F pessoa l..

download F pessoa l..

of 18

  • date post

    02-Nov-2014
  • Category

    Travel

  • view

    11
  • download

    3

Embed Size (px)

description

 

Transcript of F pessoa l..

  • 1.

2. 3. Fernando Pessoa tinha apenas cinco anos quando seu pai, Joaquim Seabra Pessoa, crtico musical num jornal da capital, faleceu de tuberculose. Um ano depois morreu o seu irmo e precisamente nesse ano que o escritor inventa o primeiro amigo imaginrio, cujo nome era Chevalier de Pas. No ano seguinte, a sua me casa de novo com o cnsul de Portugal em Durban (frica do Sul), onde a sua nova famlia passava a residir. Deste casamento nascero cinco filhos mas s trs sobreviveram. Fernando Pessoa viver com a nova famlia apenas cerca de nove anos. 4. em Durban que Fernando Pessoa faz o ensino primrio num colgio de freiras, ingressando depois na Durban High School. Aos treze anos obtm o First Class School Higher Certificate da Universidade do Cabo da Boa Esperana, depois de ter feito quatro anos lectivos em apenas dois. nesse ano que comea a escrever poemas em Ingls e que regressa pela primeira vez a Lisboa, onde ficou durante um ano. Volta depois para Durban, onde faz o seu primeiro ano de estudos universitrios e obtm o prmio Rainha Vitria para o melhor ensaio em Ingls, um exame no qual participaram 899 candidatos. A slida educao inglesa que recebeu em Durban ser fundamental na formao do futuro escritor . 5. Em 1905, com 17 anos, Fernando Pessoa regressa definitivamente a Lisboa para frequentar o curso superior de letras que abandona dois anos depois. Vive em casas diversas, durante vrios anos em ambientes marcadamente femininos, povoados de tias e uma av Dionsia que enlouqueceu e cuja herana lhe permitiu o negcio que acabou em fracasso, a compra de mquinas para montar uma tipografia e editora, a Empresa bis que nunca chegar a funcionar.Comea ento uma vida de modesto correspondente comercial de Ingls e Francs, trabalhando para vrios escritrios da baixa Lisboeta. Entretanto escreve compulsivamente poesia e prosa. 6. Em 1912 comea a publicar na revista A guia e dois anos mais tarde, em 1914, cria os seus heternimos Alberto Caeiro, lvaro de Campos e Ricardo Reis que assinaro, cada um deles, uma obra singular. No ano seguinte, com o seu amigo Mrio de S Carneiro, lidera o grupo fundador da revista Orpheu que introduz o modernismo em Portugal, e em 1917 pblica, com Almada Negreiros, Amadeu de Souza Cardoso e Santa Rita o Portugal Futurista.Na verdade, escreve muito, mas publicou pouco e quase exclusivamente em revistas literrias. Em 1921 cria a editora Olissipo que publica dois pequenos livros com os seus pequenos poemas ingleses e em 1924 funda a revista Athena. Em 1934 publica a Mensagem, o seu nico livro de poesia em portugus editado em vida. 7. Habitante solidrio de uma Lisboa que, com a ascenso do fascismo, cada vez mais cinzenta, atravessado frequentemente por estados depressivos e de melancolia e apenas se lhe conhece uma namorada, Oflia Queiroz, secretria de um dos escritrios onde trabalhou e com a qual manteve, por dois perodos, uma correspondncia de namoro, pelos cafs mantm pequenas tertlias e amizades construdas sobretudo em torno da literatura. Em 1932 concorre a um lugar de conservador bibliotecrio, em Cascais, mas no aceite. 8. Morreu aos 47 anos, no dia 30 de Novembro de 1935, na sequncia de uma crise heptica.Deixou milhares de textos inditos que tm vindo a ser publicados postumamente. Nesse labirinto infindvel de papis e palavras, muito especialistas tm mergulhado, para desvendar o mistrio do poeta criador de poetas. 9. 10. 11. 12. 13. 14. 15. 16. talvez o ltimo dia da minha vida.Saudei o Sol, levantando a mo direita,Mas no o saudei, dizendo-lhe adeus,Fiz sinal de gostar de o ver antes: mais nada. Alberto Caeiro mar salgado, quanto do teu salSo lgrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mes choraram,Quantos filhos em vo rezaram!Quantas noivas ficaram por casarPara que fosses nosso, mar!Valeu a pena? Tudo vale a penaSe a alma nao pequena.Quem quer passar alm do Bojador Tem que passar alm da dor.Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele que espelhou o cu. Fernando Pessoa 17. Para ser grande, s inteiro: nada Teu exagera ou exclui. S todo em cada coisa. Pe quanto s No mnimo que fazes. Assim em cada lago a lua toda Brilha, porque alta viveRicardo Reis No, no cansao... No, no cansao... uma quantidade de desiluso Que se me entranha na espcie de pensar. um domingo s avessas Do sentimento, Um feriado passado no abismo... No, cansao no ... eu estar existindo E tambm o mundo, Com tudo aquilo que contm, Como tudo aquilo que nele se desdobra E afinal a mesma coisa variada em cpias iguais. lvaro de Campos 18.