FERRAMENTAS E TÉCNICAS DA CRIATIVIDADE Dep. Engª Química FCTUC Outubro 2001.

of 77/77
FERRAMENTAS E TÉCNICAS DA CRIATIVIDADE FERRAMENTAS E TÉCNICAS DA CRIATIVIDADE Dep. Engª Química Dep. Engª Química FCTUC FCTUC Outubro 2001 Outubro 2001
  • date post

    16-Apr-2015
  • Category

    Documents

  • view

    108
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of FERRAMENTAS E TÉCNICAS DA CRIATIVIDADE Dep. Engª Química FCTUC Outubro 2001.

  • Slide 1
  • FERRAMENTAS E TCNICAS DA CRIATIVIDADE Dep. Eng Qumica FCTUC Outubro 2001
  • Slide 2
  • Sumrio Introduo Introduo Porqu a Criatividade Criatividade e Engenharia O Processo mental da criatividade O Processo mental da criatividade Metodologia de suporte ao pensamento criativo e inovao Metodologia de suporte ao pensamento criativo e inovao Ferramentas da criatividade Ferramentas da criatividade
  • Slide 3
  • Introduo: Porqu a criatividade? Bom desempenho financeiro de uma empresa a longo prazo Os clientes cada vez mais exigem produtos inovadores Os concorrentes copiam as inovaes a um ritmo cada Os concorrentes copiam as inovaes a um ritmo cada vez mais rpido vez mais rpido Existem novas tecnologias que possibilitam a inovao O que costuma funcionar hoje j no funcionar amanh Competitividade empresarial Criatividade e Inovao
  • Slide 4
  • Criatividade Ligao e o rearranjo de conhecimentos nas mentes de pessoas que se disponham a pensar de forma flexvel por forma a gerar ideias inovadoras e por vezes surpreendentes que possam ser julgadas teis por terceiros. Inovao a primeira implementao prtica e concreta de uma ideia criativa de tal forma que justifique um reconhecimento extrnseco ao indivduo ou organizao. Definies
  • Slide 5
  • Implicaes das definies Criatividade Associaes de conhecimentos latentes Cultivar traos caractersticos de personalidade como a espontaneidade e a flexibilidade de pensamento Ideias criativas implementadas Inovao Reconhecimento de terceiros do valor de uma ideia aplicada
  • Slide 6
  • Obstculos criatividade Cultura empresarial Cultura empresarial Sc. XX Condies scio-econmico-culturais Condies scio-econmico-culturais Nas escolas Em casa No emprego
  • Slide 7
  • Sc. XXI No Sc. XXI a criatividade e inovao devero ser os motores que movimentam as organizaes
  • Slide 8
  • Criatividade e Engenharia? EngenhariaCriatividade Mtodos analticos Processos e ferramentas bem definidas Anlise tcnica por vezes quantificada Imaginao Aproveitamento de ideias Estmulos e provocaes ao pensamento Pouco planeamento e metodologia ?
  • Slide 9
  • EngenhariaCriatividade Desenho de processo e reengenharia Desenho de processo e reengenharia Anlise das necessidades dos clientes Anlise das necessidades dos clientes Desenvolvimento de novos produtos e servios Desenvolvimento de novos produtos e servios Resoluo de problemas e melhoria contnua Resoluo de problemas e melhoria contnua
  • Slide 10
  • Metodologia criativa vs Metodologia analtica
  • Slide 11
  • Qual a abordagem correcta? Nenhuma! A Abordagem ao problema depende: Da formao Da formao Da personalidade De experincias anteriores No h uma abordagem adequada resoluo de todos os problemas!
  • Slide 12
  • Por outras palavras: importante ter alguma flexibilidade na forma como se aborda um tema de maneira a que, caso no se consiga obter resultados com o estilo que faz parte da cultura de cada indivduo (ou organizao), se possa abordar o mesmo problema usando uma outra perspectiva.
