CONTROLADORIA APLICADA ÀS PEQUENAS EMPRESAS: … · 1 CONTROLADORIA APLICADA ÀS PEQUENAS...

Click here to load reader

  • date post

    08-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    215
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of CONTROLADORIA APLICADA ÀS PEQUENAS EMPRESAS: … · 1 CONTROLADORIA APLICADA ÀS PEQUENAS...

  • 1

    CONTROLADORIA APLICADA S PEQUENAS EMPRESAS:

    UM ESTUDO DE CASO S EMPRESAS

    DA CIDADE DE CAMPO MOURO.

    Andrei Marcel Muraro, (UNESPAR/FECILCAM), [email protected]

    Cicero Ferreira da Silva Junior, (UNESPAR/FECILCAM), [email protected]

    Eber C. Oste (OR), (UNESPAR/FECILCAM), [email protected]

    RESUMO: A pesquisa teve como objetivo identificar quais so os mtodos de controle utilizados

    pelas Micro e Pequenas Empresas inscritas no ramo de atividade de comrcio varejista de ferragens e

    ferramentas na cidade de campo mouro no ano de 2012. Investigou-se ainda como so realizados

    estes mtodos, qual e eficcia deles e qual a principal fonte de informao utilizada pelo gestor na

    tomada de deciso. O referencial terico apresentado mostra que a Controladoria como instrumento de

    gesto aplicvel s Micro e Pequenas Empresas e dispe de ferramentas que atendem suas

    necessidades visando sempre eficcia da organizao. Metodologicamente, esta uma pesquisa de

    campo por observao direta extensiva, onde a coleta dos dados realizada por formulrio que

    preenchido pelo pesquisador no ato da coleta. Os dados foram analisados de maneira quantitativa e

    qualitativa realizando a tabulao e a anlise dos dados obtidos atravs dos formulrios aplicados. Os

    resultados mostram que os controles apresentados como necessrios gesto so praticados pela

    amostra, porm em sua grande maioria de maneira emprica, o que reconhecidamente menos eficaz

    pelos pesquisados que os mtodos cientficos.

    PALAVRAS-CHAVE: Controladoria; Controle; Micro e Pequenas Empresas.

    INTRODUO.

    A Controladoria abordada como suporte tomada de deciso , na maioria das vezes associada

    s Grandes Empresas, onde de modo geral, constituda por departamentos compostos por

    profissionais especficos de cada rea, para atender a demanda de cada setor e suas especificidades,

    explica Catteli (2001).

    Nas Grandes Empresas, que possuem processos internos mais extensos e com um maior

    nmero de etapas, a Controladoria visa reunir as informaes e apresent-las de modo sinttico aos

    tomadores de deciso, bem como idealizar, implementar e manter os processos de coleta de

    informao e processamento de dados garantindo assim que representem a realidade, e desta maneira,

    a eficcia da organizao.

    Distante deste cenrio de muitos departamentos e burocracia para processos cotidianos, e

    ainda com a mesma necessidade de obter informao segura que auxilie a tomada de deciso, se

    encontram as Pequenas Empresas. Apesar de disporem de um quadro reduzido de funcionrios e de

    um processo decisrio interno mais simples encontram-se n uma realidade de sobrevivncia frente ao

    mercado, sendo na maioria das vezes, passivas na tomada de deciso, principalmente relacionadas ao

    planejamento e controle da organizao. Esta deficincia d-se pela falta de informao que auxiliam o

    gestor no processo decisrio, (SEBRAE, 2009).

    mailto:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]:[email protected]?subject=Epct%202012

  • 2

    A Controladoria enquanto instrumento de gesto dispe de ferramentas que auxiliam todos os

    processos nas grandes organizaes pode tambm ser aplicada na Pequena Empresa buscando a

    eficcia que essencial perenidade dessas instituies. Dentre as ferramentas podemos citar: a

    correta formao da misso, a criao de um modelo de gesto, a definio implantao de um sistema

    de informao gerencial entre outros procedimentos que auxiliam o gestor a tornar sua organizao

    mais eficaz e deste modo, tornar no s possvel a perenidade da organizao no mercado, mas

    tambm seu desenvolvimento e crescimento.

    O tema da pesquisa foi a controladoria, e a sua delimitao foram os controles utilizados pelas Micro e

    Pequenas Empresas no ramo de comercio varejista de ferragens e ferramentas na cidade de Campo

    Mouro no ano de 2012.

    O Problema de pesquisa identificar quais os mtodos utilizados pelos gestores destas

    empresas e qual a fonte desta informao tendo como base em mtodos sugeridos pela Controladoria

    para as Micro e Pequenas Empresas. Com isto se objetiva em identificar se as empresas da amostra

    utilizam de tcnicas da Controladoria em seus controles internos e qual o nvel de eficcia dos

    controles que utilizam.

