Dissertação Adriano

of 42/42
Apresentação da Dissertação de ADRIANO FONSECA Orientador: Prof. Dr. Pedro Paulo Scandiuzzi A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO MATEMÁTICO DE UMA TURMA DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NUM ESPAÇO SOCIOCULTURAL: UMA POSTURA ETNOMATEMÁTICA
  • date post

    30-May-2015
  • Category

    Documents

  • view

    883
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Dissertação Adriano

  • 1.
    • Apresentao da Dissertao deADRIANOFONSECA
  • Orientador: Prof. Dr. Pedro Paulo Scandiuzzi
  • A CONSTRUO DO CONHECIMENTO MATEMTICO DE UMA TURMA DE ALUNOS DO ENSINO MDIO NUM ESPAO SOCIOCULTURAL: UMA POSTURA ETNOMATEMTICA

2. Estrutura da dissertao Introduo Captulo 1- O caminho percorrido Captulo 2 Tratamento dos dados do projeto de leitura com um olhar matemtico Captulo 3 - Tratamento dos dados do projeto de leitura com um olhar etnomatemtico Captulo 4 - Discusso Referncias 3. Trajetriaprofissional

  • termina a graduao em 2001
  • comea a lecionar em 2002
  • ingressa como aluno especial neste programa de Ps - Graduao em 2004
  • ingressa no Mestrado em 2007
  • inicia como Prof. Assistenteem 2009

4. Aporte filosfico e espiritual S sei que nada sei( Scrates)Tudo posso naquele que me fortalece(Filipenses, 4, 13) 5. Questes iniciais

  • Professor,para que serve Matemtica?
  • Onde vou usar na minha vida?

6. Objetivo principal da pesquisa

  • Buscar compreender a construo do conhecimento matemtico de um grupo social especfico, uma turma do 2 ano do EnsinoMdio da Escola Estadual Prof. Marcelo de Mesquitaem Ipena/SP

7. Pergunta diretriz

  • De acordo com os princpios etnomatemticos, como agir de modo que a sala de aula se torne um espao sociocultural, onde acontea a construo do conhecimento matemtico do/pelo grupo social envolvido?

8. Captulo 1 Influncias tericas

  • Professor,porque a Matemtica no ensinada numa linguagem que a gente entenda?

9. Caminhos metodolgicos

  • Pesquisa etnogrfica com carter qualitativo destaca trs momentos da pesquisa: coleta de dados, tratamento e discusso.

10. Os projetos, o ambiente e o grupo social

  • Projeto de leitura com um olhar matemtico 2006
  • Projeto de leitura de Mundo com um olhar Etnomatemtico - 2007

11. O projeto de 2006

  • Fazer com que os alunos percebessem e compreendessem a utilizao dos conceitos da matemtica escolar em artigos impressos e digitais, buscando dar sentido a esta disciplina.
  • A classe foi dividida em 7 grupos: 3 grupos com 5 alunos e 4 grupos com 6 alunos.
  • Cada grupo trabalhou um tema sugerido pelo professor

12. O projeto de 2007

  • a busca pela aprendizagem da matemtica escolar deixou de ser o foco do projeto, dando lugar busca pelo conhecimento matemtico produzido pelo grupo social pesquisado.

13.

  • discutir a realidade, o ambiente circundante, refletindo sobre ele, buscando por explicaes sobre fatos e fenmenos aos quais se tem contato ...
  • A classe foi dividida em 5 grupos: um com 6 alunos e quatro com 5.
  • Cada grupo trabalhou um tema escolhido por eles mesmos professor

14. A relao professor/aluno

  • O professor a pessoa que interage com um grupo que detm um saber diferenciado do dele e,pelo dilogo, o conhecimento produzido nas duas direes:professor/alunoe tambm aluno/professor.(Scandiuzzi, 2007)
  • Existe uma relao mais completa aluno-aluno, pois est sempre presente a figura do professor, representante da outra cultura. ( Fonseca, 2009)

15. Colar o esquemaalunos ->alunos Professor 16. Sobre a avaliao

  • Considerando que esse projeto no vislumbrou a matemtica escolar,mas todas as formas de pensamento matemtico, a avaliao tradicional no teve espao .
  • Os alunos fizeram uma auto-avaliao sobre a participao no projeto:como sujeitos que desconstroem ,reconstroem e constroemconhecimento dentro do seu grupo social .

