Cronograma interven§£o hist 6 ano

download Cronograma interven§£o hist 6 ano

If you can't read please download the document

  • date post

    22-Jun-2015
  • Category

    Documents

  • view

    5.873
  • download

    25

Embed Size (px)

Transcript of Cronograma interven§£o hist 6 ano

  • 1. Escola Estadual Dr Joaquim Vilela Disciplina: Histria Professora: Claudia Rodrigues Costa dos Santos Turma: 6 ano Turno: Vespertino Ano: 2013 CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES DE INTERVENO PEDAGGICA Atividades abaixo* AGOSTO DATA HABILIDADE(S) ATIVIDADES 2SEM D2 Localizar informaes explcitas em um texto. D3 Inferir informaes implcitas em um texto. D15 Estabelecer a relaes entre partes de um texto D6 Identificar o gnero de um texto. D7 Identificar a funo de textos de diferentes gneros. D10 Distinguir um fato da opinio relativa a esse fato Tpico 4. Os povos africanos Histria afro Brasileira 4.2. Conceituar escravido. Interpretar textos sobre histria e cultura afro- brasileira. Aula expositiva dialogada sobre o tema. 3SEM D2. Localiza informao D1. Identifica Tema D3 Inferir informaes implcitas em um texto. D5 Inferir o sentido de uma palavra ou expresso. D15- Estabelece relao entre textos Tpico 4. Os povos africanos 4.3. Problematizar a existncia da escravido na frica antes da expanso martima europeia. 4.4. Estabelecer diferenas entre o tipo de escravido existente na frica e o tipo implantado na Amrica Portuguesa. Interpretar textos Escravido na frica e Brasil com cara de frica Consolidar com a prova das informaes 4eSEM D2. Localiza informao D1. Identifica Tema D3 Inferir informaes implcitas em um texto. D5 Inferir o sentido de uma palavra ou expresso. D15- Estabelece relao entre textos Tpico 4. Os povos africanos 4.3. Problematizar a existncia da escravido na frica antes da expanso martima europeia. 4.4. Estabelecer diferenas entre o tipo de escravido existente na frica e o tipo implantado na Amrica Portuguesa. Interpretar textos Escravido na frica e Brasil com cara de frica Consolidar com a prova das informaes SETEMBRO DA TA HABILIDADE(S) ATIVIDADES 1SEM D2 Localizar informaes explcitas em um texto. Tpico 4. Os povos africanos Heranas da cultura negra... montar caa palavras sobre o tema. 2SEMANA D2 Localizar informaes explcitas em um texto. Tpico 4. Os povos africanos Heranas da cultura negra... montar caa palavras sobre o tema. 3SEMANA D2 Localizar informaes explcitas em um texto. D3 Inferir informaes implcitas em um texto. 4.1. Identificar a diversidade tnica, espacial e cultural dos povos africanos. Interpretar mapa.

