edição 413

of 20 /20
PUB 7 de março de 2013 N.º 413 ano 11 | 0,60 euros | Semanário Diretor Hermano Martins Acidente pÆg. 20 Atualidade pÆgs. 8-13 Mais de 120 mil na Feira GNR fiscalizou cafØ Polcia pÆg. 3 Mais de 120 mil na Feira TrŒs feridos em despiste TrŒs feridos em despiste

Embed Size (px)

description

Edição de 7 de março de 2013

Transcript of edição 413

  • PUB

    7 de maro de 2013N. 413 ano 11 | 0,60 euros | Semanrio

    DiretorHermano Martins

    Acidente pg. 20

    Atualidade pgs. 8-13

    Maisde120milnaFeira

    GNR fiscalizou caf

    Polcia pg. 3

    Maisde120milnaFeira

    Trs feridosemdespisteTrs feridosemdespiste

  • www.onoticiasdatrofa.pt 7 de maro de 2013

    Agenda

    2Atualidade

    Fundadora: Magda ArajoDiretor: Hermano Martins (T.E.774)Sub-diretora: Ctia Veloso (9699)Editor: O Notcias da Trofa, PublicaesPeridicas Lda.Publicidade: Maria dos Anjos AzevedoRedao: Patrcia Pereira (9687), Ctia Veloso (9699)Setor desportivo: Diana Azevedo, Marco Monteiro(C.O. 744), Miguel Mascarenhas (C.O. 741)Colaboradores: Atanagildo Lobo, Jaime Toga,Jos Moreira da Silva (C.O. 864), Tiago

    Vasconcelos, Valdemar Silva, Gualter CostaFotografia: A.Costa, Miguel Trofa Pereira (C.O.865)Composio: Magda Arajo, Ctia VelosoImpresso: Grfica do Dirio do Minho, Lda,Assinatura anual: Continente: 22,50 euros; Extraeuropa: 88,50 euros; Europa: 69,50 euros;Assinatura em formato digital PDF: 15 eurosNIB: 0007 0605 0039952000684Avulso: 0,60 EurosE-mail: [email protected]

    Os artigos publicados nesta edio do jornalO Notcias da Trofa so da inteira responsabilidadedos seus subscritores e no veiculam obrigatoria-mente a opinio da direo. O Notcias da Trofa res-peita a opinio dos seus leitores e no pretende demodo algum ferir suscetibilidades.

    Todos os textos e anncios publicados nestejornal esto escritos ao abrigo do novo Acordo Orto-grfico. totalmente proibida a cpia e reproduode fotografias, textos e demais contedos, sem au-torizao escrita.

    Nota de redaoFicha TcnicaSede e Redao: Rua das Aldeias de Cima, 280 r/c -4785 - 699 TrofaTelf. e Fax: 252 414 714Propriedade: O Notcias da Trofa - PublicaesPeridicas, Lda.NIF.: 506 529 002Registo ICS: 124105 | N Exemplares: 5000Depsito legal: 324719/11Detentores de 50 % do capital ou mais: MagdaArajo

    Farmciasde Servio

    Telefones teis

    Bombeiros Voluntriosda Trofa

    252 400 700GNR da Trofa252 499 180

    Polcia Municipal da Trofa 252 428 109/10

    Jornal O Notcias da Trofa252 414 714

    O Agrupamento de Centrosde Sade (ACES) Grande PortoI Santo Tirso/Trofa uma das 43instituies que vai ser apoiadapela Misso Sorriso 2012. Qua-tro mil e duzentos euros o va-lor atribudo ao ACES de SantoTirso/Trofa para usar na adminis-trao de hipodermclise ( aadministrao de frmacos ouhidratao por via sub cutnea)no domiclio.

    Foi numa cerimnia que de-correu na quinta-feira, dia 27 defevereiro, no Auditrio do EdifcioEgas Moniz da Faculdade de Me-

    Patrcia [email protected]

    A Associao para a Pro-teco do Vale do Coronadomarcou presena na FeiraExponor InHouse, em Matosi-nhos, que decorreu de 22 defevereiro a 3 de maro.

    Numa maratona de dezdias, alguns voluntrios daAPVC - Associao para a Pro-teo do Vale do Coronado repre-sentaram-na na feira ExponorInHouse Salo da Casa ao Jar-dim Mobilirio, Iluminao ePiscinas, atravs de vrios col-quios, um stand e um mercadi-nho biolgico, que serviu deapoio promoo e divulgaodo Vale do Coronado.

    De acordo com fonte da cole-tividade, no stand, os painis so-bre A Produo de Arte Sacrano Vale do Coronado e seisobras de Jorge Brs, escultor deS. Mamede do Coronado, susci-taram a ateno do pblico e aurgncia em salvaguardar e asse-gurar o futuro desta nobre arte.Tambm a exposio de fotogra-fias do Vale do Coronado, da au-toria dos fotgrafos mameden-ses Pedro Duarte e Fbio Aran-tes, deram ainda mais visibilida-de regio, acrescentou.

    O salo nobre da AssociaoHumanitria dos Bombeiros daTrofa vai ser palco da apresenta-o e tomada de posse da novadireo da Delegao da Trofa daCruz Vermelha Portuguesa(CVP), no prximo sbado, dia9 de maro.

    De forma a angariar fundospara as festas em honra do Divi-no Esprito Santo, em S. Mame-de do Coronado, a comisso defestas vai levar a palco o espet-culo musical Ele pagou porns, bem como organizar um al-moo onde a feijoada a rainha.

    As iniciativas vo decorrer nodia 17 de maro, na antiga fbri-ca Pesafil, situada na Rua VilaS. Mamede do Coronado. Oespetculo musical, com inciopelas 16 horas, tem o custo decinco euros. Caso tambm pre-tenda almoar, antes da sesso,o preo de dez euros, comacesso ao musical. O almoo in-clui a feijoada e sobremesas,sendo que as bebidas so pa-

    Misso Sorriso 2012

    ACES Santo Tirso/Trofarecebe apoio de 4200 euros

    dicina de Lisboa Hospital deSanta Maria, que foram apresen-tadas as instituies e os proje-tos meritrios, que este ano voreceber o apoio da Misso Sorri-so, nas reas da Sade Infantil,Envelhecimento Ativo e Luta Con-tra a Fome.

    No ano em que comemora oseu 10 aniversrio a ajudarquem mais precisa, a MissoSorriso angariou cerca de 1.4milhes de euros, dos quais 912mil foram distribudos, durantequinta-feira, por 43 instituiesportuguesas. P.P.

    Cruz Vermelha da Trofacom nova direo

    Numa cerimnia presididapela Direo Nacional da CVP,ser ainda condecorada OdeteSousa Pedroso, ex-presidente dadelegao da Trofa.

    Aps o evento, que ter in-cio pelas 16 horas, ser servidoum Porto de Honra. P.P.

    Espetculo musicalEle pagou por nsem S. Mamede

    gas separadamente.Devido ao local do espetcu-

    lo, as entradas so limitadas.Para reservar os bilhetes, podecontactar os membros da comis-so Jorge Moreira (936 170 720/938 761 186), Manuel Silva (912599 738) ou Joaquim Moutinho(934 283 545).

    O espetculo musical Elepagou por ns, levado cenapelo Coro Infantil do Menino Je-sus da Parquia de Gulpilhares, baseado nos ltimos momen-tos de Jesus antes da crucifica-o, encenado de uma formamoderna para poder ser visto emfamlia ou por crianas dacatequese. P.P.

    Feira Exponor InHouse

    Participaoda APVC combalano positivo

    As rvores de floresta autc-tone e de jardim, bem como al-gumas dezenas de vasos de er-vas aromticas, vincaram a com-ponente agroecolgica.

    No mercadinho biolgicopodiam encontrar-se colheitasda horta e do pomar de produto-res certificados da Trofa, comoJoana Teixeira, do Cantinho Bio-lgico, bem como de Vila Novade Famalico e da Maia.

    J nos colquios da APVC,com vrios palestrantes, trsdeles oriundos de S. Romo doCoronado, foram abordados te-mas to variados, como a cons-truo de jardim, vermicompos-tagem, tratamento de gua emanuteno de lago, produode cerveja caseira, alternativasaos produtos de beleza e de lim-peza, ervas aromticas, cogume-los, orqudeas e flores comest-veis. Segundo a mesma fonte daassociao, estes registaramuma boa adeso do pblico.

    Tendo a coletividade angariadomais scios/amigos para a nobrecausa do Vale do Coronado, obalano da presena da APVC naExponor InHouse 2013 s poderiaser positivo. Muita gente dita ur-bana ficou surpreendida por, noconcelho na Trofa, mesmo em tem-pos de crise, existir uma associa-o to ativa, concluiu.

    Dia 099.30-13 horas: Colheita de san-gue, no salo polivalente dosBombeiros Voluntrios da Trofa15 horas: Inaugurao Exposi-o Vinte e um poetas maisum de Avelino Leite, na Casada Cultura da Trofa16 horas: Ch de Afetos, naEscola Secundria da Trofa- Cerimnia de tomada de pos-se da nova direo da Delega-o da Trofa da Cruz VermelhaPortuguesa, no salo nobre dosBombeiros Voluntrios da Trofa16:30 horas: Compromisso dosaclitos da Vigararia Trofa/Vilado Conde, na Igreja Nova de S.Martinho de Bougado

    Dia 1011 horas: Martimo B-Trofense15 horas: Vila Ch-Bouga-dense- S. Romo-Medense

    Dia 1120.30 horas: Jantar interclubesdo Rotary Club da Trofa, no res-taurante Julinha

    Dia 1210 horas: Comemorao doDia Mundial da Proteo Civil,no monte de Santa Eufmia,em Alvarelhos

    Dia 07Farmcia Nova

    Dia 08Farmcia Moreira Padro

    Dia 09Farmcia de Ribeiro

    Dia 10Farmcia Trofense

    Dia 11Farmcia Barreto

    Dia 12Farmcia Nova

    Dia 13Farmcia Moreira Padro

    Dia 14Farmcia de Ribeiro

  • www.onoticiasdatrofa.pt7 de maro de 2013 Polcia3

    Patrcia Pereira

    Hermano Martins

    Os militares da GuardaNacional Republicana daTrofa levaram a cabo umaoperao de fiscalizao aum caf em S. Martinho deBougado. Vrias pessoas fo-ram identificadas.

    O aparato montado junto rotunda do Catulo, em S. Marti-nho de Bougado, cerca das 15horas de tera-feira, dia 5 de mar-o, no passava despercebido aquem passava nas imediaes.

    Quatro viaturas e vrios mi-litares da Guarda Nacional Re-publicana (GNR) da Trofa fecha-ram durante cerca de 30 minu-tos a Rua Infante D. Henrique,para procederam a uma opera-

    GNR fiscalizou cafo de fiscalizao a um cafa situado.

    Resultado: Vrias pessoasforam identificadas pelos milita-res, sendo que duas delas tive-ram que ser levadas para o pos-to da Trofa, por no terem consi-go nenhuma identificao.

    Nada de ilcito foi encontra-do e ningum foi constitudo ar-guido.

    Segundo fonte da GNR, a ope-rao faz parte de um plano defiscalizao a estabelecimento.

    A hora escolhida tem a vercom o facto de ser considerada,pelas foras da autoridade, oponto alto, devido presena demuitos clientes.

    Carteirista furtousenhora na Feira AnualA afluncia de pessoas du-

    rante a tarde de domingo, dia 3de maro, na Feira Anual daTrofa, no Mercado/Feira, permi-tiu a um carteirista furtar a car-teira a uma senhora.

    A moradora em S. Martinhode Bougado, com 45 anos, tinhaa carteira no bolso direito, quan-do um indivduo se apoderoudela. Alm dos cartes demultibanco, a carteira continha80 euros.

    Dois condutores de ciclomo-tor foram detidos e notificadospara comparecerem em tribunalpelos militares da Guarda Nacio-nal Republicana (GNR) da Trofa,por terem violado o Cdigo daEstrada. Na quinta-feira, dia 28de fevereiro, cerca das 15 horas,um homem foi detido na Rua Ho-rizonte, em S. Romo do Corona-

    Condutores de ciclomotordetidos por infrao

    do, por conduzir um ciclomotorcom uma taxa de 2.36 gramasde lcool por litro de sangue. AGNR notificou o indivduo paracomparecer em tribunal na sex-ta-feira, onde lhe foi aplicada co-mo medida de coao trs me-ses de priso, que foram substi-tudos por 90 dias de multa, a7.50 euros dirios, num total de

    675 euros, e 12 meses de penasuspensa. J na manh de tera-feira, dia 5 de maro, um homemde 37 anos foi detido em Covelas,por conduzir um ciclomotor semhabilitao para o efeito, uma vezque a licena tinha expirado. Foinotificado para comparecer duran-te a tarde no tribunal, no entanto ohomem foi absolvido. P.P.