  • Slide 13
  • Exemplo: Tema: Reduzir o n de falhas na medicamentao de doentes acamados num hospital Equipa de melhoria Dados 23% de falhas Esquecimento e distraco das enfermeiras Diagramasde Pareto Diagramas de ParetoCausa-efeito
  • Slide 14
  • Soluo proposta: Quadro branco de grandes dimenses Um responsvel pela medicamentao Grande aco de sensibilizao das enfermeiras Resultados Reduo do nmero de falhas para 11 %
  • Slide 15
  • Quando se deve usar uma anlise tcnica ou uma abordagem criativa? Quando uma das abordagens conduz a um beco sem sada Anlise tcnica Abordagem criativa Becosemsada? Solues Solues Becosemsada? Desafio NS N S
  • Slide 16
  • Sintomas de becos sem sada nos mtodos analticos Frustrao por no conseguir isolar a causa, propor a soluo Frustrao por no conseguir isolar a causa, propor a soluo ou atingir os objectivos desejados aps implementao da soluo ou atingir os objectivos desejados aps implementao da soluo O esforo de recolha e anlise de dados tem sido imenso mas no O esforo de recolha e anlise de dados tem sido imenso mas no parece fornecer qualquer indicao clara quanto ao caminho a seguir parece fornecer qualquer indicao clara quanto ao caminho a seguir Foram reexaminados vrias vezes os dados e relatrios anteriores Foram reexaminados vrias vezes os dados e relatrios anteriores mas as solues apontadas so sempre as mesmas mas as solues apontadas so sempre as mesmas Acusaes de que outros no esto a ser razoveis, lgicos ou cooperativos Acusaes de que outros no esto a ser razoveis, lgicos ou cooperativos Pedido de reviso em baixa dos objectivos originais para o projecto Pedido de reviso em baixa dos objectivos originais para o projecto dado que a equipa se apercebeu que os objectivos inicialmente dado que a equipa se apercebeu que os objectivos inicialmente traados eram muito ambiciosos traados eram muito ambiciosos Contentamento com o bom desempenho alcanado apesar de ficar Contentamento com o bom desempenho alcanado apesar de ficar aqum o desejado (satisficing) aqum o desejado (satisficing)
  • Slide 17
  • 2. O processo mental da criatividade O mecanismo do pensamento A realidade PercepoRegisto Reconhecimento CodificaoJulgamentoescolhaPreferncias Crenas Satisficing Deciso Pensamento de Ordem Superior Algoritmos Modelos Heursticos Experincia MemriaArmazenamento Recuperao de informao Associao
  • Slide 18
  • O papel da percepo A mente descarta uma esmagadora maioria da informao, apenas registando uma pequena poro A tendncia da mente para prestar ateno precisamente aos estmulos que coincidem com padres com significado previamente conhecidos Quanto mais tempo uma pessoa dispuser para parar e constatar (usando todos os sentidos) e reunir o mximo de informao de forma consciente, maior ser o nmero de detalhes e de codificaes que armazenar na memria.
  • Slide 19
  • Porque to importante prestar ateno para se ser criativo? Pela prpria definio de criatividade: Ligao e rearranjo de conhecimentos nas mentes de pessoas que se disponham a pensar de forma flexvel por forma a gerar ideias inovadoras e por vezes surpreendentes que possam ser julgadas teis por terceiros.
  • Slide 20
  • O papel da memria no pensamento criativo Modelo topogrfico do mecanismo da mente A informao oriunda da percepo canalizada de acordo com A informao oriunda da percepo canalizada de acordo com padres j existentes. padres j existentes. Quando se armazena informao que obedece a um padro j existente, Quando se armazena informao que obedece a um padro j existente, est-se a escavar um pouco mais fundo o vale que corresponde a est-se a escavar um pouco mais fundo o vale que corresponde a essa informao. essa informao. Quanto mais escavado for o vale mais rpida e automaticamente Quanto mais escavado for o vale mais rpida e automaticamente o nosso pensamento segue o curso desse vale. o nosso pensamento segue o curso desse vale. Quando se apreende uma nova informao, cria-se um novo Quando se apreende uma nova informao, cria-se um novo vale, ainda pouco escavado. vale, ainda pouco escavado. Uma ideia criativa tem a sua origem na associao de dois vales mentais Uma ideia criativa tem a sua origem na associao de dois vales mentais que no tinham sido antes conectados (ex. os humoristas). que no tinham sido antes conectados (ex. os humoristas). Quanto maior for o nmero de vales mentais, mais variados so Quanto maior for o nmero de vales mentais, mais variados so os caminhos do pensamento e maiores as probabilidades de se associar os caminhos do pensamento e maiores as probabilidades de se associar dois vales mentais de forma criativa. dois vales mentais de forma criativa. Trabalho criativo de equipa multiplica o nmero de vales mentais. Trabalho criativo de equipa multiplica o nmero de vales mentais.
  • Slide 21
  • Exerccio de pensamento divergente Ligue os 9 smbolos no mximo com 4 linhas rectas sem levantar a caneta do papel.
  • Slide 22
  • Soluo 1 Quebrar o pressuposto que as linhas tm que estar dentro do quadrado imaginrio formado pelos pontos.
  • Slide 23
  • Soluo 2 Quebrar o pressuposto que as linhas tm que passar pelo centro dos smbolos
  • Slide 24
  • Soluo 3 Quebrar o pressuposto que a linha tem espessura fina
  • Slide 25
  • Mais importante que tudo... Quebrar o pressuposto que os problemas tm uma nica soluo! Se se dobrar o papel Se verificarmos bem a definio de ligar Se se levantar o papel da caneta Se se usar um lpis Existem mais de 100 solues!