    O trabalho esta dividido em cinco sesses, que trataro o tema em discusso, seus objetivos, o

    referencial terico utilizado como base para as anlises realizadas esclarecendo a Controladoria como

    instrumento de gesto, e qual sua aplicao pequena empresa. Tambm apresentar uma breve

    insero ao cenrio econmico atual em que se encontram as Micro e Pequenas Empresas.

    Posteriormente a metodologia que orientou a pesquisa, seguida dos resultados apresentados pela

    pesquisa comentados luz do referencial terico. A ltima sesso contm as concluses obtidas e

    indicaes para pesquisas futuras.

    REFERENCIAL TERICO

    Controladoria Como Instrumento de Gesto

    A Controladoria tem entre suas principais caractersticas uma abrangente rea de atuao, e de

    acordo com Schier (2011, p. 39) O desempenho da funo requer conhecimento e domnio de reas

    como Contabilidade, Administrao, Economia, Estatstica, Informtica etc. isso pode ser ligado

    diretamente eficcia da organizao, uma vez que a Controladoria quando aplicada diretamente

    como apoio a gesto, responsvel por reger e extrair informaes de todas as reas da empresa,

    analis-las e opinar a cerca destas para o diretor ou empreendedor responsvel pela tomada de deciso

    do empreendimento.

    Schier (2011, p. 41) apresenta como responsabilidade da Controladoria a [...]instalao e

    manuteno de um fluxo de informaes gerenciais necessrias ao gestor para a tomada de deciso. e

    completa afirmando que a Controladoria [...]tem a responsabilidade de selecionar e filtrar as

    informaes, analisar resultados, sugerir medidas corretivas e integrar as diversas atividades e

  • 3

    departamentos para fins de anlise global da organizao.. Com base nisto, identifica-se a figura da

    Controladoria como a responsvel pela arrecadao das informaes e compilao das mesmas para

    que, depois de analisadas, estas sirvam como base para uma tomada de deciso.

    Para contextualizar e caracterizar a o que chamado de eficcia da Controladoria dentro de

    uma organizao, se faz necessrio uma melhor compreenso do significado de teoria. A teoria

    segundo FERREIRA (2005, p. 771) um conjunto de princpios fundamentais duma arte ou duma

    cincia, em outras palavras, so os princpios para a execuo de uma tarefa qualquer. Com base

    nesta definio pode-se afirmar que, praticamos uma teoria, e no o inverso, caso o inverso ocorra a

    pratica sem o conhecimento da teoria esta prtica d-se aleatoriamente descaracterizando assim o

    processo de teoria.

    Conforme Catelli (2001, p. 346) a misso da Controladoria assegurar a otimizao do

    resultado econmico da organizao, e isto se d pela prtica das teorias que compem a cincia

    contbil e por sua vez embasam a controladoria.

    Schier (2011, p. 44) afirma que A Controladoria est explicitamente comprometida com a

    busca que tange a alcanar esse objetivo, ela dispe de alguns modelos de sistema de gesto[...]

    posteriormente Figueredo e Caggiano (1997 p. 30 apud SCHIER 2011, p. 44 ) que definem Modelo de

    Gesto; Modelo de Deciso; Modelo de Informao; e Modelo de Mensurao; todos eles com como

    meios de se praticar a funo da controladoria, que segundo Catelli (2001, p. 350) so Subsidiar o

    processo de gesto; Apoiar a avaliao de desempenho; Apoiar a avaliao de resultados; Gerir os

    sistemas de Informao; e Atender aos agentes do mercado completando com a apresentao dos

    principais instrumentos da Controladoria que so Processo de gesto; e Sistema de Informao.

    Controladoria aplicada pequena empresa.

    Quando se fala em Controladoria como departamento responsvel por tal procedimento dentro

    de uma organizao, logo se tem a ideia de que, conceitualmente seja aplicvel apenas a grandes

    organizaes, pois, apenas organizaes de grande porte tm vrios setores e seguem a uma ordem

    hierrquica, composta por departamentos e com processos e procedimentos internos especficos, que,

    por sua vez. Necessita ter um departamento que controle os departamentos. Porm, segundo Souza

    (2011, p. 45) [...]a Controladoria como uma funo de staff, alm das grandes corporaes poder ser

    utilizado nas Pequenas e Mdias Empresas[...]. O autor impe a condio de staff, que pode ser

    traduzido como auxlio, porm no contexto podemos identific-lo como que fornece auxlio

    direo - entenda direo com substantivo posio de diretor da organizao -. Ainda conforme

    Souza (2011, p. 46) onde o autor afirma que As funes de Controladoria podem perfeitamente, ser

    ajustveis s Pequenas Empresas[...], temos apontados os principais pontos destinados a atuao da

    Controladoria aplicada s Micro e Pequenas Empresas:

  • 4

    Informao: compreende os sistemas contbeis, financeiros e gerenciais;

    Motivao: refere-se aos efeitos dos sistemas de controle sobre o comportamento;

    Coordenao: visa centralizar informaes com vistas aceitao de planos. O

    controller toma conhecimento de eventuais inconsistncias dentro da empresa e

    assessora a direo, sugerindo solues.

