Espírito Santo

of 59 /59
Conteúdo Páginas Cachoeiro de Itapemirim 1 Espírito Santo (estado) 14 Referências Fontes e Editores da Página 55 Fontes, Licenças e Editores da Imagem 56 Licenças das páginas Licença 58

Embed Size (px)

description

Sobre o estado do Espírito Santo

Transcript of Espírito Santo

ContedoPginasCachoeiro de Itapemirim Esprito Santo (estado) 1 14

RefernciasFontes e Editores da Pgina Fontes, Licenas e Editores da Imagem 55 56

Licenas das pginasLicena 58

Cachoeiro de Itapemirim

1

Cachoeiro de ItapemirimMunicpio de Cachoeiro de Itapemirim"Princesa do Sul" "Capital do mundo" "S Capixaba"

Vista noturna de Cachoeiro de Itapemirim

Hino Fundao Gentlico Prefeito(a) 11 de novembro de 1890 (122ano) cachoeirense Carlos Castiglione (PT) Localizao

Cachoeiro de Itapemirim

2

Localizao de Cachoeiro de Itapemirim no Esprito Santo

Localizao de Cachoeiro de Itapemirim no Brasil 20 50' 56" S 41 06' 46" O Unidade federativa Mesorregio MicrorregioEsprito Santo

Sul Esprito-santense IBGE/2008

[1] [1]

Cachoeiro de Itapemirim IBGE/2008

Municpios limtrofes Castelo, Vargem Alta, Itapemirim, Atlio Vivcqua, Muqui, Alegre e Jernimo Monteiro Distncia at a capital 139 km Caractersticas geogrficas rea Populao Densidade Altitude Clima Fuso horrio 876,792 km[2] [3]

209878 hab. Censo IBGE/2010 239,37 hab./km 36 m tropicalAw UTC3

Indicadores IDH PIB 0,77 mdio PNUD/2000[4] [5]

R$ 2,25293e+06 mil IBGE/2008

Cachoeiro de Itapemirim

3[5]

PIB per capita

R$ 11323,4 IBGE/2008

Pgina oficial

Cachoeiro de Itapemirim um municpio brasileiro do estado do Esprito Santo. Sua populao de 209878 habitantes [3], sendo assim a quinta cidade mais populosa do Estado. A cidade ficou nacionalmente conhecida por causa da msica Meu Pequeno Cachoeiro, cantada por Roberto Carlos, nascido na cidade.

GeografiaO municpio est situado no sul do estado, s margens do rio Itapemirim, ocupando uma rea de 892,9km. Localiza-se a 2050'56" de latitude sul e 4106'46" de longitude oeste, a uma altitude mdia de 35 metros, sendo o bairro de menor altitude Centro - 35 metros - e o de maior altitude Condomnio Residencial Montanha - 210 metros. O municpio fica a 139 quilmetros da capital, Vitria e 160 Km da cidade de Carangola. Cachoeiro de Itapemirim situa-se na zona fisiogrfica Serrana do Sul, s margens do rio Itapemirim, no ponto em que este deixa o planalto cristalino - onde forma corredeiras ("cachoeiros", "caches") - e entra na plancie litornea. Entre os vrios picos das redondezas sobressaem o do Itabira (600m) e os do Frade (370m) e da Freira. Esses picos fazem parte da frente escarpada e contnua de serras, que, constitudas por uma srie de cabeos e pontes, se alinham na fachada costeira do sul do estado.Pr do sol no Rio Itapemirim em Cachoeiro de Itapemirim.

ClimaCachoeiro de Itapemirim possui um clima Tropical, com veres midos e quentes. considerada uma das cidades mais quentes do Esprito Santo, juntamente com Colatina, Castelo e Alegre. Isso deve-se ao fato da cidade ser cercada pelos Mares de Morros, que em alguns pontos ultrapassam os 500 metros, como o caso do Morro das Andorinhas. Essas formaes impedem a circulao do ar, causando o calor e a sensao de abafamento. Em determinados meses do ano como, em dezembro, janeiro e fevereiro, a temperatura em Cachoeiro de Itapemirim pode chegar aos 40C. Nesses meses, o calor muitas vezes excessivo, combinado com a umidade proveniente do rio Itapemirim, proporciona a formao de nuvens de Temporais, que vm acompanhadas de chuva, ventos fortes e ocasionalmente granizo, que em sua maioria duram entre 15 e 40 minutos. Apesar de sua curta durao, esses temporais so capazes de trazer transtornos cidade. Nos meses de maro, abril e maio, a temperatura ainda alta, mas no costuma passar dos 35C, apesar de existirem excees, elas geralmente so ocasionais. J nos meses de junho, julho, agosto e setembro, a temperatura da cidade entra em declnio, com a chegada das Frentes Frias, que trazem chuva, alta nebulosidade e geralmente frio. Nos dias em que essas frentes frias atuam na cidade, a temperatura chega a no passar dos 20C. Em sua maioria os dias de inverno em Cachoeiro no so quentes, as temperaturas normalmente ficam em torno de 23C - 26C, mas com a aproximao da Primavera as mesmas podem chegar aos 30C. As temperaturas mnimas nas noites sem nenhuma nebulosidade, ou seja, cu limpo, podem chegar aos 10C e at abaixo disso com a atuao das Massas de Ar Polares, provenientes da regio da Antrtica. Esses baixos valores, em sua maioria so registrados na madrugada, como no dia 10 de julho de 2011, quando a temperatura chegou aos 10.5C. Em julho de 1975, a temperatura chegou aos 8C, valor esse, provocado por uma grande onda da frio que atingiu quase todo o Brasil. Os mesmos Mares de Morros, que no Vero causam todo o calor de Cachoeiro de Itapemirim, provocam no Inverno o frio intenso. Os morros represam grande parte do ar frio, que nas noites sem nebulosidade desce para a superfcie, resfriando-a rapidamente. So nesses dias que os

Cachoeiro de Itapemirim casos de temperatura prxima aos 10C, so vistos, porm so excees e s ocorrem com fortes ondas de frio. Nesses meses a temperatura mxima mdia de 28C e a mnima de 15C. Com certeza, Cachoeiro de Itapemirim tem suas particularidades, oferecendo assim, frio e calor. Nos ltimos anos o frio em Cachoeiro tem aumentado significativamente, trazendo populao acostumada com o forte calor a sensao de muito frio. A menor temperatura j registrada em Cachoeiro de Itapemirim, foi em Julho de 1994, quando fez 4,2C. A maior temperatura j registrada foi de 42,5C e Fevereiro de 2009. Em 2011, a menor temperatura registrada foi de 8C, sendo essa uma das menores j regitradas na dcada.

4

Distritos So Vicente Pacotuba Burarama Coutinho Conduru Itaca Crrego dos Monos Gironda

Vargem Grande de Soturno

HistriaO nome da cidadeO governador Francisco Alberto Rubim, que pode ser considerado o fundador da cidade, escreveu num ofcio datado de julho de 1819, ao referir-se medio de uma estrada que ele mandou abrir: "Principia prximo do Quartel da Barca que fiz levantar na margem Sul do Rio Itapemirim defronte primeira cachoeira seis lguas para o serto da vila que fao meno". O mesmo Rubim, em ofcio endereado ao Conde da Barca, em junho de 1816, grafou conforme se pode ler no original: " O primeiro caxoeiro dista dela (Vila do Itapemirim) seis lguas". Um outro governador da provncia, Machado de Oliveira, ao transcrever esse documento, em 1856, na Revista do Instituto Histrico, modificou o texto e a grafia: " O primeiro cachoeiro deste rio dista da vila seis lguas". Jos Fernandes da Costa Pereira Jnior, a cujo encargo tambm esteve confiado o governo capixaba, oficiava, em 1863, Ao Assembleia Legislativa Provincial: "Ponte sobre as Caxoeiras de Itapemirim: orada em dois contos de ris". Num livro de notas, pertencente a um cartrio campista, estava registrada, em 1736, referncia a um pioneiro na fundao da Aldeia de So Fidlis, no Paraba, lendo-se: " chegando por bem duas vezes a acudir com quase toda a famlia humanas trs lguas ou mais desta Aldeya para cima por Cachoeiros quase inavegveis". Quando na freguesia de So Pedro do Cachoeiro, se editou o seu primeiro jornal: "O Itabira", isto , em 1866, ainda no estava firmada a grafia do nome do lugar. No corpo de redatores do jornal, destacava-se a colaborao de Baslio Daemon, autor de uma Histria Cronolgica da Provncia e em cujas pginas foi grafado Cachoeiro acertadamente, com ch e no masculino. Quatro anos antes, o padre Antunes de Sequeira, no seu poemeto descritivo da provncia, fazia uso da grafia antiquada, do tempo do Governador Rubim. Em 1885 se escrevia o nome certo e por extenso. Alfredo Mrio Pinto, nos "Apontamentos para o Dicionrio Geogrfico do Brasil", registrou: " Da Cmara Municipal dessa cidades recebemos, em 1884, a seguinte informao: A sede do municpio a cidade do Cachoeiro de Itapemirim, que tem recente data, pois que a primeira casa construda foi no ano de 1846".

Cachoeiro de Itapemirim

5

A histriaA histria de Cachoeiro tem incio no ano de 1812, quando o donatrio da capitania do estado, Francisco Alberto Rubim, teve a tarefa de desenvolver o povoamento em nosso Estado. A regio era dominada pelos temidos ndios puris que, porm, no chegaram a ser obstculo aos primeiros desbravadores, atrados pelo ouro nas minas descobertas nas regies compreendidas por Castelo. A primeira incurso exploradora organizada ocorreu entre 1820 e 1825, poca em que foi concedida ao tenente Lus Jos Moreira meia lgua de terras. Na mesma poca foram constitudos postos de policiamento, denominados quartis de pedestres, para proporcionar garantia aos habitantes que haviam se instalado no lugar, prximo do obstculo rural do encachoeiramento do rio, ponto de parada dos raros tropeiros que desciam do serto e iam se acomodando nessas paragens e plantando suas lavouras. O Governador Rubim fez construir margem sul do rio o Quartel da Barca, que foi uma homenagem a Antnio de Arajo e Azevedo - Conde da Barca, ministro dos Negcios Estrangeiros e da Guerra de Dom Joo VI. Com essa iniciativa os povoadores tiveram proteo contra as incurses dos ndios puris e botocudos, que hostilizavam aqueles que percorriam a regio procura do ouro que os rios prometiam, ou at mesmo os lavradores que desejavam trabalhar a terra com plantao de cana-de-acar. Por determinao do governador Rubim havia um patrulhamento realizado por pedestres, que descia do Cachoeiro at a Vila de Itapemirim, prosseguindo at o Quartel de Boa Vista, situado na barreira do Siri, em frente a Ilha das Andorinhas, regressando ao ponto de partida, alternando em sentido contrrio com a patrulha do Quartel de Boa Vista. A patrulha de pedestre era construda por negros livres, comandada por um alferes. Os quartis tiveram seus efetivos aumentados, e foi nos seus arredores que comeou a formao dos primeiros ncleos populacionais com pequenas plantaes de mandioca, bananeiras e cana-de-acar. A pesca e a caa davam condies fartas aos habitantes. Comeava a lenta penetrao no territrio dos silvcolas para o domnio dos desbravadores. Os fazendeiros de Itapemirim comeavam a estender suas propriedades pelas margens do rio, sendo que, onde hoje est plantada nossa cidade foram fazendas pertencentes, outrora, a alguns deles, entre os quais citamos Joaquim Marcelino da Silva Lima (Baro de Itapemirim), figura principal do sul do territrio naquela poca, Manuel Jos Esteves de Lima, um portugus que criou cidades e povoaes no sul do Estado.

