Erosão Hidrica

Click here to load reader

  • date post

    03-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    1.230
  • download

    21

Embed Size (px)

Transcript of Erosão Hidrica

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL UNIDADE UNIVERSITRIA DE AQUIDAUANA CURSO DE AGRONOMIA

EROSO HDRICA EM ARGISSOLO VERMELHOAMARELO CULTIVADO COM SOJA

Maria Aparecida do Nascimento dos Santos

Aquidauana - MS Novembro de 2010.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL UNIDADE UNIVERSITRIA DE AQUIDAUANA CURSO DE AGRONOMIA

EROSO HDRICA EM ARGISSOLO VERMELHOAMARELO CULTIVADO COM SOJA

Acadmica - Maria Aparecida do Nascimento dos Santos Orientador - Eli Panachuki

Trabalho apresentado como parte das exigncias do curso de Agronomia para a obteno do ttulo de Engenheira Agrnoma.

Aquidauana - MS Novembro de 2010.

Ao homem que teme ao Senhor, ele o instruir no caminho que deve escolher. Salmos 25.12.

iii

AGRADECIMENTOSA Deus por seu imenso amor por mim e o fortalecimento durante as batalhas que enfrentei. Aos meus pais por todo amor e apoio que me oferecero. Ao professor Dr. Eli Panachuki pela orientao, dedicao e pacincia durante a execuo deste trabalho. Aos amigos que me ajudaram nas atividades de campo nesta pesquisa. Aos professores do Curso de Agronomia da Unidade Universitria de Aquidauana por todos os ensinamentos transmitidos.

iv

SUMRIO

PginaRESUMO .................................................................................................. 1. 2. 2.1 2.2 2.3 3. 3.1 3.2 3.3 4. 4.1 4.2 4.3 5. 6. INTRODUO ............................................................................... REVISO DE LITERATURA .......................................................... Eroso hdrica do solo.................................................................... Atributos fsicos do solo e eroso hdrica ....................................... Influncia do manejo do solo na eroso hdrica ............................. MATERIAL E MTODOS ............................................................... Aspectos gerais .............................................................................. Determinao das perdas de solo e gua ...................................... Anlise Estatstica .......................................................................... RESULTADOS E DISCUSSO...................................................... Atributos Fsicos ............................................................................. Perdas de Solo............................................................................... Perdas de gua.............................................................................. CONCLUSES .............................................................................. REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS ............................................... viii 1 2 2 6 9 12 12 16 17 18 18 21 23 26 27

v

LISTA DE TABELASTABELA 1 - Valores mdios de umidade inicial do solo, densidade do solo, intensidade de precipitao aplicada, energia cintica da chuva simulada, relao percentual entre a energia cintica da chuva simulada e a natural (Ecs/Ecn), tempo de incio de escoamento superficial......................................18

vi

LISTA DE FIGURASFIGURA 1 - Infiltmetro de asperso InfiAsper/UFMS desenvolvido por Alves Sobrinho (1997).................................................................................................12 FIGURA 2 - Sistema regulador da intensidade de precipitao (obturador rotativo, manmetro, bicos e registro)...............................................................13

FIGURA 3 - Dispositivo demarcador da rea da parcela experimental (0,70 m2).....................................................................................................................14

FIGURA 4 - (a) Parcela do Tratamento 1: plantio direto solo com cobertura vegetal correspondente a 2 Mg ha-1; (b) parcela do Tratamento 2: plantio direto - solo desprovido de cobertura vegetal; (c) parcela do Tratamento 3: plantio convencional......................................................................................................15 FIGURA 5 - Perdas acumuladas de solo (g m-2)...............................................21 FIGURA 6 - Perdas acumuladas de gua (10-3 m3 m-2).....................................23

vii

RESUMOO trabalho foi desenvolvido numa rea experimental na Unidade Universitria de Aquidauana da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, no perodo compreendido entre agosto de 2009 e julho de 2010, com o objetivo de avaliar as perdas de solo e de gua em um Argissolo Vermelho-Amarelo distrofrrico, cultivado com soja (Glycine max L. Merril), sob diferentes sistemas de manejo do solo. A avaliao das perdas de solo e de gua foi realizada por meio da utilizao de um simulador de chuva porttil (InfiAsper/UFMS), aplicando-se em cada parcela experimental uma chuva simulada de intensidade de precipitao de 60 mm h-1. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados, sendo os tratamentos caracterizados pelo sistema de cultivo e nvel de cobertura: Tratamento 1: Sistema de plantio direto com cobertura do solo (SPDCC); Tratamento 2: Sistema de plantio direto sem cobertura do solo (SPDSC); Tratamento 3: Plantio convencional (PC). Concluiu-se que as maiores perdas de solo ocorreram no sistema de plantio convencional, e as maiores perdas de gua nos tratamentos submetidos aos sistemas de plantio convencional e plantio direto sem cobertura do solo. Palavras-chave: manejo do solo, sistemas de cultivo, simulador de chuva, Glycine max L. Merril.

