Galo de briga outubro 2012

Click here to load reader

  • date post

    04-Jun-2015
  • Category

    Documents

  • view

    675
  • download

    4

Embed Size (px)

Transcript of Galo de briga outubro 2012

  • 1. Outubro / 2012O Galo de Briga um jornal editado pela Comisso Sindical do Andara, formadapelos delegados sindicais de diversos prefixos do Complexo do Andara-BB / RJ Campanha Salarial 2012: OS BANCRIOS PODEM MAIS! A nossa campanha salarial 2012 foi muito parecida Nossa avaliao de que os bancrios, quandocom as de anos recentes. Repetiu as velhas frmulas daorganizados e mobilizados, podem muito mais! AsCONTRAF-CUT que atrapalham o avano da luta dos ltimas campanhas salariais no representaram averdadeira fora da nossa categoria. O nossobancrios. Quase nenhuma preparao: no tivemosafastamento facilita o trabalho daqueles que agemplenrias setoriais ou de delegados sindicais, foramcotidianamente para derrotar as nossas lutas. Osconvocadas apenas duas assembleias e pronto,obstculos s podero ser superados pelo aumento daestamos em greve por tempo indeterminado. Este oparticipao, colocando o controle da greve nas moscenrio perfeito para uma greve controlada, onde ada categoria.opinio dos bancrios conta muito pouco ou quase QUEM SE MOBILIZA CONQUISTA:nada, levando a uma participao cada vez menor da O EXEMPLO DA CABB!categoria. Se no geral o acordo especfico do BB no teve No BB e na Caixa, a maior parte dos funcionriosavanos, para um setor houve conquistas. Osaderiu ao movimento grevista, mas ficou longe dasfuncionrios que trabalham nas Centrais deassembleias ou de qualquer atividade da greve. AtAtendimento (CABBs) mostraram o caminho paramesmo na assembleia que deflagrou a greve e na deconquistarmos nossas reivindicaes. Antes mesmo deseu encerramento, o comparecimento foi muito baixo.comear a campanha salarial, organizaram-se e fizeramO resultado, todos j conhecem: nenhuma dasum encontro nacional dos atendentes. Realizaram duasprincipais reivindicaes foi atendida. O reajuste noparalisaes em nvel nacional, antes da greve darefletiu nossas necessidades, nem o que produzimoscategoria. Durante a greve, alcanaram, em So Paulo,para os bancos; o piso salarial continua achatado e nouma paralisao superior a 90%. O resultado foi quecaso do BB, o reajuste foi inferior ao da Fenaban; oduas de suas reivindicaes centrais foram atendidas: adireito jornada de seis horas ficou limitado a umatrava de dois anos para solicitar transferncia foicarta de boas intenes do banco. O BB sereduzida para um ano e as comisses de atendentes A ecomprometeu a apresentar at janeiro de 2013 umB foram unificadas, com aumento do valor deplano de comisses de seis horas para alguns cargos.referncia para R$ 2.554,20. Com isso, um atendente B,O banco quer, no entanto, uma mudana feita de formaque est no primeiro nvel do PCS (A1), vai ter um au-unilateral, com a suspenso das aes na justia.mento de 30,43%. Esta vitria nos mostra que, quandoestamos organizados e mobilizados, possvelconquistar nossas reivindicaes. Tertlia: agrupamento, reunio de parentes ou amigos; palestra literria; pequena agremiao literria; reunio de gente para discutir ou conversar.