  • Slide 26
  • O papel da memria na criatividade Tentar chegar a novas ideias fazendo novas associaes Pesquisar padres de conhecimento existentes na memria e tentar contrari-los Quando se est a rir de uma situao ou ideia, parar para pensar qual o conceito que provoca o riso Procurar novas associaes mentais analisando os vales mentais de terceiros Abrandar ou deliberadamente retardar o pensamento por forma a identificar conceitos intermdios Seleccionar aleatoriamente uma palavra e relacion-la de alguma forma com a situao em anlise, estando sempre atento a novos conceitos Interromper, o retardar e o redireccionar o pensamento na procura de novas associaes
  • Slide 27
  • Em resumo: no deixar que a nossa memria nos pregue partidas, ou como dizia um colega meu... ASSUME = ASS+ U+ ME
  • Slide 28
  • O papel do subsistema do julgamento no pensamento criativo O processo mental de julgamento e escolha um processo inerentemente emocional por vezes irracional A soluo que um indivduo encontra para responder a determinada situao no , geralmente, ptima Satisficing Reprime o pensamento criativo!
  • Slide 29
  • Na abordagem criativa Suspender o julgamento! Das ideias de terceiros Das nossas prprias ideias
  • Slide 30
  • Exerccio n 2 de pensamento divergente Determinado indivduo pretende estimar a altura de um edifcio de 20 andares. Para tal dispe apenas de um barmetro. Como poder proceder esta pessoa para desempenhar a sua tarefa?
  • Slide 31
  • Comparar o comprimento da sombra do barmetro e a sombra do edifcio Baloiar o barmetro preso por um fio no topo do edifcio e calcular o perodo Deixar cair o barmetro do topo do edifcio e medir o tempo que demora a atingir o solo Medir a quantidade de barmetros de um andar e multiplicar por vinte Atar um fio ao barmetro e pendur-lo desde o topo at ao barmetro tocar no cho. Medir o comprimento do fio Oferecer o barmetro ao porteiro do edifcio em troca da informao desejada
  • Slide 32
  • No existe uma soluo nica! Tentar procurar mais que uma soluo! No menosprezar o bvio Evitar o julgamento precipitado de ideias Lies a retirar Evitar o satisficing
  • Slide 33
  • 3. Metodologia de suporte ao pensamento criativo e inovao Modelo para aplicao de ferramentas da criatividade Realidade Observao I. Preparao Anlise Criao II. Imaginao Recolha Melhoria III. Desenvolvimento Avaliao Implementao IV. Aco
  • Slide 34
  • Distribuio de tempos no ciclo da criatividade I. PreparaoII. Imaginao III. Desenvolvimento IV. Aco 20% 40%
  • Slide 35
  • 4. Ferramentas da criatividade Existem centenas de ferramentas para estimular a criatividade de equipas Existem centenas de ferramentas para estimular a criatividade de equipas Deve-se utilizar o maior nmero possvel de ferramentas, dentro de limites Deve-se utilizar o maior nmero possvel de ferramentas, dentro de limites razoveis de tempo razoveis de tempo Nunca se sabe partida qual a ferramenta que vai ser mais eficaz na Nunca se sabe partida qual a ferramenta que vai ser mais eficaz na abordagem a determinado tema abordagem a determinado tema
  • Slide 36
  • Sete Ferramentas de Criatividade Redefinio do Problema Fugas Alternativas a Pontos Fixos Analogias Criao de Novos Mundos ABC DEF Palavras Aleatrias 4 Organizao de Ideias
  • Slide 37
  • Redefinio do problema Redefinio do Problema Boas equipas de criatividade so, acima de tudo, boas equipas de redefinio dos problemas Manipular a definio do tema Hierarquizao do problema Combinao de palavras-chave
  • Slide 38
  • Redefinio do Problema Hierarquizao do problema A melhor forma de resolver um problema resolver um ligeiramente diferente: redefinir o assunto em debate Como diminuir a quantidade de pasta de papel no conforme? Que novos usos podero existir para pasta de papel no conforme?
  • Slide 39
  • Redefinio do Problema Hierarquizao do problema Metodologia 1. Escrever uma primeira definio bastante concisa e objectiva numa folha de Post-it folha de Post-it 2. Responder s seguintes questes: - Quais so outras formas mais subjectivas e latas de redefinir este problema? este problema? - Porque que eu me devo preocupar com este problema? - Quais so os objectivos no imediatos que se pretendem atingir? 3. Vrias redefinies do problema, escritas em post-it e que so muito diferentes no grau de subjectividade diferentes no grau de subjectividade 4. Rearranjar desde a definio mais ampla e subjectiva at mais restrita e objectiva restrita e objectiva 5. Utilizar 2 ou 3 destas definies na fase de imaginao NOTA: no investir em definies de nvel de abstraco demasiadamente elevadas
  • Slide 40
  • Redefinio do Problema Hierarquizao do problema Exemplo: Como diminuir os estragos em peas de vidro tornando mais eficiente o processo de carga e descarga dos camies? Qual a razo para carregar os camies? Acomodar carga para os distribuidores Qual a razo para acomodar a carga para os distribuidores?...