O progressoGrandes latifundirios dominavam a regio de Itapemirim. Da Vila, estendiam sua soberania at Cachoeiro. Os Gomes Bittencourt, que eram adversrios polticos de Silva Lima, subiram pela margem esquerda at o atual bairro Aquidaban, enquanto o Baro de Itapemirim dominava toda margem direita, at as terras do Bananal prximo a Duas Barras. Durante a fase da cana-de-acar Cachoeiro era um povoado perdido margem do rio Itapemirim. O incio da transformao ocorreu na dcada de 50 do sculo XIX. De um lado do rio existiam vinte fazendas de acar, em sua maioria desenvolvidas a vapor. Essas fazendas abasteciam de aguardente e acar toda a provncia e exportava ainda, em grande quantidade, para o Rio de Janeiro. A arrecadao do sul da provncia era basicamente caf e um pouco de cana, que j vivia sua fase de decadncia. A primeira casa construda em Cachoeiro de Itapemirim foi de Manuel de Jesus Lacerda no ano de 1846, logo depois foram surgindo as primeiras casas comerciais no centro da vila prxima antiga matriz do Senhor dos Passos, sede da freguesia de So Pedro de Cachoeiro de Itapemirim. As casas se concentravam na rua Moreira, marginal ao rio, ou pelas suas transversais. Seu nome tambm constava na lista de Joaquim Pires de Amorim forneceu, dentre os cidado que se estabeleceram no lugar entre os anos de 1840 a 1855. Os outros nomes relacionados so os de Pedro Dias do Prado, Incio de Loiola e Silva (que possua fazenda da Conceio), Jos Pires do Amorim (fazenda Boa Esperana), Antnio Francisco Moreira (fazenda da Gruta),

Cachoeiro de Itapemirim Antnio Pinto da Cunha, Jos Pinheiro de Sousa Werneck (fazenda Santa Teresa do Sumidouro), Bernadino Ferreira Rios e Francisco de Sousa Monteiro (fazenda Monte Lbano). Curiosamente, encabeando a lista, aparece o nome do suo Jean Moulaz, que j se achava na regio desde 1837, segundo consta em documento lavrado em 1841. Quanto a Manuel de Jesus Lacerda, consta que era proprietrio da fazenda Cobia. Fazenda Bananal de Cima e Fruteira de Baixo (do Baro de Itapemirim), a fazenda Valo (de Severiano Monteiro de Sousa), a fazenda Aquidaban (de Ildefonso de Silveira Viana), a fazenda Pau Brasil (de Francisco Salles Ferreira), a Fazenda Fruteira de Cima (de Aurlia Souto Machado, casada com Manuel de Arajo Souto Machado), a fazenda Safra (da viva Josefa Souto Belo, administrada pelo irmo, Major Urbano Rodrigues Souto). Pelos seus empreendimentos e coragem esse primeiro ncleo de povoadores foi bastante elogiado junto Corte pelo presidente da provncia, Sebastio Machado Nunes, quando de sua visita regio do Itapemirim.

6

Desenvolvimento do comrcioManuel Cipriano da Franca Horta estabeleceu a primeira casa de comrcio, numa das dependncias do Armazm do Baro de Itapemirim, aps abrir um pequeno colgio que teve curta durao. A partir da criao da freguesia de So Pedro das Cachoeiras do Itapemirim, em 16 de julho de 1856, o lugarejo no parou de crescer. O povoado contava com cerca de trs mil e quinhentas pessoas, das quais aproximadamente duzentas e dez pessoas eram escravas. O comrcio foi aos poucos se desenvolvendo, surgiram as casas comerciais de Loiola & Silva, Jorge & Irmo, Quintais & Viveiros, Jernimo Francisco, Bernardino Ferreira Rios, Lus Bernardino da Costa (que tinha um servio de pranchas para transporte de mercadorias), Marques Guardia & Cia., Pedro Teixeira Duarte, Casa Mineira, Casa Samuel (do francs Samuel Levy, que aqui chegou vendendo jias) e Manuel Jos de Arajo Machado.

A primeira ponte da cidadeEra presidente da Cmara o doutor Gil Goulart. De acordo com o presidente da provncia ficou resolvido que se arranjasse com os capitalistas de Cachoeiro dinheiro emprestado para construir uma ponte sobre o rio Itapemirim. A construo foi entregue ao tenente-coronel Ildefonso da Silveira Viana, que a apresentou concluda no dia 10 de junho de 1887. Ela foi construda pois a cidade tinha necessidade de uma ponte que permitisse a ligao entre as duas margens. Sua estrutura metlica foi importada da Alemanha. O local mais apropriado estava situado entre as casas de negcios dos portugueses, capito Lus Bernardino da Costa e Manuel Jos de Arajo Machado, quase em frente via de que dava acesso ao Largo de So Joo, do lado sul, com acesso ao lado norte Chcara de Gil Goulart. A ponte tinha cento e quatorze metros de comprimento, trs metros e meio de largura, dezesseis de altura. Foram construdas ainda as praas Gil Goulart, na extremidade norte da ponte, e a Coronel Silveira, no lado sul. As despesas com a construo da ponte foram amortizadas com dinheiro arrecadado de pedgio, possivelmente o primeiro do Estado. Esse sistema vigorou at 1920, quando a passagem foi liberada ao povo gratuitamente. Com a era do automvel a ponte se tornou obsoleta, obrigando a construo da ponte Fernando Abreu, inaugurada em 3 de fevereiro de 1954, ao lado da antiga, que teve sua estrutura metlica vendida como sucata em 1965. O custo da ponte foi de Rs. 47:610$912, mas depois de concluda seu valor chegou a mais de 60:000$000 reis.

Cachoeiro de Itapemirim

7

Navegao do rio ItapemirimNos primrdios de Cachoeiro, isto , em 1868, o seu vigrio Manuel Leite Sampaio Melo relatava ao presidente da provncia que o rio Itapemirim, nas ocasies das secas, forava os canoeiros a levarem ps e enxadas para irem abrindo caminho em valas, minuciando: " A razo ser ele todo cheio de voltas e bastante entulhado de paus; tem meses que fazem as viagens em quatro dias e outros em oito e nove". A findar a Guerra do Paraguai, o capito Henrique Deslandes, paranaense de Paranagu, que lutara como voluntrio, foi-se estabelecer no Esprito Santo, montando atelier fotogrfico em Vitria. De l, transferiu-se para Vila de Itapemirim. O progresso da regio, aquele movimento crescente de cargas e passageiros, animou-o a pleitear, junto ao Governo, concesso a vapor do Rio Itapemirim, tendo firmado contrato com lei provincial de 1872. O Capito Deslandes fez uma sociedade com Manuel Ferreira Braga (Braga & Deslandes), adquirido, na Barra do Itapemirim, o trapiche de Silva Lima & Braga, cujo primeiro proprietrio fora o Baro de Itapemirim. Somente a 3 de abril do ano seguinte ao compromisso firmado, era inaugurado o servio, com quatro vapores: dois de rodas e dois de hlices. Pouco depois, foi providenciada a aquisio de mais dois vapores e uma barca de passageiros, e encomendado outro vapor na Inglaterra. Muito embora o calado das embarcaes atendesse o especificado no contrato, nas grandes secas a navegao era completamente interrompida durante meses. A acomodao dos passageiros era o que deixava muito a desejar: era apertada na r, com todo o desconforto. Tantos tropeos relegaram o vapor ao desprezo dos passageiros e do transporte de cargas, permanecendo quase que sempre s para carregar malas do correio. Em trs de abril do ano seguinte, Simo Rodrigues Soares, da Barra do Itapemirim, conseguiu dos cofres geral e provincial reinaugurar a navegao com um novo vaporzinho Trs de Abril.

A evoluo com a ferroviaA ideia do projeto com a ferrovia foi apresentada Assembleia Provincial pelo historiador, jornalista e deputado estadual, Baslio Carvalho Daemon, em 31 de outubro de 1872. Portanto, quatorze anos antes de bater a primeira estaca. A princpio a concesso foi dada ao capito Henrique Deslandes e depois transferida ao Visconde de So Salvador de Matosinhos, presidente da Companhia de Navegao Esprito Santo e Caravelas. Um vapor foi fretado para transportar de Anturpia at a Barra do Itapemirim parte do material da ferrovia. Em 8 de dezembro de 1886, o engenheiro Pedro Scherer iniciou a montagem da locomotiva e o assentamento dos trilhos. A estrada tinha 71km de extenso. Partia da Vila de Cachoeiro at a estao do entroncamento de Matosinhos, em Duas Barras, de onde seguia em um ramal para Castelo e em outro para Alegre. A ferrovia tinha bitola estreita e trs locomotivas Baldwin, pesando cada uma 27 toneladas. As opes eram, um carro de primeira classe; dois mistos; dois de segunda classe; dois de correio e bagagem; 18 vages fechados; seis abertos; um para transporte de animais; um para explosivos; dois para madeiras e seis de lastros. Anos mais tarde, a linha da estrada de ferro Caravelas passou a ser propriedade do Lide Brasileiro. Em 1907 se submeteu ao poder da Leopoldina, j que estava hipotecada a uma empresa de Londres. O traado de Cachoeiro a Alegre passou a integrar o chamado sul da Leopoldina, ligando Cachoeiro a Carangola (Estado de Minas Gerais). O novo ramal at Minas foi inaugurado em 24 de novembro de 1913. J naquela poca, a capital capixaba do caf tinha vnculos mais estreitos com o Rio de Janeiro, a capital Federal, do que com Vitria. No final do sculo passado, os trilhos do Rio e de Vitria se aproximaram de Cachoeiro. Com dificuldades, a estrada de Ferro Sul concluiu seu primeiro trecho em 1895: o de Vitria-Viana. Em 1900 estava pronto o trecho Vitria-Domingos Martins. Em 1910 a ferrovia sulista completava a to sonhada ligao entre Vitria e Cachoeiro. Como tinha passado tanto tempo, tudo j havia mudado. Desde 1903 j tinham chegado a Cachoeiro os trens da Leopoldina, com matriz no Rio, contribuindo, assim, para fortalecer os laos econmicos entre

Cachoeiro de Itapemirim o Rio de Janeiro e a nossa cidade.

8

Datas histricas importantes 1853 - Criao da 1 casa comercial 1856 - Celebrao da 1 missa no municpio criada a Freguesia de So Pedro do Cachoeiro Inaugura-se a 1 Escola Primria 1858 - Inaugura-se a agncia de Correios 1864 - Cachoeiro elevada a categoria de vila 1866 - Circula o 1 nmero do jornal "O Itabira" 1867 - Instalao da Cmara Municipal 1876 - Criao da Comarca de Cachoeiro de Itapemirim 1887 - Inaugura-se a iluminao pblica a lampies de querosene, pelo sistema belga 1889 - A Vila de Cachoeiro elevada a categoria de cidade Instalada a 1 agncia de Telgrafos 1900 - Instalao da Santa Casa de Misericrdia Fundado o Caadores Carnavalescos Clube Inaugurao da Estao da Leopoldina Railway, com o nome Muniz Freire 1903 - Inaugurao do prdio da Cmara Municipal Inaugurao da Usina da Ilha da Luz Inaugurao do Sistema de Iluminao Eltrica 1907 - Fundao do Centro Operrio e de Proteo Mtua 1910 - Inaugurao da Ponte de Ferro com a presena do Presidente Nilo Peanha 1914 - Posse do 1 Prefeito de Cachoeiro., Cel. Francisco de Carvalho Braga 1916 - Funda-se o Estrela do Norte Futebol Clube e o Cachoeiro Futebol Clube 1931 - Fundao da Sociedade Musical "26 de julho." 1947 - Fundao da Casa do Estudante 1948 - O Cachoeiro Futebol Clube, se torna Campeo Capixaba 1950 - Fundao do Centro de Sade 1952 - Fundao da Viao Itapemirim 1959 - Instalao da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim 1964 - Fundao da Faculdade de Filosofia, Cincias e Letras "Madre Gertrudes de So Jos." 1965 - Fundao da Faculdade de Direito Dcada de 70 - Expanso Industrial no Municpio. Montagem da TV a Cor no Municpio 1979 - Fundao da Rdio Tribuna FM 1982 - Fundao da Rdio Cidade FM 1985 - Tombamentos - Igreja Nosso Senhor dos Passos Escola Bernardino Monteiro 1988 - Montagem da TV Cachoeiro (Transmissora) 1989 - Fundao da Rdio Diocesana 1996 - Implantao do Plano Diretor Urbano (Lei 4.172//96)

Tombamentos da Casa da Memria, Casa dos Braga, Mercado Municipal, Matadouro Municipal, Chafariz da Pa Jernimo Monteiro, Centro Operrio e de Proteo Mtua, Sociedade Musical "Lira de Ouro" e Ponte Francisco Alves Athayde 1997 - Fundao da Torcida Jovem Estrela, no dia 15 de fevereiro de 1997. Desde ento a maior e mais fantica torcida organizada do Estrela do Norte Futebol Clube 2000 - Instalao do novo prdio da APAE Inaugurao do Teatro "Rubem Braga" Implantao da Linha Vermelha e da Rodovia do Contorno Instalao do Instituto do Corao Inaugurao do Centro de Cincias e Artes "Bernardino Monteiro" 2001 - Primeiro show da carreira da cantora Wanessa Camargo, no Parque de Exposies.

