Desempenho Acustico de Soluções Multicamada

download Desempenho Acustico de Soluções Multicamada

of 22

  • date post

    25-Oct-2014
  • Category

    Documents

  • view

    179
  • download

    1

Embed Size (px)

description

Grupo Preceram, Formações - Tektónica 2012 Soluções para ConstruçãoSistemas de Construção a Seco, 11/05/2012 Apresentação, Resultados dos ensaios no ITeCons das soluções da Gyptec e Preceram, Prof. Paulo Amado Mendes, DEC-ECTUC, ITeCons

Transcript of Desempenho Acustico de Soluções Multicamada

Academia Tektnica: Grupo Preceram-Solues para a Construo Dia 11 - Sistemas de Construo a Seco

ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO ACSTICO DE SOLUES MULTICAMADA EM PAREDES Paulo Amado MendesCICC, DEC-FCTUC, ITeCons

11 de Maio de 2012, FIL, Lisboa

MOTIVAO e OBJETIVOS A importncia da Acstica de Edifcios para o conforto interior dos espaos construdos O interesse em conhecer o desempenho acstico atravs da caracterizao de elementos, solues ou sistemas construtivos Os desafios colocados a sistemas construtivos inovadores, face a critrios de sustentabilidade, requisitos funcionais e regulamentares cada vez mais exigentes

Academia Tektnica: Grupo Preceram - Sistemas de Construo a Seco Gyptec

11/Maio/2012, FIL, Lisboa

MOTIVAO e OBJETIVOS Colaborao, em fase de I&D, no desenvolvimento de solues construtivas multicamada para paredes de compartimentao leves/de reforo com recurso a gesso laminado Gyptec e aglomerado de cortia expandida Caracterizao laboratorial de sistemas incorporando gesso laminado Gyptec, para auxlio na definio e otimizao face a diferentes solicitaes/exigncias

Academia Tektnica: Grupo Preceram - Sistemas de Construo a Seco Gyptec

11/Maio/2012, FIL, Lisboa

Desempenho Acstico de Solues Construtivas Anlise de diferentes fenmenos ISOLAMENTO ACSTICO A SONS AREOS

ISOLAMENTO ACSTICO A SONS DE PERCUSSO

CONDICIONAMENTO ACSTICO

Academia Tektnica: Grupo Preceram - Sistemas de Construo a Seco Gyptec

11/Maio/2012, FIL, Lisboa

LABORATRIO versus PROJECTO versus OBRA Em LABORATRIO: Caracterizam-se elementos, solues ou sistemas construtivos Em PROJETO: Definem-se e estima-se o desempenho das solues, tendo em vista os Requisitos dos edifcios pelo RRAE Em OBRA / in situ: Verificam-se/Comprovam-se as exigncias regulamentares e a conformidade aos requisitos acsticos aplicveis

Que tipo de exigncias, no caso de paredes interiores e de fachada?- Isolamentos acsticos (a Sons areos e a Sons de percusso) - Condicionamento acstico (Tempo de reverberao)

Academia Tektnica: Grupo Preceram - Sistemas de Construo a Seco Gyptec

11/Maio/2012, FIL, Lisboa

EDIFCIOS: REGULAMENTAO NACIONALDecreto-Lei n. 9, de 17 de Janeiro de 2007 RGR, Regulamento Geral do Rudo Licenciamento de Atividades remete para legislao especfica dos edifcios Decreto-Lei n 129, de 11 de Maio de 2002 RRAE, Regulamento dos Requisitos Acsticos dos Edifcios republicado pelo Decreto-Lei n 96, de 9 de Junho de 2008, em vigor desde 1 de Julho de 2008 Isolamentos Acsticos e Condicionamento Acstico [RRAE um Regulamento de verificao em Obra / in situ] RGR + RRAE aplicveis em conjunto desde 1 de Fevereiro de 2007 [avaliao de conformidade in situ para emisso de autorizao de utilizao ou alterao de utilizao / Licena de Habitabilidade]Academia Tektnica: Grupo Preceram - Sistemas de Construo a Seco Gyptec 11/Maio/2012, FIL, Lisboa