  • Slide 41
  • Redefinio do Problema Melhorar a vida dos clientes Melhorar a vida dos clientes Satisfazer a procura de produtos por parte dos clientes Satisfazer a procura de produtos por parte dos clientes Distribuir os produtos da empresa no mercado Distribuir os produtos da empresa no mercado Transportar os produtos para os distribuidores de forma eficiente Transportar os produtos para os distribuidores de forma eficiente Acomodar a carga em camies para entrega nos distribuidores Acomodar a carga em camies para entrega nos distribuidores Eficiente carga e descarga dos camies Eficiente carga e descarga dos camies Hierarquizao do problema Exemplo: Subjectividade
  • Slide 42
  • Eficiente carga e descarga dos camies Ideia inicial: Automatizao do processo de carga Muito dispendioso! Redefinio do Problema Acomodar a carga em camies para entrega nos distribuidores Empacotar uma maior quantidade de produto por cada pacote Distribuir os produtos da empresa no mercado Diminuir o nmero de distribuidores, transportando o produto para cada um deles por via martima (mantendo os pontos de revenda) Hierarquizao do problema Exemplo:
  • Slide 43
  • Combinao de palavras-chave Redefinio do Problema 1. Definio inicial do problema a debater Metodologia: 2. Seleco e isolamento de palavras-chave da frase que define o problema 3. Acrescentar sinnimos ou conceitos similares 4. Combinar as palavras aleatoriamente duas a duas e escolher os pares mais interessantes escolher os pares mais interessantes 5. Utilizar os pares de palavras numa sesso de gerao de ideias
  • Slide 44
  • Combinao de palavras-chave Redefinio do Problema Exemplo: Implementar um sistema inovador que permita diminuir o tempo de arranque de novos reactores para metade do actual Outras palavras-chave/sinnimos Inovador: RadicalArranque: Movimento Tempo: IdadeMetade: QuotaActual: futuro Combinao de palavras-chave: Sistema/ Movimento Arranque/Futuro Tempo/Radical Metade/Quota Idade/ Infalvel Metade/ Movimento
  • Slide 45
  • Redefinio do Problema Fase de imaginao Combinao de palavras-chave Exemplo: Metade/Movimento: Metade dos engenheiros qumicos, mecnicos e electrotcnicos da fbrica teriam de acompanhar o arranque dos novos reactores Metade/Quota: A equipa de engenheiros ou empresa responsvel pelo arranque receberiam de honorrios uma percentagem proporcional ao tempo de arranque Sistema/Movimento: Especializar uma pool de recursos no arranque de novos equipamentos: Uma equipa interdisciplinar com bastante mobilidade entre todas as instalaes fabris da empresa que poderia inclusiv prestar servios externos. Idade/Infalvel: No planeamento do arranque, constituir uma equipa a preparar o arranque com um nmero significativo de operadores e controladores da fbrica. Para alm da experincia acumulada, era uma forma de criar teambuilding dentro da fbrica e diminuir os custos com a formao Arranque/Futuro: Parceria com disciplina de Dinmica de Sistemas no DEQ para a modelizao da fase de arranque de reactores a instalar no futuro que permita efectuar um arranque 100% automtico e sem falhas
  • Slide 46
  • Fugas Incita a que se observe o problema em todos os seus detalhes Fugas Descobrir as assumpes e paradigmas e fugir tentando responder questo: - O que aconteceria se cada uma dessas regras fosse quebrada?
  • Slide 47
  • Fugas Metodologia 1. Definir o problema 2. Listar regras, assumpes, mtodos, paradigmas, lgica dominante, limitaes tecnolgicas, limitaes temporais ou espaciais, hbitos, tradies limitaes tecnolgicas, limitaes temporais ou espaciais, hbitos, tradies ou qualquer outro aspecto relacionado com o problema. ou qualquer outro aspecto relacionado com o problema. (Quanto mais bvia e detalhada a lista melhor) (Quanto mais bvia e detalhada a lista melhor) 3. Fugir temporariamente a essas restries e explorar o problema atravs de um movimento mental sobre o que aconteceria se cada uma dessas regras de um movimento mental sobre o que aconteceria se cada uma dessas regras fosse quebrada, ou de que forma os objectos e situaes da lista podem fosse quebrada, ou de que forma os objectos e situaes da lista podem ser utilizados na resoluo do problema ser utilizados na resoluo do problema Fugas
  • Slide 48
  • Fugas Diminuir o nmero de acidentes nas estradas relacionados com a elevada ingesto de lcool? Exemplo: Algumas assumpes, regras e hbitos relacionados com o problema: Fugas Nas escolas de conduo apenas se conduz sbrio. Nas escolas de conduo apenas se conduz sbrio. Os condutores alcoolizados so detectados quando so mandados Os condutores alcoolizados so detectados quando so mandados parar ou quando tm acidentes. parar ou quando tm acidentes. Os aparelhos de medio do nvel de lcool esto na posse da polcia e Os aparelhos de medio do nvel de lcool esto na posse da polcia e em alguns bares. em alguns bares. A escolha de dever ou no conduzir alcoolizado depende do condutor. A escolha de dever ou no conduzir alcoolizado depende do condutor. Quando um condutor est alcoolizado faz esses na estrada. Quando um condutor est alcoolizado faz esses na estrada.
