GESTÃO DE PRODUÇÃO

Click here to load reader

  • date post

    19-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    62
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of GESTÃO DE PRODUÇÃO

Gesto da produoGustavo De Arriba

1

Conceitos bsicos

Conceito atual = agregar valor ou utilidade a um bem ou servio. Trabalho nem sempre leva a produo! Recursos utilizados: instalaes e equipamentos, pessoas, procedimentos e dinheiro. Tipos de processos: transformao (propriedade), venda (posse), distribuio (local) e armazenamento(mantm propriedade, posse e local)

Quais so as propriedades que distinguem bens de servios?2

Classificao da produo Produo

continua de massa intermitente no/pouco repetitiva nica/projeto3

Petrleo, ao, camiseta branca Produo

Automveis, eletrodomsticos, roupas profissionais Produo

Mquinas, ferramentas, alimentos cong., roupas clsicas Produo

Equip. sob encomenda, material grfico, ternos sob medida Produo

Navos, pontes, vestido de noiva

Competitividade = ganhar clientes

FAZER CERTO: vantagem da qualidade. FAZER BARATO: vantagem do preo FAZER NO TEMPO: vantagem da pontualidade FAZER RPIDO: vantagem da velocidade MUDAR O QUE FEITO: vantagem da flexibilidade

FAZER CERTO: qualidade do produto. FAZER BARATO: qualidade do processo. FAZER NO TEMPO, FAZER RPIDO e MUDAR O QUE FEITO: qualidade da organizao

4

Ganhar clientes e ganhar dinheiro Comparemos

empresas a mquinas: Quanto dinheiro est mquina capaz de gerar?GANHO OU MARGEM BRUTA

Quanto de dinheiro temos que investir para mant-la em funcionamento?INVENTRIO

Quando de dinheiro devemos gastar para oper-la?DESPESA OPERACIONAL5

Ganhar clientes e ganhar dinheiroFatores qualificadores e fatores ganhadores de pedido (dependem do pblico alvo)QUALIDADE DO SERVIO DE PS-VENDA, PREO, ATUAO DO VENDEDOR, CONDIES DE PAGAMENTO, NOVIDADE, CONVENINCIA OU FACILIDADE DA COMPRA, RAPIDEZ DA ENTREGA, PONTUALIDADE DA ENTREGA, IMAGEM OU REPUTAO DO FABRICANTE, QUALIDADE DO PRODUTO, LINHA DE PRODUTOS, MODA, etc.

Exemplo: a empresa concorrendo para fornecer couro para Loui Vuitton, para Arezzo ou para um cliente de Santa Catarina MANTER A SUPERIORIDADE NUM PATAMAR VISVEL MAS NO EXCESSIVO, EVITANDO GASTOS DESNECESSRIOS PARA MELHORAR A PERFORMANCE DE CRITRIOS GANHADORES QUANDO A DIFERENCIAO J EXISTE

6

Medidas de desempenho Lucro

lquido = ganho despesa operacional

Retorno

sobre inv = (ganho despesa oper) inventrio Fluxo de caixa = medida de SOBREVIVNCIA

7

Medidas de desempenho LucroAUMENTANDO A PRODUO VENDIDA lquido = ganho despesa operacional

Retorno

REDUZINDO ESTOQUES sobre inv = (ganho despesa oper) inventrio Fluxo de caixa = medida de AS DESPESAS OPERAC. REDUZINDO SOBREVIVNCIA

8

Ciclo de produo e ciclo financeirorecepo de matria-prima PMPE entrada de pedido PMP pagamento da matria-prima LEAD TIME CF faturamento recebemento das vendas PMR

9

Definio de preo

PREO = CUSTO + LUCRO REAL

LUCRO = PREO - CUSTO

10

Fluxo de material analogia hidralicafornecedor cliente

Taxa de produo

VAZO

Produto/min

m3/min

Ciclo de processo Inventrio

1/VAZO VOLUME DE LQUIDO NA TUBULAO

Minutos/produto Investimento total em um dado instante

min/m3 m3

Tempo de atravessamento

TEMPO DE Tempo total para a PERMANNCIA DA concluso de um MOLCULA DE lote GUA

minutos11

Causas, tipos e funes de estoque

Por que manter estoques? INCERTEZA: estoque de segurana desacoplamento entre operaes TEMPO DE REPOSIO: estoque de fluxo viabilizar a operao do sistema produtivo ECONOMIA DE ESCALA: estoque de ciclo reduo de custos DEMANDA SAZONAL: estoque sazonal estabilizar a produo INVESTIMENTO: estoque especulativo ganhar dinheiro12

