecer como a Bblia foi escrita, precisamos saber algo a respeito das lnguas e alfabetos usados pelas civilizaes antigas.

    1. Acadiano

    No se sabe que tipo de lngua o homem utilizava antes do dilvio. Segundo pesquisas histricas, a lngua mais antiga falada pelo homem aps o dilvio proveniente da Acdia, na regio noroeste da antiga Babilnia e chamada de acadiano. Os trs termos: Ado, den e Sabat1, no livro de Gnesis, captulo dois, provavelmente, so acadianos e no hebraicos. O acadiano, originalmente, era formado de linhas. Essas linhas eram traa das em forma de cunha. Por fim, essa escrita desenvolveu-se para a chamada escrita cuneiforme. Essa escrita foi usada at aproximadamente dois mil anos antes de Cristo, mais ou menos poca de Abrao.

    2. A Escrita Babilnica da Tribo de Sem

    A partir de uns dois mil anos antes de Cristo, a escrita babilnica da tribo de Sem substituiu o acadiano. Cremos que essa a origem da lngua aramaica, que surgiu mais tarde. Esse tipo de escrita foi usado at aproximadamente seiscentos anos antes de Cristo, na poca em que Nabucodonosor governou sobre Babilnia.

    C. A Lngua de Cana e a Lngua Hebraica

    A terra natal de Abrao era Ur dos caldeus (Gn 11:31); ela ficava em Babilnia. As pessoas ali eram descendentes da tribo de Sem, e a lngua que eles usavam era a lngua babilnica, como mencionado anteriormente. Quando Abrao foi chamado por Deus para ir a Cana, todos os historiadores concordam que ele teria naturalmente abandonado sua lngua nativa babilnica de Sem, e assimilado a lngua local de Cana. Essa lngua de Cana provavelmente veio a tornar-se a lngua hebraica, ou parte dela. Alguns estudiosos tm considerado a "lngua de Cana" em Isaas 19:18 como a lngua usada pelos israelitas, descendentes de Abrao. Os historiadores postulam que uma grande poro da lngua hebraica subseqente foi desenvolvida a partir dessa lngua de Cana.

    4. Aramaico Aproximadamente seiscentos anos antes de Cristo, os israelitas foram levados cativos pelos babilnios Babilnia. Eles permaneceram ali por longo tempo. Espontaneamente, eles deixaram o hebraico e

  • adotaram o aramaico, que era a lngua dos caldeus. Aps seu retorno do cativeiro, a histria nos conta que eles ainda usavam a lngua aramaica. Na poca do Senhor Jesus, os romanos j haviam ocupado a terra de Israel, e, embora o grego fosse a lngua comumente usada no imprio romano, os judeus ainda usavam o aramaico entre si. Somente os rabinos falavam e liam as Escrituras em hebraico, nas sinagogas. Se houvesse alguns na sinagoga que no entendessem o hebraico, haveria algum para traduzir para o aramaico. Muitos historiadores tm postulado que a lngua utilizada pelo Senhor Jesus para falar s pessoas diariamente, provavelmente era o aramaico e no o hebraico. As palavras que Ele falou em Marcos 5:41: "Talita cumi" e em 15:34: "Elo, Elo, lam sabactni" eram aramaicas.

    5. Grego

    Aps o imprio romano ter conquistado as terras em torno do mar Mediterrneo e ter espalhado a cultura grega por toda parte, o grego tornou-se a lngua verncula comum, usada por todos os povos no imprio romano naquela poca. Todas essas lnguas esto, direta ou indiretamente, relacionadas completao da Bblia.

    AS LNGUAS UTILIZADAS NA BBLIA

    A. Hebraico

    A parte principal do Antigo Testamento foi escrita em hebraico.

    B. Aramaico

    No Antigo Testamento, h quatro passagens que foram escritas em aramaico. Elas so: Jeremias 10:11, Daniel 2:4 -7:28, Esdras 4:8 - 6:18 e 7:12-26. Essas quatro pores esto absolutamente relacionadas ao povo aramaico (isto , aos babilnios). por isso que a Bblia usou o aramaico em vez do hebraico.

    C. Grego Todo o Novo Testamento foi escrito na lngua grega. Algumas sentenas nele foram escritas em aramaico. Elas so as j mencionadas: "Talita cumi" e "Elo, Elo, lam sabactni" .

    OS AUTORES DA BBLIA E OS LUGARES EM QUE FOI ESCRITA

    A. O Antigo Testamento

    O Pentateuco de Moiss - Gnesis, xodo, Levtico, Nmeros e Deuteronmio - foi escrito por Moiss. Moiss foi criado no palcio. Ele era erudito, poltico e lder militar. Segundo o mundo, ele tambm era um lder religioso. O Pentateuco foi escrito por ele no monte Sinai, no deserto. O livro de Josu foi escrito por Josu. Ele era um lder militar e poltico. Escreveu a maior parte de seu livro em Cana, e uma pequena poro nas plancies de Moabe. H muita controvrsia a respeito da autoria do livro de Juzes, e difcil de ser verificada. Entretanto, muitas autoridades tm afirmado que ele foi escrito por Samuel. O livro de Rute est conectado, quanto poca e histria, ao livro precedente de Juzes e aos livros de Samuel, que vm a seguir. Portanto, muito provvel que ele tenha sido escrito por Samuel. Os primeiros vinte e quatro captulos de 1 Samuel foram provavelmente escritos por Samuel. O captulo vinte e cinco, versculo um, diz que Samuel faleceu. Portanto, a partir do captulo vinte e cinco de 1 Samuel e todo o livro de 2 Samuel com certeza no foram escritos por ele. O primeiro livro das Crnicas 29:29 diz que, quanto aos atos de Davi, havia no apenas os registros de Samuel, mas tambm as crnicas dos profetas Nat e Gade. Estudiosos da Bblia concluram, a partir desse versculo, que os registros nos livros de Samuel, aps a morte deste, devem ter sido continuados pelos profetas Nat e Gade. Por que 2 Samuel foi chamado por esse nome, embora no tenha sido escrito por Samuel? Isso ocorre porque esses dois livros formam um nico grupo histrico. Portanto, o autor ou os autores continuaram a escrever, a partir do captulo vinte e cinco de 1 Samuel at o final de 2 Samuel. Alm disso, no original do

