FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da ... · Módulo V – Aprendendo com Fatos...

of 25 /25
1 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro II Ensinos e Parábolas de Jesus Módulo V Aprendendo com Fatos Cotidianos

Embed Size (px)

Transcript of FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da ... · Módulo V – Aprendendo com Fatos...

  • 1

    FEDERAO ESPRITA BRASILEIRA

    Estudo Aprofundado da Doutrina Esprita

    Livro II Ensinos e Parbolas de Jesus

    Mdulo V Aprendendo com Fatos Cotidianos

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    2

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    3

    E o servo de um certo centurio, a quem este muito estimava, estava doente e moribundo. E, quando ouviu falar de Jesus, enviou-lhe uns ancios dos judeus, rogando-lhe que viesse curar o seu servo. E, chegando eles junto de Jesus, rogaram-lhe muito, dizendo: digno de que lhe concedas isso. Porque ama a nossa nao e ele mesmo nos edificou a sinagoga. E foi Jesus com eles; mas, quando j estava perto da casa, enviou-lhe o centurio uns amigos, dizendo-lhe: Senhor, no te incomodes, porque no sou digno de que entres debaixo do meu telhado; e, por isso, nem ainda me julguei digno de ir ter contigo; dize, porm, uma palavra, e o meu criado sarar. Porque tambm eu sou homem sujeito autoridade, e tenho soldados sob o meu poder, e digo a este: vai; e ele vai; e a outro: vem; e ele vem; e ao meu servo: faze isto; e ele o faz. E, ouvindo isso, Jesus maravilhou-se dele e, voltando-se, disse multido que o seguia: Digo-vos que nem ainda em Israel tenho achado tanta f. E, voltando para casa os que foram enviados, acharam so o servo enfermo. Lucas, 7:2-10.

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    5

    Cafarnaum caphar, que designa aldeia.

    Era uma aldeia moda tradicional judaica,

    diferente das cidades construdas moda

    romana, como Tiberades.

    Um posto militar respeitvel, pois possua

    uma centria.

    Jesus organizou vrias misses a partir

    dessa aldeia.

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    6

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    7

    Centurio: designao conferida ao chefe de uma companhia sobre o comando de cem homens.

    Historiadores sugerem um nome a esse chefe enrgico, digno e justo: Marcus Lucius, filho de um oleiro muito conhecido em Roma.

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    8

    O centurio representa o poder de

    Roma, o invasor e dominador.

    Os romanos eram odiados pelos

    judeus, que no suportavam a sua

    presso. Mas eram bajulados pelos

    membros do clero (fariseus, sobretudo)

    e pelos reis da Judeia.

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    9

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    10

    O servo no tinha nenhum valor para

    os romanos. Era um escravo de escala

    inferior (no pertencia ao clero nem

    nobreza).

    Se morresse era logo substitudo por

    outro.

    Os romanos escolhiam seus servos

    como algum escolhe um objeto til.

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    11

    O servo doente exemplo de algum

    que superou a situao de escravo e se

    transformou em criado, uma cria da

    casa.

    De escravo evoluiu para algum que

    amava o seu patro, que se comprazia

    no servio que prestava.

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    12

    Era pessoa especial

    Era estimado pelos judeus, inclusive os

    ancios (ele ama nossa nao e ele

    mesmo nos edificou uma sinagoga).

    Ele tinha amizade (o servo de um certo

    centurio a quem este estimava muito)

    pelo servo.

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    13

    Era pessoa especial

    Tinha considerao e respeito pelo

    servo, pedindo auxlio a Jesus, por meio

    da intercesso dos judeus (enviou-lhe

    uns ancios dos judeus, rogando-lhe que

    viesse curar o seu servo).

    Rogar no simples pedido, suplica.

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    14

    Era pessoa especial Possua grande capacidade de liderana:

    atendia aos propsitos de Roma, mas

    tratava bem o povo dominado,

    identificando as suas maiores

    necessidades (edificou-nos uma

    sinagoga).

    Era sincero em sua liderana: ele ama a

    nossa nao

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    15

    Era pessoa especial

    Sabia identificar uma autoridade superior:

    recorreu a Jesus, primeiro por intermdio dos

    judeus, depois por meio de uns amigos, depois

    por si mesmo.

    Destaca-se a disposio dos judeus e amigos

    em atender o pedido do centurio: intercesso

    que no tem carter de imposio, mas de

    atender o pedido de uma pessoa que

    estimada.

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    16

    Era pessoa especial Postura humilde diante de quem lhe superior:

    Senhor, no te incomodes, porque no sou digno

    de que entres debaixo do meu telhado.

    Telhado: no teto, mas cobertura da casa.

    Casa: lugar em que se fornece abrigo, vida ntima,

    casa mental ou essncia do Esprito. Telhado

    cobertura, que no revela, necessariamente, o que

    vai no ntimo, o que aquela casa guarda.

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    17

    Era pessoa especial Postura humilde ante a autoridade maior: E,

    por isso, nem ainda me julguei digno de ter

    contigo.

    No me julguei digno de ter contigo: como se

    dissesse: a cobertura de minha casa revela um

    romano conquistador, um militar comandante de

    cem homens. Para seguir seus passos, eu teria

    que me despojar de tudo isso, mas no sou digno,

    pois ainda vivo no mundo de Csar.

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    18

    Era pessoa especial Soube identificar a grandeza de Jesus: dize,

    porm, uma palavra, e o meu criado salvar.

    Servo e criado: o primeiro, em termos

    histricos, era algum escravizado, que servia,

    jamais questionando se servia com prazer. O

    criado contratado, que tem um servio

    especfico a realizar, no escravo.

    O criado pode fazer apenas os deveres ou ir

    alm. Parece que era esta a atitude do doente.

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    19

    Era pessoa especial

    Teve postura humilde, reconheceu o poder de

    Jesus, e subserviente, perante Cristo, falou

    tambm com a autoridade conferida pelo poder

    romano:

    Porque tambm eu sou um homem sujeito

    autoridade, e tenho soldados sob o meu poder, e

    digo a este: vai, e ele vai; e a outro: vem, e ele

    vem; e ao meu servo: faze isto, e ele faz.

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    20

    Jesus identificou, prontamente, quem era, efetivamente, o centurio de Cafarnaum:

    Um homem bom, digno, honesto, de grande valor, que se encontrava sob o peso da expiao de servir como militar, a despeito dos valores espirituais que possua.

    Qualidades que o centurio manifestava, de forma simples, na convivncia pacfica com o povo conquistado e na amizade dedicada ao seu servo (escravo) que, por certo, foi elevado categoria de criado (remunerado e que fazia alm das obrigaes).

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    21

    Da Jesus afirmar:

    Digo-vos que nem ainda em Israel

    tenho achado tanta f.

    Israel: smbolo do monotesmo, da

    crena em Deus. Os romanos eram

    politestas.

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    22

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    23

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    24

  • FEB -

    EAD

    E

    Liv

    ro II -

    Mdulo

    V

    Rote

    iro 4

    O

    Centu

    rio d

    e C

    afa

    rnaum

    25