    Avaliao: interpreta fatos, informaes e relatrios, avaliando os resultados por

    rea de responsabilidade, por processo, por atividades etc.

    Planejamento: assessora a direo da empresa na determinada ao e mensurao

    dos planos e objetivos.

    Acompanhamento: verifica e controla a evoluo e o desempenho dos planos

    traados a fim de corrigir falhas ou de revis-los (Os planos). (SOUZA, 2011, p. 46)

    Com base nestas definies e apresentaes, fica evidente que uma pequena empresa pode

    aperfeioar seus resultados utilizando ferramentas cientificas que supram as suas necessidades, e esta

    a funo da Controladoria aplicada s Micro e Pequenas Empresas. Souza (2011, p.60) sugere um

    modelo de Sistema de Informao Gerencial SIG que aplicvel nas Micro Empresas, e que, de

    acordo com sua proposta, visa facilitar a gesto destas organizaes por fornecer informaes que so

    imprescindveis para uma boa tomada de deciso:

    Plano de Contas; Controle de Caixas; Controle de Banco Conta Movimento;

    Controle de Aplicao Financeira; Controle de Contas a Receber; Controle

    Permanente de Estoques; Controle de Imobilizado; Controle de Fornecedores;

    Controle de Contras a Pagar; Controle de Gastos Provisionados; Controle de

    Receitas e Controle de despesas (SOUZA, 2011, p. 60).

    Cenrio Nacional da Micro e Pequena Empresa: Cultura e Poltica.

    Uma das pesquisas realizadas pelo SEBRAE (2004) apresenta que as Micro e Pequenas

    Empresas so responsveis pela manuteno de 67% das pessoas ocupadas, entre elas, scios,

    proprietrios, familiares, empregados com ou sem carteira assinada; Que contratam 56% dos

    empregados com carteira assinada de acordo com as leis trabalhistas em vigncia (CLT); Que 62%

    delas so exportadoras; Que contribuem com 2,3% do valor das exportaes; E que participam com

    20% do PIB (Produto Interno Bruto). Estes dados se referem as cinco milhes de Pequenas Empresas

    operantes no Brasil em 2004 e 2005.

    Ou seja, este 'setor' no pode ser deixado de lado, as Micro e Pequenas Empresas tm uma

    grande influncia na economia, e a Contabilidade enquanto parceira da empresa tem grande influncia

    na perenidade destas empresas no mercado.

    No Brasil existem entendimentos diferentes para a definio de Pequena, Mdia ou Grande

    Empresa. Para a finalidade desta pesquisa ser utilizada a definio elaborada pelo SEBRAE, visto sua

    facilidade de aplicao e entendimento. Outro fator que incita a utilizao deste parmetro que, de

    fato, este rgo especificamente um dos mais acessados pelos gestores que buscam treinamento e

    aplicao de ferramentas de gesto com foco ao gerenciamento de seu negcio, conforme sugere

    Schier (2011, p. 22).

  • 5

    O SEBRAE utiliza para a classificao dos portes das empresas o quesito de nmero de

    funcionrios. Estando as empresas no ramo de Comercio e Servios que o caso desta pesquisa a

    classificao realizada de acordo com o quadro a baixo:

    Classificao de Empresas - SEBRAE

    Micro Empresas At 9 (Nove) funcionrios.

    Empresa de Pequeno Porte Entre 10 (Dez) e 49 (Quarenta e nove) funcionrios.

    Mdia Empresa Entre 50 (Cinquenta) e 99 (Noventa e nove) funcionrios.

    Empresa de Grande Porte Acima de 100 (Cem) funcionrios.

    Fonte: SCHIER 2011, p. 23

    importante salientar aos empreendedores de pequenas organizaes que

    nas cincias contbeis existe um Princpio Fundamental de Contabilidade que o

    Princpio da Entidade, cujo enunciado para estabelecer a diferena jurdica entre as

    pessoas fsicas ou naturais dos scios, em relao pessoa jurdica, legalmente

    constituda (SOUZA, 2011 p. 20).