    Os responsveis de uma empresa de metalurgia, situada naTrofa-Velha, em Santiago de Bougado, apanharam em flagranteum funcionrio a furtar materiais ferrosos, no valor de cerca de 250euros.

    Tudo ter acontecido cerca das 20.10 horas de quinta-feira, dia28 de fevereiro, quando um homem com cerca de 40 anos, funcio-nrio da empresa, estava a furtar os materiais ferrosos. Foi atravsdo sistema de videovigilncia, que os responsveis da empresaviram o funcionrio a cometer o delito e chamaram de imediato osmilitares da Guarda Nacional Republicana da Trofa, que o deteve enotificou para comparecer em tribunal na manh de sexta-feira. Amedida de coao aplicada pelo juz foi 70 dias de multa, a cincoeuros dirios, num total de 350 euros. P.P.

    Indivduos partem vidropara furtar dinheiro

    O interior de uma viatura, queestava estacionada junto Es-cola Bsica e Jardim de Infnciade Bairros, em Santiago deBougado, foi alvo de uma visitados amigos do alheio.

    Quando a condutora, me deuma aluna da escola, estacionoua viatura junto ao estabelecimen-to de ensino para ir buscar a sua

    filha, cerca das 17.15 horas desegunda-feira, dia 4 de maro,no imaginava o que lhe iria acon-tecer.

    Enquanto foi buscar a filha,desconhecidos aproveitaram omomento para se apoderarem dodinheiro e documentos da senho-ra, que estavam no interior doveculo. Quando a condutora re-gressou viatura, encontrou ovidro partido.

    GNR identificou vrias pessoasApanhado a furtar no local de trabalho

  • www.onoticiasdatrofa.pt 7 de maro de 20134 Atualidade

    Daniela Ferreira

    Autarquia promoveu maisum debate integrado no Pro-jeto Educativo Municipal, des-ta vez sobre a educao e for-mao de adultos.

    No mbito do Projeto Educa-tivo Municipal e da Carta Educati-va, a Cmara Municipal da Trofaorganizou a primeira sesso dedebate a 28 de fevereiro, no au-ditrio da Escola Secundria daTrofa, sob a temtica Educaoe Formao de Adultos: contri-butos para o Projeto EducativoMunicipal. Lus Rothes, da Es-cola Superior de Educao doInstituto Politcnico do Porto, eJoaquim Coimbra, da Faculdade

    Pelo terceiro ano consecuti-vo a Associao de Pais da Es-cola Bsica e Jardim de Infnciade Fonteleite, em S. Romo doCoronado, organizou na noite desexta-feira, dia 1 de maro, o Diade Fonteleite.

    Uma data que junta antigose atuais funcionrios, professo-res, alunos e membros da asso-ciao num momento de confra-ternizao, onde no faltou aalegria e a boa disposio. De-pois da conversa acompanhadapor um pequeno lanche, seguiu-se o cortar do tradicional bolode Fonteleite, pelo presidente daAssociao Carlos Fernandes.

    Foi mais um excelente dia

    A Casa da Cultura da Trofaassinala o centenrio do nasci-mento da escritora Ilse Losa, coma exposio Um ms, um au-tor. Esta iniciativa promovidapela Cmara Municipal atravs

    A importncia da educaoe formao de adultos

    de Psicologia e Cincias da Edu-cao da Universidade do Porto,foram os oradores presentes nodebate, sob a moderao deOlvia Santos Silva, coordenado-ra da Plataforma Interinstitucio-nal para a Formao e a Qualifi-cao no concelho.

    A sesso de debate foi pro-dutiva com o pblico a intervir ea contribuir para traar vrioscaminhos a seguir na rea daformao de adultos, concluindoque a necessidade de formaoao longo de toda a vida aplica-sea todos os nveis de aprendiza-gem e diz respeito a todas asfases da vida, afirmou fonte daautarquia.

    Esta iniciativa tem comoobjetivo a definio de uma pol-

    tica educativa local, para o pla-neamento estratgico e susten-tado da educao.

    Para a presidente da Cma-ra Municipal da Trofa, JoanaLima, essencial olhar e atuarno campo educativo numa pers-petiva integradora, visando elimi-nar fragilidades, mobilizando oscolaboradores em relao snecessidades dos educandos edos educadores.

    Ainda no mbito do projetoEducativo Municipal e da CartaEducativa, a autarquia trofensevai organizar novas sessestemticas como As Polticas deJuventude, em maro, A Esco-la a Tempo Inteiro, em abril, eA Educao Especial, no msde maio.

    Um ms, um autor comeacom homenagem a Ilse Losa

    da Biblioteca Municipal Prof.Doutor Antnio Cruz.

    Ilse Losa nasceu a 20 demaro de 1913, em Hanver, Ale-manha, e faleceu na cidade doPorto, a 6 de janeiro de 2006.

    Autora de obras de literatura in-fantil, traduziu para portugusvrios escritores de lngua aleme dinamarquesa e para alemovrios autores portugueses. Asua obra narrativa e potica direcionada a crianas e jovens.Esta escritora recebeu mais dedez prmios e distines e, ain-da hoje, uma referncia na lite-ratura infanto-juvenil.

    Atravs desta exposio bi-bliogrfica, a autarquia trofensepresta a sua homenagem es-critora que esteve radicada emPortugal.

    Esta ser a primeira expo-sio enquadrada no ciclo anu-al Um ms, um autor que, co-mo o nome indica, homenage-ar um autor, mensalmente. Es-ta mostra dedicada a Ilse Losaest patente at 28 de maro.

    D.F.

    Dia de Fonteleitejunta comunidade educativa

    de Fonteleite. De entre os con-tactos que temos dos antigosmembros, h sempre outros queno conseguimos contactar. La-mentamos quem no veio, poisfoi um reviver de situaes nestaescola. Fonteleite comum a to-dos e deixa sempre marcas posi-tivas em quem passa por aqui.Para o prximo ano, h mais,mencionou Carlos Fernandes.

    A Associao de Pais ponde-ra que este evento seja semprerealizado na primeira sexta-feirade maro, por ser uma altura emque no haja grandes eventosquer na vida das pessoas querna prpria escola.

    P.P.

    A sesso de debate contou com um pblico participativo

    Com 65 por cento dos votos dosinquiridos, a MultiOpticas foi eleitaMarca de Confiana dos portugue-ses, num estudo levado a cabopelas Selees Readers Digest.

    O estudo pan-europeu anu-al levado a cabo simultanea-mente em 13 pases e auditadopela consultora inglesa Dalton,com um questionrio de oito p-ginas, que demora cerca de 55minutos a ser respondido pelosleitores da publicao, que tem85 mil assinaturas. Identificandoo que as marcas precisam de terpara serem consideradas de con-fiana, destacam-se atributoscomo o bom servio e qualidade,o bom atendimento, ser social-mente responsvel, conhecer bemo cliente e ser uma marca fivel.

    No ano em que celebra 25anos, este voto de confianavem acentuar o compromisso damarca MultiOpticas, reconheci-da agora neste estudo pelos por-tugueses, liderando fortemente omercado e distinguindo-se daconcorrncia. Ser eleita Marcade Confiana muito gratifican-te e prestigiante para a nossa

    MultiOpticas eleitaMarca de Confiana

    marca. Ao longo dos anos, con-tinuamos a surpreender os por-tugueses com os nossos produ-tos eyewear, sempre acompanha-dos de excelentes ofertas, nun-ca descurando a qualidade e oprofissionalismo que nos carac-terizam. Esta distino a pro-va que o nosso caminho o cer-to, reforando a continuidade danossa estratgia, afirmou RuiBorges, CEO da MultiOpticasPortugal.

    A MultiOpticas v assim re-conhecida a contnua apostanum servio mais focado na ne-cessidade dos clientes, aumen-tando os seus nveis de confian-a atravs de ofertas mais trans-parentes, muito claras e com amelhor relao qualidade/preo.No ano em que comemora 25anos de existncia, a marcamostra-se empenhada na estra-tgia de uniformizao das lo-jas j existentes, bem como naaposta no mercado portugus,com um plano de expanso quevisa atingir um total de 190 lojasat 2015.

  • www.onoticiasdatrofa.pt7 de maro de 2013 Atualidade5

    Patrcia [email protected]

    A Assembleia de Fregue-sia de Alvarelhos aprovou porunanimidade, em sesso or-dinria, o relatrio e contasde 2012 e os protocolos deDelegao de Competnciaspara o ano de 2013 e da repa-vimentao da Rua Santa Ma-ria, entre a Junta e a Cmarada Trofa.

    Numa sesso ordinria ondeos membros do PSD SrgioQuelhas e Camilo Carneiro falta-ram por motivos profissionais,a Assembleia de Freguesia de Al-varelhos discutiu e aprovou o re-latrio de atividades e contas degerncia de 2012, bem como osprotocolos de competncias en-tre a Junta e Cmara Municipalda Trofa, para o ano de 2013 epara a repavimentao da RuaSanta Maria.

    Na discusso do relatrio deatividades e conta de gerncia de2012, o membro do Partido So-cialista (PS), Jos Jlio, quis seresclarecido sobre as rubricasmateriais de escritrio no valorde 2228 euros, encargos dasinstalaes em 2592 euros, eem outras a seguir ao GrupoCultural e Recreativo de Alvare-lhos no valor de 1540 euros,presentes nas despesas emaquisies e servios.

    Em resposta, Joaquim Olivei-ra, presidente da Junta de Fre-guesia, explicou que a primeirarubrica tem a ver com o materialque foi gasto ao longo do ano.J o valor dos encargos das ins-talaes referente s despe-sas da gua, das taxas de sa-neamento mais a energia el-trica. Quanto rubrica outras,Joaquim Oliveira pensa tratar-sede um donativo que foi entre-gue ao Rancho Folclrico de Alva-relhos.

    O presidente da Junta infor-

    A Juventude Social Democratada Trofa est a preparar para estesbado, dia 9 de maro, um megajantar de tomada de posse dosnovos rgos da Comisso Polti-ca Concelhia, bem como dos n-cleos residuais de Santiago e S.Martinho de Bougado, Alvarelhos e

    Assembleia de Alvarelhos

    Contas de 2012 aprovadas por unanimidademou ainda que a nvel de recei-tas correntes estava previsto re-ceber cerca de 116 mil euros,mas acabou por ser cerca de130 mil. Este acrscimo estrelacionado com receitas extra-ordinrias relativas ao cemitrio.

    Colocado votao, o relat-rio de atividades e contas de ge-rncia de 2012 foi aprovado porunanimidade.

    No terceiro ponto da ordem detrabalhos, referente ao Protocolode Delegao de Competnciaspara o ano de 2013, Joaquim Oli-veira explicou que em termos deverbas igual ao do ano passa-do, em que se regista uma redu-o muito significativa em relaoao protocolo de 2011. J os en-cargos e obrigaes que au-mentaram muito. Como diz o dita-do, a gente vai tentando segurar evamos tentando levar a bom portoas situaes de forma a que a gen-te minimize os efeitos colateraisque isso possa ter nas nossas po-pulaes, declarou.

    No havendo questes por co-locar por parte dos membros daAssembleia, o documento foiposto votao e aprovado porunanimidade.

    O ltimo ponto a ser discuti-do foi o Protocolo de Delegaode Competncias para a repavi-mentao da Rua Santa Mariajunto ponte Juncal, que vai prfim a uma polmica que j durah mais de trs anos, afirmouo autarca.

    Recorde-se que o problemana Rua Santa Maria, junto ponte Juncal, surgiu numasobras que a empresa guas doNoroeste fez e que, segundo Jo-aquim Oliveira, ficaram mal fei-tas em termos de execuo.Aquando das obras, a empresautilizou uma giratria que es-cavou de um lado e depois dooutro, meteu o tubo e depois pe-gou na terra e empurrou com ap. Com a utilizao da via, prin-cipalmente pelos camies, a es-

    trada foi abatendo e, com a vin-da do primeiro inverno, come-ou a funcionar como uma ba-cia. Houve uma primeira faseem que defendi que quem deve-ria corrigir aquilo era a guas doNoroeste, mas os nossos tcni-cos da Cmara e da Trofguasso ouvidos de mercador e mes-mo com uma reunio aqui, ondeestava a Junta de Freguesia, aCmara, a Trofguas e a guasdo Noroeste, no valeu de nadaestar a explicar tudo o que foi fei-to e que a responsabilidade eranica e exclusivamente da gu-as do Noroeste, contou, menci-onando que a empresa ilibou-sede qualquer tipo de responsabili-dade, com a conivncia dos tc-nicos da Cmara.