  • Antigo Testamento hebraico, os dois livros de Samuel constituam um nico livro e no dois. Foi somente quando o Antigo Testamento foi traduzido para o grego, na Septuaginta, que Samuel foi dividido em primeiro e segundo livros, porque era muito extenso e difcil de ser contido em um nico rolo. Samuel era um nazireu consagrado a Deus. Ele se tornou sacerdote, e tambm juiz e profeta. Alm disso, ele introduziu a realeza. certo que seu livro foi escrito em Cana. Nat e Gade eram profetas. certo que seus registros foram escritos em Cana. Os livros de 1 e 2 Reis eram um nico livro no Antigo Testamento hebraico. Eles tambm foram divididos pela Septuaginta. difcil para os estudiosos da Bblia afirmarem quem escreveu os livros dos Reis, mas alguns acham que foi Jeremias. Os livros de 1 e 2 Crnicas tambm eram um s livro no Antigo Testamento hebraico. Ele tambm foi dividido pela Septuaginta. Muitas autoridades em geral afirmam que esse livro foi escrito por Esdras. Se compararmos o final de Crnicas e o incio de Esdras, veremos que o estilo, a gramtica e as frases so muito parecidas e devem ter sido compostos pelo mesmo autor. Portanto, tem se afirmado que as Crnicas foram escritas por Esdras. O livro de Esdras seguramente foi escrito por Esdras. Ele era um escriba muito versado e sacerdote. Ele conhecia muito bem as leis de Deus e, portanto, tambm era um mestre da lei. Seus livros foram escritos em Jerusalm. O livro de Neemias certamente foi escrito por Neemias. Esdras era descendente de Levi, a tribo dos sacerdotes. Neemias era descendente de Jud, a tribo dos reis. Um cuidava da religio e o outro da poltica. Naquele tempo, o Imprio Persa tratava a Judia como uma provncia, e Neemias tornou-se o governador da Judia. Seu livro tambm foi escrito em Jerusalm. difcil afirmar a autoria do livro de Ester. Provavelmente Mordecai tenha sido o autor, porque em 9:20 e 23 mencionado que Mordecai escreveu aqueles acontecimentos. Ele era algum que amava a Deus e amava aos judeus. Se esse livro foi escrito por ele, foi escrito na cidade gentia de Susan. H uma polmica maior quanto autoria do livro de J. Os fatos registrados nesse livro ocorreram antes da poca de Moiss e podem ter sido contemporneos a Abrao, aproximadamente dois mil anos antes de Cristo. Alguns dizem que foi escrito por Eli e outros dizem que provavelmente Moiss foi o autor. Entre os salmos, h alguns que no fazem meno do autor, mas a autoria da maioria deles est identificada. Entre os cento e cinqenta salmos, pelo menos setenta e trs esto claramente identificados como Salmos de Davi. Alm desses, h outros que, embora no contenham o nome do autor, foram claramente escritos por Davi. Portanto, Davi escreveu o maior nmero de salmos, quase cem. Alm de Davi, outros escreveram salmos, como: Asafe, Hem, Et, os filhos de, Cor, Salomo e Moiss. Portanto, pelo menos sete autores so claramente identificados. Os filhos de Cor refere-se, provavelmente, a mais de uma pessoa, pois est no plural nos manuscritos. Todos os salmos desses autores foram provavelmente escritos na terra de Israel. Davi primeiramente foi um pastor e depois um rei. Vrios de seus salmos foram escritos enquanto ele estava sendo perseguido no deserto. Alguns foram escritos quando ele reinava no palcio. Quanto a Asafe, Hem e Et, no temos muita clareza. Pode ser que eles fossem pessoas comuns. Os filhos de Cor eram descendentes de Cor. Os estudiosos da Bblia admitem que esse Cor o Cor registrado em Nmeros 16, como o lder da rebelio contra Deus. Entretanto, da descendncia desse rebelde surgiram pessoas to piedosas e que amavam a Deus. Eles no quiseram divulgar seus prprios nomes; antes preferiram mostrar a grandeza da graa de Deus, reconhecendo que eram descendentes daquele que fora rebelde a Deus. A maior parte do livro de Provrbios foi escrita por Salomo. H algumas palavras de Agur e Lemuel. Portanto, Provrbios foi escrito por, pelo menos, trs pessoas. Salomo foi o rei mais glorioso e sbio da histria da humanidade. Todos os seus livros foram escritos em Jerusalm. Agur pode ter sido uma pessoa comum e Lemuel era um rei.

  • O livro de Eclesiastes foi escrito por Salomo. O Cntico dos Cnticos de Salomo tambm foi escrito por Salomo. So dezessete os livros dos profetas, de Isaas a Malaquias. Eles foram escritos por dezesseis profetas, com os livros de Jeremias e Lamentaes escritos por Jeremias. Isaas era um ministro do rei e tambm um historiador (2 Cr 26:22; 32:32). Seu livro foi escrito na capital Jerusalm. Jeremias nasceu sacerdote e tornou-se profeta. Ele passou a maior parte de seu tempo na Judia e o ltimo perodo no Egito. Ezequiel era um sacerdote que se tornou profeta. Ele escreveu o livro de Ezequiel na terra do cativeiro em Babilnia. Daniel era da tribo de Jud. Seu livro deve ter sido escrito na terra do cativeiro, em Babilnia e em Ulai. Ams foi o mais peculiar dos dezesseis profetas. Ele era pastor de ovelhas, cuidava de amor eiras e, provavelmente, no tenha recebido muita educao. Seu livro deve ter sido escrito na terra de Israel. Jonas provavelmente escreveu seu livro em Nnive. Sofonias era descendente de reis e tornou-se profeta. Seu livro foi escrito na terra da Judia. Zacarias tambm foi um sacerdote que se tornou profeta. Seu livro tambm foi escrito na terra da Judia. Alm desses, Osias, Joel, Obadias, Miquias, Naum, Habacuque, Ageu e Malaquias, oito ao todo, muito provavelmente eram pessoas comuns que se tornaram profetas. Seus livros foram escritos ou na Judia ou na terra de Israel. H, portanto, pelo menos, trinta e dois autores do Antigo Testamento, de Moiss a Malaquias. Se J foi escrito por Eli, e se mais de um dos filhos de Cor escreveu, sero mais de trinta e dois os autores. Entre eles, com exceo de Eli, o provvel autor gentio, e Agur e Lemuel, cujas origens tribais so desconhecidas, todos os demais eram israelitas. Entre esses autores do Antigo Testamento, havia pessoas de nveis e antecedentes diversos. Havia estudiosos, religiosos, polticos, lderes militares, reis, sacerdotes, profetas, pessoas comuns, pastores e fazendeiros. Uns eram altamente educados, e outros sem muita cultura. Uns foram perseguidos e oprimidos, e outros desfrutaram glria e honra. Uns viviam em Israel, outros estavam em terras gentias no cativeiro.