2. ACONTECEU NA GREVESambATO no SEDAN uma maravilhosa roda de samba organizadapelos delegados sindicais do SEDAN, com a presena de bancriosde diversos bancos, com microfone aberto para intervenes edilogo com os transeuntes.ATO UNIFICADO nem a chuva que caiu no dia atrapalhou o atoconjunto dos bancrios, trabalhadores dos Correios, metalrgicos epetroleiros. Uma bela passeata da Candelria Cinelndia, comintervenes dos trabalhadores e apoio da populao.ADVOGADOS DO BB Esta greve foi marcada por fortemobilizao dos advogados do banco, sobretudo emrelao luta pela jornada de 6 horas. Durante a greveeles realizaram plenria em frente ao Sedan e fizeram umadesivo especfico, falando da jornada de trabalho.ATO NO GALO - Os funcionrios do Complexo do Andararealizaram um ato no dia 13/09, convocado pela ComissoSindical. Os trabalhadores debateram sobre a assembleiarealizada no dia anterior (12/09) e sobre os rumos dacampanha salarial. Ao final do ato, votaram umacarta encaminhada direo do sindicato, que foientregue durante a plenria dos delegados sindicaisque aconteceu na mesma semana.SINDICALIZE-SE!Agradecemos a solidariedade de todos os terceirizadosqueO Sindicato uma importante ferramenta de luta dos trabalhadores e, portanto, no podemos abrir mo dele. Temos que tertrabalham no Complexo do Andara clareza em distinguir os sindicatos de suas direes. O que necessitamos nossa greve. Entendemos que a , quando das eleies sindicais, derrotarmos essas direes pelegas eterceirizaonos divide e eleger uma nova, comprometida com a organizao e a luta da categoria.enfraquece a luta de todos por Para isso precisamos votar, o que s ser possvel se estivermosdireitos e melhores condies de sindicalizados. trabalho. Por isso, defendemos oRevoltados com a atuao dessas direes, muitos funcionrios do BB se desfiliaram do Sindicato, o que compreensvel. Porm, assim,fim da terceirizao e os mesmos abriram mo da nica arma que tinham para mud-lo a seu favor. Hoje direitos dos bancrios para todos somos muito poucos sindicalizados no BB. Somente com um processoque trabalham dentro dos bancos. macio de sindicalizao poderemos resgatar o Sindicato para o seu devido papel! SINDICALIZE-SE! 3. Representantes do funcionalismo no Comit de tica renunciam ao mandatoH dois anos, o banco implementou Comits de deciso do Banco de prorrogar o mandato sem consultatica Estaduais, apresentados como um sinal da sua ao funcionalismo, os representantes eleitos no Rio dedisposio em combater o assdio moral. OJaneiro, Vnia Gobetti (delegada sindical da GECOI) efuncionalismo elegeu um representante e um suplenteFernando Cordeiro (delegado sindical do CSL), juntopara cada Comit, cujo mandato seria de dois anos. com representantes de outros Estados, decidiramDurante este tempo, os Comits no funcionaram, pois renunciar aos seus mandatos e fazer um chamado parao banco no permite que as denncias cheguem at que os outros funcionrios que concorreram eleioeles. Elas ficam travadas na Ouvidoria Interna e nas no assumam se convocados pelo banco. O anncio daGepes, instncias anteriores ao Comit. Dentre os 27 renncia foi feito por Vnia e Fernando na assembleiaComits de tica do pas, h conhecimento de apenasespecfica do BB que encerrou a greve.trs casos analisados. Ao mesmo tempo, a prtica doNo podemos ter iluses no Comit de tica ouassdio moral foi generalizada e banalizada dentro doem qualquer outra ferramenta criada unilateralmenteBB. A formalidade dos Comits de tica to clara que pelo banco, j que ele usa o assdio moral comoem setembro o mandato dos representantes doinstrumento de gesto para alcanar os resultados quefuncionalismo acabou e o banco, ao invs de realizar ele deseja. Precisamos discutir e exigir do banco anova eleio, simplesmente o prorrogou sem qualquercriao de outros canais para registro de denncias e adivulgao e sem avisar aos representantes eleitos.implementao de polticas inibidoras do assdio.Diante da farsa que se constitui este Comit e daJornada de 6 horas j, sem reduo salarial!No podemos acreditar em carta de boas intenes do BB em relao jornada de 6 horas. Foiassim com o PCS, que o BB se comprometeu a apresentar uma proposta e at agora nada, e oplano odontolgico, implantado depois de 2 anos e muito aqum das nossas expectativas. Almdisso, a implementao da jornada de 6 horas pode vir com grandes ataques, como reduosalarial e quitao do passivo trabalhista. No podemos esperar a definio unilateral do banco.Precisamos construir, desde j, um calendrio de mobilizao e exigir que o Sindicato cumpra seupapel. A lei j nos garante a jornada de 6 horas! No abriremos mo do nosso direito!NS NO VAMOS PAGAR NADA! A Comisso Sindical convidaA greve um direito! Quem lutou por todos no pode ser punido!para a 1 Tertlia do CARJ. Da mesma forma que nos anos anteriores, o acordo coletivo assinado pelo banco prev, MAS NO OBRIGA,Com poesia, msica, bate-papo a compensao das horas de greve. A greve um direito garantido em lei e ela