RRAE Regulamento dos Requisitos Acsticos dos Edifcios mbito de aplicao (construo, reconstruo, ampliao oualterao de edifcios, em funo dos usos a que se destinam) Edifcios habitacionais e mistos, e unidades hoteleiras (Art. 5.); Edifcios comerciais e de servios, e partes similares em edifcios industriais (Art. 6.); Edifcios escolares e similares, e de investigao (Art. 7.); Edifcios hospitalares e similares (Art. 8.); Recintos desportivos (Art. 9.); Estaes de transporte de passageiros (Art. 10.); Auditrios e salas (Art. 10.-A).

Permite a coexistncia, no mesmo edifcio, de habitao, comrcio, servios ou indstria (=> aplicao de +1 Art.).Academia Tektnica: Grupo Preceram - Sistemas de Construo a Seco Gyptec 11/Maio/2012, FIL, Lisboa

RRAE DefiniesD2m,nT isolamento sonoro a sons de conduo area, padronizado diferena entre o nvel mdio de presso sonora exterior, medido a 2 m da fachada do edifcio (L1,2m), e o nvel mdio de presso sonora medido no local de recepo (L2), corrigido da influncia das condies de reverberao do compartimento receptor (paredes exteriores): D2m,nT = L1,2m-L2+10 log(T/T0) [dB] L2 L1

DnT - isolamento sonoro a sons de conduo area, padronizado - diferena entre o nvel mdio de presso sonora medido no compartimento emissor (L1) produzido por uma ou mais fontes sonoras, e o nvel mdio de presso sonora medido no compartimento receptor (L2), corrigido da influncia das condies de reverberao do compartimento receptor (paredes interiores e de separao entre fogos ou espaos interiores com diferentes usos): DnT = L1-L2+10 log(T/T0) [dB] L1 L2

Academia Tektnica: Grupo Preceram - Sistemas de Construo a Seco Gyptec

11/Maio/2012, FIL, Lisboa

RRAE DefiniesT tempo de reverberao do compartimento recetor; T0 tempo de reverberao de referncia; para compartimentos de habitao ou comparveis, T0=0.5s, ou, se especificado em projeto, o tempo de dimensionamento.

Termos de adaptao, C ou Ctr correo definida na NP EN ISO 717-1, funo das caractersticas espectrais do rudo na emisso (rudo rosa ou rudo de trfego), a anexar ao ndice de isolamento sonoro a sons de conduo area.

T tempo de reverberao - intervalo de tempo necessrio para que a energia volmica do campo sonoro de um recinto fechado se reduza a um milionsio do seu valor inicial.

Academia Tektnica: Grupo Preceram - Sistemas de Construo a Seco Gyptec

11/Maio/2012, FIL, Lisboa

EDIFCIOS HABITACIONAIS E MISTOS, E UNIDADES HOTELEIRAS (Art. 5.)Elemento / local Entre o exterior e quartos ou salas dos fogos (fachadas com envidraados), 1a) Entre compartimentos de um fogo e quartos ou salas de outro fogo, 1b) e 1e) Entre locais de circulao comum e quartos ou salas dos fogos, 1c), 1e) e 1f) Mnimo Regulamentar D2m,nT,w 28 dB em zonas sensveis D2m,nT,w 33 dB em zonas mistas DnT,w 50 dB LnT,w 60 dB DnT,w 48 dB DnT,w 40 dB se a circulao comum for um caminho vertical e existir elevador DnT,w 50 dB se a circulao comum for garagem de parqueamento automvel. LnT,w 60 dB ou no se aplica se a circulao comum for caminho vertical e existir elevador DnT,w 58 dB Ln,Tw 50 dB (*) (*)

Entre locais do edifcio destinados a comrcio, indstria, servios ou diverso e quartos ou salas dos fogos, 1d) e 1g)

(*) .+ 3 dB em zonas urbanas consolidadas em que sejam ultrapassados os valores limite de exposio . Quando a rea translcida for superior a 60% do elemento da fachada em anlise, deve adicionar-se a D2m,nT,w o termo de adaptao C ou Ctr,, conforme rudo dominante (mantendo-se os limites)Academia Tektnica: Grupo Preceram - Sistemas de Construo a Seco Gyptec 11/Maio/2012, FIL, Lisboa

EDIFCIOS HABITACIONAIS E MISTOS, E UNIDADES HOTELEIRAS (Art. 5.)