    B. O Novo Testamento O Evangelho de Mateus foi escrito por Mateus. Ele, originalmente, era um coletor de impostos e sua origem no era honrada. O Senhor chamou-o para ser um dos doze apstolos. Seu Evangelho foi, provavelmente, escrito na Judia. O Evangelho de Marcos foi escrito por Marcos. Ele era um discpulo muito comum. Seu Evangelho provavelmente foi escrito em Roma. O Evangelho de Lucas foi escrito por Lucas. Ele era um mdico gentio. Seu Evangelho provavelmente foi escrito em terras gentias. O Evangelho de Joo foi escrito por Joo. Joo era um pescador na Galilia e no era muito culto. Mas ele tambm foi chamado pelo Senhor para ser um dos doze apstolos. Seu Evangelho foi, provavelmente, escrito em um pas gentio. Os Atos dos Apstolos tambm foram escritos por Lucas, o mdico. Esse livro foi, provavelmente, escrito tambm em um pas gentio. Os catorze livros, de Romanos a Hebreus, foram escritos por Paulo. Ele, em sua origem, era zeloso pelo judasmo e tambm era uma pessoa muito culta. Ele tinha capacidade, habilidade e competncia, e podia

  • realizar coisas. Ele foi especialmente chamado pelo Senhor, ainda jovem, para tornar-se um apstolo para os gentios. Seus livros foram todos escritos em terras gentias e alguns foram escritos em uma priso romana. A Epstola de Tiago foi escrita por Tiago. Ele era irmo de sangue do Senhor Jesus (Gl 1:19) e era um cristo devoto que tornou-se uma coluna na igreja (2:9), mas que era cheio de judasmo, proveniente de seu passado. Seu livro foi provavelmente escrito em Jerusalm. A primeira e segunda Epstolas de Pedro foram escritas por Pedro. Pedro tambm era um pescador inculto, mas ele foi chamado pelo Senhor para se tornar o primeiro dos doze apstolos. Seus livros foram, provavelmente, escritos em um pas gentio. As trs Epstolas de Joo foram escritas pelo apstolo Joo. Todas devem ter sido escritas em terras gentias. O livro de Judas foi escrito por Judas. Ele tambm era um irmo consangneo do Senhor. Ele pode ter escrito esse livro na Judia. O livro de Apocalipse tambm foi escrito pelo apstolo Joo. Foi escrito em terras gentias, provavelmente na ilha de Patmos. Portanto, h oito autores do Novo Testamento. Entre eles, Paulo era um judeu erudito e Lucas um mdico gentio. Eles foram os nicos a terem recebido educao elevada. Os demais eram todos pessoas comuns, sem muita cultura. O nmero de autores de toda a Bblia maior que quarenta, e a maioria deles era de judeus. Lucas era um gentio. Isso mostra que entre os autores havia judeus e gentios, reis e pessoas comuns, escribas e soldados, pessoas cultas e incultas. Alguns tinham posies elevadas e outros, bem humildes; uns eram ricos e outros eram pobres. H todo tipo de pessoas. Quanto aos lugares onde foram escritos os livros, uns foram escritos no deserto, outros em um palcio, outros em uma ilha e outros na priso.

    IV. QUANDO A BBLIA FOI ESCRITA

    Os primeiros livros do Antigo Testamento, o Pentateuco de Moiss, foram escritos por volta do ano 1500 a.e. O ltimo livro, Malaquias, foi escrito prximo ao ano 400 a. e. Portanto, os trinta e nove livros do Antigo Testamento foram completados em um perodo de mil e cem anos.

    Mateus, o primeiro livro do Novo Testamento, foi escrito entre os anos 37 e 40 d. e. Apocalipse, o ltimo livro, foi escrito entre 94 e 96 d.e. Portanto, todo o Novo Testamento foi concludo em um prazo de aproximadamente cinqenta anos. Portanto, toda a Bblia foi completada em um perodo de mil e quinhentos a mil e seiscentos anos, do princpio ao fim, de Gnesis a Apocalipse.

    V. O RECONHECIMENTO DA AUTORIDADE DA BBLIA

    O Antigo Testamento

    1. O Pentateuco de Moiss

    Entre os escritos do Antigo Testamento, o Pentateuco foi sempre reconhecido pelos judeus, como sendo proveniente de Deus e tendo autoridade absoluta e divina. Isso porque ele foi a revelao escrita de Deus a Moiss, e foi transmitida por seus antepassados. Embora os judeus reconheam que todo o Antigo Testamento de Deus, eles conferem ao Pentateuco de Moiss uma posio especial. Atualmente, em todas as sinagogas judaicas, por todo o mundo, h, pelo menos, duas ou trs cpias do Pentateuco de Moiss. Pode ser que eles no tenham outros livros do Antigo Testamento, mas sempre tm o Pentateuco. Conseqentemente, os samaritanos reconheceram somente o Pentateuco de Moiss. claro que a religio dos samaritanos distorcida, mas isso prova a autoridade do Pentateuco de Moiss entre os antigos adoradores de Deus.

  • 2. Os Outros Livros Os outros livros do Antigo Testamento foram gradualmente reconhecidos pelo povo de Deus como provenientes de Deus, devido ao seu prprio valor e autoridade. Um autor colocou essa questo muito bem ao fazer a seguinte afirmao: "No necessrio chamar uma rvore por seu nome. Ela apenas necessita crescer gradualmente, florescer e dar frutos. Ento, espontaneamente, os homens reconhecero que tipo de rvore ela . Da mesma maneira, se os demais livros do Antigo Testamento vieram ou no de Deus, a melhor resposta vem do tempo; no necessria nenhuma declarao explcita. Os valores e a autoridade dos livros espontaneamente se manifestam". Isso verdade. Todos os escritores inspirados entre o povo de Deus, depois do Pentateuco, tiveram seus escritos reconhecidos como provenientes de Deus por um longo perodo de testes e pela identificao de autoridade neles. Por volta do ano 457 a.C., o escriba Esdras compilou o Pentateuco de Moiss e os demais escritos autorizados, comumente reconhecidos entre o povo de Deus, que viriam a se tornar o Antigo Testamento (os livros de Neemias e Malaquias no foram includos porque ainda no tinham sido escritos). O historiador judeu ]osefo e outros historiadores gentios confirmam esse fato. Depois de Esdras, houve um grupo de escribas entre os judeus chamados de "A Grande Sinagoga" que continuou esse trabalho de compilao e averiguao. Em 400 a.C., eles completaram a compilao de todos os livros que temos hoje no Antigo Testamento. Entretanto, em seu trabalho no havia trinta e nove livros, mas vinte e quatro. Mais tarde falaremos a respeito. Portanto, por volta do ano 400 a.C. as escrituras do Antigo Testamento estavam no apenas completas, como tambm reconhecidas e confirmadas. De qualquer modo, cerca de 277 a.C., no mais tardar, quando a traduo do Antigo Testamento para o grego, chamada de Septuaginta, foi realizada, todos os livros do Antigo Testamento j deviam estar reconhecidos.

    B. O Novo Testamento

    1. Os Evangelhos

    As primeiras igrejas freqentemente liam os Evangelhos e o Antigo Testamento em suas reunies. Portanto, os quatro Evangelhos foram os primeiros livros a serem reconhecidos no Novo Testamento.

    2. Os Demais Livros Depois de os apstolos terem morrido, houve alguma confuso pelo fato de algumas pessoas terem escrito livros em nome dos apstolos. Ento, os lderes das igrejas primitivas, os chamados "Pais da igreja", reuniram todos os livros escritos pelos apstolos e os reuniram com os Evangelhos. No muito tempo depois que Policarpo foi martirizado, o N ovo Testamento era reconhecido basicamente da mesma maneira em todas as igrejas. Entretanto, ainda havia desacordo quanto aos sete livros: Hebreus, Tiago, 2 Pedro, 2 e 3 Joo, Judas e Apocalipse, se deviam ou no ser includos. Como esses livros foram verdadeiramente inspirados pelo Esprito Santo e tm autoridade e valor espiritual, aps um longo perodo de teste, em um conclio de lderes de todas as igrejas, os sete livros foram reconhecidos como parte do Novo Testamento, no ano 397, em Cartago, no norte da frica. O Novo Testamento foi reconhecido contendo os mesmos vinte e sete livros que temos hoje. Portanto, no ano 397, no Conclio de Cartago, toda a Bblia, incluindo o Antigo e o Novo Testamento, foi reconhecida e confirmada pelo povo de Deus.