  • Slide 49
  • Fugas Sesso de imaginao Exemplo: Fugas Ideia: Um sensor descobre que o condutor est a conduzir sob o efeito do lcool e bloqueia a caixa de mudanas por forma a no deixar o condutor meter nenhuma mudana Ideia: Cada carro vem equipado de origem com um sistema de balo para permitir ao condutor avaliar o seu estado Ideia: Criar um sistema de software de simulaes nas escolas de conduo para os alunos experimentarem a conduo sobre o efeito do lcool Ideia: Obrigar pessoas alcoolizadas a beber ainda muito mais, por forma a que aps ressaca no tenham vontade de repetir a aventura Ideia: Nos pontos de maior risco, disponibilizar um servio de policia gratuito para as pessoas que se sintam alcoolizadas e desejem regressar a casa com os seus veculos: um polcia conduzir a viatura do condutor Ideia: Na entrada e sada das portagens das auto-estradas os portageiros medem o grau de alcoolmia dos condutores Ideia: Um software no volante que permita detectar variaes na direco que indiquem um estado alcoolizado comunicando informaticamente polcia
  • Slide 50
  • Alternativas a Pontos Fixos Alternativas a Pontos Fixos Os mtodos actualmente utilizados para atingir determinados objectivos so apenas um meio para atingir outras finalidades mais abstractas. Os pontos fixos Quais os objectivos da existncia de determinados mtodos ou procedimentos? O que realmente se pretende que acontea? Qual o seu valor?
  • Slide 51
  • Alternativas a Pontos Fixos Metodologia: 1. Identificar os pontos fixos inerentes ao problema em anlise atravs da resposta s questes: da resposta s questes: Quais os objectivos da existncia de determinados mtodos ou procedimentos? O que realmente se pretende que acontea? Qual o seu valor? 2. Fugir da noo de que a forma actual de proceder a nica maneira de atingir esse ponto fixo atingir esse ponto fixo 3. Listar outras formas de o fazer Alternativas a Pontos Fixos
  • Slide 52
  • Alternativas a Pontos Fixos Como melhorar a recepo de pessoas (clientes, visitas, fornecedores, etc) numa fbrica? Pontos fixos do processo: Reconhecer a chegada da pessoa Reconhecer a chegada da pessoa Mostrar hospitalidade Mostrar hospitalidade Fornecer um local para aguardarem Fornecer um local para aguardarem Exemplo: Alternativas a pontos fixos
  • Slide 53
  • Alternativas a Pontos Fixos Exemplo: Lista de alternativas aos pontos fixos Reconhecer a chegada de uma pessoa Mostrarhospitalidade Local para pessoasaguardarem - Circuitos de cmaras no hall de entrada - Cada pessoa com um carto magntico de acesso ao parque de estacionamento ao parque de estacionamento - Porteiro ou arrumador com radio comunicao - Algum cumprimenta pessoa ao sair do carro ou ao entrar no edifcio ou ao entrar no edifcio - Quando entra vai directamente para o espao de atendimento onde servido um ch ou caf de atendimento onde servido um ch ou caf - Aguardam no hall ou sala de espera - Nunca esperam. Existe pessoal sempre disponvel para comear algum trabalho caso a pessoa de contacto para comear algum trabalho caso a pessoa de contacto esteja ocupada esteja ocupada - Agendar tarefas com uma folga de 10 min por forma a nunca fazer esperar ningum a nunca fazer esperar ningum
  • Slide 54
  • Alternativas a Pontos Fixos Combinar ideias para chegar a solues globais: Instalar circuitos de cmaras no corredor ou um sistema de cartes magnticos no parque de estacionamento. Um sinal sonoro alertar a recepo que identificar pela imagem a pessoa que est a chegar e atravs de um sistema informtico saber qual o motivo da sua chegada, e enviar uma mensagem electrnica para a(s) pessoa(s) que devero receber a pessoa. Entretanto, a recepo recebe porta a visita, trata-a pelo seu nome e encaminha-a directamente para o local previamente reservado, serve ch ou caf e entretm a pessoa at chegar o pessoal de apoio ou as pessoas designadas. Exemplo:
  • Slide 55
  • Analogias Analogias Tentar identificar algum princpio ou conceito de uma situao externa e que possa ser adaptada situao com que a equipa se depara 4 formas diferentes de analogias Analogias directas Analogias aleatrias foradas Excurses Teatralizao
  • Slide 56
  • Analogias Analogias directas Metodologia 1. Identificar qual a essncia fundamental do problema. 2. Listar o que ou quem que lida com uma situao semelhante ao problema. ao problema. 3. Estudar detalhadamente como esse problema ultrapassado por quem o vive e adapt-lo ao problema que se pretende resolver. quem o vive e adapt-lo ao problema que se pretende resolver.