ocorre pela intransigncia dose comes e bebes. banqueiros e do governo nas negociaes. Segundo o acordo, o Banco no pode efetuar nenhum tipo de Dia: 25/10 (quinta-feira) desconto em relao aos dias parados e ningum pode ser obrigado a compensar as horas de greve. AquelasHorrio: a partir das 18h no compensadas at o dia 15 de dezembro sero anistiadas. DIGA NO COMPENSAO!Local: 14 andar Veja abaixo os delegados sindicais que formam a Comisso Sindical do Andara: Andr Leo Ramal: 4215Fabrcio Ramal: 5538Fernando Cordeiro Ramal: 5650Gleide Ramal: 5494 Ney Ramal: 5220 Patrcia Ramal: 5305 Paulo Ramal: 4352 Paulo Henrique Ramal: 4451Ronaldo Ramal:5360 4. O significado das opresses para os trabalhadores Opresso toda conduta ou ao que mulheres e negros para desenvolver a mesma funo detransforma diferenas em desigualdades, para que estas um homem branco ou nas diferenas dos trabalhosbeneficiem um determinado grupo em relao a outro.desenvolvidos majoritariamente por estes gruposA opresso dos negros racismo, das mulheres, dentro da sociedade, que em geral so os maismachismo e dos homossexuais, homofobia. Para desgastantes e desvalorizados. Na sociedade capitalista,justificar as opresses, a sociedade em que vivemos cria as opresses servem para aumentar o lucro dos patres,ideologias falsas, como a ideia de que mulheres e medida que justificam os salrios menores ou menosnegros so inferiores, ou de que as mulheres tm despesas com direitos para determinados grupos. Dessadeterminadas caractersticas queas tornamforma, servem tambm para aumentar a explorao denaturalmente mais aptas aos afazeres domsticos. Almtoda classe trabalhadora. Vemos isso tambm no casodisso, esta sociedade naturaliza as opresses e nos fazdas diferenas entre funcionrios e terceirizados, estesacreditar que o mundo sempre funcionou assim e que ltimos sofrem com a falta de direitos e ainda com oassim sempre ser. Mas isso no verdade! Diversostratamento desigual.estudos antropolgicos mostram que em muitas Infelizmente, as opresses so reproduzidassociedades antigas, que viviam sob um comunismocotidianamente pelos prprios trabalhadores, nasprimitivo, homens e mulheres tinham papel igualmente relaes familiares, na rua e no trabalho. Elas dividemrelevante. Nelas no existia nenhuma forma deos trabalhadores e dificultam sua organizao. E, comdominao de um sexo sobre outro, como tambm noisso, quem sai ganhando mais uma vez a classeexistia nenhuma forma de dominao de uma classe ricadominante.sobre a massa de trabalhadores, pois nelas no existiamNs, da Comisso Sindical, nos colocamos emclasses sociais diferentes.campanha contra as opresses! Acreditamos que deve Apesar dos grandes avanos conquistados,prevalecer entre todos os trabalhadores relaes deatravs de muita luta, por mulheres, negros erespeito e de solidariedade. Pretendemos manter umhomossexuais, ainda h muitas desigualdades. Vemos espao permanente no nosso jornal para discutirmosisso nos altos ndices de violncia contra as mulheres e este tema e garantir o combate a qualquer forma deos homossexuais, nos salrios menores pagos aopresso. A Era Hobsbawm (1917-2012) Curtas No dia 01/10, morreu Eric Hobsbawm, historiador, socialista, o fim do mundo no BB? Assdioprofessor, crtico e amante de jazz, um dos maiores intelectuais do nossomoral,reestruturaes,tempo, que estudou profundamente o sculo XX e suas revolues. O fato deadoecimento, morte de colegas...ser um intelectual jamais significou, para Hobsbawm, um distanciamento dosTudo isso parece mesmo o fim doacontecimentos. Ao contrrio, sua militncia poltica esteve sustentada nasmundo. E no que at a Redereflexes sobre nosso tempo. Em sua trajetria, anlise do passado eGlobo ficou sabendo da situao quetransformao do presente apareceram sempre como dimensesprevalece aqui, nesta empresa deindissociveis da prtica do historiador, orientada para a criao de um ()mais de 200 anos. Ela escolheu asmundo no qual os trabalhadores possam fazer sua prpria vida e sua prpriadependncias do CARJ para ahistria, ao invs de receb-las prontas de terceiros, mesmo dosgravao de cenas de uma minissrieacadmicos*.que fala sobre o fim do mundo. Ns, da Comisso Sindical, fazemos aqui nossa homenagem a EricSintomtico, no?Hobsbawm. Que sua vida e obra sirvam de exemplo para nossa luta! Para quem no conhece a obra desse grande historiador, segue oE no para por a! No final dettulo de algumas de suas publicaes: Era dos Extremos; A Era dasAvenida Brasil, em meio a tantasRevolues; Era do Capital; A Era dos Imprios; Sobre Histria; Histriarevelaes, descobrimos que... Nilo,Social do Jazz; Pessoas Extraordinrias: Resistncia, Rebelio e Jazz; Osque vive no lixo, j foi bancrio!Trabalhadores: Estudos Sobre a Histria do Operariado; Mundos doTrabalho: Novos Estudos Sobre a Histria Operria; Revolucionrios: EnsaiosS faltar o castigo da Carminha...Contemporneos; As Origens da Revoluo Industrial.Tornar-se escriturria no BB!* HOBSBAWM, do livro Mundos do Trabalho.