    VI. OS LIVROS DA BBLIA E SUA SEQNCIA

    A. O Antigo Testamento O arranjo que temos agora dos livros do Antigo Testamento no era a seqncia original do Antigo Testamento hebraico. Em vez disso, esta foi a seqncia adotada na Septuaginta. Em 277 a.C., setenta escribas traduziram o Antigo Testamento para o grego, e reorganizaram a seqncia dos livros. Eles foram arranjados muito adequadamente, segundo o contexto espiritual, e os estudiosos da Bblia reconhecem a soberania de Deus nesse arranjo.

  • O Antigo Testamento hebraico original era dividido em trs partes, conforme falado pelo Senhor em Lucas 24:44 e 27. Essas trs partes eram: as Leis de Moiss, os Profetas e os Salmos.

    1. As Leis de Moiss

    As leis de Moiss consistiam do Pentateuco de Moiss, cinco livros ao todo.

    2. Os Profetas Os Profetas eram divididos em Primeiros Profetas e Profetas Posteriores. Os Primeiros Profetas eram formados por quatro livros: Josu,Juzes, Samuel (sem distino de 1 e 2 livros) e Reis (sem distino de 1 e 2 livros), nessa ordem. Os Profetas Posteriores tambm consistiam de quatro livros: Isaas, Jeremias, Ezequiel e os Profetas Menores. (Os doze livros profticos restantes, excluindo Lamentaes e Daniel, foram combinados em um nico livro denominado de Profetas Menores.)

    3. Os Salmos ou Demais Escritos

    Os Salmos, ou demais escritos, incluam muitos livros, num total de onze: Salmos, Provrbios, J, Cntico dos Cnticos, Rute, Lamentaes, Eclesiastes, Ester, Daniel, Esdras e Neemias (Esdras e Neemias eram contados corno um nico livro), e Crnicas (sem distino de 1 e 2 livro). Os cinco livros da Lei de Moiss, os oito livros dos Profetas e os onze livros dos Salmos totalizavam vinte e quatro livros. Esse era o Antigo Testamento judaico daquela poca e sua seqncia. No comeo da era da igreja, os "Pais da igreja" preferiram considerar o Antigo Testamento corno vinte e dois livros, para corresponder s vinte e duas letras do alfabeto hebraico. Essa diviso tambm foi confirmada pelo historiador Josefo. Alguns dos nomes dos livros do Antigo Testamento tambm foram usados pela primeira vez na Septuaginta. Originalmente, muitos livros tinham corno nome a primeira palavra do livro. Por exemplo, o nome original de Gnesis era "O Princpio". Alguns tornaram o significado do nome da pessoa proeminente daquele livro para seu nome. Por exemplo: O nome original do livro de Samuel era "Dado por Deus", o significado do nome "Samuel" (1 Sm 1:20). O nome original do livro de Isaias era "Salvao de J eov", o significado do nome "lsaias". Aps a compilao da Septuaginta, esses livros foram chamados pelos nomes que utilizamos hoje.

    B. O Novo Testamento

    Desde o ano 397, aps o reconhecimento dos livros do Novo Testamento no Conclio de Cartago, os livros e a seqncia do Novo Testamento tornaram-se o que temos hoje.

    VII. OS LIVROS APCRIFOS (*)

    A. No Estavam na Bblia Inicialmente

    H catorze livros apcrifos que no foram includos na Bblia. Alguns pensavam que esses catorze livros foram includos no Antigo Testamento antes da traduo do Antigo Testamento para o grego, chamada Septuaginta em 277 a. C. Mas podemos verificar em diversas informaes histricas que tal afirmao incorreta.

    1. A Prova de Josefo

    O historiador judeu, Josefo, urna autoridade no assunto (nascido no ano 37 da era crist) disse: "Ns [os judeus] no somos como os gregos, que tm muitos livros que so contraditrios entre si. Ternos apenas vinte e dois livros, incluindo os escritos do passado, devidamente reconhecidos corno divinos. Depois de to longo tempo, ningum jamais ousou acrescentar, retirar ou alterar esses livros". Isso prova que at mesmo na poca de Josefo (sculo I da era crist), o Antigo Testamento tinha apenas os vinte e dois livros, sem os catorze livros apcrifos adicionais. Portanto, afirmar que o Antigo Testamento continha os livros apcrifos antes do ano 277 a.C. no correto.

  • 2. A Prova de Cirilo

    Houve, em Jerusalm, um estudioso chamado Cirilo, nascido no ano 315 d.C., que disse: "Por favor, leiam a Escritura Sagrada, os vinte e dois livros do Antigo Testamento, que foram traduzidos pelos setenta e dois". Isso mostra que at mesmo em 315 d.C., as autoridades eruditas entre os judeus ainda reconheciam que o Antigo Testamento deles tinha somente vinte e dois livros. Suas palavras tambm provam claramente que na traduo da Septuaginta (Cirilo referiu-se aos setenta e dois, o nmero de estudiosos que traduziram a Septuaginta. Os historiadores no tm clareza se foram setenta ou setenta e dois.) no estavam os catorze livros apcrifos do Antigo Testamento.

    3. As Provas do Senhor Jesus e dos Apstolos

    O Senhor Jesus e os apstolos citavam freqentemente o Antigo Testamento. Se os catorze livros apcrifos estivessem entre os livros do Antigo Testamento, o Senhor e os apstolos os teriam citado. Entretanto, no encontramos nem sequer uma citao dos livros apcrifos. Isso prova que, no tempo do Senhor Jesus e dos apstolos, esses livros no estavam no Antigo Testamento.

    B. Foram Acrescentados ao Manuscrito do Vaticano Entre os manuscritos da Bblia que so considerados os mais antigos do mundo, um est guardado no Vaticano, local onde mora o Papa catlico romano. Esse manuscrito chamado de Codex Vaticanus, ou Manuscrito do Vaticano. Segundo os historiadores, esse manuscrito foi terminado no sculo quatro da era crist e, na parte do Antigo Testamento, que era a verso Septuaginta, foram includos os catorze livros apcrifos. Eles devem ter sido acrescentados depois do ano 315. Pode ter sido a discordncia a esse acrscimo que levou a Igreja Ortodoxa Grega Oriental a convocar um conclio em Laodicia, no ano 361, para denunciar oficialmente esses catorze livros apcrifos. Eles tambm proibiram o uso desses livros apcrifos na igreja. Isso prova que, at 361, havia uma grande questo se esses livros apcrifos deveriam ou no ser includos no Cnon da Escritura.