  • Slide 57
  • Analogias Analogias directas Exemplo: Como diminuir o nmero de batatas fritas partidas devido ao manuseamento das embalagens? Algumas analogias: Empresas de transporte de cristais ou vidro Empresas de bolachas As folhas cadas no Outono Os cigarros
  • Slide 58
  • Analogias As folhas cadas no Outono Herbrio Folhas recolhidas ainda verdes e postas a secar dentro de um livro por forma a ficarem planas Massa de batata moldada uniformemente e empacotada num tubo Analogia Analogias directas Exemplo: Pringles!
  • Slide 59
  • Analogias Analogias aleatrias foradas Metodologia 1. Selecciona-se aleatoriamente um termo de uma lista de mundos paralelos 2. Forando uma analogia entre o mundo e os conceitos e realidades que a palavra sugere a cada membro da equipa tentando adapt-los situao a palavra sugere a cada membro da equipa tentando adapt-los situao real real (Combater a tendncia natural para no ver qualquer relao til entre as duas situaes)
  • Slide 60
  • Analogias Analogias aleatrias foradas Exemplo: Diminuir o nmero de defeitos no ponto de inspeco final numa fbrica de automveis Mundo paralelo: Notcias da TV Ideia: As notcias das televises usam obviamente peas feitas em vdeo. A linha de montagem tambm poderia utiliz-las para detectar as causas de defeitos visualmente Ideia: As notcias da televiso usam uma combinao de directos com peas pr-montadas. Na linha de produo qual a maior fonte de defeitos? As da linha de montagem ou as das peas pr-montadas? Ideia: Com a televiso interactiva pode-se ordenar os programas pela ordem que se desejar. Existe uma ordem de montagem que potencie a diminuio de defeitos no final da linha de produo?
  • Slide 61
  • Analogias Excurses Metodologia: 1. Efectuar uma excurso real ou virtual a um espao distante da realidade (a um jardim zoolgico, ao circo, a um centro comercial, etc.). (a um jardim zoolgico, ao circo, a um centro comercial, etc.). 2. Procurar deliberadamente por situaes que se possam relacionar com o problema actual. o problema actual. 3. Forar a analogia.
  • Slide 62
  • Analogias Excurses Excurso a um centro comercial Ideia: A cera do cho do centro comercial protege a superfcie. Poder-se- aplicar um tipo de cera aos automveis enquanto estiverem na linha de montagem por forma a no sofrerem riscos na pintura? Ideia: As montras so feitas de vidros bem limpos e transparentes para que os potenciais clientes possam apreciar os produtos expostos. Como aplicar isso linha de montagem? Raios-X para detectar defeitos internos? Telemetria? Peas crticas marcadas radioactivamente? Exemplo: Diminuir o nmero de defeitos no ponto de inspeco final numa fbrica de automveis
  • Slide 63
  • Analogias Teatralizao Metodologia: 1. Seleccionar vrias personagens, pessoas, animais, etc. 2. Usar emprestado os seus vales mentais e imaginar como seria que eles solucionariam o problema
  • Slide 64
  • Analogias Teatralizao Exemplo: Diminuir os custos com a manuteno da linha de produo Como resolveria o problema uma criana de 6 anos? Se a linha de produo fosse um brinquedo de uma criana, cada vez que ela no funcionasse ia a chorar ao p do pai ou da me a pedir que resolvesse o problema (ou comprar um novo ou arranjar o actual), pois sabe que o pai e a me resolvem tudo porque gostam muito do filho. Para cada equipamento principal numa fbrica poderia ser nomeado um pai ou uma me (ou padrinho e madrinha) responsveis pela sua manuteno preventiva. Se possvel essas pessoas deveriam ser as que inicialmente instalaram o equipamento pois tm maior afecto por ele. Um gato lava-se sempre que se deita e que se levanta, mantendo-se assim sempre Limpo. Numa linha de produo, um gato certamente reservaria um tempo dirio ou semanal para manuteno, onde todos os colaboradores, devidamente formados, realizariam este procedimento aos equipamentos com que lidam diariamente, no necessitando assim de uma equipa de manuteno preventiva. Como resolveria o problema um gato
  • Slide 65
  • Criao de Novos Mundos Criao de novos mundos Criao de novos cenrios relativamente detalhados Pensar como se deveria actuar nesse cenrio Cenrios de situao Cenrio ideal Dois mtodos
  • Slide 66
  • Criao de Novos Mundos Cenrios de situao Metodologia 1. Listar os factores que influenciam positiva ou negativamente a situao real 2. Dividir os factores em dois grupos: previsveis e imprevisveis 3. Descrever detalhadamente vrios cenrios, combinando os factores previsveis com vrias combinaes das foras imprevisveis previsveis com vrias combinaes das foras imprevisveis 4. Dar respostas da empresa para os novos cenrios, tentando responder s questes: responder s questes: O que deve a organizao fazer? Que servios oferecer? Que tendncias esto subjacentes a cada um dos cenrios? Como criar valor acrescentado para os clientes?