Cachoeiro de Itapemirim 2001 - O Cachoeiro Futebol Clube joga contra o Fluminense no Estdio do Maracan, no Rio de Janeiro, pela Copa do Brasil, perdendo por 2 x 1 2009 - Roberto Carlos realiza show de 50 anos de carreira no estdio do Sumar. Evento conta com ampla cobertura da mdia nacional. 2012 - Chega o sinal digital para TV em Cachoeiro de Itapemirim.

9

PolticaEmbora a emancipao poltica tenha ocorrido em 1867, somente a partir de 1914 Cachoeiro de Itapemirim passou a ser governado por prefeitos. Antes, denominava-se intendente a principal autoridade do executivo, cargo que era por vezes acumulado com o de presidente da Cmara.

HinoO hino da cidade de Cachoeiro de Itapemirim de autoria do cantor e compositor cachoeirense Raul Sampaio, chamado de Meu Pequeno Cachoeiro, e decretado oficialmente como hino da cidade pela lei municipal n 1072/66.

EconomiaPrincipal centro econmico do sul do Esprito Santo, Cachoeiro de Itapemirim a segundo plo mais importante do estado, depois da conurbao de Vitria, a capital. Cachoeiro possui uma das maiores jazidas de mrmore do Brasil e um centro internacional de rochas ornamentais, sendo o responsvel pelo abastecimento de 80% do mercado brasileiro de mrmore. A cidade bero de grandes empresas com destaque para a Viao Itapemirim e a Itabira, a maior Fbrica de Cimento do Grupo Joo Santos, segundo maior produtor de cimento do Pas.[carecede fontes?] Cachoeiro de Itapemirim hoje sobretudo um centro de extrativismo e beneficiamento mineral (mrmores, granitos e moagem de calcrio). Na indstria sobressai a produo de cimento, calados e laticnios, havendo tambm significativa pecuria e cafeicultura. Plo educacional do sul capixaba, o municpio conta com estabelecimentos de ensino superior.

Desenvolvimento econmicoAt meados do sculo XIX, o povoamento deste territrio e suas imediaes tiveram pouco desenvolvimento pois, ainda, iniciava-se a expanso cafeeira mineiro-fluminense na regio. Na realidade o seu povoamento ocorreu nas primeiras dcadas do sculo XVIII, pela incansvel busca de ouro em Castelo, situadas no alto curso da bacia do rio Itapemirim em afluente o rio Castelo. Entretanto, mesmo sendo o ouro a base da economia naquele momento, foi o caf o grande responsvel pelo crescimento desta regio. Com a expanso da Companhia de Jesus (a ordem que congregava os jesutas), no tempo do Marqus de Pombal, o surgimento de povoamento foi de curta durao. Geograficamente, o acesso a regio era difcil, caracterizada como regio montanhosa, com seus vales em garganta, bastante inclinados, formando ladeiras e, ainda, coberta de florestas fechadas. O que contribuiu para que at o sculo XIX ficasse desconhecida e de posse dos nativos. O combate aos indgenas, se tornou cada vez mais intenso, dificultando o estabelecimento dos mineradores. Cachoeiro de Itapemirim era entreposto de comercializao dos produtos agrcolas, tornando-se centro urbano, com funes mais diversificadas com o advento da chegada do caf. A explorao desse interior montanhoso veio das regies do sul do Rio de Janeiro e oeste de Minas Gerais, por serem limites com o sul do Estado do Esprito Santo. O processo de expanso agrcola, liderado pelo caf, iniciou-se atravs dos desmatamentos das florestas para a formao dos cafezais, seguindo o curso do Rio Itapemirim, vindos do Rio e de Minas. O Estado do Esprito Santo marcado historicamente por grandes correntes imigratrias. As primeiras que se destacam so as formadas por austracos e alemes. Especificamente para o sul do Estado dirigiam-se os italianos, solidificando no o s o jeito de

Cachoeiro de Itapemirim viver, mas em especial o estilo da produo cafeeira em bases familiares, uma vez que a Abolio da Escravatura ocorreu no final do sculo XIX, o regime passou a ser o de relao de parceria. O ramal de extenso da Rede Ferroviria Leopoldina implantado em 1912, servia para o escoamento da produo cafeeira. A ferrovia era ligada ao Estado de Minas Gerais e ao Municpio de Castelo e o porto Itapemirim era tambm utilizado para o escoamento. Com a decadncia do caf, a atividade primria que substituiu foi a pecuria, sobretudo a leiteira. A criao da Cooperativa de Laticnio (SELITA), antecedida pela fundao do Sindicato Rural dos Lavradores e Criadores, em 1934, foi de fundamental importncia para que a pecuria se tornasse base de apoio para a economia do Sul do Esprito Santo. Apesar da predominncia da pecuria apareceu recentemente e nova cafeicultura com o plantio em curva de nvel, utilizando tcnicas mais avanadas com o apoio de rgos federais. Cachoeiro de Itapemirim foi a dcima cidade do pas e a primeira do Estado a adquirir luz eltrica, com uma usina instalada na Ilha da Luz. Sua situao geogrfica favoreceu tambm a implantao de indstrias devido facilidade dos meios de transporte, alm das condies naturais propcias. Inicialmente as primeiras indstrias eram estatais e com maquinrios importados, onde algumas chegaram a funcionar e outras foram passadas para iniciativa privada. Os dados do censo demostraram que at 1960, o crescimento desse setor foi lento, porm gradual. Mas, de 1960 a 1970 o incremento foi bem maior no que diz respeito ao nmero de estabelecimentos que surgiram, nmero de pessoal ocupado e o valor das transformaes industriais. A partir da dcada de oitenta at os dias de hoje, o ramo de maior desenvoltura na economia Municipal de extrao de minerais, classificando o municpio de: Capital do Mrmore e Granito. Hoje, o municpio de Cachoeiro de Itapemirim o ncleo urbano mais importante do sul do Estado do Esprito Santo, estando situada na sua parte central a uma distncia de 136km de Vitria, beneficiado por boas rodovias permitindo a concentrao e a distribuio de bens e servios para municpios vizinhos. Cachoeiro de Itapemirim polariza econmica e politicamente um conjunto de 20 municpios, que formam a regio macro sul, onde residem 15,7% da populao capixaba, ocupando 17,7% do territrio estadual.[carecede fontes?]

10

Ciclos da economia que fizeram a histria do municpio Ouro Cana-de-acar Caf Pecuria Indstria de mrmore e granito

TurismoH grandes atrativos turstico-geolgicos como o Frade e a Freira, o Pico do Itabira, Pedra da Ema e o Pico da Pedra da Penha que considerado o ponto mais alto do municpio de onde pode-se ver o Oceano Atlntico, possuindo uma trilha em meio a mata que possivel chegar ao seu cume, no qual, possui uma capela de Nossa senhora da Penha e um cruzeiro, em suas proximidades existe a Cachoeira Alta. No mbito cultural, a Casa de Cultura Roberto Carlos, reconhecida como patrimnio histrico do municpio, atrai muitos turistas por ser o lugar onde nasceu e viveu por anos o cantor Roberto Carlos. A casa foi comprada pela prefeitura municipal e aberta a visitao no dia 13 de novembro de 2000, expondo fotos e demais curiosidades sobre o cantor.[6] Alm disso, o municpio acolhe a nica fbrica de pios de ave da Amrica do Sul, a Fbrica de Pios Maurlio Coelho com mais de 100 anos de existncia. Os pios so feitos em madeiras nobres proveniente de razes de rvores extradas no passado.

Cachoeiro de Itapemirim

11

Pico do Itabira

Pedra da Ema

Pedra da Penha

Casa de Cultura Roberto Carlos Outras fotos

Praa Jernimo Monteiro

Vista da Catedral de So Pedro

Praa de Ftima

Edifcio Bernardino Monteiro

Cachoeiro de Itapemirim

12

Casa dos Braga

Interior da Igreja Matriz Nosso Senhor dos Passos

Vista noturna da Ponte de Ferro Demisthclides Baptista

Vista parcial da cidade

Vista do Centro de Cachoeiro de Itapemirim

Formao rochosa "Frade e a Freira"

Serra do Bairro Tijuca

Uma ponte sobre o Rio Itapemirim

CulturaNo municpio, promovem anualmente muitos eventos com artistas locais e nacionais. Muitos eventos so promovidos por empresas particulares e tambm pela prpria prefeitura. Todos os anos acontece tambm, a Feira do Mrmore e Granito no parque de Exposies Carlos Caiado Barbosa, que atrai expectadores de diversos paises. No ramo mineral, o mrmore e o granito influenciam diretamente a cultura e economia local e nacional. Apesar de ser condicionado por acesso restrito, o evento organizado por empreendedores privados e, pela prefeitura municipal, a Feira do Mrmore e Granito atrai muitos olhares, principalmente por parte juventude empreendedora.

TeatroA cidade de Cachoeiro de Itapemirim j contou com vrios outros espaos para a cultura, porm o atual o Teatro Municipal Rubem Braga. J passaram vrios atores e cantores nacionalmente reconhecidos.

MsicaA cidade possui o melhor Coro Jovem do pas (Coro Jovem SIB), este grupo dotado de uma harmonia angelical e incomparvel, como Fachada do Teatro Municipal Rubem Braga. resultado j recebeu diversos prmios e ttulos, inclusive no cenrio internacional. Como j era de se esperar a eleio para a presidncia do coro 2011 foi muito disputada, e como resultado final foi eleito o Sr. Lucas Ribeiro Garioli (Luckete), que se comprometeu a elevar o patamar do nvel tcnico e organizacional dos coristas a um ponto j mais alcanado em todo histria sibciana. A msica em Cachoeiro de Itapemirim muito importante para a cidade pois revelou o maior cantor do Brasil, o Rei Roberto Carlos, o Srgio Sampaio, Joo Moraes e a Patulia, o Ao Doce, a Reza Forte, o Musical Magia, a banda Rezza, Duda Felippe, Projeto Feijoada, e outros cantores e bandas espalhados pelo Brasil a fora.

Cachoeiro de Itapemirim

13

Documentrio Cachoeiro em Trs Tons

EsportesA cidade tem dois clubes de futebol que disputam o Campeonato Capixaba: Estrela do Norte Futebol Clube que tem sede no Estdio Sumar e o Cachoeiro Futebol Clube, quem manda seus jogos no Estdio Moreira Rebello. Cachoeiro terra natal do jogador de futebol Maxwell Andrade, que j jogou no Ajax e Inter de Milo Barcelonae atulmente no Paris Saint-Germain, e do lateral Ramon atulmente no Flamengo [7] e da atleta de voleibol de praia Larissa Frana.

Futebol Estrela do Norte Futebol Clube Torcida Jovem Estrela Cachoeiro Futebol Clube

Cidados ilustres Raul Sampaio Rubem Braga Newton Braga Roberto Carlos Carlos Imperial Srgio Sampaio Luz del Fuego

Ligaes externas Guia de Cachoeiro de Itapemirim [8] Portal da Cidade [9] Pgina da prefeitura [10]

Referncias[1] Diviso Territorial do Brasil (ftp:/ / geoftp. ibge. gov. br/ Organizacao/ Divisao_Territorial/ 2008/ DTB_2008. zip). Diviso Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica (IBGE) (1 de julho de 2008). Pgina visitada em 11 de outubro de 2008. [2] IBGE (10 out. 2002). rea territorial oficial (http:/ / www. ibge. gov. br/ home/ geociencias/ cartografia/ default_territ_area. shtm). Resoluo da Presidncia do IBGE de n 5 (R.PR-5/02). Pgina visitada em 5 dez. 2010. [3] Censo Populacional 2010 (http:/ / www. ibge. gov. br/ home/ estatistica/ populacao/ censo2010/ populacao_por_municipio. shtm). Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica (IBGE) (29 de novembro de 2010). Pgina visitada em 11 de dezembro de 2010. [4] Ranking decrescente do IDH-M dos municpios do Brasil (http:/ / www. pnud. org. br/ atlas/ ranking/ IDH-M 91 00 Ranking decrescente (pelos dados de 2000). htm). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Naes Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Pgina visitada em 11 de outubro de 2008. [5] Produto Interno Bruto dos Municpios 2004-2008 (http:/ / www. ibge. gov. br/ home/ estatistica/ economia/ pibmunicipios/ 2004_2008/ ). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica. Pgina visitada em 11 dez. 2010. [6] Casa de Cultura Roberto Carlos (http:/ / www. cachoeiro. es. gov. br/ casaroberto/ acasa. asp). [7] [[Categoria:!Artigos com citaes quebradas (http:/ / globoesporte. globo. com/ Esportes/ Noticias/ Futebol/ espanhol/ 0,,MUL1290187-9845,00-BRASILEIRO+ MAXWELL+ TREINA+ NORMALMENTE+ NO+ BARCELONA+ APOS+ SUSTO. html)] Ttulo no preenchido, favor adicionar].