17. Captulo 2 TRATAMENTO DOS DADOS DO PROJETO DE LEITURA COM UM OLHAR MATEMTICO Adriano 1) Leu o Projeto p/ os alunos 2) Alunos demonstraramInteresse e curiosidade 18. Organizados 7 Grupos G1 G2 G3 G4 G5 G7 G6

  • s homens
  • c/ dificuldade aprendizagem
  • pouco engajados
  • S mulheres / amigas
  • facilidade de aprendizagem
  • S mulheres
  • grande nvel de engajamento
  • Grupo misto
  • Dificuldade aprendizagem
  • pouco engajamento

19. Organizados 7 Grupos G1 G2 G3 G4 G5 G7 G6

  • grupo misto
  • grande nvel de engajamento
  • facilidade aprendizagem
  • grupo misto
  • grande nvel de engajamento
  • facilidade aprendizagem
  • S mulheres
  • dificuldade aprendizagem

20.

  • Definidos os grupos, cada um deveria montar uma apresentao sobre um tema de interesse do grupo.
  • Adriano, tinha como objetivo fazer com que os alunos percebessem e compreendessem a utilizao das expresses matemticas presentes em artigos impressos e digitais.
  • *Cada grupo teve 2 aulas(50 min. Cada)para apresentao

21. Proposta para apresentao

  • O grupo deveria ler o texto em voz alta e depois discutiam o assunto.
  • Os outros grupos receberiam uma cpia do texto.

22. Primeiras apresentaes

  • Confuso, pois todos queriam falar ao mesmo tempo.
  • Professor precisou chamar ateno dos alunos

23. G1 MEDICINA Artigo: O BRASIL NA CONTRAMO

  • Estavam perdidos... No sabiam o que fazer...
  • No trouxeram o artigo completo
  • com o auxilio do prof. aconteceu a discusso
  • Foi trabalhado os conceitos de porcentagem,proporo e funo afim.

24. G2 CARROS ESPORTIVOS Artigo:ESPORTIVIDADE NA MEDIDA CERTA

  • Prepararam as perguntas e dvidas.
  • Foi trabalhado os conceitos de porcentagem,operaes bsicas,
  • velocidade e posio no Movimento Uniformemente Variado (MUV)

25. G3 ONGs Artigo:Mais do que bons resultados,sua ajuda trouxe esperana. Muito obrigado

  • A discusso permitiu verificar o quanto os jovens tm conscincia dos
  • problemas sociais
  • Atravs da discusso souberamque na Comunidade h uma
  • Organizao No Governamental que d apoio as crianas com
  • necessidades especiais.
  • Foi trabalhado valores monetrios e grficos

26. G4 SADE Artigo:Doenas crnicas atingem quase um tero da populao brasileira

  • A apresentao deste grupo superou a expectativa do Adriano
  • Para responder as questes discutidas, foram conversar com
  • outros profissionais
  • Foi trabalhado conceitos de porcentagens, operaes bsicas e
  • situaes problemas

27. G5 MEDICINA Artigo:Sndrome de Down no doena

  • O assunto despertou muito interesse dos participantes
  • uma das integrantes do grupo filha da fundadora do
  • CAICAFI (Centro de Apoio e Integraoe Crianas,
  • Adolescentes e Famlias de Ipena)
  • Foi trabalhado com conceitos porcentagem, equao exponencial,
  • e grfico

28. G6 SADE Artigo:A Aids perde velocidade

  • Salto na quantidade de leitura
  • compreenso, aprofundamento do assunto, defesa de idias e
  • posturas, pesquisa.
  • Esse texto abriu a possibilidade de explorar o pensamento matemtico
  • presente neleeresoluo de problemas.

29. G7 COMPORTAMENTOHUMANO Artigo:Sutil e cruel agresso

  • Trabalhou a violncia dentro da escola.
  • Assunto diretamente ligado ao cotidiano dos alunos.
  • Foi trabalhado tabelas e grficos

30. AVALIAODO PROJETO

  • Alunos apontaram:
  • Pontos POSITIVOS
  • Pontos NEGATIVOS

31.