    [...]a contabilidade mantida para as Entidades; os scios ou quotistas destas no se

    confundem, para efeito contbil com aquelas. Dentro desta abstrao contbil pode-

    se tentar compreender o reconhecimento do patrimnio particular no universo dos

    patrimnios existentes, independentemente de pertencer a uma pessoa, a um

    conjunto de pessoas a uma sociedade ou a instituio de qualquer natureza ou

    finalidade, com ou sem fins lucrativos (SOUZA, 2011 p. 20).

    De acordo com Souza (2011 p. 20) este entendimento essencial para que no haja confuso

    quanto delimitao de posse de capital nas figuras de empresa e scio. Ou seja, fato que os scios

    so as pessoas naturais detentoras do capital da empresa, porm isto no lhes d o direito de agir com

    o capital da organizao como se este fosse sua propriedade liquida e imediata. Tornando ainda mais

    simples a compreenso, este princpio contbil define que o scio no pode tomar posse do capital da

    empresa para uso particular a esmo, para que isto ocorra necessrio realizar os procedimentos

    contbeis adequados e definidos anteriormente dentro do planejamento definido no Plano de

    Negcios.

    Para identificar de maneira clara a identidade de uma Pequena Empresa no Brasil, necessria

    a compreenso de um conceito de Misso, que fundamental para garantir a perenidade de uma

    empresa, o que afirma Catelli (2001, p.50). A misso um sinnimo de objetivo pelo qual todos os

    esforos da organizao sero destinados a alcanar.

    Os conceitos apresentados expem um contexto vivido por muitas empresas, porm de

    maneira muito mais ativa e influente numa pequena empresa. As crenas e Valores. Nakagawa (1995,

    p.26 apud SOUZA, 2011 p. 41) define crenas com a afirmao de que [...]a crena a aceitao

    como verdade, declaraes ou um conjunto de circunstancias., e para objetivar a compreenso do

    texto exemplifica que O presidente de uma empresa pode declarar que acredita no processo

  • 6

    participativo de se tomarem decises, se ele, porm, centraliza as decises habitualmente,

    evidentemente sua declarao falsa e no aceita pelas pessoas como crena..

    As crenas e valores culturais talvez sejam o principal entrave a um melhor desemprenho das

    Pequenas Empresas, seguro afirmar que, em vrias situaes o gestor, mesmo sem informao

    necessria, toma atitude em detrimento a uma situao particular, e acaba com esta atitude deixando

    de contribuir para a sade de sua empresa. Atitudes em desacordo com a poltica empresarial, em

    discordncia com normas bsicas de boas prticas e de tica trazem muitas vezes consequncias

    negativas e irreversveis para qualquer empresa, porm como j dito, as Pequenas Empresas esto mais

    expostas a estes reflexos em funo da extino de regras bsicas de relacionamento com o mercado e

    tambm por pecar na execuo dos conceitos apresentados anteriormente. Souza (2007, p. 21).

    METODOLOGIA

    O mtodo utilizado foi a pesquisa de campo, atravs deste, levantamos informaes referentes

    ao problema proposto no projeto. Este tipo de pesquisa feita com controles e objetivos previamente

    definidos pelo pesquisador de forma adequada e considerando o problema a ser respondido.

    Uma definio Controladoria pode ser obtida no trecho a baixo.

    [...]aquela utilizada com o objetivo de conseguir informaes e/ou conhecimento acerca de

    um problema, para o qual se busca uma resposta, ou de uma hiptese que se queira comprovar, ou,

    ainda, descobrir novos fenmenos ou as relaes entre eles. O levantamento das referidas

    informaes devem ser realizados em etapas. Num primeiro momento so feitas reviso bibliogrficas

    a respeito do tema para apurar quais as opinies relevantes sobre o tema pesquisado, isto servira de

    base para a construo de um modelo terico de referencia, num segundo momento, considerando a

    natureza da pesquisa deve-se determinar as tcnicas a serem utilizadas na coleta de dados.

    Desta maneira a pesquisa se define por uma pesquisa de campo atravs de uma observao

    direta extensiva utilizando o formulrio como coleta de dados atravs da ferramenta Googledocs.

    Foi utilizado o formulrio como instrumento de coleta de dados, que faz parte de um mtodo

    chamado por LAKATOS (2007) de observao direta extensiva, que em suma consiste em o

    preenchimento do formulrio de pesquisa tem que ser preenchido em loco pelo pesquisador, ainda que

    este formulrio seja objetivo. Com isto o mtodo da observao direta extensiva tem por objetivo

    tornar mais eficaz a coleta de dados, pois o pesquisador pode explicar e contextualizar as questes do

    formulrio para um melhor entendimento do pesquisado, e com isso, obter uma resposta mais afinada

    e que represente a realidade.

    Ainda segundo LAKATOS (2007), para poder atender as necessidades da pesquisa pode, e na

    maioria das vezes, se faz necessrio o uso de mais de uma tcnica de pesquisa desde que ambos se

  • 7

    complementem e enriqueam o resultado, neste sentido, esta pesquisa utiliza este mtodo como

    complemento pesquisa de campo.