    C.O Reconhecimento pela Igreja Catlica Romana

    Somente em 8 de abril de 1546 que a Igreja Catlica Romana convocou um conclio, na cidade de Trento, diretamente sob a liderana do Papa, para afirmar a autoridade desses catorze livros apcrifos. A partir de ento, esses livros apcrifos tm estado na Bblia Catlica Romana. Isso prova que, at o sculo 16, nem mesmo a Igreja Catlica Romana reconhecia oficialmente esses livros apcrifos como cannicos. Embora essa questo tenha sido definida no Conclio de Trento pela Igreja Catlica Romana, os luteranos negaram solenemente que esses livros apcrifos tenham sido divinamente inspirados. Em 1646, mais de cento e cinqenta protestantes estudiosos da Bblia publicaram a "Confisso de Westminster", que tambm declarava que os livros apcrifos no tinham nenhuma autoridade divina e que eram iguais a qualquer outra composio humana.

    Por ora, devemos ter clareza de que a Bblia completa consiste de trinta e nove livros do Antigo Testamento e vinte e sete livros do Novo Testamento. Os catorze livros apcrifos foram acrescentados arbitrariamente pela Igreja Catlica Romana e no so dignos de confiana. Alm do mais, o contedo dos livros apcrifos inclui anedotas histricas ridculas. No h como descobrir alguns dos autores ou a data e lugar onde foram escritos esses livros. Por essa razo, eles no tm qualquer valor cannico.

    (*)Apcrifo = Obra cuja autenticidade no provada.

  • Captulo 3

    O TEMA, O PENSAMENTO CENTRAL E AS SUBDIVISES DA BBLIA

    Se queremos conhecer um livro, qualquer que seja ele, temos de apreender seu tema e seu pensamento central. Alm disso, precisamos de uma anlise adequada de sua estrutura e um entendimento claro de suas subdivises. A Bblia tem seu tema especfico, sua linha central de pensamento e suas subdivises. Embora seja formada por sessenta e seis livros, a Bblia tem seu tema e linha de pensamento central; tem tambm diversas subdivises em sua estrutura. Se queremos conhecer a Bblia, devemos entender claramente essas trs coisas.

    TEMA

    O tema da Bblia pode ser resumido em apenas quatro sentenas: Deus planejou e criou, Satans rebelou-se e danificou, o homem caiu e perdeu-se, e Cristo redimiu e edificou. Nesse tema h quatro pessoas: Deus, Satans, o homem e Cristo. A Bblia toda fala quase que exclusivamente dessas quatro pessoas. Para cada uma dessas pessoas, temos dois verbos. Deus planejou e criou. Ele planejou na eternidade passada e criou dentro do tempo. Satans rebelou-se e danificou. Deus tinha Seu plano e criou conforme esse plano, mas Satans rebelou-se contra Deus e danificou a criao de Deus. Tudo o que Satans fez foi rebelar-se e danificar. Esses dois verbos podem resumir toda a obra de Satans no universo. O homem caiu e se perdeu. O homem caiu e, como resultado, perdeu-se das mos de Deus, deixando de ser usado por Deus. A histria do homem em toda a Bblia pode ser resumida por esses dois verbos: cair e perder-se. Cristo redimiu e edificou. No passado, quando os cristos falavam de Cristo, eles falavam apenas de redeno; a questo da edificao sempre foi negligenciada ou omitida. Mas no devemos nos esquecer que o nosso Senhor no apenas disse que o Filho do homem veio para buscar e salvar os perdidos, mas tambm disse que Pedro era uma pedra, e que Ele edificaria Sua igreja sobre essa rocha. Por um lado, o Evangelho de Joo diz que Cristo "veio para que tenham vida". Por outro lado, ele tambm diz que ainda que o homem "destrua esse templo", Cristo o "reconstruir" em trs dias. Quer seja a realizao da redeno pelo Senhor ou a vinda do Senhor como vida para o homem, o resultado de ambas para a edificao da igreja. Por essa razo, no devemos ver apenas a redeno; precisamos ver tambm a edificao. No comeo da Bblia, vemos ouro, bdlio e pedras preciosas, que so materiais para edificao (Gn 2:10-12). No final da Bblia, vemos uma edificao completa, edificada com ouro, prola e pedras preciosas (Ap 21). Isso mostra que Deus, ao final, ter um edifcio, que edificado como resultado da redeno realizada pelo Seu Filho, como o Cordeiro. Portanto, quando falamos de Cristo, devemos v-Lo no apenas como o redentor, mas tambm como o edificador. Ele veio para redimir e tambm para edificar. A razo de Deus ter criado todas as coisas, incluindo o homem, ter um edifcio no universo. Temos de lembrar-nos bem dessas quatro pessoas, juntamente com os dois verbos relacionados a cada uma delas. Se o fizermos, entenderemos o tema da Bblia. Deus criou todas as coisas, incluindo o homem, segundo o Seu plano. Satans era orgulhoso e rebelou-se contra Deus; ele, maliciosamente, danificou a criao de Deus e fez com que o homem casse e se perdesse. Cristo veio para redimir o homem e edific-lo como Sua igreja gloriosa e Seu Corpo mstico, de maneira que Deus possa obter um vaso corporativo para Sua expresso. Esse o tema de toda a Bblia. Vejamos, agora, separadamente, os temas do Antigo e do Novo Testamento.

    O TEMA DO ANTIGO TESTAMENTO

    O tema do Antigo Testamento que Deus criou, Satans danificou, o homem caiu e Deus prometeu a vinda de Cristo para a redeno. Embora haja trinta e nove livros no Antigo Testamento, ele nos mostra principalmente que Deus criou o universo, Satans veio para danificar a criao de Deus, o homem caiu e Deus prometeu a vinda de Cristo para a realizao da redeno. Portanto, o Cristo no Antigo Testamento era apenas uma esperana para o homem, porque Ele apenas havia sido prometido por Deus, como Redentor, para o homem cado.

  • O TEMA DO NOVO TESTAMENTO

    O tema central do Novo Testamento Cristo vindo para redimir os pecadores e edificar a igreja, conforme o plano de Deus. No Antigo Testamento, vemos como Deus criou, Satans danificou, o homem caiu e Deus prometeu a vinda de Cristo, para redimir o homem conforme Seu plano e promessa. No Novo Testamento, vemos como Cristo redimiu os pecadores perdidos, conforme o plano e promessa de Deus, e como Ele edifica Sua igreja gloriosa como Seu Corpo mstico para que Deus tenha um vaso corporativo para express-Lo. Quando reunimos os temas do Antigo e do Novo Testamento, temos o tema de toda a Bblia, como apresentado anteriormente.