    Por essa razo, para o presi-dente da Junta os tcnicos daCmara que deviam ser res-ponsabilizados, sendo que o di-nheiro que vem da Cmara e oque a Junta vai gastar devia serpago dos bolsos dos tcnicos.Se pagassem do bolso deles decerteza que, no futuro, acautela-vam muito mais os interesses dequem eles tm a obrigao dedefender, acrescentou.

    Joaquim Oliveira contou queno com mil euros que se vairesolver aquele problema, no en-tanto, prefere resolv-lo e gas-

    tar alguma coisa que devia sergasto noutro tipo de trabalho.

    Tambm para Jos Jlio, mileuros no dinheiro para a inter-veno que se tem a fazer. Omembro do PS disse ao autarcaque esta interveno podia virmais frente um bocadinho, pois necessrio levantar os parale-los que esto no final da RuaSanta Isabel.

    O presidente da Junta res-pondeu que a rea que estavaprevista intervir era desde o ta-buleiro da ponte at dez metrospara c (do edifcio da Junta),correspondendo rea abatida.

    Posto votao, tambm oProtocolo de Delegao de Com-petncias foi aprovado por una-nimidade.

    Joaquim Oliveira ameaaagir judicialmente contra

    presidente da Cmara

    No perodo de interveno dopblico, Pedro Sousa, relativamen-te ao protocolo da repavimentaoda Rua Santa Maria, recordouuma moo que a Assembleiade Freguesia de Alvarelhos entre-gou na Assembleia Municipal.Sendo membro suplente da mes-ma, fez questo de chatear a ca-bea ao presidente da mesa, JooFernandes, ao questionar a razo

    pela qual a moo no era discu-tida, tendo-lhe este respondidoque como s se referia a Alvare-lhos, no ia estar a abrir um assun-to apenas e s relativo fregue-sia. Como se a freguesia no fos-se suficientemente importantepara ter um assunto discutido naAssembleia Municipal. Se o pre-sidente da Junta estivesse a rou-bar algum dinheiro, de certeza queesse tema era debatido na Assem-bleia Municipal de fio a pavio, sa-lientou.

    Pedro Sousa lamentou queno tenham conseguido conven-cer a Cmara Municipal a acio-nar as tais garantias bancrias,questionando Joaquim Oliveirase tem noo se a autarquia asvai acionar e, se no, se man-tm a palavra de avanar por viajudicial.

    O autarca respondeu queno tem a informao se a C-mara j mandou acionar ouno, mas que dentro em bre-ve vai questionar a autarquia.Caso a Cmara no prossiga, aJunta de Freguesia vai agir ju-dicialmente contra a CmaraMunicipal da Trofa e a Trof-guas e apresentar uma quei-xa ao Ministrio Pblico con-tra a presidente da Cmara,Joana Lima, e o presidente daTrofguas, Lus Rebelo.

    Assembleia foi unnime na aprovao dos pontos

    Tomada de posseda direo da JSD Trofa

    Covelas.Na tomada de posse, com in-

    cio pelas 20 horas, no Solar daPedra, antiga Quinta Z Emlio, emSantiago de Bougado, estaro pre-sentes Srgio Humberto, candida-to Cmara Municipal da Trofa pelacoligao PSD/CDS-PP, Renato

    Pinto Ribeiro, presidente da Comis-so Poltica Concelhia do CDS-PPda Trofa, Hugo Soares, deputadoda Assembleia da Repblica e pre-sidente da JSD Nacional, e SimoRibeiro, deputado da Assembleiada Repblica e presidente da JSDDistrital do Porto. P.P.

  • www.onoticiasdatrofa.pt 7 de maro de 20136Atualidade

    Ctia [email protected]

    Alunos da APPACDM tive-ram oportunidade de con-tactarem com ces, numa ses-so de cinoterapia promovi-da com a colaborao da cl-nica veterinria Casa de Sa-de Animal.

    Sabia que um humano, du-rante o contacto com o co, li-berta noradrenalina (neurotrans-missor do sistema nervoso) quemelhora o sistema imunolgicoe reduz o cortisol, diminuindo ostress e relaxando a musculatu-ra de todo o corpo?

    Esta uma das mais-valiasda cinoterapia, que utiliza osces como instrumento terapu-tico e que foi utilizada na APPACDM (Associao Portuguesa dePais e Amigos do Cidado Defi-

    Sesso de cinoterapiana APPACDM da Trofa

    ciente Mental) da Trofa, no dia26 de fevereiro.

    A iniciativa contou com a co-laborao da clnica veterinriaCasa de Sade Animal, represen-tada por Daniela Pinheiro, MrcioSilva (acompanhado da cadelalabrador Maggie), Pedro Baptista(acompanhado com a cadelarottweiler Sacha), Suzana Cor-reia (acompanhada com o co deraa indefinida Rafa), AlexandraCorreia (acompanhada com agata Triskle) e Cludio Pinto(acompanhado com a cadelalabrador Maggie).

    Nesta terapia, o co servecomo um agente facilitador paraque os terapeutas desempe-nhem as suas atividades, nasquais so aplicadas tcnicas deacordo com cada grupo de pes-soas selecionadas.

    As atividades dependem danecessidade e da patologia pre-

    sente, no entanto, a sesso giraem torno da afetividade e do vn-culo que o paciente passa a tercom o animal, afirmou fonte daCasa de Sade Animal.

    Junto dos portadores de ne-cessidades especiais, a ci-

    noterapia ajuda a desenvolver asua independncia, auxilia nasatividades da vida diria, aumen-ta a autoestima e melhora a qua-lidade de vida dos seus assisti-dos.

    Cerca de 30 alunos da APPA

    CDM da Trofa praticaram na ses-so num ambiente de alegria eboa disposio, tendo os cesestimulado os alunos s brinca-deiras, carcias e conversas, no-vos estmulos e conquistas, con-cluiu.

    Devido s condies meteorolgicas adversas, as atividadesprogramadas para assinalar o Dia Mundial da Proteo Civil naTrofa, marcadas para o dia 5 de maro, foram adiadas para aprxima tera-feira, dia 12 de maro.

    O programa preparado pela Cmara Municipal da Trofa man-tm-se e o executivo espera que seja uma jornada desensibilizao e informao, com diversas atividades ao ar livree em contacto com o meio ambiente para as crianas das esco-las do concelho.

    Cerca de 200 crianas vo invadir o Monte de Santa Eufmia,em Alvarelhos, para participarem nas aes de informao, pro-movidas e dinamizadas pelos Bombeiros Voluntrios da Trofa, enas demonstraes protagonizadas pelos tcnicos da ASVA Associao dos Silvicultores do Vale do Ave e tcnicos da BMIF Brigada Municipal de Interveno Florestal. O dia contar igual-mente com aes de sensibilizao ambiental organizadas pe-los tcnicos da autarquia.

    Nas atividades, que vo decorrer durante todo o dia, entre as10 e as 12 e as 14.30 e as 16.30 horas, vo estar presentes osClubes de Proteo Civil do Jardim de Infncia (JI) de Feira Nova,da Escola Bsica (EB) 1/JI de Paradela, da EB1/JI de Quereldo,da EB1/JI de Cedes e da EB 2/3 de Alvarelhos, que aceitaram odesafio lanado pela autarquia.

    Como forma de comemorar o Dia Mundial da Proteo Civil,ser ainda apresentado o projeto Escola Segura por parte daGNR. P.P.

    Cerca de 30 alunos da APPACDM participaram na sesso

    AtividadesdoDiaMundialdaProteoCiviladiadasOs moradores do empreendi-mento de habitao social de S.Martinho de Bougado receberam

    um desafio da Cmara Munici-pal da Trofa: requalificar os es-paos verdes integrados no com-plexo habitacional.

    Esta ao tem como principalobjetivo sensibilizar e envolver osmoradores na manuteno e pre-servao dos espaos verdes.

    A ltima iniciativa realizou-seno passado dia 25 de fevereiro,em colaborao com a Divisode Ambiente, e o balano finalfoi francamente positivo, realoufonte da Cmara Municipal.

    Nesta iniciativa continuaramos trabalhos j iniciados em ses-ses anteriores de requalificaodos espaos comuns e o grupo

    Cmara empenhadana requalificao de espaos verdes

    de formandos manteve-se empe-nhado em manter os jardins e as

    hortas do empreendimento cui-dadas.

    Os moradores encontram-seempenhados nesta atividadeque, para alm da requalificaodos espaos verdes, visa tam-bm a convivncia entre todos osenvolvidos.

    Este projeto insere-se na es-tratgia de interveno social daautarquia nos empreendimentoshabitacionais, onde pretendecontinuar a desenvolver projetose aes que conduzem promo-o do bem-estar da populaoe sua plena incluso cvica esocial. D.F.

    Requalificao teve balano positivo

  • www.onoticiasdatrofa.pt7 de maro de 2013 Atualidade7

    Patrcia PereiraCtia Veloso

    No s uma aposta no de-senvolvimento local, a FeiraAnual da Trofa continua a seruma mostra do setor primrio,sendo importante a nvel eco-nmico para as empresas quenela participam. Nesta ediode 2013, a Feira Anual daTrofa contou com a participa-o de cerca de 150 exposi-tores.

    Foi em 2003, que a recm-fundada Gondimil esteve pela pri-meira vez na Feira Anual da Trofae, a partir da, no falhou umaedio do certame. Resistentena Feira, o responsvel AvelinoOliveira afirmou ser importantemarcar presena, pois destaforma que d a conhecer e di-vulga os produtos que tem, ten-tando sempre ter algumas novi-dades e aproveitando para con-viver, conversar e ver as necessi-dades dos agricultores em ter-mos de equipamentos agrcolas.

    Nesta 67 edio da FeiraAnual, a empresa tinha no seu

    Ctia [email protected]

    O esprito popular invadiua Feira Anual nas suas maisdiversas formas, tornando oevento numa ocasio inditano concelho para se viver astradies de um pas que ain-da sorri, apesar dos temposde austeridade.

    No segundo dia do certame,as concertinas atraram as aten-es dos curiosos e adeptos doscantares ao desafio. O tocadorArmindo Silva, de Braga, afirma-va que quando os amigos apa-recem com o mesmo esprito, afesta torna-se engraada. A elejuntaram-se outros tocadores deGuimares, Vila Nova de Famali-co e Trofa.

    Mas no foram s os homensda concertina que vieram de lon-ge para visitar a Feira Anual daTrofa. O NT e a TrofaTv cruza-ram-se com muitos populares devrios concelhos vizinhos queno quiseram perder esta edio.

    A ltima vez que Jlia Viana,da Maia, visitou o certame aindaeste se realizava no Parque Nos-sa Senhora das Dores. Na hora

    Evento foi uma festa com boa comida, msica e at com o bispo do Benfica

    Feira Anual exalta tradies e outras paixesde avaliar o crescimento do even-to, perentria: Evoluiu muitomesmo.

    Joaquim Ferreira viajou deSanto Tirso com os mais peque-nos para lhes mostrar as mqui-nas e os animais. Estreante avisitar a Feira, elogiou as poten-cialidades do certame e mostrou-se agradado com que viu: Esta ser interessante.

    Tambm tirsense, ManuelMartins j um habitu nestasandanas, at porque da arte.O agricultor aproveitou para veros animais e visitar o senhorque lhe vendeu um trator, htrs anos, durante o certame.

    Carlos Moreira, de Vila do Con-de, tambm agricultor e felicitoua organizao, porque continuaa ser mpar nas atitudes e nos pro-cedimentos para com a agricultu-ra e para com os cidados desteconcelho. Esta feira continua amotivar os consumidores para ad-quirir produtos nacionais. diversificada e enquadra-se bemcom a evoluo do setor agrcola,assim como com as campanhasde produo que se vo desenvol-ver de imediato, que so o milho ea batata, proporcionando quer aprodutores, quer a consumidores,

    um equilbrio econmico-financei-ro, afirmou.

    Bispo do Benficafaz furor na Feira

    Se no sbado havia j quemapontava para um acrscimo donmero de visitantes, no domin-go as filas repletas e o recinto aabarrotar eram sinnimo de su-cesso. Valeu a ajuda de S. Pedropor afastar as nuvens carregadasque as previses meteorolgicasapontavam para a Trofa.