    O formulrio uma ferramenta que busca informaes diretamente do entrevistado, este

    processo se da com a aplicao do formulrio pelo pesquisador junto ao pesquisado, as questes

    devem ser marcadas pelo pesquisador ou pelo entrevistado com sua superviso (MARCONI e

    LAKATOS 2007 p. 214 apud NOGUEIRA 1968, p. 129) define formulrio como sendo: [...]uma

    lista formal, catlogo ou inventrio destinado coleta de dados resultantes quer da observao, quer de

    interrogatrio, cujo preenchimento feito pelo prprio investigador[...].

    Para dar incio pesquisa, o primeiro passo foi identificar a amostra, que para atender os

    objetivos propostos apresenta trs filtros principais: a empresa ser sediada na cidade de Campo

    Mouro, ter em seu registro junto ao Cadastro Nacional de Pessoa Jurdica - CNPJ inscrito com

    atividade principal ou secundria, no ramo de comrcio varejista de ferragens e ferramentas e possuir

    em seu quadro de zero a nove funcionrios, este ultimo dado aferido atravs do formulrio de

    pesquisa.

    Para identificar as empresas e aplicar os primeiros dois filtros foi solicitado primeiramente na

    Junta Comercial do PR, posto de atendimento de Campo Mouro, um relatrio com estas empresas,

    neste ato a Junta Comercial declarou no possuir em seus registros este relatrio, e informou que o

    rgo responsvel por prestar essas informaes sociedade a Prefeitura Municipal da Cidade.

    Diante disso, no setor de protocolo da Prefeitura Municipal de Campo Mouro foi solicitada

    uma listagem compreendendo todas as empresas cujo ramo de atividade principal ou secundrio fosse

    o proposto, e seus respectivos nmeros de inscrio no CNPJ e tambm telefones para contato.

    De posse do relatrio, iniciou-se a primeira etapa do filtro, uma vez que nem todas as

    empresas relacionadas na listagem fornecida pela Prefeitura Municipal de Campo Mouro atendiam ao

    quesito de ramo de atividade solicitado. Desta maneira foi realizada a emisso do Comprovante de

    Inscrio e de Situao Cadastral das cinquenta e sete empresas relacionadas atravs de um canal de

    consulta disponibilizado ao pblico pelo stio da Receita Federal1. Aps a impresso de todos os

    comprovantes deu se incio aplicao do filtro de atividade econmica principal ou secundria aps a

    aplicao do filtro identificou-se doze empresas aptas a participar da pesquisa.

    Realizado os filtros de cidade sede e de atividade econmica deu se incio a aplicao do

    formulrio atravs da visita as doze empresas selecionadas, destas doze, apenas quatro se

    indispuseram a participar da pesquisa, restando assim um total de oito empresas pesquisadas de um

    total de doze aptas, ou seja, um percentual de 66,67% da populao compe a amostra estudada.

  • 8

    RESULTADOS DA PESQUISA

    A coleta dos dados atravs do formulrio ocorreu entre os dias 30 de julho e 04 de agosto de

    2012, antes de realizar as visitas, foram realizados contatos via fone para agendar um melhor horrio

    para realizar a visita, e enviado um correio eletrnico para as empresas com a apresentao do projeto

    de pesquisa e informaes sobre os pesquisadores.

    A visita s empresas ocorreu de acordo com o agendado, a nica surpresa foi a indisposio de

    participar da pesquisa por parte de quatro das doze empresas, mesmo com a visita e com a

    apresentao do projeto realizada pessoalmente pelos pesquisadores. Nas empresas que se dispuseram

    a participar, o preenchimento do formulrio, que foi realizado pelos pesquisadores, ocorreu de acordo

    com o previsto. Alm do preenchimento e da explicao de alguns conceitos que auxiliaram na correta

    interpretao da pesquisa, em sua maioria os empresrios no apresentaram dificuldades em entender

    o objetivo da pesquisa e tambm deixaram evidente o interesse no assunto pesquisado, alguns

    apresentaram certo receio ao receber os entrevistadores, porm nada que veio interferir na coleta dos

    dados. O primeiro item avaliado foi o filtro, o de nmero de funcionrios, que, para esta pesquisa no

    pode ser superior a nove.

    Realizando a conferncia dos dados, identificou-se que todas as empresas que se dispuseram a

    participar da pesquisa possuem menos que nove funcionrios, sendo assim, das oito empresas

    entrevistadas, oitos tiveram seus dados interpretados.

