Entre a Cruz e a Espada: A escravidão indígena no Brasil ... · PDF fileEntre a...

Click here to load reader

  • date post

    30-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    216
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Entre a Cruz e a Espada: A escravidão indígena no Brasil ... · PDF fileEntre a...

  • Entre a Cruz e

    a Espada: A

    escravido

    indgena no

    Brasil Colonial

  • O grande desastre biolgico

    As epidemias do sculo XV foram o maior desastre biolgico da histria em extenso, matando um nmero maior do que a Peste na Eufrsia, mas impossvel ter dados precisos.

    As estimativas de ocupao das Amricas pr-colombiana vo de 8 a 112 milhes, com uma estimativa consensual entre 50 e 54 milhes por todo o continente, grande parte concentrada nos imprios Inca e Asteca

  • Estimulando as rivalidades

    O grande fator europeu de domnio das Amricas

    foi a ttica de estmulo de rivalidades regionais

    para enfraquecimento de grandes tribos, como

    vimos na aula passada.

    O primeiro perodo da colonizao do Brasil foi de

    negociao, mas o enfraquecimento de fortes

    lideranas indgenas levou a uma fase de

    perseguio e escravido.

  • Entre a cruz e a espada

    Os ndios ficavam entre a fuga para o interior e a adaptao escravido ou ao aldeamento.

    Os Bandeirantes: grupos de caadores de escravos indgenas, eram exploradores de territrios e seguiram as trilhas indgenas em direo ao interior.

    Os Jesutas: a ordem catlica organizava as aldeias indgenas em misses que buscavam aculturar os ndios s prticas crists.

    Embora sejam apresentados como antagonistas bandeirantes e jesutas tiveram papel fundamental na expanso do territrio brasileiro e consolidao do poder portugus.

  • Manuel da Nbrega pregando

    aos indgenas (Benedito Calixto)

  • Bandeirantes de Jean Baptist

    Debret, 1830

  • Os Bandeirantes

    Durante muito tempo a historiografia retratava as

    bandeiras como formadas por descendentes de

    europeus, mas os dados do perodo mostram

    que a grande maioria dos participantes era de

    caboclos ou ndios escravizados.

    Tipos de Bandeira: Prospectoras e Apresadoras.

    A mais ambiciosa das bandeiras foi a de Antonio

    Raposo Tavares que chegou a contar com 900

    caboclos e 2000 ndios escravizados. Ao final

    apenas 67 pessoas retornaram a So Paulo

  • Mapa das Bandeiras, sc. XVII

    e XVIII

  • As misses jesuticas no sculo XVI

    e XVII O perodo de Nbrega e Anchieta (1550-1590):

    Perodo marcado pela intensificao da presena missionria.

    Misses volantes: com ou sem apoio militar os padres visitavam lideranas indgenas em busca de converso.

    1573: Primeira peregrinao jesutica ao morro da Penha (ES)

    A partir de 1600 se intensifica o modelo de aldeamento. O aldeamento proporcionava segurana contra incurses bandeirantes e facilitava o trabalho de converso.

  • Convento de Nossa Senhora

    da Penha ES

  • Mtodo evangelizador

    Sincretismo no momento de aprendizado da

    lngua.

    Foco nas crianas.

    Ocupao do tempo dos indgenas, adequao

    a um modelo de tempo europeu (escatolgico).

    Adequao dos indgenas ao sistema de

    trabalho europeu.

    Criao de contingentes de batalha dispostos a

    enfrentar outras tribos e quilombos

  • Relaes entre africanos e

    indgenas

    As relaes entre africanos e ndios no perodo colonial so pouco estudadas.

    Em geral o clima era hostil, na medida em que os portugueses mediavam rivalidades entre os grupos.

    Ocorrem aproximaes como na Batalha dos Guararapes.

    Santidade de Jaguaribe: movimento sincrtico indgena que recusava prticas portuguesas.

  • A Batalha dos Guararapes

  • Henrique Dias e Felipe Poti

    (Camaro)

  • A Confederao dos Cariris

    A regio do Cariri

    1683-1713

    1683: O governo geral brasileiro aprova o envio

    de tropas paulistas para a regio do Cariri, mas

    os bandeirantes so derrotados e acabam

    espalhando a revolta.

    1713: A Guerra dos Brbaros: liderados por Joo

    de Barros Braga, uma tropa de ordenana que

    promove um massacre indiscriminado

  • A revolta de Mandu Ladino

    (1712-1719)

    Nascido no Piaui era um ndio Arani

    que aos doze anos ficou rfo de pai e

    me e acabou em um convento

    capuchinho.

    No convento viu a destuio de

    imagens de seus deuses e fugiu.

    Acabou tornando-se escravo vaqueiro.

    Com a descoberta do ouro nas Minas

    Gerais a demanda por carne e animais

    para transporte aumenta, gerando a

    expulso de ndios para a criao de

    gado.

    Mandu se revolta e assassina um dos

    pecuaristas da regio.

    Os aranis foram massacrados e Mandu

    assassinado.

  • O fim das misses Jesuticas

    As misses jesuticas entraram em seu

    ciclo final no sculo XVII:

    Sentimento anticlero fomentado pelo

    pensamento iluminista.

    A Guerra Guarantica (1750-1756)

    1758: O Marqus de Pombal bane de

    modo definitivo os Jesutas das colnias.