    E por falar em crenas, a Fei-ra Anual tambm foi poiso de umbispo, no ligado igreja, mas Catedral lisboeta. Miguel Costa,mais conhecido pelo bispo doBenfica, estreou a sua nova bati-na no dia em que o Benfica iriatirar o 1 lugar ao Futebol Clubedo Porto. Posicionado em frenteao fumeiro da Salgueirinha, localde trabalho, o benfiquista expli-cou que a ideia surgiu numa brin-cadeira de Carnaval em 2012 edesde a faz furor por onde pas-

    sa. Quando vou a Lisboa qua-se como ir o Papa a Roma. Somilhares e milhares de fotografi-as, h pessoas que chegam aoponto de se ajoelharem e pedi-rem um milagre. Eu no souDeus, mas s vezes at pareo,disse, em tom de brincadeira.

    A nova indumentria pareceter dado sorte ao Benfica que,mesmo sem fazer muito, l ven-ceu o Beira-Mar e tomou o 1 lu-gar. Valeu tambm a orao dequem acredita at ao fim: O Ben-fica um clube com culto paramilhes de pessoas. Uma mani-festao desta grandeza preci-sava da sua bblia, por isso cest ela. Ao ler este livro eu fi-quei a saber coisas que desco-nhecia, outras que at nem melembrava. O glorioso Artur Seme-do que sintetizava bem estapaixo pelo clube e dizia em vozalta o Benfica a maior religioe o maior clube do mundo. Vivao Benfica, viva ao Fumeiro daSalgueirinha e obrigado ao meupatro, do fundo do corao.

    Clubismos parte, a FeiraAnual foi para muitos uma festa,onde no podia faltar a boagastronomia, o convvio e a m-sica. Para o ano h mais.

    Empresas aproveitam certame para apresentar novidades

    expositor camas, uma cobertu-ra em miniatura, sistemas deaquecimento de gua, que forambastante melhorados no senti-do de os agricultores teremaquecimento de gua a custozero, e uma mquina de orde-nha que apresenta melhorescondies e que permite que se-ja mais rpida. A nossa empre-sa faz praticamente tudo para aagricultura, chave na mo. Sealgum pretende fazer uma ex-plorao, ns comeamos do ze-

    ro at deixar a obra completa-mente pronta, acrescentou.

    Para o responsvel da Gondi-mil, a agricultura um setor pre-ponderante e muito importantepara o pas, salientando que ogrande problema de Portugal foideixar a agricultura para trs,chegando ao ponto de se pagarpara no produzir. Agora nota-se um impulso, porque se que-remos estar na mdia europeiatemos que produzir, pois semproduo no vamos l. Ao com-

    prar tudo sai o nosso dinheiro pa-ra fora do Pas e no entram divi-sas. Ento temos que produ-zir para no ir buscar fora e ten-tarmos ser ns a exportar, men-cionou.

    Sendo parceira da Cooperati-va dos Agricultores de Santo Tir-so e Trofa, a Sorgal, do grupo So-ja de Portugal, tambm marcoupresena na Feira, onde apresen-tou produtos alimentcios para osanimais. Para Francisco Torrinha,diretor comercial da Sorgal, sempre importante participarneste evento, pois, alm do con-vvio, existe um contacto comos clientes e a disponibilidadepara ouvir os clientes e agriculto-res e ajud-los. A empresa conti-nua a criar alimentos que vo aoencontro das necessidades daproduo, com alimentos per-sonalizados e solues integra-das. Estamos sempre dispon-veis para ouvir e criar novos pro-dutos, declarou.

    Apesar dos 70 anos que aSoja de Portugal assinala esteano, um marco importantssimopara a empresa, Francisco Tor-rinha asseverou: Estamos sem-

    pre jovens, sempre a criar e a ino-var.

    Presena assdua tambma MJ Arajo, que aproveita paraapresentar as novidades emmquinas agrcolas, como porexemplo novos modelos e m-quinas de tratores.

    A nvel de mquinas maissofisticadas, a MJ Arajo apre-sentou um novo rob com maismtodos de corte, que permiteque os agricultores se cansemmenos no desenvolvimento doseu trabalho. Relativamente aocertame, Manuel Arajo, geren-te da empresa, afirmou este semantm sempre a mesma coi-sa, no tendo notado melho-rias.

    Para o responsvel da CAFO,Carlos Oliveira, a edio 2013 daFeira Anual estava a correr me-lhor do que o ano passado devi-do ao bom tempo, tendo j ven-dido algumas mquinas. A em-presa, que representa a marcaSTIHL, tinha no seu expositor to-do o tipo de material, nomeada-mente motosserras e corta-rel-vas.

    Cerca de 150 expositores marcaram presena no certame

    Bispo do Benfica estreou nova indumentria na Feira Anual

  • www.onoticiasdatrofa.pt 7 de maro de 20138Atualidade

    A descendncia forte eas caractersticas fisiolgicasforam determinantes paraconsagrar uma das vacas daexplorao Senras como agrande campe do concursoda Raa Holstein Frsia, naFeira Anual da Trofa.

    Fabulosa. Foi desta formaque Bonet Cid Salgado caracte-rizou a Vaca Grande Campe do11 Concurso da Raa HolsteinFrsia, na Trofa, que contou com120 animais em competio.

    A vaca pertence exploraoSenras Dairy, de Ribeiro, em Vi-la Nova de Famalico, e conquis-tou o jri do concurso, que tam-bm elogiou a qualidade dos ani-mais presentes.

    Escolhi a vaca adulta cam-pe que me parece realmente fa-bulosa e a vice-campe, uma va-ca jovem que em breves concur-sos ser tambm grande cam-pe. Ontem (sbado) fiz um con-curso de vitelas e novilhas magn-fico, com animais com grandequalidade, morfologicamente ex-celentes, com boas patas, bemdesenvolvidos e com boas estru-turas leiteiras, afirmou.

    A vice-campe pertence So-ciedade Agro-Pecuria Vilas Bo-as e Pereira, enquanto a grande

    Vaca Grande Campe da explorao Senrascampe jovem da exploraoVale de Leandro.

    J em 2012, a vaca vencedo-ra tinha dado nas vistas (foi vice-campe adulta) e este ano arre-cadou o prmio mais desejadodo concurso. Marta Santos, re-presentante da explorao Sen-ras, tinha a esperana de queo animal vencesse j que temtodas as caractersticas para sercampeo. A descendncia delaj conhecida por ter atributosfortes, explicou. A exploraoSenras levou 13 animais a con-curso e conquistou vrios pr-mios ao longo das 25 seces.A gentica o fator mais impor-tante para se ter um animal ven-cedor, seguido da preparao edo maneio dirio, que pode pas-sar por mais de 12 horas. A orga-nizao do concurso deste anofoi elogiada pelos intervenientes.

    Bonet Cid Salgado conside-rou o concurso excelente, comum ambiente formidvel, boa re-lao entre os criadores e um p-blico encantador.

    Apesar de considerar queexiste um ou outro ponto em quepode melhorar, Marta Santosafirmou que a Feira correu mui-to bem e que o concurso tinhaexcelentes animais, que soprova de que a gentica tem evo-

    ludo bastante no Pas.J Carlos Salgueiro, presiden-

    te da Associao Portuguesa deCriadores da Raa Frisia, desta-cou o profissionalismo dos cria-dores e o bom julgamento. No-ta-se ao longo dos anos um me-lhoramento. Os criadores tmapostado em ter animais cadavez mais funcionais e por issoesto de parabns, sublinhou.J sobre a organizao do cer-tame, de forma geral, Carlos Sal-gueiro considerou que foi a me-lhor dos ltimos anos.

    O facto de os expositores es-tarem presentes em grande n-mero apesar do clima que se viveno pas, foi realado por Vtor

    Maia, presidente da Cooperativados Agricultores de Santo Tirsoe Trofa. Para alm disso, subli-nhou, nota-se tambm que osjovens esto a apostar na agri-cultura, mas para isso neces-srio o apoio das autarquias edo Governo, para ajudarem a quetenham sucesso. Pode no sers atravs de subsdios, mastambm em canais de venda. premente que haja exportaodos produtos nacionais e que agrande distribuio nacional pre-fira os produtos feitos no pas,salientou.

    Santos Gomes, presidente daCONFAGRI (Confederao Naci-onal das Cooperativas Agrcolas

    e do Crdito Agrcola de Portu-gal) vai mais longe e afirma quehoje, ser agricultor, moderno.Durante muitos anos, a agricul-tura esteve esquecida e noutrosgovernos quase no se falavanela, inclusive houve verbas doPRODER (Programa de Desen-volvimento Rural) que eram des-viadas para outras rubricas. Muitagente est, atualmente, a enve-redar por esta rea, em determi-nados nichos de mercado, fri-sou. O responsvel pela CONFAGRI salientou ainda que 20 porcento das exportaes nacionaisesto na agricultura e floresta,por isso o caminho para se sairda crise passa por a. C.V.

    Vaca da Explorao Senras conseguiu o prmio mais almejado do concurso

  • www.onoticiasdatrofa.pt7 de maro de 2013 Atualidade9

    Programa Somos Portugal atraiu milhares de pessoas Grupo Sons e Cantares do Ave brindou pblico com msicas tradicionais

    Horse ball regressou Feira Anual da Trofa Reprise da GNR foi a surpresa da noite de sbado

    Banda de Msica iniciou poca de espetculos Rancho Etnogrfico de Santiago de Bougado tambm subiu ao palco

    Horse Paper tambm passou pelo Parque Nossa Senhora das DoresGrupo Danas e Cantares de Santiago animou pblico, na tarde de sbado

  • www.onoticiasdatrofa.pt 7 de maro de 201310Atualidade

    Ctia VelosoPatrcia Pereira

    A edio 67 da Feira Anual da Trofasuperou as expectativas. Organiza-o estima que mais de 120 mil pes-soas passaram pelo recinto da Fei-ra/Mercado da Trofa.

    A manh j fazia prever que o dia iaser concorrido. A tarde trouxe a confirma-o: o ltimo dia da Feira Anual da Trofafoi o expoente do certame, no qual cadametro quadrado do recinto era palmilhadoa custo, tal foi a afluncia do pblico.

    A organizao estima que mais de 120mil pessoas passaram pela Feira/Mer-cado da Trofa nos dias 1, 2 e 3 de maro.A 67 edio da Feira Anual ser lembra-da como uma das mais concorridas epara isso muito contribuiu a realizao doprograma da TVI Somos Portugal. E seeste um argumento de peso, tambmno se podem esquecer os trunfos gas-tronmicos, as oportunidades de negcioe a exposio de animais, que fizeramcom que o certame sasse revitalizado edesse estmulo ao setor primrio.

    Feira Anual 2013 foi uma das mais concorridas

    Organizao estima que maisde 120 mil visitaram Feira Grande

    Para Joana Lima, presidente da Cma-ra Municipal da Trofa, que parceira dapromotora Junta de Freguesia de S. Marti-nho de Bougado, a organizao deu umaprova muito importante de que estatenta e pretende contrariar a crise para

    poder projetar o concelho. Penso queas empresas saram mais fortes e conhe-cidas, para poderem fazer face a mais umano de trabalho. Esta feira movimentoumuitos milhares de pessoas que vieramdar um grande contributo economia lo-cal, evidenciou.

    Na reta final do certame, a organiza-o fazia um balano positivo desta edi-o. Para Jos S, presidente da Juntade Freguesia de S. Martinho, as expectati-vas foram superadas. O autarca no con-seguiu eleger apenas um ponto alto: Hou-ve muitos, desde a presena do secret-rio de Estado e do deputado da Comis-

    so de Agricultura, aos concursos pecu-rios e equestres e ao programa da TVI.

    Jos S agradeceu a todos quantoscolaboraram para que este certame fos-se uma realidade e ao muito pblico quemarcou presena.

    Por seu lado, Joana Lima destacou osmuitos elogios dos expositores. De acor-do com as pessoas que fui falando ao lon-go do dia (domingo), esta edio exce-deu todas as expectativas, das mais oti-mistas que pudessem existir, frisou.

    Concluda mais uma edio da FeiraAnual da Trofa, impe-se a questo: Comoser para 2014, quando j estiver oficiali-

    O programa da TVI Somos Portugal, que foi transmitido em direto do recinto daFeira Anual da Trofa, na tarde de domingo, foi o terceiro programa mais visto do dia,com 32 por cento de share, ou seja, cerca de um milho e 150 mil pessoas viram oprograma. O barmetro de audincias da JFK, aponta ainda para 11,9 por cento derating (taxa mdia de audincia por segundo).