    Os resultados obtidos

    A primeira anlise feita apresenta que, em mdia, as empresas possuem 9,25 anos de

    atividade, que correspondem a nove anos e trs meses aproximadamente. Porm o desvio padro

    chega a 7,88 para mais ou para menos. Em suma, foram pesquisadas empresas que tem desde 2 (dois)

    at 24 (vinte e quatro) anos de atividade.

    Outra informao relevante que, o nmero de funcionrios, que neste caso varia de zero a

    oito, apresenta uma mdia de quase quatro funcionrios por empresa, e um desvio padro de

    aproximadamente trs funcionrios, a pesquisa ainda apresenta que, 25% das empresas no possuem

    funcionrios, ou seja, so os administradores quem executam todas as funes das empresas.

    Em explicao, as empresas que no possuem funcionrios justificaram aos pesquisadores

    que, por terem processos simples, a tomada de deciso no demanda muito tempo, e feita no perodo

    de tempo ocioso, horrios que no esto atendendo seus clientes, desta maneira, conseguem

    administrar e executar as funes necessrias atividade de suas empresas. Ainda confessaram utilizar

    de contratao de mo de obra terceirizada para realizar entregas e a limpeza do local por exemplo.

    A pesquisa ainda apresenta, conforme exposto na Imagem 1, que, 63% dos empresrios

    utilizam para acompanhar a situao econmica e financeira da empresa os mtodos empricos, e que

  • 9

    apenas 13% utilizam relatrios contbeis. Em explicao o que os pesquisadores identificaram que,

    os relatrios contbeis (Balano Patrimonial e DRE principalmente) no fazem parte do cotidiano da

    maioria dos gestores.

    Imagem 1 - Fonte: Dados da pesquisa.

    Porm, quando relacionados os tipos de controle utilizados para acompanhar a situao

    econmica da empresa, ao tempo mdio que estas empresas esto no mercado, o que a pesquisa

    demonstra que, as empresas que utilizam SIG ou similar para realizar este acompanhamento, esto a

    mais tempo no mercado, isto demonstra que, quanto maior o tempo de atuao no mercado, maior

    a necessidade e a utilizao de um sistema integrado de gesto. Os detalhes desta relao podem ser

    vistos na Imagem 2.

    Ainda relacionando aos SIGs das empresas e seu tempo de permanncia no mercado, a

    pesquisa aponta que os relatrios contbeis so utilizados pelas empresas que esto, em mdia, h

    menos tempo no mercado quando comparadas as demais pesquisadas.

  • 10

    Imagem 2 - Fonte: Dados da pesquisa.

    Outra informao apresentada que, para realizar os processos cotidianos de controle, a

    preferncia ainda emprica, porm em 50% dos pesquisados, estes mtodos ainda que empricos, so

    utilizados em meios eletrnicos, seja por softwares ou planilhas, o detalhe fica pelo fato de estes

    controles no serem integrados, ou seja, os mtodos ou sistemas eletrnicos de realizar o controle da

    maior parte da amostra, no se comunicam entre si, e no se atualizam automaticamente. O resultado

    da pesquisa pode ser acompanhado na Imagem trs.

    Ainda sobre os mtodos e sistemas utilizados para as operaes cotidianas das empresas

    pesquisadas, a pesquisa identifica que, apenas 25% das entrevistadas possuem um sistema, ou mtodo

    que receba atualizao instantnea, isso aponta a falta de integrao dos mtodos ou sistemas de

    controles utilizados por estas empresas.

    Analisando minuciosamente a relao entre o tipo de sistema utilizado pelas pesquisadas e a

    periodicidade de atualizao das informaes destes sistemas, que, quando combinados corretamente

    contribuem para a eficcia da organizao, conforme aponta Schier (2010), a pesquisa apresenta que,

    conforme exposto na Imagem 4 a maioria das pesquisadas utilizam planilhas e outros controles no

    integrados, porm, para esta maioria as informaes so atualizadas diariamente. De outro lado,

    quando so analisadas as empresas que utilizam um SIG ou similar integrado, todas elas dispem de

    atualizaes instantneas, e o oposto disto que, das empresas pesquisadas, todas que utilizam

    controles manuais nas atividades cotidianas dispem de atualizaes semanais.

  • 11

    Imagem 3 - Fonte: Dados da pesquisa.

    Imagem 4 - Fonte: Dados da pesquisa.