  • Quanto aos momentos de discusso dos assuntos, que envolviam interpretao, inferncia, organizao de idias, explicao de pontos de vista e defesas frente a outros divergentes, argumentao, experincia de vida, aprendizado, troca de conhecimentos, todos os grupos foram favorveis ao projeto.
  • Alguns alunos perceberam que se pode aprender matemtica de outra maneira e outros afirmaram que o que foi feito no tinha nada a ver com matemtica.

32. Foram avaliados os seguintes itens:

  • riqueza de linguagem matemtica presente no texto escolhido;
  • participao na discusso sobre o texto;
  • questionrio sobre o texto;
  • resoluo das situaes-problema.

33.

  • ADRIANOencerra esse captulo com o seguinte questionamento:
  • Como agir, que postura tomar frente avaliao, de modo que se leve em conta a autonomia e a individualidade do aluno?

34. Captulo 3 TRATAMENTO DOS DADOS DO PROJETO DE LEITURA COM UM OLHAR MATEMTICO

  • A necessidade da aprendizagem da matemtica escolar deixou de ser o foco do projeto
  • A busca pelo conhecimento matemtico produzido pelo grupo social pesquisado, conhecimento que enxerga o ser humano como um todo, conectado com sua realidade e com o mundo. (asticasdematemadoetno ).

35. Pergunta relevantes

  • Como fazer para que tudo isso fosse contemplado no trabalho de sala de aula? ( Pesquisador)
  • obrigatrio conter informaes matemtica relativas a matemtica escolar?
  • Porque este projeto ser trabalhado na aula de matemtica?

36. As apresentaes

  • O grupo 1 com o tema Violncia Sobre as causas, consequncias e solues para a violncia (Artigo de um jornal de Ipena)
  • Destaques do grupo: o descaso social do governo, a passividade das pessoas, as leis falhas e a inverso de valores.
  • Professor, mas isto matemtica?

37.

  • O grupo 2 com o tema Abuso Sexual Infantil
  • Sobre as causas, consequnciase solues para os casos de pedofilia e negligenciainfantil. (Artigo digital e um vdeo clip em ingls).
  • - Destaques do grupo: abuso sexual, negligncia, problemas psicolgicos, conflitos familiares
  • - Como os professores esto instrudos para tratar uma criana que sofre abuso ou negligncia na sala deaula?

38.

  • O grupo 3 com o temaDrogas
  • Sobre as drogas, suas causas, consequncias e possveis solues (Artigo digital)
  • Observaes do pesquisador:
  • - O grupo faz uma leitura deficiente, desmotivadora, sem musicalidade e sem emoo
  • Ser que o desinteresse dos nossos alunos nas aulas de matemtica no est relacionado ao fato que ela apresentada da forma acima?

39.

  • O grupo 4 com o tema Violncia Infantil
  • Sobre violncia e explorao infantil, suas causas e suas relaes com a famlia, trabalho e escola; lidando com os conflitos(Artigo digital e rap)
  • Destaques: causas do problema da violncia infantil, relao entre pais e filhos, relao entre a criana e o trabalho, relao entre trabalho(primeira necessidade) e escola(ltima necessidade)
  • Discusses e conflitos

40.

  • O grupo 5 com o temaIncluso Escolar Sobre incluso escolar (ArtigoRevista Nova Escola -2005)
  • Incluso o privilgio de conviver com as diferenas- entrevista com a educadoraMaria Tereza gler Mantoan.
  • - Uma criana com necessidades especiaispodeproduzir conhecimento matemtico?
  • Estando com o diferente, aprende mais?
  • Nossa escola trem estrutura para receber um deficiente fsico?
  • Qual adiferena entre incluir e integrar?

41. Finalizando

  • ... e ste projeto proporcionou liberdade aos educandos de desconstruir, reconstruir e construir seu conhecimento matemtico, interagindo com o outro e com meio circundante, fazendo do familiar , algo estranho, para que pudessem refletir sobre as diferenas humanas, ampliar seus conhecimentos, em colaborao uns com os outros, num dilogo simtrico .

42.

  • PARTICIPANTES:
  • Antonio Noel Filho
  • Marclio Leo
  • Maria ngela de Oliveira Oliveira
  • Maria da Penha Rodrigues de Oliveira Godinho