    Somos Portugal foi o 3 programamais visto do diaIniciativa Tardes divertidas proporcionou passeio a cavalo s crianas, no Parque

  • www.onoticiasdatrofa.pt7 de maro de 2013 Atualidade11

    zada a Unio de Freguesias deS. Martinho e Santiago de Bou-gado? Jos S considera inopor-tuno antecipar cenrios, masafirmou que se for o presidentena altura, a Feira realizar-se- nomesmo mbito, com a mesmaou mais qualidade. A dimensoaumenta e o evento tem possibili-dade de alargar at freguesiavizinha, afirmou.

    Ao longo de trs dias, o recin-to da Feira/Mercado da Trofa foipalco de vrias atividades, comoos concursos das raas autc-tones e Holstein Frsia e as ini-ciativas no picadeiro, com apresena de centenas de cava-los. Durante a tarde de sbado, oGrupo Sons e Cantares do Ave, oGrupo Danas e Cantares e oRancho Etnogrfico de Santiagode Bougado animaram o pblicocom msicas e coreografias tra-dicionais. De manh, a Bandade Msica da Trofa deu incio amais uma poca de espetculos.

    No primeiro dia do certame,as crianas das escolas bsicasdo concelho puderam visitar oevento e contactar com todos osanimais em exposio. tarde,tiveram oportunidade de con-tactar com os cavalos nas ativida-des programadas no Parque Nos-sa Senhora das Dores, no mbi-to da iniciativa Tardes de Anima-o, includa no projeto de di-

    Algumas personalidades nacionais estiveram na Trofa e confir-maram a importncia do evento para a atividade agropecuria.

    Francisco Gomes da Silva, secretrio de Estado das Florestase do Desenvolvimento Rural, visitou a Feira pela primeira vez eficou muito bem impressionado no s pela sua dimenso, comopelo grande nmero de expositores e visitantes, que manifesta-ram entusiasmo em torno do evento. (Estes eventos) so impor-tantes, em primeiro lugar, porque do a oportunidade de fazer neg-cio. Falei com alguns expositores, que referiram que no s onegcio que fazem aqui, mas os negcios que daqui resultam fru-tos dos contactos que estabelecem, afirmou. Depois, porque aspessoas juntam-se em torno de objetivos comuns e apoiam-se.

    Tambm Miguel Freitas, deputado e elemento na Comisso deAgricultura e Mar, foi um estreante na Feira, a qual considera im-portante para mostrar os bons produtos da regio.

    O deputado direcionou o seu discurso, essencialmente, para osetor leiteiro, tambm representado no evento: Temos que conti-nuar a ter os apoios necessrios para manter a produo de leite.Somos um pas autossuficiente e no queremos passar a impor-tar leite sem necessidade. Este um momento importante, por-que as negociaes esto a decorrer, em Bruxelas, e fundamen-tal que o Governo perceba que tem que defender o setor e encon-trar os apoios necessrios para que os nossos produtores pos-sam continuar a fazer o que gostam.

    O deputado tambm se referiu ao setor cooperativo ligado aoleite, que muito forte, como a Cooperativa de Agricultores deSanto Tirso e Trofa, que est a trabalhar muito bem, no sentidode conseguir boas parcerias, a nvel nacional e em Espanha.

    A aposta dos jovens na agricultura cada vez mais notria, porisso imperativo um apoio incisivo que estimule os novos produto-res. Os apoios passam, segundo Francisco Gomes da Silva, pelofinanciamento atravs do PRODER (Programa de DesenvolvimentoRural) e pela medida recente vocacionada para estgios remune-rados das atividades econmicas neste setor.

    Secretrio de Estado e deputado daComissodeAgriculturaelogiaramevento

    namizao e Requalificao Ur-bana dos Parques Nossa Senho-ra das Dores e Dr. Lima Carnei-

    ro, abrangido pela Candidatura aoPrograma de Ao (PRU/2/2008) Grandes Centros.

    Secretrio de Estado ficou muito bem impressionado com evento

    Garraiada atraiu muitos curiosos e aventureiros

  • www.onoticiasdatrofa.pt 7 de maro de 201312Atualidade

    Patrcia [email protected]

    Os concursos pecuriosdas raas Arouquesa, Minhotae Barros contaram com osmelhores exemplares. Asso-ciaes e criadores notarama evoluo da Feira Anual daTrofa.

    As raas Arouquesa, Minhotae Barros contaram com os me-lhores exemplares nos concur-sos pecurios da Feira Anual daTrofa. Este ano, as competiesdecorreram durante os trs diasdo certame e a raa Arouquesafoi a primeira a entrar em cam-po, na tarde de sexta-feira.

    Segundo Fernando Moreira,presidente da ANCRA - Associa-o dos Criadores da Raa Arou-quesa, os animais a concurso fo-ram magnficos, o que compro-va os 27 anos de desenvolvi-mento e melhoramento da raa,que cada vez mais vai tendo me-lhores exemplares. Dada a dis-tncia, o efetivo de animais pre-sentes no foi na sua totalida-de, mas, para o presidente, osque estiveram presentes repre-

    Raas Autctones com os melhores exemplaressentaram bem a raa, o que or-gulha muito a associao.

    Quanto ao alargamento demais um dia para o concurso dasraas autctones, o presidenteda ANCRA declarou que erabom no s para a regio, co-mo tambm para os exposito-res e criadores de gado, para apopulao local e para as pes-soas que vm de fora. nestetempo conturbado que fazemosesforos para transformar as ad-versidades em oportunidades eem expectativas futuras que onosso povo bem precisa, men-cionou, concluindo que a organi-zao est de parabns.

    Tambm Nlson Valente, vi-ce-presidente da associao ecriador de gado, elogiou a organi-zao do certame, que tem me-lhorado o espao. Quanto aoconcurso, o criador estava mui-to feliz por mais uma vez estara participar, pois continua a serum grande concurso onde sotodos bem acolhidos.

    O criador Jos Antnio Ribo-lhos sentia-se feliz por ter gan-ho trs prmios, dois primeirose um quarto. Gosto de tratar des-tes animais e tenho o melhorexemplar. Tambm a filha deste

    a melhor que anda a, contou.O criador, que j h uns

    anos vem Feira Anual, menci-onou que esta est cada vezmelhor, mesmo na qualidadedos animais participantes.

    Como j vem sendo habitual,a manh de sbado foi dedicada raa Minhota. Este ano, o con-curso contou com a presena dosecretrio de Estado, FranciscoGomes da Silva, que entregou o1 lugar ao criador do melhorexemplar de novilhos inteiros ede vacas aps o primeiro parto.

    Para Teresa Moreira, presi-dente da APACRA - AssociaoPortuguesa dos Criadores de Bo-vinos da Raa Minhota, estes soanimais excelentes, com du-pla e at tripla aptido: produ-o de carne, leite e trabalho,apesar de nos dias de hoje serpouco utilizado no trabalho.

    Para a presidente da APACRA, os animais a concursoeram geneticamente muitobons, tendo notado uma dife-rena muito grande em relaoaos anos anteriores. de lou-var o sacrifcio que os criadoresfazem para suportar as despe-sas para conseguirem animaiscom este porte. No imagina aquantidade das raes e de co-mida que um animal destes jcomeu para estar neste ponto,enalteceu.

    Quanto ao certame, TeresaMoreira denotou a sua evoluo,reconhecendo que tem sido fei-to um esforo muito grande porparte da Junta de Freguesia deS. Martinho de Bougado e daComisso de Agricultores emmelhor-lo. Tm dado mais dig-nidade ao espao para exposi-o de animais e para a realiza-o do concurso. Mesmo estan-do na crise em que estamos,tem-se notado uma grande evo-luo e, contrariamente quiloque acontece, a Trofa vai mos-trando bastante dignidade, con-cluiu.

    Contente com este certameestava tambm Antnio Sousa,criador de Lousada, que arreca-dou dois primeiros lugares e umterceiro. uma feira bem orga-nizada, com bons prmios e umgado da raa que no tem para-lelo, denotou.

    O ltimo dia do certame ficoudestinado raa Barros, que,segundo Jos Leite, secretrioTcnico do Livro Genealgico daRaa Bovina Barros, contou

    com os melhores animais, noque diz respeito aos bois de tra-balho, s vacas, s novilhas eaos touros. Tendo sido realizadono domingo, o concurso contoucom uma maior assistncia re-lativamente a anos anteriores.Um concurso de elevado nvel,com grande participao e gran-de participao do pblico tam-bm. para ns salutar ver aspessoas a baterem palmas, por-que de facto valeu a pena e foium concurso que me deixoucompletamente realizado, frisou.

    Para Jos Leite, a Feira Anu-al da Trofa, bem como a Agro,em Braga, so as que tm asmelhores condies. No caso daTrofa, d para trabalhar com ogrande apoio da Junta de Fre-guesia e da Comisso de Agricul-tores. Vemos que h muito tra-

    balho por trs e depois h muitaentrega e empenho destas pes-soas para que este evento corracomo sempre correu que deuma maneira maravilhosa, fina-lizou.

    No balano dos concursospecurios das raas autctones,Antnio S Padro, elemento daComisso de Agricultores, esta-va satisfeito com os muitosexemplares presentes. Esteano as competies decorreramnum s local, o que para AntnioS Padro melhorou a realiza-o das mesmas, uma vez quehavia mais espao o que trou-xe mais nimo s associaes.Foi bom, teve mais pblico, queencheu o nosso recinto, onde de-correu a exposio de gado e on-de se entregou os prmios, sa-lientou.

    Raa arouquesa teve os melhores exemplares a concurso

    Exemplares da raa minhota esto geneticamente, muito bons

    Concurso da Barros teve mais pblico

  • www.onoticiasdatrofa.pt7 de maro de 2013 Atualidade13

    Ctia VelosoPatrcia Pereira

    A Confraria do Cavalo pre-parou a vertente equestre daFeira Anual da Trofa e consi-dera que evento um dostrs melhores do Pas. Puro-Sangue Lusitano da Coudela-ria Santa Margarida foi, pelasegunda vez, o Campeo dosCampees.

    A nvel nacional, h trs fei-ras de topo no que diz respeitoao mundo do cavalo lusitano e ada Trofa uma delas. Esta foi agarantia deixada por Hlder San-tos, gro-mestre da Confraria doCavalo, no rescaldo de maisuma cerimnia de entronizao,que j marca da Feira Anualda Trofa.

    Na noite de sbado, foram en-tronizados mais cinco novosconfrades: Piedade Pidwell (Cou-delaria Santa Margarida), Celes-te Correia (Coudelaria ManuelMaia Correia), Jorge Oliveira(Coudelaria Quinta de Santo Isi-dro), Nuno Costa (Coudelaria Va-le do Ave) e Joo Ralo (Secret-rio Geral da Associao Portu-guesa de Criadores de CavalosPuro Sangue Lusitano).

    Os confrades so escolhidosem sede de assembleia, na qualos nomes so discutidos e osrequisitos passam por ter um re-conhecido mrito no mundo doscavalos ou uma relao estreitacom a Feira da Trofa. Com osconfrades honorrios procuramostrazer figuras de reconhecidomrito internacional e muito rela-cionadas com o cavalo lusitano,ou tenham uma longa histria detrabalho em prol do Puro SangueLusitano ou que por outros moti-

    No mundo do cavalo, a Feira da Trofa uma das trs melhores do Pas

    vos, mas que sendo ainda maisjovens, tm reconhecimento porfeitos desenvolvidos em torno dapromoo do cavalo lusitano, ex-plicou Hlder Santos.

    Filho da terra, Jorge Olivei-ra estava muito orgulhoso de tersido convidado para fazer partedo quadro de honra da Confraria.Ligado ao setor leiteiro, atravsda Quinta de Santo Isidro, situa-da em Santiago de Bougado,Jorge Oliveira aventurou-se no hi-pismo e o objetivo atingir umnvel de qualidade igual ou mai-or como tem com a exploraode gado Holstein Frsia.

    Na Trofa, o hipismo umaatividade que tem crescido mui-to em relao a outras. O cavalo hoje uma referncia e prova dis-so a Feira, afirmou em jeitode argumento que sustente aexistncia da Confraria do Cava-lo na Trofa. Ter nascido na Trofa uma mais-valia para a nossaterra. O facto de o cavalo no terorigem no Norte no ser descul-pa para que no fosse assim,acrescentou.