    Correlacionando agora o tipo de sistema, o nvel de integrao deste sistema utilizado pelas

    pesquisadas nas operaes cotidianas, e a periodicidade de conferencia ou conciliao, a pesquisa

    obteve que 72,5% das pesquisadas apontam que o nvel de integrao de seus mtodos so baixo ou

    muito baixo, e estes 72,5% utilizam ou anotaes manuais ou planilhas eletrnicas no integradas. Os

    37,5% que compes restante total das pesquisadas neste quesito, identificam o nvel de integrao de

    seus mtodos ou sistemas, como mdio alto, e estes 37,5% utilizam ou planilhas eletrnicas e outros

    softwares integrados, ou um SIG integrado. O resultado da pesquisa a estes itens na ntegra esto

    disponveis na Imagem 5. Quanto relao entre o mtodo de controle ou sistema de controle

  • 12

    utilizado pela pesquisada, o nvel de integrao e a periodicidade de conferncia ou conciliao, a

    pesquisa no aponta relao entre as variveis.

    A classificao para auferir o nvel de integrao utilizada na pesquisa emprica e visa

    compreender todas as possveis situaes encontradas nas empresas pesquisadas. Quanto ao

    enquadramento, ou seja, a opo de classificar o tipo de controle utilizado versus o nvel de

    Integrao, este resultado foi obtido de acordo com as respostas dos pesquisados, ou seja, esta

    classificao foi identificada pelos pesquisados.

    Da mesma maneira d-se a aferio da periodicidade de conciliao. Onde os pesquisados

    relacionaram o mtodo de controle ou sistema de controle versus a periodicidade de conciliao dos

    mesmos.

    Tipo de sistema; Nvel de Integrao; Periodicidade de

    conciliao. % das empresas

    Anotaes manuais 12,5% Baixo 12,5%

    Diria 12,5%

    Planilhas Eletrnicas ou Softwares NO integrados 50,0% Baixo 25,0%

    Diria 12,5% Mensal 12,5%

    Muito baixo 25,0% Mensal 12,5% Semanal 12,5%

    Planilhas ou Softwares INTEGRADOS 12,5% Mdio Alto 12,5%

    Semanal 12,5%

    Possui um Sistema Integrado de Gesto-SIG 25,0% Mdio Alto 25,0%

    Mensal 25,0%

    Total Geral 100,0%

    Imagem 5 - Fonte: Dados da pesquisa.

    Outra informao obtida pela pesquisa refere-se a quais so os controles utilizados pelas

    empresas pesquisadas, e dentro de uma proposta de controles necessrios a uma pequena empresa

    sugeridos por Souza (2011) foram selecionados para aferio o controle de custo, controle de estoque,

    controle de conta movimento ou movimentao bancria, controle de caixa, controle de imobilizado, e

    de formao de preo de venda.

    Destes controles sugeridos como essenciais eficcia de qualquer organizao, inclusive das

    Micro e Pequenas Empresas, a pesquisa apresenta que, ao controle de custo, metade dos pesquisados

    utilizam mtodos embasados na controladoria, e a outra metade tambm utilizam mtodos, porm

    empricos.

    Quanto ao controle de estoque, a pesquisa aponta que 25% utilizam mtodos empricos

    aleatrios, ou seja, no tem uma regra de como gerir o estoque da organizao, apenas o fazem. Em

  • 13

    explicao os gestores apresentaram aos pesquisadores que, no controlam os estoques por j estarem

    habituados visita dos representantes das marcas que so revendidas em seus estabelecimentos e que,

    estes representantes os auxiliam no controle do estoque.

    Ao encontro do controle de estoque, a pesquisa apresenta que o controle de movimentao

    bancria segue normas que se baseiam em mtodos cientficos como os da Controladoria em 63% dos

    entrevistados, e o controle de caixa apresenta o mesmo resultado do controle de movimentao

    bancria.

    O controle de imobilizado aos pesquisados, apresenta ser fundamentado em mtodos contbeis

    em 50% das empresas participantes, enquanto 25% utiliza mtodo emprico e os outros 25% do total

    no utilizam mtodo algum, apenas conferem fisicamente o imobilizado quando se faz necessrio.

    O controle formao de preo de venda apresentou os resultados mais estveis e prximos da

    pesquisa, no houve um destaque, embora, se somados, os mtodos empricos (regras criadas pelas

    empresas e aleatrios) somam 63% dos praticados pelos entrevistados. .

    Relacionando a eficcia da organizao aos mtodos utilizados pelas pesquisadas para praticar

    os controles que foram propostos por esta pesquisa a avaliar - que foram citados individualmente

    acima juntamente com seus principais resultados a pesquisa aponta que, atravs de uma mdia

    realizada entre todos os controles propostos, 4% dos controles propostos, no so praticados.

    A pesquisa ponta ainda que 12% dos controles so realizados de maneira aleatria, ou seja, os

    gestores no seguem nenhuma regra para realizar determinados controles, esta fatia se d

    principalmente aos controles de imobilizado e de estoque de algumas empresas, e que desses 12% que

    utilizam mtodos aleatrios, 4% o julgam pouco eficaz e 8% o julgam eficaz.

