Depósito de Histórias

download Depósito de Histórias

of 33

  • date post

    02-Aug-2016
  • Category

    Documents

  • view

    230
  • download

    2

Embed Size (px)

description

Livro fotográfico sobre os Antiquários e Feiras de Antiguidades de São Paulo - SP, 2015.

Transcript of Depósito de Histórias

  • Depsito De histriasrassa ociscki

  • FICHA CATALOGRFICA

    Orientao: Andr Carrieri (Fotos) e Martha Maldonado (Textos)

    Produo Fotogr ca: Rassa Ociscki

    Colaboradores: Tnia Trajano, Raphael Mathias e Lisia Lemes

    Projeto Gr co e Diagramao: Lisia Lemes

    Impresso: (nome local)

    Todos os direitos reservados: Rassa Ociscki

    a oportunidade e a graa de fazer um trabalho do qual gostamos a nossa maior realizao. Dedicar a algum demonstrar e reconhecer que eles tambm ajudaram de algum modo.

    Aos meus pais Nivaldo Ociscki e Claudia Maria Zacharias Ociscki e ao meu irmo Rainner, que muito amo e a quem muito devo.

    A minha av Maria Aparecida Zacharias (in memoriam), que infelizmente no pode acompanhar minha juventude e amadurecimento, porm cujo amor permanece alm do tempo e do espao.

    A minha av Dirce da Silva Ociscki (in memoriam), que no teve a oportunidade de me conhecer, mas que sei que est orgulhosa.

    E aos meus avs Mario Zacharias e Antnio Ociscki, obrigada por depositar em mim histrias do passado.

    CIP - Catalogao na Publicao

    Elaborada pelo Sistema de Gerao Automtica de Ficha Catalogrfica da Universidade Paulista

    com os dados fornecidos pelo(a) autor(a).

    Ociscki, Rassa Zacharias

    Depsito de Histrias. / Rassa Zacharias Ociscki. - 2015.

    60 f. : il. color + Livro Fotogrfico.

    Trabalho de Concluso de Curso (Graduao) apresentado ao Instituto

    de Cincia Sociais e Comunicao da Universidade Paulista, So Paulo,

    2015.

    rea de Concentrao: Fotojornalismo.

    Orientador: Prof. Me. Andr Carrieri.

    Coorientadores: Prof. Me. Martha F. Maldonado Baena da Silva

    Haddad, Prof. Me. Tnia Trajano.

    1. Feira de Antiguidades. 2. Antiqurios. 3. So Paulo. 4. Recordao;

    Memrias; Histrias. 5. Fotojornalismo. I. Carrieri, Andr (orientador). II.

    Haddad, Martha F. Maldonado Baena da Silva (coorientadora). III.

    Trajano, Tnia (coorientadora). IV.Ttulo.

  • aGraDecimeNtos

    o escritor e o fotgrafo utilizam as mesmas ferramentas, mas enquanto um descreve uma imagem com mil palavras, o outro descreve mil palavras com uma imagem.

    Jefferson Luiz maleski

    Agradeo a Deus que iluminou o meu caminho.

    Agradeo a minha famlia que ouviu falar sobre o TCC, diariamen-te, nos ltimos meses e, por isso, virei assunto de pauta familiar, uma vez que todos querem saber coisas novas sobre o que estou produzindo.

    Ao meu professor e orientador Andr Carrieri que, no pouco tem-po que lhe coube, me ensinou a enxergar o meu tema com um olhar fotogrfi co profi ssional, direcionando meu esforo para uma produo simples, mas com qualidade. Alm de acreditar no meu tema e na minha capacidade, o professor Andr tambm fez s vezes de psiclogo nos momentos mais angustiantes durante o percurso do projeto.

    Lisia Lemes por todo cuidado, esforo e dedicao com o projeto grfi co e diagramao deste livro, pois sem ela no seria possvel concretizao desta obra.

    professora Martha Maldonado Haddad por sua inspirao ao dar o nome deste livro e pela pacincia na correo dos textos.

    E, por fi m, a todos os entrevistados que enriqueceram o projeto com suas histrias.

  • sumrio08 Prefcio1 0 Antiguidades26 Feiras38 Repeties46 Restauradores54 Compradores

    Feira do MASP - boneco de chumbo R$250,00

  • 8dep

    sito

    de

    hist

    ria

    s

    H que se olhar o vasto do mundo e aprender a vida. Olhar...

    Desde o primeiro semestre eu j sabia que o meu produto seria um livro de fotos, mesmo sem um tema definido. O interesse pela fotografia e por histrias no de hoje. Porm, foi nas aulas do Prof. Andr Carrieri que aprendi a ir alm do ato de fotograr. Aprendi que a fotografia est dentro de ns, como se fosse uma cmera interna seria um modo de enquadrarmos o mundo - e que, de acordo com o nosso olhar, podemos contar uma histria. E esse o propsito do meu livro: contar histrias atravs das fotos.

    Sobre o meu tema, tudo comeou com as reunies em famlia e suas recordaes. Preservar a memria daqueles que no tm lugar nos manuais de histria preservar a nossa histria. Resgatar memrias e valores dentro do estado da arte o que meu livro prope, e de uma forma simples, diga-se de passagem.

    Eu me lembro do momento em que sentei para escrever esse texto e da dificuldade que tive em come-lo. Procurar ajuda seria o mais adequado, mas comecei a ver as fotos e relembrar de um passado, que eu nem conhecia, no presente. E, para minha satisfao, aquela ideia inicial concretizou-se e estou realizada com o resultado do livro.

