ERA MEDIEVAL SÉCULO XII A XIV. Hierarquia dos artistas:  Trovador – nobre que...

Click here to load reader

  • date post

    22-Apr-2015
  • Category

    Documents

  • view

    162
  • download

    31

Embed Size (px)

Transcript of ERA MEDIEVAL SÉCULO XII A XIV. Hierarquia dos artistas:  Trovador – nobre que...

  • Slide 1
  • ERA MEDIEVAL SCULO XII A XIV
  • Slide 2
  • Hierarquia dos artistas: Trovador nobre que compe o texto. Jogral homem de classe social inferior que canta os textos acompanhado de instrumentos musicais como o alade e a flauta. Jogralesa ou soldadeira mulher que canta, dana e toca pandeiro.
  • Slide 3
  • Lngua galego-portugus Marco inicial 1189 ou 1198 Cantiga de Ribeirinha ou Cantiga de guarvaya de Paio Soares de Taveirs Trovador mais famoso: Rei Dom Dinis, o rei trovador
  • Slide 4
  • Em verso: Cantigas de amor Cantigas de amigo Cantigas de escrnio Cantigas de maldizer Em prosa Novelas de cavalaria
  • Slide 5
  • No mundo non me sei parelha, Mentre me for como me vai, C j moiro por vs e ai! mia senhor branca e vermelha, Queredes que vos retraia Quando vos eu vi em saia! Mau dia me levantei, Que vos enton non vi fea! ( Paio Soares de Taveirs )
  • Slide 6
  • Eu lrico masculino Amor impossvel a mulher amada ou casada ou mais rica O homem sofre a coita O homem presta vassalagem amorosa fidelidade, obedincia e lealdade A mulher despreza ou ignora o homem O homem somente dirige-se mulher amada ou a Deus O homem chama a mulher de senhor ou dona e nunca pode dizer o nome dela ( mesura ) A mulher idealizada, perfeita, inacessvel Ambiente palaciano e vocabulrio mais elaborado O sentimento expresso reflete a relao feudal entre vassalos e suseranos - mulher= senhor feudal, eu lrico = vassalo Amor corts da corte e educado
  • Slide 7
  • A dona que eu am'e tenho por Senhor amostrade-me-a Deus, se vos en prazer for, se non dade-me-a morte. A que tenh'eu por lume d'estes olhos meus e porque choran sempr(e) amostrade-me-a Deus, se non dade-me-a morte. Essa que Vs fezestes melhor parecer de quantas sei, a Deus, fazede-me-a veer, se non dade-me-a morte. A Deus, que me-a fizestes mais amar, mostrade-me-a algo possa con ela falar, se non dade-me-a morte. ( Bernardo de Bonaval )
  • Slide 8
  • Eu lrico feminino - autoria masculina Origem ibrica Amigo o namorado ou o amante A mulher fala com a me, com as irms, com as amigas, com as aias, com o amigo ou com a natureza Vocabulrio simples e repetitivo Temas e ambientes variados: barcarolas, bailias, romarias, pastorelas, albas ou alvas, serenas e pura soledade O amor possvel, mas nem sempre realizado So mais variadas em assuntos ; saudades, cimes, espera, insegurana, atraso do amigo, etc.
  • Slide 9