    Hlder Santos complementa,

    referindo que no concurso demodelo e andamentos, que aprova rainha, houve 108 efetivosde elevada qualidade, reconhe-cida pelo jri e confirmada pelaquantidade de medalhas de ouroatribudas. A medalha um ttu-lo de mrito que se d a partir dedeterminado valor que se atribuiao cavalo, por isso quer dizer quea qualidade do evento muita. Eno s em termos de seleo,tambm se nota o esforo queos criadores fazem para trazeros melhores da sua coudelaria Trofa. A Confraria do Cavalo es-pera atrair outras coudelariaspara participarem na prxima edi-o, mas j garantiu que em2014 haver surpresas muitoagradveis.

    Coudelaria Santa Margaridafaz pleno

    E pelo segundo ano conse-cutivo, El Rei da Sernadinha arra-sou a concorrncia e arrecadouo ttulo de Campeo dos Cam-pees da Trofa. O Puro-SangueLusitano castanho, pertencente Coudelaria Santa Margarida, deLus Pidwell, conquistou o jri evenceu a prova rainha da verten-te equina da Feira Anual da Trofa:o concurso de modelo e anda-mentos. Para quem cria cava-los, este o prmio mximo, su-blinhou Lus Pidwell, que acres-centou que este cavalo umvencedor, j que, para alm de doisttulos na Trofa, j conquistou v-rios prmios na sua classe, in-clusive na Goleg e Lisboa.

    H trs anos que vimos aquie gostamos muito, pois somosbem recebidos. Tem um ambien-te muito agradvel, afianou.

    A Coudelaria Santa Margari-da fez o pleno, ao ser consagra-da como melhor coudelaria e ao

    ver distinguido um dos seus apre-sentadores: Fbio Ventura.

    No esperava a distinoporque, como bvio, quandovimos, sabemos que h semprevrios apresentadores e nuncasabemos com o que podemoscontar. Depende muito dos ani-mais, da forma como eles nosdeixam trabalhar. Para ser o me-lhor apresentador preciso mui-to trabalho, ver e procurar saberquais so os critrios do jri, sa-ber como eles querem que o ca-valo seja apresentado e, acimade tudo, estar muito atento soutras apresentaes para sa-bermos o que podemos melho-rar nas nossas, referiu o jovem,em declaraes ao NT e TrofaTv.

    Para Joana Matos, Chancelerda Confraria do Cavalo, este anoficar marcado como uma dasmelhores edies da Feira, pelofeedback dos criadores, convi-dados e pblico. Tentamos me-lhorar ao nvel da organizao nachegada dos animais, da sua ins-talao e tentamos preencher oprograma para que no houvessemomentos mortos no picadeiro e,assim, conseguirmos ter pblicosempre presente, explicou.

    Um dos momentos altos foi atarde de domingo, altura que con-tou com mais pblico, a par dagala de sbado noite, que foium espetculo bonito, adiantou.

    No recinto da Feira estiveramentre 350 a 380 cavalos, queparticiparam em atividades comomodelo e andamentos, horsepaper, cavalhadas, equitao detrabalho (maneabilidade, ensino evelocidade), horse ball e atrelagem.

    Na sexta-feira noite, o pi-cadeiro foi palco da j tradicio-nal garraiada, que atraiu vriascentenas de pessoas.

    Coudelaria Santa Margarida teve o campeo dos campees e o melhor apresentador

    Confraria do Cavalo entronizou cinco novos confrades

  • www.onoticiasdatrofa.pt 7 de maro de 201314Regio

    Patrcia [email protected]

    No mbito da campanhaProcuram-se Abraos daAssociao Mundos de Vida,a Cmara Municipal de VilaNova de Famalico substituitemporariamente o nomede algumas ruas por apelosaos direitos das crianas.

    Vila Nova de Famalico acidade dos abraos. Palavras deArmindo Costa, presidente daCmara Municipal, depois deManuel Arajo, presidente daAssociao Mundos de Vida, terproferido que o concelho de VilaNova de Famalico regista omaior nmero de famlias de aco-lhimento familiar do Pas.

    Os nmeros foram avana-dos na sequncia do lanamen-to de mais uma iniciativa inditano mbito da campanha Procu-ram-se Abraos, que consistena substituio temporria donome de algumas ruas, largos oupraas da cidade por apelos aosdireitos das crianas. Assim, nos

    Dado o sucesso da 1 edio, o Lago Discount, em Vila Novade Famalico, decidiu dar continuidade ao servio exclusivo deFashion Adiviser, que presta aconselhamento a nvel de imageme styling. As prximas sesses sero nos dias 17 de maro e 14de abril, domingos, entre as 14 e as 19 horas.Patrcia Pereira, consultora com uma vasta experincia na reado styling e rosto do projeto, vai continuar a oferecer conselhosna rea da moda e imagem aos clientes do maior discount doPas. Alm dos conselhos de styling gratuitos, a consultora ofe-rece aos participantes vales de descontos no valor de cinco eurospara quem pretenda renovar a sua imagem nas lojas do LagoDiscount.O grande objetivo da iniciativa ajudar as pessoas a fazerem amelhor deciso na hora de comprar, permitindo economizar tem-po e dinheiro.

    Tomar um caf enquanto saboreia um bom momento cultural o mote para a iniciativa Conversas Partilhadas com Camilo Cas-telo Branco, promovida pelo Clube de Cultura e Desporto de Ri-beiro (CCDR) para as 21 horas desta sexta-feira, dia 8 de mar-o.A tertlia, que decorre no salo nobre da sede do CCDR (antigaescola de Santa Ana), ter como orador Jos Manuel Oliveira,diretor do Centro de Estudos Camilianos, que vai dar a conhecereste vulto da literatura portuguesa e um dos smbolos da cultu-ra famalicense. P.P.

    Ser na segunda-feira, dia 11 de maro, a apresentao pbli-ca da edio 2012 da iniciativa A Poesia est na rua, que terincio pelas 11 horas no salo nobre dos Paos do Concelho. Aedio deste ano, que decorre entre os dias 21 de maro e 30 deabril, denomina-se O Pas das pessoas de pernas para o ar.

    Est ser uma forma da Cmara Municipal de Santo Tirsoprestar um tributo nacional ao poeta Manuel Antnio Pina, de-pois do seu sbito desaparecimento no ano passado. Recorde-se que em 2006, o poeta j tinha sido homenageado no conce-lho.

    Assim, todo o programa da edio deste ano de A poesiaest na rua dedicado vida e obra do poeta Manuel AntnioPina, congregando em torno dele as escolas e os agentes cultu-rais do concelho, vrios especialistas e amigos.

    A poesia est na rua um evento cultural promovido anual-mente pela Cmara Municipal de Santo Tirso, desde 2004, como objetivo de dar uma expresso festiva palavra poesia, fazen-do-a comungar da vida comunitria do concelho, homenageando,em cada edio, um poeta portugus. P.P.

    Famalico tem o maiornmero de famliasde acolhimento do Pas

    prximos dois meses, a PraaD. Maria II vai chamar-se PraaProcuram-se Abraos, a Rua deSanto Antnio recebe o nome deRua Cidade Amiga da Infncia,enquanto a Rua Adriano PintoBasto adota o nome de RuaFamlias de Acolhimento.

    Segundo Manuel Arajo, esta uma forma de sensibilizar asociedade para o direito da cri-ana em crescer no seio famili-

    ar, bem como uma homenagems famlias de acolhimento.Quanto ao concelho, o presiden-te da associao garantiu queeste responde a 40 por cento dasmedidas de acolhimento familiaraplicadas no distrito de Braga.Recorde-se que em Portugal,estima-se que 8500 crianasvivem em instituies, separadasdos seus pais.

    Para Armindo Costa, os n-meros do acolhimento familiarso encorajadores e ajudam aafirmar Vila Nova de Famalicocomo um concelho verdadeira-mente solidrio. Temos um con-junto de instituies sociais comgrande dinmica e sentido em-preendedor, como resulta clarodo trabalho inovador desenvolvi-do pela Mundos de Vida, acres-centou.

    A campanha decorre em dezconcelhos dos distritos de Bragae do Porto durante os dois prxi-mos meses, procurando captarnovas famlias de acolhimentopara crianas e jovens.

    O objetivo principal da cam-panha alargar a bolsa de fa-mlias da Mundos de Vida,como forma de dotar estes con-celhos de mais recursos quepossam responder s deman-das de CPCJ (Comisso deProteo de Crianas e Jovens)e tribunais, no sentido de aco-lher temporariamente crianasem perigo.

    Recorde-se que a Mundos deVida uma instituio que tra-balha pela infncia, num quadrode cooperao com a Seguran-a Social e com o apoio da RedeProcuram-se Abraos da quala Cmara de Famalico faz par-te.

    Ruas vo mudar de designao temporariamente

    A Poesia est na rua

    SantoTirsoprestatributoaManuelAntnioPina

    ConversasPartilhadascomCamilo

    LagoDiscountdcontinuidadeaoserviodeFashionAdviser

  • www.onoticiasdatrofa.pt7 de maro de 2013 Desporto 15

    Ctia VelosoPatrcia Pereira

    Trofense venceu Atlticonum jogo imprprio para car-dacos. Balano final: duasgrandes penalidades e cincogolos.

    Na corrida pela busca da ma-nuteno, a comitiva do Trofensesabia que o jogo com o Atlticoera uma oportunidade soberanapara ganhar flego na tabela clas-sificativa.

    A jogar em casa, o Trofensepermitiu que o adversrio dispu-sesse da primeira oportunidade.Julian no aproveitou o espaoconcedido e rematou por cima,aos nove minutos.

    Mas a permissividade duroupouco tempo, j que aos 11 mi-nutos, Joo Amorim aproveitou aassistncia soberba de Magiquepara dar vantagem formao daTrofa.

    Cinco minutos volvidos, a ale-gria trofense esvaneceu-se. Duar-te Gomes entendeu que Josi fezfalta sobre Julian dentro da gran-de rea e assinalou grande pena-lidade, que Marco Bicho conver-teu, estabelecendo a igualdade.

    Se o golo do empate surgiucedo, o que devolveu a vantagem

    Os juniores do Clube Desportivo Trofense amealharam a quartaderrota da fase de subida, tornando cada vez mais difcil o trabalhode conquistar um dos trs primeiros lugares de acesso 1 Divi-so Nacional.

    No sbado, o Trofense jogou em casa com o Merelinense, queno se fez de rogado em campo alheio e venceu a equipa da Trofapor 0-2, conquistando a primeira vitria. Com o quarto desaire con-secutivo, os jovens treinados por Jorge Gonalves vm a tarefacada vez mais dificultada para inverter os maus resultados e con-seguir um dos trs primeiros lugares, que do acesso 1 DivisoNacional, uma vez que estes esto ocupados por Beira-Mar (dezpontos), Vizela (oito pontos) e Chaves (sete pontos).

    No prximo sbado, dia 2 de maro, a formao da Trofa deslo-ca-se ao reduto do Feirense, 4 classificado, com cinco pontos.

    P.P.

    A atleta da Associao Cultural e Recreativa Vigorosa, DeolindaOliveira, participou no Campeonato Nacional Veterano de Corta-mato, que se realizou em Coimbra, no sbado, 2 de maro.

    Na prova, a atleta veterana conquistou o 10 lugar. C.V.

    Os infantis do Centro Recre-ativo de Bougado perderam a 22jornada frente ao JD Gondomar,por 3-4, num jogo a contar paraa 2 srie da 2 Diviso distrital.Em 10 lugar, com 25 pontos, aequipa de Santiago desloca-seno prximo sbado, dia 9 de

    Trofense vence Atltico por 3-2

    aos homens da Trofa foi aindamais rpido. Bastaram 120 se-gundos para Rateira ganhar inspi-rao e rugir mais alto que Leo.

    At ao intervalo, assistiu-sea um jogo dominado pelo Atlti-co que no queria ir para o des-canso a perder. No duelo comMarco Gonalves, Julian saiu aperder (20 minutos), Adilson noacertou no alvo (21) e Fernandesno teve cabea para acertar nabaliza (27).

    Na etapa complementar, oAtltico manteve a superiorida-de nas investidas ofensivas, obri-gando Marco Gonalves a traba-lho redobrado na baliza.

    Joo Amorim quis respondermelhor e de forma eficaz, mas

    quis o destino (e a barra) impe-dir o golo.

    A emoo no jogo no se re-sumiu primeira parte. Aos 60minutos, o Atltico conseguiuchegar novamente ao empate,num lance em que Marco Gon-alves apenas adiou o que pare-cia inevitvel. Voltou a sair ven-cedor do duelo com Julian, emdois lances consecutivos, mas,na recarga, foi Hugo Pina que foimais forte.