Cachoeiro de Itapemirim[8] http:/ / www. cachoeirodeitapemirim. org/ [9] http:/ / www. ciol. com. br [10] http:/ / www. cachoeiro. es. gov. br

14

Esprito Santo (estado)Estado do Esprito Santo

(Bandeira)

(Braso)Lema: Trabalha e Confia Hino: Hino do Esprito Santo Gentlico: capixaba ou esprito-santense

Localizao - Regio - Estados limtrofes - Mesorregies - Microrregies - Municpios Capital Governo - Governador(a) Renato Casagrande(PSB) Sudeste Bahia (a nordeste), Minas Gerais (a oeste) e Rio de Janeiro (sul) 4 13 78 Vitria

Esprito Santo (estado)

15

- Vice-governador(a) Givaldo Vieira(PT) - Deputados federais 10 - Deputados estaduais 30 - Senadores Ana Rita Esgrio (PT) Magno Malta (PR) Ricardo Ferrao (PMDB)

rea - Total Populao - Estimativa - Densidade Economia - PIB - PIB per capita Indicadores - Esper. de vida - Mort. infantil - Analfabetismo - IDH (2005) Fuso horrio Clima Cd. ISO 3166-2 Site governamental 46077,5 km(23) [1] 2010 3512672 hab.(14)[2] 76,23 hab./km(7) 2010 R$82.122.000(11) R$23.378(6) 2008[3] 70,4anos(8) 18,3 nasc.(7) 8,8%(10) 0,802(7)elevado[4] UTC-3 tropical de altitude, Tropical Cwa, Cwb, Aw BR-ES www.es.gov.br [5]

Esprito Santo uma das 27 unidades federativas do Brasil. Est localizado na regio Sudeste e tem como limites o oceano Atlntico a leste, a Bahia a norte, Minas Gerais a oeste e noroeste e o estado do Rio de Janeiro a sul, ocupando uma rea de 46077,519km. o quarto menor Estado do Brasil, ficando frente apenas dos estados do Sergipe, Alagoas e Rio de Janeiro.[6]

Esprito Santo (estado) Sua capital o municpio de Vitria, e sua maior cidade, o municpio de Vila Velha, fazendo do estado, ao lado de Santa Catarina, o nico entre os estados brasileiros no qual a capital estadual no a cidade mais populosa. Outros importantes municpios so Aracruz, Cariacica, Cachoeiro de Itapemirim, Colatina, Guarapari, Linhares, So Mateus, Serra e Viana. O gentlico do estado capixaba ou esprito-santense.[6] Em 1535, quando os colonizadores portugueses chegaram na Capitania do Esprito Santo e desembarcaram na regio da Prainha, iniciou-se o primeiro ncleo populacional, denominado Vila do Esprito Santo. Devido aos ataques indgenas, o lder Vasco Fernandes Coutinho resolveu fundar outra vila, desta vez em uma das ilhas, que foi chamada de Vila Nova do Esprito Santo (Vitria), enquanto a antiga passou a ser chamada de Vila Velha. Houve um tempo, conhecido por poucos, em que o Esprito Santo foi anexado Bahia, tendo portanto Salvador como capital.[7] Atualmente, a capital Vitria um importante porto de exportao de minrio de ferro. Na agricultura, destaque para o caf, arroz, cacau, cana-de-acar, feijo, frutas e milho. Na pecuria, gado de corte e leiteiro. Na indstria, produtos alimentcios, madeira, celulose, txteis, mveis e siderurgia.[7] O estado tambm possui festas famosas, como a Festa da Polenta em Venda Nova do Imigrante e o Festival de Arte e Msica de Alegre. O Vital (carnaval fora de poca, em novembro) foi extinto.[7] O nome do estado uma denominao dada pelo donatrio Vasco Fernandes Coutinho que ali desembarcou em 1535, num domingo dedicado ao Esprito Santo.[8] Como curiosidade dessa etimologia, merece destaque o Convento de Nossa Senhora da Penha, smbolo da religiosidade capixaba que abriga em seu acervo a tela mais antiga da Amrica Latina, a imagem de Nossa Senhora das Alegrias.[9]

16

EtimologiaEm junho de 1534 foram concedidas cinquenta lguas de litoral entre os rios Mucuri e Itapemirim. A concesso foi feita pelo rei de Portugal Dom Joo III entregando o lote da capitania ao veterano das ndias. Vasco Fernandes Coutinho, um portugus, desembarcou no territrio da capitania, a 23 de maio de 1535, e deu o nome ao futuro estado por ser domingo do Esprito Santo. No mesmo dia foi fundada uma vila, denominada pelo donatrio como Vila do Esprito Santo (atual cidade de Vila Velha).[10] Em 1535, a vila deu o nome capitania, provncia em 1822 e ao estado (1889).[11] Tal fato ocorreu 35 anos aps o Descobrimento do Brasil, conforme tenha sido explicado que a capitania hereditria foi um dos estados mais antigos do Brasil.[10] Os habitantes naturais do estado do Esprito Santo so denominados capixabas (ou esprito-santenses). O gentlico foi dado aos futuros cidados do Esprito Santo devido s roas de milho que ficavam na ilha de Vitria. As roas de milho pertenciam aos ndios, os primeiros habitantes da regio quando os portugueses a chegaram. Tudo leva a crer que a referida assertiva intelectual ajuda a evitar a confuso do nome da unidade federativa brasileira com o nome da terceira pessoa da Santssima Trindade.[12]

Esprito Santo (estado)

17

HistriaPerodo pr-cabralinoInicialmente, a regio era habitada por diversas tribos indgenas,[13] todas pertencentes ao tronco Tupi; as tribos do interior eram chamadas de Botocudos,[13] sendo-lhes atribudo comportamento hostil e belicoso, alm da prtica de antropofagia.[14] No litoral, as tribos tambm eram hostis, porm de hbitos um pouco diferentes.[13] Na regio Sul do actual estado e na regio da serra do Capara, as tribos no eram hostis,[13] e o seu nome deriva de seu hbito de levar os visitantes para "ouvir o silncio" da Serra do Castelo.[13] As demais tribos eram os aimors e os goitacs.[13]

Famlia de ndios botocudos.

Primeiros temposEm 23 de maio de 1535, o fidalgo portugus Vasco Fernandes Coutinho, veterano das campanhas da frica e da ndia, aportou em terras da capitania, que lhe destinara o rei D. Joo III.[15] Como era um domingo do Esprito Santo, chamou de vila do Esprito Santo a povoao que mandou construir nas terras que lhe couberam: cinqenta lguas de costa, entre os rios Mucuri e Itapemirim,[16] com outro tanto de largo, serto adentro, a partir do ponto em que terminava, ao norte, o quinho concedido a Pero de Campos Tourinho, donatrio da capitania de Porto Seguro.[17] A Vila do Esprito Santo hoje a cidade de Vila Velha.[18] Ainda em 1535, a vila passou capitania, em 1822 a provncia e em 1889 a estado.Braso de Vasco Fernandes Coutinho. A fixao da vila foi uma histria de lutas, pois os selvagens no entregaram aos portugueses, sem resistncia, suas roas e malocas. Recuaram at a floresta, onde se concentraram para iniciar uma luta de guerrilhas que se prolongou, com pequenas trguas, at meados do sculo XVII.[17] Foi assim das mais duras a empresa cometida a Vasco Fernandes Coutinho. Para o patriarca do Esprito Santo a capitania foi um prmio que se transformou em castigo; teve de empenhar todos os haveres para conservar sua vila; acabou por morrer pobre e desvalido.[17]

Alm da insubmisso dos indgenas, o donatrio teve de enfrentar as dissenses entre os portugueses. A seus companheiros Jorge de Meneses e Duarte Lemos concedera extensas sesmarias, usando os poderes que recebera juntamente com a carta de doao. Com isso, criou dois rivais implacveis.[17]

Esprito Santo (estado)

18

Duarte de Lemos fundou Vitria chamada de Vila Nova na ilha de Santo Antnio, em posio estratgica, mais vantajosa que Vila Velha para a defesa contra os constantes ataques dos silvcolas. Para l se transferiu a sede da capitania. mesma poca, chegaram os missionrios jesutas, empenhados na catequese, o que provocou choques com os colonos, que preferiam a dominao do gentio pela escravido. A presena do padre Jos de Anchieta deu um sentido muito especial ao dos padres da Companhia de Jesus em terras do Esprito Santo. Desde 1561, Anchieta elegera para seu refgio a aldeia de Reritiba, de onde teve de se afastar constantemente, em virtude de seus encargos, ora em So Paulo, no Rio de Janeiro ou na Bahia. Dois poemas escreveu ele em Reritiba: "De Beata Virgine dei Marte Maria" ("Da Santa Virgem Maria Me de Deus") e "De gestis Mendi de Saa" ("Dos feitos de Mem de S"). Neste ltimo, est descrita a epopia de Jos de Anchieta (1534-1597). uma esquadra enviada da Bahia por Mem de S, governador-geral do Brasil, em socorro a Vasco Fernandes Coutinho e sua gente, que estavam sob cerco dos tamoios na ilha de Vitria. A maior fora dos gentios estava concentrada numa aldeia forrificada junto ao rio Cricar. Ali ocorreu a batalha decisiva, em 22 de maio de 1558. Os portugueses, embora vitoriosos, sofreram pesadas baixas. Entre os mortos estavam o prprio filho de Mem de S, Ferno de S, que comandava a esquadra; e dois filhos de Caramuru (Diogo lvares Correia) com a ndia Paraguau.[19] A posio estratgica da capitania, dada a proximidade com o Rio de Janeiro, ocasionou algumas tentativas estrangeiras de invaso. Em 1592, os capixabas rechaaram uma investida dos ingleses, sob o comando de Thomas Cavendish. Em 1625, o donatrio Francisco de Aguiar Coutinho enfrentou a primeira investida dos holandeses, comandados por Pieter Pieterszoon Heyn,[19] luta em que se destacou a herona capixaba Maria Ortiz.[20] Em 1640, com sete navios, os holandeses atacaram novamente o Esprito Santo, sob o comando do coronel Koin. Conseguiram desembarcar 400 homens, mas foram repelidos pelo capito-mor Joo Dias Guedes e no se firmaram em Vitria. Atacaram ento Vila Velha, de onde foram tambm rechaados. O governo colonial, diante de to repetidos ataques, resolveu destacar para Vitria quarenta infantes da tropa regular.[19] Nessa oportunidade a capitania progride e Koin captura duas naus carregadas de acar que, atingidas pelo fogo de terra, ficam com a carga quase toda avariada.[19]

Thomas Cavendish (1555-1592)

O esgotamento da populao, que nos primeiros tempos, por diversas vezes, ameaara desertar a capitania, bem como a incapacidade de dar seguimento a sua incipiente agricultura, denunciavam a fraqueza dos alicerces em que se baseava a colonizao local. Tambm a os recursos particulares revelaram-se insuficientes para manter empresa to rdua e onerosa.[19] Em 1627, morreu o donatrio Francisco de Aguiar Coutinho, cujo sucessor, Ambrsio de Aguiar Coutinho, no se interessou pelo senhorio e continuou como governador nos Aores. Sucederam-se os capites-mores, com frequentes e srias divergncias entre eles e os oficiais da cmara. Ao atingir a maioridade, em 1667, Antnio Lus Gonalves da Cmara Coutinho, ltimo descendente do primeiro donatrio, conseguiu a nomeao para capito-mor de Antnio Mendes de Figueiredo, governante operoso e estimado. Em 1674 efetuou-se a compra do territrio ao ltimo