viii

1. INTRODUO A degradao dos solos cultivados no Brasil tem sido causada principalmente pelas prticas de manejo inadequadas que na maioria das vezes no proporcionam condies fundamentais para a preservao da boa qualidade do solo, fazendo com que grandes reas tornem-se improdutivas vindo a ser abandonadas por serem vistas como imprprias para o plantio. A eroso hdrica pode ser colocada como um dos processos de causa natural e tambm antrpica que mais contribuem para essa degradao. As consequncias propiciadas ao solo tornam-se ainda mais evidentes nos locais que apresentam uma declividade acentuada e falta de cobertura vegetal, j que o solo fica exposto ao impacto das gotas da chuva e ao escoamento superficial, ocorrendo ento as perdas de solo e gua. A ao do processo erosivo necessita ser melhor entendido para que se possa estipular quais as prticas devem ser efetuadas na rea de produo para o incremento da conservao do solo e o aumento da produtividade agrcola. O manejo consecutivo do solo pode alterar alguns de seus atributos, influenciando diretamente a taxa de infiltrao e consequentemente o escoamento superficial acarretando danos na estrutura e acelerando as perdas de solo e gua, deixando o solo ainda mais suscetvel ao processo erosivo. Assim, pode-se afirmar que o conhecimento referente ao comportamento do solo quanto s perdas de solo e de gua em cada sistema de produo agrcola de valiosa importncia, j que permite comparaes entre os sistemas em uso, possibilitando a escolha daquele que melhor se adapta s condies especficas de cada regio. Na regio de Aquidauana onde as atividades agrcolas ainda no so efetuadas de maneira elevada tendo maior nfase econmica a pecuria, a realizao de trabalhos que avaliam as perdas de solo e gua nos diferentes sistemas de produo ainda pequena. Assim, considerando a importncia de se obterem maiores conhecimentos sobre as caractersticas do processo erosivo nesta localidade, este trabalho teve como objetivo avaliar as perdas de solo e gua em diferentes sistemas de produo e nveis de cobertura, por meio do uso do simulador de chuva.

2. REVISO DE LITERATURA

2.1 Eroso hdrica do solo A degradao das terras e dos recursos hdricos por assoreamento, salinizao e eutrofizao tem sido causada principalmente pelos processos erosivos que se desenvolvem inicialmente com o desprendimento e o arraste das partculas do solo (nutrientes e matria orgnica) pela ao da gua e/ou do vento (PRUSKI, 2006). Em sistemas de produo agrcola, a principal razo do desgaste progressivo do solo atribuda eroso, que na maioria das vezes causada por prticas de manejo ou uso inadequado do solo (OLIVEIRA, 2007). As taxas de eroso e consequente desgaste do solo em todo o mundo vm adquirindo propores espantosas, com enormes implicaes de ordem fsica, financeira e social (OLIVEIRA et al., 2010), sendo que a deteriorao do mesmo visto como um dos principais problemas ambientais do planeta (COGO et al., 2003). De acordo com Rmkens et al. (2001) a eroso um fenmeno complexo, que envolve a desagregao e o transporte das partculas de solo, a infiltrao da gua e o armazenamento da parte precipitada, alm do escoamento superficial. Sendo fundamentada em um processo fsico energtico, a eroso gerada a partir das interaes de agentes ativo (vento e chuva) e passivo (solo) do sistema natural, em que dependendo das caractersticas dos mesmos e suas interfaces, este processo pode se transformar em trabalho, originando as perdas de solo, gua e outras substncias do solo (CASSOL & REICHERT, 2002). Dentre os tipos de eroso se encontra aquela que pode ser causada tanto por fatores naturais quanto pela interferncia antrpica, e que na maioria das vezes resulta em um processo erosivo acelerado, que denominada eroso hdrica (PANACHUKI, 2003). No Brasil, a eroso hdrica o principal fator capaz de tornar insustentveis os sistemas de produo agrcola e os impactos ambientais dela

2

oriundos tm reflexos no aumento dos custos causando, anualmente, um prejuzo econmico enorme ao pas (HERNANI et al., 2002). O processo complexo deste tipo de eroso se manifesta em intensidade varivel, dependendo da interao dos fatores clima, solo, topografia, vegetao, uso da terra e prticas conservacionistas (PIRES et al., 2006). E pode ser dividido em trs fases, sendo a primeira a desagregao das partculas do solo que a mais importante, consistindo no desprendimento ou separao de grnulos individuais ou agregados