Doencas de Veiculacao Hidrica

Click here to load reader

download Doencas de Veiculacao Hidrica

of 35

  • date post

    22-Jun-2015
  • Category

    Documents

  • view

    26.030
  • download

    0

Embed Size (px)

description

Saneamento do Meio Técnico em Segurança do Trabalho SENAC

Transcript of Doencas de Veiculacao Hidrica

  • 1. SANEAMENTO DO MEIO II

2. DOENAS DE VEICULAO HDRICA 3. Definir doenas de veiculao hdrica, sua forma de contagem, tratamento e como evit-las. Tambm, far parte deste escopo, uma breve explanao sobre bactrias. Objetivos 4. Promio A gua, to necessria vida do homem, pode ser tambm responsvel por muitas doenas, denominadas doenas de veiculao hdrica. Das diversas doenas hdricas existentes, apresentaremos trs, quais sejam: Amebase; Febres tifide e paratifide; Clera. 5. Bactrias NOTA: Percebemos que ao estudar sobre doenas, notamos uma grande meno de bactrias, portanto entendemos a necessidade de explanarmos sobre o que so, antes de aprofundarmos na temtica. 6. Bactrias As bactrias so seres minsculos (microrganismos) que recobrem toda a terra. Vivem na imundice e no fundo do mar. Flutuam no ar e desenvolvem-se no corpo de qualquer ser vivo. Elas no so plantas, no so animais, no so fungos. Pertencem a um grupo de seres vivos chamadoMONERA . 7. Bactrias Uma bactria, pode se dividir em 1milho de bactrias na metade de um dia! Metade do que seu corpo joga fora aodefecar bactria, algumas so inofensivas, outras no. 8. COMO NASCEM A MAIORIA DAS DOENAS HDRICAS? DOENAS 9. AMEBASE 10. AEntamoeba hystoliticae aEntamoeba coliso parasitas minsculos, que s podem ser vistos com auxlio do microscpio. Geralmente, fala-se de ameba ( Entamoeba ) sempre que h diarrias persistentes. AEntamoeba coli um parasita que se localiza no intestino do homem, mas que no o prejudica e, portanto, no precisa ser tratada. AEntamoeba hystolitica prejudicial e precisa ser eliminada. AMEBASE , uma infeco intestinal parasitria causada por amebas e que se caracteritizam por disenteriae leses no clon (intestino grosso), fgado e bao. 11. COMO SE CONTRAI 12. Esses parasitas so eliminados com asfezesde uma pessoa, e quando essasso deixadas nas proximidades de crregos, valas de irrigao ou lagoas, contaminam suas guas. Num quintal pequeno, se a fossa for construda a poucos metros de distncia da cisterna, asfezescontaminadas por amebas podem contaminar a gua. Moscas e baratas, ao se alimentar defezesde pessoas infectadas, tambm transmitem a parasitose a outras pessoas, defecando sobre os alimentos ou utenslios. 13. O QUE CAUSA 14. Os portadores de ameba, em geral, queixam-se de: dores abdominais; febre baixa; ataque de diarria, seguido de perodos de priso de ventre, disenteria aguda comfezes sanguinolentasetc. Somente atravs do exame defezes , as pessoas ficam sabendo se tm ameba ou outros parasitas. 15. COMO EVITAR 16. Fazer com que todos da casa usem a privada . Se as crianas menores usarem penicos, asfezesdevem ser jogadas na privada ; Proteger todos os alimentos contra moscas e baratas; Conservar os alimentos e utenslios cobertos ou dentro de armrios; Proteger as guas das minas, cisternas, poos, lagoas, audes e valas de irrigao, no permitindo que sejam contaminadas por fezes humanas; 17. FEBRES TIFIDE E PARATIFIDE 18. AFEBRE TIFIDE uma doena grave, produzida pela bactriaSalmonella typhi . Evolui, geralmente, num perodo de quatro semanas. Do momento em que a pessoa adquire a infeco at o aparecimento dos primeiros sintomas, decorrem de 5 a 23 dias (perodo de incubao). A fonte de infeco o doente, desde o instante em que ingeriu os bacilos at muitos anos depois, j que os bacilos persistem em suasfezes . AFEBRE PARATIFIDE mais rara que a tifide. Produzida pela Salmonella paratyphi dos tipos A, B ou C, sua fonte de infeco a mesma da febre tifide: doentes e portadores. 19. COMO SE CONTRAI 20. A doena se transmite pelas descargas do intestino ( fezes ), que contaminam as mos, as roupas, os alimentos e a gua. O bacilo tifide ingerido com os alimentos e a gua contaminada. 21. O QUE CAUSA 22. A doena se manifesta pelos seguintes sintomas: dor de cabea, mal-estar, fadiga, boca amarga, febre, calafrios, indisposio gstrica, diarria e aumento do bao. 23. COMO EVITAR 24. Destinar convenientemente os dejetos ( FEZES ) humanos em fossas ou redes de esgotos; Tratar a gua ; Combater as moscas ; Efetuar exame e vacinao e promover a educao sanitria dos manipuladores de alimentos ; 25. CLERA 26. ACLERA uma doena causada pelo micrbioVibrio cholerae , que se localiza no intestino das pessoas, provocando, nos casos graves, diarria e vmitos intensos.Em decorrncia das diarrias e dos vmitos, o indivduo perde grande parte dos lquidos de seu organismo, ficando desidratado rapidamente. Se no for tratada logo, essa desidratao poder levar o doente morte em pouco tempo. 27. COMO SE CONTRAI 28. A doena transmitida, principalmente, atravs da gua contaminada pelasfezese vmitos dos doentes. Tambm pode ser transmitida por alimentos que foram lavados com gua j contaminada pelo micrbio causador da doena e no foram bem cozidos, ou pelas mos sujas de doentes ou portadores. So considerados portadores aqueles indivduos que, embora j tenham o micrbio nos seus intestinos, no apresentam sintomas da doena. 29. O QUE CAUSA 30. O principal sintoma uma diarria intensa, que comea de repente. As evacuaes do doente de clera so de cor esverdeada com uma espuma branca em cima, sem muco ou sangue. A febre, quando existe, baixa. Junto com a diarria, podem aparecer, tambm, vmitos e clicas abdominais. A pessoa doente chega a evacuar, desde o incio, uma mdia de um a dois litros por hora. Dessa maneira, a desidratao ocorre rapidamente, o que pode levar o doente ao estado de choque em poucas horas. 31. COMO TRATAR 32. Toda pessoa que apresentar os sintomas da doena deve ser levada imediatamente para o servio de sade mais prximo.A recuperao do doente de clera depende, em grande parte, da rapidez com que a doena for diagnosticada e tratada. O tratamento simples e bastante eficaz e consiste na reposio dos lquidos perdidos pela diarria e vmitos. Dependendo do estado do paciente, faz-se uso da reidratao oral ou da intravenosa e administram-se antibiticos indicados pelo mdico. 33. COMO EVITAR 34. A clera pode ser evitada atravs da adoo de trs aes bsicas: controle da qualidade da gua; destino adequado dasfezes ; adoo de bons hbitos de higiene. 35. Alunos Anderson Barbosa n. 02 Danilo Lima n. 08 Gabriel Vieira n. 16 Odair Medrado n. 31