Esprito Santo (estado) donatrio da famlia Cmara Coutinho pelo fidalgo baiano Francisco Gil de Arajo, por quarenta mil cruzados, transao confirmada por carta rgia de 18 de maro de 1675.[19]

19

EsmeraldasNo governo do novo donatrio, o comrcio e a lavoura se desenvolveram, mas foi totalmente frustrado o motivo principal da compra da capitania: o descobrimento das "pedras verdes" as esmeraldas. Essa busca comeara por iniciativa do governo-geral. As expedies iniciais, denominadas por alguns historiadores "ciclo esprito-santense", incluem-se na categoria das entradas.[21] Na verdade, o ciclo limitou-se a poucas expedies relevantes, cuja importncia est menos nos resultados obtidos, do que na dinamizao do interesse pela rea e em um maior conhecimento do interior. Entre as mais destacadas, contam-se as de Diogo Martins Co (1596), Marcos de Azeredo (1611) e Agostinho Barbalho de Bezerra (1664), que vasculharam as imediaes do rio Doce. Francisco Gil de Arajo fundou a vila de Nossa Senhora de Guarapari e construiu os fortes do Monte do Carmo e de So Francisco Xavier; o de So Joo, encontrado em runas, foi reconstrudo.[21] Gil de Arajo promoveu 14 entradas atravs do rio Doce, dirigidas serra das Esmeraldas, as quais podem ter travado contato com os paulistas de Ferno Dias Pais. Da grande atividade e do vultoso Escultura de Ferno Dias Pais, exposta no Museu emprego de capital realizados por Francisco Gil no resultou qualquer Paulista. descoberta metalfera, embora se tenham produzido alguns frutos na valorizao das terras, pelo estabelecimento de povoadores e criao de novos engenhos.[21] Os lucros, de qualquer modo, no compensaram o investimento feito. Seu filho e herdeiro, talvez por esse motivo, preferiu conservar-se ausente do senhorio e, por morte deste, a capitania tornou-se devoluta, sendo vendida coroa por Cosme Rolim de Moura, primo do ltimo donatrio. Em consequncia, ficou o Esprito Santo submetido jurisdio da Bahia, e seu governo sempre a cargo de displicentes capites-mores.[21] Durante o sculo XVIII ainda perdurou o interesse pela minerao, reanimado pela descoberta de Antnio Rodrigues Arzo de pequena quantidade de ouro no rio Doce, em 1692. Seguiram-se numerosas entradas, dando incio abertura do caminho para as Minas Gerais, enquanto as jazidas do Castelo e outras atraam moradores de capitanias vizinhas.[21] Assistiu-se a um novo impulso de conquista e ocupao do interior, e as concesses de sesmarias favoreceram a fixao dos colonos mais empreendedores. O movimento desperrou a ateno das auroridades baianas, e acabou prejudicado pelos cuidados do monoplio real e receio de invaso estrangeira s Minas Gerais a partir do Esprito Santo. Tomaram-se ento medidas para fortificar melhor a capitania, enquanto por ordem do rei ficou proibido o prosseguimento das exploraes. Impediu-se a abertura de entradas para as minas. A capitania defendia-se de surpresas martimas e ficava isolada pelas defesas naturais: florestas cerradas e selvagens inimigos.[21] A colonizao, portanto, continuou sem maiores progressos, embora em 1741 fosse criada a comarca de Vitria, que abrangia So Salvador de Campos e So Joo da Barra. Em 1747 o ouvidor Manuel Nunes Macedo assim descrevia a situao de Vitria:[21]

Aqui no h cadeia nem Casa de Cmara, por terem cado de todo e no cuidarem os meus antecessores na sua reedificao (...) pois a Cmara no tem rendimento algum.

Manuel Nunes Macedo,

Esprito Santo (estado) certo que a obstinao dos mineradores e as melhorias efetuadas no sistema de defesa acabaram por diminuir o rigor das proibies e, em 1758, de acordo com ordem rgia, abriu-se um caminho para as minas e estabeleceu-se um posto de quitao na vila de Campos.[21] Em 1797, o regente D. Joo dirigiu-se ao governador da Bahia nesses termos:

20

Dom Joo VI.

Sendo-me devido em particular o reanimar a quase extinta capitania do Esprito Santo, confiada at agora a ignorantes e pouco zelosos capites-mores, fui servido nomear para a mesma governador particular, que ora vos fica subalterno, e escolher um nome de conhecidas luzes [22] e prstimo na pessoa do capito-de-fragata Antnio Pires da Silva Pontes.

Dom Joo VI,

O novo governador assumiu o cargo em 29 de maro de 1800. A obra de recuperao teve como objetivo principal melhores comunicaes com a de Minas Gerais. Em 8 de outubro do mesmo ano, Silva Pontes assinou o auto, conjuntamente com o representante do governo de Minas, que regulou a cobrana de impostos entre as duas capitanias. Interessou-se tambm pela navegao do rio Doce, por abertura de estradas, pela ampliao dos cultivos e pelo povoamento da terra.[21] Em 1810 a capitania tornou-se autnoma em relao Bahia, e passou a depender diretamente do governo-geral. Governou na poca Manuel Vieira de Albuquerque Tovar, que no se afastou do programa de Silva Pontes. Deu o nome de Linhares s antigas runas da aldeia de Coutins.[21] O perodo colonial encerrou-se sob melhores auspcios, sobretudo em funo da diligncia de Francisco Alberto Rubim, nomeado governador em 1812. Rubim foi o autor da "Memria estatstica da capitania do Esprito Santo", realizada em 1817, na qual afirmou haver na poca na capitania 24.587 habitantes, seis vilas, oito povoados e oito freguesias. Consolidara-se a ocupao do territrio e ampliara-se a base demogrfica. Em face das dificuldades enfrentadas, esses dados revelam um progresso nada desprezvel.[23] Em 20 de maro de 1820 foi empossado como governador Baltazar de Sousa Botelho de Vasconcelos, a quem coube enfrentar os dias agitados da independncia e passar a administrao junta do governo provisrio. Antes mesmo de promulgada a constituio do imprio, foi nomeado presidente da provncia o ouvidor Incio Acili de Vasconcelos.[23]

Esprito Santo (estado)

21

Desenvolvimento da provnciaDurante o movimento de independncia, em maro e abril de 1821, ocorreram vrias comoes polticas no Esprito Santo, enquanto se procedia escolha de seus representantes s cortes de Lisboa. Aps a proclamao da autonomia brasileira, foi dado total apoio nova realidade poltica, e em 1 de outubro de 1822, reconhecido imediatamente D. Pedro na condio de imperador do Brasil.[23] O governo provincial enfrentou sria crise econmica nos primeiros anos da dcada de 1820, ocasionada pelo estrangulamento da produo agrcola em razo da prolongada estiagem. Mesmo assim, iniciou a cultura cafeeira. Para tanto, incentivou o aproveitamento de terras por colonos estrangeiros, o que se deu simultaneamente chegada de fazendeiros fluminenses, mineiros e paulistas.[23] A exemplo das demais provncias do sul, no Esprito Santo essa experincia Provncias imperiais do Brasil em 1822. colonizadora baseou-se na pequena propriedade agrcola, que logo se estendeu ao longo da zona serrana central, em contraste com as reas do sul daquela regio, onde predominava a grande propriedade.[23] Em 1846 fundou-se a colnia de Santa Isabel (Campinho) com imigrantes alemes de Hunsrck e em 1855 uma sociedade particular depois encampada pelo governo criou a colnia do Rio Novo com famlias suas, alems, holandesas e portuguesas. Entre 1856 e 1862 houve considervel afluncia de imigrantes alemes para a colnia de Santa Leopoldina, que tinha por sede o porto de Cachoeiro de Itapemirim, no rio Itapemirim, a cinquenta quilmetros da foz, no sul do estado.[23] Rapidamente as antigas reas de pastoreio pontilharam-se de pequenos estabelecimentos agrcolas, que demonstraram grande fora expansiva. As colnias de Santa Isabel e Santa Leopoldina,por exemplo, criaram desdobramenros atravs de todo o planalto, entre os rios Jucu e Santa Maria, e mais tarde atravessaram o rio Doce.[23] No processo de colonizao enfrentaram os imigrantes, a par de outras dificuldades, o srio problema indgena na regio do rio Doce. Malgrado os esforos de aldeamento e as tentativas de utilizao de sua mo-de-obra, sucediam-se os choques com os colonos,[23] e chegou mesmo a verificar-se grave contenda entre ndios e moradores de Cachoeiro de Itapemirim,[23] como elevado nmero de mortos e feridos, em 1825. Duas dcadas depois, o comendador e futuro baro de Itapemirim, Joaquim Marcelino da Silva Lima, ainda tentou organizar um grande aldeamento base de terras devolutas.[23]

Influncia do cafNa repblica, o estado concorreu eficazmente para o progresso do pas. Os canaviais haviam sido substitudos pelos cafeeiros. Ainda no tinha sido fundada nenhuma usina. Os engenhos centrais pouco a pouco desapareciam. Alm de fazendeiros capixabas, que passam a cultivar o caf, vieram tambm, com o mesmo propsito, fluminenses, mineiros e at paulistas, como o baro de Itapemirim.[23] Graas ao trabalho profcuo desses colonos, quando se aboliu a escravido dos negros o que derrocou as grandes fazendas, de imediato ou no a economia do Esprito Santo resistiu e proporcionou aos seus presidentes, depois de proclamada a repblica, os meios necessrios para empreendimentos como a construo de estradas de ferro, expanso do ensino e organizao de planos urbanos, com Muniz Freire; instalao de gua, luz, esgoto, bondes eltricos, de um parque industrial, de uma usina eltrica e de uma usina de acar em Cachoeiro de Itapemirim e na vila de Itapemirim, de uma fazenda-modelo em Cariacica, alm de reforma da instruo pblica e construo de grupos escolares e de pontes entre Vitria e o litoral e Colatina e o norte do rio Doce. Essas e outras obras foram realizadas com recursos provenientes sobretudo do caf produzido pelas colnias de imigrantes europeus

Esprito Santo (estado) organizadas desde a monarquia.[23] Com a irradiao ferroviria que o caf suscitou em meados do sculo XIX, o Esprito Santo beneficiou-se da rede de leitos, cujo centro estava em Campos dos Goitacases e que estabelecia comunicaes entre duas importantes reas cafeeiras: a Zona da Mata, em Minas, e o sul capixaba. Apesar de situada fora da regio de cultivo, a cidade de Vitria foi a que mais progrediu sob o surto daquela lavoura, e j em 1879 processaram-se os primeiros estudos destinados construo do porto, que deveria escoar toda a produo da provncia. Atendendo s novas exigncias, em meados do sculo comeou a funcionar a imprensa capixaba,[23][24] com a circulao do jornal O Correio da Vitria,[24] de propriedade de Pedro Antnio de Azeredo,[24] a partir de 1849.[24]

22

O plantio do Caf foi a principal atividade exercida pelos imigrantes europeus e foi a maior fonte de renda para o estado at 1940.

