DESPESAS ADMINISTRATIVAS E CUSTO DE · PDF filePode-se concluir, que o custo por tonelada...

Click here to load reader

  • date post

    17-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    214
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of DESPESAS ADMINISTRATIVAS E CUSTO DE · PDF filePode-se concluir, que o custo por tonelada...

  • Associao Nacional do Transporte de Cargas e Logstica | NTC Rua da Gvea, 1390 Vila Maria | SP/SP | T. +55 11 2632.1500

    1

    DESPESAS ADMINISTRATIVAS E CUSTO DE TERMINAIS

    Por Fernando Gidice *

    Identificao de centros de custos

    Qualquer filial da transportadora desempenha as seguintes funes bsicas: operacionalizar as cargas,

    efetuar coletas na regio, processar as cargas no Armazm, carregar e descarregar caminhes, expedir

    mercadorias para outras regies e executar entregas aos clientes.

    Alm destas funes operacionais, a filial possui estrutura e pessoal qualificado envolvido na

    administrao das operaes, no atendimento aos clientes e na gesto financeira. A atividade

    administrativa se desenvolve, em prdio anexo ao terminal, onde est instalado o Escritrio de

    Administrao. Neste espao onde acontece a gesto e controle das atividades: operacionais,

    econmico-financeira e comercial.

    Pode-se dizer, ento, que a filial possui dois centros de custos: o Armazm, onde as cargas so

    processadas e o Escritrio de Administrao que exerce o controle e superviso de todas as atividades.

    Basicamente distinguimos dois tipos de centro de custos: denominados centro de custo produtivo e

    centro de custo no produtivo. O primeiro est ligado s atividade do processo produtivo; o segundo,

    tem a funo de apoiar e auxiliar o desempenho do processo operacional. As tarefas, operaes e

    servios executados no Armazm de cargas, so atividades pertinentes a centro de custo produtivo. As

    tarefas administrativas de controle e gesto esto classificadas como centro de custo no produtivo

    (no sentido de no estarem diretamente ligadas produo).

    A partir da identificao dos dois centros de custos (Administrao e Operao de Terminais),

    necessrio apropriar despesas a cada um deles.

    A melhor maneira de tornar as despesas prprias a cada centro de custos valer-se da Contabilidade

    de custos. Com a emisso de relatrio financeiro possvel separar as contas classificadas por tipo de

    despesa e por centro de custo. O balancete contbil mostrar, no final do ms, o conjunto das

    despesas; aquelas classificadas como operacionais apropriadas ao Terminal de Cargas, separadamente

    das despesas Administrativas.

    APURAO DE CUSTOS DO ARMAZM (Terminal de cargas)

    Objeto de custos:

    O ideal seria apropriar despesas diretamente a cada cliente. Dada a diversificao das cargas

    manuseadas, no fcil separar as operaes durante a movimentao das mercadorias. O esforo e

    trabalho realizado pelas equipes do armazm (mo-de-obra aplicada), assim como o uso de

  • Associao Nacional do Transporte de Cargas e Logstica | NTC Rua da Gvea, 1390 Vila Maria | SP/SP | T. +55 11 2632.1500

    2

    equipamentos no transporte interno so recursos aplicados no manuseio e movimentao de

    mercadorias. Observa-se, entretanto, que as operaes so comuns a diversos clientes, por isso, no

    possvel aglutinar e distinguir o aporte de recursos aplicados a cada cliente individualmente.

    Optou-se pela escolha do volume de tonelagem processada no armazm, como base de clculo, para

    alocao de custos aos Terminais.

    Conceito: o que carga processada?

    As cargas, normalmente, so transferidas de uma filial a outra, exceto quando se tratam de cargas

    diretas (lotao), cujas mercadorias so entregues diretamente ao destinatrio comprador.

    Observao: quando se tratar de carga direta, no h ligao entre duas filiais: a filial origem remete cargas diretamente ao destinatrio; neste caso, deve-se considerar a filial remetente como origem e destino das cargas. O custo operacional ser ento duplicado (origem/destino) na filial em que a carga foi processada. Nos CTRCs1 repete-se, como origem e destino, a mesma filial que operou e processou as mercadorias.

    Se todas as cargas fossem transferidas, de uma filial a outra, a tonelagem processada seria exatamente

    o dobro da tonelagem transportada, pois, a mesma carga foi processada tanto na filial origem, quanto

    na filial destino.

    A soma das toneladas expedidas por todas as filiais correspondem ao total das toneladas transportadas

    no ms. De outro lado, o total das mercadorias recepcionadas pelas filiais, nada mais que a soma das

    cargas expedidas no perodo.

    Reunir todos os manifestos de cargas emitidos pelas filiais expedidoras.

    A partir do conjunto de MFs emitidos, somar a tonelagem de cargas transferidas de mesma origem

    para diversos destinos.

    Em todas as viagens o motorista leva numa pasta, Notas Fiscais, conhecimentos e os manifestos

    (romaneio) das mercadorias existentes na carroceria do caminho.

    Na tabela I somar o total das cargas expedidas pelas filiais, assim como somar tambm as cargas

    recebidas em cada uma das filiais.