2. 4SEM D1 Identificar um tema ou o sentido global de um texto. D2 Localizar informaes explcitas em um texto. D3 Inferir informaes implcitas em um texto. Tpico 4. Os povos africanos Para consolidar, texto coletivo (Cultura negra) os alunos vo falando e o professor escrevendo no quadro. Todos devem participar e copiar o texto no caderno. OUTUBRO DATA HABILIDADE(S) ATIVIDADES 1SEM D2 Localizar informaes explcitas em um texto. D20 Reconhecer diferentes formas de abordar uma informao ao comparar textos que tratam do mesmo tema. Tpico 4. Os povos africanos Interpretao de texto sobre leis abolicionistas e quilombos. Aula expositiva dialogada sobre o tema e BINGO 2SEMANA D1 Identificar um tema ou o sentido global de um texto. D2 Localizar informaes explcitas em um texto. D3 Inferir informaes implcitas em um texto. D5 Inferir o sentido de uma palavra ou expresso. D10 Distinguir um fato da opinio relativa a esse fato. D6 Identificar o gnero de um texto. D20 Reconhecer diferentes formas de abordar uma informao ao comparar textos que tratam do mesmo tema. Tpico 4. Os povos africanos Interpretao de textos sobre conscincia negra Produo de Vdeo sobre o tema para consolidar. 3. MATRIZ DE REFERNCIA (DESCRITORES) I - PROCEDIMENTOS DE LEITURA D1 Identificar um tema ou o sentido global de um texto. D2 Localizar informaes explcitas em um texto. D3 Inferir informaes implcitas em um texto. D5 Inferir o sentido de uma palavra ou expresso. D10 Distinguir um fato da opinio relativa a esse fato. II IMPLICAES DO SUPORTE, DO GNERO E/OU DO ENUNCIADOR NA COMPREENSO DO TEXTO D6 Identificar o gnero de um texto. D7 Identificar a funo de textos de diferentes gneros. D8 Interpretar texto que conjuga linguagem verbal e no-verbal. III RELAO ENTRE TEXTOS D18 Reconhecer posies distintas entre duas ou mais opinies relativas ao mesmo fato ou ao mesmo tema. D20 Reconhecer diferentes formas de abordar uma informao ao comparar textos que tratam do mesmo tema. IV COERNCIA E COESO NO PROCESSAMENTO DO TEXTO D11 Reconhecer relaes lgico-discursivas presentes no texto, marcadas por conjunes, advrbios, etc. D12 Estabelecer a relao causa/consequncia entre partes e elementos do texto. D15 Estabelecer a relaes entre partes de um texto , identificando repeties ou substituies que contribuem para sua continuidade. D16 Estabelecer a relaes entre partes de um texto a partir de mecanismos de concordncia verbal e nominal. D19 Identificar o conflito gerador do enredo e os elementos que compem a narrativa. D14 Identificar a tese de um texto. D26 Estabelecer relaes entre a tese e os argumentos oferecidos para sustent-la. D27 Diferenciar as partes principais das secundrias em um texto. V RELAES ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO D23 Identificar efeitos de ironia ou humor em textos. D28 Reconhecer o efeito de sentido decorrente da escolha de uma determinada palavra ou expresso. D21 Reconhecer o efeito de sentido decorrente do uso de pontuao e de outras notaes. D25 Reconhecer o efeito de sentido decorrente do uso de recursos ortogrficos e morfossintticos. VI VARIAO LINGSTICA D13 Identificar marcas lingusticas que evidenciam o locutor e o interlocutor de um texto. 4. TEXTO (Frag)01 - O negro faz parte de nossa cultura. Saber sobre ele significa conhecer um pouco mais do nosso Brasil. Alm disso, durante anos eles estiveram em inferioridade em nossa sociedade. J est na hora de mudana! Algumas escolas j comearam o trabalho de conscientizao da cultura africana. Ser que este trabalho pode ajudar a valorizao dos negros em nossa sociedade? TEXTO (Frag)02 - Da Legislao Eles bateram o martelo. A partir de 2003, todas as escolas, pblicas e particulares, devem ensinar a cultura e histria afro-brasileiras nas aulas. Isso agora lei (nmero 10.639) e foi assinada pelo presidente Luiz Incio Lula da Silva no ltimo dia 10 de janeiro de 2003. TEXTO (Frag)02 - CONTOS AFRICANOS Em Salvador (BA), os alunos da escola municipal Eugnia Anna dos Santos, que fica dentro do terreiro Il Ax Op Afonj, aprenderam a lngua iorub falada na Nigria, em Benin e em Togo, na frica. Eu adoro estudar iorub e conhecer as lendas e contos africanos, diz Marcos Henrique Santos, 9, da 3 srie. Na escola Professor Luiz Gonzaga Riguini, em So Paulo, as alunas fizeram bonecos e pea de teatro para discutir preconceito e cultura. Nossa professora sempre indica poesia e textos de autores negros, diz Carla Dantas, 13. Na Escola Viva, na zona sul de So Paulo, os alunos lem sobre a cultura africana. Gosto das pesquisas que fazemos na aula, diz Rafael Vegas, 12.Fonte: Folhinha 1/2/03 01 Baseando-se na leitura dos textos, responda: a-D3 - Qual a proposta para o estudo sobre os negros em sala de aula? b- D3- O que justifica o fato de alunos de uma escola em Salvador aprenderem uma lngua africana? c- D3- Ao indicar textos de autores negros, o que a professora mostra aos alunos? d- D15- Que assunto comum aos trs fragmentos de texto apresentados acima? 02 (Descritor: distinguir um fato da opinio relativa a esse fato) a- D10- O que voc acha da atitude do presidente Lula em assinar uma lei que obriga as escolas a trabalhar com a cultura afro-brasileira? b- D10- Voc acredita que este trabalho vai diminuir o preconceito? Conceito de escravido A escravido (denominada tambm escravismo, escravagismo e escravatura ) a prtica social em que um ser humano assume direitos de propriedade sobre outro designado por escravo, ao qual imposta tal condio por meio da fora. Em algumas sociedades, desde os tempos mais remotos, os escravos eram legalmente definidos como uma mercadoria. Os preos variavam conforme as condies fsicas, habilidades profissionais, a idade, a procedncia e o destino. D7- Qual a funo do texto acima? D6- Identifique o gnero do texto acima (marque x) a) humorstico b) publicitrio c) literrio d) informativo 5. A escravido j era utilizada na frica antes da chegada dos europeus, principalmente pela escravizao de prisioneiros de guerra de tribos rivais. O comrcio de escravos para o Ocidente era em seu incio feito pelas caravanas muulmanas que cruzavam o Saara em busca de escravos e os vendia aos europeus ou a outras regies islmicas, com destaque a cidade de Ceuta. Com a expanso martima, os europeus passaram a comercializar escravos diretamente com os lderes tribais da frica Subsaariana. As pessoas se tornavam escravizadas na frica principalmente por guerras. Outra forma de escravido presente na frica foi a escravido por dvida: o indivduo endividado passava a ser escravo do credor da dvida. Sabemos que a escravido j existia na frica antes da chegada dos europeus no continente, mas a escravido se tornou um negcio lucrativo tanto para os africanos que escravizavam, quanto para os europeus que traficavam escravos. A acentuao da escravido na frica aconteceu porque as vendas de escravos para a Amrica se tornou uma lucrativa atividade. A escravido foi desenvolvida como foi, justamente porque servia aos propsitos europeus de utilizar a mo-de-obra escrava na colonizao da Amrica onde faltasse mo-de-obra indgena e tambm para extrair tributos e mesmo dzimo para a Igreja, alm de que servia, na frica, para consolidar reinos locais, uma vez que estes enriqueciam com o comrcio com os europeus, alm de reforas as estruturas sociais de diferenciao tribal existente. Na frica, os escravos no foram tantos maus tratos como no Brasil. Fonte(s): Economia Colonial Brasileira, de Joo Fragoso e Manolo Florentino. D6- Identifique o gnero dos textos acima (marque x) a) humorstico b) publicitrio c) informativo d) interpessoal D3- Sobre o texto pode-se inferir que a) a escravido s existiu no Brasil b) a escravido existiu no Brasil antes de existir na frica c) a escravido existiu na frica antes de exist