Em 1850 a configurao territorial do Esprito Santo j assinalava a existncia de dez municpios: Vitria, Serra, Nova Almeida, Linhares, So Mateus, Esprito Santo, Guarapari, Benevente (hoje Anchieta) e Itapemirim.[24] Pouco antes a provncia perdera parte de suas terras, em virtude da desanexao de Campos dos Goitacases e So Joo da Barra, restitudas ao Rio de Janeiro em 1832.[24]

Abolio da escravaturaNo final do sculo XIX, os capixabas, sobretudo a intelectualidade, aderiram ao movimento abolicionista. A exemplo do que aconteceu nas demais provncias, surgiram associaes ligadas emancipao, como a Sociedade Abolicionista do Esprito Santo (1869) ao lado de acirrada campanha jornalstica e parlamentar. No prprio edifcio da Cmara Municipal de Vitria fundou-se uma sociedade libertadora (1883). Durante a propaganda, evocava-se a crueldade dos castigos infligidos aos escravos, como sucedera aps a insurreio de cerca de 200 negros no distrito de Queimados, em 1849.[24] A abolio da escravatura, no entanto, conduziu os grandes proprietrios runa, em virtude da privao da tradicional mo-de-obra. Assim, com o advento da repblica, o primeiro governador do estado no encontrou condies materiais para levar a efeito os planos preconizados pela propaganda republicana. As finanas da antiga provncia encontravam-se exauridas.[24]

Sculo XXAinda no final do sculo XIX, coincidindo com a fixao da constituio estadual (1891 e 1892), o governador eleito recorreu a reformas e incentivos econmicos que deram novo impulso ao estado. A fim de assegurar uma receita mais slida, levantou emprstimos externos, que favoreceram a lavoura cafeeira e permitiram maiores investimentos agrcolas. O Esprito Santo obteve assim uma arrecadao cinco vezes mais alta que a da antiga provncia. Efetuou-se o saneamento de Vitria e em 1895 foi inaugurado o primeiro trecho da Estrada de Ferro Sul do Esprito Santo, entre Porto de Argolas e Jabaet.[24] Evoluo econmica A ocupao do norte do Esprito Santo s comeou nas primeiras dcadas do sculo XX, e ganhou novo impulso depois da construo da ponte de Colatina sobre o rio Doce, inaugurada em 1928. A economia capixaba contou com a migrao de contingentes do sul e do centro do pas para aquela rea, e assim firmou-se o cultivo do caf, que respondeu por 95% da receita em 1903. Durante a primeira guerra mundial, o porto de Vitria figurava como o segundo grande exportador nacional.[24] Com a Revoluo de 1930 assumiu a direo do estado, na qualidade de interventor, Joo Punaro Bley, mantido pelo Estado Novo at 1943, e sob cuja administrao se iniciaram obras para ampliar o porto de Vitria e para construo

Esprito Santo (estado) de cais de minrio, este arrendado em 1942 pela Companhia Vale do Rio Doce. No governo de Jones dos Santos Neves, em 1945, foi criada a Universidade Federal do Esprito Santo (UFES), primeira iniciativa referente ao ensino superior no estado.[24] Para ampliar a exportao de minrio de ferro oriundo de Minas Gerais, a Companhia Vale do Rio Doce construiu o porto de Tubaro, em Vitria, com capacidade para estocar um milho de toneladas de minrio, receber navios de at cem mil toneladas e carreg-los a um ritmo de seis mil toneladas por hora. As obras foram iniciadas em 1966 e terminadas em tempo recorde. Situado dez quilmetros ao norte da capital, um dos maiores portos de minrio do mundo. Com a transferncia para Tubaro da maior parte da exportao de minrio de ferro, o porto de Vitria ficou liberado para outras aplicaes.[24] Com a instalao de Tubaro a regio foi dotada de uma infraestrutura que propiciou o surgimento de um novo complexo industrial, do qual faz parte uma usina de pelotizao de minrio de ferro, com capacidade de produo de dois milhes de toneladas anuais.[24] Inaugurada em 1976, entrou em atividade em 29 de novembro de 1983, dez anos depois de iniciadas as obras, a Usina Siderrgica de Tubaro, que representou um investimento total de trs bilhes de dlares. A fase foi marcada por um intenso esforo de industrializao provomido pela Companhia de Desenvolvimento Econmico do Esprito Santo (Codes), mais tarde transformada no Banco de Desenvolvimento do Esprito Santo (Bandes). No incio da dcada de 70 foi criado o FUNDAP (Fundo de Desenvolvimento para Atividades Porturias) que consistia de um incentivo financeiro para a instalao de empresas importadoras, incentivando as atividades porturias. Instalaram-se fbricas de caf solvel, massas alimentcias, chocolates, azulejos e conservas de frutas, e aprovaram-se projetos para a implantao de fbricas de laticnios, calados, material eltrico, leos comestveis e sucos ctricos.[24]

23

Sculo XXIEm novembro de 2007, inaugurada a expanso da siderrgica Arcelor Mittal Tubaro (ex-Companhia Siderrgica de Tubaro) para ampliar a produo anual de placas de ao de 5 milhes para 7,5 milhes de toneladas.[25] O estado o maior produtor de placas de ao do Brasil.[26] Em abril de 2008, a Polcia Federal realiza a Operao Auxlio-Sufrgio, que desmantela uma quadrilha especializada em fraudes contra a Previdncia Social no estado.[27] O deputado estadual Wolmar Campostrini (PDT) acusado de ser lder do esquema.[28] Por causa de trmites burocrticos, as investigaes ainda no foram concludas e Campostrini mantm o cargo.[28] Em outubro de 2008, o prefeito da capital, Joo Coser (PT) reeleito em primeiro turno.[29] Em 2010, Renato Casagrande (PSB) eleito governador no primeiro turno, com 82,3% dos votos.[30] A partir de 2006, a precariedade dos presdios passa a ser noticiada, pois provoca rebelies, assassinatos e at esquartejamentos (na Casa de Custdia de Viana); Joo Coser, atual prefeito de Vitria. em 2009, presos so mantidos em contineres de ao, sem ventilao adequada, por falta de celas.[31] Em maro de 2010, essa situao discutida em um painel na Comisso de Direitos Humanos das Naes Unidas.[32] Cumprindo parcialmente compromissos assumidos, o governo desativa as celas metlicas e demole a Casa de Custdia de Viana, em maio de 2010.[33] Em outubro, sete penitencirias foram vistoriadas por uma comisso

Esprito Santo (estado)

24

liderada pelo Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana e da Ordem dos Advogados do Brasil.[26] O relatrio, a ser entregue Procuradoria Geral da Repblica, sugere providncias urgentes e interveno federal no sistema penitencirio do estado.[26]

GeografiaO estado do Esprito Santo ocupa uma rea de 46.184,1km no litoral do Brasil, localiza-se a oeste do Meridiano de Greenwich e a sul da Linha do Equador e com fuso horrio de menos trs horas em relao hora mundial GMT. No Brasil, o estado faz parte da regio Sudeste, fazendo divisa com os estados de Minas Gerais, Bahia e Rio de Janeiro. banhado pelo oceano Atlntico.[34] Cerca de 40% do territrio do estado encontra-se em uma faixa de plancie,[35] porm a variao das altitudes bem grande. O relevo apresenta-se dividido em duas regies distintas: A Baixada Espritossantense e a Serra do Castelo, na qual fica o Pico da Bandeira com 2.892 m, na serra de Capara.[36] Seu clima predominante o Renato Casagrande, atual governador do Esprito tropical de Altitude do tipo Cwb.[37] O bioma (domino Santo. morfoclimtico) do estado so os chamados "Mares de Morros" caracterizados pela vegetao tropical, em climas mais amenos, formados por serras fortemente erodidas.[38] Os principais rios capixabas so o Doce, o So Mateus, o Itanas, o Itapemirim e o Jucu. Os cinco integram as Bacias Costeiras do Sudeste.[34] O clima tropical litorneo mido, influenciado pela massa de ar tropical atlntica. As chuvas concentram-se no vero. A temperatura mdia varia entre 22C e 24C, e a pluviosidade, entre 1.000mm e 1.500mm anuais.[34]

RelevoA maior parte do estado caracteriza-se como um planalto, parte do macio Atlntico.[39] A altitude mdia de seiscentos a setecentos metros, com topografia bastante acidentada e terrenos arqueozoicos, onde so comuns os picos isolados, denominados pontes e os pes-de-acar. Na regio fronteiria com Minas Gerais, transforma-se em rea serrana, com altitudes superiores a mil metros, na regio onde se eleva a Serra do Capara[39] ou da Chibata. A, se ergue um dos pontos culminantes do Brasil, o Pico da Bandeira, com 2 890m.[36] De forma mais esquemtica, pode-se compor um quadro morfolgico do relevo em cinco unidades: a baixada litornea,[39] formada por extensos areais, praias e restingas;[40]O Pico da Bandeira, com 2 891,8 metros de altitude, o ponto culminante do estado e o terceiro ponto mais alto do Brasil

os tabuleiros arenticos, faixa de terras planas com cerca de cinqenta metros de altura, que se ergue ao longo da baixada e a domina com uma escarpa abrupta, voltada para leste;[41] os morros e macios isolados, que despontam no litoral e, em alguns locais, do origem a costas rochosas, cujas reentrncias formam portos naturais, como a Baa de Vitria;[41] as plancies aluviais (vrzeas), ao longo dos rios, que s vezes terminam em formaes deltaicas, de que exemplo a embocadura do Rio Doce;[41]

Esprito Santo (estado) a serra, rebordo oriental do Planalto Brasileiro, com uma altura geral de setecentos metros,[39] coroada aqui e ali por macios montanhosos, entre os quais a referida Serra do Capara.[41] Ao contrrio do que ocorre nos estados do Rio de Janeiro e de So Paulo, onde constitui um escarpamento quase contnuo, no Esprito Santo o rebordo do planalto apresenta-se como zona montanhosa muito recortada pelo trabalho dos rios, que, nela, abriram profundos vales. A partir do centro do estado para norte, esses terrenos perdem altura e a transio entre as terras baixas do litoral e as terras altas do interior vai se fazendo mais lenta, at alcanar o topo do planalto no estado de Minas Gerais. Dessa forma, ao norte do Rio Doce, a serra substituda por uma faixa de terrenos acidentados, mas de altura reduzida, em meio aos quais despontam picos que formam alinhamentos impropriamente denominados serras.[42]

25

ClimaOcorrem no Esprito Santo dois tipos principais de climas, o tropical chuvoso e o mesotrmico mido. O primeiro domina nas terras baixas e caracterizam-se por temperaturas elevadas durante todo o ano e mdias trmicas superiores a 22C.[39] O tipo Am, das florestas pluviais, com mais de 1.250mm anuais de chuvas[39] e com uma estao seca pouco pronunciada, ocorre no litoral norte, no sop da serra e na regio de Vitria; o tipo Aw, com cerca de 1.000mm de chuva[39] e estao seca bem marcada, ocorre no resto das terras baixas.[42] O clima mesotrmico mido, sem estao seca, surge na regio serrana do sul do estado. Caracteriza-se por temperaturas baixas no inverno (mdia do ms mais frio abaixo de 18C).[39] Observam-se, entretanto, bruscas alteraes climticas.[43]

Vegetao e hidrografiaNa vegetao, a floresta tropical revestiu outrora todo o territrio estadual.[39] Com as sucessivas devastaes que sofreu, extinguiu-se quase completamente na parte sul do estado, rea de ocupao mais antiga. A, a busca de solos virgens por parte dos agricultores e a extrao de lenha e de madeira de lei determinaram a proliferao de campos de cultura, pastagens artificiais e capoeiras. Apenas no norte do estado, onde ainda se desenvolve o processo de ocupao humana, podem ser encontradas algumas reservas florestais. A serra do Capara, local outrora revestido pela mata atlntica, hoje est totalmente devastada, e s apresenta vegetao campestre acima dos mil metros de altitude.[42] Os principais rios do estado so, de norte para o sul,[39] o Itanas,[39] o So Mateus,[39] o Doce[39] e o Itapemirim,[39] que correm de oeste para leste, isto , da serra para o litoral. O mais importante deles o Doce,[39] que nasce em Minas Gerais[39] e divide o territrio esprito-santense em duas partes quase iguais.[41] Em seu delta formam-se numerosas lagoas, das quais a mais importante a de Juparan.[41]

LitoralO litoral capixaba rochoso ao sul, com falsias de arenito, e tambm na parte central, com grandes morros e afloramentos granticos a beira mar, o litoral sul-central muito recortado com muitas enseadas e baias protegidas por rochas e afloramentos rochosos a beira mar, arenoso ao norte, com praias cobertas por uma vegetao rasteira e extensas dunas, principalmente em Itanas e Conceio da Barra. A 1.140 quilmetros da costa, em pleno Oceano Atlntico, encontram-se a Ilha da Trindade (12,5km) e as Ilha de Martim Vaz, situadas a 30 quilmetros de Trindade. Essas ilhas esto sob a administrao do Esprito Santo.[44] O estado possui um litoral mais recortado no centro-sul, e mais mar aberto no norte, o que faz a maior parte das ilhas se concentrarem na parte central do estado, porm o estado possui vrias ilhas. Ao todo, so 73 ilhas localizadas na costa do estado, sendo 50 localizadas na capital Vitria.[44]

Esprito Santo (estado)

26

Panorama da orla de Ubu, no municpio de Anchieta (Esprito Santo)Anchieta.