    O PENSAMENTO CENTRAL

    No cristianismo h muitos livros de exposio da Bblia. A maioria deles diz que o pensamento central da Bblia Cristo. Mas hoje, segundo a luz que recebemos, por Sua misericrdia, sentimos que insuficiente dizer simplesmente que o pensamento central da Bblia Cristo. Devemos nos lembrar das palavras do apstolo Paulo: "Grande este mistrio, mas eu me refiro a Cristo e igreja" (Ef 5:32). Portanto, devemos dizer que o pensamento central da Bblia Cristo e a igreja. A Bblia no apenas revela o prprio Cristo; ela tambm revela a noiva e o Corpo de Cristo, que a igreja. Sem dvida, toda a Bblia nos mostra Cristo. Mas, ao mesmo tempo, ela tambm nos mostra que Cristo precisa de uma igreja, assim como o homem precisa de uma esposa. Desde o comeo, a Bblia revela isso em tipo - que no era bom que Ado vivesse s. Pelo Novo Testamento sabemos que isso tipifica o fato de Cristo necessitar de uma noiva. Portanto, no comeo da Bblia, no apenas nos revelado Ado, mas tambm nos revelado como Eva foi produzida a partir de Ado para se tornar sua noiva, e como os dois tornaram-se um. Havia Ado e tambm Eva. O apstolo disse que isso um grande mistrio, mas que ele se referia a Cristo e igreja. Na Bblia, no podemos ver apenas Cristo, sem ver a igreja. Muitos falam de Isaque e se esquecem de Rebeca. Mas havia Isaque e tambm Rebeca. Na Bblia h a histria de Deus contatando o homem por meio de Cristo, mas tambm vemos o homem ocupando uma posio muito importante. Os personagens centrais na Bblia so no apenas Deus em Cristo, mas tambm o homem como a noiva de Deus em Cristo. O casal universal Deus e o homem. No universo Deus o nico varo e o homem Seu complemento. Se o homem no tem Deus, ele como uma viva. Se Deus no tem o homem, como se Ele fosse "solteiro". No universo tem de haver o casamento de Deus com o homem. Por essa razo, a primeira cena apresentada no Antigo Testamento a histria de um homem buscando uma esposa. Esse homem tipifica Cristo, e Cristo a corporificao de Deus. Essa esposa tipifica a igreja, e a igreja um grupo de homens salvos por Deus dentre a humanidade para que sejam edificados por Ele. Por todo o Antigo Testamento, Deus colocava-se o tempo todo na posio de marido para com o Seu povo. Deus tratou os israelitas como Sua esposa. Mais tarde, veio o Senhor Jesus. Joo, o antecessor do Senhor Jesus, no apenas apresentou-O como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, mas tambm testificou que Aquele que tem a noiva o Noivo. Joo no apenas apresenta o Senhor Jesus como o Cordeiro redentor, mas tambm como o Noivo que tem a noiva. Ento, nas Epstolas, o apstolo Paulo diz: "Tenho preparado para vos [os salvos] apresentar como virgem pura a um s esposo, que Cristo" (2 Co 11:2). Ele tambm diz que a igreja para Cristo assim como Eva para Ado. Em Apocalipse, no fim de toda a Bblia, h uma proclamao de que chegaram as bodas do Cordeiro. Quando a Nova Jerusalm aparece, dito que ela foi preparada e adornada para o seu marido. Essa a unio de Deus com o homem. Todas as pessoas redimidas e o Redentor tornam-se um como o mistrio do universo, que Cristo e a igreja.

    Portanto, a personagem central de toda a Bblia esse casal misterioso. Deus e o homem tornam-se um, da mesma maneira que o homem e a mulher tornam-se uma carne. O homem e a mulher tornarem-se uma carne tipifica Deus e o homem tornando-se um. Cristo Deus tornando-se um com o homem, e a igreja o homem tornando-se um com Deus. Deus vem em Seu Filho, Cristo, para poder tornar-se um com o homem. O homem edificado em Seu Filho como Sua igreja, para que possa tornar-se um com Deus. Essa unidade, essa unio misteriosa, Cristo e a igreja, e tambm a unio de Deus com o homem. Esse o pensamento central da Bblia. Podemos falar do pensamento central da Bblia de outra maneira. Cristo a palavra viva de Deus, e a Bblia a palavra escrita de Deus. Cristo o contedo da Bblia e a Bblia a explanao de Cristo. Se tirarmos Cristo da Bblia, ela se tornar um livro vazio, como um vaso vazio sem o seu contedo. Ao

  • mesmo tempo, ningum pode conhecer bem a Cristo sem conhecer a Bblia, porque a Bblia a explanao de Cristo. Somente quando algum l a explanao na Bblia pode entender e conhecer o que Cristo . A Bblia nos diz que tudo o que de Cristo foi posto na igreja e expresso pela igreja. Portanto, o pensamento central da Bblia Cristo e a igreja. insuficiente conhecer apenas Cristo; temos de conhecer tambm a igreja. A Bblia mostra-nos que a personagem central e universal tem tanto uma cabea quanto um corpo. A Cabea Cristo e o Corpo a igreja. Portanto, Cristo e a igreja so o pensamento central da Bblia.

    O PENSAMENTO CENTRAL DO ANTIGO TESTAMENTO

    LEVAR O HOMEM A CRISTO PARA A REDENO

    O Antigo Testamento leva o homem a Cristo para que seja redimido.

    O PENSAMENTO CENTRAL DO NOVO TESTAMENTO

    EM CRISTO, A IGREJA REDIMIDA E EDIFICADA

    O Novo Testamento nos mostra como a igreja redimida e edificada em Cristo.

    AS SUBDIVISES H muitas maneiras de se subdividir a Bblia. Selecionamos quatro das mais importantes para a nossa considerao.

    SUBDIVISO CONFORME A ESTRUTURA DA BBLIA

    A. O Antigo Testamento

    1. O Pentateuco

    So os cinco primeiros livros da Bblia: Gnesis, xodo, Levtico, Nmeros e Deuteronmio. Esses cinco livros foram escritos por Moiss e, portanto, so normalmente conhecidos como o Pentateuco de Moiss.

    2. Livros Histricos

    Depois do Pentateuco, h os livros de histria. So doze esses livros, de Josu a Ester; Josu, Juzes, Rute, 1 Samuel, 2 Samuel, 1 Reis, 2 Reis, 1 Crnicas, 2 Crnicas, Esdras, Neemias e Ester.

    3. Salmos Essa subdiviso formada por seis livros, todos no estilo potico. Cinco desses livros esto relacionados: J, Salmos, Provrbios, Eclesiastes e Cntico dos Cnticos. Lamentaes tambm includo nessa seo por estar mais no estilo potico que em prosa. Em algumas verses traduzidas, no se pode identificar esses seis livros como poemas, mas no original, eles esto claramente em forma de poesia, com rimas e mtrica. Esses livros no foram compostos na forma de prosa.

    4. Os Livros dos Profetas

    Esta a ltima parte do Antigo Testamento. Ela pode ser dividida em trs categorias, cronologicamente.

    a. Os Livros dos Profetas Antes do Cativeiro

    So, ao todo, onze livros. Se arranjados em ordem cronolgica, segundo a poca em que foram escritos, o mais antigo , provavelmente, Obadias, a seguir Joel, Jonas, Ams, Osias, Isaas, Miquias, Naum, Sofonias,Jeremias e Habacuque. Jeremias foi escrito um pouco antes de Habacuque, mas Jeremias estendeu-se ao perodo do cativeiro. Jeremias comeou como profeta antes do cativeiro e terminou como um profeta no cativeiro. por isso que alguns expositores da Bblia consideram-no um profeta antes do cativeiro e outros o consideram um profeta durante o cativeiro. Sugerimos consider-lo um profeta antes do cativeiro, porque ele passou a maior parte de seu tempo como profeta antes do cativeiro.