    Das pesquisadas, a mdia aponta que 33% dos controles so praticados de maneira emprica, e

    que, destes 23% so considerados pouco eficazes e 10% so considerados eficazes. J os mtodos

    cientficos fazem parte de 50% dos controles das empresas pesquisadas, e destes 46% so

    considerados eficazes e apenas 4% so considerados pouco eficazes pelos gestores. Os detalhes desta

    relao que demonstra qual a eficcia de cada tipo de controle e qual o percentual de cada controle

    praticado pelas entrevistadas esto disponveis na Imagem 6.

  • 14

    Imagem 6 - Fonte: Dados da pesquisa.

    CONSIDERAES FINAIS

    Aps a anlise dos resultados apresentados pela pesquisa, no que se refere eficcia das

    organizaes e aos controles utilizados pelas pesquisadas, conclui-se que, apenas a metade dos

    controles utilizados em mdia por estas empresas esto nos padres cientficos, e que, a eficcia dos

    mtodos cientficos reconhecida pelos gestores, aproximadamente 92% dos gestores consideram

    estes controles cientficos eficazes.

    Outro resultado obtido que, h relao positiva entre o tipo de controle utilizado pelas

    empresas e seu tempo de atuao no mercado, ou seja, das empresas pesquisadas, as que utilizam para

    tomada de deciso, informaes vindas de sistemas com base cientfica e o mantem atualizado, esto

    h mais tempo no mercado. Com isto podemos identificar tambm uma tendncia, de que, conforme a

    empresa aumenta seus anos de atividade, ela utiliza cada vez mais informaes vindas de fontes

    cientficas.

    A pesquisa tambm confirmou que os relatrios contbeis no fazem parte do cotidiano da

    maioria das empresas pesquisadas, outra concluso que uma nfima parte das pesquisadas utilizam a

    informao vinda diretamente da contabilidade para a tomada de deciso. Conforme aponta Catelli

    (2001) e Souza (2011) isso um reflexo da utilizao da contabilidade terceirizada, que na maioria das

    vezes no atende as necessidades da empresa quanto fonte de informao, e sim utiliza as informaes

    fornecidas pela empresa para atender ao fisco.

    Ainda quanto eficcia, a pesquisa aponta que, um pequeno percentual dos controles

    utilizados no cotidiano das organizaes (como os de imobilizado e de estoque de algumas das

    pesquisadas) so realizados aleatoriamente, e mesmo assim so avaliados como eficazes pelos

  • 15

    gestores. E este tipo de controle, embora apresente um risco maior ao ser realizado, uma vez que no

    existem registros e histrico dos bens, apresentam sim um bom nvel de eficcia, pois quando

    necessria, a informao aferida manualmente com contagens fsicas, que, para a amostra

    selecionada, no representa muito esforo devido ao pequeno porte das organizaes.

    O ponto negativo que a utilizao deste mtodo apresenta primeiramente o excesso de tempo

    gasto para a obteno de uma informao simples, e tambm a falta de registros dos bens, tanto de

    origem quanto de valores de compra, tempo de permanncia no estoque ou de utilizao do bem.

    Esta pesquisa deixa como sugesto para continuidade um estudo de caso em uma das empresas

    da amostra visando implantao de melhores controles para suprir as necessidades da gesto com

    informao precisa e com base em mtodos cientficos apropriados e adaptados a realidade deste ramo

    de atividade, mantendo sempre como o principal objetivo destes controles a eficcia da organizao.

    REFERENCIAL BILBIOGRFICO

    CATELLI, Armando, e outros, Controladoria: Uma abordagem da gesto econmica GECON. So

    Paulo: Atlas, 2001

    FERREIRA, Aurlio Buarque de Holanda, Mini Aurlio: O Dicionrio da Lngua Portuguesa.

    Curitiba: Positivo, 2005.

    MARCONI, Marina de Andrade, LAKATOS, Eva Maria, Fundamentos de Metodologia Cientfica.

    So Paulo: Atlas, 2007.

    NASCIMENTO, Auster Moneira, REGINATO, Luciane, Controladoria: Um enfoque na eficcia

    organizacional. So Paulo: Atlas, 2009.

    PINHO, Manoel Orlando de Morais. Dicionrio de termos de negcio portugus/ingls. So Paulo:

    Atlas, 1995.

    SCHIER, Carlos Ubiratan da Costa. Controladoria como instrumento de gesto. Curitiba: Juru,

    2011

    SEBRAE. Fatores Condicionantes a Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil.Braslia: Sebrae,

    2004.

    SOUZA, Antonio de, Gerencia financeira para micro e pequenas empresas, Rio de Janeiro:

    Campus, 2007.

    SOUZA, Luiz Carlos de, Controladoria aplicada aos pequenos negcios. Curitiba: Juru, 2011.