    1 CTRCs Conhecimentos do Transporte Rodovirio de Cargas MFs Manifestos de Cargas Cada manifesto emitido contm inscrito no cabealho: nome do motorista; CNH do condutor; origem e destino das cargas; nmero da placa do veculo e da carroceria (se se tratar de reboque ou de semi-reboque); nmero identificador do veculo e do equipamento (n de frota); registro do nmero da aplice de seguro de mercadorias. No corpo do manifesto, ainda so documentados: relao dos CTRCs e respectivos embarcadores; peso informado e peso cubado das mercadorias; quantidade de volumes e tipos de produtos; opcionalmente preo frete por CTRC e valor total da receita; dentre outras informaes.

  • Associao Nacional do Transporte de Cargas e Logstica | NTC Rua da Gvea, 1390 Vila Maria | SP/SP | T. +55 11 2632.1500

    3

    CUSTO OPERACIONAL DE TERMINAIS (em reais)

    TABELA I TABELA II

    PRODUO - TONELADAS PROCESSADAS DESPESAS OPERACIONAIS DE ARMAZM

    DE / PARA Filiais Destinos Tonelada

    Expedidas FILIAIS

    Despesa

    Operacio

    tonelada

    process.

    Custo p/

    tonelada Filiais Origem RJO BHE CGE

    SPO 0 970 425 0 1.395 SPO 86.000 2.180 39,45

    RJO 250 0 660 405 1.315 RJO 158.000 3.680 42,93

    BHE 380 950 195 660 2.185 BHE 186.000 3.715 50,07

    CGE 155 445 250 0 850 CGE 56.000 1.915 29,24

    Ton. Recebida 785 2.365 1.530 1.065 5.745

    Ton.Processada 2.180 3.680 3.715 1.915 11.490 TOTAIS 486.000 11.490 42,30

    A tonelagem processada, em cada uma das filiais, obtida pela soma das t. expedidas + t. recebidas.

    Observe que a tonelagem foi processada, tanto na filial origem, quanto na filial destino, o que mostra

    que a tonelagem processada o dobro da tonelagem transportada.

    Eventual reprocessamento de cargas nas filiais intermedirias, a tonelagem

    reprocessada ser acrescentada tonelagem processada na filial em que ocorreu

    esta operaoi2.

    Apura-se o custo por tonelada processada dividindo-se (vide tabela II) a despesa mensal do Terminal,

    pela produo processada em cada uma das filiais.

    TABELA III CUSTO OPERACIONAL CONTABILIZADO A CADA FILIAL (base toneladas processadas)

    Filial SPO Filial RJO

    Origem/Destin toneladas Custo/ t Custo total Origem/Dest. toneladas Custo/ t Custo total

    SPO/RJO 970 39,45 38.266 RJO/SPO 250 42,93 10.734

    SPO/BHE 425 39,45 16.766 RJO/BHE 660 42,93 28.337

    RJO/SPO 250 39,45 9.862 RJO/CGE 405 42,93 17.389

    BHE/SPO 380 39,45 14.991 SPO/RJO 970 42,93 41.647

    CGE/SPO 155 39,45 6.115 BHE/RJO 950 42,93 40.788

    Total 2.180 86.000 CGE/RJO 445 42,93 19.106

    TOTAL 3680 158.000

    Filial BHE Filial CGE

    Origem/Destin toneladas Custo/ t Custo total Origem/Dest. toneladas Custo/ t Custo total

    BHE/SPO 380 50,07 19.026 CGE/SPO 155 29,24 4.533

    BHE/RJO 950 50,07 47.564 CGE/RJO 445 29,24 13.013

  • Associao Nacional do Transporte de Cargas e Logstica | NTC Rua da Gvea, 1390 Vila Maria | SP/SP | T. +55 11 2632.1500

    4

    BHE/BHE 195 50,07 9.763 CGE/BHE 250 29,24 7.311

    BHE/CGE 660 50,07 33.044 RJO/CGE 405 29,24 11.843

    SPO/BHE 425 50,07 21.279 BHE/CGE 660 29,24 19.300

    RJO/BHE 660 50,07 33.044 TOTAL 1915 56.000

    BHE/BHE 195 50,07 9.763

    CGE/BHE 250 50,07 12.517

    TOTAL 3715 186.000

    A resultante custo unitrio operacional, (R$/t processada), deve ser calculado multiplicando-se estes

    ndices pela produo tonelada ou kg. expresso em cada CTRC relacionado no Manifesto.

    As cargas expedidas carregam para a filial destino os custos apropriados filial

    origem. Por sua vez, a filial destino, quando recebem as cargas oriundas da filial

    origem, aplica sobre estas cargas o custo/t processada. Em outras palavras, o custo

    apurado em cada filial, calculado sobre a tonelagem expedida e tambm sobre a

    tonelagem recepcionada de outras filiais.

    Os CTRCs absorvero os custos da filial origem e os custos da filial destino, j que as cargas so

    processadas tanto na filial origem, quanto no armazm da filial destino.

    Apurao de custos por tonelada transportada

    TABELA IV TABELA V

    CUSTO APROPRIADO (ORIGEM E DESTINO) CUSTO APROPRIADO (ORIGEM + DESTINO)

    Percursos

    Origem/Dest

    tonelada

    expedida

    Custo

    Origem

    Custo

    Destino

    Custo

    Total

    Custo p/

    tonelada

    Percursos

    Filiais

    tonelada

    expedida

    Custo p/

    tonelada

    Custo

    Total

    SPO/RJO 970 38.266 41.647 79.913 82,38 SPO/RJO 970 82,38 79.913

    SPO/BHE 425 16.766 21.279 38.045 89,52 RJO/SPO 250 82,38 20.596

    RJO/SPO 250 10.734 9.862 20.596 82,38 SPO/BH