    A partir da, foi o Trofense quecorreu atrs da vitria, nem sem-pre com sucesso, como o rema-te desorientado de Paulinho, quesubstituiu Magique no ataque. Ainsistncia acabou por dar frutosaos 89 minutos, quando Duarte

    Gomes assinalou grande penali-dade de Sereno sobre Luiz Al-berto. Hlder Sousa fez o 3-2 e,praticamente, colocou ponto fi-nal numa partida que muitos ape-lidaram de grande espetculo defutebol.

    Para Antnio Pereira, treina-dor do Atltico, os seus jogado-res deram uma excelente ima-gem do que o futebol da equi-pa, que foi a melhor em termosde futebol jogado. Quem pare-cia estar a jogar em casa ra-mos ns. Sofremos dois golosfortuitos em desatenes, masfiquei orgulhoso dos meus joga-dores, frisou.

    O tcnico fez ainda uma cr-tica s condies que esto a

    dar ao clube: Levantamo-nos scinco da manh para vir para aquie deram-nos um autocarro horr-vel, onde quase no cabemosnos espaos dos bancos. Quan-do se trabalha nestas condiese os jogadores fazem aquilo quevocs viram, de lhes dar osparabns.

    J o treinador do Trofense,Micael Sequeira, quis que as pri-meiras palavras fossem para osjogadores, que foram grandes.Temos vindo a trabalhar muito,numa caminhada longa, sob mui-ta ansiedade. Por vezes, as pes-soas esquecem-se de que esta-mos a trabalhar h muito temponestas condies e no fcil,sublinhou.

    Para o tcnico o triunfo saivalorizado, j que foi consegui-do diante de um adversrio for-tssimo e com muita qualidade.Parabns aos adeptos que sem-pre acreditaram e apoiaram. Tmsido muito importantes, con-cluiu.

    Com este resultado, e com28 pontos na 19 posio, o Tro-fense deixou os lugares de des-promoo, dos quais est a doispontos de distncia. No domin-go, 10 de maro, o Trofense via-ja ao reduto do Martimo B, 17classificado.

    Futsal

    Equipas da Trofa perdem jornadamaro, ao reduto de FC UnidosPinheirense.

    Tambm as equipas femini-nas do Grupo Desportivo deCovelas (7 lugar, 22 pontos) edo Futebol Clube de S. Romo(11 lugar, trs pontos) perderama 21 jornada da 1 Diviso

    distrital. Enquanto as covelensesperderam por 3-0 frente ao ACDMindelo, as romanenses perde-ram por 2-4, frente Escola DCGondomar. Na ltima ronda docampeonato, as equipastrofenses vo defrontar-se no pr-ximo sbado, pelas 21 horas, nopavilho desportivo de S. Romodo Coronado.

    Os seniores da AssociaoRecreativa Juventude do Muro(ARJM) defrontaram o Salgueiros08, num jogo a contar para a 20jornada da srie 1 da 1 Divisodistrital. A equipa murense per-deu por 4-3, ficando em 14 lu-gar, com 17 pontos.

    Na prxima jornada, a ARJMrecebe, pelas 21.30 horas desexta-feira, dia 8 de maro, OsAmigos da Cave 94.

    Depois de uma jornada defolga, os juniores da ARJM, quemilitam na srie 2 da 2 Divisodistrital, deslocam-se ao redutoda Escola DC Gondomar. P.P.

    Josi em apuros tenta segurar a bola

    Trofenseperdeueestisoladonoltimolugar

    Juniores

    DeolindaOliveirafoi10

  • www.onoticiasdatrofa.pt 7 de maro de 201316 Desporto

    Ctia [email protected]

    O Bougadense recebeu oFoz e saiu goleado por 1-5. To-dos os golos do adversrio fo-ram marcados na primeiraparte.

    Uma tarde de pesadelo,aquela que o Atltico Clube Bou-gadense viveu no domingo, 3 demaro, no jogo a contar para a24 jornada da srie 1 da 1 Divi-so da Associao de Futebol doPorto.

    Diante do Foz, a formao deSantiago de Bougado foi forte-mente penalizada pelos erros co-metidos na primeira parte e aos40 minutos j perdia por 5-0.

    O primeiro tento dos forastei-ros aconteceu aos dez minutos,na sequncia de um canto, emque o jogador do Foz cabeceousozinho ao segundo poste e den-tro da pequena rea de forma cer-teira.

    Diana Azevedo

    Eficcia resumiu a presta-o do guas Santas, nojogo frente ao S. Romo. Naspoucas finalizaes balizade David, a equipa da casafoi certeira e assim conse-guiu amealhar mais trs pon-tos.

    O campo do guas Santasera semelhante ao terreno dosromanenses, pelo que os foras-teiros conseguiram adaptar-secom facilidade. Desde incio, oadversrio assumiu maior possede bola, insistindo nas subidasat ao ltimo tero do campo,anunciando que seria osso durode roer.

    Aos 15 minutos, a equipa dacasa inaugurou o marcador. A fal-ta de conteno a Pires foi cru-cial e, em frente baliza, o ho-mem do guas Santas colocoua bola dentro da baliza do guar-dio David.

    Ao S. Romo faltou maior mo-bilidade no ataque e mais dinmi-ca de jogo, que pudesse surpre-ender e fragilizar o oponente, peloque as oportunidades de finali-zao foram escassas no primei-ro tempo.

    O S. Romo entrou mais con-fiante no segundo tempo, com a

    CD Trofense

    Juniores A - 2 Diviso NacionalFase Subida

    Trofense 0-2 Merelinense(6 lugar, 0 pontos)

    Juvenis A - 1 Diviso NacionalFase Manuteno

    Trofense 1-0 Merelinense(6 lugar, 25 pontos)

    Juvenis B - 2 Diviso DistritalSrie 5s Classificados

    Trofense 2-1 SC Rio Tinto(2 lugar, 12 pontos)

    Iniciados A - 1 Diviso NacionalFase Manuteno

    Paos Ferreira 2-3 Trofense(3 lugar, 37 pontos)

    Iniciados B1 Diviso Distrital

    Vila Me 1-0 Trofense(13 lugar, 23 pontos)

    Infantis 111 Diviso Distrital

    Rio Ave FC 3-1 CD Trofense(9 lugar, 38 pontos)

    Infantis 7Campeonato Distrital

    UDS Roriz 3-8 CD Trofense(2 lugar, 32 pontos)

    Escolas Sub 11Campeonato Distrital

    CD Trofense 1-4 FC Porto B(2 lugar, 42 pontos)

    Boavista FC 3-1 CD Trofense B(10 lugar, 15 pontos)

    Escolas Sub 10Campeonato Distrital

    CD Trofense 1-7 Varzim SC(6 lugar, 22 pontos)

    AC Bougadense

    Juniores2 Diviso distrital

    Bougadense 4-4 Progresso(5 lugar, 26 pontos)

    Juvenis2 Diviso distrital

    Srie 6sBougadense 1-3 SC NunAlvares

    (5 lugar, 9 pontos)

    Iniciados2 Diviso distrital

    Srie 3sRaimonda 2-1 Bougadense

    (8 lugar, 10 pontos)

    Srie 8sBougadense 1-3 Gens

    (7 lugar, 10 pontos)

    FC S. Romo

    Juvenis2 Diviso distrital

    Srie 10sFC S. Romo 1-2 Ermesinde

    (6 lugar, 4 pontos)

    Bougadense goleado em casa

    Os dois golos seguintes, aos15 e 20 minutos, surgiram atra-vs de defesas incompletas deFlvio, que largou a bola e o atle-ta do Foz s teve que encostar.

    O quarto golo foi conseguidona sequncia de uma grande pe-nalidade cometida pelo guardio

    Flvio e o ltimo do Foz foi feitode cabea.

    Na etapa complementar, oBougadense conseguiu o golode honra, atravs de um penlticonvertido por T Maia, mas oFoz conseguiu dominar o querestou da partida, segurando o

    triunfo mesmo a jogar com nove.Na equipa de Bougado, tambmhouve uma expulso.

    Na minha anlise, a equipafoi punida severamente sempreque cometia erros, cada rematee cada bola parada na nossarea era um enorme foco de pe-rigo e quase sempre resultavanum golo da equipa adversria.Estvamos intranquilos e deso-rientados e s aps o intervalovoltamos a ser a equipa que de-vemos ser. Foram s trs pon-tos perdidos e espero que notenha repercusses negativas narecuperao que a equipa vinhafazendo com grande mrito pr-prio, adiantou Pedro Pontes aoNT.

    Com 23 pontos, a formaobougadense ocupa o 14 lugar,mas est mais perto da zona dedescida, j que o Custias ven-ceu, somando 21 pontos, deixan-do o penltimo lugar para o Leado Balio, que tem os mesmospontos.

    S. Romo deixou pontos em guas Santas

    equipa a movimentar-se mais de-vido energia trazida pelas subs-tituies. Aos trs minutos, a pro-gresso de Oliveira tentou sertravada por dois defesas da ca-sa, mas o jovem romanense in-sistiu e aproximou-se das redes,mas a finalizao foi intercetada.

    Perante o aumento da agres-sividade ofensiva dos visitantes,a equipa de Rui Soares respon-deu com um incremento da suadinmica de jogo, o que trouxes quatro linhas do ComplexoDesportivo de guas Santas umjogo mais disputado.

    O 2-0 final estabeleceu-se nu-ma bola parada, aos 83 minutos.Choquinhas marcou livre e fez a

    bola passar bem perto do posteesquerdo, sem que o guarda-re-des forasteiro conseguisse anu-lar a trajetria do esfrico.

    O treinador romanense, Pe-dro Ribeiro, confessou ao NT queeste foi um jogo que custa per-der e que a equipa est semsorte. Tivemos trs ou quatrooportunidades, mas no se mar-cou. Temos uma boa atitude, tive-mos momentos fortes, mas de-pois no se concretizam os go-los e a equipa acaba por deixarde acreditar, acrescentou.

    J Rui Soares, treinador doguas Santas, referiu que a suaequipa correspondeu s expec-tativas criadas durante a sema-

    na de treino. O jogo correu beme a vitria foi justa, talvez umamargem de golos menor seriamais correta, afirmou.

    Questionado sobre os pontosfortes da equipa, que justifiquema vitria, o treinador referiu ser atransio defesa/ataque, onderapidamente colocou a bola noltimo tero do campo, conse-guindo surpreender o adversrio.

    Os jogos em casa foram du-rante muito tempo sinnimo depontos, por isso Pedro Ribeiroespera que a receo ao Meden-se, no domingo, volte a trazer re-sultados positivos ao grupo. O S.Romo tem 23 pontos e ocupa o14 lugar.

    Resultados CamadasJovens

    Movimentaes rpidas do guas Santas deram a vitria ao clube

    T Maia marcou o golo de honra do Bougadense

    arq

    uivo

  • www.onoticiasdatrofa.pt7 de maro de 2013 Atualidade17

    No passado 2 de maro de 2013 participei numa das maiores manifestaes desempre, e diga-se, que sou um homem vivido nestas experincias. Da Batalha aosAliados, a cidade do Porto transbordou em emoes contraditrias. A Raiva e a Ale-gria de mos dadas desceram Santa Catarina. Em Passos Manuel nasceu a espe-rana que superou o desalento e nos Aliados desaguou a vontade de intensificar aluta, derrubar muros, soltar ventos de liberdade e multiplicar a nsia da libertao dastroikas que nos amordaam, sugam e empobrecem. Sim, desta vez foi claro o objetivopoltico: A demisso do governo, o termo desta poltica de direita, a expulso datroika. As palavras de ordem, os objetivos anunciados pela organizao, a larga mai-oria dos cartazes, tarjas e panos refletiam essa vontade indomvel de ressuscitar osvalores de Abril, a democracia de Abril, a liberdade de Abril. O Povo unido jamaisser vencido, 25 de Abril sempre, fascismo nunca mais, demisso, e as pala-vras messinicas daquela cano que seria senha da mais bela revoluo do mundo,porque foi a minha e foi a nossa revoluo, Grndola vila morena, terra da fraternidade,o povo quem mais ordena, dentro de ti cidade, troavam com vigor, passo apasso, conquistando a esperana, adquirindo a fora e a energia necessrias na lutapela sade, pela educao e pelos direitos ameaados e roubados ditatorialmentepelo governo e pela troika.