  • Slide 67
  • Criao de Novos Mundos Cenrios de situao Exemplo: Melhorar o sistema de gesto da ETARs de uma companhia vincola Composio dos efluentes Consumo de vinho (caudal de efluentes) Impacto ambiental dos efluentes Factores previsveis: Factores imprevisveis: Legislao ambiental Presso ambiental por parte dos consumidores Novas tecnologias bioqumicas de tratamento de efluentes
  • Slide 68
  • Criao de Novos Mundos Cenrio 1: Com a disseminao da informao, os consumidores boicotam as companhias vincolas que no sigam uma poltica de efluente zero. O governo toma uma medida legislativa com vista a encerrar todas as empresas que no cumpram com este objectivo. Cenrio 2: So patenteadas novas formas de tratamento bioqumico mas a empresa no domina a nova tecnologia nem pode investir na formao de alguns dos seus quadros devido a uma poca de rigorosa recesso. Cenrios de situao Exemplo:
  • Slide 69
  • Criao de Novos Mundos Ideia: Todas as empresas vincolas ficariam em dificuldade UMA NOVA OPORTUNIDADE DE NEGCIO! Realizar parcerias com especialistas nacionais e internacionais com vista a patentear um sistema de garanta efluente zero ou, caso exista, tentar garantir a representao exclusiva desse sistema em Portugal Ideia: deixar secar (evaporar) as lamas e transform-las em produtos secundrios reciclados (fertilizantes, acendalhas, rolhas, bases para copos e garrafas que sejam comercializados juntamente com o vinho, etc.) Ideia: Sistema de controlo remoto da ETAR, efectuado por empresas especializadas com monitorizao de dados via internet Cenrios de situao Exemplo:
  • Slide 70
  • Criao de Novos Mundos Metodologia 1. Imaginar uma situao ideal num mundo distante sem limitaes fsicas, espaciais ou tecnolgicas. espaciais ou tecnolgicas. 2. Voltar realidade dos dias actuais e pensar como a empresa pode evoluir na direco do cenrio criado tendo em conta as limitaes do mundo actual. na direco do cenrio criado tendo em conta as limitaes do mundo actual. Nota: Os cenrios no devem ser to pouco plausveis que faam do uso desta ferramenta um jogo tolo. Cenrio Ideal
  • Slide 71
  • Criao de Novos Mundos Exemplo: Um cenrio futurista para o funcionamento de um centro de cardiologia Pulsao e a presso arterial seriam medidos em casa do prprio paciente. Resultados posteriormente enviados via internet ou outro sistema de comunicao para o centro. O computador da clnica verifica os sinais vitais do cliente Cenrio Ideal Sinais vitais normais Mensagem ao cliente: Sinais normais Conta processada automaticamente Sinais vitais acima do normal Aumento da medicamentao Mensagem ao mdico Sinais vitais anormais Verifica agenda do mdico Fornece alternativas de datas e horas de consulta ao paciente
  • Slide 72
  • ABC DEF Palavras Aleatrias Palavras Aleatrias Metodologia: 1. Seleccionar um substantivo ou verbo aleatoriamente 2. Reflectir sobre as caractersticas (vales mentais) associados a essa palavra 3. Associar mentalmente ao tema em anlise ou... 1. Seleccionar uma preposio ou conjuno aleatoriamente 2. Seleccionar dois conceitos-chave relacionados com o tema em anlise 3. Colocar a preposio ou conjuno entre as duas palavars 4. Listar ideias que surjam atravs da associao das palavras
  • Slide 73
  • ABC DEF Palavras Aleatrias Exemplo: Como coordenar eficientemente as vrias tarefas de um projecto industrial? Substantivos: Morcego: Os morcegos tm um sistema de orientao no escuro semelhante a um radar, permitindo ouvir ecos das vrias situaes que se lhes deparam. Num projecto, todos os recursos envolvidos devero ter sua disposio uma listagem das suas tarefas semanais. No final da semana, essa checklist dever ser devolvida para anlise do progresso. Caso o progresso no seja adequado, este sistema de recolha de ecos passa rapidamente para reporting dirio. Caso algumas tarefas continuem a derrapar, as equipas respectivas entraro num verdadeiro programa morcego, rodando a equipa por forma a trabalhar no projecto 24 horas por dia pois deles depende a concretizao do projecto Sauna: momento de relax! Num projecto exigente devem ser contemplados perodos conjuntos para descontraco das equipas que lhes permita recarregar as baterias e aumentar o teambuilding: sauna, descida do Mondego de canoa; bungee jumping, kart; provas de orientao de equipas, etc. Palavras Aleatrias
  • Slide 74