EcologiaNo Esprito Santo, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renovveis (IBAMA) administra dezessete unidades de conservao: dois parques nacionais, seis reservas biolgicas, trs reservas particulares do patrimnio natural, duas reas de proteo ambiental, uma estao ecolgica e trs florestas nacionais.[45] O estado tambm conhecido por possuir diversos locais que servem para armazenamento dos ovos de Tartarugas-marinhas (Cheloniidae). Parque Estadual de Itanas No estado, o TAMAR, um projeto conservacionista brasileiro dedicado preservao de espcies de tartarugas-marinhas ameaadas de extino, mantm sete bases do projeto no estado: Itanas, Guriri, Pontal do Ipiranga, Povoao, Vila de Regncia, Ilha da Trindade e Anchieta. Os trabalhos de monitoramento das praias realizados pelas equipes do TAMAR normalmente so realizados entre os meses de setembro e maro, no fim do perodo reprodutivo. As tartarugas marinhas demoram at 20 anos para chegar idade reprodutiva e de cada mil filhotes que nascem apenas um chega fase adulta. Ou seja, das 100 mil tartarugas nascidas no ltimo ano, daqui a vinte anos, provavelmente, estima-se que apenas 100 retornem para desovar.[46]

DemografiaCrescimento populacionalCenso 1872 1890 1900 1920 1940 1950 1960 1970 1980 1991 Pop. 82137 135997 209783 457328 790149 957238 1170858 1599333 2023340 2598231 65,6% 54,3% 118% 72,8% 21,1% 22,3% 36,6% 26,5% 28,4% %

Esprito Santo (estado)

272000 2010 3097232 3512672 [47] 19,2% 13,4%

Fonte: IBGE

Segundo o censo demogrfico de 2010 realizado pelo IBGE, em 2010, o estado do Esprito Santo possua 3512672 habitantes, sendo o dcimo quarto estado mais populoso do Brasil, representando 1,8% da populao brasileira.[2][48] Segundo o mesmo censo, 1729670 habitantes eram homens e 1783002 habitantes eram mulheres.[2] Ainda segundo o mesmo censo, 2928993 habitantes viviam na zona urbana e 583679 na zona rural.[2] Em dez anos, o estado registrou uma taxa de crescimento populacional de 13,59%.[49] Em relao ao ano de 1991, quando a populao era de 2598231,[50] esses nmeros mostram uma taxa de crescimento anual de 2% ao ano, inferior a do Brasil como um todo (1,6%) para o mesmo perodo (1991-2000).[51] Ainda segundo o censo demogrfico de 2000, o Esprito Santo o dcimo quarto estado mais populoso do Brasil e concentra 1,82% da populao brasileira.[51] Do total da populao do estado em 2000, 1562426 habitantes so mulheres e 1534806 habitantes so homens.[52] Para 2006, a estimativa de 3464285 habitantes.[51] Nos ltimos anos, o crescimento da populao urbana intensificou muito, ultrapassando o total da populao rural. Segundo a estimativa de 2000, 67,78 dos habitantes viviam em cidades.[52] Dois municpios capixabas mantm o pomerano como segunda lngua oficial (alm do portugus): Vila Pavo[53] e Santa Maria de Jetib.[54][55] Tambm foi aprovada em agosto de 2011 a PEC 11/2009, emenda constitucional que inclui no artigo 182 da Constituio Estadual a lngua pomerana, junto com a lngua alem, como patrimnios culturais do Estado.[56][57][58][59] A densidade demogrfica no estado, que uma diviso entre sua populao e sua rea, de 76,23 habitantes por quilmetro quadrado, sendo a stima segunda maior do Brasil e com uma densidade comparada do pas asitico Malsia.[60] A distribuio da populao estadual desigual, apresentando maior concentrao na regio serrana, no interior. Nessa rea, a densidade demogrfica atinge a mdia de 50 hab./km e a ultrapassa no extremo sudoeste. A Baixada Litornea, faixa que acompanha o litoral, apresenta quase sempre densidades inferiores Densidade demogrfica do Esprito Santo. 0-25 mdia estadual. Apenas nas proximidades de Vitria observa-se hab/km25-50 hab/km50-100 hab/km100-150 uma pequena rea com mais de 50 hab./km. A parte norte da hab/km150-200 hab/km200-300 hab/km300-400 hab/km400-500 hab/km> 500 hab/km baixada litornea a menos povoada do estado. Seis municpios (Vila Velha, Cariacica, Cachoeiro de Itapemirim, Colatina e Linhares) concentram mais de 45% da populao do Esprito Santo (1975).[61] O ndice de Desenvolvimento Humano (IDH-M) do estado, considerado mdio pelo Programa das Naes Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), de 0,802, sendo o stimo maior do Brasil e o terceiro maior da Regio Sudeste.[62] Considerando apenas a educao, o ndice 0,887 (o brasileiro 0,849); o ndice de longevidade 0,802 (o brasileiro 0,638) e o ndice de renda 0,715.[62] A renda per capita de 20231 reais.[63] Entre 1991 e 2000, o estado registrou uma forte evoluo tanto no seu IDH geral quanto na educao, longevidade e renda, critrios utilizados para calcular o ndice.[64] A educao foi o critrio que mais evoluiu em nove anos, de 0,763 em 1991 para 0,855 em 2000, e em 2005 o valor passou a ser 0,887.[64] Depois da educao, vem a longevidade, que em 1991 tinha um valor de 0,653, passando para 0,721 em 2000 e 0,802 em 2005.[62][64] E, por ltimo, vem a renda, o critrio

Esprito Santo (estado) que menos evoluiu entre 1991 (0,653) e 2000 (0,719),[64] descendo para 0,715 em 2005.[62] Quanto ao IDH-M, que uma mdia aritmtica dos trs subndices, a evoluo tambm foi significativa, passando de 0,690 em 1991 para 0,765 em 2000, e em 2005 o valor passou para 0,802, saindo da categoria de mdio IDH e atingindo o patamar de ndice de Desenvolvimento Humano elevado.[64][62] O municpio com o maior IDH Vitria, capital do estado, com um valor de 0,797, enquanto gua Doce do Norte, situado na Mesorregio do Noroeste Esprito-Santense, tem o menor valor (0,563).[65] O coeficiente de Gini, que mede a desigualdade social, de 0,50, sendo que 1,00 o pior nmero e 0,00 o melhor.[66] A incidncia da pobreza, medida pelo IBGE, de 30,88%, o limite inferior da incidncia de pobreza de 29,04%, o superior 32,73% e a subjetiva 28,51%.[66]

28

Religio

Mosteiro Zen Morro da Vargem, em Ibirau.

Religio no Esprito Santo Religio Catolicismo romano Protestantismo Sem religio Espiritismo Outros

[67]

Porcentagem 63,06% 24,96% 9,61% 0,72% 0,17%

Apesar de tradicionalmente o Catolicismo ser a religio mais professada no Esprito Santo, nas ltimas dcadas houve grande aumento no nmero de protestantes. Segundo o Censo 2010, a Igreja Catlica a religio de 53,4% dos capixabas. Divide-se administrativamente em uma arquidiocese, a Arquidiocese de Vitria, e trs dioceses: Diocese de So Mateus, Diocese de Colatina e Diocese de Cachoeiro do Itapemirim.[68] Na Igreja Catlica, destaca-se o Convento da Penha,[69] que um dos principais monumentos histricos do estado[69] e o Santurio de Santo Antnio.[70] Ainda segundo o Censo IBGE 2010, as Igrejas Protestantes so seguidas por 33,1% dos capixabas, o que faz do Esprito Santo o estado mais evanglico do Brasil. So muitas as igrejas evanglicas, sendo a maior a Assemblia de Deus em suas vrias ramificaes, seguida da Igreja Crist Maranata, fundada no estado h 43 anos e da multifacetada Igreja Batista e da Igreja Universal do Reino de Deus. possvel encontrar tambm praticantes de religies de origem africana, alm de espritas e outros.[71] no Esprito Santo que se encontra o Mosteiro Zen Morro da Vargem, primeiro da Amrica Latina,[72] localizado em Ibirau[72] e aberto a visitao, no estado tambm foram construdos o Convento da Penha, 1 convento do Brasil

Esprito Santo (estado) em 1555,[73] e a primeira igreja luterana da Amrica Latina.[74] De acordo com dados do censo de 2010 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica (IBGE), a populao do Esprito Santo est composta por: catlicos (53,4%), protestantes (33,1%), pessoas sem religio (9,61%), espritas (0,72%), budistas (0,02%), muulmanos (0,00%), umbandistas (0,14%) e judeus (0,01%).[67]

29

EtniasO censo do IBGE de 2010 revelou os seguintes nmeros: 1,7 milho brancos (48,6%), 1,5 milho Pardos (42,2%), 293 mil Negros (8,4%) e 0,8% amarelos (21,9 mil) ou Indgenas (9 mil).[75] A populao do estado, assim como no resto do Brasil, foi formada por elementos indgenas, africanos e europeus. O Esprito Santo, no sculo XIX, contava com uma grande populao de origem indgena e africana. Depois da colonizao portuguesa, a partir do sculo XIX o estado recebeu levas considerveis de imigrantes, na maioria italianos, mas tambm alemes, portugueses e espanhis.[76][77] Indgenas Os ndios formaram a maioria da populao do Esprito Santo nos primeiros dois sculos de colonizao. Havia grande nmero de ndios submetidos escravido nessa capitania. Alm dos escravos, tambm havia indgenas nas aldeias dirigidas pelos jesutas e ndios aliados e submetidos aos portugueses. No sculo XIX, ainda havia uma grande populao amerndia na regio. Segundo o censo provincial de 1824, os ndios constituam 16% da populao total e 26% da populao livre do Esprito Santo. Em 1856, essa proporo havia cado para 12% e 24%, respectivamente. A proporo dos ndios na populao foi caindo ao longo do sculo, uma vez que a expanso do caf j atraa grande nmero de pessoas das provncias vizinhas de Minas Gerais e do Rio de Janeiro, de escravos africanos e de imigrantes europeus. Assim, em 1872, os ndios eram 9,3% da populao livre e 6,7% da populao total. [76] Todavia, no se pode apenas levar em conta o nmero da populao indgena, uma vez que a miscigenao entre homens portugueses e mulheres indgenas foi muito grande no incio da colonizao e, quando esses filhos mestios eram integrados s famlias de seus pais, no mais eram contados como indgenas.[76] Africanos A presena de negros deve-se, como em todo resto da federao, ao passado escravocrata. Nota-se a forte presena do negro no estado, desde o sculo XVI, com as principais concentraes em So Mateus (o maior centro de escravos da capitania), Vitria, Cachoeiro do Itapemirim. Essa concentrao predominantemente no litoral onde localizavam-se os latifndios escravistas, pois no interior, as plantaes eram na forma de pequenas propriedades, cultivadas por imigrantes europeus. Segundo alguns historiadores, mesmo aps 1850, com a proibio do trfico, essa regio ainda recebeu escravos provenientes do contrabando.[76] O recenseamento de 1789 mostrou que os escravos africanos compunham 40% da populao do Esprito Santo. Em 1824, em uma populao de 35 mil habitantes na provncia, 13 mil (37%) eram escravos. Entre 1830 e 1850, com a expanso da cultura do caf, os portos do Esprito Santo eram locais de contrabando de escravos, que iam principalmente para o sul, onde se expandiam as plantaes de caf, regio que tambm atraa grande nmero de mineiros e fluminenses com seus escravos, de modo que o nmero de pessoas escravizadas quase dobrou at 1856 e quase dobrou novamente at 1872. O Esprito Santo era a segunda provncia com maior proporo de escravos do Brasil, atrs somente do Rio de Janeiro. Com o tempo, a miscigenao e as alforrias fizeram crescer o nmero de pretos e pardos entre a populao livre, ao ponto de, em 1872, 46% dos livres na provncia serem pretos ou pardos e 45% brancos.[76] Segundo o censo do IBGE de 2010, 48,6% da populao capixaba se declarou de cor parda e 8,4% de cor preta.[78]