Nas unidades hoteleiras, dever considerar-se que cada quarto equivale a um fogo. Nas avaliaes in situ, destinadas a verificar os requisitos acsticos dos edifcios, deve ser tido em conta um factor de incerteza I, associado determinao das grandezas em causa. Nas avaliaes in situ, destinadas a verificar o cumprimentos dos limites regulamentares, podero aceitar-se como conformes: se (D2m,nT,w e DnT,w ) + 3 dB e (LnT,w e LAr,nT) - 3 dB satisfazem os limites regulamentares

Academia Tektnica: Grupo Preceram - Sistemas de Construo a Seco Gyptec

11/Maio/2012, FIL, Lisboa

EDIFCIOS HABITACIONAIS E MISTOS, E UNIDADES HOTELEIRAS (Art. 5.)

LAr,nT32dB(A) ou 27dB(A)

Equipamentos Habitao Habitao Habitao DnT,w50dB LnT,w60dB Caminhos de circulao Habitao comum DnT,w48dB LnT,w60dB DnT,w58dB

DnT,w50dB LnT,w60dB D2m,nT,w33dB ou 28dB Habitao

DnT,w50dB LnT,w60dB Garagem Servios Diverso

LnT,w50dB Comrcio Industria

Academia Tektnica: Grupo Preceram - Sistemas de Construo a Seco Gyptec

11/Maio/2012, FIL, Lisboa

Isolamento AcsticoRefere-se capacidade de um elemento de construo em impedir a passagem da energia sonora para um compartimento contguo.

Os elementos de construo exibem diferentes tipos de comportamento consoante a solicitao: - sons areos - impactos (percusso)Espao 1 Espao 2

EincidenteLp1

Lp2

EreflectidaFonte

Etransmitida

L2

Isolamento a sons areos Elementos simples Aumento da massa do elemento isolamento aumenta (foras de inrcia aumentam). Aumento da frequncia do som incidente poder de vibrao do elemento diminui verifica-se uma maior dissipao de energia sonora isolamento acstico aumenta

Outras variveis: o ngulo de incidncia das ondas; a rigidez; o amortecimento interno; dimenses do elemento; existncia de pontos fracos de isolamento. Quebras de isolamento

Academia Tektnica: Grupo Preceram - Sistemas de Construo a Seco Gyptec

11/Maio/2012, FIL, Lisboa

Isolamento a sons areos Elementos simples Curva de isolamento Regio I controlada pela rigidez do painel. Podem ocorrer ressonncias que diminuem o isolamento sonoro.

Regio II controlada pela massa do painel. A duplicao da massa ou da frequncia resulta num aumento de 6 dB no isolamento sonoro.

Frequncias de ressonncia

Log freq (Hz)

Regio III a coincidncia entre o comprimento de onda do som e o comprimento de onda estrutural faz diminuir o isolamento sonoro.

Frequncia crtica

Academia Tektnica: Grupo Preceram - Sistemas de Construo a Seco Gyptec

11/Maio/2012, FIL, Lisboa

Isolamento a sons areos Elementos com mltiplos painis Em paredes simples o ndice de reduo sonora depende principalmente de: - massa - rigidez - perdas internas verificadas por dissipao da energia no elemento - quebras na frequncia crtica do painel

Pode aumentar-se o isolamento de um elemento de separao, dividindo o elemento em vrios painis separados por: - caixas de ar (com/sem material absorvente) - outros materiais (painis em "sanduche)

Os elementos de separao mltiplos registam outras quebras de isolamento: - devido ressonncia do conjunto das massas dos painis e caix