    O governo do PSD/CDS, que apenas faz mal aos portugueses, a quem retiradireitos e sobrecarrega de impostos para enriquecer os ditos mercados ( bancos )atravs de um juro altssimo e indevido, o presidente da repblica que no sai do seupalcio, que apesar de dizer umas coisas acertadas de vez em quando, nada faz emsocorro do povo portugus e de Portugal e a maioria parlamentar do PSD e do CDSque apoia esta politica e de onde saram homens decentes como Dias Loureiro eDuarte Lima, apenas merecem uma resposta do povo portugus: um estrondosopontap no traseiro e serem corridos o mais rapidamente possvel do poder. Depoisnecessitam de um fracasso aparatoso nas urnas nunca antes visto em Portugal.Espero que o povo portugus tenha memria e que no se esquea de todo o mal queesta gente lhe fez e faz.

    Em termos polticos necessitamos de uma alternativa. Esta s poder residir naEsquerda. Com algumas das foras polticas de esquerda, nomeadamente do PCP,do PEV e do BE, j contamos. E com o PS contaremos? Ou ir o PS continuar apersistir no cumprimento do memorando que assinou e nesta poltica que nos condu-ziu aqui?

    Esta poltica produziu uma queda do PIB de 7,7% desde o pedido de resgate,queda do investimento na ordem dos 50%, queda da procura interna de 20%. Estapoltica aumentou a dvida pblica (50,8 pontos percentuais do PIB, metade da rique-za produzida pelo Pas, desde 2008), produziu centenas de falncias, disparou odesemprego, agigantou a misria e a excluso social. Mais de um milho e quatro-centos mil desempregados, dos quais menos de um tero recebe subsdio de de-semprego, significa que a simples satisfao das necessidades bsicas est emcausa, significa um ilimitado contingente de homens e mulheres, jovens e menosjovens, sem recursos para pagar a casa, a gua, a luz, a escola dos filhos, a comidaque era suposto pr na mesa.

    As polticas das troikas e do memorando esto condenadas ao fracasso. E quan-do Passos Coelho diz que est tudo em linha com as previses do Governo, maisno quer dizer que todo o dito plano de ajustamento um plano deliberado com o fimde reduzir o Pas e o povo misria e que est tudo a correr nesse sentido.

    Est o PS de acordo com isto? Ou estar disposto a romper com o memorando ecom a Troika?

    A manifestao nacional do passado 2 de maro, com mais de dez por cento dapopulao na rua, bem representativa da vontade de romper com esta poltica, como memorando e com a Troika. S a renegociao da divida, como j amide se disse,deixar espao para o investimento e o desenvolvimento de industrias produtivas,uma melhor distribuio da riqueza e o aumento da procura interna. E das duas uma:ou a Europa aceita isto, ou teremos de romper tambm com a Europa e com o Euro,reconquistando definitivamente a soberania nacional. A Grndola Vila Morena j acantamos em protesto pelas ruas deste pas. Reconquistando a soberania confirma-mos ser o povo quem mais ordena. Com uma poltica verdadeiramente de esquerdacom o povo e ao servio do povo, definitivamente fundaremos a Terra da Fraternidade.

    Guides, 4 de maro de 2013

    O Parque da Cano, em Coimbra, foio local onde se realizou a prova de Corta-mato Nacional do Desporto Escolar, quena assistncia tinha Jorge Antnio deCampos Vieira, presidente da FederaoPortuguesa de Atletismo, e das atletasAurora Cunha e Fernanda Ribeiro.

    No escalo de juvenis femininos, asalunas que representaram a Escola Se-cundria da Trofa venceram, por equipas,o ttulo de vice-campes de Corta-matoNacional do Desporto Escolar.

    Na prova, que decorreu nos dias 1 e 2de maro, a Secundria foi representada

    Com uma poltica verdadeiramente deesquerda com o povo e ao servio do povo,definitivamente fundaremos a Terra daFraternidade.

    Secundria da Trofavice-campede Corta-mato nacional

    pelas alunas Andreia Rodrigues (juvenis),Elsa Maia (juvenis), Ana Ribeiro (juvenis),Ana Carvalho (juvenis), Sara Barradas (ju-venis), Jssica Pinto (juvenis) e SaraTeixeira (iniciados), acompanhadas pelasprofessoras Rosa Manuela Arajo e CarlaVaranda.

    A Escola Secundria da Trofa, as suasalunas e professoras, esto de parabnspela forma brilhante como defenderam ascores do nosso concelho e do nosso dis-trito, avanou fonte do estabelecimentode ensino.

    P.P.

    Ensino e a Sade so as principaisprioridades da Misso Dulombi que par-te hoje, quinta-feira, dia 7 de maro, rumoa Guin-Bissau.

    A Misso Dulombi uma organizaosem fins lucrativos, de ajuda humanitria Guin-Bissau, que foca a sua atividade nasaldeias de Dulombi e Galomaro, locais ondea presena dos portugueses deixou marcana altura colonial. Neste momento, a orga-nizao est a reconstruir e a reabilitar umCentro de Sade e duas escolas na Guin-Bissau e vai ainda, iniciar a construo deuma creche em Dulombi.

    A Cmara Municipal da Trofa est aapoiar a Misso Dulombi em mais umainiciativa humanitria, atravs da doaode algum material logstico. Este mate-rial, bem como uma Bandeira do munic-pio da Trofa foi entregue hoje, pelas 10

    Misso Dulombi parteda Trofa rumo Guin-Bissau

    horas, no Parque Nossa Senhora dasDores e contou com a presena de JosMagalhes Moreira, vice-presidente daautarquia. Com mais esta iniciativa, aCmara Municipal da Trofa materializa oapoio e a solidariedade de toda a popula-o Trofense, habituada a desenvolver umacidadania ativa e participada, avanoufonte da Cmara.

    Recorde-se que em fevereiro de 2012,esta organizao levou um contentor com11 toneladas de ajuda para as escolasde Dulombi e Galomaro, assim como parao Hospital de Galomaro.

    Caso queira ficar a par da Misso e/ou ajudar nesta causa, pode faz-lo atra-vs do email ([email protected]), nmero de telemvel (911 019706) ou atravs das redes sociais(facebook.com/missaodulombi.pt). P.P.

  • www.onoticiasdatrofa.pt 7 de maro de 201318Regio

    S. Martinho de Bougado-Gondim (Peso da Rgua)Georgina da Conceio MonteiroFaleceu no dia 3 de maro, com 93 anos.Viva de Joaquim Ribeiro.

    Santiago de BougadoAvelino Moreira de AzevedoFaleceu no dia 3 de maro, com 76 anos.Casado com Maria da Conceio Ferreira de S.

    Funerais realizados por Agncia Funerria Trofense, Lda. Gerncia de Joo Silva

    A Mulher o nome da exposio detrabalhos do concurso de artes, que es-tar patente no Museu da Indstria Tx-til, em Vila Nova de Famalico.

    Armindo Costa, presidente da autar-quia famalicense, e o mestre CruzeiroSeixas inauguram a mostra no Dia Inter-nacional da Mulher, 8 de maro, sexta-feira, pelas 11 horas.

    O jri, que inclui personalidades derenome do mundo das artes e da juventu-de, presidido por Cruzeiro Seixas, vaiavaliar os trabalhos, que estaro em ex-posio at ao dia 10.

    Para alm da mostra, a Cmara de

    Necrologia

    Exposio, msica e danapara homenagear a mulher

    Famalico, atravs do Gabinete do Patri-mnio Cultural Imaterial, tem outrasatividades ligadas dana e msica parahomenagear a mulher.

    Para as 15 horas de sexta-feira estmarcada uma tertlia danante, em quetodas as mulheres so convidadas a par-ticipar. No fim, h uma sesso de ioga doriso.

    J no sbado, est agendado um con-certo, com msicas da poca de Ourodo Cinema Portugus, no Museu da In-dstria Txtil, s 21 horas, com a atuaodas Contratadeiras, acompanhadas pe-los Glauco. C.V.

  • www.onoticiasdatrofa.pt7 de maro de 2013 Opinio19

    Viva a VidaParte 4

    Pode ser repetitivo para quem l, mas podem ter a certeza que no o para quemvive a experincia A experincia de ser novamente pai.

    Pode parecer lamechas, mas no consigo evitar a partilha de um sentimentoimpar, mesmo sendo o quarto filho.

    Para quem tem mais de um filho, sabe bem que tudo diferente de gravidez paragravidez, de nascimento para nascimento e de ser para ser. Das poucas coisasidnticas a intensidade do sentimento de alegria, da vivncia do conceito de famlia,da partilha, da existncia de um turbilho de emoes, das cumplicidades e, nonosso caso, de mais uma gravidez de risco, mais uma luta diria para que tudochegasse a bom porto.

    Enfim, nasceu a Maria do Rosrio, uma lutadora como sua me, que aguentou osltimos meses no ventre de sua me entre casa, hospital, a enorme solidariedadedos avs, tio e primos (Diogo e Carolina), e a infinita pacincia da Dra. ManuelaMiranda e a Enf. Adelaide. A par dos seus irmos (Manuel, Francisca e Miguel) j solutadores antes de nascer, tal qual sua me, e trofenses de gema, para o bem e parao mal.

    Os momentos difceis que todos atravessamos e da bvia dificuldade de educarquatro filhos so ultrapassados pelo sonho de um dia ter uma famlia unida, solidriae capaz de resistir a tempestades naturais ou provocadas, ensinamentos que tive afelicidade de me transmitirem.

    Sim, nos tempos difceis que todos atravessamos que importante a solidarie-dade da famlia, dos amigos, dos colegas de trabalho ou dos vizinhos. Nesta altura, apartilha e a tolerncia assumem papel primordial para poder ultrapassar os momen-tos complicados que muitos teimam em no entender, sejam banqueiros ou polticosem exerccio.

    Por isso, junto-me a todos aqueles que se manifestaram no ltimo sbado, ape-lando aos candidatos a autarcas nas prximas eleies de outubro que pensem empolticas sociais de emergncia. Pensem nas pessoas e ponham a sua pequenavaidade de lado, que no os engrandece, nem a terra merece!

    As marionetas so bonecos articulados, direta ou indiretamente animados pormo humana, cuja origem remonta h milhares de anos e deixaram marcas indel-veis desde os momos da antiga Grcia, em festividades romanas e durante a longaIdade Mdia onde tiveram um papel relevante na celebrao da liturgia crist. Todo oOriente tem tradies deste boneco e no ser difcil descobrir traos de semelhanaentre as marionetas da India e o nosso roberto.

    Por toda a Europa e nesses tempos to longnquos, o teatro de marionetas temmuita aceitao popular; um teatro que o povo gosta, pois est perto dos seusanseios e apresentado nas ruas e nas feiras, com um forte cunho poltico, umatribuna para criticar os poderosos, um espao de catarse popular. A partir dos finaisdo sculo XVI comeam a chegar a Portugal muitos artistas itinerantes estrangeiros,principalmente franceses e italianos, que encontraram, nas grandes cidades, umnumeroso pblico fiel e generoso.

    A irreverncia destes bonecos, o seu esprito crtico e a sua natural tendncia paraa representao burlesca, que no passado chegaram a ser banidos dos locais deculto, deram lugar s novas marionetas, que fomentam o culto da personalidade, oesprito acrtico e amorfo e convidam no participao cvica, to ao gosto de mui-tos eleitos, que preferem afastar o povo das decises e da democracia, para assimdespolitizarem o seu quintal, com uma consequncia nefasta para a Cidadania ativae plena.

    Nos tempos atuais, assiste-se a um renascimento vertiginoso destes bonecosarticulados, principalmente em reas no habituais e fora do gnero teatral tradicio-nal, concretamente na vida poltica. No passado, este tipo de teatro, apesar de viverprincipalmente do improviso, foi bem servido por Shakespeare, Goethe, Cervantes etambm por Antnio Jos da Silva, o Judeu. Esta variante do teatro constitua umaforma de entretenimento para adultos e crianas. Na atualidade, estes bonecos, osrobertos ou fantoches, atuam em muitos dos palcos da nossa vida e so movidos porpessoas ocultas, que se escondem, no atrs de uma tela, mas atrs, ao lado e frente de muitas e muitas decises, que do cabo da vida aos cidados.

    A necessidade excessiva de falar, comum em certos dbeis mentais, a forma,que os novos robertos encontram para explicar o inexplicvel.

    a verborreia intil das marionetas, salvo-seja! As marionetas tradicionais soagradveis e representam atravs das suas palavras e aes em corpos de madeirae cortia e os espectadores podem encontrar uma