  • b. Os Livros dos Profetas Durante o Cativeiro

    So, ao todo, dois livros: Daniel e Ezequiel. Ambos foram profetas durante o cativeiro do povo de Israel.

    c. Os Livros dos Profetas Depois do Cativeiro

    So, ao todo, trs livros: primeiro Ageu, depois Zacarias e, ento, Malaquias.

    Dividindo os profetas de acordo com o tempo do cativeiro, h essas trs categorias de livros. O profeta mais antigo, Obadias, viveu aproximadamente em 800 a.C., prximo a 900 a.C. O ltimo profeta, Malaquias, viveu aproximadamente nos anos 390 a. c., prximo a 400 a.C. Isaas viveu ao redor do ano 760 a.C. Se tambm considerarmos Lamentaes como um livro dos profetas, sero dezessete os livros dos profetas, de Isaas a Malaquias. Se tirarmos Lamentaes, sero dezesseis. Algumas pessoas tm agrupado os livros mais longos dos profetas, chamando-os de profetas maiores, e os mais curtos de profetas menores. Nesse caso, h quatro livros entre os profetas maiores, que so: Isaas, Jeremias, Ezequiel e Daniel. Os doze livros restantes so os profetas menores.

    B. O Novo Testamento

    Os quatro Evangelhos: H quatro Evangelhos. Eles so os quatro primeiros livros do Novo Testamento. Atos dos Apstolos: H um nico livro de Atos. As Epstolas: So vinte e um livros, de Romanos a Judas. O livro de Profecia: O nico livro de profecia Apocalipse. Os quatro Evangelhos, Atos, as vinte e uma Epstolas e o livro de profecia perfazem um total de vinte e sete livros. Uma maneira fcil de memorizar o nmero de livros da Bblia lembrar que trs vezes nove igual a vinte e sete, isto trinta e nove livros no Antigo Testamento e vinte e sete livros no Novo Testamento.

    A SUBDIVISO SEGUNDO A EXPRIENCIA ESPIRITUAL Esta a melhor maneira de se subdividir a Bblia e a maneira que recomendamos. H trs categorias no Antigo Testamento e trs categorias no Novo Testamento. A natureza dessas trs categorias a mesma em ambos os Testamentos.

    A. O Antigo Testamento

    1. Histria: De Gnesis a Ester h dezessete livros histricos. Essa seo comea com a criao do universo por Deus e segue at quando os israelitas retomaram do cativeiro para reedificar o templo e a cidade santa. Essa a histria e a jornada do povo de Deus diante Dele; tudo o que eles passaram diante de Deus. 2. Experincia: H cinco livros poticos: J, Salmos, Provrbios, Eclesiastes e Cntico dos Cnticos. Pode haver alguns registros histricos nesses livros, mas eles no so livros essencialmente histricos. H, tambm, algumas profecias neles, mas sua nfase principal no profecia. Esses cinco livros enfatizam as experincias espirituais dos santos de Deus, diante Dele. Se houvesse apenas a histria, na categoria precedente, sem a experincia que veio a seguir, somente poderamos ver os fatos histricos sem entender a condio interior sob tais circunstncias. Esses cinco livros poticos da Bblia descrevem, precisamente, a condio interior das pessoas escolhidas diante de Deus, sob vrias circunstncias e experincias. Quando lemos esses cinco livros poticos, podemos descobrir as experincias espirituais dessas pessoas diante de Deus. 3. Profecia: De Isaas a Malaquias, h dezessete livros. So dezessete livros de histria no incio, e dezessete livros de profecia no fim, com 'Cinco livros de experincia no meio, totalizando trinta e nove livros.

  • B. O Novo Testamento 1. Histria: Os quatro Evangelhos mais o livro de Atos constituem os cinco livros histricos. Os quatro Evangelhos falam da experincia do Senhor Jesus na terra juntamente com a experincia de Seus discpulos em segui-Lo. O livro de Atos mostra-nos como os discpulos testificaram do Senhor por toda parte em que foram. Esses cinco livros so essencialmente fatos histricos. 2. Experincia: Nesta seo temos as vinte e uma Epstolas, de Romanos a Judas. Essas vinte e uma Epstolas falam das experincias dos cristos. Os Evangelhos e Atos mostram-nos o que Cristo e os cristos encontraram. Eles nos mostram suas atividades, seu mover e suas obras. As vinte e uma Epstolas explicam-nos as experincias espirituais interiores dos cristos. 3. Profecia: H somente um livro, o livro de Apocalipse. Quer seja o Antigo Testamento ou o Novo, ambos comeam com histria, passam a falar das experincias e terminam com profecias. Para os cristos individualmente, a ordem a mesma. Primeiro temos nossa histria diante do Senhor. A seguir, desenvolvemos algumas experincias espirituais durante o curso da histria, e, ento h a esperana e antecipao do futuro. O Antigo Testamento narrou com detalhes muita histria e muitas experincias espirituais, e, no final, falou dos santos sendo enchidos de esperana e antecipao da vinda de Cristo. O Novo Testamento escrito da mesma maneira. H muitos fatos e experincias, e, no final, h uma expectativa e esperana, que a volta do Senhor Jesus. Nenhum cristo pode evitar esses trs passos: a histria, a experincia e a expectativa.

    A SUBDIVISO DO ANTIGO TESTAMENTO CONFOME OS JUDEUS OU OS RABINOS

    O Antigo Testamento estava originalmente nas mos dos judeus. Alguns mestres entre eles eram expositores bblicos de muita autoridade. Os judeus os chamavam de rabis. A palavra rabi significa mestre. Nos tempos antigos, a subdiviso do Antigo Testamento entre os rabis era corno o Senhor Jesus disse em Lucas 24:44. Em outras palavras, as palavras do Senhor em Lucas 24:44 foram baseadas na subdiviso do Antigo Testamento em trs categorias feita pelos rabis.

    A. A Lei de Moiss

    Esse termo refere-se ao Pentateuco. s vezes os judeus abreviavam o Pentateuco de Moiss para Moiss. Quando os judeus mencionam Moiss, s vezes eles no se referem pessoa de Moiss, mas aos cinco livros da lei escritos por ele. Esses cinco livros so, s vezes, chamados simplesmente de "a Lei". Quando os judeus dizem "a Lei", eles referem-se ao Pentateuco. Portanto, entre os cristos e os judeus, h cinco maneiras diferentes de referir-se aos cinco primeiros livros do Antigo Testamento, a saber: o Pentateuco de Moiss, o Pentateuco, a Lei de Moiss, a Lei, e Moiss.