    Olhe com os olhos do corao. Boa viagem!!!

    Outubro - 2015

    prefcio

    Feira do Bixiga - tendas, casares ao fundo

  • 11

    Dep

    sito

    De

    hist

    ria

    s

    aNtiGuiDaDesNs brasileiros somos a mistura de diversas raas, origens e costumes. Estamos acostumados mistura de materiais, cores e estilos, e, claro, emoes.

    Como retratar emoes em fotos? Parece uma mistura at um pouco complicada, mas, felizmente, s parece.

    Antiqurio Rua Fortaleza esquina com a Rua Treze de Maio 2 andares

    de histria, muita iluminao e uma famlia pronta para ajudar.

  • 1312

    Dep

    sito

    De

    hist

    ria

    s

    Dep

    sito

    De

    hist

    ria

    s

    ClssicoAs cores que no saem de moda, a elegncia do couro, do veludo e da seda. Nos tons de marrom, o couro d um ar de luxo, mveis de linhas rebuscadas.

    ContemporneoUtiliza impresses e desenhos feitos direto em painis de madeira ou na parede. Uso de reciclagem e reapro-veitamento de materiais como garrafas, caixotes e ou-tros. Ou ambientes claros e cores vibrantes nos objetos.

    tnico de raiz! Transforma elementos folclricos em itens de decorao.

    High TechPara quem gosta de cores vibrantes e funcionalidades.

    IndustrialComo se estive em uma fbrica. Uma mquina de cos-tura transformada em mesa ou aparador.

    Kitsch o chique do brega, com cores berrantes e objetos ba-ratos, enche o ambiente com alegria.

    ModernoO padro deste estilo a cor branca, seja nos mveis ou no ambiente.

    Oriental zen e minimalista, com formas simples.

    ProvenalNo simples, rico em detalhes, confortvel e ro-mntico.

    RetrEste estilo traz o passado retr de volta, direto do tnel do tempo.

    Rstico sofi sticado, virou moda com elementos nobres para diferenciar o ambiente.

    Vintage um estilo nostlgico e chique. Com muita personali-dade. Esse estilo traz histria ao ambiente.

    tipo De estiLos

    Na maioria dos pases do mundo considerada ANTIGA a pea

    com mais de 100 anos de idade. Peas do perodo Art Nouveau e

    Art Dec, portanto, no seriam consideradas ainda antiguidades,

    por possurem menos de um sculo de idade. Mas essas peas

    com muita frequncia formam o acervo de muitos antiqurios por

    um conceito mais abrangente e exvel: o fato da RARIDADE e

    peculiaridade das tcnicas que foram empregadas na confeco

    das mesmas. So objetos cheios de arte, signifi cados sociopolti-

    cos, culturais e afetivos e que, por isso, passam a representar e ter

    uma importncia enorme como partes do patrimnio de um povo,

    pas ou que marcaram profundamente uma poca.

    Antiqurio Mercado Negro Antiguidades

  • 1514

    dep

    sito

    de

    hist

    ria

    s

    dep

    sito

    de

    hist

    ria

    s

    Feira de Antiguidade e Design Mube, simplicidade do vendedor ao utilizar um de seus produtos a venda como chamariz do seu espao. Jogo de luz e contraste com o castial ao lado no utilizado lindo.

  • 1716

    dep

    sito

    de

    hist

    ria

    s

    dep

    sito

    de

    hist

    ria

    s

    Feira de Antiguidade e Design Mube, mistura de estilos. Feira do MASP, domingo 12h, mistura de estilos e objetos colocados a venda.

  • 1918

    dep

    sito

    de

    hist

    ria

    s

    dep

    sito

    de

    hist

    ria

    s

    Feira do MASP, domingo 12h,

    transparncia e delicadeza posto a

    mesa.

    Feira do MASP, domingo 12h, mistura de estilos e objetos colocados a venda.

  • 2120

    dep

    sito

    de

    hist

    ria

    s

    dep

    sito

    de

    hist

    ria

    s

    Antiqurio na Rua Treze de Maio. Shopping das Artes e Antiguidades, domingo de manh - detalhe da foto em como cada objeto esta separado em conjunto e como as luzes trazem harmonia ao ambiente.

  • 2322

    dep

    sito

    de

    hist

    ria

    s

    dep

    sito

    de

    hist

    ria

    s

    Feira de Antiguidade e Design Mube, abajur colocado a venda aceso. Feira de Antiguidade e Design Mube, vendedor utiliza de um porta retrato a venda para fazer propaganda do seu negcio.

  • 2524

    dep

    sito

    de

    hist

    ria

    s

    dep

    sito

    de

    hist

    ria

    s

    Shopping das Artes, sbado 15:40h, so

    estilos de antiguidades colocados todos juntos,

    mostrando a mistura de estilos.

    Cadeira - Shopping das Artes e

    Antiguidades, sbado a tarde. Objetos na porta do Antiqurio. Mistura

    de estilo.

  • 27

    Dep

    sito

    De

    hist

    ria

    s

    feirasH pessoas que no conseguem compreender que um Antiqurio no um lugar para coisas velhas, mas um lugar para objetos antigos. Note-se a diferena: lugar de coisa velha no lixo; o que est no Antiqurio no algo ultrapas-sado e sem serventia, que pode ser posto para fora. Ao contrrio disso, um Antiqurio um lugar para objetos antigos, carregados de histrias, um local tradicional, at no sentido de qu