Estabilidade dos estoques em processo (filas)Atrasos ocorrem Temp. tot Crescem e Tornam-se incertos Aumentam Tempos de produo

As filas crescem A carga de Trabalho umenta s/necess

Ordens Planejadas e Liberadas antes

13

As 7 perdas Desperdcio

de superproduo; Desperdcio de tempo disponvel (espera); Desperdcio em transporte; Desperdcio do processamento em si; Desperdcio de estoque disponvel; Desperdcio de movimento; Desperdcio de produzir produtos defeituosos.CAPACIDADE ATUAL = TRABALHO + DESPERDICIO

14

Princpios do Sistema Toyota de Produo

Criar um fluxo de processo contnuo para trazer os problemas a tona; Usar Sistemas puxados para evitar a superproduo; Construir uma cultura de parar e resolver problemas para obter a qualidade desejada logo na primeira tentativa; Tarefas padronizadas so a base da melhoria continua e a capacitao dos funcionrios; Usar controle visual para que nenhm problema fique oculto: Desenvolver lderes que compreendam o trabalho, vivam a filosofia e ensinem aos outros; Ver por si mesmo para compreender a situao:15

Conceito de lay out

LAY OUT = DISPOSIO DE MQUINAS OU EQUIPAMENTOS. Busca da reduo do transporte a zero. O transporte no agrega valor. Vantagens do funcional: superviso, carga de trabalho melhor distribuida, manuteno simplificada. Vantagens do lay out por processo: menor movimentao, tempo de ciclo menor. O lay out de mquinas deve ser determinado pela magnitude de dificuldade de transporte entre duas mquinas e no pela sua carga de trabalho. Exemplos de nossa fbrica16

Elementos da filosofia Just in Time

Instaurao de um fluxo de materiais contnuo e constante atravs da planta e estendendo-se at os fornecedores que passam a ser vistos como extenses da fbrica. Implantao de procedimentos e atitudes voltados para a qualidade e a eliminao de atividades que no agregam valor. Envolvimento e participao da mo de obra direta como elemento gerador e executor de soluo visando a melhoria do processo produtivo.17

Procedimentos para a implementao do Just in Time Definio

de um tempo de ciclo baseado na demanda real; Nivelamento da produo em funo desa taxa; Reduo de tempos de preparao; Arranjo fsico dos recursos em formato celular; Acionamento da produo pelo setor subsequente; Seleo de fornecedores para a instaurao de relaes estveis de suprimento.18

Definies Nivelamento

da produo: suavizar e distribuir de forma homognea o fluxo de trabalho. Lotes de processamento e lotes de transferncia. No precisam ser iguais. Manufatura celular: agrupar recursos dedicados a fabricao de um produto ou familia. Puxar e empurrar produo. Acionamento da produo pelo setor subsequente; Seleo de fornecedores para a instaurao de relaes estveis de suprimento.19

Benefcios do fluxo unitrio de peas Acrescenta

qualidade. Cria flexibilidade real. Cria maior produtividade. Libera espao. Aumenta a segurana. Estimula a moral. Reduz o custo do estoque.20

Produo puxada - Exemplos Abastecimento

de gasolina no carro. Compras de alimentos para nossas casas. Reposio das prateleiras do Supermercado Na nossa indstria como seria? Produtos qumicos para o fulo? Produo de semi para acabado? Matria-prima wet blue para produo?

21

Conceito de set up Relao

entre custo e tamanho de lote. Conceito de lote econmico O segredo est na reduo dos tempos de preparao. Melhorias fundamentais ao invs de melhorias superficiais. Anlise de tempos externos e tempos internos. Padronizao e treinamento. Acompanhamento e melhoria continua22

Teoria das restries 5 etapas

Identificao de quais so os recursos crticos (gargalos) que restringem a capacidade de processamento do sistema; Busca da melhoria da performance do sistema atravs da utilizao plena dessas restries crticas; Subordinao de tudo ao ritmo de produo desse recurso crtico; Remoo dessa restrio, identificando-se o novo gargalo do sistema e Reincio do roteiro de melhoria.23

Teoria das restries 5 princpios

Uma hora perdida num gargalo uma hora perdida no sistema. Uma hora ganha num recurso no-gargalo apenas uma miragem. Gargalos governam tanto o volume de venda quanto os estoques. O nvel de utilizao de um recurso no-gargalo no determinado pelo seu prprio potencial mas sim por alguma outra restrio do sistema. Programas de produo devem ser estabelecidos analisando-se todas as restries simultneamente.24

Indicadores utilizados em nossa empresa Eficincia Produtividade Tempos

de set up Tempo de mquina Tempos fora de mtodo Tempos improdutivos Lead time ou tempo de ciclo25

FIM

26