    B. Os Profetas: Divididos em Primeiros Profetas e ltimos Profetas

    1. Os Primeiros Profetas: So quatro livros. O primeiro Josu. Os judeus tratam o livro de Josu corno um dos livros dos profetas, em vez de um livro histrico, corno ns o vemos. O segundo livro Juzes, que tambm tratado corno um livro dos profetas. O terceiro livro Samuel. O primeiro e segundo livros de Samuel eram um nico livro na Bblia hebraica original. No havia diferena entre 1 e 2 e ele era chamado de livro de Samuel. O quarto livro Reis. O primeiro e o segundo livro dos Reis tambm eram um nico livro no Antigo Testamento hebraico. Samuel, Reis e Crnicas foram divididos em primeiro e segundo livros, cada um deles, na Septuaginta, quando o Antigo Testamento foi traduzido, porque esses livros eram muito longos e no era conveniente enrol-los em um nico rolo de pele de carneiro. No Antigo Testamento hebraico original esses livros estavam juntos, como livros inteiros, sem distino de primeiro e segundo livros. Os rabinos judeus chamam esses quatro livros Josu, Juzes, Samuel e Reis - de Primeiros Profetas.

  • 2. Os ltimos Profetas: So tambm quatro livros, a saber: Isaas, Jeremias, Ezequiel e os profetas menores. Os profetas menores aqui mencionados incluem os doze livros, que os rabinos judeus consideravam um nico livro. Historicamente, a ordem dos profetas menores no sempre a mesma. s vezes eles colocam um primeiro, s vezes colocam outro. A ordem mais comum a seguinte: Osias, Joel, Ams, Obadias, Jonas, Miquias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias. s vezes a ordem ligeiramente mudada. Os rabinos judeus costumam tratar os livros que vm aps o Pentateuco simplesmente por livros dos profetas, que, segundo expusemos acima, totalizam oito livros.

    c. Os Outros Livros

    Os demais livros incluem: Salmos, Provrbios, J, Cntico dos Cnticos, Rute, Lamentaes, Eclesiastes, Ester, Daniel, Esdras e Neemias, 1 e 2 Crnicas, totalizando onze livros. Os judeus consideram Esdras e Neemias um nico livro, assim corno 1 e 2 Crnicas. Esses onze livros mais os oito livros dos profetas somam dezenove livros. Com os cinco livros da lei de Moiss, so, ao todo, vinte e quatro livros. Os antigos "pais da igreja" combinavam esses livros de maneira a totalizarem vinte e dois, para igualarem-se s vinte e duas letras do alfabeto hebraico. por isso que durante os sculos I, II e III eram chamados de vinte e dois livros do Antigo Testamento. Josefo, que era o historiador de maior autoridade entre os judeus, tambm chamou-os de os vinte e dois livros do Antigo Testamento, quando referiu-se a eles.

    IV. A SUBDIVISO DO ANTIGO TESTAMENTO PELO SENHOR JESUS O Senhor Jesus tambm teve uma maneira de dividir Antigo Testamento. Ela mencionada em Lucas 2:44. E uma maneira muito parecida com a dos rabinos judeus; no h muita diferena entre as duas. Ele tambm dividiu-o em trs categorias:

    A. A Lei de Moiss: os cinco primeiros livros.

    B. Os Profetas: incluindo os livros histricos

    C. Os Salmos: incluindo Cntico dos Cnticos.

  • Captulo 4

    PRINCPIOS DE INTERPRETAO DA BBLIA

    Neste captulo, precisamos ver alguns dos princpios de interpretao da Bblia. Se quisermos estudar a Bblia, temos de entend-la. Para entendermos a Bblia, precisamos interpret-la. Sem interpretao nem explicao, naturalmente no teremos como entender a Bblia. Sabemos que todas as coisas tm seus princpios prprios. Quanto mais valorizado e importante for um assunto, mais rigorosos sero os seus princpios e leis governantes. Se determinado assunto no tem qualquer significado ou importncia, e pode ser conduzido de qualquer maneira, no h que se falar em leis, princpios ou regras. Mas, se um assunto respeitvel e ocupa um lugar significativo e de destaque, se algo grandioso e nobre, certamente existiro princpios e leis que governam esse assunto; no se pode encar-lo levianamente. A Bblia um item extremamente grandioso no universo. Alm do nosso Senhor e Deus da glria, creio que o maior item no universo a Bblia que temos diante dos nossos olhos e em nossas mos. Uma vez que a Bblia to importante, precisamos da interpretao adequada, para que possamos estud-la e entend-la. Essa interpretao tem de ser regida por regras, leis e princpios definidos. No podemos interpret-la ao nosso bel-prazer. Agora que vimos como a Bblia foi escrita, como ela foi traduzida para diversas lnguas e posta em nossas mos como um livro to disponvel, precisamos descobrir os princpios e leis governantes para a sua interpretao e estudo. Isso no apenas nos ajudar a entender a Bblia, como tambm nos ajudar a evitar muitos erros. Todas as regras so um tipo de proteo. Se um trem no tiver trilhos para correr, ele no apenas ser incapaz de mover-se suavemente, como tambm no ter proteo. Quando h trilhos, o trem move-se sem trancos e tem uma proteo adequada. O mesmo ocorre com o estudo da Bblia. Se algum estuda e expe a Bblia de maneira cega e descuidada, o resultado ser inconcebvel e at mesmo perigoso. Nossos pensamentos freqentemente no tm limites. muito perigoso a pessoa julgar segundo o que ela pensa e interpretar conforme concebe por meio dos sentidos. Se queremos estudar adequadamente a Bblia e entend-la com preciso, necessria uma interpretao restritiva. Se quisermos uma exposio restritiva da Bblia, precisamos encontrar os princpios e leis de interpretao da Bblia. Mostraremos, aqui, dez desses princpios.

    O MAIS LITERAL POSSVEL

    O primeiro princpio de interpretar e entender a Bblia : o mais literal possvel. Temos de apegar-nos firmemente ao fato de que quando Deus inspirou homens para escrever a Bblia, Ele usou palavras que so totalmente compreensveis ao homem. Quando tentamos entender a Bblia hoje, temos de entender o pensamento de Deus, estrita e precisamente segundo a letra das palavras. No devemos pensar que, uma vez que a Bblia foi inspirada por Deus, ela sempre transcende a linguagem humana, e, portanto, est aberta para interpretao espiritual. Essa uma tese perigosa. Devemos interpretar a Bblia segundo o significado literal das palavras. No importa quo difcil ou descabida uma interpretao literal possa nos parecer, temos de aderir estritamente ao significado literal.

    Mencionemos alguns exemplos. Um exemplo bvio a profecia do Antigo Testamento, em Isaas, a respeito do Senhor Jesus nascer de uma virgem. Hoje, o Senhor Jesus j nasceu de uma virgem. Portanto, para ns no surpresa quando lemos ou ouvimos essa palavra. Mas, na poca de Isaas, quando os homens liam o que ele escrevera sobre uma virgem dar luz um filho e cham-lo de Emanuel, no teriam eles tido dificuldades em sua mente? Uma pessoa certamente teria dificuldade em entender como uma virgem poderia estar grvida. Alguns poderiam ter-se voltado para uma interpretao espiritual, sugerindo que a virgem pudesse significar algo mais que uma virgem de verdade. Mas quando essa profecia foi cumprida, ela foi cumprida literalmente. A virgem referia-se a uma virgem de verdade.