  • ABC DEF Palavras Aleatrias Verbos: Comparar: Estabelecer objectivos bem claros para as equipas. Comparar semanalmente o seu Desempenho de acordo com os objectivos e afixar esses resultados em lugar visvel. Preposies e Conjunes: Projecto (em vez) coordenao: Descentralizar a coordenao do projecto. A cada equipa apenas dado uma misso com limite temporal. Cada equipa calendariza o seu mini-projecto da forma que achar melhor. Numa fase posterior feita a anlise e articulao do planeamento das diversas equipas. Exemplo: Palavras Aleatrias Inverter: Alm de planear o projecto correctamente, planear para o desastre, ou seja: definir planos de contingncia logo antes da implementao: segurana, recursos humanos, fsicos, financeiros, atrasos e seu impacto, etc. Projecto (oposto) tarefas: As pessoas envolvidas devero estar cientes que o projecto Envolve outras equipas noutras tarefas que no as delas. Deveria haver um encontro peridico em que o responsvel mximo do projecto fizesse o ponto de situao, seguido de uma apresentao de uma das equipas que descreveria em detalhe as tarefas que j realizou, as Dificuldades encontradas e como as ultrapassou. Em alternativa, tal poderia ser feito numa intranet, com uma base de dados com os problema encontrados e a forma como foram ultrapassados
  • Slide 75
  • 4 Organizao de Ideias Sistematizar, analisar, desenvolver, avaliar e seleccionar as centenas de ideias geradas no processo criativo 1. Organizar ideias por famlias, por ex: - Ideias com o mesmo objectivo - Ideias aplicadas ao mesmo processo 2. Pr-classificao das ideias RTU (Ready To Use) - Prontas Para Implementao SEED (Seedlings) - Frteis UD (Useful Directions) - Caminho a Seguir NR (Not Ready) No Utilizvel A Pr-classificao deve ser feita: Em equipa Em equipa Por intuio Por intuio Por pessoas optimistas Por pessoas optimistas Organizao de Ideias
  • Slide 76
  • 4 Organizao de Ideias 3. Seleco de ideias Escolher as ideias mais interessantes e promissoras do vasto conjunto de Escolher as ideias mais interessantes e promissoras do vasto conjunto de ideias gerado ideias gerado Deve-se seleccionar o dobro da quantidade de ideias implementvel num Deve-se seleccionar o dobro da quantidade de ideias implementvel num espao de 12 meses na organizao espao de 12 meses na organizao Organizao de Ideias Alta Mdia Baixa Compatibilidade Atractividade
  • Slide 77
  • 4 Organizao de Ideias 4. Desenvolvimento das ideias Nomear um responsvel (pessoa ou equipa) para o desenvolvimento de cada uma das ideias seleccionadas Moldagem Como se poder moldar a ideia por forma a anular eventuais objeces que possam vir a resultar na rejeio da ideia? Concepo medida Como se poder modificar a ideia por forma a melhor colmatar as necessidades da empresa? Fortalecimento Como se poder aumentar o poder ou o valor acrescentado da ideia? Reforo O que poder ser feito quanto aos seus pontos fracos? Organizao de Ideias
  • Slide 78
  • 4 Organizao de Ideias Organizao de Ideias
  • Slide 79
  • 4 Organizao de Ideias 5. Documentar a ideia Organizao de Ideias
  • Slide 80
  • 4 Organizao de Ideias 6. Avaliao de ideias O processo de avaliao de ideias dever ser efectuado pelo grupo de pessoas O processo de avaliao de ideias dever ser efectuado pelo grupo de pessoas que tenham o poder de alocar recursos e solicitar a colaborao de todos que tenham o poder de alocar recursos e solicitar a colaborao de todos Organizao de Ideias
  • Slide 81
  • 4 Organizao de Ideias Outras variveis que podem ser utilizadas na avaliao: Eficcia para cumprimento de objectivos Custo de implementao Singularidade da ideia Implicaes morais ou legais Probabilidade de sucesso Facilidade de implementao Reaco dos clientes Potencial de rendibilidade ou de reduo de custos Ausncia de riscos ou consequncias nefastas Tempo para implementao Tecnologia disponvel Simplicidade da ideia Sentido de urgncia Conformidade com as foras da organizao Nvel de apoio interno Organizao de Ideias
  • Slide 82
  • Posicionamento das ferramentas da criatividade na metodologia de pensamento criativo
  • Slide 83
  • Bibliografia Michalko, M., 1991, Thinkertoys: a Handbook of Business Creativity for the 90s, Bekerley, Califrnia, Ten Speed Press Plsek, Paul E., 1997, Creativity, Innovation and Quality, Milwaukee, Winsconsin, ASQC Hall, Doug, 1996, Jump Back your Brain,Warner Books http://creativeideas.20m.com/ http://www.gocreate.com/ http://www.cul.co.uk/ http://members.ozemail.com.au/~caveman/Creative/ http://freespace.virgin.net/david.weeks5/map/ http://www.brainstorming.co.uk/ http://www.directedcreativity.com/pages/core.html http://www.cre8ng.com/Sites Hall, Doug; Peters, Tom, Sept 2001, Jump Back your Business Brain: Win more, Lose less and make more money, Betterway Publications