Esprito Santo (estado) Portugueses A presena portuguesa no estado remonta ao perodo da colonizao. Como a maioria dos colonos eram homens, se miscigenaram em larga escala com as mulheres indgenas e africanas.[76] Aps a independncia, o Esprito Santo ainda recebeu um considervel nmero de imigrantes portugueses. Entre 1812 e 1900, foi computada a entrada de 1.748 portugueses. O primeiro empreendimento de colonizao oficial no Brasil se deu em 1812, na capitania, com a vinda de 250 indivduos dos Aores, que ocuparam a Colnia Agrcola de Santo Agostinho, onde atualmente se localiza o municpio de Viana. Posteriormente, chegaram imigrantes das regies de Beira Litoral, Douro Litoral, Beira Alta, Alto Douro e Trs os Montes.[77] ItalianosRegies de origem dos italianos entrados no Esprito Santo (1812-1900) Regio Vneto Lombardia Trentino-Alto Adige Emilia-Romanha Piemonte Friuli-Venezia Giulia De outras regies No consta Total Nmero de imigrantes 8.671 4.392 3.043 2.282 1.195 854 1.686 10.777 32.900[77]

30

O Esprito Santo abriga uma das maiores colnias italianas do Brasil.[79] Os imigrantes foram atrados para o estado a fim de ocupar inicialmente a regio das serras.[80][81] Os imigrantes foram obrigados a enfrentar a mata virgem e foram abandonados pelo governo prpria sorte. A situao de misria vivida por muitos colonos fez com que, em 1895, o governo italiano proibisse a emigrao de seus cidados para o Esprito Santo.[82] Devido ao isolamento de mais de um sculo, as colnias italianas do interior do Esprito Santo ainda mantm costumes dos imigrantes e muitos dos descendentes ainda falam dialetos italianos.[83]

Esprito Santo (estado)

31

No sculo XIX, entraram no estado 43.929 imigrantes, dos quais 32.900 eram italianos, ou seja, 75% do total. Cerca de 40% eram provenientes da regio do Vneto, 20% da Lombardia, 14% do Trentino-Alto Adige, 10% da Emlia-Romanha, 5% do Piemonte, 4% do Friuli-Venezia Giulia, 2% das Marcas e 2% de Abruzzo, 1% da Toscana e 1% de Campnia e outro porcento de outras regies.[77] Os italianos vem-se muito presentes na vida da sociedade capixaba. Foram eles quem fundaram muitas das cidades, e h ainda vrios grupos de dana tpica italiana e festas de inspirao italiana, assim como muita influncia culinria. Municpios como Alfredo Chaves,[84] Venda Nova do Imigrante,[85] Afonso Cludio,[86] Santa Teresa,[87] Mimoso do Sul,[88] Castelo,[89] Alegre, Pancas, Muniz Freire,[90] Marechal Floriano,[91] Vargem Alta e Muqui so exemplos tpicos. A parte da presena massiva de pratos de origem italiana na mesa capixaba, outros aspectos, como os sobrenomes, atividades como a Casa Lambert, exemplar de arquitetura italiana fabricao de queijo, macarro, vinho e as plantaes de uva, nos em Santa Teresa. lembram essa forte influncia. Outro exemplo so pequenas propriedades agrcolas que hoje retornam s razes italianas para promover o agroturismo, um mercado potencialmente lucrativo. A primeira colnia de imigrantes italianos do Brasil foi construda no Esprito Santo, no municpio de Santa Teresa, em 1875. Os italianos comearam a chegar em peso a partir de 1879, 50 anos aps os alemes.[87] Segundo uma estimativa repetida em algumas fontes, entre 60 e 70% da populao do Esprito Santo seria descendente de italianos. A historiadora Nara Saletto, todavia, faz uma crtica a esse dado. Segundo ela, no existe "qualquer informao sobre sua origem, as fontes em que se baseia, ou a metodologia utilizada". [76] Outra historiadora, Maria Cristina Dadalto, vai mais longe e afirma que esse dado no passa de um "mito", pois no existe nenhuma pesquisa que comprove essa estimativa.[92] Alemes Outra notvel presena no estado a dos alemes, que foram dos primeiros a cultivar o solo mais distante da costa, comearam a chegar em 1847, fundando a vila de Santa Isabel, em Domingos Martins,[93] onde foi construda a primeira Igreja Luterana com Torre da Amrica Latina,[93] a vila de Santa Isabel foi uma das primeiras colnias de imigrantes do Brasil.[93] Assim como a comunidade italiana, ainda retm muitos aspectos da vida de antanho, como grupos de dana tpicos e festas como a Sommerfest, em Domingos Martins, que tambm de inspirao alem.[94][95]Regies de origem dos alemes entrados no Esprito Santo (1812-1900) Regio Pomernia Rennia Hesse Prssia Saxnia Outras regies Total Nmero de imigrantes 2.224 247 240 226 194 351 3.933[77]

Esprito Santo (estado)

32No consta 451

Outro grupo prximo ao alemo o pomerano, que originalmente veio de uma regio entre a Alemanha e Polnia,[96] que sofria com a pobreza e com as invases polonesas e prussianas.[96] A principal atividade dos pomeranos a agricultura, eles se concentram em Santa Maria de Jetib,[97] e mantm muito de sua cultura e idioma preservados, seu idioma, o pomerano,[98] tem como um dos ltimos refgios o estado, onde em cidades bilnges usado como lngua mais falada pelos habitantes, sendo at ensinado nas escolas, juntamente com o portugus.[99] No sculo XIX, entraram no Esprito Santo 3.933 alemes e foi computada a entrada de 79 alemes a partir do ano de 1900, totalizando a entrada de 4.012 indivduos. Embora contados como "alemes", a maioria desses indivduos eram provenientes da ento provncia da Pomernia, principalmente da parte oriental daquela provncia, das cidades de Belgard, Greifenberg, Kolberg (Koobrzeg), Kowak, Labes (obez), Regenwald e arredores. Essa regio, desde a II Guerra Mundial, passou a fazer parte da Polnia.[77] Um nmero considervel de imigrantes tambm era originrio da regio da Rennia, sobretudo das montanhas do Hunsrck, no vale do rio Reno. Dos alemes que foram para o Esprito Santo, 63% eram oriundos da Pomernia, 7% da Rennia e 7% de Hesse, 6% da Prssia e 6% da Saxnia, 3% da Vestflia, 2% de Baden e 2% de Brandemburgo, 1% da Baviera e outro porcento de outras regies.[77] Esse nmero reduzido de alemes que imigrou para o Esprito Santo a partir do ano de 1847 se multiplicou e deu origem a uma quantidade considervel de descendentes. Segundo estimativas do historiador Jean Roche, no ano de 1930, havia 30 mil descendentes de alemes no estado (cerca de 4% da populao total), nmero que saltou para 70 mil indivduos em 1961 (aproximadamente 5% da populao capixaba). [76] Outras etnias Tambm notvel a presena no Esprito Santo de outras etnias, como a dos poloneses,[100] no municpio de guia Branca, dos suos, espalhados pelo estado, sobretudo na regio serrana, entre Santa Leopoldina e Santa Maria de Jetib,[101] dos austracos,[102] vindos da regio do Tirol, conhecidos tambm como tiroleses, vivendo em Santa Leopoldina, e de um pequeno grupo de belgas, neerlandeses, luxemburgueses e libaneses, que habitam principalmente o municpio de Guarapari.[102][103] Os espanhis tambm imigraram em quantidade considervel para o estado no sculo XIX. Entre 1812 e 1900, foi computada a entrada de 2.620 indivduos espanhis no Esprito Santo, colocando-os em terceiro lugar em entradas no estado, perdendo somente para os italianos e alemes. Em relao regio de origem, eram sobretudo da Andaluzia, embora houvesse tambm indivduos de Valncia, Mrcia e Estremadura.[77]

CriminalidadeO Esprito Santo a segunda unidade federativa mais violenta do Brasil, perdendo apenas para Alagoas, e lidera o maior ndice de criminalidade da Regio Sudeste do pas, superando ainda mais o Rio de Janeiro, Minas Gerais e So Paulo. A taxa de homicdios de 53,6.[104] O municpio mais violento do Esprito Santo e da Regio Sudeste do Brasil a Serra, na Regio Metropolitana de Vitria; tambm o quarto mais violento do Brasil (102,4), registrando, em 2006,[105] taxas mdias de homicdio superiores apenas s dos municpios de Vitria, Viana, Cariacica, Linhares e Pedro Canrio. O municpio com a menor taxa mdia de homicdios Marechal Floriano, na Mesorregio Central Esprito-Santense, mais precisamente na Microrregio de Afonso Cludio.[106]

Esprito Santo (estado)

33

Principais municpios Vitria, a capital do estado, tem o terceiro melhor IDH entre as capitais do Brasil.[107] Foi construda numa ilha montanhosa, o que tambm dificultou seu crescimento, mas foi fundamental para sua fundao de 105km. ligada ao continente pela Ponte Florentino Avidos,[108] pela Ponte do Prncipe (Segunda Ponte)[108] e Terceira Ponte ao sul,[108] e pelas pontes da Passagem,[108] Ayrton Senna[108] e de Camburi ao norte.[108] Vitria a capital e o mais importante municpio capixaba. Centro comercial e cultural, destaca-se tambm pelos importantes portos de Tubaro[108] e Vitria.[108] A capital forma com os municpios de Cariacica, Fundo, Guarapari, Serra, Viana e Vila Velha a Regio Metropolitana de Vitria,[109] conhecida como Grande Vitria, que abriga 1.627.651 habitantes (2005),[110] sendo Vila Velha o municpio de maior populao.[111] Serra o segundo municpio mais populoso do estado, localizado na Grande Vitria. Nele ficam localizados o Porto de Tubaro e vrios balnerios importantes, como Jacarape e Nova Almeida. A cidade possui o maior polo industrial do estado, tendo em seu territrio os centros industriais Civit I, Civit II e o TIMS. A ArcelorMittal Tubaro tambm se faz presente no municpio, sendo a maior siderrgica do estado e uma das maiores do pas.[112] Vila Velha a cidade mais antiga e mais populosa do estado, com quase 500 mil habitantes, localizada na Grande Vitria; tem o segundo melhor IDH do estado. A cidade vem experimentando rpido desenvolvimento e progresso; nela fica tambm a principal rodovia estadual, a Rodovia do Sol. Possu muitas fbricas, inclusive a Chocolates Garoto, maior fbrica de chocolate do Brasil, e dois portos, o de Capuaba e o de Vila Velha.[113] Cariacica, localizado na Grande Vitria, mais populosa que a capital Vitria, porm possui o menor IDH da regio, sendo uma grande periferia da capital. A maior atividade econmica e geradora Colatina. de empregos a fbrica da Coca-Cola, a maior da empresa no Brasil. A cidade cortada por duas das mais importantes rodovias do Brasil, a BR-101 e a BR-262.[114] Cachoeiro de Itapemirim o principal centro urbano do sul do estado.[111] Alm de centralizar grande parte da produo agrcola e pecuria desta regio,[115] o municpio destaca-se ainda pelo seu parque industrial.[115] Linhares, na foz do rio Doce, o maior e principal municpio da regio norte do estado.[116] Apresenta notvel crescimento aps o incio da explorao de petrleo e gs[117] e se destaca nas reas industrial e agrcola,[117] principalmente por causa da fbrica da Coca-Cola e pelas plantaes de eucalipto.[117] Colatina, centro econmico da Regio Noroeste capixaba,[118] com influncias at o leste mineiro juntamente com Ecoporanga, So Gabriel da Palha, Nova Vencia e Barra de So Francisco.[119] So Mateus uma das cidades do extremo norte, sendo a segunda cidade mais antiga do estado. Seu crescimento econmico est focado na extrao de petrleo e gs natural. Na cidade est localizada o CEUNES, campus Norte da UFES. Possui forte apelo turstico, principalmente de temporada. Sua principal praia, Guriri, chega a ser conhecida nacionalmente.[120]

Vitria.

Vila Velha.

Esprito Santo (estado) Guarapari: cidade com um pouco mais de 100.000 habitantes, com forte vocao par